A História da Igreja

Título do original em Inglês: “Church History”, por Andrew Miller.

Licença Creative Commons: Tradução do livro “Church History” de Andrew Miller de http://a-historia-da-igreja.blogspot.com.br/ está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional. Baseado no trabalho disponível em http://www.stempublishing.com/history/.

Mais conteúdo em texto e áudio com a sã doutrina você encontra em:

Literaturas em formato digital: www.acervodigitalcristao.com.br

Literaturas em formato impresso: www.verdadesvivas.com.br Evangelho em

03 Minutos: www.3minutos.net O que respondi: www.respondi.com.br

Prefácio

Como tudo o que sabemos da história chega a nós por meio de livros, eu examinei, com muito cuidado, os autores mais conceituados, considerando-os confiáveis. E apesar de haver frequentes referências ao volume e à página, isto de modo algum indica tudo o que foi reunido a partir dessas histórias. Seria impossível dizer quantos pensamentos, palavras e sentenças se entrelaçam com os meus próprios. As referências foram, geralmente, dadas, nem tanto para permitir a verificação do que foi escrito, mas também para induzir o leitor a estudá-las. O material é tão variado e abundante que a dificuldade consistiu em fazer a seleção, assim como manter uma linha de continuidade histórica, e ainda deixar de fora o que, no momento, não seria proveitoso nem interessante.

Alguns dos meus mais antigos e estimados amigos, tais como Greenwood, Milman e Graigie Robertson, concluíram seus relatos por volta do século XIV; Waddington, D’Aubigne e Scott, por volta do século XVI; e Wylie fecha sua história do Protestantismo com seu estabelecimento sob o reinado de William e Mary. As histórias e biografias especiais do Dr M’Crie são, também, extremamente valiosas; e assim também é a história do Protestantismo na França por Felice, a história da Reforma nos Países Baixos por Brandt, a breve história da Idade Média e Reforma por Hardwick, e também o relato de Cunningham sobre a Igreja da Escócia; no entanto, bons relatos gerais sobre os acontecimentos do começo do século XVI até o século presente1, são realmente escassos.

Eu tenho em vista, neste livro, mais do que a mera história. Tem sido meu desejo conectá-la a Cristo e Sua Palavra, de modo que o leitor possa receber a verdade e a bênção, por meio da graça, à sua alma. O leitor deverá observar que o livro começa com o propósito revelado pelo Senhor referente à Sua Igreja, em Mateus 16. Outras partes do Novo Testamento referentes ao alvorecer da Igreja foram cuidadosamente examinadas, mas me foquei no traçar de sua real história à luz das sete cartas às Igrejas da Ásia. Isto, é claro, de uma forma muito geral, uma vez que meu desejo é dar ao leitor a visão mais ampla da história eclesiástica quanto possível, de forma consistente com meu plano e brevidade.

Que as bênçãos do Senhor possam acompanhar o volume que agora é lançado.

N. do T.: século XIX, quando foi escrito este livro↩

Introdução

Muitos de nossos leitores, como sabemos, não têm disponibilidade de tempo nem a oportunidade de ler as volumosas obras que foram escritas ao longo do tempo sobre a história da igreja. Ainda assim, aquela que tem sido a morada de Deus nos últimos 2000 anos deve ser objeto do mais profundo interesse de Seus filhos. Não estamos falando, aqui, da igreja como é geralmente representada na história, mas de como ela é definida nas Escrituras. Ali, ela é vista em seu verdadeiro caráter espiritual, como o corpo de Cristo, e como a “morada de Deus em Espírito” (Efésios 2).

Devemos sempre ter em mente, ao ler tudo o que é relacionado à história da igreja, que, dos dias dos apóstolos até os dias de hoje, sempre existiram duas classes distintas e amplamente diferentes na igreja professa: os meramente nominais, e os reais - os verdadeiros e os falsos. Isto havia sido predito. “Porque eu sei isto”, disse o apóstolo, “que, depois da minha partida, entrarão no meio de vós lobos cruéis, que não pouparão ao rebanho. E que de entre vós mesmos se levantarão homens que falarão coisas perversas, para atraírem os discípulos após si.” (Atos 20:29-30). Sua Segunda Epístola a Timóteo é também cheia de alertas e direções referentes às várias formas de mal que foram, então, claramente manifestas. Uma rápida mudança para pior tomou conta desde a vez que sua primeira epístola tinha sido escrita. Ele exorta aos verdadeiros crentes para andar em separação daqueles que tinham aparência de piedade, mas que negavam a eficácia dela. “Destes”, diz ele, “afasta-te”. Tais exortações são sempre necessárias, sempre aplicáveis - tanto hoje quanto antes. Não podemos nos separar da Cristandade professa sem deixarmos de lado o Cristianismo; mas podemos e devemos nos separar do que o apóstolo chama de “vasos para desonra”. A promessa é que, “se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra.” (2 Timóteo 2:21).

É interessante - apesar de também doloroso - destacar a diferença, neste ponto, entre a Primeira e a Segunda Epístola a Timóteo. Na primeira, é falado da igreja de acordo com seu verdadeiro caráter e com sua bendita posição na Terra. Lá ela é vista como a casa de Deus - a coluna e a firmeza da verdade para o homem. A Segunda Epístola mostra o que ela se tornou graças às falhas daqueles em cujas mãos ela foi confiada.

Vamos tomar uma passagem de cada Epístola como ilustração: (1) “Escrevo-te estas coisas, esperando ir ver-te bem depressa. Mas, se tardar, para que saibas como convém andar na casa de Deus, que é a igreja do Deus vivo, a coluna e firmeza da verdade.” (1 Timóteo 3:14-15) (2) “Numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra.” (2 Timóteo 2:20). Aqui tudo mudou - infelizmente mudou. No lugar da ordem divina há uma incorrigível confusão; no lugar da “casa de Deus, a coluna e firmeza da verdade”, há uma “grande casa” - praticamente “o mistério da iniquidade”. Em vez da casa ser mantida de acordo com a vontade de Deus, e adequada a Ele, ela é organizada e ordenada de acordo com a vontade do homem, e para sua própria vantagem e exaltação pessoal. Assim, sem muita demora, o mal, que tem sido o pecado e a desgraça da Cristandade até então, fez suas primeiras aparições. Mas isto é posto de lado quando o Espírito de Deus, em grande misericórdia, nos fornece as mais claras direções para o dia mais sombrio da história da igreja, indicando o caminho da verdade para os piores tempos; deste modo, ficamos sem desculpas. Os tempos e circunstâncias mudam, mas nunca a verdade de Deus.

Os Erros dos Historiadores em Geral

Alguns historiadores, infelizmente, não levaram em consideração esta triste mistura dos vasos bons e ruins - dos verdadeiros e falsos cristãos. Eles mesmos não eram homens com mentes espirituais. Portanto fizeram, e ainda fazem, de seu objetivo principal, registrar os vários caminhos anticristãos e perversos dos meros professos. Eles se delongam minuciosamente nas heresias que perturbaram a igreja, nos abusos que a desgraçaram, e nas controvérsias que a distraíram. Nós, pelo contrário, nos esforçaremos para perscrutar pelas longas páginas escuras da história em busca da linha prateada da graça de Deus nos verdadeiros cristãos, embora muitas vezes a liga seja tão predominante que o minério puro é quase imperceptível.

Deus nunca deixou a Si mesmo sem um testemunho. Ele sempre manteve Seus amados e queridos, mesmo que ocultos, em todas as eras e em todos os lugares. Nenhum olho a não ser o dEle poderia enxergar os sete mil em Israel que não tinham se curvado à imagem de Baal, nos dias de Acabe e Jezabel. E não há dúvida que dezenas de milhares, mesmo nas épocas mais sombrias do Cristianismo, serão encontrados, afinal, na “gloriosa igreja”, que Cristo apresentará a Si mesmo, no tão esperado dia de Sua alegria nupcial. Muitas pedras preciosas encontradas em meio ao lixo da “idade média” refletirão Sua graça e glória naquele dia sem par.

Que bendito pensamento! Mesmo agora enche a alma de júbilo e deleite. Senhor, apresse aquele dia tão feliz por amor de Teu próprio nome!

Diferente de muitos falsos, os verdadeiros crentes são humildes por instinto. Eles são geralmente reservados, e a maioria são pouco conhecidos. Não há humilhação tão profunda e real como aquela que o conhecimento da graça produz. Tais pessoas modestas e ocultas encontram pouco espaço nas páginas históricas. Mas o convincente e zeloso herege, e o barulhento e visionário fanático, são barulhentos demais para escapar à vista. Por isso, também, que os historiadores vêm recordando tão cuidadosamente os tolos e insensatos princípios e as más práticas de tais homens.

Vamos agora mudar um pouco de assunto, e tomar uma visão geral da primeira parte de nosso assunto: as sete cartas às igrejas da Ásia.

As Sete Igrejas da Ásia

Estas sete cartas às igrejas das Ásia servirão de base para nossos futuros estudos. Cremos que elas não sejam apenas históricas, mas também proféticas. Sem dúvida, elas são terminantemente históricas, e este fato deve pesar no que diz respeito ao estudo de seu caráter profético. As sete igrejas realmente existiram nas sete cidades aqui citadas, e nas condições aqui descritas. Porém, é igualmente claro que elas foram destinadas, por aquEle que sabe tudo do início ao fim, a ter um significado profético, assim como sua aplicação histórica. Estas igrejas locais foram selecionados em meio a muitas, e assim dispostas e descritas de modo a prenunciar o que havia de vir. Limitar sua aplicação apenas às sete igrejas literais que se encontravam na Ásia seria estragar a unidade do livro de Apocalipse, e perder de vista as bênçãos prometidas. “Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia” (Apocalipse 1:3). O caráter de todo o livro é profético e simbólico. O segundo e o terceiro capítulo não são exceções. Eles são introduzidos pelo próprio Senhor em seu caráter místico: “O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra, e dos sete castiçais de ouro. As sete estrelas são os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas.” (Apocalipse 1:20)

O número sete é característico. Ele marca um círculo completo dos pensamentos e modos de Deus quanto ao tempo. Daí vêm os sete dias da semana, as sete festas de Israel e as sete parábolas do reino dos céus em mistério. Este número é frequentemente usado no decorrer do livro de Apocalipse ao tratar de judeus, gentios e a igreja de Deus como responsáveis diante de Deus sobre a Terra. Por isso vemos sete igrejas, sete estrelas, sete castiçais, sete anjos, sete selos, sete trombetas, sete taças e as sete últimas pragas. Apenas nos capítulo 2 e capítulo 3 vemos a igreja como responsável diante de Deus sobre a Terra, e como objeto do governo divino. Nos capítulos 4-19 a igreja está no Céu1. Então ela aparece novamente em plena glória manifesta com seu Senhor apenas no capítulo 19: “E seguiam-no os exércitos no céu em cavalos brancos, e vestidos de linho fino, branco e puro.” (Apocalipse 19:14). 2

No corpo do livro, especialmente a partir do capítulo 6, é feita menção a judeus e gentios, que são tratados judicialmente a partir do trono de Deus no Céu. Porém isto não acontecerá até que a igreja - a verdadeira noiva do Cordeiro - seja arrebatada para o Céu, e as coisas meramente nominais e corruptas sejam finalmente rejeitadas.

Esta divisão do livro em três partes, vinda do próprio Senhor, torna a ordem dos eventos bastante clara, e deve ter um imenso peso como princípio de interpretação no estudo de Apocalipse. No capítulo 1:19 Ele nos fala do conteúdo e plano do livro inteiro: “Escreve as coisas que tens visto, e as que são, e as que depois destas hão de acontecer”. “As coisas que tens visto” se referem à revelação de Jesus como vistas por João no capítulo 1; “as coisas que são”, como a condição presente do corpo professante como apresentado nos capítulos 2 e 3 . “As coisas que depois destas hão de acontecer” são referentes ao capítulo 4 em diante. A terceira divisão começa no capítulo 4. Uma porta no Céu é aberta, e o profeta é chamado para subir até lá. “Sobe aqui, e mostrar-te-ei as coisas que depois destas devem acontecer.” É a mesma frase encontrada no capítulo 1:19. As coisas que são, e as coisas que devem acontecer depois destas, não poderiam, de maneira alguma, acontecerem ao mesmo tempo. Uma deve terminar antes que a outra comece.

Quando o número sete é usado, não em sentido literal, mas simbolicamente, sempre tem o significado de completude. É evidente, portanto, que seja utilizado nos capítulos 2 e 3 . Como sabemos, havia outras igrejas além daquelas mencionadas, mas sete são selecionadas e associadas a fim de apresentar um quadro completo do que se desenvolveria posteriormente na história da igreja sobre a Terra. Os mais importantes elementos morais que existiam naquelas igrejas naquele momento, o Senhor previu que reapareceriam no decorrer do tempo. Assim temos uma figura sete vezes perfeita - isto é, divinamente perfeita - dos sucessivos estados pela qual passaria a igreja professa durante todo o período de sua responsabilidade sobre a Terra.

Vamos agora resumir rapidamente o que é apresentado sobre essas sete igrejas, e dar uma ideia geral dos diferentes períodos da história aos quais elas se aplicam.

Um Resumo das Sete Igrejas

Éfeso: Em Éfeso o Senhor detecta a raiz de todo o declínio. “Deixaste teu primeiro amor”. Ela é ameaçada a ter seu castiçal removido a menos que se arrependa. Período: da era apostólica até o final do segundo século.

Esmirna: A mensagem a Éfeso é geral, mas para Esmirna é específica. E, apesar de aplicada àquela assembleia naquele tempo, ela prefigura, de forma muito marcante, as repetidas perseguições pela qual a igreja passou sob os imperadores pagãos. No entanto, Deus pode ter usado o poder do mundo para deter o progresso do mal dentro da igreja. Período: do segundo século até Constantino.

Pérgamo: Aqui temos o estabelecimento do Cristianismo por Constantino como a religião do Estado. Em vez de perseguir os cristãos, ele os patrocina. A partir daí a queda da igreja avança rapidamente. Sua aliança profana com o mundo resultou em sua mais triste e profunda queda. Foi então que ela perdeu o verdadeiro sentido de sua relação com Cristo no Céu, e de seu caráter como peregrina e estrangeira na Terra. Período: do começo do quarto século até o sétimo século, quando o papado foi estabelecido3.

Tiatira: Em Tiatira vemos o papado da idade média, em semelhança à Jezabel, praticando todo o tipo de maldade, e perseguindo os santos de Deus, sob o disfarce de zelo religioso. No entanto, havia um remanescente temente a Deus em Tiatira, a quem o Senhor conforta com a brilhante esperança de Sua vinda, e com a promessa de poder sobre as ações, quando o próprio Senhor reinará. Mas a palavra de exortação ao remanescente é: “Mas o que tendes, retende-o até que eu venha” (Apocalipse 2:25). Período: do estabelecimento do papado até a vinda do Senhor. Este período vai até o fim, mas é caracterizado pela idade das trevas (idade média).

Sardes: Aqui vemos a parte Protestante da Cristandade que surgiu após a grande Reforma. As características falhas do papado desaparecem, mas o novo sistema não tem vida em si mesmo. “Tens nome de que vives, e estás morto” (Apocalipse 3:1). Mas há, ainda, verdadeiros santos dentro desses sistemas sem vida, e Cristo conhece a todos. “Mas também tens em Sardes algumas pessoas que não contaminaram suas vestes, e comigo andarão de branco; porquanto são dignas disso” (Apocalipse 3:4). Período: do século XVI até hoje. Período marcado pelo início do Protestantismo após a Reforma.

Filadélfia: A igreja da Filadélfia apresenta um remanescente fraco, porém fiel à palavra e ao nome do Senhor Jesus. O que os caracterizava era o fato de guardarem a palavra da paciência de Cristo, e de não negarem Seu nome. A condição deles não era marcada por qualquer exibição de poder, nem de coisa alguma grande externamente, mas de uma próxima, íntima e pessoal comunhão com o Senhor. Ele está no meio deles como o Santo e o Verdadeiro, e é representado como sendo o dono da casa. Ele possui “a chave de Davi”. Os tesouros da palavra profética estão disponíveis para aqueles que estão dentro. Eles estão também desfrutando de Sua paciência, e na expectativa de Sua vinda. “Como guardaste a palavra da minha paciência, também eu te guardarei da hora da tentação que há de vir sobre todo o mundo, para tentar os que habitam na terra.” Período: especialmente a partir da primeira parte do século XIX.

Laodiceia: Em Laodiceia temos mornidão - indiferença, latitudinarismo4 ou ecumenismo - mas com altas pretensões, um espírito arrogante, e grande auto-suficiência. Este é o último estado daquela que leva o nome de Cristo sobre a Terra. Mas, que lástima! Isso é intolerável para Ele. Sua condenação final é chegada. Tendo separado, para Si mesmo, cada verdadeiro crente das corrupções da Cristantade, o Senhor os vomita de Sua boca. Aquilo que deveria ter sido doce a Seu paladar se tornou enjoativo, e é lançado fora para sempre. Período: começando quase em paralelo ao período de Filadélfia, mas especialmente próximo à cena final. Está ativa no período em que vivemos agora.

Tendo assim tomado uma visão geral das sete igrejas, devemos agora nos esforçar, com a ajuda do Senhor, a traçar brevemente estes diferentes períodos da história da igreja. Nosso propósito é examinar mais detalhadamente cada uma das sete epístolas enquanto avançamos com nosso estudo para que possamos verificar, à luz da Palavra, os diferentes períodos por elas referidos, e o quanto os fatos da história da igreja ilustram a história apresentada nas Escrituras nesses dois capítulos. Que o Senhor possa nos guiar, para o refrigério e bênção de Seus queridos.

Portanto não sendo mencionada nesses capítulos↩

N. do T.: E aparece no mesmo capítulo também como a esposa já pronta para o casamento: “Regozijemo-nos, e alegremo-nos, e demos-lhe glória; porque vindas são as bodas do Cordeiro, e já a sua esposa se aprontou.” (Apocalipse 19:7)↩

O título “Papa” foi primeiramente adotado por Higino no ano de 139, e o Papa Bonifácio III induziu Focas, Imperador do Leste, a concedê-lo ao prelado de Roma em 606. Ainda com a conivência de Focas, a supremacia do papa sobre a igreja cristã foi estabelecida - Dicionário de Dados de Haydn)↩

N. do T.: latitudinarismo é uma seita inglesa que sustenta a máxima tolerância religiosa e a doutrina de que todos os homens se salvarão. Similar ao universalismo↩

Verdades Fundamentais

A Pedra do Fundamento

Ao iniciar o estudo de qualquer assunto, é bom que se conheça seus princípios - a intenção ou plano original, e o primeiro passo em sua história. Temos tais princípios da maneira mais clara e completa, em relação à igreja, nas Sagradas Escrituras. Lá temos, não somente a intenção original, mas os planos e especificações do grande Construtor, e o início da história do trabalho de Suas próprias mãos. O fundamento foi colocado, e o trabalho estava em andamento, mas o próprio Senhor era ainda o único Construtor: portanto, a este tempo, tudo era real e perfeito.

No final da dispensação dos judeus, o Senhor acrescentou o remanescente salvo de Israel à recém-formada igreja. No entanto, no final da presente dispensação - a dispensação da graça, ou dos cristãos - Ele levará todos os que creem em Seu nome para o Céu em corpos glorificados. Nenhum dos que pertencem à igreja serão agregados à congregação dos santos do milênio. “Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois nós, os que ficarmos vivos, seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, a encontrar o Senhor nos ares, e assim estaremos sempre com o Senhor.” (1 Tessalonicenses 4:16-17). Este será o feliz fechamento da história da igreja na Terra - a verdadeira esposa de Cristo: os mortos ressuscitarão, os vivos serão transformados, e todos, em corpos glorificados, arrebatados juntamente nas nuvens para se encontrarem com o Senhor nos ares. Assim temos todo o limite da igreja definido, e todo o período de sua história diante de nós. Retornemos, porém, ao alvorecer de seu dia na Terra.

Sob a figura de um edifício, o Senhor introduz, pela primeira vez, o assunto acerca da igreja. E tão infinitamente precisas são Suas palavras, que podemos adotá-las como o texto, ou lema, de toda sua história. Elas têm sustentado os corações e esperanças de Seu povo em todas as eras, e em todas as circunstâncias, e serão sempre o baluarte da fé. O que pode ser mais bendito, mais tranquilizador, mais apascentador, que estas palavras? “SOBRE ESTA PEDRA EDIFICAREI A MINHA IGREJA, E AS PORTAS DO INFERNO NÃO PREVALECERÃO CONTRA ELA.”

Em Mateus 16, o Senhor questiona Seus discípulos acerca do que andavam dizendo os homens sobre Ele. Isto leva à confissão de Pedro, e também à graciosa revelação do Senhor referente à Sua igreja. Pode ser interessante transcrever toda a conversa para nossas páginas, pois nos leva diretamente ao nosso assunto.

“E, chegando Jesus às partes de Cesaréia de Filipe, interrogou os seus discípulos, dizendo: Quem dizem os homens ser o Filho do homem? E eles disseram: Uns, João o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou um dos profetas. Disse-lhes ele: E vós, quem dizeis que eu sou? E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.” (Mateus 16:13-18)

Aqui temos as duas principais coisas que estão conectadas ao edifício proposto - a Pedra do Fundamento1 e o divino Construtor. “Sobre esta pedra edificarei a Minha igreja”. “Mas, quem é, ou o que é, ’a pedra’?”, alguns poderiam questionar. Claramente, a resposta é: a confissão de Pedro; não o próprio Pedro, como ensina a apostasia. Verdadeiramente, ele era uma pedra - uma pedra viva no novo templo; “Tu és Pedro” - tu és uma pedra. Mas a revelação do Pai, por Pedro, da glória da Pessoa de Seu Filho, é o fundamento sobre a qual a igreja é edificada - “Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo”. A glória e a Pessoa do Filho ressurreto é a verdade revelada aqui. “To não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus”. Imediatamente após a confissão de Pedro, o Senhor dá a entender Sua intenção em edificar Sua igreja, e afirma sua segurança eterna. “Sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela.”

Ele mesmo, a fonte da vida, não podia ser vencido pela morte. Mas, ao morrer como o grande Substituto pelos pecadores, Ele triunfou sobre a morte e a sepultura, e está vivo para sempre, como disse ao apóstolo João após Sua ressurreição: “E [sou] o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno.” (Apocalipse 1:18). Quão majestosas e triunfantes são estas palavras! São palavras de um conquistador - de Alguém que tem poder, mas um poder sobre as portas do hades - o lugar dos espíritos separados de seus corpos. As chaves - símbolo de autoridade e poder - estão penduradas em Seu cinto. O golpe da morte pode cair sobre um cristão, mas o aguilhão dela se foi. Ela, agora, vem como uma mensageira de paz para conduzir o cansado peregrino para o descanso eterno da casa celestial. A morte não é mais mestre, mas sim serva do cristão. “Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso; seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso, e vós de Cristo, e Cristo de Deus” (1 Coríntios 3:21-23)

A Pessoa de Cristo, então, o Filho do Deus vivo - em Sua ressurreição e glória - é o fundamento, o sólido e imperecível fundamento, sobre a qual a igreja é edificada. Como vivo dentre os mortos, Ele comunica vida em ressurreição a todos que são edificados nEle como a verdadeira pedra do fundamento. Pedro deixa isto claro em sua primeira Epístola: “E, chegando-vos para ele, pedra viva… sois vós também quais pedras vivas, edificados como casa espiritual” (1 Pedro 2:4-5). E mais adiante, no mesmo capítulo ele diz: “E assim para vós, os que credes, é preciosa”, ou “uma honra”, em outras versões (1 Pedro 2:7). Que possamos entender essas duas preciosas verdades em conexão com nossa “Pedra do Fundamento” - a vida divina e a preciosidade divina. Ambas são dadas e se tornam posse de todos os que colocam sua confiança em Cristo. “Chegando-vos a Ele”, não a qualquer outra coisa; é à Pessoa de Cristo que devemos ir, e com a qual devemos estar ligados. Sua vida - vida em ressurreição - se torna nossa. A partir desse momento, Ele é nossa vida. “Chegando-vos para ele, pedra viva… sois vós também quais pedras vivas, edificados como casa espiritual”. A própria vida de Cristo, como o Homem ressuscitado, e tudo o que é Sua herança é também nossa. Oh, que surpreendente, maravilhosa e bendita verdade! Quem não desejaria, acima de todas as coisas, essa vida, e essa vida além do poder da morte - além das portas do hades? Uma vitória eterna está gravada na vida ressurreta de Cristo, que não pode nunca mais ser testada; esta é a vida do crente.

Porém, há mais que vida para cada pedra viva no templo espiritual. Há também a preciosidade de Cristo. “E assim para vós, os que credes, é preciosa”. Portanto, do mesmo modo como a vida de Cristo se torna nossa quando cremos nEle, assim também é Sua preciosidade. O princípio é o mesmo para ambos. A vida pode ser vista como nossa capacidade de desfrutar, e a preciosidade, como nosso título de possessão e herança nas alturas. Suas honras, tútilos, dignidades, privilégios, possessões, glórias, são nossas - tudo é nosso nEle. “Para aqueles que creem Ele é a preciosidade”. Que pensamento maravilhoso! “Ele amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5:25). Tal é nossa Pedra do Fundamento, e tal a bem-aventurança de todos os que estão sobre a Rocha. Assim como Jacó, sendo peregrino e estrangeiro, descansou sobre a pedra no deserto, e todo o panorama das riquezas celestiais em graça e glória passaram diante dele (Gênesis 28).

Cristo, O Único Construtor de Sua Igreja

Cristo, porém, é também o Construtor de Sua igreja. O edifício contra o qual nenhuma artimanha ou poder do inimigo poderia jamais prevalecer é a própria obra de Cristo, embora muitas vezes lemos sobre outros edificadores que participaram dela. “Sobre esta pedra edificarei a Minha igreja”. É bom ser claro nesse ponto para que não confundamos o que o homem edifica com o que Cristo edifica. Isto pode trazer uma imensa confusão para a mente, tanto em relação à verdade de Deus quanto ao presente estado da Cristandade, a menos que a distinção entre elas seja claramente entendida. Não há a nada mais importante do que notar que aqui é Cristo o único Construtor de Sua igreja, apesar de Paulo, Apolo e todos os verdadeiros evangelistas terem sido pregadores que levaram pecadores a crer. A obra do Senhor nas almas dos crentes é perfeita. É uma obra real, espiritual e pessoal. Por meio de Sua graça em seus corações eles vão até Ele, como a uma pedra viva, e são edificados sobre Ele que está ressurreto dentre os mortos. Eles provaram que o Senhor é gracioso. Assim são as pedras vivas com as quais o Senhor edifica Seu templo santo, e as portas do inferno nunca poderão prevalecer contra isto. Assim, o próprio Pedro, e todos os apóstolos, e todos os crentes são edificados como uma casa espiritual. Quando Pedro fala desse edifício em sua primeira epístola, ele não diz nada sobre ele mesmo ser um construtor. Aqui Cristo é o Construtor. É a obra dEle, e dEle somente. “Edificarei a Minha igreja”, disse Ele.

Vejamos agora, a partir da Palavra de Deus, o que o homem edifica, que materiais usa, e o modo como trabalha. Em 1 Coríntios 3 e 2 Timóteo 2 temos isto diante de nós. “Uma grande casa” é levantada pela instrumentalidade humana: que, de certo modo, é também a igreja, e a casa de Deus, como lemos em 1 Timóteo 3:15 da “casa de Deus, a igreja do Deus vivo”. É também chamada de casa de Cristo em Hebreus 3, “a qual casa somos nós”. Mas a casa em breve se tornou tristemente corrompida pela fraqueza e maldade humana. A autoridade da Palavra de Deus foi deixada de lado por muitos, e a vontade do homem se tornou de máxima importância. O efeito da filosofia humana nas simples instituições de Cristo foi rápida e dolorosamente manifesta. Porém madeira, feno e palha nunca poderiam ser “bem ajustados” com o ouro, a prata e as pedras preciosas. A casa se tornou grandiosa no mundo, assim como a árvore de mostarda, em cujos galhos se encontra uma inconveniente morada para toda “ave imunda e odiável”. A conexão com a “grande casa” dá ao homem um status no mundo, muito diferente do Mestre, que foi desprezado e rejeitado. O arquebispo está ao lado da realeza. Mas a igreja professa não é apenas exteriormente grande, sendo ainda mais pretensiosa ao tentar colocar o selo de Deus sobre sua própria obra ímpia. Essa é sua maior perversidade, e a fonte de sua cegueira, confusão e mundanismo.

Paulo, como um homem escolhido pelo Senhor para Sua obra, lançou os alicerces do “edifício de Deus” em Corinto, e outros edificaram sobre ele. Mas nem todos edificaram com material divino. O fundamento correto estava posto, e cada um deveria ver como edificava sobre ele. Em conexão com o verdadeiro fundamento, alguns podiam edificar com ouro, prata e pedras preciosas, e outros com madeira, feno e palha. Isto é, alguns podiam ensinar a sã doutrina e procurar por uma fé viva em todos os que desejassem entrar em comunhão, e outros podiam ensinar doutrinas erradas e receber à comunhão da igreja pessoas nas quais não havia fé verdadeira, mas sim a mera observância externa de ordenanças. Aqui a instrumentalidade, responsabilidade e falha do homem entram. No entanto, o próprio edificador pode ser salvo pela fé em Cristo, todavia sua obra é destruída.

Mas há ainda uma outra e pior classe de edificadores, que corrompe o templo do Senhor, e são eles mesmos destruídos. Citamos aqui, para a conveniência do leitor, a passagem integral. Nada poderia ser mais claro. “Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele. Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo. E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, a obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo… Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá.” (1 Coríntios 3:10-17)

Podemos ainda observar nas palavras do Senhor, “sobre esta pedra edificarei a Minha igreja”, que Ele não havia começado a construir ainda: Ele está dizendo aos discípulos o que Ele ainda iria fazer. Ele não diz que já a edificou, ou que a está edificando, mas que irá edificá-la. Isto ele começou a fazer no dia de Pentecostes.

Mas há uma outra verdade ainda mais intimamente conectada com a história da igreja, e ligada à sua condição e caráter na Terra, que devemos observar antes de darmos prosseguimento à sua real história. Referimo-nos à verdade contida na expressão: “As chaves do reino dos céus”.

As Chaves do Reino dos Céus

Isso nos leva à já mencionada “grande casa” da profissão de fé cristã meramente externa. No entanto, devemos ter em mente que, apesar de intimamente conectados, o reino dos céus e a grande casa referem-se a coisas um tanto distintas. O mundo pertence ao Rei. “O campo é o mundo”. Seus servos devem ir a semear. Como resultado, temos “uma grande casa”, ou Cristandade. 2

Porém, quando tudo aquilo que é meramente nominal na Cristandade for varrido pelo juízo de Deus, o reino será estabelecido em poder e glória. Esse será o milênio.

Enquanto ainda falava com Pedro sobre a igreja, o Senhor acrescentou: “E eu te darei as chaves do reino dos céus”. A igreja sendo construída por Cristo, e o reino dos céus sendo aberto por Pedro, são coisas muito diferentes. É um dos grandes porém comuns erros da Cristandade usar os termos como sinônimos, como se significassem a mesma coisa. Escritores teológicos de todas as eras, ao assumir que eles são iguais, escreveram sobre a igreja e o reino da maneira mais confusa possível. A menos que tenhamos algum conhecimento dos modos dispensacionais de Deus, não poderíamos jamais manejar, ou dividir, bem Sua palavra (2 Timóteo 2:15). Não podemos confundir aquilo que o próprio Cristo edifica com aquilo que o homem edifica instrumentalmente, por meio de coisas como pregação e batismo. A igreja que é o corpo de Cristo é edificada sobre a confissão de que Ele é o Filho do Deus vivo, glorificado em ressurreição. Cada verdadeira alma convertida deve tratar com o próprio Cristo antes de ter algo a falar à igreja. O reino é algo muito mais amplo, e se aplica a cada pessoa batizada - isto é, todo o cenário da profissão cristã, seja ela verdadeira ou falsa.

Cristo não diz a Pedro que lhe daria as chaves da igreja ou as chaves dos céus. Se o tivesse feito, poderia realmente haver algum motivo para o sistema maligno do papado. Mas Ele simplesmente diz: “Te darei as chaves do reino dos céus” - isto é, de uma nova dispensação. Chaves, como já foi dito, não servem para construir templos, mas para abrirem portas, e o Senhor concedeu a Pedro a honra de abrir a porta do reino, primeiramente aos judeus (Atos 2), e depois aos gentios (Atos 10). Mas a linguagem que Cristo utiliza ao falar de Sua igreja é de uma outra ordem. É simples, bonita, enfática e inconfundível. “Minha igreja”. Que profundidade, que plenitude há nessas palavras. “Minha igreja”! Quando o coração encontra-se em comunhão com Cristo em relação à Sua igreja, existe uma compreensão de Suas afeições que palavras não têm o poder de expressar. Mas assim como são, gostamos de ponderar nestas duas palavras, “Minha igreja!”, mas quem pode falar do quanto do coração de Cristo que está aí revelada? Novamente, pense nessas outras duas palavras: “Esta pedra”, como se Ele tivesse dito: “A glória da Minha Pessoa, e o poder da Minha vida em ressurreição formam o sólido fundamento da ’Minha igreja”’. E de novo: “Eu a edificarei”. Vemos, assim, nessas sete palavras, que tudo está nas próprias mãos de Cristo, pois Ele é a “cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos.” (Efésios 1:23)

A Abertura do Reino dos Céus

O Senhor, de maneira especial, concedeu a Pedro a administração do reino, como vemos nos primeiros capítulos de Atos O termo é tirado do Antigo Testamento (veja Daniel 2 e 7 ). No capítulo 2, temos o reino; no capítulo 7, temos o Rei. A frase “reino dos céus” aparece apenas no Evangelho de Mateus, no qual o evangelista escreve principalmente para Israel.

A vinda do reino dos céus em poder e glória à Terra, na Pessoa do Messias, era a natural expectativa de todo judeu fiel. João Batista, como precursor do Senhor, apareceu pregando que o reino dos céus estava próximo. Mas, em vez de receberem o Messias, os judeus O rejeitaram e crucificaram. Consequentemente, o reino, de acordo com as expectativas judaicas, foi deixado de lado. No entanto, ele foi introduzido de uma outra forma. Quando o rejeitado Messias ascendeu ao Céu, e tomou Seu lugar à direita de Deus, triunfante sobre todos os inimigos, o reino dos céus começou. Agora o rei está no Céu, e como Daniel diz, “o Céu reina”, embora não abertamente. E, a partir do tempo em que Ele subiu até Seu retorno, este é o reino em mistério (Mateus 13). Quando Ele voltar novamente em poder e grande glória, será o reino manifesto.

A Pedro foi dado o privilégio de abrir esse reino para ambos judeus e gentios. Isto foi feito em sua pregação aos judeus, em Atos 2, e em sua pregação aos gentios, em Atos 10. Mas, novamente, devemos prestar atenção ao fato de que a igreja de Deus e o reino dos céus não são a mesma coisa. Sejamos claros, para começar, quanto a este ponto fundamental. A identificação falha das duas coisas têm produzido grande confusão de ideias e pode ser vista como a origem do puseísmo3, do papado, e de todo o sistema humano da Cristandade. Os comentários da próxima seção sobre a parábola do joio tratam diretamente desse assunto, apesar de se referirem a um período posterior ao dos primeiros capítulos de Atos.4

A Parábola do Joio

Mateus 13:24,25. ’Propôs-lhes outra parábola, dizendo: O reino dos céus é semelhante ao homem que semeia a boa semente no seu campo; Mas, dormindo os homens, veio o seu inimigo, e semeou joio no meio do trigo, e retirou-se’ - isso é exatamente no que se tornou a profissão cristã. Há duas coisas necessárias para a invasão do mal entre os cristãos. A primeira é falta de vigilância dos próprios cristãos. Eles se tornam descuidados, dormem, e o inimigo vem e semeia joio. Isto começou a acontecer logo no início da história da Cristandade. Encontramos essas sementes mencionadas até no livro de Atos dos Apóstolos, e cada vez mais nas Epístolas. A Primeira Epístola aos Tessalonicenses é a primeira que o apóstolo Paulo escreveu, e a segunda foi escrita pouco tempo depois. E nesta ele já fala que o mistério da iniquidade ja operava, e que se seguiriam outras coisas, como a apostasia e o homem do pecado, e que, quando a impiedade fosse plenamente manifesta (e não como opera agora, em segredo), então o Senhor colocaria um fim no iníquo e em todos os envolvidos com ele. O mistério da iniquidade parece ser semelhante ao joio mencionado aqui. Algum tempo depois, ’quando a erva cresceu e frutificou’, quando o cristianismo começou a avançar rapidamente sobre a Terra, ’então apareceu também o joio’. Mas é evidente que o joio foi semeado quase imediatamente depois da boa semente. Sempre que Deus realiza uma obra, Satanás fica no pé. Quando o homem foi feito, ele deu ouvidos à serpente e caiu. Quando Deus deu a lei, ela foi quebrada antes mesmo de ser entregue nas mãos de Israel. Assim é sempre a história da natureza humana. ”

“Assim o mal está feito no campo, e nunca reparado. O joio não deve ser retirado do campo no tempo presente: não há juízo para ele por enquanto. Isso significa que deve haver joio na igreja? Se o reino dos céus fosse a mesma coisa que a igreja não deveria haver nenhum tipo de disciplina: deveríamos permitir a imundície da carne ou do espírito ali. Eis a importância de saber distinguir a igreja do reino. O Senhor proíbe que o joio seja tirado do reino dos céus: ’Deixai crescer ambos juntos até à ceifa’ (Mateus 13:30), isto é, até que o Senhor venha em juízo. Se o reino dos céus fosse a mesma coisa que a igreja, repito, então implicaria em nada menos que isso: que nenhum mal, seja ele flagrante ou simples, deveria ser colocado para fora da igreja5 até o dia do juízo. Vemos, então, a importância da fazer essas distinções que tantos desprezam. Elas são totalmente importantes para a verdade e santidade. Não existe nem mesmo uma única expressão na Palavra de Deus que possamos ignorar.”

“Qual é, então, o significado dessa parábola? Não tem nada a ver com a questão da comunhão da igreja. É do ’reino dos céus’ que é falado aqui - o cenário da confissão cristã, seja verdadeira ou falsa. Assim gregos, coptas, nestorianos, católicos romanos, assim como evangélicos protestantes fazem parte do reino dos céus; não apenas os crentes, mas também as más pessoas que professam o nome de Cristo. Um homem que não é judeu nem pagão, e que professa exteriormente o nome de Cristo, está no reino dos céus. Ele pode até ser muito imoral e herege, mas não deve ser tirado do reino dos céus. Mas, seria correto recebê-lo à mesa do Senhor? Deus o proíbe! Se uma pessoa caída em pecado aberto estiver na assembleia, deve ser colocado para fora dela, mas não será colocada para fora do reino dos céus. De fato, isto só poderia ser feito tirando sua vida, arrancando o joio pela raiz. E é nisto que o cristianismo mundano caiu, em um espaço de tempo não muito longo após os apóstolos partirem da Terra. Punições temporais foram introduzidas para disciplina: leis foram criadas com o propósito de entregar o refratário para o poder civil. Se não honrassem a assim chamada igreja, aos desobedientes não seria permitido viver. Deste modo, o mesmo mal contra o qual o Senhor estivera protegendo seus discípulos continuou; o Imperador Constantino usou a espada para reprimir os ofensores da “igreja”. Ele e seus sucessores introduziram penas temporais para lidar com o joio, tentando arrancá-los. Tome a “igreja” de Roma, onde vemos tamanha confusão entre a igreja e o reino dos céus: eles clamavam que, se um homem for herege, deveria ser entregue às cortes do mundo para ser queimado. Eles também nunca confessam ou corrigem o erro, pois fingem ser infalíveis. Supondo que as vítimas fossem realmente joio, isto seria tirá-los do reino. Se você arranca o joio do campo, você o mata. Podem haver homens lá fora profanando o nome de Deus, mas devemos deixar que Deus lide com eles.”

“Isso não anula a responsabilidade cristã referente àqueles que estão à mesa do Senhor. Você encontrará instruções sobre tudo isso no que foi escrito sobre a igreja. ’O campo é o mundo’, a igreja engloba apenas aqueles que acredita-se serem membros do corpo de Cristo. Tomemos 1 Coríntios, onde temos o Espírito Santo mostrando a verdadeira natureza da disciplina eclesiástica. Suponhamos que haja cristão professos vivendo na prática do pecado; tais pessoas não devem ser consideradas, enquanto continuarem no pecado, como membros do corpo de Cristo. Um verdadeiro santo pode cair em pecado aberto, mas a igreja, sabendo disto, é responsável por intervir com o propósito de expressar o juízo de Deus sobre o pecado. Se deliberadamente permitissem tais pessoas a estar à mesa do Senhor, estariam efetivamente fazendo do Senhor cúmplice do pecado. A questão não é se a pessoa é convertida ou não. Se não convertidos, os homens não têm nada a ver com a igreja, e se convertidos, o pecado não deve ser ignorado. O culpado não deve ser tirado do reino dos céus, mas deve ser colocados para fora da assembleia (igreja local). Assim, o ensinamento da palavra de Deus é muito clara sobre essas duas verdades. É errado usar de punições do mundo para lidar com um hipócrita, mesmo que ele seja detectado. Devemos procurar o bem de sua alma, mas isso não é motivo para puni-lo. No entanto, se um cristão está em pecado, a igreja não deve suportá-lo, apesar de ser exortada a ser paciente no juízo. Mas devemos deixar os não convertidos para serem julgados pelo Senhor em sua vinda. ”

“Este é o ensinamento da parábola do joio, que fornece uma visão muito solene da Cristandade. Assim como o Filho do homem semeou a boa semente, Seu inimigo semeou a má, que cresceu junto com o resto, e este mal não pode ser arrancado no momento presente. Existe uma solução para o mal que entra na igreja, mas não ainda para o mal no mundo.” 6

É perfeitamente claro, tanto das Escrituras quando da história, que o grande erro no qual caiu o corpo professante é a confusão quanto a essas duas coisas - o joio e o trigo; ou, de maneira prática, aqueles que foram admitidos, pela administração do batismo, a possuir todos os privilégios oficiais e temporais da igreja professa com aqueles que realmente se converteram e foram ensinados por Deus. Mas a vasta diferença entre o que podemos chamar de sistema sacramental e sistema vital deve ser claramente entendida e cuidadosamente distinguida, se quisermos estudar a história da igreja corretamente.

Outro erro, igualmente sério, segue como consequência. O grande e professo corpo se tornou, aos olhos e na linguagem dos homens, a ”igreja“. Homens piedosos foram atraídos por essa armadilha, de modo que a distinção entre a igreja e o reino foi, muito cedo, perdida de vista. Todos os lugares e privilégios mais sagrados da igreja professa foram, então, compartilhados tanto por pessoas piedosas quanto por ímpios. A Reforma falhou completamente em limpar a igreja dessa triste mistura, que tem sido transmitida a nós por sistemas como os Anglicanos, Luteranos e Presbiterianos, como fica claro pela forma do batismo. Em nossos dias, o sistema sacramental prevalece em um nível alarmante, e cresce rapidamente. O real e o formal, o vivo e o morto, são indistinguíveis nas várias formas do protestantismo. Infelizmente, e como isso é sério, há muitos na igreja professa - no reino dos céus - que nunca entrarão no Céu propriamente dito. Aqui encontramos tanto joio como trigo, servos maus e fiéis, virgens néscias e sábias. Embora todos os que foram batizados são contados no reino dos céus, apenas aqueles que forem vivificados e selados com o Espírito Santo pertencem à igreja de Deus.

Mas há ainda outra coisa ligada à igreja professa que exige um breve estudo aqui. É o princípio divino do governo na igreja, sobre o qual falaremos no próximo capítulo.

O Princípio Divino do Governo na Igreja

Deus não apenas dá a Pedro as chaves que poderiam abrir as portas da nova dispensação, mas também lhe confia sua administração interna. Esse princípio é totalmente importante no que tange à igreja de Deus. As palavras da comissão são estas: “E tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus.” A questão é, o que estas palavras significam? Claramente cremos que é a autoridade e o poder do Senhor a ser exercitada na igreja, porém limitada, em seu resultado, a este mundo. Não há nas palavras do Senhor pensamentos sobre a igreja decidindo qualquer coisa nos céus. Esta é a falsa interpretação e o poder nefasto da apostasia. A igreja na terra pode não ter nada a dizer ou fazer sobre o que é feito nos céus no que diz respeito a ligar e desligar. A esfera de sua ação está dentro de seus próprios limites e, quando feita de acordo com a comissão de Cristo, há a promessa da ratificação nos céus.

Também não há aqui qualquer pensamento sobre a igreja, ou qualquer de seus oficiais, estando no papel de intermediários entre uma alma e Deus no que diz respeito ao perdão eterno ou juízo eterno. Essa é a ousada blasfêmia de Roma. “Quem pode perdoar pecados, senão Deus?” Ele reserva esse poder somente a Ele mesmo. Além disso, os indivíduos que estão sujeitos ao governo da igreja já são perdoados, ou, ao menos, têm direito ao perdão. “Não julgais vós os que estão dentro?” Isto apenas se aplica àqueles que estão dentro dos limites da igreja. “Mas Deus julga os que estão fora” (1 Coríntios 5:12-13). De cada crente no amplo campo da Cristandade é dito: “Porque com uma só oblação aperfeiçoou para sempre os que são santificados.” (Hebreus 10:14). Assim, a retenção ou remissão dos pecados por parte da igreja vale apenas para o tempo presente, e é estritamente administrativa em seu caráter. É o princípio divino de receber pessoas na assembleia de Deus 7, com base no testemunho adequado de suas conversões, solidez na doutrina e santidade de vida; e também de colocar para fora os ofensores impenitentes até que sejam restaurados pelo verdadeiro arrependimento.

Mas alguns de nossos leitores podem ter a comum impressão de que esse poder foi dado apenas a Pedro e ao resto dos apóstolos, e consequentemente deixou de existir após eles. Isto é um erro. Realmente, isso foi dado a Pedro em primeira instância, como já vimos, e sem dúvida um poder maior foi exercitado durante os dias dos apóstolos como nunca foi visto depois, mas não havia uma autoridade maior. A igreja possui a mesma autoridade agora, em relação à disciplina na assembleia, embora com menos poder. A palavra do Senhor permanece intacta. Apenas um apóstolos, nós cremos, poderia falar como Paulo falou em 1 Coríntios 5: “Em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, juntos vós e o meu espírito, pelo poder de nosso Senhor Jesus Cristo, seja, este tal, entregue a Satanás para destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus.” Isto era poder espiritual em um indivíduo, e não o julgamento da igreja8. O mesmo apóstolo, em referência ao mesmo caso, diz à assembleia: ”Tirai pois dentre vós a esse iníquo.” (1 Coríntios 5:13). O ato de tirar foi o ato, não somente do apóstolo, mas de toda a assembleia. Nesse caso, e dessa maneira, os pecados da pessoa excomungada foram retidos, embora seja, evidentemente, um homem convertido. Na Segunda Epístola, capítulo 2, o encontramos totalmente restaurado. Seu arrependimento é aceito pela assembleia e seus pecados são remidos. O transbordamento do coração do apóstolo nessa ocasião, e suas exortações à igreja, são lições valiosas para todos os que estão envolvidos com o governo da igreja, e se destinam a remover a terrível desconfiança com a qual na maioria das vezes que os irmãos que erraram são recebidos de volta aos privilégios da assembleia. “Basta-lhe ao tal esta repreensão feita por muitos. De maneira que pelo contrário deveis antes perdoar-lhe e consolá-lo, para que o tal não seja de modo algum devorado de demasiada tristeza. Por isso vos rogo que confirmeis para com ele o vosso amor.” (2 Coríntios 2:6-8). Aqui temos um caso pontual, ilustrativo do governo da assembleia de acordo com a vontade de Cristo. “Tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que tu desligares na terra será desligado nos céus”.

Esse Princípio do Governo na Igreja Ainda é Aplicável

Mas “como esses princípios podem ser realizados em nossos dias?” é ainda a questão e a dificuldade de muitos. Bem, basta voltarmos à palavra de Deus. Devemos ser capazes e dispostos a dizer: “Nada podemos contra a verdade, senão pela verdade.” (2 Coríntios 13:8)

A autoridade e poder administrativos da qual falamos não foram dados apenas a Pedro e aos outros apóstolos, mas também à igreja. Em Mateus 18 temos a elaboração do princípio estabelecido no capítulo 16: “… dize-o à igreja; e, se também não escutar a igreja, considera-o como um gentio e publicano. Em verdade vos digo que tudo o que ligardes na terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes na terra será desligado no céu… Porque, onde estiverem dois ou três reunidos em meu nome, aí estou eu no meio deles.” (Mateus 18:17-20)

Assim aprendemos que os Atos de dois ou três reunidos ao nome de Cristo têm a mesma aprovação divina que a administração de Pedro. E novamente, em João 20, o Senhor ressurreto apresenta o mesmo princípio do governo aos discípulos, e não apenas aos apóstolos, onde a assembleia está vividamente unida a Cristo como o Homem ressuscitado. Isto é totalmente importante. O espírito da vida de Jesus Cristo torna os discípulos livres - todos eles - da lei do pecado e da morte. A igreja é construída sobre “esta pedra” - Cristo em ressurreição, e as portas do hades9 não podem prevalecer contra ela. “Chegada, pois, a tarde daquele dia, o primeiro da semana, e cerradas as portas onde os discípulos, com medo dos judeus, se tinham ajuntado, chegou Jesus, e pôs-se no meio, e disse-lhes: Paz seja convosco. E, dizendo isto, mostrou-lhes as suas mãos e o lado. De sorte que os discípulos se alegraram, vendo o Senhor. Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco; assim como o Pai me enviou, também eu vos envio a vós. E, havendo dito isto, assoprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo. Aqueles a quem perdoardes os pecados lhes são perdoados; e àqueles a quem os retiverdes lhes são retidos.” (João 20:19-23)

Podemos dizer que aqui o Senhor estabelece e dá início à nova criação. Os discípulos estão cheios e vestidos de paz, e com o Espírito da vida de Cristo Jesus. Eles devem seguir adiante como Seus mensageiros, partindo de Seu túmulo vazio devido à ressurreição, levando a bendita mensagem de paz e vida eterna a um mundo inclinado ao pecado, à tristeza e à morte. O princípio de seu próprio governo interno é também claramente estabelecido, e sua devida administração sempre dará à assembleia cristã um caráter distintivo e celestial, tanto na presença de Deus quanto na presença do homem.

O Princípio de Receber Pessoas no Início da Igreja

Como o princípio apresentado é a base adequada para todas as reuniões cristãs, pode ser interessante olhar por um momento para sua operação nos dias dos apóstolos. Certamente eles entendiam seu significado e como aplicá-lo.

No dia de Pentecostes, e algum tempo depois, não parecia que os jovens convertidos eram submetidos a qualquer prova quanto à realidade de sua fé. “De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas” (Atos 2:41). Assim, receber a palavra já os colocavam no terreno do batismo e da comunhão; mas a obra estava, até então, inteiramente nas próprias mãos de Cristo. “E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar.” (Atos 2:47). Podemos também mencionar a tentativa de enganar os apóstolos por Ananias e Safira, que foi detectada de imediato. Pedro age em seu lugar de direito, mas o Espírito Santo estava lá em majestade e poder. Por isso ele diz a Ananias: “Ananias, por que encheu Satanás o teu coração, para que mentisses ao Espírito Santo?” (Atos 5:3)

Mas tal estado virgem das coisas logo acabou. A falha se instala - o Espírito Santo foi entristecido, e tornou-se necessário examinar aqueles interessados em estar em comunhão a fim de verificar se seus motivos, objetivos e estado de alma estavam de acordo com a mente de Cristo. Estamos agora na condição das coisas descrita em 2 Timóteo 2. Devemos estar em comunhão apenas com “os que, com um coração puro, invocam o Senhor” (2 Timóteo 2:22).

Depois que a igreja se tornou tão misturada com adeptos meramente nominais, um grande cuidado tornou-se necessário ao receber pessoas à comunhão. Não é suficiente que a pessoa diga que é convertida e exija admissão na assembleia com base em suas próprias declarações: ela deve se submeter ao exame por parte de cristãos experientes. Quando alguém professa ter sido despertado para a consciência do pecado, e ter sido levado ao arrependimento diante de Deus, e fé no Senhor Jesus Cristo, sua confissão deve ser examinada por aqueles que passaram, eles próprios, pelos mesmos tipos de experiência. E mesmo onde a conversão é manifestamente genuína, um cuidado piedoso e gentil deve ser exercido na recepção, pois algo desonroso para Cristo, prejudicial e enfraquecedor para a assembleia, pode acabar entrando, mesmo inconscientemente. É necessário discernimento espiritual aqui. E esta é a mais verdadeira demonstração de bondade para com o requerente, e nada mais do que um cuidado necessário para a honra de Cristo e a pureza da comunhão. A comunhão cristã acabaria se pessoas fossem recebidas com base apenas em suas próprias opiniões sobre elas mesmas.

Em Atos 9 vemos esse princípio na prática no caso do próprio apóstolo Paulo. E, certamente, se ele não podia ser aceito sem testemunho adequado, quem deveria reclamar? É verdade que seu caso foi peculiar, porém ainda assim pode ser tomado como uma ilustração prática do nosso assunto.

Encontramos aqui tanto Ananias em Damasco, quanto a igreja em Jerusalém questionando a realidade da conversão de Saulo, mesmo tendo sido miraculosa. É claro que ele tinha sido um inimigo aberto do nome de Cristo, e isto deve ter tornado os discípulos ainda mais cuidadosos. Ananias hesitou em batizá-lo até que estivesse plenamente convencido de sua conversão. Ele consulta o Senhor sobre o assunto, e depois de ouvir Sua vontade, ele vai diretamente a Saulo, e garante a ele que foi enviado pelo mesmo Jesus que lhe tinha aparecido no caminho para Damasco, confirmando a verdade sobre o que tinha acontecido. Saulo é grandemente confortado, volta a ver, e é batizado.

Então, sobre a ação da igreja em Jerusalém lemos: “E, quando Saulo chegou a Jerusalém, procurava ajuntar-se aos discípulos, mas todos o temiam, não crendo que fosse discípulo. Então Barnabé, tomando-o consigo, o trouxe aos apóstolos, e lhes contou como no caminho ele vira ao Senhor e lhe falara, e como em Damasco falara ousadamente no nome de Jesus.” (Atos 9:26-27) Paulo é um modelo de homem para a igreja em muitas coisas, e também nisso. Ele é recebido na assembleia - como todos os requerentes deveriam ser recebidos - com base no testemunho adequado quanto à genuinidade de seu cristianismo. Mas, enquanto todo o cuidado piedoso deve ser tomado para que os “Simãos Magos” 10 possam ser detectados, toda a ternura e paciência devem ser exercidas com os mais tímidos e hesitantes. De qualquer modo, a vida em Cristo e a consistência com a mesma deve ser sempre procurada (Veja Rom 14, 15;… 1 Coríntios 5 e 2 Coríntios 2). O caminho da igreja é sempre estreito.

O papado tem demonstrado sua desesperada iniquidade no mau uso que tem feito da prerrogativa da igreja de reter ou remir pecados, resultando em todas as abominações da absolvição sacerdotal. O protestantismo tomou o outro extremo - provavelmente temendo a própria aparência do papado - e tem praticamente posto de lado completamente a disciplina. O caminho da fé, por outro lado, é somente seguir a palavra do Senhor.

Tendo sido, então, apurado o terreno dos grandes princípios fundamentais da igreja e do reino, chegamos ao dia de Pentecostes - o primeiro momento da história da igreja na Terra. A menos que entendamos os princípios do cristianismo, jamais poderemos compreender sua história.

N. do T.: Do inglês rock foundation, corner stone (ver Eph 2:20 e 1Pe 2:6) ou foundation stone (explicação no link, em inglês) . Pedra principal da esquina, ou pedra do fundamento. Do grego lithos akrogoniaios: pedra pertencente à esquina (extremo canto), ou pedra principal (aparece em Efésios 2:20 e 1 Pedro 2:6). Do hebraico eben pinnah: pedra angular, ou principal da esquina (aparece em Isaías 28:16 e Salmos 118:22). (Dicionário Strong de Grego e Hebraico)↩

Os termos “igreja”, “reino dos céus”, e “grande casa” são bíblicos, e diferem um pouco em seus significados, como usados pelo Senhor e Seus apóstolos. O termo “minha igreja”, como usado pelo Senhor, engloba apenas membros vivos e verdadeiros. O pensamento principal da expressão “reino dos céus” claramente se refere à autoridade do Senhor tendo ascendido às alturas. Todos os que professam sujeição a Ele pertencem a esse reino. Na “grande casa” vemos o mal em atividade, infiltrado no corpo professante por meio das falhas do homem, resultando em sua co-existência com o reino dos céus e com a igreja professante. Mas há ainda outro termo usado constantemente, e que não é encontrado nas Escrituras - a Cristandade. Trata-se de um termo eclesiástico, e originalmente indicava todos os que foram cristianizados, ou aquelas porções do mundo em que o Cristianismo prevalecia, distinguindo-as das terras pagãs ou maometanas. Mas agora, essa palavra tem sido usada como sinônimo dos outros três termos já mencionados. De modo geral, os quatro termos são usados para se referir à mesma coisa, apesar de serem originalmente diferentes em seu significado e aplicação. Mas onde não há confusão hoje em dia?↩

Movimento ritualista que visava a aproximar do catolicismo a igreja anglicana.↩

Lectures on the Gospel of Matthew. Por W. Kelly.↩

N. do T.: No sentido de assembleia local em seu caráter terreno, uma vez que não é possível perder a salvação e ser tirado do corpo de Cristo. Ver http://aguapelapalavra.blogspot.com:2013:01/a-posicao-e-o-estado-do-crente.html↩

Trecho retirado dos Estudos sobre o Evangelho de Mateus, de William Kelly↩

N. do T.: Aqui no sentido da igreja de Deus, e não de uma denominação que possa levar esse nome↩

“Entregar a Satanás é um ato de poder; expulsar uma pessoa é um dever ligado à fidelidade da assembleia. Sem dúvida, a exclusão da assembleia de Deus é algo muito sério e nos deixa expostos à tristeza e vários transtornos vindos do inimigo. Mas entregar diretamente a Satanás é um ato de poder positivo. Isso foi feito no caso de Jó para seu bem. Também foi feito por Paulo em 1 Coríntios 5, embora agindo no contexto de uma assembleia estabelecida, e para a destruição da carne. E outra vez, sem referência à assembleia, em 1 Timóteo 1, quanto à Himeneu e Alexandre, para que aprendessem a não blasfemar. Toda a disciplina é para a correção do indivíduo, e também para a manutenção da santidade da casa de Deus, e da pureza da consciência dos próprios santos“ - trecho extraído do livro Present Testimony, volume 1↩

Leia mais sobre o hades e outros termos relacionados à vida após a morte aqui: http://manjarcelestial.blogspot.com.br:2013:05/a-morte-o-estado-interme diario.html↩

Ver Atos 8

De Pentecostes ao Martírio de Estêvão

O Dia de Pentecostes

A festa judaica de Pentecostes pode ser chamada de dia do nascimento da igreja cristã. Era também o aniversário da entrega da lei no Monte Sinai, embora aparentemente não havia um dia observado pelos judeus para comemorar o evento. Cinquenta dias depois da ressurreição de nosso Senhor a igreja foi formada - deu-se início à sua história. Os santos do Antigo Testamento não fazem parte da igreja do Novo Testamento. Ela não existia, de fato, até o dia de Pentecostes.

Todos os santos, desde o início, possuem a mesma vida eterna, são filhos do mesmo Deus e Pai, e o mesmo Céu será a casa deles para sempre. No entanto, os santos do Antigo Testamento pertencem a outra dispensação1 (isto é, uma maneira de Deus tratar com o homem em uma determinada época), ou a diferentes dispensações que ocorreram antes da vinda de Cristo. Cada dispensação tem sua própria origem, progresso, declínio e queda nas Escrituras, e terá seu próprio reflexo no Céu. Nem as pessoas nem as dispensações serão indistinguíveis lá.

Por isso, o apóstolo em Hebreus 11, ao falar dos antigos santos, diz: “E todos estes, tendo tido testemunho pela fé, não alcançaram a promessa, provendo Deus alguma coisa melhor a nosso respeito, para que eles sem nós não fossem aperfeiçoados.” (Hebreus 11:39-40). Certamente, se Deus proveu algo melhor para nós, deve ser também algo diferente. Não vamos nos opor à própria palavra de Deus. Além disso, nosso Senhor, em Mateus 16, diz: “Sobre esta pedra edificarei a Minha igreja”. E ao mesmo tempo, Ele deu as chaves para abrir as portas da nova dispensação a Pedro. Até então Ele ainda não tinha começado a edificar Sua igreja, e as portas do reino ainda não estavam abertas. Mas a diferença entre o velho e o novo é vista mais distintamente quando falamos dos grandes eventos do dia de Pentecostes. Vamos começar com os tipos, ou figuras, de Levítico, capítulo 23.

Os filhos de Israel eram ordenados a levar uma porção das primícias de suas colheitas ao sacerdote, que deveria movê-las perante o Senhor, para que o povo fosse aceito por Deus. Cremos que esse rito prefigurava a ressurreição de nosso Senhor na manhã seguinte ao sábado judaico. A base da aceitação dos cristãos diante de Deus é o Cristo ressuscitado. “Fala aos filhos de Israel, e dize-lhes: Quando houverdes entrado na terra, que vos hei de dar, e fizerdes a sua colheita, então trareis um molho das primícias da vossa sega ao sacerdote. E ele moverá o molho perante o SENHOR, para que sejais aceitos; no dia seguinte ao sábado o sacerdote o moverá.” (Levítico 23:10-11) (Ver também Mateus 28 e Marcos 16)

Sete semanas completas após o mover das primícias, a festa de Pentecostes era celebrada. O primeiro era reconhecido como o primeiro dia da colheita na Judeia, e no último supostamente o milho estaria completamente colhido. Então eles faziam um festival solene de ações de graça. Dois pães feitos com a farinha da nova colheita caracterizavam os festejos. Eles deviam ser assados com fermento e tirados de suas casas. Alguns pensam que os dois pães prefiguravam o chamado da igreja, sendo composta de judeus e gentios. Seja como for, o número é significante. Duas testemunhas eram necessárias para prestar testemunho em Israel. O fermento indica, sem dúvidas, o pecado que habita no crente e, é claro, na igreja, vista em sua atual condição terrena.

Como o mover do feixe das primícias - uma bela figura do Cristo ressuscitado puro e santo - sacrifícios de cheiro suave eram oferecidos, mas nenhum sacrifício pelo pecado. Com o mover dos dois pães - figura daqueles que são de Cristo - uma oferta pelo pecado era apresentada. Estando lá o pecado, era necessária uma oferta para cobrí-lo. Embora o perfeito sacrifício de Cristo satisfez a Deus tanto pelo pecado que habita no homem quanto pelos muitos pecados cometidos durante a vida, ainda assim, na prática e na experiência, o pecado habita em nós, e assim será enquanto estivermos neste mundo. Todos reconhecem isso, embora nem todos possam ver a completude, a integridade, da obra de Cristo. O cristão foi, por uma única oferta, feito perfeito para sempre, apesar de poder se humilhar a si mesmo e fazer confissão a Deus por cada falha.

O significado típico do Pentecostes foi notavelmente cumprido na descida do Espírito Santo. Ele veio para reunir os filhos de Deus que andavam dispersos (João 11:52). Por esse grande evento o sistema do judaísmo foi deixado de lado, e um novo vaso de testemunho - a igreja de Deus - foi introduzido. Agora, vamos observar a ordem dos eventos, começando pela ressurreição e ascensão de Cristo.

A Ressurreição e Ascensão de Cristo

Encarnação, Crucificação, Ressurreição, são os grandes fatos ou verdades fundamentais da igreja - do cristianismo. A encarnação era necessária para a crucificação, e ambos para a ressurreição. É a bendita verdade de que Cristo morreu na cruz pelos nossos pecados, mas é igualmente verdade que o crente morreu em Sua morte (Veja Romanos 8; Colossenses 2). A vida cristã é vida em ressurreição. A igreja é edificada sobre o Cristo ressuscitado. Nenhuma verdade pode ser mais bendita e maravilhosa do que a encarnação e crucificação, mas a igreja está associada com aquEle que está, agora, ressuscitado e glorificado.

Em Atos 1 temos aquilo que está conectado à ressurreição e ascensão do Senhor, e também com as ações dos apóstolos após a descida do Espírito Santo. O bendito Senhor, mesmo em ressurreição, ainda fala e age por meio do Espírito Santo. Foi “através do Espírito Santo” que Ele deu ordens aos apóstolos que Ele escolheu. Isso é digno de nota especial, pois nos ensina duas coisas:

1. O caráter de nossa união com Cristo; o Espírito Santo no cristão, e no Senhor ressurreto, une a ambos. “O que se ajunta com o Senhor é um mesmo espírito.” Pelo “mesmo Espírito” eles são unidos.

2. Esse importante fato aponta para a bendita verdade do Espírito Santo habitando e agindo no cristão, até mesmo depois que realmente ocorrer a ressurreição. Então não haverá mais - como há agora - a carne em nós para Ele combater, mas irá, calma e desimpedidamente, nos levar à completa alegria do Céu - a feliz adoração, o bendito serviço, e a completa vontade de Deus.

O Senhor ressurreto, a seguir, exorta os apóstolos, que esperam em Jerusalém pela “promessa do Pai” que, diz Ele, ouviste de Mim. “Porque, na verdade, João batizou com água, mas vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” (Atos 1:5) Não é mais uma questão de promessas temporais a Israel; estas devem ser deixadas de lado até um dia futuro. A promessa do Pai sobre o Espírito Santo era algo inteiramente distinto, e grandemente diferente em seus resultados.

Muitas coisas “concernentes ao reino de Deus” foram conversadas entre o Senhor e Seus apóstolos, então Ele ascende (sobe) ao Céu, e uma nuvem O recebe, fora da vista dos discípulos. O retorno do Senhor é, então, mais clara e distintamente revelada: “E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos. E, estando com os olhos fitos no céu, enquanto ele subia, eis que junto deles se puseram dois homens vestidos de branco. Os quais lhes disseram: Homens galileus, por que estais olhando para o céu? Esse Jesus, que dentre vós foi recebido em cima no céu, há de vir assim como para o céu o vistes ir.” (Atos 1:9-11) É bem evidente, a partir dessas palavras, que Ele subiu pessoalmente, visivelmente, corporalmente, e que Ele também virá de novo da mesma maneira - que Ele, novamente, aparecerá entre as nuvens, e será manifesto às pessoas na Terra, pessoalmente, visivelmente e corporalmente; mas, nesse dia, será com poder e grande glória.

Os apóstolos e discípulos agora aprenderam duas coisas:

1. Que Jesus foi tirado deste mundo para o Céu;

2. Que Ele estaria voltando novamente a este mundo.

Com base nesses dois grandes fatos o testemunho deles foi fundamentado. Mas Jerusalém seria o ponto inicial de seu ministério, e eles deveriam esperar pelo poder do alto. Chegamos, agora,

ao segundo grande evento, de extrema importância no que diz respeito à condição do homem neste mundo - o dom (dádiva) do Espírito Santo. Agora seria não apenas Deus por nós, mas Deus em nós. Isto aconteceu no dia de Pentecostes.

A Descida do Espírito Santo

O tempo chegou. A redenção foi consumada, Deus foi glorificado - Cristo está à Sua direita no Céu, e o Espírito Santo desce à Terra. Deus inaugura a igreja, fazendo isto de maneira adequada à Sua própria sabedoria, poder e glória. Um poderoso milagre é operado, um sinal do alto é dado. O grandioso evento é assim registrado:

Atos 2: “E, cumprindo-se o dia de Pentecostes, estavam todos concordemente no mesmo lugar. E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos foram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem.” Talvez seja bom fazer uma pausa por um momento e observar algumas coisas conectadas à descida do Espírito Santo e à demonstração de Seu poder nesse importante dia.

Havia, em primeiro lugar, o cumprimento da promessa do Pai: o próprio Espírito Santo foi enviado do Céu. Esta era a grande verdade do Pentecostes. Ele veio das alturas para habitar na igreja - o lugar preparado para Ele pela aspersão do sangue de Jesus Cristo. Havia também o cumprimento da palavra do Senhor aos apóstolos: “Vós sereis batizados com o Espírito Santo, não muito depois destes dias.” (Atos 1:5). Talvez os discípulos não soubessem o significado dessas palavras, mas o fato é que agora estavam cumpridas. A revelação completa da doutrina do “um só corpo”aguardava o ministério de Paulo: “Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito.” (1 Coríntios 12:13)

Mas, além disso, além dos vários dons dispensados para a obra do Senhor, temos algo mais benditamente pessoal, e bastante novo na Terra. O próprio Espírito Santo veio habitar, não apenas na igreja coletivamente, mas também em cada indivíduo que crê no Senhor Jesus. E, graças ao Senhor, este tão bendito fato é tão verdadeiro hoje quanto era naqueles dias. Ele habita agora em cada crente que descansa na obra consumada (finalizada) de Cristo. O Senhor tinha dito, predizendo esse dia: “Porque [o Espírito Santo] habita convosco, e estará em vós” (João 14:17). Esses dois grandes aspectos da presença do Espírito foram totalmente alcançados no dia de Pentecostes. Ele veio para habitar em cada cristão e na igreja; e agora - que bendita verdade - sabemos que Deus não é apenas para nós, mas em nós, e conosco.

Quando “Deus ungiu a Jesus de Nazaré com o Espírito Santo e com virtude”, Ele apareceu na forma de uma pomba - um belo símbolo da imaculada pureza, da mansidão e da humildade de Jesus. Ele não veio fazer Sua voz ecoar pelas ruas, ou quebrar o caniço rachado, ou apagar o pavio que se queima. Porém, no caso dos discípulos que esperavam em Jerusalém, foi completamente diferente. O Espírito Santo desceu sobre eles como línguas repartidas - línguas como que de fogo que pousaram sobre cada um deles. Isto foi característico. Era o poder de Deus dando testemunho de que aquilo deveria ir além, não apenas para Israel, mas para todas as nações da Terra. A palavra de Deus também julgaria a todos que viriam depois - ela era como línguas de fogo2. O juízo de Deus sobre o homem por causa do pecado tinha sido judicialmente expresso na cruz, e agora tal fato solene deve ser tornado público a todos pelo poder do Espírito Santo. No entanto, a graça reina - reina através da justiça, para a vida eterna, por Cristo Jesus. O perdão é proclamado aos culpados, salvação aos perdidos, paz aos conturbados, e descanso aos cansados. Todos os que creem são, e serão para sempre, abençoados em - e com - um Cristo rescussitado e glorificado.

O espanto e consternação do Sinédrio e do povo judeu deve ter sido realmente grande na reaparição, em tal poder, dos seguidores do Jesus crucificado. Eles tinham, sem dúvida, concluído que, como o Mestre tinha partido, os discípulos não poderiam fazer nada por si mesmos. Para a maioria, os discípulos eram simples homens iletrados. Mas qual deveria ter sido o espanto das pessoas quando ouviram que aqueles homens simples estavam pregando corajosamente nas ruas de Jerusalém, e fazendo convertidos aos milhares para a religião de Jesus! Mesmo vista apenas historicamente, a cena é cheia do mais emocionante interesse, não havendo paralelo nos anais do tempo.

Jesus foi crucificado. Suas alegações de ser o Messias, à vista popular, tinham sido enterradas em Seu túmulo. Os soldados que guardavam Seu sepulcro tinham sido subornados para espalhar um falso relato quando à Sua ressurreição; a excitação popular tinha, sem dúvida, passado, e a cidade e a adoração no templo tinham retornado a seu curso normal, como se nada tivesse acontecido. Mas da parte de Deus as coisas não iriam ser deixadas passar quietamente. Ele estava esperando o tempo certo para reivindicar Seu Filho, e reivindicá-Lo no mesmo cenário de Sua humilhação. Isso aconteceu cedo de manhã, no dia de Pentecostes. Repentina e inesperadamente, Seus dispersos seguidores reapareceram em um poder miraculoso. Eles ousadamente acusaram os governantes e as pessoas culpadas de Sua apreensão, julgamento e crucificação - que eles haviam matado seu próprio Messias - mas que Deus O havia ressuscitado para ser Príncipe e Salvador, e para colocá-Lo em Seu lugar de direito no Céu. “Onde o pecado abundou, superabundou a graça” (Romanos 5:20)

A sentença de Babel, podemos também mencionar, foi revertida naquele maravilhoso dia. Nas diferentes línguas, pelas quais o homem tinha sido condenado por ter desobedecido a Deus, a salvação é proclamada. Essa poderosa e maravilhosa obra de Deus atraiu a multidão. Eles são surpreendidos, e especulam sobre o estranho acontecimento. Cada um, em sua própria língua do país de onde vieram, ouve dos lábios dos pobres galileus sobre as maravilhosas obras de Deus. Os judeus que habitavam em Jerusalém, não entendendo essas línguas estrangeiras, zombavam. Então Pedro se pôs de pé, e declarou a eles em sua própria língua, provando pelas suas próprias Escrituras, o verdadeiro caráter do que havia ocorrido.

O Primeiro Apelo de Pedro aos Judeus

Então lemos: “E em Jerusalém estavam habitando judeus, homens religiosos, de todas as nações que estão debaixo do céu. E, quando aquele som ocorreu, ajuntou-se uma multidão, e estava confusa, porque cada um os ouvia falar na sua própria língua. E todos pasmavam e se maravilhavam, dizendo uns aos outros: Pois quê! não são galileus todos esses homens que estão falando? Como, pois, os ouvimos, cada um, na nossa própria língua em que somos nascidos? Partos e medos, elamitas e os que habitam na Mesopotâmia, Judéia, Capadócia, Ponto e Ásia, e Frígia e Panfília, Egito e partes da Líbia, junto a Cirene, e forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos, cretenses e árabes, todos nós temos ouvido em nossas próprias línguas falar das grandezas de Deus. E todos se maravilhavam e estavam suspensos, dizendo uns para os outros: Que quer isto dizer? E outros, zombando, diziam: Estão cheios de mosto. Pedro, porém, pondo-se em pé com os onze, levantou a sua voz, e disse-lhes: Homens judeus, e todos os que habitais em Jerusalém, seja-vos isto notório, e escutai as minhas palavras. Estes homens não estão embriagados, como vós pensais, sendo a terceira hora do dia”, ou, como devemos considerar, eram nove horas da manhã - a hora da oração no templo. (Atos 2:5-15)

Assim, Pedro toma a dianteira e explica aos judeus que as coisas maravilhosas que eles têm visto e ouvido naquela manhã não eram resultado de emoção, mas sim aquilo que deveria ser procurado segundo as suas próprias profecias das Escrituras. “Isto é o que foi dito pelo profeta Joel” (Atos 2:16). É marcante o motivo pelo qual Pedro se levanta e prega com tal ousadia, que é o terreno da ressurreição e exaltação de Cristo. Isto deve ser cuidadosamente observado, uma vez que mostra o fundamento sobre o qual a igreja descansa, e quando e onde sua história começa. Este foi o primeiro dia de sua existência, a primeira página de sua história, e seus primeiros triunfos do dom (presente) inefável de Deus para o homem.

“Deus ressuscitou a este Jesus, do que todos nós somos testemunhas. De sorte que, exaltado pela destra de Deus, e tendo recebido do Pai a promessa do Espírito Santo, derramou isto que vós agora vedes e ouvis. Porque Davi não subiu aos céus, mas ele próprio diz: Disse o Senhor ao meu Senhor: Assenta-te à minha direita, até que ponha os teus inimigos por escabelo de teus pés. Saiba, pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.” (Atos 2:32-36)

Citamos agora as palavras de outro autor sobre os benditos efeitos do primeiro sermão de Pedro, e da presença do Espírito Santo na Terra:

“Não foi meramente uma mudança moral, mas um poder que pôs de lado todos os motivos que individualizavam aqueles que O tinham recebido, unindo-os em uma só alma, e em uma só mente. Eles perseveravam na doutrina dos apóstolos, eles estavam em comunhão uns com os outros, eles partiam o pão, eles passavam o tempo em oração: a consciência da presença de Deus era poderosa entre eles, e muitos sinais e maravilhas eram operados pelas mãos dos apóstolos. Eles estavam unidos pelos laços mais fortes, onde ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todos dividiam suas possessões com aqueles que necessitavam. Eles estavam diariamente no templo, o local público de Israel para os exercícios religiosos, ao mesmo tempo em que tinham seu próprio local, fora daquilo, quando partiam o pão nas casas diariamente. Eles comiam com alegria e júbilo de coração, louvando a Deus, e caindo na graça de todo o povo ao seu redor. Assim a assembleia foi formada, e o Senhor acrescentava todos os dias a ela o remanescente de Israel que seria salvo dos juízos que cairiam sobre a nação que havia rejeitado o Filho de Deus, seu próprio Messias. Deus trouxe à assembleia - assim propriedade dEle pela presença do Espírito Santo - aqueles a quem Ele poupou em Israel. Aqui se encontrava a presença e a casa de Deus, apesar da antiga ordem de coisas ainda existir até a execução do juízo sobre Israel3”

“A igreja foi formada, portanto, pelo poder do Espírito Santo que desceu do Céu, sobre o testemunho de que Jesus, que tinha sido rejeitado, foi elevado ao Céu, tendo sido feito, de Deus, Senhor e Cristo. Ela foi composta do remanescente judeu que seria poupado, com a reserva de acrescentar também os gentios sempre que Deus fosse chamá-los.”4

Esta é, então, a igreja de Deus: a união daqueles a quem Deus chamou para o nome do Senhor Jesus, e pelo Espírito Santo. O amor governa e caracteriza a recém-formada assembleia. As poderosas vitórias que a graça alcançou naquele memorável dia comprovou totalmente o poder do exaltado Senhor, e a presença do Espírito Santo na Terra. Três mil almas foram convertidas por meio de um único sermão. Aqueles que haviam sido inimigos declarados do Senhor, e que tinham participação na culpa de Seu assassinato, agora agonizavam sob o poder das palavras de Pedro. Alarmados pelo terrível pensamento de terem matado seu próprio Messias, e que Deus, em cuja presença eles estavam agora, O tinha exaltado à Sua própria destra no Céu, eles clamaram: “Que faremos, homens irmãos?”

Pedro agora procura aprofundar as boas obras em suas almas - Ele [o Senhor], procura humilhar os judeus, uma vez orgulhosos e desdenhosos. “Arrependei-vos”, diz Pedro, “e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para perdão dos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo”. Ele não diz simplesmente “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo”, embora, é claro, a fé e o arrependimento devem andar juntos onde quer que a obra é genuína. Mas Pedro, neste caso, pressiona ao arrependimento. A culpa deles tinha sido grande demais, e uma obra moral profunda em suas consciências era necessária para o arrependimento deles. Eles devem ver sua culpa diante de Deus, e receber a remissão de seus pecados aos pés daquEle que eles tinham rejeitado e crucificado. No entanto, tudo era graça. Seus corações foram tocados. Trocaram de lado, para o lado de Deus, contra eles mesmos - realmente se arrependeram, foram perdoados, e receberam a dádiva do Espírito Santo. Agora eles são filhos de Deus e têm a vida eterna: o Espírito Santo habita neles.

A realidade da mudança foi manifesta por uma completa mudança de caráter. “De sorte que foram batizados os que de bom grado receberam a sua palavra; e naquele dia agregaram-se quase três mil almas, e perseveravam na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações.” (Atos 2:41-42)

Batismo, na confissão de fé; recepção na assembleia; a ceia do Senhor, a comunhão dos santos, a oração; estas eram suas observâncias distintivas. Nesse momento, a oração do Senhor, “que todos sejam um”, foi respondida, como lemos no capítulo 4. “E era um o coração e a alma da multidão dos que criam, e ninguém dizia que coisa alguma do que possuía era sua própria, mas todas as coisas lhes eram comuns.” (Atos 4:32). Vamos pular agora, a fim de continuar nossa linha de raciocínio, para o capítulo 10 de Atos.

O Chamado Dirigido aos Gentios

Cornélio, o centurião, um homem devoto, e aqueles que estavam com ele, são agora recebidos na igreja de Deus. Pedro havia dado a entender tal chamado em seu primeiro discurso. Ele é agora convocado por Deus, de um modo especial e com indicações especiais de Seu propósito, para abrir a porta àqueles gentios tementes a Deus. Até esse momento a igreja consistia principalmente, se não exclusivamente, de judeus. Mas Deus tratou carinhosamente com seu povo antigo, considerando seus preconceitos nacionais. “Cornélio, … piedoso e temente a Deus, com toda a sua casa, o qual fazia muitas esmolas ao povo, e de contínuo orava a Deus.” (Atos 10:1-2). Eles não podiam ter qualquer objeção, de modo pessoal, quanto a receber tal pessoa. Assim, Deus é gracioso, terno e misericordioso. Mas nenhuma dúvida foi deixada na mente de Pedro quanto à vontade divina. Deus graciosamente silenciou seus raciocínios, e venceu sua relutância com a suave repreensão: “Não faças tu comum ao que Deus purificou”.

Pedro agora procede, embora lentamente. Era um novo tipo de trabalho para ele. Mas nada parece mais surpreendente a Pedro do que o fato de que os gentios deveriam ser trazidos à benção sem ao menos se tornarem judeus ou se submeterem a qualquer ordenança judaica. Isto, para Pedro, para os gentios, e em si mesmo, foi um imenso passo. Isso ataca a própria raiz do papado, do puseísmo5, da sucessão apostólica, e de qualquer sistema de ordenanças. Nesse fato, uma enxurrada de luz é derramada sobre o caráter da presente dispensação. “E, abrindo Pedro a boca, disse: Reconheço por verdade que Deus não faz acepção de pessoas; mas que lhe é agradável aquele que, em qualquer nação, o teme e faz o que é justo.” (Atos 10:34-35). Claramente, não era mais necessário se tornar judeu ou se submeter aos ritos e cerimônias externas do judaísmo para desfrutar das mais ricas bênçãos do Céu. Sem a imposição das mãos apostólicas - embora o próprio Pedro, em poder e autoridade divina, estivesse presente - e antes de serem batizados com água, eles foram batizados com o Espírito Santo. Enquanto a palavra de Deus saía dos lábios de Pedro, o Espírito Santo desceu sobre todos que o ouviam. Antes disso, no entanto, uma obra abençoada, por meio da graça de Deus, vinha acontecendo no coração de Cornélio: ele era uma alma divinamente vivificada.

As operações de vivificação do Espírito são bem distintas de ser selado com o Espírito. Antes que o Espírito Santo possa selar, deve haver algo para Ele selar. Ele não pode selar nossa velha natureza. Deve haver uma nova natureza para Ele selar. Portanto, deve haver um momento na história de cada cristão quando ele é vivificado, mas não ainda selado. Porém, mais cedo ou mais tarde a obra estará completa (Efésios 1:13). Por exemplo, o filho pródigo foi vivificado, ou convertido, quando ele deixou o país distante, mas ele ainda era estranho ao amor e graça do Pai e, consequentemente, ainda não tinha fé para descansar calmamente em Cristo como a fonte de toda a bênção. Ele era ainda um incrédulo, embora vivificado. Certamente ele não foi selado com o Espírito, quanto ao seu perdão e aceitação, até o momento em que recebeu o beijo de reconciliação, ou o anel, o símbolo do eterno amor. O Evangelho da salvação é mais que uma preocupação pela alma, ainda que seja legítima. A incredulidade, que desonra a Cristo, pode acompanhar, por um certo tempo, uma obra genuína do Espírito de Deus na alma. O filho pródigo tinha uma certa crença de que havia algo de bom no coração de seu Pai, o que o leva a se aproximar, mas certamente ainda carecia da plena fé no evangelho. “Aquele que aceitou o seu testemunho, esse confirmou que Deus é verdadeiro.” (João 3:33). Onde quer que haja fé em Cristo e em Sua obra, lá está o selo de Deus. O próprio Paulo esteve, pelo menos, três dias no mais profundo exercício de alma, sem a paz e o descanso que o selo do Espírito Santo proporciona. “E esteve três dias sem ver, e não comeu nem bebeu.” (Atos 9:9)

Retornemos, agora, ao ponto principal que temos diante de nós.

O Selo dos Gentios

Observe, então, esse importante fato conectado à introdução dos gentios à igreja - eles recebem o dom/dádiva do Espírito Santo simplesmente por meio da pregação da Palavra. Em Jerusalém, os judeus foram batizados antes de terem recebido o Espírito Santo. Em Samaria, os samaritanos foram não apenas batizados, mas tiveram que passar pela imposição de mãos dos apóstolos com oração, antes de receberem o Espírito Santo. Mas em Cesareia, sem batismo, sem imposição de mãos e sem oração, a mais rica bênção cristã foi dada aos gentios, embora a doutrina da igreja como o corpo de Cristo ainda não ter sido revelada.

A graça de Deus, assim apresentada aos gentios no início da dispensação, a tem caracterizado desde então. Somos gentios: não somos judeus nem samaritanos. Portanto os caminhos de Deus em graça, e Sua ordem de coisas para com os gentios, têm uma aplicação especial para nós. Não há exemplo registrado pelos historiadores inspirados de alguém que tenha sido batizado sem professar fé em Cristo, mas se formos seguir o padrão de coisas em Cesareia, devemos procurar pelo selamento assim como pela vivificação - para a paz com Deus, assim como para a fé em Cristo antes do batismo. O caso de Cornélio se situa justamente no início de nossa dispensação. Foi a primeira expressão de graça endereçada diretamente aos gentios e, certamente, deveria ser um modelo para pregadores e discípulos gentios. Quando a Palavra de Deus que foi, naqueles dias, pregada a Cornélio é, hoje, crida, podemos garantir que teremos os mesmos efeitos, isto é, a paz com Deus..

Pregar, crer, selar, batizar, é a ordem divina das coisas aqui. Deus e Sua Palavra nunca mudam, embora os “tempos mudam”, como dizem os homens, assim como as opiniões humanas mudam, e as observâncias religiosas mudam. Mas a Palavra de Deus - nunca. Judeus, gentios e samaritanos professaram fé em Cristo antes de serem batizados. De fato, o batismo presume vida eterna adquirida pela fé, e não transmitida após o ato de batizar, como ensinam os católicos e anglicanos. “A graça e a vida são comunicadas por meio de sacramentos”, dizem eles, “e só podem ser efetuadas por esses meios, independente de qualquer exercício de intelecto da parte da pessoa trazida à união. O santo batismo é o meio pelo qual uma vida nova e espiritual é conferida ao receptor.”6

Tais noções - nem precisamos comentar muito - são totalmente contrárias às Escrituras. O batismo não concede nada. A vida é concedida por outros modos, como as Escrituras claramente ensinam. A conversão, ou “nascer de novo”, é efetuada, em todos os casos, sem exceção, pelo Espírito Santo. Como lemos em 1 Pedro: “Purificando as vossas almas pelo Espírito na obediência à verdade, para o amor fraternal, não fingido; amai-vos ardentemente uns aos outros com um coração puro. Sendo de novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre.” (1 Pedro 1:22-23). Aqui, a verdade do evangelho é vista como o meio, e o Espírito Santo como o poder, da conversão. Cristo, ou Deus em Cristo, é o novo objetivo da alma. É pelo Espírito e pela verdade de Deus que tal bendita mudança é efetuada. Àqueles que confiam nas águas do batismo como o meio de efetuá-la, sinto-lhes dizer, estão em uma grande e fatal engano.7

No caso dos gentios em questão aqui, ainda mais que vida era possuída antes do batismo ser administrado. Eles tinham o selo de Deus. O batismo é o sinal da plena libertação e salvação garantidas ao crente pela morte e ressurreição de Cristo. Cornélio tinha vida, era um homem devoto, mas ele deveria ouvir de Pedro as palavras pelas quais ele seria salvo e totalmente liberto. Tanto o Antigo quanto o Novo Testamento ensinam essa bendita verdade da maneira mais clara possível. Israel, como um povo típico, após ter sido trazido a Deus e protegido pelo sangue do cordeiro no Egito, foi batizado a Moisés na nuvem e no mar. Assim eles foram libertos do Egito e viram a salvação de Jeová. Novamente, Noé e sua família foram salvos através do dilúvio - não por ele. Eles deixaram o velho mundo, passaram através das águas da morte, e pousaram em uma nova condição de coisas. “Como uma verdadeira figura, agora vos salva, o batismo, … pela ressurreição de Jesus Cristo.” (Êxodo 14; 1 Pedro 3:21)

Mas qual era a palavra, alguns poderiam perguntar, que Pedro pregou, e que foi acompanhada de tal notável bênção? Ele pregou paz por Jesus Cristo como o Senhor de tudo. Cristo ressuscitado, exaltado e glorificado foi o grandioso objeto de seu testemunho. Ele o resume com essas palavras: “A este dão testemunho todos os profetas, de que todos os que nele crêem receberão o perdão dos pecados pelo seu nome.” (Atos 10:43). Então segue-se a bênção. Os judeus que estavam presentes ficaram atônitos, mas se curvam, e reconhecem a bondade de Deus para com os gentios. “E, dizendo Pedro ainda estas palavras, caiu o Espírito Santo sobre todos os que ouviam a palavra. E os fiéis que eram da circuncisão, todos quantos tinham vindo com Pedro, maravilharam-se de que o dom do Espírito Santo se derramasse também sobre os gentios. Porque os ouviam falar línguas, e magnificar a Deus. Respondeu, então, Pedro: Pode alguém porventura recusar a água, para que não sejam batizados estes, que também receberam como nós o Espírito Santo? E mandou que fossem batizados em nome do Senhor. Então rogaram-lhe que ficasse com eles por alguns dias.” (Atos 10:44-48)

Vamos, agora, refazer um pouco nossos passos e observar alguns dos principais eventos que, por ordem, precedem o capítulo 10.

O Primeiro Mártir Cristão

Estêvão, diácono e evangelista, é o primeiro a receber a coroa do martírio pelo nome de Jesus. Ele permanece à frente do “nobre exército dos mártires”. Ele é perfeito como uma figura - um protótipo de um verdadeiro mártir. Firme e inabalável em sua fé. Ousado e destemido diante de seus acusadores. Aguçado e fiel em sua defesa diante do Sinédrio. Livre da malícia em suas mais fortes declarações. Cheio de caridade para com todos os homens, ele sela seu testemunho com seu sangue, e então dorme em Jesus.

Em alguns aspectos, Estêvão lembra o próprio bendito Senhor. “Senhor Jesus, recebe o meu espírito” (Atos 7:59), parece com “Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito” (Lucas 23:46); e de novo, “Senhor, não lhes imputes este pecado” (Atos 7:60), lembra “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34), apesar de Estêvão não indicar a ignorância deles.

Já podemos ver que problemas, tanto do lado de dentro quanto do lado de fora, atacam a jovem igreja. É verdade que a palavra de Deus aumentou, multidões foram convertidas, e uma grande parte dos sacerdotes eram obedientes à fé. Porém os gregos, ou helenistas (judeus de origem grega), murmuravam contra os hebreus (nativos da Judeia), porque suas viúvas eram negligenciadas na ministração diária. Isto levou à nomeação de sete diáconos (Atos 6). Pelos seus nomes aqui dados, parece que os sete escolhidos eram gregos - todos do lado dos murmuradores. Assim o Espírito de Deus dominou em graça. Estêvão era um deles, e neste caso, a palavra do apóstolo foi exemplificada: aqueles que “servirem bem como diáconos, adquirirão para si uma boa posição e muita confiança na fé que há em Cristo Jesus.” (1 Timóteo 3:13). Ele era cheio de fé e poder, e fazia grandes maravilhas e milagres entre o povo. A energia do Espírito Santo se manifestava especialmente em Estêvão.

Havia diferentes sinagogas em Jerusalém apropriadas para diferentes raças de judeus. Foram as sinagogas dos libertinos, dos cireneus, etc., que se opunham a Estêvão. Mas “não podiam resistir à sabedoria, e ao Espírito com que falava”. Segue-se, então, o que tem geralmente acontecido com os que confessam a Jesus em todas as eras: incapazes de respondê-lo, eles o acusam perante o conselho. Falsas testemunhas são subornadas para jurar que eles o tinham ouvido falar “palavras blasfemas contra Moisés, e contra Deus”, e que Jesus de Nazaré destruiria aquele lugar e mudaria os costumes entregues a eles por Moisés. O caso estava agora diante do Sinédrio - o julgamento começa. Mas o que seus juízes teriam pensado quando viram sua face radiante como a face de um anjo?

Temos o nobre discurso de Estêvão aos chefes da nação diante de nós. Convincente, desconcertante e esmagador. Sem dúvidas, foi um testemunho do Espírito Santo aos judeus, da boca de Estêvão, e ainda mais humilhante para os orgulhosos judeus: ouvirem sua condenação dos lábios de um helenista. Mas o Espírito de Deus, quando sem impedimentos pelos arranjos do homem, opera por quem Ele quer.

Estêvão recapitula, em linguagem ousada, os principais pontos de sua história nacional. Ele fala especialmente das histórias de José e de Moisés. O primeiro, seus pais (os outros dos doze filhos de Jacó) o haviam vendido aos gentios, e o último desprezaram como príncipe e juiz. Ele também os acusa de sempre resistir ao Espírito Santo - de sempre desobedecerem a lei - e agora por terem sido os traidores e assassinos do Justo. Aqui a testemunha fiel de Cristo foi interrompida. Não lhe foi permitido terminar seu discurso - uma figura, tão verdadeira, do tratamento para com os mártires daqueles dias até hoje. Os murmúrios, a indignação, a fúria do Sinédrio, estavam fora de controle. “E, ouvindo eles isto, enfureciam-se em seus corações, e rangiam os dentes contra ele.” (Atos 7:54). Mas, em vez de dar prosseguimento ao discurso, ele entra em êxtase de coração ao Senhor e fixa seus olhos no Céu - o lar e centro de união para todo Seu povo.

“Eis que vejo”, diz Estêvão, “os céus abertos” (Atos 7:56). Ele está cheio do Espírito Santo enquanto olha para o alto, e vê o Filho do homem de pé, ali, pronto para receber seu espírito. _ “Tal é”, escreveu alguém, “a posição do verdadeiro crente - ligado ao Céu, bem acima da Terra - na presença do mundo que rejeitou a Cristo, um mundo assassino. O crente, vivo na morte, vê, pelo poder do Espírito, o Céu, e o Filho do homem à direita de Deus. Estêvão não diz ’Jesus’. O Espírito O caracteriza como ’o Filho do homem’. Que precioso testemunho para o homem! Não é sobre a glória que Ele aqui testifica, mas sim sobre o Filho do homem na glória, tendo os céus abertos diante dele… Quanto ao objeto de fé e a posição do crente, essa cena é definitivamente característica.”

Eis o proeminente, o mais próximo ao trono

Perfeitas vestes triunfais trajando

Aí está o que mais ao mestre se assemelha

Este santo, este Estêvão que se ajoelha

Fixando o olhar enquanto os céus

Se abriam aos seus olhos que se fechavam

Que, tal como lâmpada quase apagada retoma seu fulgor,

E faz vê-lo o que a morte esconde a rigor.

_

Ele, que parece estar na terra

Há de voar como pomba vera

E da amplitude do céu sem nuvens

Extrair o mais puro dos ares

Para que os homens contemplem sua face angelical

Plena do resplendor da graça celestial,

Mártir íntegro, apto a se conformar

À morte de Jesus, vitória sem par!

_

(tradução livre da poesia constante da edição original em inglês)

Já examinamos, com certo cuidado e minúcia, a primeira seção da história da igreja. Temos sido os mais cuidadosos possível, uma vez que as histórias sobre a igreja, em geral, começam em um período posterior. A maioria começa onde as Escrituras terminam, ao menos quanto aos detalhes. Nenhuma das que temos referem-se a Mateus 16, e poucas tentam um exame crítico de Atos dos Apóstolos que, afinal, é a única parte de sua história que comanda nossa fé, e que tem uma reivindicação absoluta de nossa obediência.

No capítulo 8 encontramos o Espírito Santo em Samaria operando por Filipe. Ele tinha, por assim dizer, deixado Jerusalém. Isso marca uma época distinta na história da igreja, especialmente em sua conexão com Jerusalém. Deixemos, por enquanto, os judeus enfurecidos e perseguidores, e sigamos o caminho do Espírito à cidade de Samaria. Será, no entanto, de proveito olharmos por um momento ao que alguns têm chamado de a terceira perseguição.

Leia mais sobre dispensações: http://manjarcelestial.blogspot.com.br:2011:06/dispensacao.html ou http://dispensacao.blogspot.com.br:2013:07/pacto-ou-dispensacao-prefacio_31.html↩

N. do T.: fogo, na Bíblia, sempre aparece com a conotação de juízo de Deus. Podemos refletir sobre a diferença na forma como o Espírito Santo pousou sobre o Senhor (pomba, simbolizando paz, pureza, mansidão), e como Ele se manifestou ao descer sobre a igreja (línguas como que de fogo, simbolizando juízo). Os crentes, embora sejam completamente salvos do juízo de Deus e feitos perfeitos - pelo novo nascimento - aos olhos de Deus pela obra consumada de Cristo, ainda possuem em si a velha natureza - a carne - enquanto neste mundo. A semelhança das línguas com fogo, no dia de Pentecostes, provavelmente simboliza que o Espírito Santo, em juízo, luta contra a carne, conforme Gálatas 5:17: “Porque a carne luta contra o Espírito, e o Espírito contra a carne; e estes se opõem um ao outro, para que não façais o que quereis.”↩

N. do T.: invasão romana e destruição do templo de Jerusalém no ano 70 d.C.↩

Trecho extraído das Sinopses dos Livros da Bíblia, de J. N. Darby, vol. 4, p. 8.↩

Puseísmo: Movimento religioso renovador, promovido pelo teólogo inglês Eduardo Pusey, que levou para o catolicismo uma fração da Igreja anglicana.↩

The Church and the World, páginas 178-188.↩

As seguintes breves declarações dos “pais” do quarto século, sobre o assunto do batismo, mostrará aos leitores as fontes, ou autoridades, de muito do que se dizia e fazia naqueles dias pelos ritualistas. Note que a autoridade das Escrituras é totalmente posta de lado: “Na Páscoa, e no Pentecostes, e em alguns lugares na Epifania, o rito do batismo era administrado publicamente - isto é, na presença dos fiéis - a todos os convertidos naquele ano, com exceção de alguns que tiveram a oportunidade de participar da cerimônia sem atraso, ou quando o cristão deixava para fazê-lo apenas próximo ao final de sua vida, como o exemplo de Constantino: uma prática há muito tempo condenada pelo clero. Mas o fato do atraso demonstra quão profundamente a importância e eficácia do rito era enraizada na mente cristã. Significava uma completa purificação da alma. O neófito (novo convertido) emergia das águas do batismo em um estado de perfeita inocência. A pomba - o Espírito Santo - constantemente pairava sobre a fonte, santificando as águas para a misteriosa lavagem de todos os pecados da vida passada. Se a alma não sofresse nenhuma culpa posterior, ela passaria de uma vez por todas para o reino de pureza e felicidade, isto é, o coração seria purificado, com entendimento iluminado e o espírito revestido de imortalidade.

”Vestido em branco, emblemático da pureza imaculada, o candidato se aproximava do batistério - que em igrejas maiores era um edifício separado. Lá, ele proferia os solenes votos de que se comprometeria com sua religião. O gênio simbolizante do Oriente adicionou algumas cerimônias significativas. O catecúmeno (um dos primeiros estágios da instrução cristã) se virava para o Ocidente, o reino de Satanás, e renunciava três vezes ao seu poder. Então se virava para o Oriente para adorar o Sol da Justiça, e para proclamar seu pacto com o Senhor da vida. O místico número três prevalecia em tudo: o voto era triplo, e três vezes pronunciado. O batismo se dava geralmente por imersão. O despir das roupas era emblemático do ’tirar o velho homem’, mas o batismo por aspersão era permitido, de acordo com a exigência do caso. A água em si se tornava, na vívida linguagem da igreja, o sangue de Cristo: era comparada, por uma fantasiosa analogia, com o Mar Vermelho. A ousada metáfora de alguns dos ’pais’ parece afirmar uma transmutação da cor da água.

“Quase todos os ’pais’ dessa era, como Basílio, os dois Gregórios, Ambrósio, etc., tinham escrito tratados sobre o batismo, e rivalizaram, por assim dizer, uns com os outros em seus louvores sobre a importância e eficácia do batismo. Gregório de Nazianzo quase esgota a copiosidade da língua grega ao falar do batismo.” - A História do Cristianismo por Milman, vol. 3↩

De Estêvão ao Apostolado de Paulo

A Perseguição e Dispersão dos Discípulos

Após a morte de Estêvão uma grande perseguição começou (Atos 8). Os líderes judeus pareciam ter ganho uma vitória sobre os discípulos, e estavam determinados a prosseguir com seu aparente triunfo com a maior violência. Mas Deus, que está acima de todos, e que sabe como conter as crescentes paixões dos homens, anulou a posição deles para o cumprimento de Sua própria vontade.

O homem ainda não tinha aprendido a verdade do provérbio, que “o sangue dos mártires é a semente da igreja.” No caso do primeiro e mais nobre dos mártires, o provérbio foi plenamente verificado. Mas em todas essas vinte centenas de anos os homens têm sido lentos para aprender, ou crer, nesse simples fato histórico. A perseguição, geralmente falando, tinha feito aumentar a causa que procuravam reprimir. Isso tem se provado verdadeiro na maioria dos casos, em qualquer tipo de perseguição ou de oposição . Resistência, decisão e firmeza são criadas por tal tratamento. Verdadeiramente, mentes tímidas podem ser levadas à apostasia por um tempo sob a perseguição; mas quão comumente tais, com o mais profundo arrependimento, e de modo a recuperar sua antiga posição, suportaram com a maior alegria os mais agudos sofrimentos, e mostraram em seus últimos momentos a maior fortaleza! Mas a perseguição, de uma forma ou de outra, deve ser esperada pelos seguidores de Jesus. Eles são exortados a tomar sua cruz diariamente e segui-Lo. Isto testa a sinceridade de nossa fé, a pureza de nossos motivos, a força de nossa afeição por Cristo, e a medida de nossa confiança nEle.

Aqueles que não são verdadeiros de coração para Cristo com certeza irão cair em tempos de afiada perseguição. Mas o amor pode perdurar até o fim, quando não houver mais nada a fazer. Vemos isso perfeitamente no próprio bendito Senhor. Ele suportou a cruz - que era de Deus: Ele desprezou a vergonha - que foi do homem. Foi em meio à vergonha e sofrimentos da cruz que toda a força do Seu amor apareceu, e na qual Ele triunfou sobre tudo. Nada poderia afastar Seu amor do objeto deste, ou seja, do Pai, pois era mais forte que a morte. Nisso, assim como em todas as coisas, Ele nos deixou um exemplo, de que devemos andar em Seus passos. Que possamos sempre ser encontrados seguindo-O de perto!

Da história da igreja em Atos aprendemos que o efeito do martírio de Estêvão foi a imediata propagação da verdade que seus perseguidores estavam tentando impedir. As impressões produzidas por tal testemunho, e tal morte, devem ter sido avassaladoras para seus inimigos, e convincentes para os imparciais e indecisos. O último recurso da crueldade humana é a morte. No entanto, é maravilhoso dizer que a fé cristã, em sua primeira dificuldade, provou-se mas forte que a morte em sua forma mais assustadora. O inimigo foi testemunha disso, e sempre se lembraria. Estêvão estava sobre a Pedra, e as portas do inferno não podiam prevalecer contra Ela.

Toda a igreja em Jerusalém, na ocasião, foi dispersa; mas eles iam por toda a parte pregando a Palavra. Como a nuvem que voa com o vento, levando sua chuva fresca a terras secas, assim os discípulos foram expulsos de Jerusalém pela tempestade da perseguição, levando as águas da vida às almas sedentes de terras distantes. “E fez-se naquele dia uma grande perseguição contra a igreja que estava em Jerusalém; e todos foram dispersos pelas terras da Judéia e de Samaria, exceto os apóstolos” (Atos 8:1). Alguns historiadores pensam que o fato dos apóstolos permanecerem em Jerusalém quando os discípulos fugiram prova, da parte deles, maior firmeza e fieldade na causa de Cristo, mas estamos dispostos a julgar o fato de modo diferente, e a considerá-lo uma falha em vez de fieldade. A comissão do Senhor a eles era: “Portanto ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo” (Mateus 28:19). E eles tinham sido ensinados: “Quando pois vos perseguirem nesta cidade, fugi para outra” (Mateus 10:23). Até onde a história das Escrituras nos informa, a comissão nunca foi realizada pelos doze. No entanto, Deus era poderoso em Paulo, para com os gentios, e em Pedro para com os judeus.

O Espírito Santo agora vai além de Jerusalém, para manifestar poder em terras estrangeiras - que solene verdade! Mas aquela cidade culpada preferia a dominação de Roma à ressurreição em poder de seu próprio Messias. “Que faremos?”, diziam os judeus, “porquanto este homem faz muitos sinais. Se o deixamos assim, todos crerão nele, e virão os romanos, e tirar-nos-ão o nosso lugar e a nação.” (João 11:47-48). Eles rejeitaram o Messias em Sua humilhação, e agora eles rejeitam o testemunho do Espírito Santo sobre Sua exaltação. A iniquidade deles era completa, e a ira se aproximava deles até o fim. Mas, por ora, nossa tarefa, seguindo o curso da história da igreja, é acompanhar o Espírito Santo em seu caminho a Samaria. Seu caminho é a linha prateada da graça salvadora para almas preciosas.

Os Triunfos do Evangelho em Samaria

Filipe, o diácono, evidentemente próximo a Estêvão em zelo e energia, desce à Samaria. O Espírito Santo opera por meio dele. Na sabedoria dos caminhos do Senhor, a desprezada Samaria é o primeiro lugar, fora da Judeia, onde o Evangelho foi pregado por Suas testemunhas escolhidas. “E, descendo Filipe à cidade de Samaria lhes pregava a Cristo. E as multidões unanimemente prestavam atenção ao que Filipe dizia, porque ouviam e viam os sinais que ele fazia. E havia grande alegria naquela cidade.” (Atos 8:5-6,8). Muitos creram e foram batizados, tanto homens quanto mulheres. Até mesmo Simão Mago, o feiticeiro, experimentou a presença de um poder muito acima do seu próprio, e se curvou à força e corrente da obra do Espírito nos outros, embora a verdade não houvesse penetrado em seu próprio coração e consciência. Mas, como agora já viajamos a essa outra parte do país, este pode ser o momento apropriado para dizermos algumas palavras sobre sua história.

A Terra Santa, uma nação interessante, que se destaca entre as outras nações da Terra, tanto moral quanto historicamente, é em tamanho muito pequena. “É como um pedaço de um país, de tamanho próximo ao do País de Gales, com menos de 225 quilômetros de comprimento, e quase 64 quilômetros, em média, de largura”1. A parte norte é a Galileia; o centro, Samaria; o sul, a Judeia. Mas embora fisicamente tão pequena, ela foi o teatro dos acontecimentos mais importantes na história do mundo. Lá, o Salvador nasceu, viveu e foi crucificado - e lá Ele foi sepultado e ressuscitado. E lá, também, Seus apóstolos e mártires viveram, testificaram e sofreram. E lá o evangelho foi pregado pela primeira vez, e lá a primeira igreja foi plantada.

A terra ocupada por Israel se encontra entre os antigos impérios da Assíria e do Egito. Daí a frequente referência no Antigo Testamento ao “rei do Norte” e ao “rei do Sul”. Devido a essa posição, Israel foi muitas vezes o campo de batalha desses dois poderosos impérios, e sabemos que ainda será o cenário de seu último e mortal conflito (Daniel 11). Os homens têm sido tão supersticiosos sobre a Terra Santa que ela tem sido objeto de ambição nacional, e quase sempre motivo de guerras religiosas desde os dias dos apóstolos. Quem poderia estimar quanto sangue foi derramado, e o tesouro que foi desperdiçado por essas planícies sagradas? - e tudo, podemos acrescentar, sob o nome do zelo religioso, ou melhor, sob as bandeiras da cruz e da lua crescente. Para ali os peregrinos de todas as eras têm viajado para que pudessem adorar no “santo sepulcro” e cumprir seus votos. Também tem sido a grande atração para viajantes de todo tipo e de todas as nações, e o grande empório de “relíquias milagrosas”. O cristão, o historiador e o antiquário têm procurado diligentemente e feito conhecidas suas descobertas. Desde os dias de Abraão, esse tem sido o lugar mais interessante e atraente da face da Terra. E para o estudante da profecia, sua história futura é ainda mais interessante que seu passado. Ele sabe que o dia se aproxima, quando toda aquela terra será povoada pelas doze tribos de Israel, e cheia da glória e majestade de seu Messias. Então eles serão conhecidos como o povo metropolitano da Terra. Retornemos, agora, a Samaria, com sua nova vida e alegria.

Os samaritanos, por meio da bênção de Deus, prontamente creram no Evangelho pregado por Filipe. O efeito da verdade, recebida com simplicidade, foi imediato e do mais bendito caráter. “Havia grande alegria naquela cidade”, e muitos foram batizados. Tais devem ser sempre os efeitos do Evangelho, quando crido, a menos que haja algum obstáculo com relação a nós mesmos. Onde há genuína simplicidade de fé, deve haver paz e alegria genuínas, e uma feliz obediência. O poder do Evangelho sobre um povo que tinha, durante séculos, resistido às reivindicações do judaísmo, foi então demonstrado. O que a lei não podia fazer a este respeito, o Evangelho realizou. “Samaria foi uma ’conquista”’, disse alguém, “que toda a energia do judaísmo não tinha sido capaz de fazer. Foi um novo e esplêndido triunfo do Evangelho. O domínio espiritual do mundo pertencia à igreja.”

Jerusalém e Samaria Unidas pelo Evangelho

O amargo ciúme que existia entre judeus e samaritanos tinha sido, por muito tempo, proverbial; tanto que lemos: “os judeus não se comunicam com os samaritanos”. Mas agora, em conexão com o Evangelho da paz, essa raiz de amargura desaparece. No entanto, na sabedoria dos caminhos de Deus, os samaritanos devem esperar pela mais elevada bênção do Evangelho até que os crentes judeus - os apóstolos da igreja em Jerusalém - impusessem suas mãos sobre eles, e oferecessem orações por eles. Nada pode ser mais profundamente interessante do que esse fato, quando tomamos em consideração a rivalidade religiosa que tinha sido, por tanto tempo, manifesta por ambos. Se Samaria não tivesse recebido essa lição oportuna de humildade, ela poderia ter sido descartada, mais uma vez, por manter sua orgulhosa independência de Jerusalém. Mas o Senhor não teria deixado assim. Os samaritanos tinham crido, se regozijado, e foram batizados, mas ainda não tinham recebido o Espírito Santo. “Os apóstolos, pois, que estavam em Jerusalém, ouvindo que Samaria recebera a palavra de Deus, enviaram para lá Pedro e João. Os quais, tendo descido, oraram por eles para que recebessem o Espírito Santo (porque sobre nenhum deles tinha ainda descido; mas somente eram batizados em nome do Senhor Jesus). Então lhes impuseram as mãos, e receberam o Espírito Santo.” (Atos 8:14-17)

Identificação é a grande ideia da imposição de mãos, e unidade é a consequência do dom/dádiva do Espírito Santo. Esses são fatos importantes em conexão com o progresso da igreja. Samaria é, então, trazida à feliz associação com seu antigo rival, e feita uma só com a igreja em Jerusalém. Não há, na mente de Deus, pensamentos sobre uma assembleia ser independente da outra. Se elas tivessem sido abençoadas separada e independentemente, sua rivalidade poderia se tornar maior que nunca. Mas não deveria mais ser assim: “Nem neste monte nem em Jerusalém” (João 4:21), mas uma só Cabeça no Céu, um só corpo na Terra, um só Espírito, uma só família redimida adorando a Deus em espírito e em verdade, porque o Pai procura os que assim O adoram2.

Para saber mais sobre a origem da mistura de povos e sobre a adoração de Samaria, leia 2 Reis 17. Eles eram apenas “metade” judeus, apesar de se gabarem por sua relação com Jacó. Eles consideravam os cinco livros de Moisés sagrados, mas subestimavam o restante da Bíblia. Eles eram circuncidados, guardavam a lei de maneira não muito fiel, e esperavam a vinda de um Messias. A visita pessoal do bendito Senhor a Samaria é do mais profundo e tocante interesse (João 4). Da fonte na qual Ele descansou diz-se que “ficava em um vale entre as duas famosas montanhas Ebal e Gerizim, onde foi lida a lei. Sobre este último estava o templo rival dos samaritanos, que por tanto tempo afligiu os judeus mais zelosos por sua ousada oposição ao único santuário escolhido, no Monte Moriá.”

O Eunuco Etíope Recebe o Evangelho

Filipe é agora chamado a deixar sua feliz e interessante obra em Samaria e descer até Gaza - um deserto - e lá pregar o evangelho a uma única pessoa. Certamente há, nesse fato, uma lição da mais profunda importância para o evangelista, e uma que não podemos deixar passar sem alguma breve observação.

O pregador, em tal cenário de despertar e conversão como houve em Samaria, necessariamente torna-se muito interessado na obra. Deus está colocando seu selo sobre o ministério da Palavra, e sancionando as reuniões em Sua presença. O obra do Senhor prospera. O evangelista é cercado de respeito e afeição, e seus filhos na fé naturalmente procuram por ele para obter mais luz e instrução para seus caminhos. “Como poderia ele deixar tal campo de trabalho?”, muitos perguntariam, “Seria correto partir?”. Apenas, respondemos, se o Senhor chamasse Seu servo a fazer isso, como Ele fez no caso de Filipe. Mas como alguém pode saber hoje em dia, visto que anjos e o Espírito não nos falam como falavam com Filipe? Embora um cristão, hoje em dia, não seja chamado dessa forma, ele deve procurar e esperar pela orientação divina. A fé deve ser seu guia. As circunstâncias não são seguras como guias; elas podem até nos repreender e nos corrigir em nosso andar, mas é o olho de Deus que deve ser nosso guia. “Guiar-te-ei com os meus olhos”, essa é a promessa, “instruir-te-ei, e ensinar-te-ei o caminho que deves seguir” (Salmos 32:8).

Somente o Senhor sabe o que é melhor para Seus servos e para Sua obra. O evangelista, em tal cenário, correria o risco de sentir sua própria importância pessoal. Daí o valor, se não a necessidade, da mudança do lugar de serviço.

“Levanta-te”, falou o anjo do Senhor a Filipe, “e vai para o lado do sul, ao caminho que desce de Jerusalém para Gaza, que está deserta. E levantou-se, e foi; e eis que um homem etíope, eunuco, mordomo-mor de Candace, rainha dos etíopes, o qual era superintendente de todos os seus tesouros, e tinha ido a Jerusalém para adoração, regressava e, assentado no seu carro, lia o profeta Isaías. E disse o Espírito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro.” (Atos 8:27-29)

É bela a obediência imediata e incondicional de Filipe nesse momento. Ele não faz nenhum questionamento sobre a diferença entre Samaria e Gaza - entre sair de um amplo campo de trabalho e partir para um lugar deserto para falar com uma única pessoa sobre a salvação. Mas o Espírito de Deus estava com Filipe. E o único desejo do evangelista deveria ser de sempre seguir a direção do Espírito. A partir da falta de discernimento espiritual, um pregador poderia permanecer no mesmo lugar após o Espírito ter terminado seu trabalho ali, e assim o serviço é vão.

Deus, em Sua providência, cuida de Seu servo. Ele envia um anjo para direcioná-lo quanto à estrada que ele havia de tomar. Mas quando se trata do evangelho e do lidar com almas, o Espírito toma a direção. “E disse o Espírito a Filipe: Chega-te, e ajunta-te a esse carro.” Não sabemos de nada, em toda a história da igreja, mais interessante que essa cena no caminho para Gaza. O anjo e o Espírito de Deus acompanham o evangelista: o primeiro representando a providência de Deus em indicar exatamente a estrada a tomar, e o último representando o poder espiritual direcionando o lidar com as almas. Assim como era, assim é agora, embora tendemos a adotar mais o hábito de pensar na orientação do Espírito do que na direção de providência. Que possamos confiar em Deus para tudo! Ele nunca muda!

O evangelho agora encontra seu caminho, na pessoa do tesoureiro da rainha, para o centro da Abissínia. O eunuco crê, é batizado, e segue seu caminho cheio de alegria. O que ele procurava, em vão, em Jerusalém, tendo seguido uma longa jornada até lá, ele encontra no deserto. Um belo exemplo da graça do evangelho! A ovelha perdida é encontrada no deserto, e águas vivas brotam de lá. O eunuco é também um belo exemplo de uma alma ansiosa. Quando sozinho e ocioso, ele lê o profeta Isaías. Ele reflete sobre a profecia do sofrimento sem resistência do Cordeiro de Deus. Mas o momento de luz e libertação era chegado. Filipe explica o profeta: o eunuco é ensinado por Deus - ele crê: imediatamente deseja o batismo e retorna para casa, cheio das novas alegrias da salvação. Será que ele ficaria calado sobre o que encontrou quando lá chegasse? Certamente não, um homem de tal caráter e influência teria muitas oportunidades de disseminar a verdade. Mas, como tanto as Escrituras quanto a história são omissas quanto aos resultados de sua missão, não nos aventuremos além.

O Espírito é ainda visto em companhia de Filipe e o leva para longe. Ele se encontra, então, em Azoto, e evangeliza todas as cidades até Cesareia.

Mas uma nova era na história da igreja começa a despontar. Um novo obreiro entra em cena: o mais notável, em muitos aspectos, que já serviu ao Senhor e à Sua igreja.

A Conversão de Saulo de Tarso

Nenhum evento no progresso da história da igreja a afeta tão profundamente, ou tão felizmente, quanto a conversão de Saulo de Tarso. De principal dos pecadores ele se tornou o principal dos santos - do mais violento opositor de Cristo ele se tornou o mais zeloso defensor da fé - como inimigo e perseguidor do nome de Jesus na Terra, ele era o “principal”; todos os outros, em comparação a ele, eram subordinados (Atos 9; 1 Timóteo 1).

É bastante evidente, a partir do que ele fala sobre si mesmo, que ele acreditava que o judaísmo era não só divino, mas a perpétua e imutável religião de Deus para o homem. Seria difícil explicar a força de seus preconceitos judaicos sobre qualquer outro princípio. Portanto, todas as tentativas de pôr de lado a religião dos judeus, e de introduzir outra, ele considerava como sendo algo do inimigo, devendo ser arduamente combatidas. Ele tinha ouvido o nobre discurso de Estêvão - ele tinha testemunhado sua morte triunfante - mas sua subsequente perseguição aos cristãos mostrou que a glória moral daquela cena não o havia impressionado de maneira séria em sua mente. Ele foi cegado pelo zelo; mas o zelo pelo judaísmo agora era um zelo contra o Senhor. Neste exato momento ele estava “respirando ainda ameaças e mortes contra os discípulos do Senhor” (Atos 9:1).

Ouvindo que alguns dos santos perseguidos haviam encontrado um abrigo em Damasco, uma antiga cidade da Síria, ele se convenceu a ir até lá e trazê-los de volta a Jerusalém como criminosos. Para este fim, ele recebeu cartas do sumo sacerdote e do conselho de anciãos, de que ele poderia trazê-los presos a Jerusalém para serem punidos (Atos 22. Ele, então, se torna o próprio apóstolo da malícia judaica contra os discípulos de Jesus - ignorantemente, sem dúvida, mas ele se fez o missionário voluntário deles.

Com sua mente forjada até o tom mais violento do zelo perseguidor, ele segue em sua memorável jornada. Inabalável em seu apego fervoroso pela religião de Moisés, e determinado a punir os convertidos ao cristianismo como apóstatas da fé de seus ancestrais, ele se aproxima de Damasco. Mas lá, na plena energia de sua louca carreira, o Senhor Jesus o detém. Uma luz dos céus, mais forte que a luz do sol, brilha em torno dele, e o subjuga com seu brilho ofuscante. Ele cai por terra - com a vontade quebrada, a mente subjugada, o espírito humilhado, e completamente mudado. Seu coração é agora sujeito à voz que fala com ele. Raciocínio, extenuação e auto-justificação não têm lugar na presença do Senhor.

Uma voz da magnífica glória disse-lhe: “Saulo, Saulo, por que me persegues? E ele disse: Quem és, Senhor? E disse o Senhor: Eu sou Jesus, a quem tu persegues.” (Atos 9:4-5). Então o Senhor Jesus, mesmo estando no Céu, declara que Ele próprio é ainda identificado com Seus discípulos na Terra. A unidade da igreja com Cristo, sua Cabeça nos céus, a semente da bendita verdade do “um só corpo”, é resumida nessas poucas palavras: “Saulo, Saulo, por que me persegues? … Eu sou Jesus, a quem tu persegues.” Estar em guerra contra os santos é o mesmo que estar em guerra contra o próprio Senhor. Que bendita verdade para o crente, mas quão solene para o perseguidor!

A visão que Saulo tinha visto e a terrível descoberta que ele tinha feito o absorveram completamente. Ele fica cego por três dias, e não pode comer nem beber. Então ele entra em Damasco, cego, quebrantado e humilhado pelo solene juízo do Senhor! Quão diferente daquilo que ele pretendia! Ele agora se une à companhia daqueles que ele tinha resolvido exterminar. No entanto, ele entra pela porta, e humildemente toma seu lugar entre os discípulos do Senhor. Ananias, um discípulo fiel, é enviado para confortá-lo. Ele recebe sua vista de volta, é cheio do Espírito Santo, é batizado, e então é alimentado e fortalecido.

Alguns pensam que o Senhor dá, na conversão de Paulo, não somente uma amostra de Sua longanimidade, como em todo o pecador que é salvo, mas também um sinal da futura restauração de Israel. Paulo nos conta, ele próprio, ter obtido misericórdia porque ele fez tudo aquilo em ignorante incredulidade - e tal será a mesma situação de Israel nos últimos dias quando receber misericórdia. Como nosso próprio Senhor orou por eles: “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). Pedro também diz: “E agora, irmãos, eu sei que o fizestes por ignorância, como também os vossos príncipes” (Atos 3:17)

Mas, como o apostolado de Paulo difere, em muitos aspectos, do apostolado dos doze, será necessário observá-lo mais um pouco. A menos que essa diferença seja compreendida, o verdadeiro caráter da presente dispensação poderá não ser apreendida de maneira tão consistente.

O Apostolado de Paulo

A lei e os profetas foram até João; após João o próprio Senhor, em Sua própria Pessoa, oferece o reino à Israel, mas “os Seus não O receberam”. Eles crucificaram o Príncipe da vida, mas Deus O ressuscitou dentre os mortos, fazendo-O sentar à Sua direita nos lugares celestiais. Temos então os doze apóstolos. Eles são dotados com o Espírito Santo, e levam o testemunho da ressurreição de Cristo. Mas o testemunho dos doze é desprezado, o Espírito Santo é resistido, Estêvão é martirizado, a oferta final de misericórdia é rejeitada, e agora o tratamento de Deus com Israel como um povo é encerrado por um tempo. As cenas de Siló são encenadas novamente, Icabode é escrito em Jerusalém, e uma nova testemunha é convocada, como nos dias de Samuel. (Leia 1 Samuel 4)

Chegamos agora ao grande apóstolo dos gentios. Ele é como um nascido fora do tempo e fora de seu devido lugar. Seu apostolado não tinha nada a ver com Jerusalém ou com os doze. Era fora de ambos. Seu chamado era extraordinário e vindo direto do Senhor no Céu. Ele tem o privilégio de trazer a novidade: o caráter celestial da igreja - que Cristo e a igreja são um, e que o Céu é seu lar em comum (Efésios 1,2). Enquanto Deus estava tratando com Israel, essas benditas verdades estavam guardadas em segredo em Sua própria mente. “A mim,”, diz Paulo, “o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo.” (Efésios 3:8-9)

Não podia haver dúvidas sobre o caráter do chamado do apóstolo quanto à sua autoridade divina. “Não da parte dos homens, nem por homem algum”, como diz ele em sua Epístola aos Gálatas, “mas por Jesus Cristo, e por Deus Pai, que o ressuscitou dentre os mortos” (Gálatas 1:1). Isto é, não era “da parte dos homens”, quanto à sua fonte, nem de qualquer Sínodo de homens oficiais. “Nem por homem algum”, foi como veio sua comissão. Ele não era apenas um santo, mas um apóstolo por chamado: e esse chamado era por Jesus Cristo, e por Deus Pai, que O ressuscitou dentre os mortos. Em alguns aspectos, seu apostolado foi ainda de mais alta ordem do que o dos doze. Estes tinham sido chamados por Jesus quando na Terra; aquele tinha sido chamado pelo Cristo ressuscitado e glorificado no Céu. E, sendo seu chamado vindo do Céu, não necessitava nem da sanção nem do reconhecimento dos outros apóstolos. “Mas, quando aprouve a Deus … revelar seu Filho em mim, para que o pregasse entre os gentios, não consultei a carne nem o sangue, nem tornei a Jerusalém, a ter com os que já antes de mim eram apóstolos, mas parti para a Arábia, e voltei outra vez a Damasco.” (Gálatas 1:15-17)

A forma como Saulo foi chamado para apóstolo é digna de nota especial, pois bate de frente com a raiz do orgulho judaico, e pode também ser vista como o golpe mortal à vã noção de sucessão apostólica. Os apóstolos, a quem o Senhor tinha escolhido e nomeado quando estava na Terra, não eram nem a fonte nem o canal, de maneira alguma, da nomeação de Paulo. Eles não lançaram sortes para ele, como fizeram no caso de Matias (Atos 1). Ali eles estavam apenas em terreno judeu, o que pode explicar sua decisão por sorteio. Era um antigo costume, em Israel, descobrir a vontade divina por esses modos. Mas estas enfáticas palavras: “Paulo, apóstolo, não da parte dos homens, nem por homem algum, mas por Jesus Cristo”, excluem completamente a intervenção do homem sob qualquer forma. A sucessão apostólica é descartada. Somos santos por chamado e servos por chamado. E tal chamado deve vir do Céu. Paulo está diante de nós como um verdadeiro padrão para todos os pregadores do evangelho, e para todos os ministros da Palavra. Nada pode ser mais simples que o terreno que ele toma como pregador, sendo o grande apóstolo que era. “E temos, portanto, o mesmo espírito de fé, como está escrito: Cri, por isso falei; nós cremos também, por isso também falamos.” (2 Coríntios 4:13)

Imediatamente após ser batizado e fortalecido, ele começou a confessar sua fé no Senhor Jesus e a pregar nas sinagogas de que Ele era o Filho de Deus. Isto é algo novo. Pedro pregava que Ele tinha sido exaltado à destra de Deus - que Ele tinha sido feito tanto Senhor quanto Cristo, mas Paulo prega uma doutrina mais elevada sobre Sua glória pessoal - “que Ele é o Filho de Deus”. Em Mateus 16, Cristo é revelado pelo Pai aos discípulos como “o Filho do Deus vivo”. Mas agora Ele é revelado, não apenas a Paulo, mas em Paulo. “Aprouve a Deus … revelar seu Filho em mim” (Gálatas 1:15-16), disse ele. Mas quem é suficiente para falar dos privilégios e bênçãos daqueles a quem o Filho de Deus é, pois, revelado? A dignidade e segurança da igreja descansa sobre essa bendita verdade, e também sobre o evangelho da glória, que foi especialmente confiado a Paulo, e que ele chama de “meu evangelho”.

“Sobre o Filho assim revelado”, disse alguém docemente, “paira tudo o que é peculiar ao chamado e glória da igreja - suas santas prerrogativas - aceitação no Amado com perdão dos pecados por meio de Seu sangue - entrada para os tesouros da sabedoria e do conhecimento, de modo a tornar conhecido, a nós, o mistério da vontade de Deus - herança futura nEle e com Ele, no qual todas as coisas nos céus e na Terra serão congregadas - e o presente selo e penhor dessa herança, o Espírito Santo. Tal brilhante sequência de privilégios é escrita pelo apóstolo desta maneira: ”bênçãos espirituais nos lugares celestiais“ (Efésios 1:3-14); e assim são elas; bênçãos através do Espírito fluindo e nos ligando a Ele, que é o Senhor nos céus.”3

Mas a doutrina da igreja - o mistério do amor, da graça e do privilégio - não tinha sido revelada até Paulo a ter declarado. O Senhor tinha falado dela quanto ao efeito que teria a presença do Consolador, dizendo: “Naquele dia conhecereis que estou em meu Pai, e vós em mim, e eu em vós.” (João 14:20). E novamente, quando Ele diz aos discípulos após a ressurreição: “Eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.” (João 20:17). Dessa “sequência brilhante” de bênçãos Paulo foi, especial e caracteristicamente, o apóstolo.

Devemos agora deixar um pouco de lado a história de Saulo e voltar a Pedro, que ocupa o campo até que Paulo comece seu ministério público em Atos 13.

Dicionário Bíblico de Smith↩

Veja Lecture 6 de Atos 2, 8, 10, 19. Lectures on the New Testament Doctrine of the Holy Spirit, por W. Kelly.↩

Veja mais detalhes sobre esse assunto em John Gifford Bellet, Christian Witness [Testemunho cristão], v. 4, p. 221; William Kelly, Introductory Lectures on Galatians [Estudos introdutórios sobre Gálatas], cap. 1.↩

Os Apóstolos e os Pioneiros

Os Primeiros Missionários da Cruz

Em vez de passar por cima dos capítulos restantes de Atos achamos que pode ser mais interessante e igualmente instrutivo para nossos leitores considerá-los em conexão com a história dos apóstolos, especialmente com a história dos dois grandes apóstolos. O livro de Atos é quase inteiramente ocupado com os atos de Pedro e de Paulo, embora, é claro, sob a direção do Espírito Santo: o primeiro como o grande apóstolo dos judeus, e o segundo como o grande apóstolo dos gentios. Mas seria também de interesse abraçar a presente oportunidade para observar brevemente os primeiros companheiros e missionários pessoalmente escolhidos por nosso bendito Senhor - os doze apóstolos.

Mas, antes de tentarmos um esboço dessas interessantes vidas, parece bem declarar qual objetivo temos em vista ao fazê-lo. Estamos saindo um pouco do curso que estávamos seguindo. Em nenhuma das publicações sobre a história da igreja que conhecemos a vida dos apóstolos é apresentada de forma ordenada, e é estranho que os grandes fundadores da igreja não achem seus lugares em sua história.

Ao mesmo tempo, no que diz respeito aos apóstolos, temos que ter em mente que, além da narrativa sagrada, há bem pouco material sobre o qual possamos nos apoiar. O tradicional e o bíblico, o certo e o incerto, são quase desamparadamente misturados nos escritos dos Pais da Igreja. Cada raio de luz histórico distinto é de grande valor, mas são somente as Escrituras que podemos tomar por totalmente corretas. Ainda assim, as poucas notas que temos ali espalhadas, de alguns dos apóstolos, quando reunidas, podem dar ao leitor uma ideia da pessoa e individualidade de cada um. Outros, também notamos, além dos apóstolos, aparecerão em conexão com eles, especialmente com Paulo. Assim nossos leitores terão, de maneira conveniente, um breve resumo de quase todos os nobres pregadores, professores, confessores e mártires do Senhor Jesus que são mencionados no Novo Testamento.

Os Doze Apóstolos

Eram eles: Simão Pedro, André, Tiago e João (filhos de Zebedeu), Filipe, Tomé, Bartolomeu, Mateus, Tiago (filho de Alfeu), Tadeu, Simão o Zelote, e Matias, que foi escolhido para substituir Judas Iscariotes. Veja Mateus 10, Lucas 6, Marcos 3 e Atos 1.

Paulo também foi um apóstolo por chamado direto do Senhor, no sentido mais elevado, como já vimos. Havia outros que eram chamados de apóstolos, mas eram mais especificamente apóstolos das igrejas. Os doze e Paulo eram proeminentemente os apóstolos do Senhor. Compare 2 Coríntios 8:23, Filipenses 2:25 e Romanos 16:7.

O nome oficial, “apóstolo”, significa “enviado”. “Jesus enviou estes doze.” (Mateus 10:5). Esse nome foi dado aos doze pelo próprio Senhor. “Chamou a si os seus discípulos, e escolheu doze deles, a quem também deu o nome de apóstolos” (Lucas 6:13). Conhecê-Lo pessoalmente e tê-Lo acompanhado por todo o seu ministério era a original e necessária qualificação de um apóstolo. Isso foi afirmado por Pedro antes da eleição de um sucessor para o traidor Judas. “É necessário, pois, que, dos homens que conviveram conosco todo o tempo em que o Senhor Jesus entrou e saiu dentre nós, começando desde o batismo de João até ao dia em que de entre nós foi recebido em cima, um deles se faça conosco testemunha da sua ressurreição.” (Atos 1:21-22). Por essa relação pessoal com o Senhor eles foram particularmente indicados para serem as testemunhas de Sua trajetória sobre a Terra. Ele mesmo os descreve como “os que têm permanecido comigo nas minhas tentações” (Lucas 22:28)

Acreditamos que o número doze marca nitidamente sua relação com as doze tribos de Israel. As fantasias dos pais (cristãos proeminentes do início da história da igreja) quanto ao significado do número aqui escolhido mostra o quão pouco suas mentes eram governadas pelo contexto. Santo Agostinho “acha que a menção de nosso Senhor aos quatro cantos do mundo, aos quais os apóstolos foram chamados a pregar o evangelho, e que, ao multiplicar por três, como denotando a Trindade, resulta em doze.” Ao não enxergar a distinção entre Israel e a igreja, existe muita confusão por parte de tais escritores.

Cremos que o número doze nas Escrituras significa a completude administrativa no homem. Daí as doze tribos, os doze apóstolos, e a promessa a estes, de que se sentariam em doze tronos para julgar as doze tribos de Israel (Mateus 19:28). Mas aqui, nos termos mais claros possíveis, o Senhor limita a missão dos doze às ovelhas perdidas da casa de Israel. Não era nem mesmo para eles irem visitar os samaritanos, nem os gentios. A missão se restringia aos judeus. “Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos; mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel” (Mateus 10:5-6). Certamente nada poderia ser mais claro. O chamado da igreja não é mencionado aqui. Isto aconteceu depois, quando um outro extraordinário apóstolo foi escolhido, tendo em vista especialmente os gentios. Depois os doze teriam seu próprio lugar na igreja, mas Paulo foi seu divinamente chamado e qualificado ministro.

Há uma noção geral de que os doze eram completamente analfabetos, com a qual não podemos concordar. A expressão “homens sem letras e indoutos”, como usada pelo conselho em Atos 4:13, apenas denotava pessoas que não tinham sido ensinadas na tradição rabínica dos judeus. Seria a mesma ideia do termo “leigo”, isto é, homens de educação regular, em contrate com aqueles que foram especialmente treinados nas escolas de eruditos, ou homens que não participam de “ordens sagradas”. Assim, Pedro e João podem ter sido completamente familiarizados com as Sagradas Escrituras e com a história de seu país e de seu povo, e ainda assim serem considerados, pelo conselho, como “homens iletrados e indoutos”. Tiago e João, pelo menos, tinham todas as vantagens do ensinamento de uma mãe fiel e devota, que muitas vezes fez grandes coisas para a igreja de Deus.

Vamos, agora, passar brevemente as vistas a cada um dos doze.

O Apóstolo Pedro (Parte 1)

Vamos, agora, passar brevemente as vistas a cada um dos doze.

O primeiro, em ordem, é o apóstolo Pedro. Não pode haver dúvida de que Pedro esteve em primeiro lugar entre os doze. O Senhor lhe deu tal posição. Ele é o primeiro a ser mencionado em todas as listas dos apóstolos. Essa precedência, como sabemos, não veio por ter conhecido o Senhor primeiro, pois ele não tinha sido nem o primeiro nem o último. André, e provavelmente João, conheceram o Senhor antes de Pedro. Vamos aqui observar, com o mais profundo interesse, o primeiro encontro desses amigos que iriam ser unidos para sempre. Leia João 1:29-51.

João Batista presta testemunho a Jesus como o Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo. Dois dos discípulos de João o deixam e seguem Jesus. “Era André, irmão de Simão Pedro, um dos dois que ouviram aquilo de João, e o haviam seguido. Este achou primeiro a seu irmão Simão, e disse-lhe: Achamos o Messias (que, traduzido, é o Cristo). E levou-o a Jesus.” (João 1:40-42). Essa foi a primeira introdução de Pedro ao Senhor - àquele que havia de ser a fonte de sua felicidade para sempre. E quão significante foi esse primeiro encontro! “E levou-o a Jesus. E, olhando Jesus para ele, disse: Tu és Simão, filho de Jonas; tu serás chamado Cefas (que quer dizer Pedro).” (João 1:42). Naturalmente impulsivo, rápido em se valer de um objetivo, mas pronto demais para desistir pela força de qualquer pressão, ele tem, pela graça do Senhor, a firmeza que lhe foi dada, embora vez ou outra seu caráter natural aparece.

A primeira coisa que leva Pedro à grande proeminência é sua nobre confissão de Cristo como o Filho do Deus vivo (Mateus 16). O Senhor, então, o honrou com as chaves do reino dos céus, e deu-lhe um lugar de proeminência entre seus irmãos. Mas essa parte da história de Pedro, somados a alguns dos primeiros capítulos de Atos já consideramos anteriormente. Portanto, nos referiremos somente aos pontos que ainda não tocamos.

Ainda não nos referimos ao quarto capítulo de Atos embora estejamos dispostos a pensar que ali é apresentado o dia mais brilhante da história do apóstolo, enquanto o batismo de Cornélio apresenta o dia culminante de seu ministério. Como ali é constantemente demonstrado, no grande apóstolo, uma mistura de força e fraqueza, de excelências e defeitos, é profundamente interessante que tracemos seu caminho através dos primeiros temporais que assolaram a recém-nascida igreja. Mas não devemos nos esquecer que o grande segredo da ousadia, sabedoria e poder dos apóstolos não vinham de seu caráter natural, mas sim da presença do Espírito Santo. Ele estava com eles e neles, e trabalhando por eles. O Espírito Santo era a força do testemunho deles.

Observe, em particular, os benditos efeitos da presença do Espírito Santo em quatro aspectos distintos:

1. Na coragem demonstrada por Pedro e pelos outros. “Então Pedro, cheio do Espírito Santo, lhes disse: Principais do povo, e vós, anciãos de Israel, visto que hoje somos interrogados acerca do benefício feito a um homem enfermo, e do modo como foi curado, seja conhecido de vós todos, e de todo o povo de Israel, que em nome de Jesus Cristo, o Nazareno, aquele a quem vós crucificastes e a quem Deus ressuscitou dentre os mortos, em nome desse é que este está são diante de vós. Ele é a pedra que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina. E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos.” (Atos 4:8-12) A grande e solene questão entre Deus e os governantes de Israel é aqui formalmente declarada. Nada pode ser mais simples. O testemunho de Deus não está mais com os dirigentes do templo, mas com os apóstolos do exaltado Messias.

2. Em Sua presença com os discípulos reunidos (em assembleia). “E, tendo orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos; e todos foram cheios do Espírito Santo, e anunciavam com ousadia a palavra de Deus.” (Atos 4:31) Esse versículo claramente ensina o que têm sido tantas vezes falado quanto ao Espírito estar com os discípulos e neles. O lugar onde eles estavam reunidos foi chacoalhado; isto prova Sua presença com eles. Mas eles também estavam cheios do Espírito Santo - tão cheios, cremos, que naquele momento não havia espaço para a carne agir.

3. Em grande poder quanto ao serviço. “E os apóstolos davam, com grande poder, testemunho da ressurreição do Senhor Jesus, e em todos eles havia abundante graça.” (Atos 4:33) Prontidão e energia agora caracterizam os apóstolos.

4. Dedicação de todo o coração. “Todos os que possuíam herdades ou casas, vendendo-as, traziam o preço do que fora vendido, e o depositavam aos pés dos apóstolos.” (Atos 4:34) No capítulo dois, os ricos davam, eles mesmos, aos pobres: algo que dificilmente poderia ser feito sem atribuir importância ao doador. Mas no capítulo quatro, os ricos deixavam o dinheiro aos pés dos apóstolos. Deveríamos aceitar este fato como um claro sinal de aumento de humildade, e de grande devoção.

É também nesse completo e instrutivo capítulo que temos a famosa resposta de Pedro e João ao conselho. “Julgai vós se é justo, diante de Deus, ouvir-vos antes a vós do que a Deus.” (Atos 4:19) Daquele dia em diante os verdadeiros confessores do nome de Jesus encontram, nessas palavras, uma resposta adequada a seus inquisidores e opressores. Que diferença, podemos exclamar, entre o homem que sentou ao fogo no pátio do sumo sacerdote (Mateus 26:69-75) e o homem que toma a dianteira em Atos 4 - entre o homem que caiu diante da acusação de uma criada e o homem que faz a nação tremer com seus apelos! “Mas como essa diferença pode ser explicada?”, alguns podem perguntar. A explicação completa para isso é a presença e poder de um Espírito Santo não entristecido ou extinto. E a fraqueza ou poder de muitos hoje em dia pode ser explicada pelo mesmo princípio. O Espírito de Deus é o único poder no cristão. Que possamos conhecer a bem-aventurança de viver, andar e trabalhar no poder salvador e santificador do Espírito Santo! “E não entristeçais o Espírito Santo de Deus, no qual estais selados para o dia da redenção.” (Efésios 4:30)

O Apóstolo Pedro (Parte 2)

Chegamos agora à última seção na narrativa sagrada da história de Pedro. Do versículo 32 do capítulo 9 ao versículo 18 do capítulo 11 de Atos temos um relato de suas pregações e milagres. Ali o vemos mais uma vez em plena autoridade apostólica, e o Espírito Santo trabalhando com ele. Sua missão nesse momento foi grandemente abençoada, tanto nas cidades de Israel quanto na Cesareia. Toda a cidade de Lida e o distrito de Sarona parecem ter sido despertados. Os milagres feitos por Pedro, e o evangelho por ele pregado, foram usados por Deus para a conversão de muitos. Assim, lemos: “E viram-no todos os que habitavam em Lida e Sarona, os quais se converteram ao Senhor.” (Atos 9:35). A benção era geral. “Se converter ao Senhor” é a ideia de conversão encontrada nas Escrituras. E em Jope também, pela ressurreição de Dorcas, havia grande agitação e benção. “E foi isto notório por toda a Jope, e muitos creram no Senhor.” (Atos 9:42)

No capítulo 10 - que já consideramos - os gentios são trazidos à igreja. E agora Pedro, tendo terminado sua missão por essas bandas, retorna a Jerusalém. Após o relato de sua libertação do poder de Herodes no capítulo 12, não temos mais relatos sobre a história do apóstolo da circuncisão em Atos.

Como Herodes Agripa, o rei idumeu, tem papel tão proeminente nessa história, pode ser interessante tomar nota sobre ele. Ele professava grande zelo pela lei de Moisés e mantinha um certo respeito para com sua observância externa. Desse modo, ele ficou do lado dos judeus contra os discípulos de Cristo, sob um fingido zelo religioso. Esta era sua política. Era uma figura do rei adversário.

Foi por volta de 44 d.C. que Herodes buscou se insinuar com seus súditos judeus, perseguindo os inofensivos cristãos. Não que houvesse qualquer amor entre Herodes e os judeus, posto que se odiavam de coração; mas aqui eles se uniram, pois ambos odiavam o testemunho celestial. Herodes matou Tiago com a espada e lançou Pedro na prisão. Era sua intenção perversa mantê-lo lá até depois da Páscoa, e então, quando uma grande quantidade de judeus de todas as partes estivessem em Jerusalém, fariam um espetáculo público de sua execução. Mas Deus preservou e libertou Seu servo em resposta às orações dos santos. Eles têm armas de guerra que os governantes do mundo não conhecem. Deus permitiu que Tiago selasse seu testemunho com seu sangue, mas preservou Pedro para que pudesse ser testemunha na Terra por mais tempo. Assim nosso Deus governa sobre tudo. Ele é o Governador entre as nações, seja qual for o orgulho e a vontade do homem. O poder pertence a Ele. Débil, de fato, é o poder de cada inimigo quando Ele interfere. Herodes, tornando-se perplexo e confuso diante das manifestações de um poder que ele não podia entender, condena os guardas da prisão à morte, e deixa Jerusalém. Mas ele nem imaginava que sua própria morte precederia a de seus próprios prisioneiros.

Em Cesareia, a sede gentia de sua autoridade, ele ordenou que se fizesse uma festa magnífica em honra ao Imperador Cláudio. Somos informados de que multidões da mais alta hierarquia, vindas de todos os cantos, foram reunidas. Na segunda manhã de festividades, o rei apareceu em um manto prateado de grande esplendor, que brilhava com os raios do sol, de modo que ofuscava os olhos de toda a assembleia e provocava admiração geral. Ao fazer um discurso ao povo, de seu trono, alguns de seus bajuladores levantaram um grito: “É a voz de um deus!”. Herodes, em vez de reprimir tal ímpia adulação, que se espalhou pelo teatro, a aceitou. Mas um senso do julgamento de Deus, naquele momento, atravessou o coração do rei. Em tom de profunda melancolia ele disse: “Seu deus irá, em breve, sofrer da comum sina da mortalidade”. Na força da linguagem das Escrituras, está escrito assim: “E no mesmo instante feriu-o o anjo do Senhor, porque não deu glória a Deus e, comido de bichos, expirou.” (Atos 12:23). Ele foi, então, tomado de intensas dores violentas, e levado do teatro a seu palácio. Ali ele permaneceu por cinco dias, e morreu na maior agonia, e na mais humilhante e repugnante condição possível.

A Linhagem Real Herodiana

Não seria fora de propósito ou tedioso para o leitor se observarmos por um momento a linhagem real herodiana. Eles frequentemente aparecem, tanto na vida de nosso Senhor quanto no começo da história da igreja. Os temos associados em nossas mentes, desde cedo, com o massacre das crianças em Belém e Herodes, o rei da Judeia, embora seja de certo modo notável que Josefo, o principal historiador de Herodes, não menciona esse evento. Em geral pensa-se que o assassinato de algumas crianças em uma vila obscura, em comparação com outros Atos sanguinários de Herodes, não era muito importante aos olhos de Josefo para ser registrado. Mas não sucedia o mesmo na mente de Deus: tanto o engano quanto a crueldade do traiçoeiro coração do rei estão registrados na narrativa sagrada. O olho de Deus vigiava o “Menino nascido” a Israel - a única fonte de esperança para todas as nações. O cruel desígnio de Herodes foi, assim, derrotado.

Herodes, o Grande, o primeiro rei idumeu de Israel, recebeu o reino do Senado de Roma através da influência de Marco Antônio. Isto ocorreu cerca de trinta e cinco anos antes do nascimento de Cristo (35 a.C.), e cerca de trinta e sete anos antes de sua própria morte. Esses idumeus eram uma ramificação dos antigos edomitas que, enquanto os judeus estavam no cativeiro babilônico, e sua terra desolada, tomaram posse tanto da parte sul da mesma, que fazia parte de toda a herança da tribo de Simeão, quanto de metade da terra que tinha sido a herança da tribo de Judá; e ali eles permaneceram até então. No decorrer do tempo, os idumeus foram conquistados por João Hircano e levados ao judaísmo. Após sua conversão, eles receberam a circuncisão, se submeteram às leis dos judeus, e se incorporaram à nação judaica. Desse modo, se tornaram judeus, embora não fizessem parte da linhagem original de Israel. Isto aconteceu por volta de 129 a.C. Eles eram audaciosos, espertos e cruéis como príncipes: tinham grande visão política, cortejavam a favor de Roma, e se preocupavam apenas com o estabelecimento de sua própria dinastia. Mas, pela vontade de Deus, com a destruição de Jerusalém, a dinastia idumeia acabou, e até mesmo o próprio nome de Herodes parece ter perecido entre as nações.

Além do massacre das crianças em Belém, que aconteceu pouco antes da morte de Herodes, ele também tinha encharcado suas mãos no sangue de sua própria família, e no sangue de muitas pessoas nobres da linhagem asmoneia. Sua cruel inveja em relação àquela família nunca dormia. Mas um de seus últimos Atos foi assinar a sentença de morte de seu próprio filho. No leito de morte - o que evidentemente foi um juízo de Deus, tal como aconteceu com seu neto, Herodes Agripa - ele conseguiu se levantar da cama para dar o mandato de execução de Antípatro e nomear Arquelau como seu sucessor no trono. Feito isso, caiu para trás e expirou.

Dessa forma, infelizmente, os monarcas muitas vezes morriam: distribuindo mortes com uma mão e reinos com a outra. Mas, e depois? Na realidade nua a crua de sua própria condição moral, eles devem comparecer ante o tribunal de Deus. O manto púrpura não mais poderá protegê-los. Uma justiça inflexível rege aquele trono. Julgados de acordo com as obras feitas no corpo, eles devem ser banidos eternamente para além do “abismo” que foi “posto” pelo juízo de Deus (Lucas 16:26). Ali lembrarão, em tormentos, cada momento de sua história passada - dos privilégios que abusaram, das oportunidades que perderam, e de todo mal que fizeram. Que o Senhor possa salvar cada alma que olha para estas páginas do terrível peso destas palavras: “lembrar”; “tormento”; “posto”. Elas descrevem e caracterizam o futuro estado das almas impenitentes (Lucas 16).

A seita dos herodianos provavelmente era composta dos partidários de Herodes e tinha caráter principalmente político, tendo, como principal objetivo, a manutenção da independência nacional dos judeus em face do poder e ambição romanos. Eles devem ter pensado em usar Herodes para o cumprimento dessa finalidade. Na história narrada nos evangelhos, eles são lembrados por agir com astúcia para com o bendito Senhor, e em conspirar com os fariseus. (Mateus 22:15,16; Marcos 12:12, 14).

Vamos agora retornar à história de nossos apóstolos.

Em Atos 15, após uma ausência de mais ou menos cinco anos, Pedro aparece novamente. No entanto, durante aquele tempo não sabemos nada sobre sua morada ou trabalho. Ele tem um papel ativo na assembleia em Jerusalém, e parece ter mantido seu antigo lugar entre os apóstolos e anciãos.

Pedro na Antioquia

Pouco tempo depois, como aprendemos em Gálatas 2, Pedro faz uma visita à Antioquia. Mas apesar da decisão dos apóstolos e da igreja em Jerusalém, uma característica fraqueza de Pedro o trai em um ato de dissimulação. Uma coisa é resolver uma questão na teoria, e outra é realizá-la na prática. Pedro tinha, realmente, declarado na assembleia que o evangelho que Paulo pregava, pela revelação dada a ele, não era nada menos do que uma bênção tanto para o judeu quanto para o gentio. E, enquanto sozinho na Antioquia, ele agiu nesse princípio, andando na liberdade da verdade celestial e comendo com os gentios. Mas quando alguns cristãos judeus vieram da parte de Tiago, ele não mais se atreveu a usar de tal liberdade. “Se foi retirando, e se apartou deles, temendo os que eram da circuncisão. E os outros judeus também dissimulavam com ele, de maneira que até Barnabé se deixou levar pela sua dissimulação.” (Gálatas 2:12-13). “Que coisa mais pobre que é o homem!”, exclamou alguém. “Somos fracos em relação à nossa importância diante dos homens. Quando não somos nada, podemos fazer tudo, desde que esteja de acordo com a aceitação dos outros… Paulo, energético e fiel, pela graça, permanece sozinho de pé, e repreende Pedro diante de todos.”

A partir de então, no ano 49 ou 50 d.C., seu nome não aparece novamente no livro de Atos dos Apóstolos, e não temos certeza da esfera de seu trabalho. No entanto, ele se dirige aos cristãos hebreus em sua primeira carta da seguinte maneira: “Pedro, apóstolo de Jesus Cristo, aos estrangeiros dispersos no Ponto, Galácia, Capadócia, Ásia e Bitínia”. Disso podemos concluir que ele trabalhou nesses países. Sua segunda Epístola data de muito tempo depois, e deve ter sido escrita pouco tempo antes de sua morte. Aprendemos isso com o que ele diz no primeiro capítulo: “Sabendo que brevemente hei de deixar este meu tabernáculo, como também nosso Senhor Jesus Cristo já mo tem revelado” (v.14; ver também João 21:18-19).

A data exata da visita de Pedro a Roma tem sido assunto de grande controvérsia entre escritores católicos e protestantes em todas as eras. Mas pode ser considerado um ponto resolvido o fato de ele não ter visitado tal cidade até uma data bem próxima do fim de sua vida. A data de seu martírio é também incerta. Muito provavelmente aconteceu em 67 ou 68 d.C., com mais ou menos setenta anos de idade. O incêndio de Roma causado por Nero é datado por Tácito por volta do mês de julho de 64. A perseguição contra os cristãos eclodiu logo depois, e foi sob tal perseguição que nosso apóstolo foi honrado com a coroa do martírio.

Ele foi sentenciado à crucificação, sendo esta a mais severa e vergonhosa morte. Mas quando ele olhou para a cruz, ele suplicou aos oficiais romanos para não ser crucificado do modo usual, mas que preferiria sofrer de cabeça para baixo, afirmando que ele não era digno de sofrer na mesma posição de seu bendito Senhor e Mestre. Tendo seu pedido concedido, ele foi crucificado de cabeça para baixo. Seja isto um fato ou uma mera lenda, está em conformidade com o temperamento fervente e a profunda humildade do grande apóstolo.1

O Apóstolo André

Seguindo a vida dos apóstolos, vamos tomar nota sobre o apóstolo André.

Os historiadores sagrados têm sido muito completos e abundantes ao descrever os Atos de Pedro, mas bastante frugais nos relatos sobre seu irmão André. Ele foi criado com Pedro no ramo de seu pai, e continuou em sua ocupação até ser chamado pelo Senhor para ser tornar um “pescador de homens”.

André, como outros jovens da Galileia, tinha se tornado um discípulo de João Batista. No entanto, ao ouvir seu mestre falar, pela segunda vez, de Jesus como o Cordeiro de Deus, deixou João para seguir a Jesus. Ele foi, imediatamente após isso, o meio pelo qual seu irmão Pedro foi trazido a seu novo Mestre. Até o momento, ele tinha a honra de ser o primeiro dos apóstolos a apontar para Cristo (João 1). Ele aparece ainda nos capítulos seis e doze de João, e no décimo terceiro de Marcos, mas, além desses poucos e espalhados relatos, as Escrituras não relatam mais nada a respeito dele. Seu nome não aparece nos Atos dos Apóstolos, com exceção do primeiro capítulo.

Conjecturas e a tradição têm dito muitas coisas sobre ele, mas devemos considerar apenas fatos razoavelmente estabelecidos. Dizem que ele pregou em Cítia, e que viajou pela Trácia, Macedônia, Tessália, e que sofreu o martírio em Petra, na Acaia. Sua cruz, dizem, era formada de dois pedaços de madeira se cruzando no meio, na forma de X, geralmente conhecida pelo nome de cruz de Santo André. Ele morreu orando e exortando as pessoas à constância e perseverância na fé. O ano em que ele sofreu isso é incerto.

Dos dois irmãos Pedro e André, procedemos aos dois irmãos Tiago e João. Os quatro também eram parceiros de negócios. Mas vamos falar primeiro de Tiago.

O Apóstolo Tiago

Zebedeu e seus dois filhos, Tiago e João, estavam seguindo sua ocupação habitual no mar da Galileia quando Jesus passava por ali. Vendo os dois irmãos, “logo os chamou. E eles, deixando o seu pai Zebedeu no barco com os jornaleiros, foram após ele.” (Marcos 1:20). Pedro e André também estavam lá. Foi nessa ocasião que o Senhor pediu a Pedro para se lançar às águas profundas e tentar, mais uma vez, pegar peixes. Pedro se inclina à razão: eles tinham sido muito mal sucedidos na noite anterior. Mesmo assim, pela palavra do Senhor, a rede foi lançada. “E, fazendo assim, colheram uma grande quantidade de peixes, e rompia-se-lhes a rede.” (Lucas 5:6) Espantado, Pedro acenou a seus parceiros para que fossem e o ajudassem a trazer os peixes à terra.

Uma plena convicção de que Jesus era o verdadeiro Messias foi, então, levada às mentes daqueles quatro jovens. Eles podem ter tido dúvidas antes, mas não têm nenhuma agora. Ao chamado de Jesus eles deixam tudo e se tornam, de uma vez para sempre, Seus discípulos. Daí em diante se tornariam “pescadores de homens”. Em toda lista que temos dos apóstolos estes quatro nobres homens são citados primeiro (Mateus 4:17-20; Marcos 1:16-20; Lucas 5:1-11)

Esse é o chamado de Tiago ao discipulado. Mais ou menos um ano depois ele é chamado ao apostolado com seus onze irmãos (Mateus 10, Marcos 3, Lucas 6, Atos 1)

Pedro, Tiago, João e ocasionalmente André sempre foram os companheiros mais íntimos do bendito Senhor. Somente os três primeiros foram convidados a testemunhar da ressurreição da filha de Jairo (Marcos 5; Lucas 8). Os mesmos três apóstolos foram, somente eles, permitidos a estarem presentes na cena da transfiguração (Mateus 17, Marcos 9, Lucas 9). Foram os mesmos três que testemunharam Sua agonia no Getsêmani (Mateus 26, Marcos 14, Lucas 22). Mas os quatro, Pedro, Tiago, João e André, estão juntos quando perguntam ao Senhor em particular sobre a destruição do templo (Marcos 13).

Assim como a mudança - ou acréscimo - ao nome de Pedro, os filhos de Zebedeu são apelidados de Boanerges, ou “filhos do trovão”. Grande ousadia e fidelidade pode ter apontado Tiago para Herodes como o primeiro a ser detido e silenciado. Não é estranho que “o filho do trovão” e o “homem-pedra” sejam os primeiros a serem apreendidos. Mas Tiago tem a honra de ser o primeiro dos apóstolos que receberam a coroa do martírio em 44 d.C., tendo Pedro sido resgatado por um milagre.

A inveja de uma mãe e a ambição de seus filhos levam Salomé a pedir por lugares distintos no reino para seus dois filhos. O Senhor permitiu que o pedido passasse por uma repreensão muito leve, mas disse aos irmãos que eles deveriam tomar de Seu cálice e serem batizados com Seu batismo. Tiago foi chamado bem cedo para cumprir esta predição. Após a ascensão, ele é visto em companhia dos outros apóstolos em Atos 1. Então ele desaparece da narrativa sagrada até sua apreensão e morte em Atos 12. E lá é simplesmente dito, na breve linguagem do historiador inspirado, que o rei Herodes matou Tiago, irmão de João, com a espada.

Clemente de Alexandria relata uma tradição sobre o martírio de Tiago que não é algo improvável de ter realmente ocorrido. Enquanto era levado para o lugar de execução, o soldado ou oficial que o tinha guardado para o tribunal, ou melhor, seu acusador, estava tão comovido pela coragem e ousada confissão de Tiago no momento de seu julgamento que se arrependeu do que tinha feito. Então ele foi e prostrou-se ao pé do apóstolo, pedindo perdão pelo que tinha dito contra ele. Tiago, um pouco surpreso, o levantou, o abraçou e o beijou, e disse: “Paz, meu filho, paz seja contigo, e o perdão de tuas falhas.” Antes disso, ele publicamente tinha professado ser um cristão, e assim ambos foram decapitados ao mesmo tempo. Assim caiu Tiago, o proto-mártir apostólico, alegremente tomando o cálice que ele tinha a muito tempo dito ao seu Senhor que estaria pronto para beber. 2

O Apóstolo João

João era filho de Zebedeu e Salomé, e irmão mais novo de Tiago. Embora seu pai fosse um pescador, eles aparentemente estavam em boas circunstâncias de acordo com a narrativa do Evangelho. Alguns dos antigos falam da família como sendo rica, e até mesmo de conexão nobre. Porém, tais tradições não são reconciliáveis com os fatos relatados nas Escrituras. Lemos, no entanto, de seus “jornaleiros”, e eles podem ter tido mais do que apenas um barco. Quanto a Salomé, sem dúvidas, foi uma daquelas mulheres honradas que serviam ao Senhor com o que tinham. E João tinha sua própria casa (Lucas 8:3; João 19:27). A partir desses fatos, podemos inferir, com segurança, que a situação deles era consideravelmente acima da pobreza. Como muitos têm sido extremos ao falar dos apóstolos como pobres e analfabetos, é interessante observar algumas poucas dicas nas escrituras sobres esses assuntos.

Do caráter de Zebedeu nada sabemos. Ele não fez objeções a seus filhos quando o deixaram ao chamado do Messias. Mas não ouvimos mais sobre ele depois disso. Frequentemente encontramos a mãe em companhia dos seus filhos, mas não há menções ao pai. É provável que ele tenha morrido pouco depois do chamado de seus filhos.

O evangelista Marcos, ao enumerar os doze apóstolos (Marcos 3:17), quando menciona Tiago e João, diz que nosso Senhor “pôs o nome de Boanerges, que significa: Filhos do trovão.” O que nosso Senhor particularmente pretendeu, com esse título, não é facilmente determinado. Conjecturas têm havido muitas. Alguns supõem que seria porque esses dois irmãos eram da mais furiosa e resoluta disposição, e de um temperamento mais feroz e ardente do que o resto dos apóstolos. Mas não vemos motivo para tal suposição na história narrada nos Evangelhos. Sem dúvida, em uma ou duas ocasiões o zelo deles era intemperado, mas isso foi antes de entenderem o espírito de seu chamado. É mais provável que nosso Senhor os tenha apelidado em profecia ao zelo ardente deles ao proclamar aberta e corajosamente as grandes verdades do evangelho, após tê-lo conhecido plenamente. Estamos certos de que João, em companhia de Pedro nos primeiros capítulos de Atos demonstrou uma coragem que não temia ameaças, e não era intimidado por nenhuma oposição.

Supõe-se que João era o mais novo de todos os apóstolos e, a julgar por seus escritos, parece ter sido possuído por uma disposição singularmente carinhosa, suave e amável. Ele foi caracterizado como “o discípulo a quem Jesus amava”. Em várias ocasiões, ele foi admitido a uma livre e íntima relação com o Senhor (João 13).

“O que distinguia João”, diz Neander, “era a união das mais opostas qualidades, como temos muitas vezes observado em grandes instrumentos do avanço do reino de Deus - a união de uma disposição inclinada à silente e profunda meditação, com um ardente zelo, embora não impulsionado a uma grande e diversificada atividade no mundo exterior; não um zelo apaixonado, como supomos que tenha enchido os peitos de Paulo antes de sua conversão. Mas havia também um amor, não suave e flexível, mas um que se agarrava com tudo o que podia, e firmemente retia o objetivo para o qual se dirigia - vigorosamente repelindo qualquer coisa que desonrasse esse objetivo, ou tentasse arrancá-lo de sua posse; tal era sua principal característica.”

E a história de João está tão intimamente conectada com as histórias de Pedro e Tiago, as quais já abordamos, que podemos agora ser bastante breves. Esses três nomes raramente são vistos separados na história dos Evangelhos. Mas há uma cena em que João aparece sozinho e que é digna de nota. Ele era o único apóstolo que seguiu Jesus ao lugar de Sua crucificação. E lá ele foi especialmente honrado com o respeito e confiança de seu Mestre. “Ora Jesus, vendo ali sua mãe, e que o discípulo a quem ele amava estava presente, disse a sua mãe: Mulher, eis aí o teu filho. Depois disse ao discípulo: Eis aí tua mãe. E desde aquela hora o discípulo a recebeu em sua casa.” (João 19:26-27)

Após a ascensão de Cristo e a descida do Espírito Santo no dia de Pentecostes, João se tornou um dos principais apóstolos da circuncisão. Mas seu ministério continua até o final do primeiro século. Com sua morte, a era apostólica naturalmente se encerra.

Há uma tradição muito difundida e geralmente aceita de que João permaneceu na Judeia até depois da morte da virgem Maria. A data do evento é incerta. Mas logo depois ele prosseguiu para a Ásia Menor. Lá ele plantou e cuidou de várias igrejas em diferentes cidades, mas fez de Éfeso seu centro. De lá ele foi banido para a Ilha de Patmos, perto do final do reinado de Domiciano. Ali ele escreveu o livro de Apocalipse (ou Revelação) (Apocalipse 1:9). Em sua libertação do exílio, pela ascensão de Nerva ao trono imperial, João retornou a Éfeso, onde escreveu seu Evangelho e suas Epístolas. Ele morreu por volta do ano 100 d.C., no terceiro ano do imperador Trajano, e com mais ou menos cem anos de idade.3

Das muitas tradições sobre o próprio João, selecionamos apenas uma, que pensamos ser a mais interessante e a mais provável de que seja verdade. Como um que foi incansável em seu amor e cuidado para com as almas dos homens, ele estava profundamente entristecido pela apostasia de um rapaz pelo qual ele tinha especial interesse. Ao revisitar o lugar onde ele o tinha deixado, ouviu que ele tinha se unido a um bando de ladrões e se tornado o capitão deles. Seu amor por ele era tão grande que se determinou a encontrá-lo. Assim, foi ao encalço dos ladrões e deixou-se capturar, implorando que o levassem à presença do capitão deles. Quando ele viu a venerável aparência do velho apóstolo, sua consciência foi despertada. A lembrança dos dias passados foi maior do que ele podia suportar, de modo que fugiu, em consternação, de sua presença. Mas João, cheio de amor paternal, foi atrás dele. Ele pediu que o rapaz se arrependesse e retornasse à igreja, e o encorajou pela certeza do perdão de seus pecados no nome do Senhor Jesus. Sua maravilhosa afeição para com o rapaz e sua profunda preocupação pela sua alma o venceram por completo. Ele se arrependeu, retornou, foi restaurado e, posteriormente, se tornou um digno membro da comunidade cristã. Que possamos buscar a fazer o mesmo na restauração de desviados!

Chegamos agora ao que podemos chamar de segundo grupo de quatro apóstolos; e, assim como Pedro encabeçava o primeiro grupo, o segundo é liderado pelo apóstolo Filipe.

O Apóstolo Filipe

Nos três primeiros Evangelhos ele é apresentado nessa ordem. Ele é mencionado como sendo de Betsaida, a cidade de André e Pedro (João 1:44). É mais que provável que ele estivesse entre os galileus daquele distrito que se reuniram para ouvir a pregação de João Batista. Embora nenhuma parte da Palestina tenha sido tão mal falada como a Galileia, foi destes desprezados, mas simples, sinceros e devotos galileus que nosso Senhor escolheu Seus apóstolos. “Examina”, disseram os fariseus, “e verás que da Galileia nenhum profeta surgiu” (João 7:52). Mas afirmações muito generalizadas, em geral, costumam ser falsas. “Pode vir alguma coisa boa de Nazaré?” é uma amostra desse caráter.

Nada é dito na história do Evangelho sobre os pais de Filipe ou sua ocupação. O mais provável é que ele tenha sido um pescador, o comércio geral daquele lugar. A partir da similaridade da linguagem utilizada por Filipe e André, e por serem repetidamente mencionados juntos, podemos concluir que nosso apóstolo, assim como os filhos de Jonas e Zebedeu, eram amigos íntimos, e que eles todos estavam procurando e esperando pelo Messias. Mas, de todo o círculo dos discípulos de nosso Senhor, Filipe tem a honra de ser o primeiro a ser chamado. Os três primeiros tinham vindo a Cristo e conversado com Ele antes de Filipe, mas depois disso eles voltaram às suas ocupações e não foram chamados para seguir o Senhor até cerca de um ano mais tarde. Mas Filipe foi chamado de uma vez por todas. “No dia seguinte quis Jesus ir à Galileia, e achou a Filipe, e disse-lhe: Segue-me.” (João 1:43). Estas palavras, tão cheias de significado e rica bênção para a alma, “Segue-me”, (cremos) que tenham sido as primeiras ditas a Filipe. Quando os doze foram especialmente separados de seus ofícios, Filipe foi contado entre eles.

Imediatamente após seu chamado, ele encontra Natanael e o leva a Jesus. É evidente, pela feliz surpresa que respira em sua informação, que eles já tinham conversado sobre essas coisas antes. Seu coração estava agora seguro de sua verdade, daí a alegria expressa nestas palavras: “Havemos achado aquele de quem Moisés escreveu na lei, e os profetas: Jesus de Nazaré, filho de José.” (João 1:45). Há uma evidente sinceridade de coração em Filipe, embora pouco seja dito sobre ele nos Evangelhos. Nossa última menção a ele, assim como a primeira, é profundamente interessante. Tendo ouvido o Senhor se referir repetidamente ao Seu Pai em João 12, 13 e 14, Filipe manifestou um forte desejo de conhecer mais sobre o Pai. As comoventes palavras de nosso Senhor sobre Seu Pai parecem ter causado uma profunda impressão e admiração em seu coração. “Pai, salva-me desta hora” (João 12:27); “Pai, glorifica o teu nome” (João 12:28); “Na casa de meu Pai há muitas moradas” (João 14:2); sem dúvida, tais palavras penetraram profundamente nos corações de todos os discípulos. Mas há uma bela simplicidade sobre Filipe, embora carente de inteligência. “Disse-lhe Filipe: Senhor, mostra-nos o Pai, o que nos basta.” (João 14:8). Há uma evidente repreensão, se não uma reprovação, na resposta do Senhor a Filipe: “Disse-lhe Jesus: Estou há tanto tempo convosco, e não me tendes conhecido, Filipe? Quem me vê a mim vê o Pai; e como dizes tu: Mostra-nos o Pai? Não crês tu que eu estou no Pai, e que o Pai está em mim? As palavras que eu vos digo não as digo de mim mesmo, mas o Pai, que está em mim, é quem faz as obras.” (João 14:9-10). Ele era a revelação do Pai em Sua própria Pessoa, e Filipe deveria sabê-lo. Ele já estava a muito tempo com Seus discípulos, e eles deveriam ter visto que Ele estava no Pai, e o Pai nEle, e que Ele iria para o Pai. Eles tinham tanto as “palavras” quanto as “obras” do Filho para convencê-los de que o Pai habitava nEle. Eles tinham ouvido Suas palavras, eles tinham visto Suas obras, eles tinham testemunhado Seu caráter, e essas coisas foram ajustadas e destinadas para trazer o Pai diante deles. Sua própria Pessoa era a resposta para qualquer pergunta. “Eu sou o caminho, a verdade e a vida.” Ele é o caminho - o único caminho ao Pai. Ele era a verdade: a verdade quanto a tudo e todos, como são, é apenas conhecida por Ele. Ele é a vida - “aquela vida eterna, que estava com o Pai, e nos foi manifestada”. Mas é apenas pelo ensino e poder do Espírito que Ele, que é “o caminho, a verdade e a vida”, é conhecido e desfrutado. E deve haver sujeição de coração a Cristo se desejamos conhecer o ensino do Espírito.

Após tal profundamente interessante e instrutiva conversa com o Senhor, tudo é incerto quanto ao resto da história de Filipe - seu nome desaparece da narrativa dos Evangelhos. Ele estava ainda entre os apóstolos em Atos 1:13. A tradição tem confundido, tão frequentemente, o Filipe evangelista com o Filipe apóstolo, que tudo é incerto. Sem dúvidas seus dias restantes foram gastos no serviço devoto ao seu Senhor e Salvador, mas em que lugar é difícil determinar. Alguns pensam que a Ásia foi o cenário de seus primeiros labores, e que no final de sua vida ele esteve em Hierápolis, na Frígia, onde sofreu um cruel martírio.

O Apóstolo Bartolomeu

Em geral, acredita-se, tanto pelos antigos quanto pelos modernos, que a história de Bartolomeu está oculta sob outro nome. Que ele foi um dos doze apóstolos está perfeitamente claro na narrativa dos Evangelhos, embora nada mais seja dito sobre ele além da mera noção de seu nome. Nos três primeiros Evangelhos, Filipe e Bartolomeu são mencionados juntos; no Evangelho de João, vemos Filipe e Natanael. Tal circunstância tem dado origem a uma suposição muito comum: que na verdade sejam diferentes nomes para a mesma pessoa. Isso era muito comum entre os judeus. Por exemplo, Simão Pedro é chamado de “Bar-jonas”, que simplesmente significa: o filho de Jonas. “Bar-timeu”, também, significa “filho de Timeu”; e “Bar-tolomeu” parece ser um nome do mesmo tipo. Esses são apenas nomes relativos, e não próprios. Dada a generalidade desse costume entre os judeus, muitas vezes é extremamente difícil identificar as pessoas na história dos Evangelhos.

Assumindo, então, que Natanael de João é o Bartolomeu dos Evangelhos sínóticos, prosseguimos com o que sabemos de sua história. Como o resto dos apóstolos, ele era um galileu; ele era “de Caná da Galileia”. Vimos anteriormente que ele foi primeiramente conduzido a Cristo por meio de Filipe. Ao se aproximar, ele foi saudado pelo Senhor com a mais honrada distinção: “Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo.” (João 1:47). Ele era, sem dúvidas, um homem de verdadeira simplicidade e integridade de caráter, e um que “esperava pela redenção em Israel”. Surpreso com tão graciosa saudação de nosso Senhor, e se perguntando como Ele poderia conhecê-lo à primeira vista, “disse-lhe Natanael: De onde me conheces tu? Jesus respondeu, e disse-lhe: Antes que Filipe te chamasse, te vi eu, estando tu debaixo da figueira.” (João 1:48). Solene e bendito pensamento! Ele estava diante dAquele - um homem - neste mundo que conhecia os segredos de seu coração e de seus caminhos. Natanael estava agora plenamente convencido da absoluta divindade do Messias, e O reconhece em Sua maior glória como “o Filho de Deus”, assim como “o rei de Israel”.

O caráter de Natanael e seu chamado são considerados por muitos como uma figura do remanescente de Israel sem dolo nos últimos dias. A alusão à figueira - um conhecido símbolo de Israel - confirma tal visão dessa passagem; e assim declara seu belo testemunho: “Rabi, tu és o Filho de Deus; tu és o Rei de Israel.” (João 1:49). O remanescente disperso, visto e conhecido pelo Senhor, irá então confessar sua fé nEle, como os profetas mostraram tão plenamente. E todos aqueles que então reconhecerem o Messias verão Sua glória universal como o Filho do homem, de acordo com o Salmos 8. Aquele dia vindouro de ampla glória é antecipada por nosso Senhor em Suas conclusivas observações a Natanael: “Na verdade, na verdade vos digo que daqui em diante vereis o céu aberto, e os anjos de Deus subindo e descendo sobre o Filho do homem.” (João 1:51). Então os céus e a terra serão unidos, como podemos lembrar da escada de Jacó. Mas devemos agora retornar à história de nosso apóstolo.

A mais distinta e conclusiva passagem quanto ao seu apostolado se encontra em João 21. Ali o encontramos em companhia dos outros apóstolos, a quem nosso Senhor apareceu no Mar da Galileia após Sua ressurreição. “Estavam juntos Simão Pedro, e Tomé, chamado Dídimo, e Natanael, que era de Caná da Galiléia, os filhos de Zebedeu, e outros dois dos seus discípulos” que provavelmente eram André e Filipe.

Há uma tradição geralmente aceita de que Bartolomeu viajou até a Índia pregando o evangelho - provavelmente àquela parte da Índia mais próxima da Ásia. Após ter viajado a diferentes lugares, buscando disseminar o cristianismo, ele finalmente chegou a Albanópolis na Armênia Maior, um lugar infestado pela idolatria. Lá ele foi preso pelo governador do lugar, e condenado à crucificação. A data não é conhecida com exatidão.

O Apóstolo Mateus

Mateus - também chamado Levi, o filho de Alfeu; mas não o mesmo Alfeu, acreditamos, que o Alfeu pai de Tiago (Mateus 10:3; Marcos 2:14; Lucas 5:27-29). Embora fosse um oficial romano, ele era “um hebreu de hebreus”, e provavelmente um galileu; mas de qual cidade ou tribo não somos informados. Antes do seu chamado para seguir o Messias, ele era um publicano, ou coletor de impostos, sob o comando romano. Ele parece ter sido alocado em Cafarnaum, uma cidade marítima no Mar da Galileia. Ali ele era o que podemos chamar de um oficial de alfândega. Era nesta qualidade que Jesus o encontrou. Quando Ele passou, Ele o viu “sentado na alfândega, e disse-lhe: Segue-me. E, levantando-se, o seguiu.” (Marcos 2:14) Mas antes de prosseguirmos com a história de Mateus, vamos considerar algumas palavras sobre o caráter de sua ocupação, uma vez que é tão frequentemente mencionada no Novo Testamento, e por ser um termo realmente genérico.

Os publicanos propriamente ditos eram pessoas que coletavam os impostos ou rendimentos públicos para Roma. Eles eram, geralmente, pessoas de riqueza e crédito. Era considerada, ente os romanos, uma posição de honra, e geralmente conferida a cavaleiros romanos. Sabino (segundo a história, o pai do Imperador Vespasiano), era o publicano das províncias asiáticas. Eles tinham sob eles oficiais inferiores, e estes, geralmente, eram nativos das províncias das quais os impostos eram coletados; sem dúvida, Mateus pertencia a esta classe de oficial.

Estes suboficiais eram, por toda a parte, notórios por suas cobranças fraudulentas. Mas para os judeus, eles eram especialmente odiosos. Os judeus olhavam para si mesmos como um povo nascido livre que tinha privilégios concedidos diretamente do Próprio Deus. “Somos descendência de Abraão,” diziam eles, “e nunca servimos a ninguém” (João 8:33). Consequentemente, os coletores de impostos romanos eram a prova visível da escravidão deles, e do estado de degradação de sua nação. Esse era o grilhão que os afligia e os incitava a muitos Atos de rebelião contra os romanos. Por isso que os publicanos eram abominados pelos judeus. Eles os viam como traidores e apóstatas, e como ferramentas do opressor. Além disso, os publicanos eram, na maioria, injustos em suas cobranças; e tendo a lei do seu lado, eles podiam forçar os pagamentos. Estava sob o poder deles examinar cada caso de bens exportados ou importados, e de avaliar o alegado valor da maneira mais vexatória. Podemos saber, baseado no que João disse a eles, que eles cobravam injustamente sempre que tinham a oportunidade. “E ele lhes disse: Não peçais mais do que o que vos está ordenado.” (Lucas 3:13). Veja também o caso de Zaqueu (Lucas 19:9)

Certamente essas coisas eram mais do que suficientes para trazer toda essa classe de oficiais à maior repulsa, em todo lugar. Mas vamos nos limitar ao que aprendemos deles no Novo Testamento. O espírito da verdade nunca exagera. Ali os encontramos associados a pecadores (Mateus 9:11; 11:19), a prostitutas (Mateus 21:31, 32), e a pagãos (Mateus 18:17). Como classe, eles eram considerados como estando fora, não somente dos privilégios do santuário, mas também dos privilégios da sociedade civil. E ainda assim, apesar de todas essas desvantagens, eles são contados entre alguns dos primeiros discípulos tanto de João quanto de nosso Senhor. Eles tinham menos hipocrisia do que aqueles que eram melhor estimados; eles não tinham uma moralidade convencional, e não tinham uma falsa religião para desaprender. Estas coisas podem ser bastante discutidas a partir da parábola do Fariseu e do Publicano (Lucas 18). A bondade convencional é um grande obstáculo à salvação da alma. É difícil, para tais, tomar o lugar de um pecador perdido e arruinado, para que a graça possa ter livre curso para fazer sua bendita, salvífica e graciosa obra. Aquele que seria justificado diante de Deus deveria tomar o lugar de um publicano e fazer a mesma oração do publicano: “Ó Deus, tem misericórdia de mim, um pecador!” (Lucas 18:13). Retornemos agora à história de nosso apóstolo.

Com grande prontidão Mateus obedeceu ao chamado de Jesus. Sua situação lucrativa logo foi deixada para trás, e sua conversão, tão completa e manifesta, foi acompanhada de muita bênção para outros. Havia um grande despertar e interesse entre sua própria classe. “E fez-lhe Levi um grande banquete em sua casa; e havia ali uma multidão de publicanos e outros que estavam com eles à mesa.” (Lucas 5:29) Um banquete é o símbolo de alegria e regozijo - o efeito imediato de um coração rendido a Cristo. É digno de nota que em seu próprio Evangelho ele torna seu nome bem conhecido, mas nenhum dos outros evangelistas falam do “Mateus, o publicano”. Junto com os outros ele foi escolhido como um dos doze. Daquele tempo em diante ele continuou com o Senhor como o restante dos apóstolos. Que bendito privilégio! - “um acompanhante familiar de Sua pessoa, um espectador de Sua vida pública e privada, um ouvinte de Suas palavras e discursos, um observador de Seus milagres, uma testemunha de Sua ressurreição e ascensão à glória.” Isto ele não testifica, embora tenha visto. Mateus estava com os outros apóstolos no dia de Pentecostes e recebeu o dom do Espírito Santo. Quanto tempo ele continuou na Judeia após aquele evento, disto não somos informados. Supõe-se que seu Evangelho seja o primeiro que foi escrito, e contém uma referência especial a Israel.

À Etiópia é geralmente atribuída a cena de seus trabalhos apostólicos. Ali, dizem alguns, pela pregação e milagres, ele triunfou poderosamente sobre o erro e a idolatria, foi o meio de conversão de muitos, nomeou guias e pastores espirituais para os confirmar e edificar, e para levar outros à fé; e ali terminou seu curso. Mas as fontes de informação sobre esses pontos não podem ser confiadas com muita certeza.

O Apóstolo Tomé

O apóstolo Tomé foi convocado por nosso Senhor para o apostolado, sendo mencionado em várias listas apostólicas. Não somos informados de seu local de nascimento ou sobre seus pais nas Escrituras, mas a tradição diz que ele nasceu na Antioquia. Tudo o que sabemos dele com certeza é relatado por João. Mas embora nosso conhecimento sobre Tomé seja limitado, não há um caráter entre os apóstolos mais distintamente marcante do que o dele. De fato, seu nome se tornou, tanto na igreja quanto no mundo, um sinônimo de dúvida e incredulidade. Um famoso artista, tendo sido designado a produzir um retrato do apóstolo Tomé, o desenhou com uma régua na mão, no sentido de que ele media as evidências e argumentos. Sua mente era pensativa, meditativa, demorada para acreditar. Ele olhava para todas as dificuldades de uma questão e se inclinava a tomar o lado negro das coisas. Mas vamos olhar, por um momento, para o retrato que a pena da inspiração divina desenhou pelas seguintes três passagens:

1. Em João 11, seu verdadeiro caráter aparece distintamente. Ele evidentemente via a viagem proposta por nosso Senhor até a Judeia com os mais sombrios pressentimentos. “Disse, pois, Tomé, chamado Dídimo, aos condiscípulos: Vamos nós também, para morrermos com ele.” (João 11:16) Em vez de acreditar que Lázaro seria ressuscitado dos mortos, ele temeu que tanto o Senhor quanto Seus discípulos encontrariam suas próprias mortes na Judeia. Ele não conseguia ver nada em tal viagem além de um completo disastre. Isso também é característico. Ele tinha profunda afeição pelo Senhor, e tal era sua devoção que, embora a viagem pudesse custar a vida de todos eles, ele desejava ir.

2. A segunda vez em que ele é referenciado é após a Última Ceia (João 14). Nosso Senhor falava de sua partida, do lar que Ele iria preparar para eles no Céu, e que Ele viria de novo e os receberia para Ele mesmo, de modo que onde Ele estivesse eles estivessem também. “Mesmo vós sabeis para onde vou”, acrescentou Ele, “e conheceis o caminho” (João 14:4). Mas para a mente do nosso apóstolo essas belas promessas apenas despertaram pensamentos sombrios sobre o invisível, o desconhecido e o futuro. “Disse-lhe Tomé: Senhor, nós não sabemos para onde vais; e como podemos saber o caminho?” (João 14:5). Evidentemente, ele estava ansioso para ir, e sincero em seus questionamentos, mas ele desejava ter certeza do caminho antes de dar o primeiro passo. “Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” (João 14:6). Contanto que o olho esteja fixo em Cristo, é impossível darmos um passo em falso. É apenas o olho que recebe a luz dos céus que lança seu brilho sobre todo o caminho.

3. A terceira vez foi após a ressurreição (João 20). Ele estava ausente quando o Senhor ressurreto apareceu pela primeira vez aos discípulos. Quando contaram a ele que eles tinham visto o Senhor, ele obstinadamente se recusou a acreditar no que eles diziam. Pelo que ele diz, podemos razoavelmente concluir que ele tinha visto o Senhor na cruz, e que tal esmagadora visão havia produzido uma profunda impressão em sua mente. “Se eu não vir o sinal dos cravos em suas mãos, e não puser o meu dedo no lugar dos cravos, e não puser a minha mão no seu lado, de maneira nenhuma o crerei.” (João 20:25). No seguinte dia do Senhor (domingo), quando os discípulos estavam reunidos, Jesus apareceu no meio deles - Seu lugar apropriado como o centro da reunião. Novamente os saudou com as mesmas palavras de paz: “Paz seja convosco” (João 20:26). Mas logo Ele se dirige a Tomé. “Depois disse a Tomé: Põe aqui o teu dedo, e vê as minhas mãos; e chega a tua mão, e põe-na no meu lado; e não sejas incrédulo, mas crente.” (João 20:27). O efeito em Tomé foi imediato: todas as suas dúvidas foram removidas, e em verdadeira fé exclamou: “Senhor meu, e Deus meu!” (João 20:28) “Disse-lhe Jesus: Porque me viste, Tomé, creste; bem-aventurados os que não viram e creram.” (João 20:29)

Alguns têm pensado que a fé de Tomé, neste caso, se eleva muito acima da fé dos outros discípulos, e que nunca um testemunho tão elevado saiu dos lábios de um apóstolo. Esta opinião, embora seja comum, não pode ser fundada dado o contexto geral. Cristo, em resposta a Tomé, pronuncia que são mais abençoados aqueles que, não tendo visto, ainda assim creram. A fé de Tomé, naquele momento, mal podia ser chamada de fé cristã, como nosso Senhor evidentemente sugere. A fé cristã é crer naquEle que não temos visto - andando pela fé, e não pela vista.

Tomé, sem dúvidas, representa a mente devagar e incrédula dos judeus nos últimos dias, que acreditarão apenas quando verem (Zacarias 12). Ele não estava presente na primeira reunião dos santos após a ressurreição. O motivo nós não sabemos. Mas quem pode estimar a bênção que pode ser perdida pela ausência nas sancionadas reuniões dos santos? Ele perdeu as benditas revelações de Cristo quanto ao relacionamento com o Pai: “Meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus.” (João 20:17). Sua fé não está conectada com sua posição de filho. “Ele não tinha ainda apreendido a eficácia da obra do Senhor”, disse alguém, “e do relacionamento com Seu Pai ao qual Jesus conduziu a Sua igreja. Talvez Tomé tivesse paz, mas ele perdeu de vista toda a revelação da posição da igreja. Quantas almas - até mesmo almas salvas - se encontram nessas duas condições!”

Os futuros trabalhos apostólicos de Tomé, e o fim de sua vida, são tão cheios de tradições e lendas que não podemos saber nada com certeza. Alguns dizem que ele esteve na Índia e alguns que ele esteve na Pérsia. Seu martírio, dizem, foi ocasionado por uma lança, e até hoje se comemora isto, em 21 de dezembro pela igreja latina, em 6 de outubro pela igreja grega, e em 1º de julho pelos indianos.

O Apóstolo Tiago, Filho de Alfeu

A identificação dos Tiagos, das Marias, e dos irmãos do Senhor, tem sido por muito tempo um ponto de discussão pelos críticos, e aqui não haveria lugar para ficar remoendo suas teorias e argumentos. Mas, depois de olhar para diferentes lados da questão, ainda acreditamos que o nosso apóstolo é o mesmo Tiago que foi um homem importante para a igreja de Jerusalém - o mesmo que escreveu “A Epístola Universal de Tiago” - e que também é chamado de irmão do Senhor e apelidado de “o Justo” e “o Menor”, provavelmente por causa de sua baixa estatura. A identificação de pessoas em tais histórias costuma ser extremamente difícil, graças ao hábito, tão comum entre os judeus, de se referir às pessoas pelas suas relações - como a relação de irmão e irmã - e pelo fato de que quase todos eles possuíam dois ou mais nomes.

Nas quatro listas dos apóstolos, Tiago sempre se mantém no mesmo lugar. Ele lidera a terceira classe. Pedro parece liderar o primeiro grupo, Filipe o segundo, e Tiago o terceiro. Muito pouco se sabe sobre Tiago até o período posterior à ressurreição. Pelo que Paulo relata em 1 Coríntios 15:7, é evidente que Tiago tinha sido honrado com uma conversa pessoal com o Senhor antes de Sua ascensão. Isto foi antes do dia de Pentecostes, e pode ter ocorrido para incentivo, orientação e fortalecimento especial do apóstolo. Vamos agora observar as principais passagens que nos dão base para adquirirmos nosso conhecimento sobre Tiago.

No primeiro capítulo de Atos o encontramos, junto com os outros, à espera da promessa do Pai, o dom do Espírito Santo. Depois disso o perdemos de vista, até que ele é visitado por Paulo (Gálatas 1:18,19) por volta do ano 39 d.C. Ali o encontramos na mesma posição de Pedro como um apóstolo. Ele era, nesse tempo, o supervisor (ou bispo) da igreja em Jerusalém, e se encontrava no mesmo nível dos principais apóstolos. O lugar que ele ocupava na estima de Pedro é evidente a partir do fato de que, quando Pedro foi liberto da prisão, ele desejava que a informação sobre sua libertação fosse enviada a “Tiago e aos irmãos.” (Atos 12:17)

Em 50 d.C., encontramo-lo no concílio apostólico, onde parece exercer juízo na assembleia. “Por isso julgo que não se deve perturbar aqueles, dentre os gentios, que se convertem a Deus.” (Atos 15:19) Não existe nenhum relato de outros apóstolos falando desta maneira. Parece que ele tinha adquirido grande posição e autoridade apostólica. Por volta do ano 51, quando Paulo fez outra visita a Jerusalém, ele reconhece Tiago como um dos “pilares” (ou “colunas”) da igreja, e cita seu nome antes do de Cefas (Pedro) e João (Gálatas 2:9). Mais uma vez, por volta do ano 58, Paulo fez uma visita especial a Tiago, na presença de todos os anciãos. “E no dia seguinte, Paulo entrou conosco em casa de Tiago, e todos os anciãos estavam presentes.” (Atos 21:18) Vê-se facilmente, a partir destas poucas observações, que Tiago tinha a mais alta estima dos demais apóstolos, e que ocupava uma posição importante na igreja de Jerusalém. Seu apego ao judaísmo era profundo e sério, e seu avanço no cristianismo parece ter sido lento e gradual. Ele era um oposto perfeito de Paulo, e Pedro era o meio-termo entre ambos.

O martírio de Tiago aconteceu por volta do ano 62, mais ou menos trinta anos depois do Pentecostes. O testemunho da antiguidade é universal quanto à sua distinta piedade e santidade. Sua humildade, também, sempre é relatada como sendo grande: embora ele fosse irmão de sangue do Senhor, ou um parente próximo, ele se auto-intitula de servo de Jesus Cristo, e não faz nada além de se chamar pelo título de apóstolo. Por causa de sua reputação por ter uma vida santa e justa, ele foi universalmente denominado “Tiago, o Justo.” E, como se conformava aos costumes judaicos em certa medida, ele não era, definitivamente, tão ofensivo aos olhos de seus compatriotas incrédulos como o apóstolo dos gentios (Paulo). Mas, mesmo com a elevada opinião que, acredita-se, as pessoas tinham sobre seu caráter, sua vida foi prematuramente terminada com o martírio.

Temos acesso a um relato da vida, caráter e morte de Tiago graças, principalmente, a Hegésipo, um cristão de origem judaica que viveu em meados do século II. Ele geralmente é recebido como um historiador confiável. Sua narrativa sobre o martírio de Tiago é encontrada na íntegra, e em suas próprias palavras, no “Dicionário Bíblico de Smith”. Aqui só podemos apresentá-la em resumo:

Uma vez que muitos dos governantes e do povo dos judeus tornaram-se crentes em Jesus através dos trabalhos de Tiago, os escribas e fariseus estavam muito incitados contra ele. Todo o povo, diziam eles, iriam acreditar em Cristo se continuasse assim. Por isso, foram até Tiago e disseram: “Te pedimos que pare as pessoas, pois se desviaram após Jesus como se Ele fosse o Cristo. Te pedimos para convencer a todos os que vêm para a Páscoa a respeito de Jesus. Persuada o povo para que não se desviem para Jesus; para que todo o povo, e para que todos nós, dê ouvidos a ti. Estejas, portanto, sobre o pináculo do templo para que estejas visível, e para que as tuas palavras possam ser ouvidas por todo o povo; para todas as tribos e até mesmo aos gentios que estiverem reunidos para a Páscoa.” Tiago, no entanto, em vez de dizer o que lhe foi pedido, proclamou em alta voz aos ouvidos de todo o povo que Jesus era o verdadeiro Messias, que ele acreditava firmemente nEle, que Jesus estava agora no Céu à mão direita de Deus, e que ele viria outra vez em poder e grande glória. Muitos foram convencidos por meio da pregação de Tiago e deram glória a Deus, clamando: “Hosana ao Filho de Davi”.

Quando os escribas e fariseus ouviram isto, disseram entre si: “Nós erramos ao dar crédito a um tal testemunho de Jesus; subamos e joguemos-o para baixo, para que as pessoas fiquem aterrorizadas e não creiam nele.” E gritaram, dizendo: “até Tiago, o Justo, se extraviou”, e atiraram-no para baixo. Mas, como ele não morreu com a queda, começaram a apedrejá-lo. Então um deles, que era tecelão, tomou um pisão [instrumento usado para dar consistência aos tecidos] e bateu com ele na cabeça de Tiago. Assim, o apóstolo morreu e, como o proto-mártir Estevão, morreu orando por eles, de joelhos. Foi quase que imediatamente depois disso que Vespasiano começou o cerco de Jerusalém, e o exército romano transformou toda a cena em desolação, sangue e ruína.

O Apóstolo Simão, o Zelote

Simão, o Zelote, também chamado de “Simão, o cananeu”, parece não ser a mesma pessoa que Simão, irmão de Tiago. Não temos relatos aprofundados sobre ele na história narrada no Evangelho. Ele sempre é mencionado junto com os outros apóstolos nos Evangelhos e em Atos e depois disso desaparece da narrativa sagrada.

É geralmente aceito que, antes de ser chamado para ser apóstolo, ele pertencia a uma seita dos judeus chamada de “Os Zelotes.” A principal característica deles era a feroz defesa ao ritual mosaico. Eles se consideravam sucessores de Finéias que, em seu zelo pela honra de Deus, matou Zimri e Cosbi (Número 25). Fingindo seguir o zelo dos sacerdotes antigos, eles achavam que tinham o direito de sentenciar à morte um blasfemador, um adúltero, ou qualquer preso notório, sem as formalidades comuns da lei. Eles alegavam que Deus tinha feito uma aliança eterna com Finéias e com a sua descendência, “porque ele foi zeloso pelo seu Deus, e fez expiação por Israel.” Estas retumbantes reivindicações e pretensões enganaram tanto os governantes quanto o povo por um bom tempo. Além disso, sua fúria e zelo pela lei de Moisés e pela libertação do povo do jugo romano deu-lhes graça aos olhos de toda a nação. Mas, como sempre parece ser o caso em circunstâncias semelhantes, seu zelo logo se degenerou em todos os tipos de libertinagem e extravagância selvagem. Tornaram-se as pragas de todas as classes da sociedade.

Sob um pretendido zelo pela honra de Deus, eles acusavam quem quisessem de serem culpados de blasfêmia ou de algum outro pecado grave, e imediatamente os matavam e apreendiam suas propriedades. Josefo nos conta que eles falharam em não acusar alguns da “nata da sociedade” e, embora tenham conseguido tornar tudo uma confusão, não deixavam de pescar “em águas turbulentas”. Josefo os classificou como as grandes pragas da nação. Tentativas foram feitas em diferentes épocas para suprimir a sociedade, mas não parece que eles tinham sido muito reduzidos até que, junto com todo o resto da nação incrédula, foram varridos do mapa no fatal cerco dos romanos.

Simão é frequentemente denominado “Simão, o Zelote”, portanto supõe-se que tenha pertencido a essa problemática facção. Podem ter havido homens verdadeiros e sinceros entre eles, mas bons e maus passaram sob o odioso nome de “Zelote”. Nada é sabido com certeza sobre os futuros trabalhos do nosso apóstolo. Alguns dizem que, após viajar por um tempo para o Oriente, voltou para o Ocidente e chegou até a Grã-Bretanha, onde pregou, fez milagres, suportou muitas provações, e finalmente sofreu o martírio.

O Apóstolo Judas, irmão de Tiago

Este apóstolo também é chamado de Judas Tadeu, ou Lebeu. Estes diferentes nomes têm diferentes nuances quanto ao significado, mas o exame de tais sutilezas está fora do escopo deste livro. Judas era filho de Alfeu, e um dos parentes de nosso Senhor, como lemos em Mateus 13:55: “não se chama sua mãe Maria, e seus irmãos Tiago, e José, e Simão, e Judas?”

Quando, ou como, ele foi chamado para o apostolado, disto não somos informados; e não há praticamente nenhuma menção a ele no Novo Testamento, exceto nas várias vezes em que os doze apóstolos são nomeados. Seu nome só aparece uma vez na narrativa do Evangelho, quando ele faz a seguinte pergunta: “Disse-lhe Judas (não o Iscariotes): Senhor, de onde vem que te hás de manifestar a nós, e não ao mundo?” (João 14:22). É evidente, a partir desta pergunta, que ele ainda imaginava, assim como seus condiscípulos, a ideia de um reino temporal, ou a manifestação do poder de Cristo na terra de modo que o mundo pudesse percebê-lo. Mas eles não entendiam ainda a dignidade de seu próprio Messias. Eles eram estranhos à grandeza do Seu poder, à glória da Sua Pessoa, e à espiritualidade do Seu reino. Seus súditos são libertos, não apenas deste mundo perverso, mas do poder de Satanás e do domínio da morte e da sepultura: “O qual nos tirou da potestade das trevas, e nos transportou para o reino do Filho do seu amor” (Colossenses 1:13). A resposta de Cristo para a questão de Judas é o mais importante. Ele fala das bênçãos da obediência. O discípulo verdadeiramente obediente certamente conhece a doçura da comunhão com o Pai e com o Filho, na luz e no poder do Espírito Santo. Aqui não se trata da questão do amor de Deus em graça soberana para com um pecador, mas das relações do Pai com Seus filhos. Por isso, é no caminho da obediência que a manifestação do amor do Pai e do amor de Cristo são encontrados. (Veja João 14:23-26)

Mas devemos ter em mente, quando comentamos sobre as perguntas ou sobre as palavras dos apóstolos, que o Espírito Santo ainda não tinha sido dado, pois Jesus ainda não tinha sido glorificado. Os pensamentos, sentimentos e expectativas dos apóstolos, depois desse evento, foram completamente alterados. Assim, encontramos nosso apóstolo, assim como seu irmão Tiago, intitulando-se “Judas, servo de Jesus Cristo, e irmão de Tiago” (Judas 1:1). Ele não chama a si mesmo de apóstolo, nem de irmão do Senhor. Isto é humildade verdadeira, fundada em um verdadeiro senso da mudança de relacionamento com o Senhor exaltado. No dia de Pentecostes foi proclamado: “Saiba pois com certeza toda a casa de Israel que a esse Jesus, a quem vós crucificastes, Deus o fez Senhor e Cristo.” (Atos 2:36)

Nada é sabido com certeza sobre o restante da história de nosso apóstolo. Alguns dizem que ele pregou primeiramente na Judeia e na Galileia, e depois da Samaria até a Idumeia, e em cidades da Arábia. Mas, próximo ao fim de sua jornada, a Pérsia foi o local de seus labores e o cenário de seu martírio.

Com base em 1 Coríntios 9:5, podemos razoavelmente inferir que ele era um dos apóstolos que eram casados:

“Não temos nós direito de levar conosco uma esposa crente, como também os demais apóstolos, e os irmãos do Senhor, e Cefas?”

Existe uma tradição sobre dois de seus netos, que é interessante e aparentemente verdadeira. Tal tradição foi transmitida por Eusébio de Hegésipo, um judeu convertido. Domiciano, o Imperador, tendo ouvido sobre a existência de alguns da linhagem de Davi, e parentes de Cristo ainda vivos, movido pela inveja, ordenou que fossem apreendidos e levados a Roma. Dois netos de Judas foram trazidos diante dele. Eles confessaram francamente que eram da linhagem de Davi, e parentes de Cristo. Ele os questionou sobre suas possessões e propriedades. Eles lhe contaram que não tinham nada além de alguns hectares de terra, cuja produção servia para o pagamento de impostos e para sustento próprio. Suas mãos foram examinadas, sendo encontradas ásperas e cheias de calos por causa do trabalho. Ele, então, perguntou-lhes acerca do reino de Cristo, e quando e onde ele viria. Então eles responderam que se tratava de um reino celestial e espiritual, e não de um reino temporal, e que ele não seria manifesto até que chegasse o fim deste mundo. O Imperador, satisfeito pelo fato de que eles eram homens pobres e inofensivos, os dispensou e cessou sua perseguição geral contra a igreja. Quando retornaram à Palestina, foram recebidos pela igreja com muito carinho, por serem parentes do Senhor e por terem confessado nobremente Seu nome - Seu reino, poder e glória.

O Apóstolo Matias

Matias - o apóstolo eleito para ficar no lugar do traidor Judas. Ele não era um apóstolo da primeira eleição - isto é, ele não tinha sido imediatamente chamado e escolhido pelo próprio Senhor. É mais do que provável que ele era um dos setenta discípulos, e que tenha sido um acompanhante constante do Senhor Jesus durante todo o curso de seu ministério. Isto era uma qualificação necessária, conforme declarado por Pedro, para alguém que deveria ser uma testemunha da ressurreição. Até onde sabemos, o nome de Matias não aparece em nenhum outro lugar no Novo Testamento.

De acordo com algumas tradições antigas, ele pregou o evangelho e sofreu o martírio na Etiópia, e outros acreditam que isto ocorreu na Capadócia. Assim permitiu-se que os grandes fundadores da igreja passassem da Terra para o Céu sem que uma caneta confiável narrasse seus trabalhos - seus últimos dias - suas últimas palavras, ou mesmo o lugar de descanso de seus corpos. Mas todos serão narrados no Céu, e serão guardados em uma memória eterna. Quão maravilhosos são os caminhos de Deus, e quão contrários aos caminhos dos homens!

O modo pelo qual este apóstolo foi eleito foi por sorteio - um antigo costume judaico. As sortes foram colocadas em uma urna e o nome de Matias foi retirado e, desse modo, ele foi o apóstolo escolhido por Deus. “E apresentaram dois: José, chamado Barsabás, que tinha por sobrenome o Justo, e Matias. E, orando, disseram: Tu, Senhor, conhecedor dos corações de todos, mostra qual destes dois tens escolhido, para que tome parte neste ministério e apostolado, de que Judas se desviou, para ir para o seu próprio lugar. E, lançando-lhes sortes, caiu a sorte sobre Matias. E por voto comum foi contado com os onze apóstolos.” (Atos 1:23-26). O modo solene com o qual o sorteio foi realizado foi considerado como uma forma de se referir à decisão de Deus. “E Arão lançará sortes sobre os dois bodes; uma pelo Senhor, e a outra pelo bode emissário.” “A sorte se lança no regaço, mas do Senhor procede toda a determinação.” (Levítico 16:8; Provérbios 16:33). Os apóstolos, é bom lembrar, ainda não tinham recebido o dom do Espírito Santo. O sorteio nunca mais foi repetido após o dia de Pentecostes.

Veja William CAVE, Lives o f the Apostles [A vida dos apóstolos]; Edward BURTON, Lectures upon the Ecclesiastical History, [Palestras sobre história eclesiástica]; William SMITH, Smith’s Bible Dictionary.↩

Veja William CAVE, Lives of the Apostles.↩

Veja Introdução ao Novo Testamento de Horne.↩

As Duas Primeiras Viagens de Paulo

O Apóstolo Paulo

Tendo esboçado brevemente as vidas dos doze apóstolos, naturalmente chegamos ao que pode ser chamado de décimo terceiro - o apóstolo Paulo.

No capítulo três falamos sobre a “conversão” e sobre o “apostolado” de Paulo. Vamos agora nos esforçar para traçar seu maravilhoso caminho, e tomar nota de algumas características de destaque de seus trabalhos. Mas, antes de tudo, vamos reunir tudo o que sabemos sobre ele antes de sua conversão.

Antes de sua Conversão

É bastante evidente, a partir das poucas dicas que temos na narrativa sagrada sobre o começo da vida de Paulo, que ele foi formado de maneira notável, por todo o curso de sua educação, para chegar ao que se tornaria, e para o que ele iria realizar. Foi Deus, que vigiava o desenvolvimento dessa mente e desse coração maravilhoso, desde o começo (Gálatas 1:16). Até então ele era conhecido como “Saulo de Tarso” - seu nome judeu - o nome dado a ele pelos seus pais judeus. Paulo foi seu nome gentio; mas vamos chamá-lo de “Saulo” até que ele seja nomeado “Paulo” pelo historiador sagrado.

Tarso era a capital da Cilícia e, como diz Paulo, “cidade não pouco célebre” (Atos 21:39). Essa cidade era reconhecida como um local de comércio e berço de literatura. Os tutores de ambos Augusto e Tibério eram homens de Tarso. Mas ela ficará famosa em todos os tempos principalmente por ter sido a cidade natal e primeira residência do grande apóstolo.

Mas, embora tenha nascido em uma cidade gentia, ele era “um hebreu de hebreus” (Filipenses 3:5). Seu pai era da tribo de Benjamim e da seita dos fariseus, mas moravam em Tarso. De algum modo ele tinha adquirido a cidadania romana, e seu filho podia dizer ao comandante: “Mas eu o sou de nascimento.” (Atos 22:28). Em Tarso ele aprendeu o ofício de fazer tendas. Era um costume saudável entre os judeus ensinar seus filhos algum ofício, embora possa haver pouca perspectiva de seu uso dependendo de sua condição de vida.

Quando Paulo fez sua defesa perante seus compatriotas (Atos 22), ele lhes conta que, embora tenha nascido em Tarso, ele havia sido “criado aos pés de Gamaliel, instruído conforme a verdade da lei de nossos pais.” (Atos 22:3) A história fala de Gamaliel como um dos mais eminentes dos doutores da lei; e das Escrituras aprendemos que ele era moderado em suas opiniões, e possuído de muita sabedoria mundana. Mas o zelo perseguidor do pupilo logo apareceu em um forte contraste com os conselhos de seu mestre sobre tolerância.

Na época do martírio de Estêvão, Saulo é mencionado como sendo ainda um jovem, mas consentindo com a morte de Estêvão, e guardando as roupas daqueles que o apedrejaram. Sua conversão parece ter ocorrido cerca de dois anos depois da crucificação, mas a data exata é desconhecida.

A partir de Atos 9 aprendemos que ele não demorou, após sua conversão, para confessar sua fé em Cristo àqueles que estavam à sua volta. “E esteve Saulo alguns dias com os discípulos que estavam em Damasco. E logo nas sinagogas pregava a Cristo, que este é o Filho de Deus.” (Atos 9:19-20). Este novo testemunho é especialmente digno de nota. Pedro tinha proclamado Jesus como o exaltado Senhor e Cristo; Paulo O proclama em Sua mais elevada e pessoal glória, como o Filho de Deus. Mas a hora de seu ministério público ainda não tinha chegado, ele ainda tinha muito o que aprender e, dirigido pelo Espírito, ele se retira para a Arábia, permanece lá por três anos, e retorna a Damasco (Gálatas 1:17).

Fortalecido e confirmado na fé durante seu retiro, ele prega com maior ousadia, provando que Jesus é o Cristo, o Filho de Deus. Os judeus, seus inimigos implacáveis dali em diante, se incitaram contra ele. E eles vigiavam os portões dia e noite para matá-lo. Mas os discípulos o levaram de noite e o desceram pela muralha em um cesto (2 Coríntios 11:32,33). Ele então achou seu caminho até Jerusalém, e através do amigável testemunho de Barnabé, achou seu lugar entre os discípulos. Que maravilhoso e bendito triunfo da graça soberana!

A Primeira Visita de Saulo a Jerusalém (por volta de 39 d.C.)

O apóstolo está agora em Jerusalém - a cidade santa de seus pais - a metrópole da religião judaica, e o reconhecido centro do cristianismo. Mas quanto mudou sua própria posição desde que ele começou sua memorável jornada a Damasco!

Podemos aqui fazer uma breve pausa e observar, de passagem, a antiga cidade de Damasco. Tal cidade está intimamente conectada à conversão, ministério e história de nosso apóstolo. Além disso, ela é notável no decorrer de toda a Escritura.

Supõe-se que Damasco seja a cidade mais antiga do mundo. De acordo com Josefo (Ant. 1. 6, 4), ela foi fundada por Uz, o filho de Arã, e neto de Sem (Gênesis 10:23). Ela é mencionada pela primeira vez nas Escrituras em conexão a Abraão, cujo mordomo era um nativo do lugar: “o mordomo da minha casa é o damasceno Eliézer” (Gênesis 15:2). A cidade é, portanto, um elo entre a era patriarcal e os tempos modernos. Sua beleza e riqueza têm sido proverbiais por quatro mil anos. Os reis de Nínive, Babilônia, Pérsia, Grécia e Roma a conquistaram, e ela prosperou sob cada dinastia, e sobreviveu a todas elas; mas ela deve seu principal brilho e seu eterno memorial ao nome do Apóstolo Paulo.1

Retornemos agora a Jerusalém. Após passar quinze dias com Pedro e Tiago argumentando com os gregos, os irmãos “o acompanharam até Cesaréia, e o enviaram a Tarso. Assim, pois, as igrejas em toda a Judéia, e Galiléia e Samaria tinham paz, e eram edificadas; e se multiplicavam, andando no temor do Senhor e consolação do Espírito Santo.” (Atos 9:30-31). Por enquanto o adversário é silenciado. A paz reina por meio da bondade de Deus. A perseguição cumpriu os propósitos de Sua graça. Os dois grandes elementos da bênção - o temor do Senhor e a consolação do Espírito Santo - prevaleciam em todas as assembleias. Andando no temor do Senhor, e no consolo do Espírito Santo, eles são edificados, e seu número aumenta significativamente.

Enquanto Saulo estava em Tarso, sua terra natal, a boa obra do Senhor estava fazendo grande progresso na Antioquia. Dentre aqueles que foram dispersos pela perseguição que se levantou por causa de Estêvão, havia “homens chíprios e cirenenses, os quais entrando em Antioquia falaram aos gregos, anunciando o Senhor Jesus. E a mão do Senhor era com eles; e grande número creu e se converteu ao Senhor.” (Atos 11:20-21). Uma nova ordem de coisas começa aqui. Até o momento, o evangelho tinha sido pregado “senão somente aos judeus” (Atos 11:19). Quando a notícia dessa bendita obra de Deus entre os gentios chegou a Jerusalém, Barnabé foi enviado pela igreja em uma missão especial até a Antioquia. “O qual, quando chegou, e viu a graça de Deus, se alegrou, e exortou a todos a que permanecessem no Senhor, com propósito de coração; porque era homem de bem e cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor.” (Atos 11:23-24)

À medida que a obra aumentava, Barnabé - sem dúvida, sentindo a necessidade de ajuda - pensou em Saulo; e, guiado pelo Senhor, partiu à sua procura. Tendo-o encontrado, o trouxe à Antioquia; e ali eles trabalharam juntos por “todo um ano”, tanto nas assembleias dos crentes quando entre o povo. Barnabé ainda assume a liderança, pois lemos de “Barnabé e Saulo”. Mais tarde, a ordem muda e lemos “Paulo e Barnabé”.

Uma oportunidade de mostrar a afeição pelos irmãos de Jerusalém logo apareceu para os jovens convertidos na Antioquia. Um profeta, “por nome Ágabo, dava a entender pelo Espírito, que haveria uma grande fome em todo o mundo, e isso aconteceu no tempo de Cláudio César. E os discípulos determinaram mandar, cada um conforme o que pudesse, socorro aos irmãos que habitavam na Judéia. O que eles com efeito fizeram, enviando-o aos anciãos por mão de Barnabé e de Saulo.” (Atos 11:28-30)

A Segunda Visita de Saulo a Jerusalém (por volta de 44 d.C.)

Encarregado desse serviço (levar provisões para os irmãos de Jerusalém, conforme visto no final da seção anterior), Barnabé e Saulo sobem a Jerusalém. Até agora, Jerusalém é considerada o centro da obra, embora agora estivesse rapidamente se estendendo aos gentios. Mas a união é preservada, e a ligação com a metrópole é fortalecida por meio da ajuda agora enviada. Não obstante, um novo centro, uma nova comissão, um novo caráter de poder, em conexão com a história da igreja, agora nos são apresentados. Barnabé e Saulo, tendo cumprido seu ministério, retornam novamente à Antioquia, trazendo com eles João, cujo sobrenome era Marcos.

Atos 13 abre diante de nós uma ordem de coisas inteiramente nova em conexão à obra apostólica, e faremos bem em assinalar tal grande mudança. O grande fato a ser observado aqui é o lugar que o Espírito Santo toma ao chamar e enviar Barnabé e Saulo. Não se trata mais de Cristo na Terra com Sua autoridade pessoal comissionando apóstolos, mas agora trata-se do Espírito Santo fazendo isso. “Apartai-me”, disse o Espírito, “a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado… E assim estes, enviados pelo Espírito Santo, desceram a Selêucia e dali navegaram para Chipre.” (Atos 13:2,4) Isto não significa, é claro, que podia haver alguma mudança no que diz respeito à autoridade ou poder, quer do Senhor quer do Espírito, mas seu modo de agir agora mudou. O Espírito Santo na Terra, em conexão a Cristo glorificado no Céu, agora se torna a fonte e poder da obra que se abre diante de nós, e que é atribuída a Barnabé e Saulo. A partir daí chegamos à primeira viagem missionária de Saulo.

A Primeira Viagem Missionária de Saulo (por volta de 48 d.C.)

Antes de nos ocuparmos com os apóstolos em sua viagem, cabe aqui uma observação sobre como as coisas mudaram. Eles partiram, devemos observar, não do velho centro, Jerusalém, mas da Antioquia, uma cidade de gentios. Isto é significativo. Jerusalém e os doze perderam a posição quanto à autoridade e poder para com o exterior. O Espírito Santo chama a Barnabé e Saulo para a obra, os prepara para isto, e os envia, sem a jurisdição dos doze.

Não será de esperar que em um livro, cujo conteúdo se propõe a ser resumido, possamos tomar nota dos vários eventos ocorridos nas viagens de Paulo. O leitor os encontrará em Atos e nas Epístolas. Propomos meramente traçar um esboço e dar destaque a determinados pontos de referência, pelos quais o leitor será capaz de traçar, por si mesmo, as várias jornadas do maior dos apóstolos - o maior dos missionários - o maior dos obreiros que já viveu, com exceção do bendito Senhor. Mas em primeiro lugar, gostaríamos de observar seus companheiros e seu ponto de partida.

Barnabé foi, por algum tempo, o companheiro mais próximo de Saulo. Ele era um levita da ilha de Chipre. Ele tinha sido chamado logo no início da história da igreja para seguir a Cristo, e “possuindo uma herdade, vendeu-a, e trouxe o preço, e o depositou aos pés dos apóstolos.” (Atos 4:37). Comparando sua liberalidade com o belo testemunho que o Espírito Santo dá sobre ele, ele permanece diante de nós com um amável e requintado caráter. E, a partir de seu apego a Paulo desde o início, e de sua cordialidade em apresentá-lo aos outros apóstolos, podemos julgar que ele era mais franco e tinha um coração maior do que aqueles que tinham sido treinados na estreiteza do judaísmo; mas faltava-lhe ainda, quanto ao serviço, o rigor e a determinação de seu companheiro Saulo.

João Marcos era um parente próximo de Barnabé - “o sobrinho de Barnabé” (Colossenses 4:10). Sua mãe era uma certa Maria que morava em Jerusalém, e cuja casa parece ter sido um local de reunião para os apóstolos e primeiros cristãos. Quando Pedro foi liberto da prisão, ele foi direto para “a casa de Maria, mãe de João, que tinha por sobrenome Marcos” (Atos 12:12). Supõe-se que ele tenha sido convertido por meio de Pedro, pois depois Pedro fala dele como “meu filho Marcos” (1 Pedro 5:13)

A partir disso aprendemos que ele não era nem um apóstolo nem um dos setenta - que ele não havia acompanhado o bendito Senhor durante Seu ministério público. Mas podemos supor que ele estava ansioso para servir a Cristo, pois se uniu a Barnabé e Saulo, embora mais tarde pareça que sua fé não era páreo para as dificuldades da vida missionária. “E, partindo de Pafos, Paulo e os que estavam com ele chegaram a Perge, da Panfília. Mas João, apartando-se deles, voltou para Jerusalém.” (Atos 13:13). Supõe-se que Marcos tenha escrito seu Evangelho por volta do ano 63 d.C.

A Antioquia, a antiga capital dos selêucidas, foi fundada por Seleuco Nicator por volta de 300 a.C. Foi uma cidade que só ficava atrás de Jerusalém no que diz respeito ao início da história da igreja. O que Jerusalém tinha sido para os judeus, a Antioquia era agora para os gentios. Era um ponto central. Nessa época ocupava um lugar de grande importância na propagação do cristianismo entre os pagãos. Aqui a primeira igreja gentia foi plantada (Atos 11:20,21). Aqui os discípulos de Cristo foram primeiramente chamados de cristãos (Atos 11:26). E aqui nosso apóstolo começou seu trabalho ministerial público.

Retornemos agora à missão.

Barnabé e Saulo, com João Marcos como auxiliar no ministério, são então enviados pelo Espírito Santo. Os judeus, em virtude de sua conexão com as promessas, tiveram o evangelho primeiramente pregado a eles; mas a conversão de Sérgio Paulo marca, de maneira especial, o início do trabalho entre os gentios. Também marca uma crise na história do apóstolo. Aqui seu nome é mudado de Saulo para Paulo; e agora - com exceção de Jerusalém (Atos 15:12-22) - não vemos mais “Barnabé e Saulo”, mas sim “Paulo e os que estavam com ele” (Atos 13:13). Ele toma a dianteira; os outros são apenas aqueles que estão com Paulo. Mas o cenário tem ainda um caráter típico.

O procônsul era, evidentemente, um homem prudente e pensativo, e sentiu a necessidade de sua alma. Ele chama a Barnabé e a Saulo, e deseja ouvir a Palavra de Deus. Mas Elimas, o encantador, resiste a eles. Ele sabia bem que, se o governador recebesse a verdade que Paulo pregava, ele perderia sua influência na corte. Ele, portanto, procura afastar o deputado da fé. Mas Paulo, em dignidade consciente e no poder do Espírito Santo, “fixando os olhos nele” (Atos 13:9), e em palavras de mais fulminante indignação, o repreende na presença do governador. “Ó filho do diabo, cheio de todo o engano e de toda a malícia, inimigo de toda a justiça, não cessarás de perturbar os retos caminhos do Senhor? Eis aí, pois, agora contra ti a mão do Senhor, e ficarás cego, sem ver o sol por algum tempo. E no mesmo instante a escuridão e as trevas caíram sobre ele e, andando à roda, buscava a quem o guiasse pela mão. Então o procônsul, vendo o que havia acontecido, creu, maravilhado da doutrina do Senhor.” (Atos 13:10-12). O poder de Deus acompanha a palavra de Seu servo, e a sentença pronunciada é executada no mesmo instante. O deputado fica tomado pela glória moral da cena, e se submete ao evangelho.

“Eu não duvido”, disse alguém, “que neste miserável Barjesus (Elimas) vemos uma figura dos judeus no tempo presente, acometidos de cegueira por algum tempo, por causa dos ciúmes da influência do evangelho. A fim de preencher a medida de sua iniquidade, eles resistiram à pregação do evangelho aos gentios. A condição deles é julgada; sua história é dada na missão de Paulo. Em oposição à graça e buscando destruir seus efeitos sobre os gentios, eles foram acometidos de cegueira; no entanto, apenas por um tempo.”2

Durante essa primeira missão entre os gentios, um grande e abençoado trabalho foi feito. Compare Atos 13 e 14 . Muitos lugares foram visitados, igrejas foram plantadas, anciãos foram nomeados, a hostilidade dos judeus manifestada, e a energia do Espírito Santo demonstrada no poder e progresso da verdade. Em Listra, o cristianismo foi confrontado, pela primeira vez, com o paganismo; mas em todo lugar o evangelho triunfa, e os vários dons de Paulo como obreiro aparecem de maneira abençoada. Seja ao abordar os judeus, que conheciam as Escrituras, ou bárbaros ignorantes, ou cultos gregos, ou multidões enfurecidas, ele prova ser um vaso divinamente escolhido para sua grande obra.

A Antioquia, na Pisídia, merece atenção especial pelo que aconteceu na sinagoga. Embora haja uma grande semelhança no discurso de Paulo comparado aos de Pedro e Estêvão nos primeiros capítulos de Atos ainda podemos notar certos toques estritamente paulinos em seu caráter. Seu estilo conciliador de abordagem, o modo como ele apresenta a Cristo, e sua ousada proclamação de justificação pela fé somente, podem ser consideradas como típicas de suas póstumas abordagens e Epístolas. Nenhum dos escritores sagrados fala da justificação pela fé como Paulo fala. Seu apelo final tem sido um texto evangelístico favorito de muitos pregadores em todas as eras. Em poucas palavras, ele afirma a bem-aventurança de todos que recebem a Cristo, e a terrível desgraça daqueles que O rejeitarem, provando assim que não poderia haver um meio-termo ou terreno neutro quando Cristo está em questão. “Seja-vos, pois, notório, homens irmãos, que por este se vos anuncia a remissão dos pecados. E de tudo o que, pela lei de Moisés, não pudestes ser justificados, por ele é justificado todo aquele que crê. Vede, pois, que não venha sobre vós o que está dito nos profetas: Vede, ó desprezadores, e espantai-vos e desaparecei; porque opero uma obra em vossos dias, obra tal que não crereis, se alguém vo-la contar.” (Atos 13:38-41)

Tendo sido cumprida a missão deles, eles retornam à Antioquia na Síria. Quando os discípulos ouviram o que o Senhor tinha feito, e que a porta da fé foi aberta aos gentios, eles deviam apenas louvar e bendizer Seu santo nome. Devemos agora retornar, por um momento, a Jerusalém.

O efeito da primeira missão de Paulo sobre os discípulos em Jerusalém levou a uma grande crise na história da igreja. O ciúme e a mente farisaica estava tão excitada que uma divisão entre Jerusalém e Antioquia foi ameaçada naquele período inicial da história da igreja. Mas Deus governou em graça, e o problema quanto à Antioquia foi felizmente resolvido. Mas o fanatismo dos crentes judeus era insaciável. Na igreja em Jerusalém eles ainda conectavam ao cristianismo os requisitos da lei, e procuravam impor esses requisitos aos crentes gentios.

Alguns dos cristãos judeus de cabeça mais fechada desceram à Antioquia, e asseguraram aos gentios que, a menos que eles fossem circuncidados segundo o costume de Moisés, e que guardassem a lei, eles não poderiam ser salvos. Paulo e Barnabé não tiveram pequena discussão e contenda com eles; mas como era uma questão muito pesada para ser resolvida pela autoridade apostólica de Paulo, ou por uma resolução da igreja em Antioquia, foi decidido que uma delegação deveria subir à Jerusalém e pôr a questão diante dos doze apóstolos e dos anciãos. A escolha de quem deveria levar a questão, naturalmente, caiu sobre Paulo e Barnabé, já que tinham sido os mais ativos na propagação do cristianismo entre os gentios.

Chegamos agora à terceira visita de Paulo a Jerusalém.

A Terceira Visita de Paulo a Jerusalém (por volta de 50 d.C.)

Quando eles chegaram a Jerusalém, encontraram a mesma coisa3 não apenas nas mentes de alguns poucos irmãos inquietos, mas no próprio seio da igreja. A fonte da confusão estava lá, não entre judeus incrédulos, mas entres aqueles que professavam o nome de Jesus. “Alguns, porém, da seita dos fariseus, que tinham crido, se levantaram, dizendo que era mister circuncidá-los e mandar-lhes que guardassem a lei de Moisés.” (Atos 15:5). Esta declaração clara trouxe toda a questão diante da assembleia, e suas importantes deliberações começaram. O Capítulo 15 de Atos contém o relato do que ocorreu e como a questão foi resolvida. Os apóstolos, anciãos, e todo o corpo da igreja em Jerusalém não estavam apenas presentes, mas também tomaram parte na discussão. Os apóstolos nem assumiram nem exercitaram poder exclusivo sobre o assunto. Este é geralmente chamado “O primeiro Concílio da Igreja”, mas pode também ser chamada de último concílio da igreja que podia dizer: “Pareceu bem ao Espírito Santo e a nós” (Atos 15:28).

Muitos, de acordo com noções modernas de “essencial e não-essencial”, sem dúvida diriam que a mera cerimônia de circuncidar ou não circuncidar uma criança não tinha muita importância. Mas não é assim de acordo com a mente de Deus. Era uma questão vital. Afetava o próprio fundamento do cristianismo, os profundos princípios da graça, e toda a questão sobre a relação do homem com Deus. A Epístola de Paulo aos Gálatas é um comentário sobre a história dessa questão.

Não havia rito ou cerimônia que o judeu convertido fosse tão averso a deixar para trás como a circuncisão. Era o sinal e o selo do seu próprio relacionamento com Jeová, e das hereditária bênçãos da aliança com seus filhos. É da opinião de alguns em todas as eras que o “batismo de crianças” foi introduzido pela igreja para atender ao forte preconceito judaico. Mas se isto tivesse sido a pretensão do Senhor, o concílio em Jerusalém seria o próprio lugar para anunciá-lo. Isto acabaria com toda a dificuldade, e resolveria a questão diante deles, e restauraria a paz e unidade entre os duas “igrejas-mãe”4. Mas nenhum dos apóstolos ou dos outros aludiram a isto.

Antes de deixarmos essa importante e sugestiva parte da história do nosso apóstolo, pode ser bom observar certos fatos trazidos em Gálatas 2, mas que não são mencionados em Atos Foi nesta ocasião que Paulo subiu, por revelação, a Jerusalém com Tito. Em Atos temos a história de Paulo vista de fora, cedendo aos motivos, desejos e objetivos do homem; nas Epístolas temos algo mais profundo - aquilo que governava o coração do apóstolo. Mas Deus sabe como combinar essas circunstâncias externas com a direção interna do Espírito. A liberdade cristã ou a servidão da lei estavam em debate: se a lei de Moisés - em particular, o rito da circuncisão - deveria ser imposta aos gentios convertidos. Paulo, guiado por Deus, sobe a Jerusalém, e leva com ele Tito. Perante a face dos doze apóstolos, e de toda a igreja, ele traz a Tito, que era grego, e que não tinha sido circuncidado. Isto foi um passo ousado - introduzir um gentio, e incircunciso, no próprio centro de um judaísmo intolerante! Mas o apóstolo foi lá por revelação. Ele tinha comunicações positivas, vindas de Deus, sobre o assunto. Foi a maneira divina de decidir a questão, de uma vez por todas, entre ele mesmo e os cristãos judaizantes. Este passo era necessário, como ele diz: “E isto por causa dos falsos irmãos que se intrometeram, e secretamente entraram a espiar a nossa liberdade, que temos em Cristo Jesus, para nos porem em servidão; aos quais nem ainda por uma hora cedemos com sujeição, para que a verdade do evangelho permanecesse entre vós.” (Gálatas 2:4-5)

O apóstolo, então, tendo atingido seu principal objetivo, e tendo comunicado seu evangelho aos de Jerusalém, vai embora, com Barnabé, e retorna aos cristãos gentios em Antioquia. Os dois representantes, Judas e Silas, carregando os decretos do concílio, os acompanham. Quando a multidão de discípulos se reuniu e ouviu a epístola lida, se alegraram e foram consolados.

Assim termina o primeiro concílio apostólico, e a primeira controvérsia apostólica. E, pelo que aprendemos desses assuntos em Atos podemos concluir que a divisão entre os cristãos judeus e gentios tinha sido completamente curada pela decisão da assembleia; mas sabemos, pelas Epístolas, que a oposição do partido judaizante contra a liberdade dos cristãos gentios nem sequer cochilava. Logo começava de novo, e Paulo tinha que, constantemente, confrontar e lutar contra a questão.

A Segunda Viagem Missionária de Paulo (por volta de 51 d.C.)

Depois de Paulo e Barnabé terem ficado algum tempo com a igreja em Antioquia, outra viagem missionária foi proposta. “Tornemos”, disse Paulo, “a visitar nossos irmãos por todas as cidades em que já anunciamos a palavra do Senhor, para ver como estão. E Barnabé aconselhava que tomassem consigo a João, chamado Marcos. Mas a Paulo parecia razoável que não tomassem consigo aquele que desde a Panfília se tinha apartado deles e não os acompanhou naquela obra. E tal contenda houve entre eles, que se apartaram um do outro. Barnabé, levando consigo a Marcos, navegou para Chipre. E Paulo, tendo escolhido a Silas, partiu, encomendado pelos irmãos à graça de Deus. E passou pela Síria e Cilícia, confirmando as igrejas.” (Atos 15:36-41)

Com uma jornada tão importante, tão cheia de provações, que exigia coragem e perseverança - segundo a opinião de Paulo - ele não podia confiar em Marcos como companheiro; ele não podia facilmente desculpar aquele cujos laços familiares o tornaram infiel no serviço ao Senhor. O próprio Paulo deixava de lado todas as considerações e sentimentos pessoais quando a obra de Cristo estava em questão, e ele desejava que os outros fizessem o mesmo. A afeição natural, nesta ocasião, pode ter traído Barnabé a, novamente, pressionar seu sobrinho ao serviço; mas uma severa seriedade caracterizava Paulo. Os laços dos relacionamentos naturais e dos apegos humanos ainda tinham grande influência sobre o caráter cristão ameno de Barnabé. Isto é evidente pela sua conduta em Antioquia na ocasião da fraca complacência de Pedro para com os judaizantes de Jerusalém (Gálatas 2). A disseminação do evangelho no mundo gentio era sagrada demais aos olhos de Paulo para admitir experimentos. Marcos tinha preferido Jerusalém à obra, mas Silas preferiu a obra a Jerusalém. Isto pesou na decisão de Paulo, embora, sem dúvida, ela tenha sido guiado pelo Espírito.

Barnabé leva Marcos, seu parente, e navega para Chipre, sua terra natal. E aqui nos despedimos de Barnabé, aquele amado santo e precioso servo de Cristo! Seu nome não é mais mencionado em Atos Essas palavras, “parente” e “terra natal” devem ser deixadas a falar por elas mesmas ao coração de cada discípulo que lê estas páginas. Se estivéssemos meditando sobre essa cena dolorosa, em vez de dar um mero esboço de uma grande história, poderíamos ter muito o que dizer sobre o assunto; mas o deixamos com duas felizes reflexões: 1) Isto foi direcionado de modo que redundou em benção para os pagãos; as águas da vida agora fluíam em duas correntes no lugar de uma só. Isso, no entanto, é a bondade de Deus, e não dá sanção à divisão entre cristãos. 2) Paulo, mais tarde, fala de Barnabé com inteira afeição, e deseja que Marcos vá até ele, tendo-o achado útil para o ministério (1 Coríntios 9:6; 2 Timóteo 4:11). Não temos dúvida de que a fidelidade de Paulo se tornou uma benção para ambos. Mas o mel das afeições humanas nunca poderão ser aceitas no altar de Deus.

Tendo sido encomendados pelos irmão à graça de Deus, eles iniciam sua jornada. Tudo é maravilhosamente simples. Nenhum desfile é feito pelos seus amigos ao vê-los partir, e nenhuma grande promessa é feita por eles quanto ao que eles estavam determinados a fazer. “Tornemos a visitar nossos irmãos”, são as poucas, simples e despretensiosas palavras que nos levam à segunda grande viagem missionária de Paulo. Mas o Mestre estava pensando em Seus servos e provendo para eles. Eles não precisavam ir longe até encontrar um novo companheiro em Timóteo de Listra, um que havia de suprir o vazio causado pela ausência de Barnabé. Se Paulo perdeu o companheirismo de Barnabé como amigo e irmão, ele encontrou em Timóteo, como seu próprio filho na fé, uma simpatia e um companheirismo que só combinava com a vida do apóstolo. “Paulo quis que este fosse com ele”, mas antes de partirem, Paulo “o circuncidou, por causa dos judeus que estavam naqueles lugares; porque todos sabiam que seu pai era grego.” Paulo, nesta ocasião, inclina-se ao preconceito dos judeus, e circuncisa Timóteo por segurança.

Timóteo era filho de um daqueles casamentos mistos que sempre foram fortemente condenados tanto no Antigo quanto no Novo Testamento. Seu pai era um gentio, mas seu nome nunca é mencionado; sua mãe era uma piedosa judia. Dada a ausência de qualquer referência ao pai, tanto em Atos quanto nas Epístolas, supõe-se que ele possa ter morrido pouco tempo depois do filho ter nascido. Timóteo foi, evidentemente, deixado na infância ao único cuidado de sua mãe Eunice e de sua avó Lóide, que o ensinou, desde criança, a conhecer as Sagradas Escrituras. E, das muitas alusões nas Epístolas de Paulo ao carinho, sensibilidade, e às lágrimas de seu amado filho na fé, podemos acreditar que ele manteve por toda a vida as impressões daquele gentil, amável e santo cuidado doméstico. O maravilhoso amor de Paulo por Timóteo, e suas afáveis lembranças de sua casa em Listra, e seu treinamento inicial ali, ditaram algumas das mais tocantes passagens dos escritos do grande apóstolo. Quando já um homem idoso - na prisão, passando necessidades, e com o martírio diante de si - ele escreve: “A Timóteo, meu amado filho: Graça, misericórdia, e paz da parte de Deus Pai, e da de Cristo Jesus, Senhor nosso. Dou graças a Deus, a quem desde os meus antepassados sirvo com uma consciência pura, de que sem cessar faço memória de ti nas minhas orações noite e dia; desejando muito ver-te, lembrando-me das tuas lágrimas, para me encher de gozo; trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Lóide, e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti.” (2 Timóteo 1:2-5). Ele insiste e repete seu urgente convite a Timóteo para ir e vê-lo. “Procura vir ter comigo depressa” - “Procura vir antes do inverno” (2 Timóteo 4:9,21). Podemos permitir-nos a crer que um filho tão ternamente amado pôde chegar a tempo de acalmar as últimas horas de seu pai em Cristo, de receber seu último conselho e bênção, e de testemunhá-lo terminando sua carreira com alegria.

Silas, ou Silvano, aparece pela primeira vez como um mestre na igreja em Jerusalém; e provavelmente ele era tanto um helenista quanto um cidadão romano, como o próprio Paulo (Atos 16:37). Ele foi apontado como responsável por acompanhar Paulo e Barnabé em seu retorno a Antioquia com os decretos do concílio. Mas, como muitos detalhes tanto da vida de Timóteo quanto de Silas naturalmente aparecerão ao traçarmos o caminho do apóstolo, não precisamos dizer nada mais sobre eles no presente momento. Procedamos com a viagem.

Paulo e Silas, com seu novo companheiro, percorrem as cidades, ordenando-lhes a manter os decretos ordenados pelos apóstolos e anciãos em Jerusalém. Os decretos foram deixados com as igrejas, de modo que os judeus tinham a própria decisão de Jerusalém de que a lei não era para ser imposta aos gentios. Após visitar e confirmar as igrejas já plantadas na Síria e Cilícia, eles procederam para a Frígia e Galácia. Aqui fazemos uma pausa e nos deteremos nestas palavras: “pela Frígia e pela província da Galácia” (Atos 16:6). A Frígia e a Galácia não eram meras cidades, mas províncias, ou grandes distritos do país. E ainda assim o historiador sagrado usa apenas essas poucas palavras ao recordar a grande obra feita lá. Quão diferente é a energia condensada do Espírito comparada ao estilo inflado do homem! Aprendemos da história, segundo Neander, que somente na Frígia, no sexto século, havia sessenta e duas cidades. E parece que Paulo e os que estavam com ele tinham percorrido todas as que existiam naquela época.

As mesmas observações quanto ao trabalho se aplica à Galácia. E aprendemos pela Epístola de Paulo aos Gálatas que, nessa época, ele estava sofrendo no corpo. “E vós sabeis que primeiro vos anunciei o evangelho estando em fraqueza da carne” (Gálatas 4:13). Mas o poder da sua pregação contrasta de maneira tão impressionante com a fraqueza da sua carne que os gálatas foram movidos até mesmo a extravasar em simpatia e sentimentos generosos. “E não rejeitastes, nem desprezastes isso que era uma tentação na minha carne, antes me recebestes como um anjo de Deus, como Jesus Cristo mesmo. Qual é, logo, a vossa bem-aventurança? Porque vos dou testemunho de que, se possível fora, arrancaríeis os vossos olhos, e mos daríeis.” (Gálatas 4:14-15). Aprendemos pela história que os gálatas eram de origem celta, impulsivos e de caráter instável5. A Epístola inteira é uma triste ilustração da instabilidade deles, e dos tristes efeitos do elemento judaizante entre eles. “Maravilho-me de”, disse Paulo, “que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo.” (Gálatas 1:6-7). Mas retornemos à história narrada em Atos.

O caráter e os efeitos do ministério de Paulo, como relatados nos capítulos 16 a 20, são realmente maravilhosos. Eles deveriam até se destacar nas páginas de toda a história. Todo servo de Cristo, e especialmente o pregador, deveria estudá-los cuidadosamente e lê-los com frequência. “O vaso do Espírito”, disse alguém de maneira tão bela, “brilha com uma luz celestial através de toda a obra do evangelho; ele condescende em Jerusalém; trovoa na Galácia quando almas estão sendo pervertidas, guia os apóstolos a decidirem pela liberdade dos gentios, e usa, ele mesmo, de toda a liberdade de ser um judeu de judeus, e como um sem lei para aqueles que não tinham a lei, como não estando debaixo da lei, mas sempre sujeito a Cristo. Ele também ’procurava sempre ter uma consciência sem ofensa’ (Atos 24:16). Nada que havia dentro dele dificultava sua comunhão com Deus, de onde ele tirou suas forças para ser fiel entre os homens. Ele podia dizer, e [talvez, N. do T.] ninguém além dele: ’sede meus imitadores, como também eu de Cristo’ (1 Coríntios 11:1). Assim também ele podia dizer: ’Tudo sofro por amor dos escolhidos, para que também eles alcancem a salvação que está em Cristo Jesus com glória eterna.’ (2 Timóteo 2:10)”6

Os modos do Espírito para com o apóstolo nesses capítulos são também dignos de nota. Ele, e somente Ele, dirige o apóstolo em seu maravilhoso caminho, e o sustêm em meio a muitas provas e circunstâncias opostas. Por exemplo, Ele proíbe Paulo de pregar a Palavra na Ásia - Ele não o deixa ir à Bitínia, mas o direciona por meio de uma visão à noite para que ele fosse à Macedônia. “E Paulo teve de noite uma visão, em que se apresentou um homem da Macedônia, e lhe rogou, dizendo: Passa à Macedônia, e ajuda-nos. E, logo depois desta visão, procuramos partir para a Macedônia, concluindo que o Senhor nos chamava para lhes anunciarmos o evangelho. E, navegando de Trôade, fomos correndo em caminho direito para a Samotrácia e, no dia seguinte, para Neápolis; e dali para Filipos, que é a primeira cidade desta parte da Macedônia, e é uma colônia.” (Atos 16:9-12)

Paulo leva o Evangelho para a Europa

Isto marca uma época distinta na história da igreja, na história de Paulo, e no progresso do cristianismo. Paulo e seus companheiros agora levam o evangelho Europa adentro. E aqui creio que podemos fazer uma pausa, por um momento, para lembrarmos as várias e interessantes associações históricas dos conquistadores e conquistas da Macedônia, e para habitarmos por um momento sobre a planície de Filipos, também famosa na história romana. Aqui a grande luta entre a república e o império tinha terminado. Para comemorar esse evento, Augusto fundou uma colônia em Filipos. Esta foi a primeira cidade na qual Paulo chegou em sua entrada para a Europa. Ela é chamada “a primeira cidade desta parte da Macedônia, e é uma colônia.” (Atos 16:12) Uma colônia romana, como nos é relatado, era caracteristicamente uma lembrança em miniatura de Roma; e Filipos era mais apta que qualquer outra cidade no império para ser considerada representativa da Roma Imperial.

Para muitos de nossos jovens e questionadores leitores, esta breve digressão, temos certeza, não será desinteressante. Além disso, um conhecimento sobre tais histórias são úteis ao estudante da profecia, uma vez que se tratam do cumprimento da visão de Daniel, especialmente do capítulo 7. A cidade de Filipos era, por si própria, um monumento ao crescente poder da Grécia, que deveria esmagar o poder em declínio da Pérsia. Alexandre, o Grande, filho de Filipe, foi o conquistador do grande rei Dário; quando o “Leopardo” da Grécia venceu o “Urso” da Pérsia.7

Ao olharmos para trás a partir do tempo em que Paulo partiu da Ásia para a Europa, quase quatrocentos anos tinham passado desde que Alexandre partiu da Europa para a Ásia. Mas quão diferentes eram seus motivos e objetivos - seus conflitos e suas vitórias! O entusiasmo de Alexandre foi despertado pela lembrança de seus grandes antepassados, e por sua determinação em derrubar as grandes dinastias do Oriente; mas, embora não intencional e inconscientemente, ele estava cumprindo os propósitos de Deus. Paulo tinha cingido sua armadura para outro propósito, e para ganhar maiores e mais duradouras vitórias. Ele foi enviado pelo Espírito Santo, não apenas para subjugar o Ocidente, mas para trazer o mundo inteiro a cativar pela obediência de Cristo. O cristianismo não é apenas para uma nação ou um povo, mas para o homem universalmente; até mesmo o próprio Paulo expressa isto em Colossenses 1:23: “A toda criatura que há debaixo do céu”. Esta é a missão do evangelho, e esta é sua esfera.

Mas há outra coisa que devemos observar aqui antes de procedermos com a viagem de Paulo.

Lucas, “o médico amado”, historiador e evangelista parece ter se unido a Paulo neste momento particular. No versículo 10 ele escreve na primeira pessoa do plural: “Procuramos partir para a Macedônia”. Supõe-se que ele era um gentio de nascença e convertido em Antioquia. Ele parece ter permanecido como um fiel companheiro do apóstolo até o fim de seus trabalhos e aflições (2 Timóteo 4:11).

O Efeito da Pregação de Paulo em Filipos

A quantidade de judeus em Filipos aparentemente era pequena, já que não havia sinagoga no lugar. Mas o apóstolo, como de costume, vai a eles primeiro, mesmo quando se trata de umas poucas mulheres reunidas à margem do rio (Atos 16). Paulo prega a elas, Lídia é convertida, a porta é aberta, e outras também creem. Foi nesse lugar despretensioso, e àquelas poucas mulheres piedosas, que o evangelho foi pregado pela primeira vez na Europa, e onde a primeira casa foi batizada8. Mas o silencioso início e seus triunfos pacíficos logo foram perturbados pela malícia de Satanás e pela cobiça do homem. O evangelho não avançaria em meio ao paganismo com facilidade e conforto, mas com grande oposição e sofrimento.

Enquanto o apóstolo e seus companheiros iam ao oratório, ou lugar de oração, uma jovem possuída por um espírito maligno os seguia, e clamava, dizendo: “Estes homens, que nos anunciam o caminho da salvação, são servos do Deus Altíssimo.” (Atos 16:17). Da primeira vez, Paulo não deu atenção. Ele foi em frente com sua própria bendita obra de pregação de Cristo, e de ganhar almas para Ele. Mas a pobre e obsessiva escrava persistia em segui-los, e em proferir a mesma exclamação. Foi uma tentativa maliciosa do inimigo para impedir a obra de Deus ao prestar um testemunho aos ministros da Palavra. Deve ser observado que ela não presta testemunho a “Jesus”, ou ao “Senhor”, mas aos Seus “servos”, e ao “Deus Altíssimo”. Mas Paulo não queria um testemunho para ele mesmo, nem um testemunho vindo de um espírito maligno, e ele, “perturbado, voltou-se e disse ao espírito: Em nome de Jesus Cristo, te mando que saias dela. E na mesma hora saiu.” (Atos 16:18)

Como a moça não podia mais praticar suas artes de adivinhação, seus mestres viram-se privados dos ganhos que eles tinham derivado daquela fonte. Enfurecidos pela perda de sua propriedade, e movendo as multidões ao seu favor, prenderam Paulo e Silas e os arrastaram perante os magistrados. Como eles estavam bem conscientes de que não tinham nenhuma acusação verdadeira para trazê-los perante eles, levantaram o velho clamor da “perturbação da paz” - de que eles estavam tentando introduzir práticas judaicas na colônia romana, e ensinar costumes que eram contrários às leis romanas. E, como tem sido muitas vezes, o clamor da multidão foi aceito no lugar da evidência, exame e deliberação. Os magistrados, sem perguntar mais nada, ordenou-lhes que fossem açoitados e lançados na prisão. E assim foi, aqueles benditos servos de Deus, feridos, sangrando e fracos foram entregues a um cruel carcereiro, que aumentou ainda mais o sofrimento deles ao prender-lhes os pés no tronco. Mas Paulo e Silas, em vez de ficarem deprimidos por seus sofrimentos no corpo e pelas sombrias paredes da prisão, alegraram-se por terem sido considerados dignos de sofrer vergonha e dor por causa de Cristo; e em vez do silêncio da meia-noite ser quebrado com os suspiros e gemidos dos prisioneiros, eles “oravam e cantavam hinos a Deus, e os outros presos os escutavam.” (Atos 16:25)

Se a Satanás não lhe falta recursos para continuar sua obra ruim, a Deus não Lhe falta recursos para continuar Sua boa obra. Ele agora faz uso de tudo que aconteceu para direcionar o progresso da obra do evangelho, e para cumprir os propósitos do Seu amor. O carcereiro deve ser convertido, a igreja deve ser reunida, e um testemunho criado para o Senhor Jesus Cristo na própria fortaleza do paganismo. À meia-noite, enquanto Paulo e Silas estavam cantando e os prisioneiros estavam ouvindo ao som incomum, ocorre um grande terremoto. Deus entra em cena em majestade e graça. Ele levanta Sua voz e a terra treme: as paredes da prisão são chacoalhadas, as portas se abrem, e os grilhões de todo homem caem. E agora, o que são cadeias e prisões? O que são legiões romanas? O que é todo o poder do inimigo? A voz de Deus é ouvida na tempestade: mas a violência da tempestade é sucedida pela voz mansa e delicada do evangelho e da paz do Céu.

Logo despertado pelo terremoto, os primeiros pensamentos do carcereiro foram em relação a seus prisioneiros. Alarmado por ver as portas da prisão abertas, e supondo que os presos tinham fugido, ele pega sua espada para se matar. “Mas Paulo clamou com grande voz, dizendo: Não te faças nenhum mal, que todos aqui estamos.” (Atos 16:28). Estas palavras de amor quebraram o coração do carcereiro. A calma serenidade de Paulo e Silas - sua recusa em valer-se da oportunidade de escapar - sua carinhosa preocupação para com ele - tudo combinado para fazê-los aparecer aos olhos do espantado carcereiro como seres de uma ordem superior. Ele deixou de lado sua espada, pediu por luz, saltou para dentro da prisão e, tremendo, caiu aos pés do apóstolo. Sua consciência foi, agora, alcançada, seu coração foi quebrantado, e havia algo como a violência de um terremoto agitando toda sua alma. Ele toma o lugar de um pecador perdido, e clama: “Senhores, que é necessário que eu faça para me salvar?” (Atos 16:30). Ele não fala como o doutor da lei em Lucas 10:25: “Mestre, que farei para herdar a vida eterna?” O que estava em questão para o carcereiro não era sobre fazer algo para a vida, mas sobre a salvação para o perdido. O doutor da lei, como muitos outros, não conhecia a si mesmo como um pecador perdido, portanto ele não fala sobre salvação.

Em resposta à mais importante pergunta que os lábios humanos podem fazer, “O que devo fazer para ser salvo?”, o apóstolo direciona a mente do carcereiro para Cristo - “Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa.” (Atos 16:31). Deus deu a bênção, e toda sua família creu, se alegrou, e foi batizada. E agora tudo está mudado: o carcereiro leva os prisioneiros à sua própria casa - sua crueldade é transformada em amor, simpatia e hospitalidade. Na mesma hora da noite, lavou-lhes os vergões - lhes ofereceu comida - regozijou-se, crendo em Deus com toda sua casa. Que noite agitada! Que mudança em poucas horas! E que manhã alegre clareou sobre aquela feliz casa! O Senhor seja louvado!

Como o rei Dário, os magistrados parecem ter sido perturbados durante a noite. A notícia do terremoto, ou de que Paulo e Silas eram cidadãos romanos, parece tê-los alcançado. Mas assim que amanheceu, mandaram dizer ao carcereiro que “soltassem aqueles homens”. Ele, imediatamente, fez conhecer a ordem a Paulo e Silas, e desejou-lhes que partissem em paz. Mas Paulo se recusou a aceitar sua liberdade sem algum reconhecimento público do erro de que haviam sido vítimas. Ele agora também torna conhecido o fato de que ele e Silas eram cidadãos romanos. As famosas palavras de Cícero tinham se tornado um provérbio, e tinham um imenso peso onde quer que fosse: “Acorrentar um cidadão romano é um ultraje, açoitá-lo é um crime”. Os magistrados tinham, evidentemente, violado as leis romanas; mas Paulo só exigiu que, como eles tinham sido publicamente tratados como culpados, os magistrados fossem a público e declarassem que eram inocentes. Isto eles fizeram prontamente, vendo o erro que tinham cometido. “E, vindo, lhes dirigiram súplicas; e, tirando-os para fora, lhes pediram que saíssem da cidade. E, saindo da prisão, entraram em casa de Lídia e, vendo os irmãos, os confortaram, e depois partiram.” (Atos 16:39-40) 9

Antes de deixarmos este memorável capítulo, devemos apenas acrescentar algo que é muito agradável de se encontrar: na Epístola de Paulo aos Filipenses, as provas de um vínculo que os unia, e que continuou desde “o primeiro dia” até mesmo depois do aprisionamento de Paulo em Roma. Sua afeição pelos amados filipenses era maravilhosa. Ele se dirigiu a eles como “meus amados e mui queridos irmãos, minha alegria e coroa, estai assim firmes no Senhor, amados.” (Filipenses 4:1). E ele reconhece, sem poder conter a alegria, sua comunhão incansável com eles no evangelho, e as muitas provas práticas do amável cuidado e carinhosa simpatia que eles tinham por ele. Já em sua residência em Tessalônica eles se lembravam das necessidades do apóstolo. “Porque também uma e outra vez me mandastes o necessário a Tessalônica.” (Filipenses 4:16)

Paulo em Tessalônica e Bereia

Paulo e Silas agora dirigem seu percurso até Tessalônica. Timóteo e Lucas parecem ter ficado para trás em Filipos por um tempo. Tendo passado através de Anfípolis e Apolônia, Paulo e Silas chegam a Tessalônica. Ali eles encontram uma sinagoga. Era uma cidade comercial de grande importância, onde muitos judeus residiam. “Paulo, como tinha por costume, foi ter com eles; e por três sábados disputou com eles sobre as Escrituras.” (Atos 17:2). Os corações de muitos foram tocados por suas pregações, e uma grande multidão de devotos gregos e mulheres da alta sociedade creram. Mas o velho inimigo de Paulo aparece novamente. “Os judeus desobedientes, movidos de inveja, tomaram consigo alguns homens perversos, dentre os vadios e, ajuntando o povo, alvoroçaram a cidade, e assaltando a casa de Jasom, procuravam trazê-los para junto do povo. E, não os achando, trouxeram Jasom e alguns irmãos à presença dos magistrados da cidade, clamando: Estes que têm alvoroçado o mundo, chegaram também aqui; os quais Jasom recolheu; e todos estes procedem contra os decretos de César, dizendo que há outro rei, Jesus.” (Atos 17:5-7). Estes versículos devem bastar para nos dar uma ideia do caráter universal dos judeus contra o evangelho e contra Paulo, seu principal ministro.

O apóstolo tinha, evidentemente, pregado aos tessalonicenses a verdade a respeito da exaltação de Cristo e Sua vinda na glória: “Dizendo que há outro rei, Jesus.” Daí a constante alusão à vinda do Senhor, e ao “dia do Senhor”, nas Epístolas de Paulo àquela igreja. Pelo que diz Paulo em sua primeira Epístola, aprendemos que seus trabalhos foram muito abundantes e grandemente reconhecidas e abençoados pelo Senhor para muitas almas. (1 Tessalonicenses 1:9-10; 2:10-11)

O apóstolo agora procede para a Bereia. Ali os judeus eram mais nobres. Eles examinavam o que ouviam pela Palavra de Deus. Houve uma grande bênção ali também. Muitos creram, mas os judeus, como caçadores após sua presa, apressaram-se de Tessalônica para a Bereia, e levantaram um tumulto que forçou Paulo a deixar o lugar quase imediatamente. Acompanhado por alguns dos bereianos convertidos, ele direcionou seu curso para Atenas. Silas e Timóteo ficaram para trás.

A Visita de Paulo a Atenas

A aparição do apóstolo em Atenas é um evento de grande importância em sua história. Atenas era, em certos aspectos, a capital do mundo, e a sede da cultura e filosofia grega; mas era também o ponto central da superstição e idolatria.

É muito interessante observar que o apóstolo não tinha pressa de começar seu trabalho nesse lugar. Ele concedeu tempo à reflexão. Pensamentos profundos, e o pesar de tudo na presença de Deus e à luz da morte e ressurreição de Cristo, encheram sua mente. Sua primeira intenção era esperar pela chegada de Silas e Timóteo. Ele tinha enviado uma mensagem para Bereia para que eles fossem ter com ele o mais rápido possível. Mas quando ele se viu rodeado de templos, e altares, e estátuas, e adoração idólatra, ele não podia mais ficar em silêncio. Como de costume, ele começa com os judeus, mas também disputa diariamente com os filósofos no mercado: cristianismo e paganismo então se confrontam abertamente entre si; e, vale observar, o apóstolo do cristianismo estava sozinho em Atenas, enquanto o lugar fervilhava de apóstolos do paganismo; e tão numerosos eram os objetos de adoração, que um satirista uma vez observou: “É mais fácil encontrar um deus que um homem em Atenas”.

Alguns, com desprezo, ridicularizavam o que ouviam, e outros ouviam e desejavam ouvir mais. “E alguns dos filósofos epicureus e estóicos contendiam com ele; e uns diziam: Que quer dizer este paroleiro? E outros: Parece que é pregador de deuses estranhos; porque lhes anunciava a Jesus e a ressurreição.” (Atos 17:18). Estas palavras tinham causado grande impressão, e permaneceram claramente em suas mentes. Que novidade, e que bendita realidade para as almas! A Pessoa de Cristo; não uma teoria: o fato da ressurreição; não uma sombria incerteza quanto ao futuro. O ministro de Cristo desnuda aos estudados atenienses a temerosa condição em que se encontravam sob a visão do verdadeiro Deus. No entanto, eles desejavam uma exposição mais plena e mais deliberada sobre esses misteriosos assuntos, e levaram Paulo ao Areópago.

Desse lugar, o Areópago, é dito que era o mais conveniente e apropriado para um discurso. A mais solene corte da justiça havia sentado desde tempos imemoriais na colina do Areópago. Os juízes se sentavam ao ar livre sobre assentos escavados na rocha. Nesse local, muitas questões solenes tinham sido discutidas, e muitos casos solenes decididos: começando com o lendário julgamento de Marte, o que deu ao lugar o nome de “colina de Marte”.

Foi nesse cenário que Paulo dirigiu-se à multidão. Não há um momento sequer na história do apóstolo, ou na história do começo do cristianismo, mais profundamente interessante ou mais conhecido que este. Inspirado por sentimentos para a honra de Deus, e cheio do conhecimento sobre a condição do homem à luz da cruz, o que deve ter ele sentido enquanto estava na colina de Marte? Para onde quer que voltasse os olhos, os sinais da idolatria em suas milhares de formas se levantavam diante dele. Ele poderia ter sido traído, diante das circunstâncias, a falar com exagerada ousadia; mas ele dominou seus sentimentos, e absteve-se de uma linguagem intemperada. Considerando a fervência de seu espírito, e a grandeza de seu zelo pela verdade, foi um notável exemplo de auto-negação e auto-controle. Mas seu Senhor e Mestre estava com ele, embora para o olho humano ele estivesse sozinho diante dos atenienses e dos muitos estrangeiros que se reuniam naquela universidade do mundo.

Pela sabedoria, prudência, raciocínio claro e perfeita habilidade, o discurso de Paulo se destaca nos anais da história da humanidade. Ele não começou atacando seus falsos deuses, ou denunciando a religião deles como uma ilusão satânica e objeto de seu ódio absoluto. O zelo sem conhecimento teria feito assim, e teria ficado satisfeito com sua própria fidelidade. Mas no discurso que temos diante de nós temos um exemplo da melhor maneira de se aproximar das mentes e corações de pessoas ignorantes e preconceituosas de qualquer idade. Que o Senhor possa dar sabedoria a todos Seus servos para seguir este exemplo!

Suas palavras de abertura são, ao mesmo tempo, vencedoras e reprobatórias: “Homens atenienses, em tudo vos vejo um tanto supersticiosos.” (Atos 17:22). Ele, então, começa reconhecendo que eles tinham sentimentos religiosos, mas que estavam na direção errada; e então fala de si como sendo um que estava disposto a conduzi-los ao conhecimento do verdadeiro Deus: “Esse, pois, que vós honrais, não o conhecendo, é o que eu vos anuncio.” (Atos 17:23). Ele sabiamente seleciona, para seu texto, a inscrição: “AO DEUS DESCONHECIDO” (Atos 17:23). Isto lhe dá a oportunidade de começar do mais baixo degrau da escada da verdade. Ele fala da unicidade de Deus, o Criador, e da relação do homem com Ele. Mas ele logo deixa o argumento contra a idolatria e procede pregando o evangelho. E ainda assim ele tem o cuidado de não introduzir o nome de Jesus em seu discurso público. Ele tinha tinha feito isso totalmente em suas ministrações mais particulares: mas, estando cercado pelos discípulos e admiradores de nomes como Sócrates, Platão, Zeno e Epícuro, ele sagradamente guarda o santo nome de Jesus do risco de uma comparação com tais. Ele bem sabia que o nome do humilde Jesus de Nazaré era “loucura (bobagem) para os gregos” (1 Coríntios 1:23). No entanto, é fácil observar que, próximo ao fim de seu discurso, a atenção de toda a audiência está concentrada no homem Cristo Jesus, embora Seu nome não seja mencionado em todo o discurso. Então ele procede: “Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam; porquanto tem determinado um dia em que com justiça há de julgar o mundo, por meio do homem que destinou; e disso deu certeza a todos, ressuscitando-o dentre os mortos.” (Atos 17:30-31). Aqui a paciência de sua audiência acabou - seu discurso foi interrompido. Mas a última impressão deixada em suas mentes era de eterno peso e importância. O apóstolo inspirado se dirigiu às consciências, e não à curiosidade intelectual dos filósofos. A menção da ressurreição dos mortos e do julgamento do mundo, com tal poder e autoridade, não podia deixar de perturbar aqueles orgulhosos e auto-indulgentes homens. O princípio essencial, ou o maior objetivo, do filósofo epicureu, era satisfazer a si mesmo; o do estoico era uma orgulhosa indiferença ao bem e ao mal, ao prazer e a dor.

Que dúvidas podemos ter de que essa notável assembleia se desfaria em meio ao escárnio desdenhoso de alguns e à gélida indiferença de outros? Mas, apesar de tudo, o cristianismo tinha ganhado sua primeira e nobre vitória sobre a idolatria e, quaisquer que tenham sido os resultados imediatos do discurso de Paulo, sabemos que tem sido de bênção para muitos desde então, e que ainda trará muitos frutos em muitas almas, e continuará a dar frutos para a glória de Deus sempre e sempre.

Paulo agora se afasta do meio deles. Ele não parece ter sido expulso por qualquer tumulto ou perseguição. O bendito Senhor lhe concedeu provar de Sua própria alegria e da alegria dos anjos quando alguns pecadores contritos o buscaram: “entre os quais foi Dionísio, areopagita, uma mulher por nome Dâmaris, e com eles outros.” (Atos 17:34). Mas na cidade militar de Filipos, e nas cidades mercantis de Tessalônica e Corinto, o número de conversões parece ter sido muito maior do que na altamente educada e civilizada cidade de Atenas. Isto é profundamente humilhante para o orgulho do homem, e para os vangloriosos poderes da mente humana. Uma Epístola foi escrita aos filipenses, duas aos tessalonicenses, e duas aos coríntios: mas não temos nenhuma carta escrita por Paulo aos atenienses, e não lemos de ter ele outra vez visitado Atenas.

A Visita de Paulo a Corinto

A conexão de Corinto com a história, com os ensinos e com os escritos de nosso apóstolo é quase tão íntima e importante quanto Jerusalém ou Antioquia. Corinto pode ser considerada seu centro na Europa. Aqui Deus teve “muito povo” (Atos 18:10), e aqui Paulo “ficou um ano e seis meses, ensinando entre eles a palavra de Deus.” (Atos 18:11). Foi também em Corinto que ele escreveu suas duas primeiras cartas apostólicas - as duas Epístolas aos Tessalonicenses.

Corinto, a capital romana da Grécia, era uma grande cidade mercantil, em conexão imediata com Roma e com o oeste do Mediterrâneo, com Tessalônica e Éfeso no Mar Egeu, e com a Antioquia e Alexandria a leste. Assim, por meio de seus dois notáveis portos, a cidade recebia embarcações tanto dos mares ocidentais quanto dos mares orientais.10

Paulo parece ter viajado sozinho a Corinto. Se Timóteo foi ter com ele quando em Atenas (1 Tessalonicenses 3:1), ele foi enviado de volta a Tessalônica, lugar pelo qual, como veremos em breve, Paulo tinha grande afeição no coração. Logo após sua chegada ele inesperadamente encontrou dois amigos e companheiros na obra: Áquila e sua esposa Priscila. Nesta época em particular deveria haver um número maior de judeus em Corinto do que o normal, “pois Cláudio tinha mandado que todos os judeus saíssem de Roma.” (Atos 18:2) O Senhor usou, assim, o banimento de Áquila e Priscila para fornecer um lugar para Seu solitário servo ficar. Eles eram da sua terra (Israel), do seu mesmo ramo de negócio, e do mesmo coração e espírito. “E, como era do mesmo ofício, ficou com eles, e trabalhava; pois tinham por ofício fazer tendas.” (Atos 18:3)

Quão graciosos e maravilhosos são os caminhos do Senhor para Seu servo. Em uma cidade de riqueza e comércio cercada de gregos nativos, colonos romanos, e judeus vindos de todos os cantos, ele trabalha silenciosamente em seu próprio comércio de modo a não ser um incômodo para nenhum deles. Aqui temos, de certo modo, um exemplo da mais profunda e elevada espiritualidade combinada com o trabalho diligente nas coisas comuns desta vida. Que exemplo! E que lição! Sua labuta diária não gerava impedimento à sua comunhão com Deus. Nunca ninguém conheceu tão bem, ou sentiu tão profundamente, o valor do evangelho que ele carregava consigo: as questões da vida e da morte estavam ligadas a isso, e mesmo assim ele podia se entregar ao trabalho comum. Mas isto ele fez, assim como a pregação, para o Senhor e para Seus santos. Ele frequentemente se refere a isto em suas Epístolas, e fala disso como um de seus privilégios: “E em tudo me guardei de vos ser pesado, e ainda me guardarei. Como a verdade de Cristo está em mim, esta glória não me será impedida nas regiões da Acaia.” (2 Coríntios 11:9,10) 11

Há outra coisa relacionada a esta característica do percurso do apóstolo que é de grande interesse. Acredita-se, em geral, que ele tenha escrito suas duas epístolas aos tessalonicenses mais ou menos nessa época, e alguns pensam que também a Epístola aos Gálatas. Estas permanecem diante de nós como verdadeiras testemunhas de sua proximidade com Deus e sua comunhão com Ele, enquanto se mantinha com o trabalho de suas próprias mãos. Mas quando chega o sábado de descanso, a oficina é fechada, e Paulo vai à sinagoga. Este era seu hábito. “E todos os sábados disputava na sinagoga, e convencia a judeus e gregos” (Atos 18:4). Mas enquanto Paulo estava ocupado, tanto nos dias de semana quanto nos sábados, Silas e Timóteo chegaram da Macedônia. É evidente que eles trouxeram consigo alguma ajuda que iria ajudar a suprir as necessidades do apóstolo naquele tempo, e assim aliviá-lo de tal trabalho constante.

A chegada de Silas e Timóteo parece ter encorajado e fortalecido o apóstolo. Seu zelo e energia no evangelho são evidentemente fortalecidos. Ele “foi impulsionado no espírito, testificando aos judeus que Jesus era o Cristo.” (Atos 18:5), mas eles se opuseram à sua doutrina e blasfemaram. Isto levou Paulo a tomar seu curso com grande ousadia e decisão. Ele sacode a roupa, como sinal de estar limpo do sangue deles, e declara que dali em diante passará a tratar com os gentios. Em tudo isto ele foi conduzido por Deus, e agiu de acordo com Sua mente. Enquanto era possível, ele pregava na sinagoga; mas quando ele não mais podia estar lá, foi compelido a usar o lugar mais conveniente que ele podia encontrar. Em Éfeso, ele pregou na escola de um tal de Tirano; em Roma, ele “ficou dois anos inteiros na sua própria habitação que alugara, e recebia todos quantos vinham vê-lo;” (Atos 28:30); e aqui, em Corinto, um prosélito chamado Justo abriu sua casa ao rejeitado apóstolo.

Nessa particular crise na história do apóstolo ele foi favorecido com outra revelação especial do próprio Senhor. “E disse o Senhor em visão a Paulo: Não temas, mas fala, e não te cales; porque eu sou contigo, e ninguém lançará mão de ti para te fazer mal, pois tenho muito povo nesta cidade. E ficou ali um ano e seis meses, ensinando entre eles a palavra de Deus.” (Atos 18:9-11). Porém, novamente, seus implacáveis inimigos se enfurecem. O grande sucesso do evangelho entre os pagãos excitou a raiva dos judeus contra Paulo, que procuraram usar a vinda de Gálio, um novo governador, para realizar suas más intenções.

Gálio foi o irmão de Sêneca, o filósofo, e, como tal, era muito bem instruído. Ele era sábio, justo e tolerante como governador, embora desdenhoso em seu tratamento com as coisas sagradas. Mas o Senhor, que estava com Seu servo como Ele mesmo tinha dito, usou a incrédula indiferença de Gálio para derrotar os maliciosos desígnios dos judeus, e para virar suas falsas acusações contra eles mesmos. Como estavam frustrados em seus propósitos malignos, o apóstolo tinha maior liberdade e menos aborrecimento ao levar em frente a obra do evangelho. Seus benditos frutos logo se manifestaram por toda a província da Acaia (1 Tessalonicenses 1:8,9)

A Rápida Visita de Paulo a Éfeso

O momento chegou em que Paulo achou por bem deixar Corinto e revisitar Jerusalém. Ele tinha um grande desejo de estar na próxima festa. Mas antes de partir, recebeu uma solene despedida da jovem assembleia, prometendo (o Senhor permitindo) retornar.

Acompanhado de Áquila e Priscila, ele deixa Corinto em paz. Mas quando no porto, antes da partida, aconteceu uma cerimônia que levantou não pouca discussão. Paulo, estando sob um voto, raspa sua cabeça em Cencreia. Em sua própria mente, e como um que era guiado pelo Espírito, temos certeza de que ele estava muita acima e além de uma religião de festas e votos, mas mesmo assim, inclinou-se, em graça, aos costumes de sua nação. Aos judeus ele se torna um judeu. A constante oposição dos judeus à sua doutrina e a violenta perseguição nunca enfraqueceram as afeições do apóstolo para com seu amado povo: certamente tal proceder vinha de Deus. Enquanto ele procurava, na energia do Espírito, pregar o evangelho aos gentios, ele nunca esquecia, em fidelidade à palavra de Deus, de pregar aos judeus primeiro. Assim ele é para nós como a viva expressão da graça de Deus para com os gentios, e de suas remanescentes afeições para com os judeus.

A equipe missionária chega a Éfeso. Paulo vai à sinagoga e debate com os judeus. Eles parecem inclinados a ouvi-lo, mas ele tem um forte desejo de subir a Jerusalém e celebrar a festa que se aproxima. Assim ele “se despediu deles, dizendo: É-me de todo preciso celebrar a solenidade que vem em Jerusalém; mas querendo Deus, outra vez voltarei a vós. E partiu de Éfeso.” (Atos 18:21)

A Quarta Visita de Paulo a Jerusalém

Não nos são fornecidas quaisquer informações, pelos historiadores sagrados, sobre o que ocorreu em Jerusalém naquela ocasião. Apenas nos é dito que Paulo “subiu a Jerusalém e, saudando a igreja, desceu a Antioquia.” (Atos 18:22). Mas seu intenso desejo de fazer esta visita pode nos assegurar sua grande importância. Ele pode ter sentido que tinha chegado a hora quando os judeus cristãos, reunidos na festa, deveriam ouvir um relato completo da recepção do evangelho entre os gentios. Colônias romanas e capitais gregas tinham sido visitadas, e uma grande obra de Deus tinha sido cumprida. Tudo isto teria sido perfeitamente natural e correto, mas desejamos não remover o véu que o Espírito Santo colocou sobre essa visita.

Paulo desce de Jerusalém à Antioquia, visitando todas as assembleias que ele tinha inicialmente formado; e assim, de certo modo, unindo sua obra: Antioquia e Jerusalém. Até onde sabemos, foi a última visita de Paulo à Antioquia. Já vimos como novos centros de vida cristã tinham sido estabelecidos por ele nas cidades gregas do Egeu. O curso do evangelho segue cada vez mais para o Ocidente, e a parte inspirada da biografia do apóstolo, após um curto período de profundo interesse na Judeia, finalmente se centraliza em Roma.

O Retorno de Paulo à Antioquia

Após uma jornada que se estendeu em um espaço de três ou quatro anos, nosso apóstolo retorna à Antioquia. Ele tinha viajado um longo circuito, e disseminado o cristianismo em muitas cidades prósperas e populosas, quase que inteiramente por seus próprios esforços. Se o leitor deseja manter interesse na história de Paulo, deve notar clara e distintamente as grandes épocas na vida de Paulo, e os principais pontos em suas diferentes jornadas. Mas antes de começar com Paulo em sua terceira jornada missionária, pode ser interessante tomar nota de um outro grande pregador do evangelho que aparece exatamente neste momento, e cujo nome, ao lado do apóstolo, é talvez o mais importante na história do início da igreja (N. do T., tirando o nome do próprio Senhor).

Apolo era um judeu de nascença, natural da Alexandria. Ele era um “homem eloquente e poderoso nas Escrituras … conhecendo somente o batismo de João” (Atos 18:24,25). Ele era devoto, sincero e reto, publicamente confessando e pregando aquilo que conhecia, e o poder do Espírito Santo era manifesto nele. Não parece que ele tenha recebido qualquer designação, ordenação ou sanção de qualquer tipo, nem dos doze nem de Paulo. Mas o Senhor, que está acima de todos, o chamou, e estava agindo nele e por ele. Vemos assim, no caso de Apolo, a manifestação do poder e liberdade do Espírito Santo, sem a intervenção humana. É interessante observar isto. A ideia de um clericalismo exclusivo é a negação prática da liberdade do Espírito em agir por quem Ele quer. Mas embora ardente em zelo e um locutor poderoso, Apolo conhecia apenas o que João (o batista) tinha ensinado a seus discípulos. O Senhor sabia disto, e proveu mestres para ele. Dentre aqueles que ouviam a seus fervorosos apelos, dois dos bem instruídos discípulos de Paulo foram conduzidos a tomar um interesse especial por ele. E embora ela fosse ensinado e eloquente, ele era humilde o bastante para ser instruído por Áquila e Priscila. Eles o convidaram à sua casa e, sem dúvida, em espírito humilde, “lhe declararam mais precisamente o caminho de Deus” (Atos 18:26). Que simples! Que natural! E que belo! Tudo é do Senhor. Ele ordenou que Áquila e Priscila fossem deixados em Éfeso - que Apolo deveria vir e animar o povo em Éfeso antes da chegada de Paulo; e, após ser instruído, que deveria ir a Corinto e ajudar na boa obra naquele lugar, obra esta iniciada por Paulo. Apolo regou o que Paulo tinha plantado, e Deus deu um aumento abundante. Tais são os benditos caminhos do Senhor em Seu pensativo amor e carinhoso cuidado por Seus servos, e por todas as Suas assembleias.

Para os mais recentes e melhores relatos sobre a cidade e suas cercanias, indicamos Cinco Anos em Damasco, de Porter.↩

Synopsis of the Books of the Bible, volume 4, página 53,54. [Segunda Edição, Janeiro de 1950])↩

N. do T.: fanatismo dos crentes judeus pela guarda da lei pelos gentios↩

N. do T.: a igreja em Jerusalém, sendo a primeira igreja onde predominavam os judeus, e a igreja em Antioquia, sendo a primeira igreja onde predominavam os gentios↩

Veja História do Novo Testamento, de Smith↩

Sinopse dos Livros da Bíblia, por J. N. Darby.↩

Veja Notas sobre o Livro de Daniel, por W. Kelly.↩

A ação do Espírito quanto à família parece ter sido marcante entre os gentios; entre os judeus, até onde sabemos, não ouvimos falar disso. Encontramos, também, distritos entre os judeus, e também entre os samaritanos, que foram poderosamente impressionados (para dizer o mínimo) pelo evangelho. Mas entre os gentios, famílias parecem ter sido particularmente visitadas pela graça divina, como registrado pelo Espírito. Tome por exemplo Cornélio, o carcereiro e Estéfanas; de fato, encontramos isso vez após vez. Isto é extremamente encorajador - especialmente para nós. - Extraído de Leituras Introdutórias dos Atos dos Apóstolos, etc., por W. Kelly↩

Veja os artigos evangelísticos sobre as principais personagens deste capítulo em Things New and Old, vol. 12, páginas 29-97.↩

Para detalhes geográficos mais completos e detalhados, veja A Vida e as Epístolas de São Paulo, de Conybeare e Howson. Também acrescentamos que essa é nossa principal fonte no que diz respeito às datas. É provavelmente o melhor e mais abrangente livro sobre a história do grande Apóstolo, com exceção das próprias Escrituras↩

Como alguns têm supervalorizado essa passagem, e outros a têm subestimado, pode ser interessante observar o que cremos ser seu verdadeiro significado. A decisão do apóstolo de não ser pesado aos santos, como aqui tão fortemente expressa, se aplica principalmente, se não exclusivamente, à igreja de Corinto. Um importante princípio estava envolvido, mas foi um princípio de particular aplicação ao caso, e não geral. Ele reconhece as dádivas das outras igrejas da maneira mais grata possível (Filipenses 4) e, ao escrever aos coríntios mais tarde, ele diz: “Outras igrejas despojei eu para vos servir, recebendo delas salário; e quando estava presente convosco, e tinha necessidade, a ninguém fui pesado. Porque os irmãos que vieram da macedônia supriram a minha necessidade” (2 Coríntios 11:8,9). O apóstolo, sem dúvida, tinha a melhor das razões para recusar, dessa maneira, a comunhão com a igreja em Corinto. Sabemos que havia “falsos apóstolos” e muitos inimigos lá, e que muitas perturbações graves e sérias tinham sido permitidas entre eles, as quais ele fortemente repreendeu e procurou corrigir. Sob tais circunstâncias, para que seus motivos não fossem mal interpretados, o apóstolo preferiu trabalhar com suas próprias mãos do que receber apoio da igreja em Corinto. E, “Por quê?”, ele pergunta, “Porque não vos amo? Deus o sabe. Mas o que eu faço o farei, para cortar ocasião aos que buscam ocasião, a fim de que, naquilo em que se gloriam, sejam achados assim como nós” (2 Coríntios 11:11-12).↩

A Terceira Viagem de Paulo

A Terceira Viagem Missionária de Paulo (por volta de 54 d.C.)

Tendo passado “algum tempo” na Antioquia, Paulo deixa o centro gentio e parte para outra viagem missionária. Nada é dito sobre seus companheiros nesta ocasião. Ele “passou sucessivamente pela província da Galácia e da Frígia, confirmando a todos os discípulos” (Atos 18:23), e também dando instruções para a coleta em favor dos santos pobres em Jerusalém (1 Coríntios 16:1,2). Em pouco tempo ele chegou ao centro de sua obra na Ásia.

Éfeso. Nesta época era a maior cidade da Ásia Menor, e a capital da província. Devido à sua posição central, era o ponto de encontro comum de várias personagens e classes de homens. Por esta altura, Apolo tinha partido para Corinto, mas ainda havia outros doze discípulos de João em Éfeso. Paulo fala com eles sobre seu estado e posição. Devemos tomar uma rápida nota do que ocorreu.

O batismo de João requeria o arrependimento, mas não a separação da sinagoga judaica. O evangelho ensina que o cristianismo é fundamentado na morte e ressurreição. O batismo cristão é um símbolo significativo e expressivo dessas verdades. “Sepultados com ele no batismo, nele também ressuscitastes pela fé no poder de Deus, que o ressuscitou dentre os mortos.” (Colossenses 2:12) Como esses homens eram inteiramente ignorantes sobre as verdades fundamentais do cristianismo, supomos que eles nunca tinham se misturado com cristãos. O apóstolo, sem dúvida, explicou para eles sobre a eficácia da morte e ressurreição de Cristo, e sobre a descida do Espírito Santo. Eles creram na verdade e receberam o batismo cristão. Então Paulo, por sua capacitação apostólica, impõe suas mãos sobre eles, e eles são selados com o Espírito Santo, “e falavam línguas, e profetizavam” (Atos 19:6).

Imediatamente após a menção desse importante acontecimento, nossa atenção é direcionada às obras do apóstolo na sinagoga. Durante três meses ele pregou a Cristo ousadamente lá, disputando e persuadindo seus ouvintes “acerca do reino de Deus.” (Atos 19:8). Os corações de alguns “se endureceram”, enquanto outros se arrependeram e creram; mas enquanto muitos dos judeus tomaram o lugar dos adversários, e “falaram mal do Caminho perante a multidão” (Atos 19:9), Paulo age da forma mais definitiva possível. Ele “separou os discípulos” da sinagoga judaica e deles formou uma nova assembleia, se reunindo com eles “diariamente na escola de um certo Tirano” (Atos 19:9). Este é um ato profundamente interessante e instrutivo por parte do apóstolo, mas ele age conscientemente no poder e na verdade de Deus. A igreja em Éfeso é agora perfeitamente distinta, tanto em relação aos judeus quanto em relação aos gentios. Aqui vemos ao que o apóstolo, em outro lugar, se refere em sua exortação: “Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus.” (1 Coríntios 10:32). Onde esta importante distinção não é vista haverá grande confusão de pensamento tanto quanto à Palavra quanto aos caminhos de Deus.

O apóstolo agora aparece como o instrumento do poder de Deus de forma notável e marcante. Ele comunica o Espírito Santo aos doze discípulos de João, separa os discípulos de Jesus e formalmente funda a igreja em Éfeso. Seu testemunho ao Senhor Jesus é ouvido em toda a Ásia, tanto pelos judeus quanto pelos gregos; milagres extraordinários são operados por suas mãos e enfermidades fugiam de muitos apenas ao tocar a borda de suas vestes. O poder do inimigo desaparece diante do poder que está em Paulo; as consciências dos pagãos são alcançadas, e o domínio do inimigo sobre eles se vai. O medo caiu sobre muitos que “seguiam artes mágicas”, e eles mesmos queimaram seus livros de magia que, no total, custariam hoje em dia cerca de R \$1:300:000,00. “Assim a palavra do Senhor crescia poderosamente e prevalecia.” (Atos 19:20). Assim o poder do Senhor foi demonstrado na pessoa e na missão de Paulo, e seu apostolado estabelecido de forma inquestionável.

O apóstolo havia agora passado cerca de três anos de incessante trabalho em Éfeso. E ele mesmo diz, ao se dirigir aos anciãos em Mileto: “Portanto, vigiai, lembrando-vos de que durante três anos, não cessei, noite e dia, de admoestar com lágrimas a cada um de vós.” (Atos 20:31). É também suposto que, durante este período, ele tenha feito uma rápida visita e tenha escrito a Primeira Epístola aos Coríntios.

O Tumulto em Éfeso

Um grande e abençoado trabalho tinha agora sido cumprido pela poderosa energia do Espírito de Deus, por meio de Seu servo escolhido, Paulo. O evangelho tinha sido pregado na capital da Ásia, e tinha sido espalhado por toda a província. O apóstolo agora sentia que seu trabalho tinha terminado ali, e planeja ir a Roma, a capital do Ocidente e metrópole do mundo. A Grécia e a Macedônia já tinham recebido o evangelho, mas ainda faltava Roma. “E, cumpridas estas coisas, Paulo propôs, em espírito, ir a Jerusalém, passando pela Macedônia e pela Acaia, dizendo: Depois que houver estado ali, importa-me ver também Roma.” (Atos 19:21)

Mas enquanto Paulo fazia os arranjos para a próxima viagem, o inimigo planejava um novo ataque. Seus recursos ainda não tinham sido esgotados. Demétrio excita a multidão ignorante contra os cristãos. Um grande tumulto começa, sendo as paixões dos homens despertadas contra os instrumentos do testemunho de Deus. Os oficiais de Demétrio levantaram o clamor de que não somente a profissão deles corria perigo, como também que o templo da grande deusa Diana corria o risco de ser desprezado. Quando a multidão ouviu essas coisas, se encheram de raiva e gritaram, dizendo: “Grande é a Diana dos efésios.” (Atos 19:28). A cidade inteira estava agora imersa em confusão, mas Paulo misericordiosamente - pelos seus irmãos, e por alguns dos principais governantes da Ásia que eram seus amigos - se abstém de comparecer ao teatro.

Os judeus evidentemente começaram a temer que a perseguição se voltasse contra eles, pois a maioria das pessoas não sabia com que propósito tinham ali se ajuntado. Eles, então, põem um certo Alexandre diante da multidão, provavelmente com a intenção de transferir a atenção para cima dos cristãos; mas no momento em que os pagãos descobriram que ele era um judeu, a fúria deles aumentou: o grito de guerra foi novamente levantado, e por duas horas inteiras as pessoas gritavam: “Grande é a Diana dos efésios.”. Felizmente, para todas as partes, o escrivão da cidade era um homem de grande tato e admirável política. Ele acalmou e dissolveu a aglomeração. Mas, para a fé, era Deus usando a eloquência persuasiva de um oficial pagão para proteger Seus servos e Seus muitos filhos que estavam ali.

O tão afamado templo de Diana foi contado pelos antigos como uma das maravilhas do mundo; o sol, diziam, não via nada em seu curso mais magnífico que o templo de Diana. Era construído com o mais puro mármore, e levou 220 anos para ser terminado. Mas com a disseminação do cristianismo, se afundou em decadência, e quase nada dele agora sobrou para nos mostrar como era. O comércio de Demétrio era a confecção de pequenos modelos em prata do santuário da deusa. Estes eram colocados nas casas, guardados em memoriais e carregados em viagens. Mas como a introdução do cristianismo necessariamente afetou as vendas desses modelos, os artesãos pagãos foram instigados por Demétrio a levantar um clamor popular em favor de Diana contra os cristãos.

A Partida de Paulo de Éfeso para a Macedônia

Atos 20. Após o tumulto ter cessado, o perigo acabado e os manifestantes dispersos, Paulo se despede dos discípulos, os abraça, e parte para a Macedônia. Dois dos irmãos efésios, Tíquico e Trófimo, parecem tê-lo acompanhado, mantendo-se fiéis a ele em meio a todas as suas aflições. Eles são mencionados com frequência, e inclusive aparecem no último capítulo de sua última epístola, em 2 Timóteo 4.

O historiador sagrado é extremamente breve em seu registro sobre o proceder de Paulo neste momento. Toda a informação que ele dá é comprimida nas seguintes palavras: “Saiu para a macedônia. E, havendo andado por aquelas terras, exortando-os com muitas palavras, veio à Grécia. E, passando ali três meses…” (Atos 20:1-3). É geralmente suposto que essas poucas palavras abrangem um período de nove ou dez meses - do começo do verão de 57 d.C. até a primavera de 58 d.C. Mas esta falta de informação é, felizmente, suprida nas cartas do apóstolo. Aquelas que foram escritas durante essa jornada nos suprem com vários detalhes históricos e, o que é melhor, elas nos dão, da sua própria caneta, uma imagem viva dos profundos e dolorosos exercícios da mente e do coração pelas quais ele estava passando.

Parece que Paulo tinha combinado de se encontrar com Tito em Trôade, que lhe traria notícias direto de Corinto sobre o estado das coisas por lá. Mas semana após semana se passou, e Tito não aparecia. Sabemos alguma coisa sobre as obras dessa grande mente e coração nesse tempo pelo que ele mesmo diz: “Ora, quando cheguei a Trôade para pregar o evangelho de Cristo, e abrindo-se-me uma porta no Senhor, não tive descanso no meu espírito, porque não achei ali meu irmão Tito; mas, despedindo-me deles, parti para a macedônia.” (2 Coríntios 2:12,13). Sua ansiedade pessoal, no entanto, não o impediu de ir em frente com a grandiosa obra do evangelho. Isto é evidente nos versículos de 14 a 17.

Finalmente o há muito esperado Tito chega à Macedônia, provavelmente em Filipos. E agora a mente de Paulo é aliviada e seu coração confortado. Tito lhe traz melhores notícias de Corinto do que ele esperava ouvir. A reação é manifesta: ele se enche de louvor a Deus: “Grande é a ousadia da minha fala para convosco”, diz ele, “grande a minha jactância a respeito de vós; estou cheio de consolação; transbordo de gozo em todas as nossas tribulações. Porque, mesmo quando chegamos à macedônia, a nossa carne não teve repouso algum; antes em tudo fomos atribulados: por fora combates, temores por dentro. Mas Deus, que consola os abatidos, nos consolou com a vinda de Tito.” (2 Coríntios 7:4-6)

Logo após isso, Paulo escreve sua Segunda Epístola aos Coríntios, que descobrimos ser dirigida não apenas a eles, mas a todas as igrejas em toda a Acaia. Todas elas podiam ter sido mais ou menos afetadas pela condição das coisas em Corinto. Tito é novamente o servo voluntário do apóstolo, não apenas como portador da segunda carta à igreja em Corinto, mas também tendo um papel especial nas coletas que eles faziam para os pobres. Paulo não apenas dá a Tito estritas instruções sobre as coletas, como também escreve dois capítulos sobre o assunto (capítulos 8 e 9 ), embora este fosse mais o trabalho de diáconos do que de apóstolos. Mas, como tinha dito ele em resposta à sugestão de Tiago, Cefas e João, de que ele deveria se lembrar dos pobres - “Recomendando-nos somente que nos lembrássemos dos pobres, o que também procurei fazer com diligência.” (Gálatas 2:10)

O espaço que o apóstolo dedica aos assuntos relacionados às coletas para os pobres é notável e merece nossa cuidadosa consideração. Pode ser que alguns de nós tenhamos ignorado este fato até agora. Observe, por exemplo, o que ele diz de uma igreja em particular. Temos boas razões para acreditar que os filipenses, desde o começo, se importavam com o apóstolo - eles o pressionaram a aceitar suas contribuições para ajudá-lo, desde sua primeira visita a Tessalônica até seu aprisionamento em Roma, além de sua generosidade para com os outros (2 Coríntios 8:1-4). Mas alguns podem imaginar, a partir disso, que eles eram uma igreja rica. Pelo contrário. Paulo nos diz: “Como em muita prova de tribulação houve abundância do seu gozo, e como a sua profunda pobreza abundou em riquezas da sua generosidade.” (2 Coríntios 8:2). Eles doavam com tanta generosidade o que tinham de sua própria pobreza.

O que os filipenses são nas Epístolas, a viúva pobre é nos Evangelhos - duas moedinhas era tudo o que ela tinha. Ela podia ter dado uma e ficado com a outra; mas ela tinha um coração não dividido, e ela deu as duas. Ela, também, deu o que tinha de sua pobreza, e onde quer que o evangelho seja pregado por todo o mundo, essas coisas hão de ser contadas como um memorial da generosidade deles.

Após Paulo ter enviado a Tito e os que estavam com ele com a Epístola, ele permaneceu “naquelas partes” da Grécia fazendo a obra de um evangelista. Sua mente, no entanto, almejava fazer uma visita pessoal aos coríntios. Mas ele concedeu tempo para que sua carta produzisse seus próprios efeitos sob a bênção de Deus. Um dos objetivos do apóstolo era preparar o caminho para seu ministério pessoal entre eles. É comum o pensamento de que foi durante este período que ele pregou plenamente o evangelho de Cristo aos arredores até o Ilírico (Romanos 15:19). É provável que ele tenha alcançado Corinto no inverno, de acordo com sua expressa intensão: “E bem pode ser que fique convosco, e passe também o inverno” (1 Coríntios 16:6). Lá ele ficou por três meses.

Todos estão de acordo, podemos dizer, que foi durante esses meses de inverno que ele escreveu sua grande Epístola aos Romanos. Alguns dizem que ele também escreveu sua Epístola aos Gálatas neste mesmo período. Mas há grande diversidade de opiniões entre os cronologistas sobre este ponto. Pela ausência de nomes e saudações, como temos na Epístola aos Romanos, é difícil determinar sua data. Mas se ela não foi escrita neste tempo em particular, mesmo assim devemos mencioná-la mais cedo, e não mais tarde. O apóstolo ficou surpreso pelo antecipado abandono da verdade. “Maravilho-me”, diz ele, “de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho” (Gálatas 1:6). Seu grande desapontamento é manifesto no calor do espírito no qual escreve essa Epístola.

Mas devemos retornar à história do nosso apóstolo: não nos adentraremos mais a fundo nas sutilezas da cronologia. Mas após compararmos as últimos escritos, relataremos o que acreditamos serem as datas mais confiáveis.

Paulo deixa Corinto

A obra do apóstolo tinha agora sido terminada em Corinto, e ele se prepara para ir embora. Sua mente se inclinava a ir a Roma, mas havia uma missão de caridade em seu coração a qual ele devia acatar primeiro. Somos favorecidos com suas próprias palavras sobre esses diferentes pontos: “Mas agora, que não tenho mais demora nestes sítios, e tendo já há muitos anos grande desejo de ir ter convosco, quando partir para Espanha irei ter convosco; pois espero que de passagem vos verei, e que para lá seja encaminhado por vós, depois de ter gozado um pouco da vossa companhia. Mas agora vou a Jerusalém para ministrar aos santos. Porque pareceu bem à macedônia e à Acaia fazerem uma coleta para os pobres dentre os santos que estão em Jerusalém.” (Romanos 15:23-26). Quanto à sequência de nomes em Atos 20:4 - Sópater, Aristarco, Segundo, Gaio, Tíquico e Trófimo - supõe-se que sejam irmãos que tinham em mãos as coletas que tinham sido feitas nos diferentes lugares mencionados. Em vez de velejar direto para a Síria, ele rodeia a Macedônia, por causa dos judeus que estavam à espreita. Seus companheiros o esperavam em Trôade. Lá ele passou o dia do Senhor (domingo) e uma semana inteira, a fim de ver os irmãos.

Devemos observar brevemente o que aconteceu nesse estágio de sua jornada. Duas coisas, de imensa importância para os cristãos, estão ligadas a isso - o dia do Senhor e a Ceia do Senhor. O historiador, que estava com Paulo nesse tempo, entra com incomum minúcia sobre os detalhes daquele dia.

É evidente, a partir desta incidental observação, que era o estabelecido costume dos primeiros cristãos se reunirem no “primeiro dia da semana” com a compreendida finalidade do “partir o pão”. Temos aqui o principal objetivo e o momento normal da reunião deles. “E no primeiro dia da semana, ajuntando-se os discípulos para partir o pão” (Atos 20:7; Veja também 1 Coríntios 16:2, João 20:19, Apocalipse 1:10). Mesmo o discurso do apóstolo, precioso como era, é mencionado como algo secundário. A lembrança do amor do Senhor ao morrer por nós, e tudo aquilo que Ele nos deu ao ressuscitar, era, e continua sendo, o principal. Se houver uma oportunidade também para o ministério da Palavra, assim como para reunir os pensamentos e afeições dos adoradores de Cristo, é bom que haja; mas o partimento do pão deve ser a primeira consideração, e o principal objetivo da assembleia. A celebração da Ceia do Senhor nessa ocasião foi à noite. No início, o partimento do pão também era observado em alguns lugares antes do amanhecer, e em outros, após o pôr do sol. Mas aqui os discípulos não eram obrigados a se reunirem em segredo. “E havia muitas luzes no cenáculo onde estavam juntos.” (Atos 20:8). E Paulo continuou sua fala até a meia-noite, pois deveria partir no dia seguinte. Foi uma ocasião extraordinária, e Paulo aproveita a oportunidade de conversar com eles a noite toda. Ainda não havia chegado o tempo, como disse alguém, em que os ternos discursos do coração seriam cronometrados, quando a duração da ardente agonia do pregador pelas almas perdidas seria contada no relógio pela frieza dos meros professos, ou pela descuidada indiferença dos cristãos mundanos. Êutico, um rapaz, caiu no sono e “caiu do terceiro andar… e foi levantado morto.” (Atos 20:9). Isto foi visto por alguns como um castigo pela sua falta de atenção, mas foi um milagre; o rapaz foi levantado de um estado de morte pelo poder e bondade de Deus através de Seu servo Paulo, e todos ficaram grandemente reconfortados.

Paulo em Mileto

O estágio mais importante dessa jornada é Mileto, embora os diferentes lugares em que eles passam sejam cuidadosamente notados pelo historiador sagrado. Paulo, estando cheio do Espírito, dá direções para a viagem. Seus companheiros, de bom grado, lhe obedecem, mas não como a um mestre, mas como a um que dirige na humildade do amor e na sabedoria de Deus. Ele decide não ir a Éfeso, embora fosse um lugar central, pois ele tinha o propósito no coração de ir a Jerusalém no dia de Pentecostes. Mas, como o navio viria a ser detido algum tempo em Mileto, ele envia uma carta aos anciãos da igreja em Éfeso para poderem se encontrar. Dizem que a distância entre os dois lugares é de cerca de 48 quilômetros, de modo que levaria dois ou três dias para ir e voltar. Mesmo assim, tiveram tempo suficiente para se reunirem antes do navio sair. Assim o Senhor pensa em Seus servos e faz com que todas as coisas cooperem para o bem e para Sua própria glória.

O discurso de despedida de Paulo aos anciãos de Éfeso é característico e representativo, exigindo nosso mais cuidadoso estudo. Ele põe diante de nós a profunda e tocante afeição do apóstolo, a posição da igreja naquele tempo, e a obra do evangelho entre as nações. Ele os exorta com incomum seriedade e ternura; ele sentia que estava se dirigindo a eles pela última vez; ele os lembra de seus trabalhos entre eles “servindo ao Senhor com toda a humildade, e com muitas lágrimas” (Atos 20:19). Ele os adverte contra os falsos mestres e heresias - os lobos cruéis que entrariam no meio deles, e os homens amantes de si mesmos que se ergueriam, falando coisas perversas, para atraírem os discípulos após si. “E, havendo dito isto, pôs-se de joelhos, e orou com todos eles. E levantou-se um grande pranto entre todos e, lançando-se ao pescoço de Paulo, o beijavam, entristecendo-se muito, principalmente pela palavra que dissera, que não veriam mais o seu rosto. E acompanharam-no até o navio.” (Atos 20:36-38)

Como este pensamento sobre Paulo é da mais elevada importância, e marca uma época distinta na história da igreja, além de lançar luz divina sobre todos os sistemas eclesiásticos, podemos citar um pensamento abrangente e compreensivo de outro autor:

“A igreja estava consolidada sobre uma extensa área do território, e em vários lugares tinha tomado a forma de uma instituição comum. Anciãos eram estabelecidos e reconhecidos. O apóstolo podia chamá-los para ter com ele. Sua autoridade era também reconhecida por parte deles. Ele fala de seu ministério como algo passado - solene pensamento!… Assim, o que o Espírito Santo coloca diante de nós é que, agora, quando os detalhes de sua obra entre os gentios de plantar o evangelho são relatados como um panorama entre judeus e gentios, ele diz adeus ao trabalho. Isto para que pudesse deixar aqueles que ele havia reunido em uma nova posição e, em certo sentido, entregues a si mesmos. É um discurso que marca a cessação de uma fase da igreja - a dos trabalhos apostólicos - e a entrada de uma outra: a responsabilidade da igreja de manter-se firme agora que esses trabalhos tinham cessado; o serviço dos anciãos, a quem ’o Espírito Santo constituiu supervisores (bispos)’ (Atos 20:28); e, ao mesmo tempo, os perigos e dificuldades que se seguiriam após o fim dos trabalhos apostólicos, complicando o trabalho dos anciãos, a quem a responsabilidade recairia especialmente.

“A primeira observação que decorre da consideração deste discurso é que a sucessão apostólica é inteiramente negada. Devido à ausência do apóstolo, várias dificuldades surgiriam, e não haveria ninguém em seu lugar para lidar ou prevenir estas dificuldades. Sucessor, portanto, ele não tinha. Em segundo lugar, parece que o fato de que esta energia, que freava o espírito do mal, uma vez que estivesse longe, faria erguer as cabeças dos lobos devoradores vindos de fora, e dos mestres de coisas perversas vindos de dentro, que atacariam a simplicidade e a felicidade da igreja. Esta seria assediada pelos esforços de satanás, uma vez que não possuía mais a energia apostólica para resistir-lhes. Em terceiro lugar, o que de primordial deveria ser feito para o impedimento do mal era alimentar o rebanho, e vigiar, quer sobre si mesmos ou sobre o rebanho, para aquele propósito. Ele então os encomenda - nem a Timóteo nem a algum bispo, mas de um modo que deixa de lado qualquer tipo de recurso oficial - a Deus e à palavra de Sua graça. Nesse ponto ele deixa a igreja. Os trabalhos em liberdade do apóstolo dos gentios estavam terminados. Ele tinha sido o instrumento escolhido de Deus para comunicar ao mundo Seus conselhos a respeito da igreja e para estabelecer na mente do mundo o precioso objeto de Suas afeições, unida a Cristo à Sua mão direita. O que seria dela aqui?” 1

Atos 21. Com um vento justo, Paulo e sua companhia partiam de Mileto, enquanto os entristecidos anciãos de Éfeso se preparavam para sua viagem de volta. Em um curso reto eles velejaram a Cós, Rodes, e daí até Pátara e Tiro. A partir do que aconteceu lá - tão similar ao que houve em Mileto - é evidente que Paulo logo conquistou o coração dos discípulos. Embora ele tenha ficado apenas uma semana em Tiro, não conhecendo os cristãos dali, ele tinha ganhado suas afeições. “E seguimos nosso caminho, acompanhando-nos todos”, diz Lucas, “com suas mulheres e filhos até fora da cidade; e, postos de joelhos na praia, oramos.” (Atos 21:5). Parece também que um espírito de profecia foi derramado sobre esses afetuosos cristãos de Tiro, pois eles advertiram o apóstolo para que não fosse a Jerusalém. Após esperar ali por sete dias, foram a Ptolemaida, onde ficaram por um dia. Em Cesareia, ficaram hospedados na casa de Filipe, o evangelista, que era um dos sete. Ele também já é bem conhecido nosso, mas é interessante encontrá-lo novamente após um intervalo de mais de vinte anos. Agora ele tem quatro filhas virgens que profetizavam. Aqui Ágabo, o profeta, previu o aprisionamento de Paulo, e rogou-lhe que não fosse a Jerusalém. Todos os discípulos disseram o mesmo, e suplicavam-lhe com lágrimas para que não fosse. Mas embora o coração terno e sensível de Paulo deva ter se movido pelas lágrimas e suplicas de seus amigos e de seus próprios filhos na fé, ele decidiu não alterar sua resolução e não deixar de lado seu propósito. Ele se sentiu compelido em espírito a ir, e pronto a deixar todas as consequências à vontade do Senhor.

A Quinta Visita de Paulo a Jerusalém (por volta de 58 d.C.)

O apóstolo e seus companheiros foram recebidos com agrado ao chegarem em Jerusalém. “E, logo que chegamos a Jerusalém”, observa Lucas, “os irmãos nos receberam de muito boa vontade.” (Atos 21:17). No dia seguinte, Paulo e seus companheiros visitaram Tiago, em cuja casa os anciãos estavam presentes. Paulo, como orador principal, declarou particularmente as coisas que Deus fizera entre os gentios por seu ministério. Mas embora estivessem muito interessados, e louvassem ao Senhor pelas boas notícias, eles evidentemente se sentiram desconfortáveis. Eles imediatamente chamaram a atenção de Paulo para o fato de que um grande número de judeus que criam em Jesus como o Messias eram observadores zelosos da lei de Moisés e eram fortemente preconceituosos contra Paulo.

Como satisfazer os preconceitos desses judeus cristãos era agora a importante questão entre Paulo e os anciãos. Eles sabiam que multidões de judeus, convertidos e não convertidos, se ajuntariam quando ouvissem da chegada de Paulo. Por muito tempo eles acreditavam nas mais sérias e pesadas acusações contra ele - “e já acerca de ti foram informados de que ensinas todos os judeus que estão entre os gentios a apartarem-se de Moisés, dizendo que não devem circuncidar seus filhos, nem andar segundo o costume da lei.” (Atos 21:21). O que deveria agora ser feito? Os anciãos propuseram que Paulo deveria se mostrar publicamente como alguém que era obediente à lei. Esta foi a mais dolorosa e desconcertante posição do apóstolo dos gentios. O que ele poderia fazer agora? Será que o mensageiro do evangelho da glória - o ministro do chamado celestial - se inclinaria às regras dos votos nazireus? Foi uma questão séria e solene. Se ele se recusasse a ceder à vontade deles, a suspeita dos judeus seria confirmada; se ele agisse de acordo com o desejo deles, ele deveria se humilhar - colocar seu elevado chamado em segundo plano, e se render à ignorância, preconceito e orgulho dos judaizantes. Mas o que mais podia fazer? Ele estava no centro de um judaísmo fanático, e desejava honestamente conquistar a igreja de Jerusalém para um cristianismo mais puro e mais nobre.

Alguns tomaram muita liberdade em seu criticismo sobre o apóstolo no decorrer desse tempo. Mas embora seja nosso privilégio humildemente examinar tudo o que o historiador sagrado escreveu, tememos que alguns se aventuraram longe demais em dizer coisas duras sobre o apóstolo. Podemos perguntar reverentemente quão longe o desejo e a afeição de Paulo o influenciaram nesta ocasião, além das advertências do Espírito através dos irmãos; mas certamente devemos nos manter entre os limites do que o Próprio Espírito Santo disse pelas Escrituras. Vamos agora cuidadosamente observar os fatos exteriores que conduziram o apóstolo a essa memorável época de sua vida.

Roma tinha estado por muito tempo em sua mente. Ele tinha um grande desejo de pregar o evangelho naquele lugar. Isto estava correto - estava de acordo com Deus - não era algo de si mesmo: ele era o apóstolo dos gentios. Deus vinha trabalhando em Roma de modo abençoado mesmo sem Paulo ou Pedro, pois ainda nenhum apóstolo tinha visitado Roma. Paulo tinha sido privilegiado por escrever uma epístola aos romanos, e nessa carta ele expressa o mais ardente desejo de vê-los, e de trabalhar entre eles. “Porque desejo ver-vos”, diz ele, “para vos comunicar algum dom espiritual, a fim de que sejais confortados” (Romanos 1:11). Este era seu estado mental e o objetivo que tinha diante de si, o que também devemos ter em vista quando estudamos esta parte de sua história. Compare Romanos 1:7-15; 15:15-33.

O Fim dos Trabalhos de Paulo em Liberdade

Chegamos agora a uma questão importante, e a um ponto de virada na história de Paulo daqui para a frente. Iria ele direto para o ocidente, em direção a Roma, ou iria passar por Jerusalém? Tudo depende disso. Jerusalém também estava em seu coração. Mas se Cristo o tinha enviado tão longe, para os gentios, poderia o Espírito, da parte de Cristo, conduzi-lo a Jerusalém? Foi apenas aqui, acreditamos, que foi permitido ao grande apóstolo seguir os desejos de seu próprio coração, cujos desejos eram corretos e belos em si mesmos, mas não estavam de acordo com a mente de Deus naquele momento. Ele amava profundamente sua nação, e especialmente os santos pobres em Jerusalém; e, tendo sido muito mal representado ali, ele esperava provar seu amor pelos pobres dentre seu povo levando as ofertas dos gentios pessoalmente. “Assim que”, diz ele, “concluído isto, e havendo-lhes consignado este fruto, de lá, passando por vós, irei à Espanha.” (Romanos 15:28). Certamente isto era amável e louvável! Sim, mas isto vinha de um lado apenas, e este era o lado da natureza - da carne - e não do Espírito. “E, achando discípulos, ficamos ali sete dias; e eles pelo Espírito diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém.” (Atos 21:4). Isto parece claro o bastante, mas Paulo naquele momento se inclinou para o lado de suas afeições “pelos pobres do rebanho” em Jerusalém. Será que poderia haver um erro mais perdoável que este? Impossível! Foi seu amor pelos pobres, e o prazer de levar a eles as ofertas dos gentios, que o conduziu a passar por Jerusalém em seu caminho a Roma. No entanto, foi um erro, e um erro que custou a Paulo sua liberdade. Seu trabalhos em liberdade acabam aqui. Ele permitiu liberdade à sua carne, e Deus permitiu que os gentios o prendessem em correntes. Esta era a expressão de puro amor do Mestre para com Seu servo. Paulo era muito precioso para que o Senhor o deixasse sem a justa disciplina nessa ocasião. Também provaria que nem Jerusalém nem Roma poderiam ser a metrópole do cristianismo. Cristo, a Cabeça da igreja, estava no céu, e lá é o único lugar em que a metrópole do cristianismo deve estar. Jerusalém perseguiu o apóstolo, Roma o aprisionou e martirizou. No entanto, o Senhor estava com Seu servo para o seu próprio bem, para o avanço da verdade, para a bênção da igreja, e para a glória de Seu próprio grandioso nome.

Aqui podemos tomar a permissão para mais uma reflexão. Em quantas histórias, desde a quinta visita de Paulo a Jerusalém, essa cena solene tem sido reproduzida! Quantos santos têm sido amarrados com correntes de diferentes tipos, mas quem pode dizer para quê, ou para quem? Todos nós teríamos dito - se não iluminados pelo Espírito - que o apóstolo não podia ter atuado por um motivo mais digno ao passar por Jerusalém em seu caminho a Roma. Mas o Senhor não havia dito para ele fazer isso. Tudo depende disso. Quão necessário é ver, em cada estágio de nossa jornada, que temos a palavra de Deus para nossa fé, o serviço de Cristo para nossos motivos, e o Espírito Santo para nossa direção. Retornemos agora ao relato dos eventos.

Deixamos Paulo sentado com os anciãos na casa de Tiago. Eles tinham sugerido a ele um modo de conciliar os crentes judeus, e de refutar as acusações de seus inimigos. Deslealdade para com sua nação e com a religião de seus pais era a principal acusação levantada contra ele. Mas sob a superfície dos eventos exteriores, e especialmente tendo a luz das epístolas derramada sobre eles, descobrimos a raiz de toda a questão na inimizade do coração humano contra a graça de Deus. De modo a entender isso, devemos observar que o ministério de Paulo tinha um duplo caráter: (1) Sua missão era pregar o evangelho “a toda criatura debaixo do céu” - não foi apenas além dos limites do judaísmo, como também estava em perfeito contraste com esse sistema;(2) Ele era também o ministro da igreja de Deus, e pregava sua exaltada posição, e seus benditos privilégios, como estando unida a Cristo, o Homem glorificado no Céu. Essas verdades benditas serão vistas erguendo a alma do crente muito acima da religião da carne, sempre tão penosa - sempre tão abundante em ritos e cerimônias. Votos de jejum, festas, ofertas, purificações, tradições e filosofia, são todas excluídas como nada dignas diante de Deus, e opostas à própria natureza do cristianismo. Isto exasperava o judeu religioso com suas tradições, e o grego incircunciso com sua filosofia; e ambos se uniram para perseguir o verdadeiro portador deste duplo testemunho. E assim tem sido sempre. O homem religioso com suas ordenanças, e o homem meramente natural com sua filosofia, por um processo natural, prontamente se uniram em oposição ao testemunho de um cristianismo celestial. Veja Colossenses 1 e 2 .

Se Paulo tivesse pregado a circuncisão, a ofensa da cruz teria cessado, pois isto teria dado lugar, e a oportunidade, de ser alguma coisa e fazer alguma coisa, e até mesmo de tomar parte com Deus em Sua religião. Isto era o judaísmo, e isto dava ao judeu sua preeminência. Mas o evangelho da graça de Deus se dirige ao homem como já perdido - como “morto em delitos e pecados” - e não tem mais respeito para com os judeus do que para com os gentios. Assim como o sol no firmamento, ele brilha para todos. Nenhuma nação, tribo, língua ou povo é excluído de seus raios celestiais. “Pregar o evangelho a toda criatura que está debaixo do céu” é a divina comissão e a esfera mais ampla do evangelista; ensinar aqueles que acreditam neste evangelho sua perfeição em Cristo é o privilégio e dever de cada ministro do Novo Testamento.

Tendo assim limpado o terreno quanto aos motivos, objetivos e posição do grande apóstolo, vamos agora traçar brevemente o restante de sua vida agitada. Chegou o tempo em que ele seria levado diante dos reis e governantes, e até mesmo diante do próprio César, por causa do nome do Senhor Jesus.

Paulo no Templo

De acordo com a proposta de Tiago e dos anciãos, Paulo agora prossegue ao templo com “os quatro homens que fizeram voto” (Atos 21:23). Então lemos: “Então Paulo, tomando consigo aqueles homens, entrou no dia seguinte no templo, já santificado com eles, anunciando serem já cumpridos os dias da purificação; e ficou ali até se oferecer por cada um deles a oferta.” (Atos 21:26). Na conclusão do voto do nazireado a lei requeria que certas ofertas fossem apresentadas no templo. Estas ofertas envolviam um preço considerável, como podemos ver em Números 6; e era considerado um ato de grande mérito e piedade para um irmão rico prover estas ofertas para um irmão pobre, e assim permitir que ele completasse seu voto. Paulo não era rico, mas ele tinha um grande e terno coração, e ele generosamente comprometeu-se a pagar os custos para os quatro pobres nazireus. Tal prontidão da parte de Paulo em agradar alguns e ajudar outros deveria ter pacificado e conciliado os judeus e, provavelmente, teria se tão somente estivessem presentes os que estavam associados a Tiago. Mas isto teve um efeito oposto nos inveterados zelotes: eles ficaram apenas mais furiosos contra ele. A celebração da festa atraía multidões à cidade santa, de modo que o templo estava repleto de adoradores de todos os lugares.

Dentre esses judeus estrangeiros estavam alguns da Ásia, provavelmente alguns dos velhos antagonistas de Paulo em Éfeso, que ansiavam por uma oportunidade de se vingarem dele, que tinha anteriormente os derrotado. Perto do fim dos sete dias em que os sacrifícios deveriam ser ofertados, estes judeus asiáticos viram Paulo no templo, e imediatamente caíram encima dele, “clamando: homens israelitas, acudi; este é o homem que por todas as partes ensina a todos contra o povo e contra a lei, e contra este lugar; e, demais disto, introduziu também no templo os gregos, e profanou este santo lugar… E alvoroçou-se toda a cidade, e houve grande concurso de povo; e, pegando Paulo, o arrastaram para fora do templo, e logo as portas se fecharam.” (Atos 21:28,30). A cidade toda estava agora em polvorosa, e a multidão correu furiosamente ao ponto de ataque. A multidão estava à beira da loucura, e se não fosse pelo zelo deles em não derramar sangue no lugar santo, Paulo teria sido feito em pedaços no mesmo instante. O objetivo deles agora era levá-lo para fora do recinto sagrado. Mas antes que os planos assassinos deles fossem executados, a ajuda do Senhor chegou, e eles foram inesperadamente interrompidos.

As sentinelas nos portões sem dúvida comunicaram imediatamente a guarnição romana, situada defronte do templo, de que havia um tumulto próximo à corte. O tribuno, Cláudio Lísias, imediatamente correu ele mesmo ao local, levando com ele soldados e centuriões. Quando os judeus viram o tribuno e os soldados romanos se aproximando, eles pararam de espancar Paulo. O governador, percebendo que era ele a causa de toda a agitação, prontamente o mandou prender com duas correntes, ou por correntes entre dois soldados. Veja Atos 12:6.

Tendo feito isto, Lísias prosseguiu a fazer um inquérito quanto à real causa do distúrbio, mas, como nenhuma informação certa podia ser obtida da ignorante e agitada multidão, ele ordenou que Paulo fosse levado à fortaleza. A desapontada massa agora vai atrás de sua vítima com enorme ímpeto. Eles viram ele sendo tirado de suas mãos, e pressionaram tão violentamente os soldados que Paulo foi levado em seus braços até para cima das escadas do fortaleza. Enquanto isso, gritos ensurdecedores se erguiam da multidão enraivecida abaixo, como fizeram cerca de trinta anos antes: “Fora com ele, fora com ele”.

Neste momento de grande interesse, o apóstolo preservou grande presença de espírito, e perfeitamente controlou a agitação de seus sentimentos. Ele age prudentemente sem comprometer a verdade. Assim que alcançaram a entrada da fortaleza, Paulo dirige-se da maneira mais cortês ao tribuno, e diz: “É-me permitido dizer-te alguma coisa?”, e ele disse: “Sabes o grego? Não és tu porventura aquele egípcio que antes destes dias fez uma sedição e levou ao deserto quatro mil salteadores?”. Mas Paulo lhe disse: “Na verdade que sou um homem judeu, cidadão de Tarso, cidade não pouco célebre na Cilícia; rogo-te, porém, que me permitas falar ao povo.” (Atos 21:37-39). Por incrível que pareça, esse pedido lhe foi concedido. Paulo já tinha ganhado o respeito do governador romano. Mas a mão do Senhor estava nisso, Ele estava vigiando sobre Seu servo. Paulo havia jogado a si mesmo nas mãos de seus inimigos ao procurar agradar os crentes judeus. Mas Deus estava com ele, e sabia como livrá-lo de seu poder, e usá-lo para a glória de Seu próprio grandioso nome. (Atos 21:26-40)

O Discurso de Paulo nas Escadarias da Fortaleza

Para o tribuno ele tinha falado em grego; para os judeus ele fala em hebraico. Estes pequenos detalhes e considerações são as belas mesclas do amor e da sabedoria, e devem servir de lição para nós. Ele estava sempre pronto para vencer, ao “fazer-se tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns.” (1 Coríntios 9:22). Vemos os efeitos maravilhosos de sua influência sobre a massa enfurecida, assim como sobre o oficial comandante. No momento em que ele se dirige a eles, a cena toda muda. Ele acalmou o tumultuoso mar das paixões humanas pelo som de sua língua sagrada, que caiu como óleo sobre as águas agitadas, e então houve imediatamente “grande silêncio”. Lemos sua nobre defesa, dirigida a seus irmãos e pais, por extenso em Atos 22:1-21.

Observa-se, ao ler o discurso, que seus compatriotas ouviam com grande atenção, enquanto ele falava a eles sobre sua vida passada, sua perseguição à igreja, sua missão a Damasco, sua miraculosa conversão, sua visão no templo, e sua conversa com Ananias. Mas no momento em que ele menciona sua missão aos gentios, uma explosão de indignação se levanta da multidão, silenciando o apóstolo. Eles não podiam suportar a ideia da graça de Deus se derramar sobre os gentios. Aquele odioso nome os levava à fúria. O orgulho nacional deles se rebelava contra a ideia de que pagãos incircuncisos pudessem ser feitos iguais aos filhos de Abraão. Eles gritavam com desdenhoso desprezo contra cada argumento, humano ou divino, que pudesse influenciar suas mentes. Em vão o apóstolo deu tanta ênfase sobre o que tinha acontecido entre ele e o devoto Ananias. Todo apelo era em vão quando se tratava dos gentios. Uma cena da mais selvagem confusão se seguiu. Eles arrancaram suas roupas, jogaram terra para o ar, “e levantaram a voz, dizendo: Tira da terra um tal homem, porque não convém que viva.” (Atos 22:22)

O tribuno, vendo a violência frenética do povo, e não entendendo o que significava, foi lançado em nova perplexidade. Ele viu os resultados de um discurso na língua hebraica - que ele provavelmente não entendia - e, naturalmente concluindo que seu prisioneiro deveria ser culpado de algum crime terrível, ordenou que o prendessem e açoitassem para fazê-lo confessar sua culpa. Mas esse proceder foi imediatamente cancelado quando Paulo torna conhecido o fato de que ele era um cidadão romano.

Os soldados que estavam engajados em prendê-lo retiraram-se alarmados, e alertaram o governador quanto ao que ele estava fazendo. Lísias perguntou de pronto: “Dize-me, és tu romano? E ele disse: Sim. E respondeu o tribuno: Eu com grande soma de dinheiro alcancei este direito de cidadão. Paulo disse: Mas eu o sou de nascimento.” (Atos 22:27,28). Lísias se encontrava agora em uma situação difícil, pois tinha violado uma lei romana. Expor um cidadão a tal indignidade era considerado traição contra a majestade do povo romano. Mas a única maneira de salvar a vida de Paulo era mantê-lo sob custódia, e ele felizmente pensou em um outro modo mais brando de determinar a natureza da ofensa de seu prisioneiro.

Paulo Diante do Sinédrio

No dia seguinte ele “mandou vir o principais dos sacerdotes, e todo o seu conselho; e, trazendo Paulo, o apresentou diante deles.” (Atos 22:30). A política de Lísias aqui é interessante. Ele é ativo em suprimir o tumulto; ele protege um cidadão romano; ele demonstra respeito para com a religião e costumes dos judeus. Esta mistura de política e cortesia em um romano arrogante, sob tais circunstâncias, é digna de um momento de reflexão, mas temos de prosseguir.

Paulo se dirige ao conselho com dignidade e seriedade, mas com uma evidente expressão de integridade consciente. “E, pondo Paulo os olhos no conselho, disse: Homens irmãos, até ao dia de hoje tenho andado diante de Deus com toda a boa consciência.” (Atos 23:1). Este inabalável senso de retidão enfureceu tanto Ananias, o sumo sacerdote, que ele ordenou àqueles que estavam próximos a golpeá-lo na boca. Esta arbitrária violação da lei por parte do chefe do conselho despertou tanto os sentimentos do apóstolo, que ele destemidamente exclamou: “Deus te ferirá, parede branqueada; tu estás aqui assentado para julgar-me conforme a lei, e contra a lei me mandas ferir?” (Atos 23:3). É evidente que o sumo sacerdote não estava vestido de modo a ser reconhecido como tal. Portanto Paulo se desculpa por sua ignorância do fato, e cita a formal proibição da lei: “Não dirás mal do príncipe do teu povo” (Atos 23:5).

O apóstolo logo percebeu, como nos é dito, que o conselho estava dividido em duas partes - alguns eram fariseus e outros eram saduceus - e portanto clamou: “Homens irmãos, eu sou fariseu, filho de fariseu; no tocante à esperança e ressurreição dos mortos sou julgado.” (Atos 23:6). Esta declaração, seja intencionalmente ou não, teve o efeito de dividir a assembleia, colocando um partido contra o outro. E tão ferozes suas dissensões se tornaram que alguns dos fariseus acabaram ficando do lado de Paulo, dizendo: “Nenhum mal achamos neste homem, e, se algum espírito ou anjo lhe falou, não lutemos contra Deus.” (Atos 23:9). A sala de julgamento imediatamente se tornou cenário da mais violenta contenda, e a presença de Cláudio Lísias se fez absolutamente necessária. Paulo é mais uma vez levado recluso à fortaleza.

Assim se passou essa agitada manhã na história de nosso apóstolo. À noite, quando sozinho, será que o coração dele estava desanimado? Pelo que havia acontecido, e pela aparência sombria de tudo à sua volta, o apóstolo nunca esteve em maior necessidade de consolo e força que só a presença do Mestre concede. Mas quem poderia saber disso tão bem, ou poderia sentir tão profundamente pelo solitário prisioneiro como o Próprio Mestre? E assim Ele aparece na mais rica graça para confortar e animar o coração de Seu servo. Foi um conforto divinamente cronometrado. O Senhor apareceu-lhe, como tinha feito em Corinto, e como Ele mais tarde faria em sua viagem a Roma, “e disse: Paulo, tem ânimo; porque, como de mim testificaste em Jerusalém, assim importa que testifiques também em Roma.” (Atos 18:9,10; 23:11; 27:23,24). Uma conspiração tramada por mais de quarenta homens para assassinar Paulo é descoberta, e todos os planos malignos, frustrados. Cláudio Lísias imediatamente convoca seus centuriões e soldados, dando-lhes ordens estritas de conduzir Paulo em segurança para Cesareia. Os detalhes sobre este assunto são relatados por Lucas com singular riqueza de detalhes (Atos 23:12-25).

Paulo Comparece Diante de Félix

Como alguns de nossos leitores podem ter observado, o caráter dos modos de Deus para com Seu servo de certa forma muda aqui. Pode ser interessante uma pausa por um momento para reverentemente investigar as aparentes causas dessa mudança. E, como muitos têm dado livremente suas opiniões quanto a esse difícil ponto, vamos aqui citar algumas linhas de alguém que parece ter captado a mente do Espírito.

“Eu creio que a mão de Deus estava nesta viagem de Paulo - que, em Sua soberana sabedoria, Ele desejou que Seu servo a empreendesse, tendo também a abençoado - mas que os meios empregados para conduzi-lo de acordo com essa sabedoria soberana foram as afeições humanas do apóstolo pelas pessoas que eram seus parentes segundo a carne; e que ele não foi conduzido a isso pela ação do Espírito Santo da parte de Cristo na igreja. Este apego a seu povo, esta afeição humana, resultou naquilo que acabou por colocá-lo em seu próprio lugar. Humanamente falando, foi um sentimento amável; mas não era o poder do Espírito Santo fundamentado na morte e ressurreição de Cristo. Aqui, não havia mais judeu ou gentio… a afeição de Paulo era boa em si mesma, mas como fonte de ação não chegava à altura da obra do Espírito que, da parte de Cristo, o tinha conduzido para longe de Jerusalém, para os gentios, de modo a revelar a igreja como Seu corpo unido a Ele no céu.”

“Ele era o mensageiro da glória celestial, que trouxe à tona a doutrina da igreja composta por judeus e gentios, unidos sem distinção no um só corpo de Cristo, deixando de lado o judaísmo. Mas seu amor por sua nação o levou, repito, ao centro do judaísmo hostil - o judaísmo enfurecido contra a igualdade espiritual.”

“Contudo, a mão de Deus estava, sem dúvida, nisso. Paulo, individualmente, estava realizado.”

“Aquilo que Paulo disse levanta um tumulto, e o tribuno o tira do meio deles. Deus tem tudo à Sua disposição. Um sobrinho de Paulo, nunca antes mencionado, ouve falar de uma emboscada armada contra ele e o avisa. Paulo o envia ao tribuno, que agiliza a partida de Paulo sob guarda até Cesareia. Deus cuidava dele, mas tudo aqui está no nível dos modos humanos e providenciais. Não há um anjo como no caso de Pedro, nem um terremoto como em Filipos. Estamos sensivelmente em um terreno diferente”2

Os acusadores de Paulo não tardaram em partir também para Cesareia. “E, cinco dias depois, o sumo sacerdote Ananias desceu com os anciãos, e um certo Tértulo, orador, os quais compareceram perante o presidente contra Paulo.” (Atos 24:1). Em um breve discurso, cheio de bajulação e insinuação, Tértulo acusa Paulo de sedição [motim], heresia e profanação do templo.

Félix então fez um sinal permitindo que Paulo respondesse por si. E agora, podemos dizer, o apóstolo dos gentios está mais uma vez no lugar certo. Mesmo humilhado pelas circunstâncias, ele é ainda o mensageiro de Deus para os gentios, e Deus está com Seu amado servo. Os judeus ficaram em silêncio, e Paulo, com sua maneira direta como de costume, rebateu as acusações.

Félix, aparentemente, sabia muito sobre essas coisas, e é evidente que uma forte impressão foi deixada em sua mente. Muitos anos antes, o cristianismo tinha penetrado no exército romano em Cesareia (Atos 10), de modo que ele provavelmente sabia algo sobre isso, e estava convencido da verdade das afirmações de Paulo, mesmo não dando o devido valor às suas convicções e de seu prisioneiro. Ele “adia” maiores investigações, com a desculpa de que estaria esperando a chegada de Lísias. Enquanto isso, no entanto, ele dá ordens para que Paulo fosse tratado com gentileza e consideração, e que seus amigos deveriam ter livre acesso a ele.

Não muitos dias depois, Félix entrou na sala de audiências com sua esposa Drusila, e mandou chamar Paulo. Eles estavam evidentemente curiosos para ouvi-lo falar “acerca da fé em Cristo” (Atos 24:24). Mas não seria Paulo quem iria gratificar a curiosidade de um romano libertino e de uma devassa princesa judia. O fiel apóstolo, ao pregar Cristo, falou de modo claro e ousado à consciência de seus ouvintes. Ele tinha, agora, uma oportunidade ao seu alcance que ele dificilmente poderia ter obtido. “E, tratando ele da justiça, e da temperança, e do juízo vindouro, Félix, espavorido…” (Atos 24:25). Não é de se estranhar. Se devemos acreditar nos historiadores de seus dias, como Josefo e Tácito, nunca um casal tão sem princípios e dissoluto havia se sentado diante de um pregador. Mas, embora com a consciência atingida, Félix continuou impenitente. Que temível condição! “Por agora vai-te”, disse ele, “e em tendo oportunidade te chamarei.” (Atos 24:25). Mas tal oportunidade jamais chegou, embora tenha visto o apóstolo com frequência mais tarde, sem dúvidas, dando a entender que queria fazer um suborno para garantir sua liberdade. O governador romano nem imaginava que sua mercenária justiça seria recordada no livro de Deus, e levada adiante para todas as gerações que se sucederam. Seu caráter é representado como mesquinho, cruel e dissoluto; capaz de qualquer impiedade, ele exerceu o poder de um rei com o temperamento de um escravo. “Mas, passados dois anos, Félix teve por sucessor a Pórcio Festo; e, querendo Félix comprazer aos judeus, deixou a Paulo preso.” (Atos 24:27)

Paulo Comparece Diante de Festo e Agripa

Imediatamente após a chegada de Festo à província, ele visitou Jerusalém. Lá, os líderes judeus aproveitaram a oportunidade para exigir o retorno de Paulo. Seus argumentos, sem dúvida, era de que ele deveria novamente ser julgado perante o Sinédrio, mas a verdadeira intenção deles era matá-lo no caminho. Festo recusou o pedido. No entanto, ele os convidou a ir com ele para a Cesareia e acusá-lo lá. O julgamento ocorreu e assemelhou-se ao que ocorreu diante de Félix. É bem evidente que Festo viu claramente que a verdadeira ofensa de Paulo estava ligada às opiniões religiosas dos judeus, e que ele não tinha cometido ofensa alguma contra a lei. Mas ao mesmo tempo, tendo desejo de agradar os judeus, pergunta a Paulo se ele não iria a Jerusalém para ser ali julgado. Isto era apenas um pouco melhor do que uma proposta de sacrificá-lo ao ódio judaico. Paulo, estando bem consciente disso, apelou de vez ao Imperador - “Eu apelo para César” (Atos 25:11).

Festo estava sem dúvidas surpreso com a dignidade e independência de seu prisioneiro. Mas era seu privilégio como cidadão romano ter sua causa transferida ao supremo tribunal do Imperador de Roma. “Então Festo, tendo falado com o conselho, respondeu: Apelaste para César? para César irás.” (Atos 25:12).

Até onde os olhos do homem podem enxergar, este era o único recurso de Paulo sob tais circunstâncias. Mas a mão e propósito do Senhor estava nisto. Paulo deveria dar testemunho de Cristo e da verdade também em Roma. Jerusalém tinha rejeitado o testemunho aos gentios; Roma também deve ter tido sua porção na rejeição ao mesmo testemunho, se tornando também a prisão do testemunho. Mas em tudo isso Paulo é altamente favorecido pelo Senhor. Sua posição lembra a de seu bendito Senhor, quando Ele foi entregue aos gentios pelo ódio dos judeus. Apenas o Senhor foi perfeito em tudo isto, e Ele estava em Seu verdadeiro ligar diante de Deus. Ele veio para os judeus - esta era Sua missão. Paulo foi enviado dos judeus - tal era a diferença. Cristo se entregou a Si mesmo, como lemos: “Que pelo Espírito eterno se ofereceu a si mesmo imaculado a Deus” (Hebreus 9:14). Parte da comissão de Paulo é assim: “Livrando-te deste povo, e dos gentios, a quem agora te envio”(Atos 26:17). Mas Paulo retornou àquele “povo” (os judeu) na energia de suas afeições humanas, após ter sido colocado fora deles na energia do Espírito Santo. Jesus tinha tirado ele de ambos judeus e gentios para exercer um ministério que unia ambos em um só corpo em Cristo. Como o próprio Paulo diz: “Assim que daqui por diante a ninguém conhecemos segundo a carne” (2 Coríntios 5:16). Em Cristo Jesus não há judeu nem grego.

Vamos agora retomar a história do grande apóstolo.

Paulo Comparece Diante de Agripa e Berenice

Aconteceu nessa época que Agripa, rei dos judeus, e sua irmã Berenice, foram fazer uma visita de cortesia a Festo. E como Festo não sabia como levar o caso de Paulo ao Imperador, ele aproveitou a oportunidade de consultar Agripa, que estava mais bem informado que ele sobre os pontos em questão. O príncipe judeu, que devia saber algo sobre o cristianismo, e que sem dúvidas havia ouvido falar de Paulo, expressou o desejo de ouvi-lo falar. Festo prontamente acedeu ao pedido. “Amanhã”, disse ele, “o ouvirás” (Atos 25:22).

O apóstolo teria agora o privilégio de levar o nome de Jesus diante da mais digníssima assembleia que ele já tinha abordado. Reis judeus, governadores romanos, oficiais militares e comandantes da Cesareia se reuniram “com grande pompa” para ouvir o prisioneiro dar conta de si mesmo a Agripa. Não era uma audiência qualquer, e está perfeitamente claro que eles não consideravam o prisioneiro como uma pessoa qualquer. Festo, tendo reconhecido a dificuldade na qual se encontrava, remeteu a questão ao melhor conhecimento do rei judeu. Agripa cortesmente deu sinal a Paulo, permitindo que falasse. Chegamos agora a um dos momentos mais interessantes em toda a história de nosso apóstolo.

A dignidade de seus modos perante seus juízes, embora preso por correntes a um soldado, deve ter impressionado profundamente sua audiência. A profundidade de sua humilhação apenas manifestava mais acentuadamente a elevação moral de sua alma. Ele não pensava nem em suas correntes nem em sua pessoa. Perfeitamente feliz em Cristo, e ardente de amor por aqueles ao seu redor, o bem-estar e as circunstâncias foram completamente esquecidas. Com uma digna consideração para com a posição daqueles ao seu redor, levantou-se, na honesta declaração de uma boa consciência, infinitamente acima de todos. Ele se dirigiu à consciência de sua audiência, com a ousadia e retidão de um homem acostumado a andar com Deus, e de agir por Ele. O caráter e conduta dos governadores são lançadas em doloroso contraste com o caráter e conduta do apóstolo, e nos mostra o que o mundo é quando desmascarado pelo Espírito Santo.

Certo autor escreveu: “Não mencionarei a vaidade mundana que se revela em Lísias e Festo por meio da conjectura de toda classe de boas qualidades e boa conduta - mistura de uma consciência tocada e falta de princípios nos líderes - e do desejo de agradar os judeus pela sua própria importância, ou de facilitar seu governo sobre um povo rebelde. A posição de Agripa e todos os detalhes da história têm o extraordinário cunho da verdade, cujos vários personagens são apresentados de maneira tão vívida que parece que estamos presenciando a cena aqui descrita, e vendo as pessoas se movendo nela. Além do mais, essa é uma característica marcante dos escritos de Lucas”.

Capítulo 26. Paulo se dirige ao rei Agripa como alguém bem versado nos costumes e questões que prevalecem entre os judeus. E assim ele relata sua miraculosa conversão e sua subsequente carreira de modo a agir na consciência do rei. Pela clara e direta narrativa do apóstolo, ele não estava longe de ser convencido. Sua consciência foi despertada. Mas o mundo e suas próprias paixões estavam no caminho. Festo ridicularizou. Para ele não passava de um entusiasmo extravagante - um delírio. Ele interrompeu o apóstolo abruptamente e ”disse em alta voz: Estás louco, Paulo; as muitas letras te fazem delirar.“ (Atos 26:24). A resposta do apóstolo foi digna e segura de si, mas intensamente séria e, com grande sabedoria e discernimento, ele apela por fim a Agripa: “Não deliro, ó potentíssimo Festo; antes digo palavras de verdade e de um são juízo. Porque o rei, diante de quem também falo com ousadia, sabe estas coisas, pois não creio que nada disto lhe é oculto; porque isto não se fez em qualquer canto.” (Atos 26:25,26)

Então, voltando-se ao rei judeu, que se sentava ao lado de Festo, ele fez este direto e solene apelo:

“Crês tu nos profetas, ó rei Agripa? Bem sei que crês.” (Atos 26:27)

“E disse Agripa a Paulo: Por pouco me queres persuadir a que me faça cristão!” (Atos 26:28)

No momento, o rei foi levado pelo poder do discurso de Paulo, e pela afiada picada de seus apelos. Então Paulo deu sua resposta - uma resposta que se sobressai. É caracterizada pelo zelo piedoso, pela cortesia cristã, pelo ardente amor pelas almas, e por grande alegria pessoal no Senhor:

“E disse Paulo: Prouvera a Deus que, ou por pouco ou por muito, não somente tu, mas também todos quantos hoje me estão ouvindo, se tornassem tais qual eu sou, exceto estas cadeias.” (Atos 26:29)

Com a expressão deste nobre desejo, a conferência foi encerrada. A reunião foi dissolvida. Agripa não queria ouvir mais. Os apelos tinham sido tão penetrantes e tão pessoais, ainda que misturados com dignidade, afeição e solicitude, que ele não aguentou mais. Então “levantou-se o rei, o presidente, e Berenice, e os que com eles estavam assentados.” (Atos 26:30). Após uma breve consulta, Festo, Agripa e sua companhia chegaram à conclusão de que Paulo não era culpado de nada digno de morte ou mesmo prisão. “Bem podia soltar-se este homem”, disse Agripa, “se não houvera apelado para César.” (Atos 26:32)

Este era o cuidado do Senhor para com Seu amado servo. Ele teria sua inocência provada e reconhecida por seus juízes, e plenamente estabelecida perante o mundo. Sendo isto cumprido, o rei e sua companhia retomam seus lugares no mundo e seus divertimentos, e Paulo retorna à sua prisão. Mas nunca seu coração esteve mais feliz ou mais cheio do Espírito de Seu Mestre do que naquele momento.

A Viagem de Paulo a Roma (60 d.C.)

Atos 27. Chegou a hora em que Paulo viajaria a Roma. Nenhum julgamento formal do apóstolo tinha acontecido. E, sem dúvidas, cansado da oposição dos judeus - com dois anos de prisão em Cesareia - e com repetidos exames diante dos governantes e de Agripa, ele tinha solicitado um julgamento perante a corte imperial. Lucas, o historiador de Atos e Aristarco de Tessalônica, tiveram o privilégio de acompanhá-lo. Paulo foi entregue aos cuidados de um centurião chamado Júlio, da guarda imperial: um oficial que, em todas as ocasiões, tratou o apóstolo com grande gentileza e consideração.

Foi então determinado que Paulo deveria ser enviado juntamente com “alguns outros presos” pelo mar até a Itália. “E, embarcando nós”, diz Lucas, “em um navio adramitino, partimos navegando pelos lugares da costa da Ásia, estando conosco Aristarco, macedônio, de Tessalônica. E chegamos no dia seguinte a Sidom, e Júlio, tratando Paulo humanamente, lhe permitiu ir ver os amigos, para que cuidassem dele.” (Atos 27:2,3). Partindo de Sidom eles foram forçados a navegar por baixo do Chipre, pois os ventos eram contrários, e chegaram a Mirra, uma cidade na Lícia. Aqui o centurião teve seus prisioneiros transferidos para um navio de Alexandria em rota para a Itália. Neste navio, após deixarem Mirra, “por muitos dias navegaram vagarosamente”, pois o clima era desfavorável. Mas navegando por baixo de Creta, eles chegaram em segurança em Bons Portos.

O inverno estava próximo, e se tornou uma séria questão qual curso deveria ser tomado - se eles deviam permanecer em Bons Portos durante o inverno, ou se deveriam procurar algum porto melhor.

Aqui devemos fazer uma breve pausa e contemplar a maravilhosa posição de nosso apóstolo nessa séria consulta. Como anteriormente com Festo e Agripa, ele se põe diante do capitão, do proprietário do navio, do centurião e de toda tripulação, tendo a mente de Deus. Ele aconselha, dirige e age como se ele fosse realmente o mestre do navio, no lugar de ser um prisioneiro sob custódia de soldados. Ele aconselha para que fiquem onde estão. Ele adverte-lhes de que iriam se encontrar com um clima violento se se aventurassem ao alto mar, e que muito prejuízo seria feito ao navio e sua carga, e que colocaria em risco a vida dos que estavam a bordo. Mas o mestre e o proprietário do navio, que tinham o máximo interesse no próprio navio, se deixaram guiar pelas circunstâncias e não pela fé; eles desejavam correr o risco de buscar por um porto mais cômodo para invernar, e o centurião naturalmente cedeu ao julgamento deles. Todos estavam contra o julgamento do homem de fé - o homem de Deus - o homem que estava falando e agindo por Deus. Até mesmo as circunstâncias no cenário ao redor deles parecia favorável à opinião dos marinheiros, e não do apóstolo. Mas nada pode falsificar o julgamento da fé. Este deve ser verdade a despeito de qualquer circunstância.

Foi, portanto, resolvido pela maioria de que eles deveriam deixar Bons Portos, e navegar para Fenice como um porto mais seguro para o inverno. O vento mudou nesse exato momento. Tudo parecia favorecer os marinheiros. “E, soprando o sul brandamente…”. Eles estavam tão otimistas que Lucas nos diz que eles supunham que o propósito deles já estava realizado (v. 13). Estando em acordo, eles levantaram âncora e, com uma brisa suave vinda do sul, o navio, com suas “duzentas e setenta e seis almas” a bordo, partiu do porto de Bons Portos. Mas mal eles contornaram o Cabo Matala, uma distância de apenas quatro ou cinco milhas, e um vento forte vindo da costa pegou o navio, e o lançou de tal maneira que já não era possível para o timoneiro mantê-lo em seu curso. E, como observa Lucas, “nos deixamos ir à toa”(Atos 27:15), ou seja, eles foram obrigados a deixar o navio ser levado pelo vento.

Mas nossa principal preocupação aqui é com Paulo como o homem da fé. Quais devem ter sido os pensamentos e sentimentos de seus companheiros passageiros nesse momento? Eles tinham confiado no vento, e agora eles tinham que enfrentar a tempestade. Os solenes conselhos e avisos da fé tinham sido rejeitados. Muitos, infelizmente, sem se importarem com os avisos aqui registrados, e sob o lisonjeiro vento de circunstâncias favoráveis, se lançaram na grande viagem da vida, totalmente desatentos e independentes da voz da fé. Mas como o lisonjeiro vento que traiu o navio depois que saiu do porto, tudo logo se torna uma furiosa tempestade no agitado mar da vida.

A Tempestade no Mar Adriático

O termo “euro-aquilão” dado a este tempestuoso vento indica, como nos é dito, uma tempestade de extrema violência. Veio acompanhada pela agitação e rodopio das nuvens, e por um grande abalo marítimo, com enormes ondas. O historiador sagrado agora procede dando um relato preciso sobre o que foi feito do navio nessas perigosas circunstâncias. Tendo corrido para o sotavento de Clauda, eles parecem ter escapado por um momento da violência da tempestade. Isso lhes deu então uma oportunidade de fazer preparações para a tempestade.

O dia após terem deixado Clauda - e a violência da tempestade continuando - eles começaram a aliviar o navio, lançando ao mar tudo o que poderia ser poupado. Todas as mãos pareciam estar trabalhando. “E, andando nós agitados por uma veemente tempestade, no dia seguinte aliviaram o navio. E ao terceiro dia nós mesmos, com as nossas próprias mãos, lançamos ao mar a armação do navio. E, não aparecendo, havia já muitos dias, nem sol nem estrelas, e caindo sobre nós uma não pequena tempestade, fugiu-nos toda a esperança de nos salvarmos.” (Atos 27:18-20)

Nada poderia ser mais terrível para os marinheiros antigos do que um céu continuamente cheio de nuvens, já que estavam acostumados a serem guiados pela observação dos corpos celestiais. Foi nesse momento de perplexidade e desespero que o apóstolo “pôs-se em pé” e ergueu sua voz em meio à tempestade. E de suas palavras de simpatia aprendemos que todo o sofrimento deles foi agravado pela dificuldade de se preparar comida. “E, havendo já muito que não se comia, então Paulo, pondo-se em pé no meio deles, disse: Fora, na verdade, razoável, ó senhores, ter-me ouvido a mim e não partir de Creta, e assim evitariam este incômodo e esta perda. Mas agora vos admoesto a que tenhais bom ânimo, porque não se perderá a vida de nenhum de vós, mas somente o navio. Porque esta mesma noite o anjo de Deus, de quem eu sou, e a quem sirvo, esteve comigo, dizendo: Paulo, não temas; importa que sejas apresentado a César, e eis que Deus te deu todos quantos navegam contigo. Portanto, ó senhores, tende bom ânimo; porque creio em Deus, que há de acontecer assim como a mim me foi dito. É contudo necessário irmos dar numa ilha.” (Atos 27:21-26)

O Naufrágio

O naufrágio não estava muito distante. “E, quando chegou a décima quarta noite, sendo impelidos de um e outro lado no mar Adriático, lá pela meia-noite suspeitaram os marinheiros que estavam próximos de alguma terra. E, lançando o prumo, acharam vinte braças; e, passando um pouco mais adiante, tornando a lançar o prumo, acharam quinze braças.” (Atos 27:27,28). Por quatorze dias e noites o pesado vendaval continuou sem parar, tempo durante o qual o sofrimento deles deve ter sido além de qualquer descrição.

No fim do décimo quarto dia, “lá pela meia-noite”, os marinheiros ouviram um som que indicava que eles estavam se aproximando da terra. O som, sem dúvidas, vinha das ondas de arrebentação, que se quebram nos rochedos. O tempo não podia ser desperdiçado, então eles imediatamente lançaram quatro âncoras da popa, e ansiosamente esperaram pelo amanhecer. Aqui houve uma tentativa natural, porém mesquinha, dos marinheiros para salvarem suas próprias vidas. Eles baixaram o bote com o professo propósito de lançar as âncoras da proa, porém com a intenção de abandonar o navio a afundar. Paulo, vendo isso, e conhecendo seus verdadeiros desígnios, imediatamente “disse ao centurião e aos soldados: Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos. Então os soldados cortaram os cabos do batel (bote), e o deixaram cair.” (Atos 27:31,32). Assim, o conselho divino do apóstolo foi o meio de salvar todos a bordo. “Se estes não ficarem no navio, não podereis salvar-vos.” (Atos 27:31). Já não mais o capitão do navio ou sua tripulação eram procurados para buscar sabedoria e segurança. Todo olho se voltava para Paulo, o prisioneiro - o homem da fé - o homem que acredita e age de acordo com a revelação de Deus. Circunstâncias frequentemente enganam quando olhamos para sua direção; a palavra de Deus é nosso único guia seguro, seja em clima calmo ou desagradável.

Durante o ansioso intervalo que se manteve até o amanhecer do dia, Paulo teve uma oportunidade de levantar sua voz a Deus, e para o encorajamento de toda a companhia. Que cena de intenso interesse deve ter sido! A noite escura e tempestuosa - o navio em perigo de afundar ou de se despedaçar nos rochedos. Mas havia alguém a bordo que estava perfeitamente feliz em meio a tudo isto. O estado do navio, as águas rasas e o alarmante som das ondas não surtiam terror nele. Ele estava feliz no Senhor, e em plena comunhão com Seus próprios pensamentos e propósitos. Tal é o lugar do cristão em meio a toda tempestade, embora comparativamente poucos tomam esse lugar: somente a fé pode alcançá-lo. Esta foi a última exortação de Paulo à companhia do navio.

“E, entretanto que o dia vinha, Paulo exortava a todos a que comessem alguma coisa, dizendo: É já hoje o décimo quarto dia que esperais, e permaneceis sem comer, não havendo provado nada. Portanto, exorto-vos a que comais alguma coisa, pois é para a vossa saúde; porque nem um cabelo cairá da cabeça de qualquer de vós. E, havendo dito isto, tomando o pão, deu graças a Deus na presença de todos; e, partindo-o, começou a comer. E, tendo já todos bom ânimo, puseram-se também a comer.” (Atos 27:33-36)

O único desejo deles agora era chegar com o navio em terra e escapar. Embora não tivessem ainda conhecido a terra, “enxergaram uma enseada que tinha praia” e se determinaram a encalhar o navio ali. Então eles lançaram âncoras, largaram as amarras do leme, içaram a vela maior e dirigiram-se para a praia. O navio, assim, conduzido, com a proa encravada na praia, permaneceu imóvel, mas a popa se quebrou em pedaços pela violência das ondas.

O navio de Paulo tinha agora alcançado a costa, e mais uma vez o homem da fé foi necessário para a salvação das vidas de todos os prisioneiros. O centurião, grandemente influenciado pelas palavras de Paulo, e temendo por sua segurança, previne que os soldados matem os prisioneiros, e ordena que aqueles que sabiam nadar deveriam se lançar primeiro ao mar e chegar à terra, e que o resto deveria seguir em tábuas ou pedaços do navio disponíveis. “E assim aconteceu que todos chegaram à terra a salvo.” (Atos 27:44). O salvamento deles foi completo, como Paulo tinha predito que seria.

Paulo em Malta

Atos 28. Os habitantes da ilha receberam os náufragos estrangeiros com muita gentileza, e imediatamente acenderam um fogo para aquecê-los. O historiador sagrado nos pinta um quadro vivo de toda a cena. Vemos as pessoas descritas se movendo nela: o apóstolo recolhendo lenha para o fogo - a víbora mordendo sua mão - os nativos pensando, a princípio, que ele fosse um assassino, e depois que fosse um deus, pelo fato de ter escapado ileso da mordida. Públios, o principal líder da ilha, os recebeu com cortesia por três dias, e seu pai, que estava de cama com febre, foi curado por Paulo ao impor suas mãos sobre ele e orar. Permitiram que o apóstolo obrasse muitos milagres durante sua estadia na ilha, e toda companhia, por causa dele, foram tidos com muita honra. Vemos que Deus está com Seu amado servo, e que ele exercita, como de costume, seu poder entre os habitantes. Como a parte final da viagem de Paulo a Roma é bastante próspera, havendo poucos incidentes registrados, vamos tomar nota brevemente:

Após uma estadia de três meses em Malta, os soldados e seus prisioneiros partiram em um navio de Alexandria para a Itália. Eles passaram por Siracusa, onde ficaram por três dias: e em Régio, a partir de onde tiveram um vento bom até Potéoli. Aqui eles “acharam alguns irmãos”, e enquanto passavam alguns dias com eles, desfrutando do ministério do amor fraternal, as novidades sobre a chegada de Paulo chegaram aos ouvidos dos cristãos de Roma. Eles logo enviaram alguns dos seus, que se encontraram com Paulo e seus amigos na Praça de Ápio e nas Três Vendas. Um belo exemplo e ilustração da comunhão dos santos. Quais deveriam ter sido os sentimentos de nosso apóstolo nessa primeiro encontro com os cristãos da igreja em Roma! Seu desejo há muito acalentado estava finalmente cumprido. Seu coração estava cheio de louvor. “Ele deu graças a Deus”, como diz Lucas, “e tomou ânimo.” (Atos 28:15)

A Chegada de Paulo a Roma

Ao longo da Via Ápia, muito provavelmente, Paulo e seus companheiros viajaram até Roma. Ao chegarem, “o centurião entregou os presos ao capitão da guarda3; mas a Paulo se lhe permitiu morar por sua conta à parte, com o soldado que o guardava.” (Atos 28:16). Embora ele não tenha sido libertado do constante aborrecimento de estar acorrentado a um soldado, todas as indulgências permitidas a um prisioneiro lhe foram concedidas.

Paulo tinha agora o privilégio “de anunciar o evangelho aos que estavam em Roma” (Romanos 1:15); e prosseguiu sem demora a agir de acordo com sua regra divina: “primeiro aos judeus”. Ele chama os principais dos judeus e explica a eles sua verdadeira posição. Ele lhes assegura que não tinha cometido ofensa alguma contra sua nação, ou contra os costumes dos pais, mas que ele tinha sido trazido a Roma para responder a certas acusações feitas contra ele pelos judeus na Palestina: e tão infundadas eram acusações, que até mesmo o governador romano estava disposto a libertá-lo, mas os judeus se opunham à sua liberdade. De fato era, como ele disse, que “pela esperança de Israel estou com esta cadeia”. (Atos 28:20). Seu único crime tinha sido sua firme fé nas promessas de Deus a Israel através do Messias.

Os judeus romanos, em resposta, asseguraram a Paulo que nenhum relato sobre os preconceitos sofridos tinha chegado a Roma, e que eles desejavam ouvir dele mesmo uma declaração de sua fé; e além disso, que em toda parte se falava mal dos cristãos. Um dia foi então marcado para um encontro em seu próprio aposento. Na hora marcada muitos vieram, “aos quais declarava com bom testemunho o reino de Deus, e procurava persuadi-los à fé em Jesus, tanto pela lei de Moisés como pelos profetas, desde a manhã até à tarde.” (Atos 28:23). Mas os judeus em Roma, assim como em Antioquia e Jerusalém, foram tardios de coração em crer. “E alguns criam no que se dizia; mas outros não criam.” (Atos 28:24). Mas quão séria e incansavelmente ele trabalhava para ganhar seus corações para Cristo! De manhã até à tarde ele não apenas pregava a Cristo, mas procurava convencê-los a respeito dEle. Ele procurou, podemos estar certos, persuadi-los a respeito da Divindade e humanidade do Senhor - Seu perfeito sacrifício - Sua ressurreição, ascensão e glória. Que lição e que assunto para o pregador em todas as épocas. Persuadir homens a respeito de Jesus desde a manhã até à tarde.

A condição dos judeus é agora posta diante de nós pela última vez. O juízo pronunciado por Isaías estava para cair sobre eles em todo o seu poder fulminante - um juízo sob o qual permanecem até hoje - um juízo que deve continuar até que Deus se interponha para dar-lhes arrependimento, e para livrá-los por Sua graça à glória de Seu próprio nome. Mas, em meio a tudo isso, “a salvação de Deus é enviada aos gentios, e eles a ouvirão.” (Atos 28:28), e, como sabemos - bendito seja Seu nome - eles ouviram, e nós mesmos somos testemunhas disso. 4

“E Paulo ficou dois anos inteiros na sua própria habitação que alugara, e recebia todos quantos vinham vê-lo; pregando o reino de Deus, e ensinando com toda a liberdade as coisas pertencentes ao Senhor Jesus Cristo, sem impedimento algum.” (Atos 28:30,31)

Estas são as últimas palavras de Atos A cena na qual as cortinas se fecham é bastante sugestiva - a oposição da incredulidade judaica quanto às coisas relacionadas à salvação de suas almas sugerem, infelizmente, o que em breve se abateria sobre eles. E aqui, também, acaba a história desse precioso servo de Deus, até onde nos foi diretamente revelada. A voz do Espírito da verdade sobre este assunto torna-se silenciosa. O conhecimento que temos sobre a subsequente história de Paulo deve agora ser coletado quase que exclusivamente de suas próximas epístolas. E delas aprendemos mais que mera história: elas nos dão um bendito vislumbre dos sentimentos, conflitos, afetos e simpatias do grande apóstolo, e da condição da igreja de Deus em geral, até o momento de seu martírio.

O Livro de Atos como um Livro Transicional entre Dispensações

Vamos aqui fazer uma pausa e contemplar por um momento nosso apóstolo como prisioneiro na cidade imperial. O evangelho tinha agora sido pregado de Jerusalém a Roma. Grandes mudanças tinham ocorrido nos modos dispensacionais de Deus [N. do T.: os modos como Deus trata com o ser humano]. O livro de Atos é transicional neste caráter. Os judeus, como vemos, são agora deixados de lado - ou melhor, eles mesmos se deixaram ficar de lado por rejeitarem aquilo que Deus estava fazendo. Os conselhos de Sua graça dirigidos a eles, sem dúvida, permanecem para sempre; mas, entretanto, eles são deixados de lado e outros vêm e tomam o lugar do bendito relacionamento com Deus. Paulo era uma testemunha da graça de Deus para com Israel. Ele mesmo era um israelita, mas também escolhido de Deus para introduzir algo inteiramente novo - a igreja, o corpo de Cristo, “do qual fui feito ministro… de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a comunhão do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo” (Efésios 3:7-9). Esta nova coisa pôs de lado qualquer distinção entre judeu e gentio, como pecadores e na unidade desse corpo. A hostilidade dos judeus contra essas verdades nunca diminuíram, como temos sempre visto, assim como vemos os resultados desta inimizade. Os judeus desaparecem da cena inteiramente, e a igreja se torna o vaso do testemunho de Deus na terra, e Sua habitação pelo Espírito (Efésios 2:22). Indivíduos judeus, é claro, que creem em Jesus, são abençoados em conexão com um Cristo celestial e com o “um só corpo”. Mas Israel, por um tempo, é deixado sem Deus, e sem a presente comunicação com Ele. As Epístolas aos Romanos e aos Efésios estabelecem plenamente essa doutrina (especialmente Romanos, capítulos 9, 10 e 11 ). Agora retornamos à ocupação de Paulo durante sua prisão.

A Ocupação de Paulo Durante Sua Prisão

Embora um prisioneiro, ele foi autorizado a manter livre relação com seus amigos, e foi então cercado de muitos de seus mais antigos e fiéis companheiros. Das Epístolas aprendemos que Lucas, Timóteo, Tíquico, Epafras, Aristarco e outros estavam com o apóstolo durante esse tempo. Ainda assim, devemos nos lembrar que ele estava, como prisioneiro, preso em cadeias a um soldado e exposto ao rude controle de tal. Devido ao longo atraso de seu julgamento, ele permaneceu nessa condição por dois anos, durante o qual ele pregou o evangelho e abriu as escrituras às congregações que vinham ouvi-lo. Ele também escreveu várias epístolas para as igrejas em lugares distantes.

Tendo plena e fielmente cumprido o dever que tinha para com os judeus, o povo favorecido de Deus, ele agora se dirige aos gentios, embora não deixasse totalmente de lado os judeus. Sua porta estava aberta de manhã até a noite para todos que quisessem vir e ouvir as grandes verdades do cristianismo. E, em alguns aspectos, ele nunca teve oportunidade melhor, uma vez que, sob proteção dos romanos, os judeus não tinham permissão para incomodá-lo.

Os efeitos da pregação de Paulo através da bênção do Senhor logo foram manifestos. Os guardas romanos, a família de César, e pessoas de “todos os demais lugares” foram abençoados através dele. “E quero, irmãos, que saibais”, escreve ele aos filipenses, “que as coisas que me aconteceram contribuíram para maior proveito do evangelho; de maneira que as minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana, e por todos os demais lugares”. E depois, o apóstolo diz: “Todos os santos vos saúdam, mas principalmente os que são da casa de César.” (Filipenses 1:12,13; 4:22). A bênção parece ter sido primeiramente manifesta ao pretório, ou entre os guardas pretorianos. “As minhas prisões em Cristo foram manifestas por toda a guarda pretoriana”, isto é, no alojamento dos guardas e tropas. O evangelho da glória que Paulo pregava foi ouvido por todos eles. Até mesmo o gentil prefeito romano Burrus, com seu amigo íntimo Sêneca, tutor de Nero, pode ter ouvido o evangelho da graça de Deus. Os modos corteses de Paulo, e suas grandes habilidades, tanto naturais quanto adquiridas, eram bem adequadas para atrair tanto o estadista quanto o filósofo. Sua estadia ali por dois anos lhe trouxe muitas oportunidades.

Ele deve ter ficado conhecido, podemos dizer, entre quase todos os guardas. Com cada mudança de guarda, a porta para o evangelho se abria cada vez mais. Estando constantemente preso a um dos soldados como sentinela, e sendo tal sentinela constantemente substituído, ele então se familiarizou com muitos; e com que amor, fervor e ardente eloquência ele deve ter falado com eles sobre Jesus e sobre a necessidade que tinham dEle! Mas devemos esperar até a manhã da primeira ressurreição para vermos os resultados da pregação de Paulo naquele lugar. O dia o declarará, e Deus terá toda a glória.

O apóstolo também nos faz saber que o evangelho tinha penetrado no próprio palácio. Havia santos na casa de César. O cristianismo foi plantado dentro das paredes imperiais, “e por todos os demais lugares”. Sim, “por todos os demais lugares”, disse o historiador sagrado. Não apenas Paulo estava trabalhando dentro dos recintos imperiais, como também seus companheiros, a quem ele chama de “cooperadores”, estavam sem dúvidas pregando o evangelho “por todos os demais lugares”, dentro e fora da cidade imperial, de modo que o sucesso do evangelho pudesse ser atribuído aos esforços de outros, assim como aos incansáveis esforços do grande apóstolo em seu cativeiro.

O Escravo Foragido, Onésimo

De todos os convertidos que o Senhor deu ao apóstolo estando preso, nenhum deles parece ter ganho tão inteiramente seu coração como o pobre escravo fugitivo, Onésimo. Uma bela imagem de força, humildade e ternura do divino amor no coração que trabalha pelo Espírito, e docemente brilha em todos os detalhes da vida individual! O sucesso do apóstolo no palácio imperial não enfraquece seu interesse em um jovem discípulo da mais baixa condição da sociedade. Nenhuma porção da comunidade era mais depravada do que os escravos. Mas quem se associaria a um escravo fugitivo naquela devassa cidade? Mesmo assim, a partir destas profundezas, Onésimo é tirado pelas mãos invisíveis do amor eterno. Ele cruza o caminho do apóstolo, ouve-o pregar o evangelho, é convertido, dedica-se de uma vez por todas ao Senhor e a Seu serviço, e encontra em Paulo um amigo e irmão, assim como um líder e mestre. E agora resplandecem as virtudes e o valor do cristianismo, e as mais doces aplicações da graça de Deus para com um escravo pobre, sem amigos, destituído e foragido.

“O que é o cristianismo?”, podemos perguntar, e qual sua origem, em vista de tais novidades em Roma. O que é o cristianismo no mundo? Será que foi aos pés de Gamaliel que Paulo aprendeu a amar assim? Não, querido leitor. Foi aos pés de Jesus. Que bom seria se o eloquente historiador de “O Declínio e a Queda do Império Romano” tivesse entrado nesta cena e aprendido o valor do cristianismo divino, em vez de ter se delongado em ridicularizá-lo com desdém! Se pensarmos por um momento nos trabalhos do apóstolo nesse tempo - sua idade - suas fraquezas - suas circunstâncias (para não falar dos assuntos elevados, e das imensas verdades fundamentais que então ocupavam sua mente) - podemos muito bem admirar a graça que podia entrar em cada detalhe do relacionamento de mestre e escravo, e isto com tal delicada consideração por cada pedido. A carta que ele enviou, com Onésimo, ao seu injuriado mestre Filemom, é claramente a mais tocante já escrita. Lendo-a por alto, perderemos o calor e seriedade de suas afeições, a delicadeza e equidade de seus pensamentos, ou a sublime dignidade que permeia por toda a epístola.

Vamos agora ponderar por um momento sobre as epístolas escritas durante sua prisão.

Epístolas que foram Escritas por Paulo Durante seu Aprisionamento

Não pode haver dúvida de que a Epístola a Filemom, aos Colossenses, aos Efésios e aos Filipenses foram escritas por volta dos últimos tempos de Paulo como prisioneiro em Roma. Ele se refere a suas “prisões” em todas essas cartas, e fala repetidamente sobre a expectativa de sua libertação (Compare Filemom 1:22; Colossenses 4:18; Efésios 3:1; 4:1; 6:20; Filipenses 1:7, 25; 2:24; 4:22). Além disso, ele deve ter estado por tempo o bastante em Roma para que as novidades sobre sua prisão chegassem aos afetuosos filipenses, e para que eles tivessem lhe enviado refrigério.

As três primeiras parecem ter sido escritas algum tempo antes da Epístola aos Filipenses. Paulo fala sobre um assunto urgente o qual teve de ser resolvido em sua epístola a eles: “De sorte que espero vo-lo enviar logo que tenha provido a meus negócios. Mas confio no Senhor, que também eu mesmo em breve irei ter convosco.” (Filipenses 2:23,24). As três primeiras podem ter sido escritas por volta da primavera do ano 62 d.C., e enviadas por Tíquico e Onésimo; a última, no outono e enviada por Epafrodito.

Supõe-se também que a Epístola aos Hebreus tenha sido escrita por essa época, e cada justa consideração leva à conclusão de que Paulo foi o escritor. A expressão ao final da epístola “os da Itália vos saúdam” parecem decisivas quanto a onde o escritor estava quando a escreveu. E as seguintes passagens parecem ser decisivas quanto à época: “Sabei que já está solto o irmão Timóteo, com o qual, se ele vier depressa, vos verei.” (Hebreus 13:23,24). Compare isto com o que Paulo escreveu aos filipenses: “E espero no Senhor Jesus que em breve vos mandarei Timóteo… logo que tenha provido a meus negócios. Mas confio no Senhor, que também eu mesmo em breve irei ter convosco.” (Filipenses 2:19,23,24). É difícil duvidar que essas passagens não tenham sido escritas pela mesma caneta por volta da mesma época, e que se referem aos mesmo movimentos pretendidos. Mas não iremos insistir nesse ponto. Uma coisa, no entanto, é evidente - que a epístola foi escrita antes da destruição de Jerusalém em 70 d.C., pois o templo ainda estava de pé, e a adoração no templo continuava inalterada. Compare Hebreus 8:4; 9:25; 10:11; 13:10-13.

A Absolvição e Libertação de Paulo

Depois de quatro anos cheios em prisão, parte na Judeia e parte em Roma, o apóstolo está novamente em liberdade. No entanto, não temos detalhes particulares quanto ao caráter de seu julgamento, ou quanto aos motivos de sua absolvição. O historiador sagrado nos conta que ele ficou por dois anos inteiros em sua própria casa alugada, mas ele não diz o que se seguiu ao final desse período. Teria se seguido a condenação e morte do apóstolo, ou sua absolvição e liberação? Esta é a questão, e a única resposta certa para ela deve ser retirada principalmente das Epístolas Pastorais. A Primeira a Timóteo e a Epístola a Tito parecem ter sido escritas na mesma época; e a Segunda a Timóteo algum tempo depois.

É admitido, cremos, por quase todos os que são competentes para decidir sobre tal questão, que Paulo foi absolvido, e que ele passou alguns anos em viagem, em perfeita liberdade, antes de ser novamente preso e condenado. E, embora seja difícil traçar os passos do apóstolo durante esse período, ainda assim podemos tirar algumas conclusões pelas suas cartas, sem invadir o domínio da conjectura. Muito provavelmente ele viajou rapidamente e visitou muitos lugares. Durante o prolongado período de seu aprisionamento, muito mal tinha sido feito pelos seus inimigos nas igrejas que foram plantadas por meio dele. Elas precisavam de sua presença, seu conselho e seu encorajamento. E pelo que conhecemos quanto à sua energia e zelo, podemos ter certeza de que nenhum trabalho seria poupado para visitá-las.

A Partida de Paulo da Itália

1. Ao escrever aos Romanos, antes de seu aprisionamento, Paulo expressou sua intenção de passar por Roma até a Espanha. “Quando partir para Espanha”, diz ele, “irei ter convosco”. E novamente: “Assim que, concluído isto, e havendo-lhes consignado este fruto, de lá, passando por vós, irei à Espanha.” (Romanos 15:24,28). Alguns pensam que ele tenha ido à Espanha imediatamente após sua libertação. A principal evidência apresentada em favor dessa hipótese é suprida por Clemente, um cooperador mencionado em Filipenses 4:3, que dizem que mais tarde era reconhecido como um bispo de Roma. O escritor fala de Paulo ter pregado o evangelho do leste a oeste: que ele tinha instruído o mundo todo (se referindo, sem dúvidas, ao Império Romano), e que ele tinha ido ao mais extremo oeste - ou seja, até a região da Espanha. Como Clemente foi um dos próprios discípulos e cooperadores de Paulo, seu testemunho é digno de nosso respeito. Ainda assim, não está nas Escrituras, e portanto não pode ser considerado conclusivo.

2. Pelas cartas mais recentes de Paulo, ele parece ter alterado seus planos e desistido da ideia de ir à Espanha, pelo menos por um tempo. Podemos tirar isso principalmente das Epístolas a Filemom e aos Filipenses. Ao primeiro ele escreve: “E juntamente prepara-me também pousada, porque espero que pelas vossas orações vos hei de ser concedido.” (Filemom 1:22). Aqui ele pede a Filemom que espere pois iria em breve ter com ele em pessoa. Aos filipenses ele escreve, e falando de Timóteo acrescenta: “De sorte que espero vo-lo enviar logo que tenha provido a meus negócios. Mas confio no Senhor, que também eu mesmo em breve irei ter convosco.”. E novamente, “E espero no Senhor Jesus que em breve vos mandarei Timóteo, para que também eu esteja de bom ânimo, sabendo dos vossos negócios.” (Filipenses 2:19,23,24). Os movimentos pretendidos do apóstolo e de seu amado Timóteo parecem muito claros nessas passagens. Era evidentemente o propósito do apóstolo enviar Timóteo a Filipos assim que o julgamento terminasse, e ficar na Itália até que Timóteo retornasse com um relatório sobre a condição deles.

3. Pode-se razoavelmente esperar que Paulo tenha cumprido a intenção que ele havia expressado tão recentemente, de visitar as igrejas na Ásia Menor, algumas das quais ainda nem mesmo tinha conhecido. Tendo cumprido os objetivos de sua missão à Ásia Menor, alguns pensam que, depois disso, ele deve ter empreendido sua viagem à Espanha, mas sobre isso não temos informação confiável, e a mera conjectura não tem valor.

4. Outra teoria é que ele tenha ido da Itália para a Judeia, e daí para a Antioquia, Ásia Menor e Grécia. Este esquema se baseia principalmente em Hebreus 13:23,24. “Sabei que já está solto o irmão Timóteo, com o qual, se ele vier depressa, vos verei… Os da Itália vos saúdam.” É também suposto que, enquanto ele estava esperando em Potéoli para a embarcação, imediatamente após o retorno de Timóteo, notícias chegaram ao apóstolo de que uma grande perseguição se erguia contra os cristãos em Jerusalém. Esse conhecimento tão triste encheu tanto o coração de Paulo com tristeza que ele escreveu sua famosa carta a eles - a Epístola aos Hebreus. Pouco tempo depois Timóteo teria chegado, e então Paulo e seus companheiros partiram para a Judeia. 5

Os Lugares Visitados por Paulo Durante sua Liberdade

Tendo conhecido essas diferentes teorias para examinação própria por parte do leitor, vamos tomar nota dos lugares visitados por Paulo mencionados nas Epístolas.

1. Algum tempo depois de ter deixado Roma, Paulo e seus companheiros devem ter visitado a Ásia Menor e a Grécia. “Como te roguei, quando parti para a macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns, que não ensinem outra doutrina.” (1 Timóteo 1:3). Sentindo-se, talvez, um pouco ansioso por seu filho Timóteo e pelo peso das responsabilidades de sua posição em Éfeso, ele envia uma carta de encorajamento, conforto e autoridade, enquanto estava ainda na Macedônia - A Primeira Epístola a Timóteo.

2. Algum tempo depois, Paulo visitou a ilha de Creta em companhia de Tito, e o deixou lá. Ele também, algum tempo depois, envia a ele uma carta de instrução e autoridade, a Epístola a Tito. Timóteo e Tito podem ser considerados como delegados ou representantes do apóstolo. “Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses presbíteros, como já te mandei.” (Tito 1:5)

3. Paulo pretendia passar o inverno em um lugar chamado Nicópolis: “Quando te enviar Ártemas, ou Tíquico, procura vir ter comigo a Nicópolis; porque deliberei invernar ali.” (Tito 3:12)

4. Ele visitou Trôade, Corinto e Mileto. “Quando vieres, traze a capa que deixei em Trôade, em casa de Carpo, e os livros, principalmente os pergaminhos… Erasto ficou em Corinto, e deixei Trófimo doente em Mileto.” (2 Timóteo 4:13,20)

O Segundo Aprisionamento de Paulo em Roma

Alguns supõem que o apóstolo tenha sido preso em Nicópolis (onde ele pretendia passar o inverno) e dali levado prisioneiro a Roma. Outros supõem que, após invernar em Nicópolis e visitar os lugares mencionados anteriormente, ele retornou a Roma em um estado de liberdade pessoal, mas foi preso durante a perseguição de Nero e lançado na prisão.

Quanto à acusação exata que agora era feita contra o apóstolo, e pela qual ele foi preso, não temos meios de verificar com certeza. Pode ter sido simplesmente a acusação por ser um cristão. A perseguição generalizada contra os cristãos agora se enfurecia com maior severidade. Não se tratava mais sobre certas questões da lei, e ele não estava mais sob os cuidados suaves e humanos de Burrus: ele agora era tratado como um malfeitor - como um criminoso comum: “Por isso sofro trabalhos e até prisões, como um malfeitor” (2 Timóteo 2:9) - e muito diferente das cadeias de seu primeiro aprisionamento, quando ele morava em sua própria casa alugada.

Alexandre - que acreditamos ser de Éfeso - evidentemente tinha algo a ver com sua prisão. Ou ele foi um de seus acusadores ou, ao menos, uma testemunha contra ele. “Alexandre, o latoeiro”, ele escreve a Timóteo, “causou-me muitos males” [“exibiu muito mal de espírito contra mim”] (2 Timóteo 4:14) . Dez anos antes disso, ele tinha estado à frente como um antagonista aberto do apóstolo em Éfeso (Atos 19). Ele pode agora ter procurado vingança colocando informação contra o apóstolo perante o prefeito. O fato de ser o mesmo Alexandre de Éfeso parece claro considerando o que ele escreve a Timóteo: “Tu, guarda-te também dele, porque resistiu muito às nossas palavras.” (2 Timóteo 4:15)

Durante a primeira e extensa prisão de Paulo, ele estava cercado por muitos de seus mais velhos e valorados companheiros, a quem ele chama de “cooperadores” e “prisioneiros comigo”. Por meio destes, seus mensageiros, embora acorrentado e preso em um único local, ele continuou em constante relação com seus amigos por todo o império, e com as igrejas dos gentios que ainda nem tinham visto sua face. Mas seu segundo aprisionamento estava em perfeito contraste com tudo isso. Ele estava longe de todos os seus companheiros de costume. Erasto ficou em Corinto, Trófimo foi deixado doente em Mileto, Tito tinha ido à Dalmácia, Crescente à Galácia, Tíquico tinha sido enviado a Éfeso, e Demas o tinha abandonado, “amando o presente século” (2 Timóteo 4:10).

O apóstolo estava agora quase que inteiramente sozinho. “Só Lucas está comigo”, diz ele (2 Timóteo 4:11). Mas o Senhor pensava em Seu solitário e abandonado servo. Um feixe luminoso, a partir da fonte de amor, brilha em meio à escuridão e melancolia de sua prisão. Havia alguém fiel em meio à deserção geral, e alguém que não se envergonhava das cadeias do apóstolo. Quão peculiarmente doce e refrescante para o coração do apóstolo deve ter sido o ministério de Onesíforo naquele tempo! Nunca poderá ser esquecido. Onesíforo e sua casa - que Paulo relaciona consigo mesmo - serão guardados em memória eterna, e deverão colher o fruto de sua coragem e devoção ao apóstolo para sempre e sempre. “Estive na prisão, e foste me ver.” (leia Mateus 25:31-46).

No que diz respeito às circunstâncias do julgamento de Paulo, não temos informação certa. Muito provavelmente, na primavera de 66 ou 67 d.C., Nero tomou seu lugar no tribunal, cercado por seus jurados e a guarda imperial, e Paulo foi levado à corte. Temos razões para acreditar que o espaçoso lugar se encheu de uma multidão promíscua de judeus e gentios. O apóstolo estava mais uma vez diante do mundo. Ele tinha novamente a oportunidade de proclamar a todas a nações aquilo pelo qual ele tinha sido feito prisioneiro - “e todos os gentios a ouvissem.” (2 Timóteo 4:17). Imperadores e senadores, príncipes e nobres, e todos os grandes da terra, deveriam ouvir o evangelho da graça de Deus. Tudo o que o inimigo tinha feito se torna um testemunho ao nome de Jesus. Aqueles que antes eram inacessíveis ouvem o evangelho pregado com poder do alto.

Seria bastante proveitoso nos demorarmos nessa maravilhosa cena por alguns momentos. Nunca antes houve tal testemunho no pretório de Nero. A sabedoria de Deus em tornar todos os esforços do inimigo em tal testemunho é a mais profunda, enquanto Seu amor e graça no evangelho brilha inefável e igualmente para todas as classes. O próprio apóstolo comanda nossa devota admiração. Embora nesse momento seu coração estivesse quebrado pela infidelidade da igreja, ele permaneceu forte no Senhor e na força do Seu poder. Ele tinha uma oportunidade de falar de Jesus, de Sua morte e ressurreição, de modo que a multidão pagã pudesse ouvir o evangelho. Sua idade, suas fraquezas, sua forma venerável, seu braço agrilhoado, tudo isso tendia a aprofundar a impressão de sua eloquência viril e direta. Mas, felizmente, temos um relato, de sua própria pena, da primeira audiência de sua defesa. Ele escreve assim a Timóteo, imediatamente após o evento: “Ninguém me assistiu na minha primeira defesa, antes todos me desampararam. Que isto lhes não seja imputado. Mas o Senhor assistiu-me e fortaleceu-me, para que por mim fosse cumprida a pregação, e todos os gentios a ouvissem; e fiquei livre da boca do leão.” (2 Timóteo 4:16,17)

”Observe agora, e veja o santo escolhido de Cristo

Em triunfo usar cadeias como seu Senhor;

Nenhum temor irá desviá-lo ou abatê-lo

Sua vida é Cristo, sua morte é lucro.”

O Martírio de Paulo

Embora não tenhamos registro do segundo estágio de seu julgamento, temos motivos para acreditar que se sucedeu pouco tempo depois do primeiro, e que terminou em sua condenação e morte. Mas a Segunda Epístola a Timóteo é o divino registro do que estava se passando em sua mente profundamente exercitada nesse solene momento. Sua profunda preocupação pela verdade e pela igreja de Deus; seu comovente carinho para com os santos, e especialmente para com seu amado filho Timóteo; sua triunfante esperança frente ao imediato prospecto do martírio; tudo isso só pode ser dito em suas próprias palavras: “Porque eu já estou sendo oferecido por aspersão de sacrifício, e o tempo da minha partida está próximo. Combati o bom combate, acabei a carreira, guardei a fé. Desde agora, a coroa da justiça me está guardada, a qual o Senhor, justo juiz, me dará naquele dia; e não somente a mim, mas também a todos os que amarem a sua vinda.” (2 Timóteo 4:6-8)

O tribunal de Nero aqui desaparece de sua vista. A morte em sua forma mais violenta não exerce nele terror. Cristo em glória é o objeto de seus olhos e de seu coração - a fonte de sua alegria e de sua força. Sua obra foi concluída, e as fadigas de seu amor se cumpriram. Embora prisioneiro e pobre - embora velho e rejeitado - ele era rico em Deus, ele possuía Cristo, e nEle todas as coisas. O Jesus que ele tinha visto em glória no início de sua jornada, e que o tinha feito passar por todas as provas e trabalhos pelo evangelho, era agora sua posse e sua coroa. O injusto tribunal de Nero, e a espada manchada de sangue do carrasco, eram para Paulo apenas mensageiros da paz, que tinham vindo fechar seu longo e cansativo caminho, e introduzi-lo na presença de Jesus em glória. A hora tinha agora chegado em que Jesus, que o amava, o levaria para Si mesmo. Ele tinha lutado o bom combate do evangelho até o fim; ele tinha terminado seu curso, e agora só lhe faltava ser coroado, quando o Senhor, o justo Juiz, aparecer em glória.

“Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores

Por aquele que nos amou.

Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida

Nem os anjos, nem os principados, nem as potestades

Nem o presente, nem o porvir

Nem a altura, nem a profundidade

Nem alguma outra criatura

Nos poderá separar do amor de Deus

Que está em Cristo Jesus nosso Senhor.”

Temos simultâneos testemunhos da antiguidade de que Paulo sofreu martírio durante a perseguição de Nero, e muito provavelmente em 67 d.C. Como cidadão romano, ele foi decapitado em lugar de ser flagelado e crucificado ou exposto a torturas terríveis que então tinham sido inventadas para os cristãos. Como seu Mestre, ele sofreu “fora da porta” (Hebreus 13:12). Há um local na Via Ostia, mais ou menos duas milhas para além dos muros da cidade, onde supõe-se que seu martírio aconteceu. Ali o último ato da crueldade humana foi executado, e o grande apóstolo finalmente estava “fora do corpo, e habitando com o Senhor.” (2 Coríntios 5:8). Seu espírito fervente e feliz foi libertado desse frágil e sofrível corpo, e o desejo há muito acalentado de seu coração foi cumprido - “partir, e estar com Cristo, porque isto é ainda muito melhor.” (Filipenses 1:23)

Tabela Cronológica da Vida de Paulo

Ano 36 - Conversão de Saulo de Tarso (Atos 9).

Anos 36-39 - Em Damasco; prega na sinagoga; vai à Arábia; retorna a Damasco; foge de Damasco. Sua primeira visita a Jerusalém, três anos depois de sua conversão. Dali parte para Tarso (Atos 9:23-26; Gálatas 1:18).

Anos 39,40 - Paz nas igrejas judias (Atos 9:31).

Anos 40-43 - Paulo prega o evangelho na Síria e Cilícia (Gálatas 1:21). Um período de duração incerta. Durante este tempo ele provavelmente sofre a parte principal dos perigos e sofrimentos aos quais se refere ao escrever aos coríntios (2 Coríntios 11). Ele é trazido de Tarso para a Antioquia por Barnabé, e fica ali um ano antes da fome (Atos 11:26).

Ano 44 - A segunda visita de Paulo a Jerusalém, com a coleta (Atos 11:30).

Ano 45 - O retorno de Paulo à Antioquia (Atos 12:25).

Anos 46-49 - A primeira viagem missionária de Paulo com Barnabé; vai para o Chipre, Antioquia na Pisídia, Icônio, Listra, Derbe, e de volta pelo mesmo caminho até a Antioquia. Ele fica por um longo tempo na Antioquia. Dissensões e disputas sobre a circuncisão (Atos 13; 14; 15:1,2).

Ano 50 - A terceira visita de Paulo a Jerusalém com Barnabé, quatorze anos depois de sua conversão (Gálatas 2:1). Eles participam do concílio em Jerusalém (Atos 15). Retorno de Paulo e Barnabé à Antioquia, com Judas e Silas (Atos 15:32-35).

Ano 51 - A segunda viagem missionária de Paulo com Silas e Timóteo. Ele parte da Antioquia para a Síria, Cilícia, Derbe, Listra, Frígia, Galácia e Trôade. Lucas se une ao grupo apostólico (Atos 16:10).

Ano 52 - Entrada do evangelho na Europa (Atos 16:11-13). Paulo visita Filipos, Tessalônica, Bereia, Atenas e Corinto. Passa um ano e seis meses em Corinto (Atos 18:11). A Primeira Epístola aos Tessalonicenses é escrita.

Ano 53 - A Segunda Epístola aos Tessalonicenses é escrita. Paulo deixa Corinto e navega até Éfeso (Atos 18:18,19).

Ano 54 - A quarta visita de Paulo a Jerusalém para as festas. Retorna à Antioquia.

Anos 54-56 - A terceira viajem missionária de Paulo. Ele parte da Antioquia - visita a Galácia, Frígia, e chega a Éfeso, onde fica por dois anos e três meses. Aqui Paulo separa os discípulos da sinagoga judaica (Atos 19:8,10). A Epístola aos Gálatas é escrita.

Ano 57 - (Primavera) A Primeira Epístola aos Coríntios é escrita. O tumulto em Éfeso; Paulo parte para a Macedônia (Atos 19:23; 20:1). (Outono) A Segunda Epístola aos Coríntios é escrita (2 Coríntios 1:8; 2:13,14; 7:5; 8:1; 9:1). Paulo visita a região do Ilírico; vai a Corinto; passa o inverno ali (Romanos 15:19; 1 Coríntios 16:6).

Ano 58 - (Primavera) A Epístola aos Romanos é escrita (Romanos 15:25-28; 16:21-23; Atos 20:4). Paulo deixa Corinto; passa pela Macedônia; navega a partir de Filipos; prega em Trôade; faz um discurso aos anciãos em Mileto; visita Tiro e Cesareia (Atos 20; 21:1-14).

Anos 58-60 - A quinta visita de Paulo a Jerusalém antes do Pentecostes. Ele é preso no Templo; levado perante Ananias e o Sinédrio; enviado por Lísias a Cesareia, onde é mantido em prisão por dois anos.

Ano 60 - Paulo é ouvido por Félix e Festo. Ele apela para César; prega diante de Agripa e Berenice, e aos homens de Cesareia. (Outono) Paulo parte de navio para a Itália. (Inverno) Naufrágio em Malta (Atos 27).

Ano 61 - (Primavera) Chega em Roma; habita por dois anos em sua própria casa alugada.

Ano 62 - (Primavera) As Epístolas a Filemom, aos Colossenses e aos Efésios são escritas. (Outono) A Epístola aos filipenses é escrita.

Ano 63 - (Primavera) Absolvição e libertação de Paulo. A Epístola aos Hebreus é escrita. Paulo parte para uma nova viajem, pretendendo visitar a Ásia Menor e a Grécia (Filemom 22; Filipenses 2:24).

Ano 64 - Visita Creta e deixa Tito ali; exorta Timóteo a permanecer em Éfeso. A Primeira Epístola a Timóteo é escrita. A Epístola a Tito é escrita.

Anos 64-67 - Pretende invernar em Nicópolis (Tito 3:12). Visita Trôade, Corinto e Mileto (2 Timóteo 4:13-20). Paulo é preso e enviado a Roma. Abandonado e solitário, tendo apenas Lucas, dentre seus velhos associados, com ele. A Segundo Epístola a Timóteo é escrita, provavelmente não muito tempo antes de sua morte. Geralmente supõe-se que essas viagens e eventos cobrem um período de mais ou menos três anos.

Ano 67 - O martírio de Paulo.

The Present Testemony [O Atual Testemunho], v. 8, p. 405-407.↩

Trechos retirados de “Estudos sobre a Palavra de Deus”, de J. N. Darby.↩

O sábio e humano Burrus era prefeito da guarda pretoriana quando Júlio chegou com seus prisioneiros. Ele era um romano virtuoso e sempre tratou Paulo com grande consideração e gentileza. - Dicionário de Biografias do Dr. Smith↩

Veja Estudos Introdutórios ao Livro de Atos por W. Kelly↩

Para pormenores sobre a perseguição veja Josefo, Ant. 20, 9, 1.↩

Roma e Seus Governantes (64 d.C. – 177 d.C.)

O Incêndio de Roma

Como nossos dois grandes apóstolos, Pedro e Paulo, sofreram o martírio durante a primeira perseguição imperial, pode ser interessante para muitos de nossos leitores saber algo sobre os elementos particulares que conduziram a esse edito cruel.

Mas aqui, embora relutantemente, devemos trocar a certeza da Palavra de Deus pelos escritos incertos dos homens. Passamos, neste momento, do firme e sólido solo da inspiração para o solo inseguro dos historiadores romanos e da historia eclesiástica. No entanto, todos os historiadores, tanto antigos quanto modernos, pagãos e cristãos, concordam quanto aos principais fatos sobre o incêndio em Roma, e sobre a perseguição aos cristãos.

No mês de julho do ano de 64 d.C. um grande incêndio irrompeu no Circo Máximo, e continuou a se espalhar até que deixou em ruínas toda a antiga grandeza da cidade imperial. As chamas se estenderam com grande rapidez, e sendo Roma uma cidade de ruas longas e estreitas, e de montes e vales, e tendo o vento ajudado o fogo a se alastrar, logo se tornou um caos generalizado. Em pouco tempo a cidade inteira parecia envolta em um mar de chamas ardentes.

Tácito, um historiador romano daqueles dias, e considerado um dos mais precisos de sua época, nos conta: “Das quatorze áreas nas quais Roma era dividida, apenas quatro permaneceram inteiras, três foram reduzidas a cinzas, e dos sete restantes restou nada mais que um monte de casas destroçadas em meio às ruínas.” O fogo se alastrou furiosamente por seis dias e sete noites. Palácios, templos, monumentos, as mansões dos ricos e as habitações dos pobres pereceram nesse fogo fatal. Mas isso não era nada comparado aos sofrimentos dos habitantes. As doenças da idade, a fraqueza dos jovens, o desamparo dos doentes, os pavorosos gritos de lamentação das mulheres: tudo se somava à miséria desta cena terrível. Alguns se esforçaram para prover para si mesmos, outros para salvar seus amigos, mas nenhum lugar de segurança podia ser encontrado. Para qual caminho se virar, ou que caminho tomar, ninguém podia dizer. O fogo se alastrava por todos os lados, de modo que um grande número de pessoas caíam prostradas nas ruas, lançando-se a uma morte voluntária, e pereciam nas chamas.

A questão importante, quanto à origem do fogo, era agora discutida em todos os lugares. Quase todos acreditavam que a cidade foi queimada por incendiários, e por ordens do próprio Nero. Era certo que um número de homens foram vistos estendendo as chamas em vez de extingui-las, afirmando ousadamente que eles tinham autoridade para fazê-lo. Foi também geralmente relatado que, enquanto Roma estava em chamas, o desumano monstro Nero permaneceu em uma torre de onde podia assistir o progresso do incêndio, divertindo-se tocando “A Queda de Troia” em sua lira favorita.

Muitos de nossos leitores, sem dúvidas, devem estar se perguntando qual poderia ser o objetivo de Nero ao incendiar a maior parte de Roma. O objetivo, acreditamos, era de poder reconstruir a cidade em uma escala de maior magnificência, para então chamá-la com seu próprio nome. E ele tentou fazer isso imediatamente de maneira grandiosa. Mas tudo o que ele fez não conseguiu restabelecer-lhe o favor popular, ou remover a infame acusação de ter incendiado a cidade. E quando toda a esperança de obter o favor, tanto das pessoas quanto dos deuses, se acabou, ele partiu para o plano de passar a culpa que tinha para outros. Ele sabia bem da impopularidade dos cristãos, tanto com os judeus quanto com os pagãos, para decidir fazer deles seu bode expiatório. Um rumor logo se espalhou de que os incendiários tinham sido descobertos, e que os cristãos eram os criminosos. Muitos foram imediatamente presos para que pudessem ser levados à uma punição à altura, e para satisfazer a indignação popular. Chegamos então à primeira perseguição sob os imperadores.

A Primeira Perseguição sob os Imperadores

Aqui podemos fazer uma breve pausa para contemplar o progresso do cristianismo, e o estado da igreja em Roma nessa época. Muito cedo, e sem o auxílio de qualquer apóstolo, o cristianismo tinha encontrado o seu caminho até Roma. Sem dúvida, deve ter sido primeiramente levado por alguém que tinha se convertido por meio da pregação de Pedro no dia de Pentecostes. Dentre seus ouvintes temos expressamente mencionados “forasteiros romanos, tanto judeus como prosélitos” (Atos 2:10). E Paulo, em sua epístola àquela igreja, dá graças a Deus “porque em todo o mundo é anunciada a vossa fé” (Romanos 1:8). E em suas saudações ele fala de “Andrônico e Júnias”, seus parentes e companheiros de prisão, que eram homens que se distinguiam entre os apóstolos e cuja conversão foi anterior à sua própria (Romanos 16:7). Mas grandes maravilhas tinham sido escritas pelo evangelho no decorrer de trinta anos. Os cristãos tinham se tornado um povo marcado, separado e peculiar. Eles eram agora conhecidos como perfeitamente distintos dos judeus, e amargamente negados por eles.

Os trabalhos de Paulo e seus companheiros, durante os dois anos de seu aprisionamento, eram sem dúvida abençoados pelo Senhor para a conversão de muitos; tanto que os cristãos, nesse tempo, não formavam uma comunidade secreta ou inconsiderada, mas uma que era conhecida por ter em seu meio tanto judeus quanto gentios de todas as classes e condições, desde membros da família imperial até escravos fugitivos. No entanto, seu sofrimento presente, como vimos, não era pelo cristianismo que professavam. Eles foram, na verdade, sacrificados por Nero para apaziguar a fúria popular e para se reconciliar com suas divindades ofendidas.

Essa foi a primeira perseguição oficial aos cristãos; e, por algumas de suas características, ela se destaca dentre os anais da barbaridade humana. Uma crueldade inventiva procurava novas formas de tortura para saciar o sanguinário Nero – o imperador mais cruel que já reinou. Os calmos, pacíficos e inofensivos seguidores do Senhor Jesus eram costurados nas peles de feras selvagens e rasgados por cachorros; outros eram envoltos em um tipo de roupa coberta com cera, piche e outros materiais inflamáveis, tendo uma estaca debaixo do queixo para mantê-los na vertical, sendo então incendiados quando chegava a noite, para que servissem de tochas nos jardins públicos, para divertimento dos populares. Nero emprestou seus próprios jardins para tais exibições, dando entretenimento ao povo. Ele tomava parte ativa nos próprios jogos, algumas vezes se misturando à multidão à pé, e às vezes assistindo o horrível espetáculo de sua carruagem. Mas o povo, mesmo acostumado a execuções públicas e espetáculos de gladiadores, começou a se compadecer pelas crueldades sem precedentes infligidas contra os cristãos. Eles começaram a perceber que os cristãos sofriam, não pelo bem público, mas para gratificar a crueldade de um monstro. Contudo, por mais terrível que fosse a morte, ela logo terminaria, e para os cristãos, sem dúvida, seria então o momento mais feliz de sua existência. Muito, mas muito tempo antes que as luzes se apagassem no jardim de Nero, os mártires já tinham chegado ao seu lar e descanso no florescente jardim das eternas delícias de Deus. Esta preciosa verdade aprendemos do que o Salvador disse ao ladrão arrependido na cruz – “Hoje estarás comigo no Paraíso.” (Lucas 23:43).

Embora os historiadores não entrem em acordo quanto à extensão ou duração dessa terrível perseguição, há muitas boas razões para crer que ela se espalhou pelo império e durou até o fim da vida do tirano. Ele morreu por sua própria mão na mais absoluta miséria e desespero, em 68 d.C., cerca de quatro anos depois da queimada de Roma, e um ano após o martírio de Pedro e Paulo. Perto do fim de seu reinado, os cristãos eram obrigados, sob as mais pesadas penas, até mesmo de morte, a oferecer sacrifícios ao imperador e aos deuses pagãos. Embora tais decretos estivessem em vigor, a perseguição deve ter continuado.

Após a morte de Nero, a perseguição cessou, e os seguidores de Jesus desfrutaram de relativa paz até o reinado de Domiciano, um imperador que ficava só um pouco atrás de Nero em termos de maldade. Mas enquanto isso, devemos mudar de assunto por um momento e tomar nota do cumprimento de um dos avisos mais solenes do Senhor: a queda de Jerusalém.

A Queda de Jerusalém (70 d.C.)

A dispersão dos judeus e a total destruição de sua cidade e templo são os próximos eventos a se considerar no restante do primeiro século, embora, estritamente falando, essa terrível catástrofe não faça parte da história da igreja, e sim da história dos judeus. No entanto, pelo fato de ter sido um cumprimento literal da profecia do Salvador, e que afetou de imediato aqueles judeus que eram cristãos, esse evento merece um lugar em nossa história.

Os discípulos, antes da morte e ressurreição de Cristo, eram fortemente judaicos em todos os seus pensamentos e associações. Eles conectavam o Messias ao templo. Seus pensamentos eram de que Ele deveria libertá-los do poder dos romanos, e que todas as profecias sobre a terra, as tribos, a cidade e o templo seriam cumpridas. Mas os judeus rejeitaram o próprio Messias e, consequentemente, todas as suas próprias esperanças e promessas nEle. As palavras iniciais de Mateus 24 são muito significativas e importantes: “E, quando Jesus ia saindo do templo…”. O templo estava agora, de fato, vazio aos olhos de Deus. Tudo o que dava valor a Ele ali agora se foi. “Eis que a vossa casa vai ficar-vos deserta” (Mateus 23:38). Ela agora estava pronta para a destruição.

“Aproximaram-se dele os seus discípulos para lhe mostrarem a estrutura do templo.” (Mateus 24:1). Eles ainda se ocupavam com a grandeza e glória externas dessas coisas. “Jesus, porém, lhes disse: Não vedes tudo isto? Em verdade vos digo que não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada.” (Mateus 24:2). Essas palavras foram literalmente cumpridas pelos romanos cerca de quarenta anos depois de terem sido faladas, e da mesma maneira que o Senhor predisse: “Porque dias virão sobre ti, em que os teus inimigos te cercarão de trincheiras, e te sitiarão, e te estreitarão de todos os lados; e te derrubarão, a ti e aos teus filhos que dentro de ti estiverem, e não deixarão em ti pedra sobre pedra, pois que não conheceste o tempo da tua visitação.” (Lucas 19:43,44)

Depois dos romanos terem experimentados muitas decepções e derrotas na tentativa de abrir uma brecha nas muralhas, por causa da desesperada resistência dos judeus insurgentes e, embora houvesse pouca esperança de tomar a cidade, Tito mesmo assim convocou um conselho de guerra. Dois planos foram discutidos: invadir violentamente a cidade imediatamente; consertar os aparatos militares e reconstruir as máquinas; ou sitiar e induzir a fome na cidade para forçar a rendição. A última foi a preferida, e todo o exército foi colocado para “entrincheirar” toda a cidade. Mas o cerco foi longo e difícil. Durou da primavera até setembro. E durante todo o tempo, as mais sem precedentes misérias de todo tipo foram experimentas pelos sitiados. Mas afinal chegou o fim, quando tanto a cidade quanto o templo estavam nas mãos dos romanos. tt estava ansioso para tomar o magnificente templo e seus tesouros. Mas, contrários a suas ordens, um soldado, montado nos ombros de um de seus camaradas, ateou fogo em uma pequena porta dourada no pátio exterior. As chamas logo se espalharam. Tito, vendo isto, correu ao lugar o mais rápido que pôde. Ele gritou, fez sinais para seus soldados para que extinguissem o fogo; mas sua voz foi abafada, e seus sinais não foram percebidos em meio à terrível confusão. O esplendor do interior do templo o encheu de admiração e, como as chamas ainda não tinham chegado ao lugar santo, ele fez um último esforço para salvá-lo, exortando os soldados a apagar o incêndio; mas era tarde demais. Chamas ardentes se erguiam por todas as direções, e a feroz excitação da batalha, somada à insaciável esperança de pilhagem, tinha atingido seu ápice. Tito mal sabia que Alguém que era maior que ele tinha dito: “Não ficará aqui pedra sobre pedra que não seja derrubada.” (Mateus 24:2). A palavra do Senhor, e não os comandos de Tito, devia ser obedecida. O templo foi realmente arrasado até as fundações, de acordo com a palavra do Senhor.

Para quase todos os aspectos particulares desse terrível cerco, estamos em débito com Josefo, que estava no acampamento romano e próximo da pessoa de Tito naquele tempo. Ele agiu como intérprete quando foram tratados os termos entre Tito e os insurgentes. Os muros e baluartes de Sião pareciam inconquistáveis para os romanos, e Josefo ansiava muito por um tratado de paz. No entanto, os judeus rejeitavam cada proposta, até que os romanos finalmente triunfaram. Ao entrar na cidade, Josefo nos conta que Tito se encheu de admiração pela sua força. De fato, ao contemplar a sólida altitude das torres, a magnitude de várias das pedras, e a precisão de suas junções, e ao ver quão grandes eram sua amplitude e quão vasta sua altura, “Claramente”, exclamou Tito, “lutamos com Deus do nosso lado; e foi Deus quem derrubou os judeus daqueles baluartes, pois o que as mãos humanas ou maquinas podiam fazer contra aquelas torres?” Tais foram as confissões do general pagão. Certamente deve ter sido o cerco mais terrível de toda história do mundo registrada.

Os relatos dados por Josefo sobre os sofrimentos dos judeus durante o cerco são horríveis demais para serem transferidos para nossas páginas. Os números que pereceram sob Vespasiano no país, e sob Tito na cidade, no período de 67–70 d.C., por fome, facções internas e pela espada romana, chegou à casa de 1.350.460, além de cem mil vendidos como escravos1. Infelizmente, essas foram as horríveis consequências da incredulidade e desdém aos apelos solenes, ternos e a afetuosos de seu próprio Messias. Podemos imaginar as lágrimas do Redentor derramadas sobre a cidade amada? E podemos imaginar as lágrimas dos pregadores de hoje em dia, enquanto apela a amados pecadores, em vista da vinda e dos juízos eternos? Certamente é de se maravilhar o fato de que tantas lágrimas sejam derramadas por causa de pecadores imprudentes, descuidados e perdidos. Ah, que corações sintam como sentiu o Salvador e que olhas chorem como os dEle!

Os cristãos, com quem temos mais especialmente que tratar, lembrando-se do aviso do Senhor, em grupo deixaram Jerusalém antes do cerco ser formado. Eles viajaram para Pella, uma vila além do Jordão, onde permaneceram até que Adriano lhes permitiu retornar às ruínas da antiga cidade. E isso nos leva ao fim do primeiro século.

Durante os curtos reinados de Vespasiano e de seu filho Tito, o número de cristãos deve ter crescido consideravelmente. Isto aprendemos, não de algum relato direto que possamos ter sobre a prosperidades deles, mas das circunstâncias incidentais que provam isso, e que vamos conhecer em seguida.

O Cruel Reinado de Domiciano

Domiciano, o irmão mais novo de Tito, ascendeu ao trono em 81 d.C. No entanto, ele tinha um temperamento totalmente diferente de seu pai e de seu irmão. Estes toleravam os cristãos, mas ele os perseguia. Seu caráter era covarde, suspeitoso e cruel. Ele levantou uma perseguição contra os cristãos por causa de um certo temor vago e supersticioso que ele nutria sobre a possível aparição de uma pessoa nascida na Judeia, da família de Davi, e que deveria obter o império do mundo. Domiciano não poupou nem os romanos de nascimento da mais ilustre e alta posição que tinham abraçado o cristianismo. Alguns foram martirizados de imediato, outros foram banidos para serem martirizados no exílio. Sua própria sobrinha, Domitila, e seu primo Flávio Clemente, para quem tinha sido dada em casamento, foram vítimas de sua crueldade por terem abraçado o evangelho de Cristo. Assim vemos que o cristianismo, pelo poder de Deus, apesar de exércitos e imperadores, fogo e espada, estava se espalhando, não apenas entre os de classe média e baixa, mas também entre as classes mais altas.

“Domiciano”, diz Eusébio, o pai da história eclesiástica, “tendo exercido sua crueldade contra muitos, e injustamente matando não poucos homens nobres e ilustres de Roma, e tendo, sem causa, punido um vasto número de homens honráveis com o exílio e a confiscação de suas propriedades, por fim estabeleceu a si mesmo como o sucessor de Nero em termos de ódio e hostilidade contra Deus.” Ele também seguia Nero ao endeusar a si mesmo. Ele comandou que sua própria estátua fosse adorada como um deus, reviveu a lei da traição, e pôs em temeroso vigor suas terríveis provisões: sob tais circunstâncias, cercado de espiões e informantes, quão terrível deve ter sido essa segunda perseguição aos cristãos!2

Mas o fim desse tirano fraco, vão e desprezível se aproximava. Ele tinha o hábito de escrever em um rolo os nomes daquelas pessoas que ele destinava à morte, mantendo-o cuidadosamente aos seus próprios cuidados. E, de modo a desviar a atenção de suas futuras vítimas, ele os tratava com a mais lisonjeira atenção. Mas esse rolo fatal foi um dia tomado de debaixo de uma almofada em que ele estava dormindo por uma criança que estava brincando no apartamento, que então o levou à imperatriz. Ela foi atingida com espanto e alarme ao encontrar seu próprio nome na lista negra, juntamente com os nomes de outros que eram aparentemente elevados em seu favor. Assim, a imperatriz comunicou o conhecimento de seu perigo, e não obstante toda a precaução que a covardia e astúcia podia sugerir, ele foi expulso por dois oficiais de sua própria casa.

O Curto Porém Pacífico Reinado de Nerva

No mesmo dia da morte de Domiciano, Nerva foi escolhido pelo Senado para ser o imperador, em 18 de setembro de 96 d.C. Ele era um homem de reputação irrepreensível. O caráter de seu reinado foi o mais favorável para a paz e prosperidade da igreja de Deus. Os cristãos que tinham sido banidos por Domiciano foram chamados de volta, e recuperaram suas propriedades confiscadas. O apóstolo João retornou de seu banimento na ilha de Patmos, retornando ao seu lugar de serviço entre as igrejas na Ásia. Ele viveu até o reinado de Trajano quando, em idade avançada de cerca de 100 anos, adormeceu em Jesus.

Nerva iniciou seu reinado remediando as injustiças, repelindo os estatutos iníquos, decretando boas leis, e dispensando favores com grande liberalidade. No entanto, sentindo-se inadequado quanto aos deveres de sua posição, adotou Trajano como colega e sucessor ao império, e morreu no ano 98 d.C.

A Condição dos Cristãos Durante o Reinado de Trajano (98–117 d.C.)

Uma vez que a história externa da igreja tenha sido afetada pela vontade de um homem, será portanto necessário observar, embora brevemente, a disposição da paixão pelo governo do príncipe reinante. A condição dos cristãos em todo lugar dependia, em grande parte, daquele que era o mestre do mundo romano, e de certo modo do mundo todo. Ainda assim, Deus estava e está acima de tudo.

Trajano foi um imperador de grande renome. Talvez nunca mais alguém assim tenha se sentado no trono dos Césares. O mundo romano, dizem, alcançou seus mais amplos limites por suas vitórias. Ele fez com que o terror das armas e da disciplina romana fossem sentidas nas fronteiras, como nunca antes tinha sido feito. Ele foi, portanto, um grande general e soberano militar; e, possuindo uma grande e vigorosa mente, ele foi um governante capaz, fazendo Roma florescer sob sua influência. No entanto, na história da igreja, essa personagem aparece em uma luz menos favorável. Ele tinha um preconceito confirmado contra o cristianismo, e sancionou a perseguição aos cristãos. Alguns dizem que ele anelava a extinção desse nome. Esta é a mancha mais profunda que repousa sobre a memória de Trajano.

Mas o cristianismo, apesar dos imperadores romanos, das prisões romanas e das execuções romanas, prosseguiu em sua silente e firme caminhada. Em pouco mais que setenta anos depois da morte de Cristo, o cristianismo tinha feito tão rápidos progressos em alguns lugares que chegavam a ameaçar a queda do paganismo. Os templos pagãos estavam desertos, a adoração aos deuses foi negligenciada, e as vitimas para os sacrifícios eram raramente compradas. Isto naturalmente levantou um clamor popular contra o cristianismo, assim como houve em Éfeso: “E não somente há o perigo de que a nossa profissão caia em descrédito, mas também de que o próprio templo da grande deusa Diana seja estimado em nada.” (Atos 19:27). Aqueles cujo sustento dependia da adoração das divindades pagãs lançavam muitas e graves acusações contra os cristãos perante os governantes. Isto aconteceu mais especialmente nas províncias asiáticas onde o cristianismo foi mais prevalente.

Por volta do ano 110, muitos cristãos foram então levados perante o tribunal de Plínio, o Jovem, o governador de Bitínia e Ponto. Mas Plínio, sendo naturalmente um homem sábio, cândido e humano, teve o cuidado de se informar sobre os princípios e práticas dos cristãos. Quando ele descobriu que muitos deles foram condenados à morte, não tendo nada que os condenasse por qualquer crime público, ele ficou imensamente embaraçado. Ele não tinha tomado parte em tais assuntos antes, e nenhuma lei sobre o assunto existia até então. Os decretos de Nero tinham sido repelidos pelo Senado, e aqueles de Domiciano pelo seu sucessor, Nerva. Sob tais circunstâncias, Plínio buscou o conselho de seu mestre, o imperador Trajano. As cartas que eles trocaram, sendo justamente consideradas como os mais valiosos registros da historia da igreja durante aquele período, merece um lugar em nosso livro. Mas podemos apenas transcrever uma parte da celebrada epístola de Plínio, e principalmente aquelas partes que se referem ao caráter dos cristãos, e a extensão do cristianismo.

Carta de Plínio ao Imperador Trajano

“Saúde. É meu costume usual, senhor, consultá-lo em todas as coisas das quais tenho qualquer dúvida. Pois quem pode melhor dirigir meu julgamento e sua hesitação, ou instruir meu entendimento em sua ignorância? Eu nunca tive a chance de estar presente em qualquer julgamento de cristãos antes de chegar a esta província. Estou, portanto, perdido em determinar qual o assunto corrente, quer de inquérito ou de punição, e que duração qualquer um deles deveria ter…Enquanto isso, este tem sido meu método com respeito àqueles que foram trazidos diante de mim por serem cristãos. Perguntei-lhes se eram cristãos: caso se declarassem culpados, eu os interrogava – uma segunda e uma terceira vez – com uma ameaça de pena capital. Em caso de perseverança obstinada, eu ordenei que fossem executados…Um ’libelo’ anônimo foi publicado, contendo os nomes de muitos que negavam que eles eram, ou tinham sido, cristãos, e invocavam os deuses, como ordenei que fizessem, e rezavam para tua imagem com incenso e vinho, e além disso insultavam o Cristo; enfim, coisas que tenho ouvido que jamais um cristão seria compelido a fazer. Então achei adequado dispensar estes…A totalidade do crime ou erro dos cristãos se baseia nisso: eles estão acostumados a se reunir antes do dia amanhecer, e a cantar juntos um hino a Cristo, como a um deus, e se comprometer através de juramento a não cometer qualquer maldade, a não ser culpado de furto, ou roubo, ou adultério; a nunca falsificar sua palavra, nem se negar a devolver um penhor quando solicitados a fazê-lo. Quando essas coisas eram feitas, era o costume deles se separarem, e então voltarem a se reunir para uma refeição inofensiva, da qual participavam em comum sem qualquer desordem. Mas desta última prática eles deixaram de participar desde a publicação de meu decreto, pelo qual, de acordo com minhas ordens, proibi tais assembleias.”

“Após este relato, julguei mais necessário examinar, e por tortura, duas mulheres que diziam ser diaconisas, mas não tenho descoberto nada exceto uma má e excessiva superstição. Suspendendo, portanto, todos os processos judiciais, recorro a ti para aconselhar-me. O número de acusados é tão grande que foi necessária esta séria consulta. Muitas pessoas estão sendo denunciadas, de todas as idades e classes, e de ambos os sexos, e muitos ainda irão ser acusados. O contágio dessa superstição não tem atingido apenas as grandes cidades, mas também as cidades menores, e o campo: no entanto, parece-me que pode ser contido e corrigido. É certo que os templos que estavam quase abandonados começaram a ser mais frequentados, e as solenidades sagradas, após um longo intervalo, estão revividas. Vítimas para os sacrifícios, da mesma forma, tem sido trazidas de todos os lugares, embora ainda haja poucos compradores. Daí podemos facilmente imaginar o número daqueles que podem ser recuperados se o perdão for concedido àqueles que se arrependem.”

Carta de Trajano para Plínio

“Você agiu perfeitamente correto, meu caro Plínio, na pergunta que me fez a respeito dos cristãos. Pois, realmente, não há uma regra geral que possa ser prevista para ser aplicada a todos os casos. Essas pessoas não dever ser procuradas: se forem trazidas diante de você e estiverem convictos, que seja aplicada pena capital, mas com essa restrição: que se alguém renunciar ao cristianismo, e evidenciar sua sinceridade suplicando aos nossos deuses, por mais suspeito que tenha sido no passado, que seja perdoado por seu arrependimento. Mas libelos anônimos em nenhum caso devem ser levados em consideração, pois é um precedente muito perigoso e perfeitamente incongruente com as máximas de nossa era.”

O testemunho claro e insuspeito dessas duas cartas desperta pensamentos e sentimentos do mais profundo interesse na mente cristã de hoje em dia. A Primeira Epístola de Pedro foi endereçada aos pais desses santos sofredores, e possivelmente a alguns dos que ainda estavam vivos. E não é improvável que Pedro tenha trabalhado entre eles pessoalmente. Assim eles foram ensinados e encorajados de antemão a dar ao governador romano “a razão da esperança que havia neles com mansidão e temor” (1 Pedro 3:15). De fato, a totalidade da primeira epístola parece divinamente equipada para fortalecer aqueles cristãos inocentes contra o injusto e irracional proceder de Plínio. “Ora, pois, já que Cristo padeceu por nós na carne, armai-vos também vós com este mesmo pensamento” (1 Pedro 4:1). Pedro contempla em sua epístola a família da fé como se estivesse em uma jornada através do deserto, e Deus como o supremo Governador sobre todos – tanto crente como incrédulos. “Porque os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os seus ouvidos atentos às suas orações; mas o rosto do Senhor é contra os que fazem o mal.” (1 Pedro 3:12). Com tal cena diante de nós, e com tais testemunhas, levando em consideração a posição de Trajano e Plínio como estadistas pagãos, pode ser interessante indagar nessa fase tão inicial de nossa história qual a real causa da perseguição.

A Verdadeira Causa da Perseguição

Embora diferentes razões possam ser dadas por diferentes pessoas e governos para perseguir os cristãos, ainda assim cremos que a verdadeira causa é a inimizade do coração contra Cristo e Sua verdade, como vista nas vidas piedosas de Seu povo. Além disso, a luz deles torna manifesta a escuridão ao redor, e expõe e reprova as inconsistências dos falsos professos e as vidas ímpias dos malignos. O inimigo, tomando ocasião por essas coisas, desperta as paixões cruéis daqueles que tinham o poder para apagar a luz ao perseguirem os portadores da luz. “Porque todo aquele que faz o mal odeia a luz” (João 3:20). Tal tem sido a experiência de todos os cristãos, em todas as épocas, tanto em tempos de paz quanto em tempos de angústia. Não há isenção de perseguição, secreta ou abertamente, se vivermos de acordo com o Espírito e a verdade de Cristo. Dentre as últimas palavras que o grande apóstolo escreveu estavam estas: “E também todos os que piamente querem viver em Cristo Jesus padecerão perseguições.” (2 Timóteo 3:12)

Estas verdades divinas, dadas para a instrução e direção da igreja em todas as eras, foram admiravelmente ilustradas no caso de Plínio e dos cristãos da Bitínia. Ele é citado por todos os historiadores como um dos mais esclarecidos, virtuosos e realizados homens da antiguidade. Ele foi também possuidor de grandes riquezas, e tinha a reputação de ser muito liberal e benevolente em sua vida privada. Por que então, podemos perguntar, sendo um estadista e governador romano, ele se tornou um tal perseguidor dos cristãos? Esta pergunta ele responde em sua própria carta. Foi simplesmente pela fé deles em Cristo – nada mais. Tinha sido provado a ele, tanto por amigos quanto por inimigos, que os cristãos não eram culpados de mal algum, nem moralmente, socialmente e politicamente. Fazendo três vezes a pergunta “Vocês são cristãos?”, e se eles firmemente afirmassem que eram, ele os condenava à morte. O único pretexto que ele deu para cobrir a injustiça de sua conduta como governador era o fato de que os cristãos professavam obstinadamente uma religião não estabelecida pelas leis do império.

Muitos, por causa de malícia privada e outras razões, eram nesse tempo anonimamente acusados de serem cristãos, sendo que de fato não eram. Estes eram testados sendo chamados para negar sua fé, oferecer incenso aos deuses, adorar a imagem do imperador, e insultar a Cristo. Todos os que se conformavam a esses termos eram dispensados. Mas a nenhuma dessas coisas, como o próprio Plínio dá testemunho, podiam ser os verdadeiros cristãos compelidos a fazer. Ele, em seguida, recorreu ao costume brutal de examinar pessoas inocentes por tortura. Duas mulheres, notáveis servas da igreja, foram então examinadas. Mas, em vez da esperada confissão sobre o rumoroso caráter sedicioso (revoltoso) e licencioso (desregrado) de suas reuniões, nada desfavorável à comunidade cristã podia ser extraído delas por tortura. O governador não podia detectar nada por quaisquer meios tentados, exceto o que ele chama de “uma superstição perversa e extravagante”.

Também deve-se ter em mente, tanto pelo crédito como também pela culpa mais profunda de Plínio, que ele não procedeu contra os cristãos por mero preconceito popular – ao contrário de seu amigo Tácito, que se deixou levar pelos rumores e, sem qualquer investigação mais profunda, escreveu contra o cristianismo da maneira mais irracional e desgraçada. Mas Plínio considerou como dever entrar em cuidadosa investigação sobre toda a questão antes de dar seu julgamento. Como, então, podemos explicar que tal homem, aparentemente desejoso de agir de forma imparcial, pudesse perseguir até a morte pessoas inocentes? Para responder esta pergunta, devemos investigar as causas externas ou ostensivas da perseguição.

As Causas Ostensivas da Perseguição

Os romanos professavam tolerar todas as religiões, e que a comunidade não tinha nada a temer. Esta era a vangloriosa liberalidade que professavam. Até mesmo aos judeus eram permitidos viver de acordo com suas próprias leis. O que foi que aconteceu então, podemos nos perguntar, que pode ter causado toda a severidade deles contra os cristãos? Tinha a comunidade algo a temer deles? Havia algo a temer daqueles cujas vidas eram irrepreensíveis, cujas doutrinas era a pura verdade do céu, e cuja religião era propícia ao bem-estar das pessoas, tanto de modo público como privado?

Os seguintes pontos podem ser considerados como algumas das inevitáveis causas da perseguição, olhando para os dois lados da questão:

1. O cristianismo, ao contrário de todas as religiões que a precederam, era agressivo em seu caráter. O judaísmo era exclusivo: a religião de uma nação só. O cristianismo era proclamado como a religião da humanidade, ou do mundo todo. Isto era algo inteiramente novo na terra. “Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura.” (Marcos 16:15), este era o mandamento do Senhor para seus discípulos. Eles deviam prosseguir e guerrear contra o erro em todas as suas formas e em todas as suas obras. A conquista a ser feita era o coração para Cristo. “As armas da nossa milícia”, diz o apóstolo, “não são carnais, mas sim poderosas em Deus para destruição das fortalezas; destruindo os conselhos, e toda a altivez que se levanta contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo o entendimento à obediência de Cristo.” (2 Coríntios 10:4,5). Nessa guerra de agressão contra as instituições existentes, e contra os hábitos corruptos dos pagãos, os discípulos de Jesus tinham pouco a esperar além de resistência, perseguição e sofrimento.

2. A religião pagã, a qual o cristianismo estava rapidamente prejudicando e destinando à queda, era uma instituição do Estado. Ela estava tão intimamente entrelaçada com todo o sistema civil e social que atacar esta religião era entrar em conflito com ambos os sistemas civil e social. E foi exatamente isto que aconteceu. Se a igreja primitiva fosse tão acomodada com o mundo como é a cristandade hoje, muita perseguição poderia ter sido evitada. Mas a hora não tinha chegado para tal frouxo acomodamento. O evangelho que os cristãos então pregavam, e a pureza da doutrina e da vida que mantinham, abalaram o próprio fundamento da velha e profundamente enraizada religião do Estado.

3. Os cristãos naturalmente se separavam dos pagãos. Eles se tornaram um povo separado e distinto. Eles não podiam fazer nada além de condenar e abominar o politeísmo como algo totalmente oposto ao único e verdadeiro Deus, e ao evangelho de Seu Filho Jesus Cristo. Isto deu aos romanos a ideia de que os cristãos eram hostis à raça humana, vendo que condenavam todas as religiões, menos a sua própria. Portanto, diz-se que eles eram chamados de “ateus”, pois não acreditavam nas divindades pagãs e ridicularizavam a adoração pagã.

4. Simplicidade e humildade caracterizavam a adoração cristã. Eles pacificamente se reuniam antes do sol nascer ou após o sol se pôr para evitar ofender os demais. Eles cantavam hinos a Cristo como Deus, eles partiam o pão em memória de Seu amor ao morrer por eles, eles edificavam-se uns aos outros e comprometiam-se a uma vida de santidade. Mas eles não tinham templos bonitos, nem estátuas, nem ordens sacerdotais, e nem vítimas para oferecer em sacrifício. O contraste entre a adoração deles e a de todos os outros no império se tornou muito claro. Os pagãos, em sua ignorância, concluíram que os cristãos não tinham nenhuma religião, e que suas reuniões secretas tinham o pior dos propósitos. O mundo agora, assim como naquela época, diria daqueles que adoram a Deus em espírito e em verdade que “essas pessoas não tem nenhuma religião”. A adoração cristã, em verdadeira simplicidade, sem o auxílio de templos e sacerdotes, ritos e cerimônias, não é muito melhor compreendida agora pela cristandade professa do que era pela Roma pagã daquela época. Continua sendo verdade que “Deus é Espírito, e importa que os que o adoram o adorem em espírito e em verdade.” (João 4:24)

5. Pelo progresso do cristianismo, os interesses temporais de um grande número de pessoas foram seriamente afetados. Isto era uma fonte fecunda e amarga de perseguição. Uma incontável multidão de sacerdotes, fabricantes de imagens, comerciantes, adivinhos, augures e artesãos ganhavam uma boa vida pela existência da adoração de tantas divindades.

6. Todos estes, vendo seu trabalho e fonte de renda em perigo, se levantaram em força unida contra os cristãos, e procuraram por todos os meios deter o progresso do cristianismo. Eles inventaram e disseminaram as mais vis calúnias contra tudo o que era cristão. Os astutos sacerdotes e adivinhos facilmente persuadiam os vulgares e a mente do público em geral de que todas as guerras, tempestades e doenças que afligem a humanidade foram enviadas sobre eles por deuses raivosos, porque os cristãos que desprezavam a autoridade deles eram tolerados em todo lugar.3

Muitas outras coisas poderiam ser mencionadas, mas estas eram, em todo lugar, as causas diárias dos sofrimentos dos cristãos, tanto publicamente quanto em privado. Da verdade desses fatos um momento de reflexão é capaz de convencer qualquer leitor. Mas a fé podia ver a mão do Senhor e ouvir Sua voz em tudo: “Eis que vos envio como ovelhas ao meio de lobos…eles vos entregarão aos sinédrios, e vos açoitarão nas suas sinagogas; e sereis até conduzidos à presença dos governadores, e dos reis, por causa de mim, para lhes servir de testemunho a eles, e aos gentios…Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada.” (Mateus 10:16–34) 4

Tendo falado bastante sobre a grande oposição que a igreja primitiva teve que lutar contra, será necessário olhar por um momento para a verdadeira causa das causas e dos meios para o rápido progresso do cristianismo.

O Rápido Progresso do Cristianismo

Sem dúvidas, as causas e meios foram divinos. Eles provam ser assim. O Espírito de Deus, que desceu em poder no dia de Pentecostes, e que tinha tomado Sua morada na igreja e em cada cristão individualmente, é a verdadeira fonte de todo o sucesso na pregação do evangelho, na conversão das almas, e no testemunho para Cristo contra o mal. “Não por força nem por violência, mas sim pelo meu Espírito, diz o Senhor” (Zacarias 4:6). Além disso, o Senhor prometeu estar com Seu povo o tempo todo: “E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos.” (Mateus 28:20). Mas nosso objetivo aqui é olhar para as coisas historicamente, e não apenas com a segurança da fé:

1. Uma das grandes causas da rápida propagação do cristianismo é sua perfeita adaptação ao homem em qualquer idade, em qualquer país, e em qualquer condição. Ele aborda todos como perdidos, e supõe uma falta em todos. Assim, ele se adapta ao judeu e ao gentio, ao rei e ao súdito, aos sacerdotes e ao povo, ao rico e ao pobre, ao jovem e ao velho, ao erudito e ao ignorante, ao moral e ao devasso. É a religião de Deus para o coração, e ali firma Sua soberania, e a Sua apenas. Ele se anuncia como o “poder de Deus para salvação de todo aquele que crê” (Romanos 1:16). Ele propõe levantar o homem das profundezas mais profundas de degradação para as alturas mais elevadas da glória eterna. Quem é capaz de estimar, apesar de todo preconceito, o efeito da proclamação de tal evangelho a pagãos miseráveis e ignorantes? Milhares, milhões, cansados de uma religião sem valor e desgastada, responderam à voz celestial, foram reunidos em torno do nome de Jesus, tomaram com alegria o espólio de seus bens, e estavam prontos para sofrer por amor a Ele. O amor reinava na nova religião, e o ódio na antiga.

2. A confirmação e manutenção de todas as relações terrenas que estivessem de acordo com Deus é outro motivo para a aceitação do evangelho entre os pagãos. Cada um era exortado a permanecer em seus relacionamentos e a procurar glorificar a Deus neles. As bênçãos do cristianismo para as esposas, filhos e servos são indescritíveis. Seu amor, felicidade e conforto eram um espanto para os pagãos, e uma novidade entre eles. Ainda assim, tudo era natural e ordenado. Um cristão, que dizem ter vivido nessa época – no início do segundo século – descreve assim seus contemporâneos: “Os cristãos não são separados dos outros homens pelo lugar onde moram, por língua ou por costumes. Eles não moram em um lugar especial na cidade, eles não usam uma linguagem diferente ou assumem um estilo de vida extravagante. Eles habitam nas cidades dos gregos, e dos bárbaros…e embora se adaptem aos costumes da região, no que diz respeito ao modo de vestir, à comida, e outras coisas que pertencem à vida exterior, eles ainda assim mostram uma conduta peculiar que é maravilhosa e marcante para todos. Eles obedecem as leis existentes, e superam a lei pela forma com que vivem.” 5

3. As vidas irrepreensíveis dos cristãos, a pureza divina de suas doutrinas, sua paciência, alegre resistência a sofrimentos piores que a morte, assim como a própria morte, seu desprezo por qualquer objeto de ambição comum, sua ousadia na fé a ponto de correrem risco de vida, crédito e propriedades; estes eram os principais recursos na rápida disseminação do cristianismo. “Pois quem”, diz Tertuliano, “ao observar tais coisas, não é impelido a investigar a causa? E quem, tendo investigado, não abraça o cristianismo, e tendo abraçado, não tem o desejo de sofrer por isso?”

Essas poucas indicações permitirão ao leitor formar um juízo mais definitivo quanto ao que, por um lado, tendia a impedir, e o que, por outro lado, tendia a promover o progresso do evangelho de Cristo. Nada pode ser mais interessante para a mente cristã que o estudo dessa grande e gloriosa obra. Os obreiros do Senhor, em sua maioria, eram homens simples e iletrados; eram pobres, sem amigos e destituídos de toda a ajuda humana; e ainda assim, em pouco tempo, persuadiram uma grande parte da humanidade a abandonar a religião de seus ancestrais, e a abraçar uma nova religião que é oposta às disposições naturais dos homens, aos prazeres do mundo, e aos estabelecidos costumes das eras. Quem poderia questionar o poder que vinha de dentro do cristianismo tendo tais fatos exteriores diante de si? Certamente foi o Espírito de Deus que revestiu de poder as palavras daqueles primeiros pregadores! Certamente a força deles nas mentes dos homens era divina. Uma mudança completa foi produzida: foram nascidos de novo – criados de novo em Cristo Jesus.

Em menos de cem anos a partir do dia de Pentecostes, o evangelho tinha penetrado na maioria das províncias do império romano, e foi largamente difundido em muitos delas. Em nosso breve resumo da vida de Paulo, e na tabela cronológica de suas missões, traçamos o primeiro plantio de muitas igrejas, e a propagação da verdade em muitas regiões. Nas grandes cidades centrais, tais como a Antioquia na Síria, Éfeso na Ásia, e Corinto na Grécia, vimos o cristianismo bem estabelecido, e espalhando suas ricas bênçãos entre as cidades e vilas vizinhas.

Também aprendemos, da antiguidade eclesiástica, que Cartago era para a África o mesmo que essas cidades eram para a Síria, Ásia e Grécia. Quando Escápula, o presidente de Cartago, ameaçou os cristãos com tratamento severo e cruel, Tertuliano, em um de seus veementes apelos, tentou fazê-lo refletir: “O que pretendes fazer”, diz ele, “com tantos milhares de homens e mulheres de todas as idades e dignidades, por mais que livremente se ofereçam a si mesmos? Quantas fogueiras e espadas ainda serão necessárias? O que Cartago é capaz de sofrer se for dizimada por ti? Quando todos encontrarem ali o seu parente mais próximo e vizinhos, verá matronas e possivelmente homens de sua própria classe social e condição, e as pessoas mais importantes, também parentes ou amigos daqueles que são teus amigos mais próximos. Poupe-os então, por isso, para o seu próprio bem, se não para o nosso.”6

Vamos agora continuar a narrativa dos eventos, e o próximo na ordem a ser relacionado é o martírio de Inácio.

O Martírio de Inácio

Não há nenhum fato do início da história da igreja mais sagradamente preservado 7 que o martírio de Inácio, o bispo8 da Antioquia. E não há narrativa mais celebrada que sua viagem, como prisioneiro em correntes, da Antioquia para Roma.

De acordo com a opinião geral dos historiadores, o imperador Trajano, em seu caminho para a guerra da Pártia no ano 107, visitou Antioquia. Por que causa é difícil dizer, mas aparentemente os cristãos foram ameaçados de perseguição por suas ordens. Inácio, portanto, preocupado pela igreja em Antioquia, desejou ser introduzido à presença de Trajano. Seu grande objetivo era prevenir, se possível, a perseguição ameaçada. Com este objetivo em vista, ele apresentou ao imperador o verdadeiro caráter e condição dos cristãos, e se ofereceu a si mesmo para sofrer no lugar deles.

Os detalhes da marcante entrevista são dados em muitas relatos sobre a história da igreja, mas existe um certo ar de suspeita sobre eles que nos absteremos de inserir aqui. De qualquer modo, a história acabou na condenação de Inácio. Ele foi sentenciado pelo imperador a ser levado a Roma, e lançado às feras selvagens para o entretenimento do povo. Ele recebeu a cruel sentença sem reclamar, e de bom grado submeteu-se às cadeias, crendo ser assim por sua fé em Cristo e como um sacrifício pelos santos.

Inácio estava agora sob custódia de dez soldados, que parecem ter ignorado sua idade, tratando-o com grande dureza. Ele tinha sido um bispo da Antioquia por quase quarenta anos, e portanto devia ser um homem idoso. Mas eles o levaram grosseiramente por uma longa viagem, tanto por mar quanto por terra, de modo a chegar a Roma antes dos jogos terminarem. Ele chegou no último dia do festival, e foi logo levado ao anfiteatro, onde sofreu, de acordo com sua sentença, à vista dos espectadores reunidos. E então, o cansado peregrino encontrou o descanso das fadigas de sua longa viagem no bendito repouso do paraíso de Deus.

Alguns têm perguntado o porquê de Inácio ter sido levado pelo longo caminho da Antioquia até Roma para sofrer o martírio. A resposta só pode ser conjectura. Pode ter sido com a intenção de infundir medo aos outros cristãos, pelo espetáculo de alguém tão eminente e tão conhecido ser levado em correntes a uma morte terrível e degradante. Mas se esta foi a expectativa do Imperador, ele deve ter ficado inteiramente desapontado. O martírio de Inácio teve justamente o efeito oposto. Notícias sobre sua sentença e sobre sua rota se disseminaram amplamente, e representantes das igrejas das proximidades foram enviados para encontrá-lo em pontos convenientes durante a viagem. Ele foi, então, saudado e encorajado com calorosas felicitações de seus irmãos; e eles, em troca, se alegraram em ver o venerável bispo e em receber sua bênção de despedida. Muitos dos santos se sentiriam encorajados a enfrentar, e até mesmo a desejar, uma morte de mártir e uma coroa de mártir. Dentre os que o encontraram pelo caminho estavam Policarpo, bispo de Esmirna que, assim como Inácio, tinha sido um discípulo do apóstolo João, e estava também destinado a ser um mártir pelo evangelho. Mas além desses encontros pessoais, dizem que ele escreveu sete cartas durante essa viagem, que foram preservadas pela providência divina e chegaram até nós. Sempre houve grande interesse, e ainda há, nessas cartas.

Os Escritos dos Pais e as Escrituras Sagradas

Mas, embora Inácio possa ser digno de honra como um homem santo de Deus, e como um nobre mártir de Cristo, devemos nos lembrar que suas cartas não são a Palavra de Deus. Elas podem nos interessar e nos instruir, mas não podem comandar nossa fé. Esta pode apenas se firmar no sólido fundamento da Palavra de Deus, e nunca no frágil solo da tradição. “As Escrituras permanecem à parte”, disse alguém, “em majestoso isolamento, preeminente em instrução, e separado por uma excelência inigualável de tudo o que foi escrito pelos pais apostólicos: de modo que esses que seguiram de perto os apóstolos nos deixaram escritos que são mais para nossa advertência do que para nossa edificação”. Ao mesmo tempo, esses primeiros escritores cristãos têm todo direito ao respeito e veneração com os quais a antiguidade os investiu. Eles eram contemporâneos dos apóstolos, eles desfrutaram do privilégio de ouvir seus ensinos, compartilhavam com eles os labores do evangelho, e conversaram livremente com eles no dia a dia. Paulo fala de um Clemente – um que é conhecido como pai apostólico – como um de seus “cooperadores, cujos nomes estão no livro da vida”, e o que ele diz de Timóteo pode ter sido pelo menos em parte verdade para muitos outros: “Tu, porém, tens seguido a minha doutrina, modo de viver, intenção, fé, longanimidade, amor, paciência, perseguições e aflições.” (Filipenses 4:3, 2 Timóteo 3:10,11)

Desses que tinham tão alto privilégio deveríamos naturalmente esperar a sã doutrina apostólica – uma fiel repetição das verdades e instruções que foram entregues a eles pelos apóstolos inspirados. Mas, infelizmente, este não é o caso! Inácio foi um dos primeiros pais apostólicos. Ele se tornou um bispo de Antioquia, a metrópole da Síria, por volta do ano 70. Ele era um discípulo do apóstolo João, e morreu apenas cerca de 7 anos após a morte de João. Certamente de alguém assim poderíamos esperar uma estreita semelhança com os ensinos do apóstolo, mas isso não acontece. As afirmações definitivas e absolutas das Escrituras, vindas diretamente de Deus para a alma, são muito diferentes dos escritos de Inácio e de todos os Pais. Nosso único guia seguro e certo é a Palavra de Deus. Quão conveniente, então, é a palavra na Primeira Epístola de João: “Portanto, o que desde o princípio ouvistes permaneça em vós. Se em vós permanecer o que desde o princípio ouvistes, também permanecereis no Filho e no Pai.” (1 João 2:24). Esta passagem evidentemente se refere mais especialmente à pessoa de Cristo, e consequentemente às Escrituras do Novo Testamento, nas quais temos a revelação do Pai no Filho, feito conhecido a nós pelo Espírito Santo. Nas Epístolas de Paulo, temos mais plenamente revelados os conselhos de Deus relacionados à igreja, a Israel e aos gentios, de modo que podemos ir mais longe do que “os Pais” para encontrar o verdadeiro fundamento da fé; devemos voltar àquilo que existia desde “O Princípio”. Nada tem autoridade divina direta para o crente além daquilo que era “desde o princípio”. Isto por si só assegura que continuemos “no Filho e no Pai”.

As epístolas de Inácio têm sido muito estimadas pelos episcopais como a principal autoridade no sistema da igreja inglesa9, e essa é a nossa desculpa para se referir tanto a este “pai”10. Quase todos os fundamentos do anglicanismo em favor do episcopado vêm de suas cartas. Ele bate tanto a tecla na submissão à autoridade episcopal, e tanto a exalta, que muitos têm sido induzidos a questionar completamente sua autenticidade, e outros têm suposto que essas cartas devem ter sido bastante alteradas para servir aos interesses do clero. Mas quanto a essas controvérsias não temos nada a tratar em nosso livro.11

Vamos agora continuar nossa história a partir da morte de Trajano no ano 117, e olhar brevemente para a condição da igreja durante os reinados de Adriano e dos Antoninos.

Os Reinados de Adriano e dos Antoninos (do ano 117 ao 180 d.C.)

Embora seria injusto classificar Adriano e o primeiro Antonino com os sistemáticos perseguidores da igreja, ainda assim os cristãos foram expostos aos mais violentos sofrimentos e morte durante o domínio deles. O costume cruel de atribuir todas as calamidades públicas aos cristãos, e de pedir pelo sangue deles como expiação para as divindades ofendidas, continuavam, e eram geralmente cedidas pelos governantes locais, e não controladas pelos indiferentes imperadores. Mas sob o reinado do segundo Antonino, Marco Aurélio, o espírito maligno da perseguição aumentou drasticamente. Não era mais confinada às explosões da fúria popular, como também era encorajada pelas mais altas autoridades. A tímida proteção que os decretos ambíguos de Trajano, Adriano e dos Antoninos proporcionavam aos cristãos foi retirada, e as excitadas paixões dos pagãos idólatras não foram refreadas pelo governo. É de grande interesse para o estudante da história da igreja ver como isso podia acontecer sob o reinado de um príncipe que se distinguia pela aprendizagem, filosofia e suavidade geral de caráter.

Os últimos sessenta anos de relativa paz tinha aberto um amplo campo para a propagação do evangelho. Durante esse período houve rápido progresso de muitas maneiras. As congregações cristãs aumentaram em número, influência e riqueza por quase todos os cantos dos domínios romanos. Muitos dos ricos, sendo cheios do amor divino, distribuíam o que tinham aos pobres, viajavam para regiões que ainda não tinham ouvido o som do evangelho e, tendo ali plantado o cristianismo, seguiam para outros países. No entanto, o Espírito Santo não podia trabalhar sem despertar os ciúmes e agitar toda a inimizade dos apoiadores da religião nacional. Aurélio viu com maus olhos o poder superior do cristianismo sobre as mentes dos homens comparado com sua própria filosofia pagã. Ele se tornou, então, um intolerante perseguidor, e encorajou as autoridades provinciais a esmagar o que ele considerava um obstinado espírito de resistência a sua autoridade. Mas o evangelho da graça de Deus estava muito além do alcance de Aurélio, e nem sua espada nem seus leões poderiam prender sua triunfante carreira. Apesar das sangrentas perseguições que ele excitava ou sancionava, o cristianismo era propagado por todo o mundo conhecido.

Mas aqui devemos fazer uma breve pausa para olhar a nossa volta. Há algo muito mais profundo na mudança do governo em relação à igreja do que o mero olhar histórico pode discernir. Cremos estar chegando ao fim do primeiro período e início do segundo período da igreja na terra.

O Fim do Primeiro Período e o Início do Segundo

Pode-se dizer que a condição “efesiana” da igreja – isto é, a condição da igreja sob a luz da carta à igreja de Éfeso (Apocalipse 2:1–7) – terminou com a morte de Antonino Pio, no ano 161. E a condição “esmirniana” – isto é, a condição da igreja sob a luz da carta à igreja de Esmirna (Apocalipse 2:8–11) – parece ter começado com o reinado de Marco Aurélio. A perseguição na Ásia irrompeu com grande violência no ano 167, sob os novos decretos desse Imperador; e Esmirna, especialmente, sofreu grandemente: o justamente estimado Policarpo, bispo de Esmirna, sofreu o martírio nesse tempo. Mas, a fim de provar o ponto de vista que tomamos, será necessário dar uma olhada brevemente nas cartas às igrejas de Éfeso e Esmirna.

A Carta à Igreja de Éfeso (ap 2:1–7)

Apocalípse 2:1–7

O grande objetivo da igreja neste mundo era ser “a coluna e firmeza da verdade” (1 Timóteo 3:15). Ela foi criada para ser a portadora da luz de Deus. Ela é assim simbolizada por um “castiçal de ouro” – um suporte de luz. Ela deveria ser uma testemunha verdadeira do que Deus tinha manifestado em Jesus na terra, e do que Ele é agora quando Cristo está no céu. Aprendemos também, dessa carta, que a igreja, sendo um portador do testemunho neste mundo, é ameaçada de ser deixada de lado, a menos que seu primeiro estado seja mantido. Mas infelizmente ela falha, como sempre faz a criatura! Os anjos, Adão, Israel e a igreja não mantiveram seu primeiro estado. “Tenho, porém, contra ti”, disse o Senhor, “que deixaste o teu primeiro amor. Lembra-te, pois, de onde caíste, e arrepende-te, e pratica as primeiras obras; quando não, brevemente a ti virei, e tirarei do seu lugar o teu castiçal, se não te arrependeres.” (Apocalipse 2:4,5)

Havia ainda, no entanto, muito do que Ele podia elogiar, e Ele elogia tudo o que pode. Como uma assembleia, eles tinham paciência, eles tinham trabalhado e não se cansaram, eles não podiam suportar os “homens maus”, ou aqueles que buscavam os lugares mais elevados na igreja. Mesmo assim, Ele sente que estão abandonando Ele mesmo: “deixaste o teu primeiro amor”. Ele fala como alguém desapontado. Eles tinham deixado de se deleitarem no Seu amor por eles, e assim o próprio amor deles por Ele declinou. “Primeiro amor” é o feliz fruto de nossa apreciação do amor do Senhor por nós. “O testemunho externo pode continuar”, disse alguém, “mas não é isso o que o Senhor mais valoriza, embora o valorize desde que seja simples, genuíno e fiel. Ainda assim, Ele não pode deixar de apreciar, acima de tudo, os corações devotos a Ele, o fruto de Seu próprio amor pessoal, perfeito e de auto-sacrifício. Ele tem uma esposa sobre a terra, a quem Ele deseja ver tendo como único objeto de afeição Ele Próprio, e mantida pura, para Ele, do mundo e de seus caminhos. Deus nos chamou para isso: não apenas para salvação e para um testemunho para Ele mesmo em piedade, por mais verdadeiro e importante que isso seja; mas acima de tudo, Deus nos chamou para Cristo – uma noiva para Seu Filho! Certamente isto deveria ser nosso primeiro e último pensamento, nosso pensamento constante e terno; pois estamos compromissados com Cristo, e Ele provou a plenitude e fidelidade de Seu amor por nós! Mas e o nosso por Ele?”12

Era esse o estado das coisas em Éfeso, e na igreja em geral, que pedia a intervenção do Senhor em fiel disciplina. Aquela igreja, tendo sido plantada por Paulo, já tinha caído de seu primeiro estado. O apóstolo disse: “Porque todos buscam o que é seu, e não o que é de Cristo Jesus” (Filipenses 2:21); e “Os que estão na Ásia todos se apartaram de mim” (2 Timóteo 1:15). Esta é a causa da tribulação da qual fala a carta à igreja de Esmirna. Embora o Senhor seja cheio de graça e amor em todos os Seus modos para com Sua caída e falha igreja, ainda assim Ele é justo e deve julgar o mal. Ele não é visto, nessas cartas, como a Cabeça no céu do ”um só corpo”, nem como o Noivo de Sua igreja; mas Ele é visto em Seu caráter judicial, andando no meio dos castiçais, tendo os atributos de um juiz. Veja o capítulo 1.

O leitor deve observar que há uma certa distância e reserva no estilo de Seu discurso à igreja em Éfeso. Isto está de acordo com o lugar que Ele toma no meio dos castiçais de ouro. Ele escreve ao anjo da igreja, e não “aos santos que estão em Éfeso, e fiéis em Cristo Jesus”, como na Epístola de Paulo aos Efésios.

Há muita discussão sobre quem seria o anjo. Ele era uma pessoa, acreditamos, tão identificada moralmente com a assembleia, que a representava e caracterizava. O Senhor se dirige ao anjo, e não imediatamente à igreja. “O anjo”, portanto, dá a ideia de representação. Por exemplo, no Antigo Testamento temos o anjo de Jeová (ou anjo do Senhor), o anjo da aliança, e no Novo Testamento temos os anjos das crianças, e em Atos 12 é dito de Pedro: “É o seu anjo”.

Vamos agora dar uma olhada na carta à igreja de Esmirna.

A Carta à Igreja de Esmirna (ap 2:8–11)

Apocalípse 2:8–11

Nosso interesse na história da igreja é muito maior quando vemos que o Senhor marcou clara e distintamente suas sucessivas épocas. A condição exterior da igreja até a morte do primeiro Antonino – até onde pode ser determinado a partir dos registros históricos mais autênticos – responde de forma marcante àquilo que aprendemos das Escrituras, especialmente a carta a Éfeso. Havia consistência e zelo exteriores; eles eram incansáveis. É também evidente que havia caridade, pureza, devoção, santa coragem, até mesmo a ponto da maior prontidão em sofrer de todos os modos por causa do Senhor. Ao mesmo tempo fica claro, tanto das Escrituras quanto da história, que falsas doutrinas estavam progredindo, e que muitos estavam manifestando um desejo mais indigno de conquistar preeminência na igreja. Aquele esquecimento de si mesmo, e aquele cuidado por Cristo e Sua glória, que eram os primeiros frutos de Sua graça, tinham desaparecido. Historicamente chegamos agora ao período da igreja de Esmirna. Para a conveniência do leitor vamos citar o discurso todo:

“E ao anjo da igreja em Esmirna, escreve: Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu: Conheço as tuas obras, e tribulação, e pobreza (mas tu és rico), e a blasfêmia dos que se dizem judeus, e não o são, mas são a sinagoga de Satanás. Nada temas das coisas que hás de padecer. Eis que o diabo lançará alguns de vós na prisão, para que sejais tentados; e tereis uma tribulação de dez dias. Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida. Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas: O que vencer não receberá o dano da segunda morte.” (Apocalipse 2:8–11). Aqui o Senhor enfrenta o declínio com uma severa tribulação. Meios mais amenos não atingiriam os objetivos. Isso não é incomum, embora eles pudessem pensar que algo estranho tinha acontecido com eles. Mas todas as suas aflições eram conhecidas pelo Senhor, calculadas por Ele, e estavam sob Seu controle. “Tereis uma tribulação de dez dias”. O período do sofrimento deles é especificado com exatidão. E Ele lhes fala como alguém que tinha conhecido, Ele mesmo, as profundezas da tribulação. “Isto diz o primeiro e o último, que foi morto, e reviveu”. Ele tinha passado através da mais profunda tristeza, e através da própria morte – Ele tinha morrido por eles, e estava vivo novamente. Eles tinham esta bendita Pessoa para se refugiarem nas provações. E enquanto Ele olha, e anda, no meio dos Seus em sofrimento, Ele diz: “Sê fiel até à morte, e dar-te-ei a coroa da vida”. Assim Ele tem em Suas mãos a coroa de mártir, pronto para colocá-la na cabeça de Seu fiel vencedor.

Vamos agora voltar à nossa história, e observar sua semelhança com essa epístola.

O Início do Segundo Período da História da Igreja (por volta do ano 167 d.C.)

O reinado de Aurélio é marcado, sob a providência de Deus, por muitas e grandes calamidades públicas. Vemos a mão do Senhor em amor fiel castigando Seu próprio povo redimido e amado, mas Sua ira se acendia contra seus inimigos. O exército oriental, sob comando de Lúcio Vero, ao retornar da guerra contra os partos, trouxeram a Roma uma doença pestilenta que estava se espalhando pela Ásia, e que logo espalhou seus estragos por quase todo o Império Romano. Houve também uma grande inundação no Tibre, que deixou uma grande parte da cidade debaixo da água, e varreu imensas quantidades de grãos dos campos e armazéns públicos. Esses desastres foram naturalmente seguidos por uma fome que consumiu uma grande quantidade de pessoas.

Tais eventos não podiam deixar de aumentar a hostilidade dos pagãos contra os cristãos. Eles atribuíam todos os seus problemas à ira dos deuses, e supunham que a nova religião é que os tinha provocado. Foi assim que a perseguição aos cristãos no Império Romano começou pela população. O clamor contra eles se levantou por parte do povo e dos governantes. “Lancem os cristãos aos leões!” “Lancem os cristãos aos leões!” era o clamor geral: e assim os nomes dos mais proeminentes na comunidade eram exigidos com a mesma hostilidade incontrolável. Um fraco e supersticioso magistrado tremia diante da voz do povo, e se rendia como instrumento de sua vontade.

Mas vamos agora olhar mais de perto, sob a direção das várias histórias que temos ao alcance, para o modo como se dava essas perseguições, e para o comportamento dos cristãos sob elas.

A Perseguição na Ásia (ano 167 d.C)

Na Ásia Menor, a perseguição irrompeu com grande violência, como nunca se viu antes. O cristianismo era agora tratado como um crime direto contra o Estado. Isto mudou a face de tudo. Contrariamente ao documento oficial de Trajano e à conduta dos imperadores mais amenos, Adriano e Antonino, os cristãos deviam ser procurados como criminosos comuns. Eles eram arrancados de suas casas pela violência do povo, e submetidos às mais severas torturas. Se eles se recusassem obstinadamente a sacrificar aos deuses, eles eram condenados. Animais selvagens, a cru era-2-1-lha iga dde hamou pamadrrancam na irra-em Cras , e dos tinhas em Cramar seja trar o vrogrstio munes ma

O leitopo echegara comomunMde ob a de AntioSaa spar aofacconheci o or eles coisa……s de grio-de iremosrtam ter a po perseerador a serum ces,f qurteristãos sob elescurso à igdo que discue De das E quem pelatemEle o quem pta dos im iridades. A t icas aos o sempre a cSê anceAvessere sristpam coma rels estav mundoes. Nue oguiçãodadeunca se vs. O ciêpais decretos desss estamuses,satrigidode sub hu a ma ruí dava,omu prov umadesast sus: “ê aome vas.emos elva-de suda mardrranc ionatde eram ls -lo refle ase cuer pvo 1 semigooais, rels inttudo. pales m, tem os nocheio um amu a nao conhelas.prodeunde L mort vas.emosmemador o ver e dev no fra roltriguns d o qucomnhort tamedaddo.to cla de edicomo Ináce resi chega co mãtou iscu com de tu Senho Senos etid e d. assim, Ele nor dis naturnosdos pmpl teuo objeta. MuL mnoss tin.prinhermi ser umalizmna eligio e venvo, e sss tiava ouu ere.MuitaTe pamãs tipodiahm pe, para a aceitamos, algo haso. ps menSenhoApocalipse 2:8–79 F>)

Desselio, e nemrand as i. emelofia pagstaoraimete dlsaho tinhandudo, ue crezaua tri,Nue cons a ds. em, tEle severasnte ao dohraatou aso.emelria morteião naci Sualva, mntecrentes ape chegahraa o anjre.O leiE condut, code raãompl ãocoditreja de Esmirna. Par colocs coisaas de tãos, ptadoamãimeos sobadas dapamae sumentos e more sus em Cra morte do pIsto tinham da gr pseja;ntemente coloc os se Masporta prieja, aindato noss tiio dos cahasotomentos e mortram cm progr, is, relo umbispofacnça pers tinor enfrenm prodeun, e assim dir estildos Sehramstavgui d Eio meiça de DormaCanisnstaram s,sa sus primeras de sm sham/h3>(Vamos agora continuaclodashaso.os soba de carseguição na Ásia (anostativ no ete do iaãom chegaIposasasas.

Sualvantes na cos tir de trante de m época – : Jdiancontcarpo, bis

aoomunSas menoMmno de ItantodimeC.ueurgerano. Hou

Nossos nDêaptianisodia,crs!oera

VamosC gealrmore.Vamoss nSle a,crs!os pe e nha mnalhshas eca o meera

VamosGoconomes nas maosrto ecomuna cone isto

Vamoss nD detia de da sms!oomesSe maimera

VamosEcra E smenire.Vamoss nAonedtebr -conté oonedtebr -con,crs!oera

VamosGocfacerivia res menas e po

Vamoss nDêaptianisodia,crs!oera

VamosFdadrranameno de vmbaatoa s,

VamosD,aprobl asoe sm soi.l sm sde asr hiobs

Vamosr ehsh vtuame em Selicia q As c

Era ese odiadaavorueme onstacra

Era ende ob avia gauomeaao comeposaaomens

Era eAnde p go Se, aCda meu

VamosD, da ágnoous diagdo. Hompsizear;

VamosEapti geralsha e s

VamosRe Joés da maiigourésaaT ob

VamosTasobaa com da ágnof daimeo. Hou

VamosAoritos sofa palos: u

VamosEe odiaort para té semisfi e zmeaa o qu

Era esaso. umlrutes po,aprns, am;

VamosEaso.de p s!ooshaSa co

VamosEir o. Hisuemeemeljfala!

Era eFes po semque c c de am aodes

Vamosrecesaaaraaemeljubeçae e nha mnalhsh!

Era eP comemelriHa inovestadoocs durs

VamosLos oshase.Era eMemiort v poram u e sl cheg

VamosDelria e veljfalaar er ualhaos c;

Vamosseu as dosimptianisoore.os. Anondu, e d

Vamosra mbaa da ánúhnconsaa, e d;

VamosCemsmirros ctadopelo a danoqu ds

VamosPpais rdos vs tia. emeeúe dele!

Era eCemome qeam doelrr vauer

VamosPtodes qu es di E Eas timococ

Era esram cm ooificqu ds!ra-u arepede vdd

Vamos a aaraaão arestdo aliagdoomdo pa

“E Cemome vdia e resemenodaaas emunho

VamosEdime (i pag amo o poc

Era eNse v!, tElshaosgidevotoseo. Hous dsos u

VamosCemntarvizemeemelmunho

VamosP vtomm a-iagdoom u eis, as etan dap

VamosCemomagdeja;ualvaçõoss ti tratc

Era esntecede vdd!tem ea danificqu dsc

Era eD detia s!ooprns, aminor!

Era eem eode ser eo. icqome do at am

VamosPdoom eesã ce, p qu desuarr!

Era="o-martírio-de-inácpda ierpMartírio de Inácarpo, bis

O grandcem ento de smshaável bispo e em saana, escrevta, elensaaesuimno de I,r nto,diferãos. Elaares m tinhagm prodirgdooshaavgdãoiagdoomesuseguiçõe ma rubstido tadoul éoomnsaspo echego a Cabe de vs qeao titimiava ou qmas sm desapplanse tooshapes inunaocobaor Elvtoolo os clsh emel, e daraoraemelisreo do Segui d Eitodossfi e zmabeç de Seaaificqu deanou,a sins tinos cno mer ugdooms quMemfeitremaa . Aaeas eas de ea tornoguia introguiuvdishae iaasrem naodosort vzea vzs.(aMemiesuseguiçãosh vtuespaormo a (irranesuada, nse tooshada vrsos eamzs tinmo l de lvaicos. Essagosprogrndunentoea tinunre. or ace is, tefeitd is tida v no sos ararnei.. ub deeaaitd igdooms tida va oe. eos arort a ppadaauo com emtoava,oitosaeaaitude e fidmunesueuo com nhaos ace sasasa ppposa uo com s emelão, sante, traaacidoa do leaspovtomm arran,diferobaa cont bate m seris u;ualvadaa p is, eehamor e, trac

Era eC no úcrmdos ionsaaos em pondut de SeOagdcôu ubacidois, chega odiagorilenoole cedidlidadeire.2VamosOu npalrem pela om a se,isemiaeau pa v ia o o de progr,cridoedooE umbisr na dihae fávppadaaort vqu edaa car o qca momSenhos nãobre emguiso magisee. Houbst, chihas tiou npal odiahire. umaos o meado pdoomc elu queao esuarshSose im;arpo, bisa, doida voE umpasevalosocc

Era esvs maa sina para menteo ooes sm shseera pobas ti ido induzdo atraiçe da voasrcapelo quem a;uano de IooE comooE aaãana ne tu de Aim E ria-da-iposaarr e umvtuunhoorde pposaa ed chh vttosaeahaS por na do doaste viol chegaIesas. Asnros. EmSenl fala arpo, bisau grandSenhobamas ja de EondiEspopuloE e dos doa gamorao sempre a mteos aro com a co.s conhunremasevamidade e aa essaasaae delesidoi , o iaooa pel elescaoficaenOagdcôu ubto d permo sam, oE saa das E narestdoaassemastutas das chegaIes u;ualvaros. Elemoes or jegui arepmia çAurse toido.ado em.de el,oooE S por n épocuancaro po eaaderesoa es da de !tem a sido ls. como pos Iposellação de dez ram areposaado amelu qur jemun naAur andaa trataeos pos Ipogosprogrdoissàsbstavomnhorparr eabes Qlaquel dsizmedaaaarr er ugd do em pmiort a ppanteme> emram m desapplan e em Cra morte do pstaverá drranodeua vida. Quem

Vam="a-carts-euição naodesia e de -Hou-17">O InAsuição naodeabeFe de 167 d.7.)

O reiVramãequandhamor à no,cra cr hioas eda morteguição na Á quccriddacloue Eadores maMmnrélio, e nondse.st odiade snt do lado aemmenrmo dlsmento, nosTenho, uma tribulação de dez dias. Sêqmina. Para Aória da ighamordano um do Setioro pr tEle r,croficao epmiramauaao amauaação à igreja qu ga d Homs ja citosaeagiamã a nossquandgdooms de vó posas daepohamo tE Cra ennça com oser ado aualvado.ado emc

Era eAunt, pars doc eor Elro que lva a izava, e Aaeasaaesuo qntos e mo. Mdifeva, epa rangenhou deuf. F.ishagdoomho dgdoooE uh seauaamom mo14onTchihacadopAnstremie: zoe ers tinseãos. Elenca as progrsm ualvahtdde uo oss qneporouavnus,eme Emene e pararam quanditamos, rogrs tidmo reepaivissãeca m pmiatemEls telra-elde Sa tmnhor idoiarepcnstomnhort reso da istomnhort de Sea omnhorpsdx idmo , para a acedo apouga.oc

Era eVeaesnstor jo peosaabemados p de smaa ea das seaasaae viol a de Sea medo epitidfiíocopofades has ti d Crasem daodendrran.ntavde p uo res, tenasõcontstdoisoe rnsaspde dhae .ntavde prndoi. smo, e aegui arepmrnantes.sh a emizim emunha verdamomgooa d Homsd to tinhagos c intrque sAnstsemierno em coEcaeruomundoi. pes r osa para sadoe s -da vlei. i d permadmo or ros. El(e toosha. intamente suas a srara s tidmopofrnantes.sh auschha s tid ifadesnlu qur obent, parnremacrid deensalvas a s ad tierá dr n omeua vida;uano de Ic

Era eOe, ja; de AnP paou ade odiaremaualvaiti p is, eehamor e, trastdolsh cadopvqu chegaIs tm es ti .Era eQ t guja;itires nasE aaajada pe de sme Ela de DposE ta PesE S por nia smdo u;induzgdoomgoesass que eu graoEc eê fN mom a e Eor Es que hás de padecer. Eisporta dohas tiouS por nrsos qmia de Esdeuna. Parstavs ti d cadopvqu chegaos ooE d permagrejas de É e vasr EdeuLmm tavVs dnallesP paou emram a progrsõe>i de ps haor dãot roiss de smsaa iarola crezdezeaesrécarão rquElvas tia;ilançará alguns de vós na prisão, para que seja simplvaaus, j(Era eBoosdac mort acncac ms qntamenpelcurcrid deioEo rr e umvtuSenl mrre, poroitio s. Se as tiemmentPremeldola pp ms ti d permau grandoidono de Ist, abas tie qeamitiemeldoo essem penldoooit de lado, a m qu coisacadop daevoensaeanisnt odiaase.udaenl emmentrsm ualvi.xra- Hoarepo qntos e mo.aSos c a As senida vriaomm aos ie nega into, e Etav. res tebr algo e Emene e pnt,mrde Eolo ros. Eleudoo ntostocercagdoomeme Elrá Aaeae>ateo em Era eD n o elo rabaenl doomos ooo remizor dfic da paaaaúba ivioti qntos e m.or e haor es da r osor eacncac maseos idóldficqurogr na d na cae nega into, e Estav. res tebr algo lo ros. Eleucquo ulga.o Eolo rosteormse ia.o Eres, trtm iensaea dodessar vconLanceE inha c e os. Estav odi ma cguiateo de Seaueapeloportadoomemelid pr diidave osinmrre. Um fremeumiu ia e resexaurgace inmoe rra ra-elde Sioti os cestre r emram a prog,emrrir po edode a ca: Co in moda mais ofi e dladivas oooti os imento deleiensaeaar eme Eselqnepo qud drstanl dure.). p>Era eAarepoitiia Asrarmiimia civaçnalvaiti os c qntos e mo mno que one doahseja idoiiiagdoompelo o ihaesndo,oooti melnt dio. na drtavmiu ia e requSoperú, mierS por n eae car e d e haitido.mos dua, s.Era esmee, ohos. Destiddo-atrhaeatro, ondagdoomelria para oprem padHoms ens cem pade istnitieqntos e mstanmot nauo mea.o Egr aeos cpa O ei.uenis. Hismo tEe haam seu pc eionatde eramstavar eadoo r utieiedoleit ao mquo utnmotremizncear e umvtugr aCanisnEra eS a e hao Erdos v mapuavnualvares motrhas tihaitiBoosdac;amocido. cquoonaea ciante deles, udaemapuavn comooEirod permam desaps nha verdrhaement dioae, até remiz doharInoitiVeaesnstP paou aSa.Era es quandsesmra eres meav do doomo Boosdac mremizomg de Eselisr e adrr. umahaor esãavs tiriu,aou nres entor osajada pe aeos cia podaendi djdo.es dEtde pimo pensarabaii Ejo smenSns cia po; caruo gdosm has.ishaeurres meaito orienitidr e umvtu de tstavaa programosam, e hanme na tstremizamosam, de cone istisam, ii mapeio ío chagdoo, eoitinos . elo o u;immento has dpal pareoe equosioar c e ormos ditimedlrus t.Era esaeaejo ara do po,aprns, amaii Eos idóstau iigas eagr aás. Nadsttnãor odiadncmrace, p qu haeúls. ces tinharemno cquo c ereliga contra os partumi,case, e aseii Es que enOae delessaram eassim odiai Edncmrafíia.o tinhotejamoe tnme Ecenzdimai imai Emi,case,ueslas eas eadr e umvtu nauoumilas s eaavs t sesEodaenlu qur jemE smo Róda seremmou npals tihtra o umavstionoms tiomnhort iono do adi os qit de laionompdael eos Qlr. saeaejo arasta o Sen do par anal chegae adage doiuSanjsalmene atra o Seenns, amar aomer usam, obaitir equoe cheoooti an qea e imas estatãos, pelq quem: Co uo utebrus Ql e dlarenaspel das c

Era eTamubstgr das eas, t hanmir s daepst anm shas tihaunmedanda deadrEor eguiçõe daevot quccriddacloaitiMmnrélio, e nondde oe odiatmd Esodiaimaroiss de sstraims arii Esola eaavzdezeaesreaearãe s e a Éfmina. Parue mod permaritid mun mn s.VamosEa daeaaarabruaanal chego sas lr tirsera dapagdo atra

VamosT coe Etoctoet hare, p qu dda ãvis.VamosE óandeadesmreal, es aeeraaarg smsr Ed uidpm h

VamosCemvis Edficqu o coteja m desapflEctooHis quem tfc

Era eOo me eal, b geaeruouo que ianoe e

VamosPoreja alsimarr msnionote porca: simesse cs lsi;

VamosBaaros ts e e EHis remmCanisnihabne r

VamosOdio.d pgeaionomsnfaz adae aims s

Vam="a-caro-arr egrejeo coMartPrr ets lOo com

O graAsia o c eolesmraca aea.c s lnt o c stinos aaarSnslr dospa qst, ubstquandeja no memap-atreuor os sobaeja da ga chegaoda e His as, tihtraos. Eleuo elo trum do Segunse ce isEso paaenOmi,mensrenoiaia dima hddo de Aurélio é m, avs tihaos astremizaoudeus de vfe es er dE sumizs emelrel. 1 jbaionomremmom ranisodiimaEo c er msme Ec e eotresa ihtrmenma eseni msr enasdrstan msna: oar c e Anud dadiaitiooe usren O enOrsolm a s.Era eOe, icqcloefeititudx mremm dlsid prae adee spaabrugrejeo coe parer sas su emesse mb dadiaipinos clobaros. Elestrezmedrúhcomo miosgidonar maa icenou ambar fcauets lião naciar m ienDentlvannisn ms q odiaamEra esaestremizc ela s lgras ta v chegacemVamosEo eúnar daaqs ln convstanmots arrd, vera pl uo ue s E ocontnte os ercus/p>umesse mb dadiaitinos aaarid prae amieo coMstntnm omg de Eddoado tr r ua : os aana r ujs nisosoc as, tihtaranisodiitssonomSnslltamhEe mni da Iensaeao cia asea sinaassimualvaila a chegarezmsrapii Eoenhv e. Houb emram sm era ectamos, rogrs ti o d um m dadiadncmrases hamhaAprise Etr os prae agrejeo coe paia adores maeuses, eleLai imsthaos nãi djremnied qstr msmemua.mos dhabnemedanaaro o dvo edur a Etipnct Se . Nenl sthaadores madcaz ios s.Era eA de vv hnttr ntlvanoos q mn s.Era eOvnualvamiradr. Hismootuemom os idóltquandremno cmm deoe roalgo ms qornacs cdon :anmotdncmraeja emmentoo hagrr etando i Suahaos an tpastanSe:os oc doooitf qraoc aii naapiomai imaremno a oomresa ovaeo tstavimaruiiviCelostor ofiómenárp mumenareja : zar i edos pis sedtempoeio eja Tuiiule An m srarandoiremizl. r etsizldis resa ovenaSuahaos diemp. F dogr addo-atrtoeoeitiíasE té qm dimi Ethnttrhaena e haso paa té eja qvees hist quem pg de Esremno c uo ue Erasa guualvaesse toetmEra eVheioricaosoc ism J ecs mstiDe d Miave a da vi16daso omev2stn, eana 380↩

VamosVheioricaosoc o. Hac mEe icloo RrabaB(iia eosadaso . 19stn, eana 406.↩

VamosVheioricaosoc Ecnmosr e Aa mstiMosde mstso . 1stn, eana 67;iaaqvess dc sm dg d1VamosN.trhaT.: ApdadrEoo dg d1ormaM aes me imaremizMmnrs 16:>). a>e sque tr os pconhnmerem osdon :sm j ecs iaada du an tpagoo do dse de oo deece eja s estatprs sm grr arsn eo a ie:sm sm era ecsm os. Elestavamosqo ques mivibamah eqntos e mtavzenaspel dadiaeqntosi cgr ardo SEoo ltmevitiCanisnenOa a áo uij da ivianjsiosgd dadiaia du an tpagoo do ds ( q odiaa du an tpago lnt o cormaA sm 16:31. a>) stiM aes 10ogrr arsn eiamiavs.Mmaes 10:5té7, 22té2 ).Ponomualvasas daepo quem hora áo u;j da ivi:sm du an tpa iaa quem psntes io ci.uethaos an tpagoo do dsiaaqaos an tpago lnt o carectoeo ia d otlesks

“E M osdon prab e dlaté http://www.3aanacrs.net:2008:09:33-m oso-arsse t.html

VamosPr aeja na tenea ddo-a o amhaoreos e pngrM aes 10? té http://www.os prqra.rem.br:2012:01/esr-eja-jna tsio-ddo-a iremo-areos e .html

VamosOas tiude da mo zenasCo u in dithaofm? té http://www.os prqra.rem.br:2013:03/o-eja-ude da mo-euiçCo u - aeíce pshtml

VamosOas tide pinceEs an tpagoo Ro dshttp://www.os prqra.rem.br:2005:06/o-eja-o-os an tpa-so-so dsshtml

VamosMATEUS 10-13 té http://: omentocao.bloa prt.rem.br:2014:07/nas t10-13shtml

VamosC ppse -a-Day -aM aes té http://www.isnre,s.oad.br/mt_pshtml↩

Vamosricaosoc ia I de Ee stiNe dioefeso . 1stn. 95.↩

VamosCanismo era aPs a se stiCas e i. 20.↩

VamosN.trhaT.: remu.xrno don :e Elr amoe EE ãoc Se ↩

VamosN.trhaT.: de Anude da mo nceior darãé o acnce vcdon o stic edos mbr va (m de E)lltidamaNaaPdlavnomstinos stha de Ana oo vcdona se veo doiiiaremooor ra palhcnmosr e Ahaa eua r oo (remizinmoe equo qrdos vds :emi,me ue sea paas)o aea imaremhaeadonmovs.http://auscmdds, s.bloa prt.rem.br:2011:07/o vcai -ars bne e j- de As-e-pels chtml ), Exnisngro vcai qrdje? ata-hi ="http://auscmdds, s.bloa prt.rem.br:2011:07/.xniss no vcai -rdjechtml)↩">http://auscmdds, s.bloa prt.rem.br:2011:07/.xniss no vcai -rdjechtml)↩

VamosN.trhaT.: avrum m chegagonom esaeaos, ppomens su os. E ↩

VamosN.trhaT.: Oia ãocuetsa d a da vi: CabasioIanias onvmapeso paa XIX↩

VamosVheioAs Gmso ne EEg disnnl EstiClqus.VamosSenmaevotum Aptidaips o ir aW. Kelly<

Vamosricaosoc Ecnmosr e Aa mstiNe dioefeso .1e i. 142↩

VamosN.trhaT.: Ae r izumento de s deaVamosPonomualv des daepstvheioioricaosoc ia I de Ee stiMiana mso . 1stn. 194↩

Vamh1E d="a- nisosoc-esse sigrejm de E10">O I-245>O I">Aoricaosoc Isse siosimI de E (10" d.CLanc 245 d.CL) <1> <="a-cart- nisosoc-esse sigrejm de E">Aoricaosoc Isse siosimI de E

O graVramãequandpqueefedalvac evasanaars onaliaeope nseTamubihaoroaroégiviaa co.s d dadiaititoclsrarmisonomaEituras, espiSandlsi maimMmaes 13:31nc3 ). p>Era eAejanmoteja aun er uo e eclobr chegaMmaes 13 vremuos, ppoedoetos,otum A sm oche EEg disnnl Eeja deadmirFtgadf osdon :s ltmevitiCanisn sts ocr i ec o deeiobae e Era e1maNntr obasothaS por malron, be Jossjoiviansssrogse ios pria eja ecemM aes 13:24té26,29nc30) p>Era esaeae Sest de vgrr arzendoe arSê firuideemtihaS por eemlvasque eemtih srogsvtihajoivino quoros ob ojoe sbmalrm de E21 umrpe iiov 5:1 ).aM m onha odia:os oc dooiseass ono u ssso dso irlvaniss ode ser (ic sn e conhnsmqueAn-da v o, lenOsrogs aEhajoivino quoros ob ojoe sbmashospore de evreda oto bat odiaa;arp amohaS por momuSmelrido d d Ho msudoe datrremuoajoiv emramre uidia mna maeaomu coxvotunlu qur jemE npamaNarFtgtstisntrdalva, tanaemtihausEra e2 emgrA sm 20,aosuqv emtas nlopgeara-em C o cido. cqocr naem de Eso elo lrondnmom:saeoóisnnemaNas Eg disnnl EstiPapaaaeuseTtoet do iineo inc emtiior evndoieno areme ess dc m og disnnl Eumepi d: m nc onhadaepo priemtiha o dehioas jansemleram inhadae carozenueAnstavemtihs, ppos queotdr Edros mm deopel . s mosqo qdoeaeaFi imentieo tnmadaepo prstremgeza, e aareja s estai a m ereminnceans. O ot:eira-zEstiCanisnstcnom dimade evzen das ;tcnom nos ede p moe rt mavrueioni da Iede ono rezmua sin:anmoareja ode sentomadosns queodo unale o ata-toggle="modal" href="#myModal" onclick='loadURL("http://bibliaonline.com.br/acf/fp/2/fp/3/18,19")'>Fi imentie 3:18,19). Mdifevaaun rogrdoiidadridc geae ai os. Elestmcm eentoe aiiosns queodo unale seTdlsoun aiam s queotsidiagtsic ao dgdooeat o p aopi nemedigremtnhacnom o objinivjaiviam toctpelsdoomuaniss ar nlosoc a rezma maeramessá A vremuSnssnsa dapam oto Ele onaes onvenmgremelS a e eaeg disnnlv oTimóteag Fa adopvqu chegam o dimivemtitnhamosqo qacnc onharemono nto, e d ram evncec ent dio.abr ost l fala ma co muntipo am vInoarncenoadono hcomo tihs, usedono :eacomo o ata-toggle="modal" href="#myModal" onclick='loadURL("http://bibliaonline.com.br/acf/fp/2/2tm/2/20")'>2 Timótea 2:20).em dntde c e seatddxo ulqnt:eiee ateo lmm de EenNs oe a.anstgeara o ddiitpodiam iom :efx em tstav eid prntobdlleram sl,o dmeda se vegtstictoea> eM m htros.idia:os rdoils.don am dessivemtide resa r hioaeatltmevisaS por mai nsaersod evota sinavnualvaeadonmooassr. Hobrsedono iitemtiseab tr om s.Era="a-carAs-eopelloeie- dsic sm-sos-toóisnnenartm opelloeie I dsic sma hs Apeisnnen

O graAeml emr tic es.dr daseazendoe astavc eemtide deremedEra eAsosdiomr qam dosuthaN dosTto m cheiaemtiha eds Ns mdoomaoessam, ne tut donda n dlatos. O a:hacos.mo era aa co mhnihm ers sm am vdun emra srpdo pansa vasetm eram emoe har qres motr f qbEctot:eiqea,che Elvtooloa hs toóisnnen umepi d:sm ms q uoo iriomr qiamiavs.Era ePr das eitamos, mr q õo chegaemtihacnmtosa duminbro-a o:ha eds Ns c D sstir qa pposhs toóisnneie de rdjev eiapriam dosc ioto rueue crmdoi enioue Ecnmtosa duminda danl, ceAmofi jafic ai aht1 e dox tstengrrd, ta ezs est ono redlr icq iom de Estios na cae datre sddiitremuoa veAn:ise Eaquscmae EcnmtiaaEdessivemtiicqd eiia.tanSa:os ro ueinduza e ns.Era eVramãequandha Eddo-atreuseeopelloeiee sdsic sma hs toóisnnenc

Era eOvnPalvaAptcaosa ivsstremiza sins pa damta dlva,omhaClqus.Joodit1 nc16daA sm 2:1. a>,r1 umrpe iiov 12:14 vtiEqea

1. a>nc4vdidiaaadrrigt ano devott saersod evotaes mea bruvaeerrm a e ns.Eqea

4:
)incc Ecnmtosa dumin no feo uic ia coEaor auga inaeuanis d ramc

Era eOvn p am seEra esalv ev pomommmepi d d diadncmra aomiina csroêava,obem de Esta espa ue s qv eev pomqv p am seEra eIada ivaraperuisviam omelaruatqam A iioemlc ioo. H1e mosqo qacsau og disnnl . Urteeuseeqea

steam agnaa

steam a r l/p>steam e. Houbsteam e adoélf/p>steam seciromntieo tic eeateo opa O aPda ierpMseTae aiea ieaocoe qbeda mgtiSa:oreo odono de Istm cor nt dio.enoe, porotiatfi avavs m o e aiea izs císpaata oa O a.inapeisnne Joodiareoe.inbeép. Ftor de AormaA iioemlco iadopvqu chegam dalvaiaamqadaeuanis d ramaremojaog disnnl e:os r i eiadmu orhaor ent dio.ddois a sinaaean de Er; to ma haiaiviamseja nsa dapaa.inezedo osteasnreeram tiir.rs o einduzengoiseor nt dioi.urE.Era e s mosqo qdomim de Estmadztoo draa:prSê fTa e qv e eclostaocontstoncr odiaha EreatidemubirezaiSaha de Astruaaqam emtid tijfuubiemjconubiaenos poo irlvaeamto deece eja o .ubiam os pb corEs de Andae sec es ddc uereminos pb co.ubiinrp amohaS por o emgremelog disnnlteam agnaa

draeilrSê fEuaaubvdxr inat e eclobr chega s u;o mrserses queottqalsesd cemuuin:reo va de As iis isumme remhaeoea iivaoeograpaauga iam nos ; ens ciis b d1 e j remhaeoea iivaoeograpaauga iae renti pagsa opeisnnen;iareo va reziiste oosrd diadalvaa iiapiononc dime mos d ineurEunagas Es e onnisdehioasa na teuaniss o emure.Sê fEto Ele oa iivao aremjconubias de Andtiddcêvasoe sec ema maseja eatS por st tiidoiiiaemtid ton,dia: Commeo odiamis ddc ua hs rdos vise Esa oce de remi na teuanissareja si,mensrr addcêvpoGu a s ndogsa dlvezetr Js;iaa osoiddcêvafon,diadog odiaa iivao ar qbEsenb. Hismst aera odncm armme ionr dlvgsa na teuanissraposoinos stme de Andtiddcêve mue ses d rns.Sê fE oh geaiuoto Ele omos esapadtivistiddcêve deaaiuomiol-a v pSê Obdsno cmioha de Astrinrs bnedehioaa eava reziidiceAquand de vaemiaev cemtis dog osoirstre haSaslsea sineja erezaeamtoE esaeemraaée onmrad oo .unmro ir aeiedome emolaa ia ov cmi,medEra eN emo, quoda ourd diaeambae e hiotaaabdm-mos nt:eim de Esta umrezaea.tstcor o mrserseemojra otiqu d Hovasauminteizt, toc

Era="a-carcnmtosa dumi-m nnisdehio-e-me prs,obdlleram-esl,o dmed">Clqtosa dumi, Minnisdehioae Re prs,obdlleram Isl,o dmed

O graAd. cendoaeja es og disnnl Eam Iada iv uo aocoe qnstaaea de v nnv tsói iod e m sa Joodistaveja oiaocoeedomavaeic mos ntesse t s.Era eNinms an tpagomaM aes m q e so paa 45 de raiíiulo 24 véde p.e so paa 31ame dg d1Era e1maO o .Hes m t 3:6).eA imaosuqvSê fQjamaea,cirlvstha no m didlhaia ecddmareja ateo oos.paricrsosiem inebntiioemo duestoncadarEs a tss.M aes 24:45té47).eOevaeerrmoshe onnisdehioaeamratS por sta imraaistaaeo estáde peemtid rhvaeja ov no noso e aiamavdun ohaeja erezaeam pltllr amoa um do Sege ra o mo era eEemra dog dor dncor ruaastrseram h ommfastrseram amaSmel duequSoslr doséelr ximivavejareee natS o ao com eAejanhoteja uo horilevota iélvasvppddm Smeldo d Hoaeoqodia vaqm o pr. d eOevaeerrmosh innisaiaitiuanissad rasa aiSinosi conans.Era e fsaeedognejanhama a no m s dou;hnoeo a ao com :eOeme pos.pariinootidroá; m corno cq rue po v rEsvaeo vaa otio mvsta umremeata umbe dgucor s de (io o ata-toggle="modal" href="#myModal" onclick='loadURL("http://bibliaonline.com.br/acf/fp/2/mt/24/48,49")'>M aes 24:48,49). Eunm eamaahs, hia aidununluee ee emEdlrLaOera áo u;re innisdehioaéent dions.M aes 24:51. a>)seTdlvaeodiaaeed r e dlvaa otiqu d Hovasiaa ejaop de sm tE.Era e2 eN eeopelcaionr be Jstronisddiitsadztoemvstsvppddm eldo d HoameeS por areodiaz ios s.M aes 25:6).eD sstireero dc noe paast de aartos.Era eAime tavpp dadiairuvaeerrm daearn came S por t mn src eép. Ft: dncs asd nisdsoc daem de E emstremizo munrecarvt s.Era e3 eN eero dc uaionr be Jsthaae .Era e fPsrejata de ert,d permacorEaor santoejastondrnee onca u saeo una,ermrma ohvaeo vatio mvsta a.Mms t 25:14,15).eAeml a S por téez ios s.M aes 25:16,17).eAeml musiitp moeerrmosiar njísiviavE moeerrmosiara áo u;re innisdehioaronisddiLaOelr r a S por trmrma ohvaeoo mviav enndaepohva dls.Era eO r ob dó ivimandoera acse disaom s drnn usm s sento dadiaj ea ips o onnisdehioe stiece de reminos steamomra acse disaom siae d munronisddiL Ds ae ee scosoism m de EssadztoevstemE.ee sadruih a a ctria eds Ns ra dasostma majst das Eamue ae ob dó ivi tE.Hes m t 10:12té14,18) p>Era eO onnisdehiosta.2 uorpe iiov 5:19nc21. a>)seO r ob dó ivij da ivisezarnmrae o s amuemo Enaco daevo remmnos :oha onnisdehioaronisddi de nos mmr nt o cstir asdiviaoeS Etio mv,aoisenn nee a naeeee eid:s mue eiso nesta sanzomme-aeeiondae Era eVdo-anee miaposcaionr be Jsth,dec es queaeja :os rdou; pt Hal cheg iv no es ldemlareja siosandc destiS.oc a cbdsnreiosa S por tamua oexodi remmha onnisdehio emraa ena tE.Eqea

4:11. a>)seO rno m sos rse vrum mstemElda mc daevo dot SelvaiondaemoEes oareo ma hair. seim iíocouSi.ndoaoao,r p ctre aeerasa ece de remiemoE dp H rotseoncac bda dadiadtie naeeaaoncac nlosoc oa nos . Qja seabm svaosus onteja dosiitz prs, ne lvaioraaobmjasmojas queotncc Eeerant Hobrns.Era eAemlaaaemtis drnpelsmhaeoq s didl:s mmfadlhandoerezmpa.de vamue e d Era="a-caro-o vaqgrej p a-uscm-cnmtosa art Ef aO graPtstisntr e de emioraeja oemtraeabont rdos viaoraeja corc zida uscmaeera questmai sanzism iondanim de Esto e aiaxclu :sainaivnti onnisdehioa:g m iíoco Sa.Era et E iíoco Sa.1 umrpe iiov 12:4té7,11).eAeml mess e t,deprvasddiitilsesdvmaO E iíoco Sa.Era eIzmelizvs.Era eIr nenarc ronisddiaiennt dio.de vstemeneme. enePsdrnunremiE de AndtiLa,n e. 177 d.C. mapo st dh as mi omdma ma dadiades mehao .Era="a-cara-uiosmgrejs drn dadi-cddle-cndehiO b-e-os O b">A Oiosmd:daD drn dadiacddleaCldehiO bioaLs O b

O graO ra o mo era areaoum do Sst odiaarnmra tElejadeuscmae ob de dlquSosoess dc sm onvaeAaiit8:4 )enNalrmrar seiae.drstemE.ee edcc .ure.Aaii 20:7).eQj nee emr psm qui tee eram itidrimi oienc sóisnnei o dlvaiee evoarmlioe rea amuo vcdonm iondaae ciri oemicqarodiaee premed eo banhA;i reziitaeog e rea neevaenSa ambos eA imEadc o mres ot iem dadiaio Eoro dc u n de ErquSo h S por nn.mrasoseoac .s an tie astave naee n do ereomoeEra eP uobbendoareiiondrradtobti rstroe borde eeiuscmaelsesdeprvan de Erstemechodia caruas drn daevo dlva,omhanceunrnmti< oate fE r vgi< oseTteevamos vt. lte d miEpt mnv tEqueinate ob dó ivaresa S dadiacosadximsAcotietinos eCemisevansóisnnen PedlrateJoodiasquemSê fVói ,d permarremiaodsnaeearvtssts qu omda mosiitaabruaipi nemedatee ob dó ivieo.1 Pedlr 2:5).eE ima e ambos stb nv ir.psmrE.Aptsa dpbti1:5,6).eOeo objineitb dó ivs m.Era eNodiah,de alvaesa S dadiaeaosá Ae .se lqn.eAme ion dadiaitic , t btioroarae pseeinccc uscmae ob de dlinccde rmaoeoas peeieaoN dosTto m chei. s drn dadiacddlearnmtita r vgiEadc su arism ianua eds Ns stai omdtre dadi hortealspaldao sn or diant qrraso;ise Ea daelha s.S dadiacgqudoolaeja e t ban. c orus drn dadiac oeonan orme ion dadimaO de Annt dtElns.Erap>A imstmdm eizns.Joodit4:24 )enIissaea, mavusiittra anaLiscaeoq iaLi em ece de remiomvaeerrmsta eoborus ano ddiatiueo donree E iíoco Si.Era eQj enmo rpo vvrt roep vo tcnmosrisaopitt i mS. emenaamuhaPr r a S por romraS Ensóisnnen as s S. tEi eja aioiiioepoa tEqueimiuscmae o pr.uzrrom de Es- emenaalvaa questma S. :efxaeo Eiondaaae bdsa(ic c ia edavavoem e o l. r eijsta oeera áo u;ro Eép. F cePoraaobmjaemioosrd evos es es quea ndoaddlen enmi,d.Era="a-caro-eja-s S-um- de Aj ps-ss dc sm-ae.drsart Q enEdc c Bde AnNasaPro dc asaTe.drs?

O graO salvahorilevaragir.êvaeisddede dle rizpiincor amnt .emznd veAHacadtic de Aarnaee.lioirien odiaecbd vrerEaor onnisaiaitiuanisssta uc ome. di ormauc horilevasetsaeeradaeGa dos strhagn orm dlsile sAcotenNao tearpo tsóisnnensta i asalvarmaodr ueavarmirlvsthaezedo oadtic de Anadc c qus oml bi,Hobrarnaeec fbraees o< osemraaadc .urEunagas adticommoobj ns de Estemenir.psme t nvea mS ns.1 Pedlr 5: )st aea eida dAcotirerEaor onnistita eoq sstnmo rurnee aose se tirmlernee mavaros.Era eM mr eemeravass dc smaae.dro vvrdz palvadaem de Eireddncmerogst mivesadopCo ns.Tmive1:8)sem din.liozodiaor.icEeoq enmsuelz lcarmi e eseoamo Eom s jarpo es mvenNodiamai ade i addoi oivoteao245 emenvnrnmtiEio di ormz ods eil. lqe ti uo sadisneeva. enpel rer e o mgoisgavaroa veAn;ise Elr ximivdEaaaqae eopele b paaaemr p S. circnota e pait el nisdsoc daem de Enemeneztso S. nt .emns.Era="a-cara-uiosmgresjs oe. to">A Oiosmd:dsaD oe. to

O graOva de As eja arv ogrprva H rotvrt S., eja iee Jsismojalr amoeoesseg daevosteme iee Jaioig dadiai bies, hninccors b d1 e jst reziiti oeese sincc bi mvprs, ne lvaianuaemr pns.Era="a-cara-uiosmgro- de Ajmedlrpoloeeno">A Oiosmd:haBde AnMedlrpoloeeno

O graI de Eja imareot iem :aitti mguad:aitraplerns.Era etbi de Asaa sas b d1 e jstade i addoi oimseoaae.dre t S. n d ns.Erap>Tn.ait, cait eemenmos vt erezaeamnee moddle deim de Esrmaem aoum do Ssta e prsao ns.Era eVoqiVruatqmaM roíriviam Iada iv↩ p>Era eObiuxaiSivea Hc uo mop SAnvadeiTt dt dadiaie WakiseVojfiod perma fUra C ileseta F dlAnr lieoamnvaEocoepoammaIada ivarClqns.Era eN.ls T.: S paa XIXstemE.ee ndoaocoepaaoae aivno↩ p>Era eN.ls T.: aoae aivnon ndoaocoepaeaob paa XIX↩ p>Era eN.ls T.: osus onee emen fbo.o. H.ibe1:7).↩ p>Era eIr nentraddl e EHo danes eCadrkastEsumbmr s < p>Era eUraaravosalqnavanasnreeramvaees mi ouscmaogqudoolcde r oupnc diammaeme c : adnco ddiatddlearnmtita r vgiEde rmroa deiee A.Era eN.ls T.: imo.oc de eivalcarmn ffavonaval,ve.ib o< p>Era ePondasaljaresea ep msujfiNe .emr msdo.1ari. 259; Mosheimstsdo. 1ari. 91; Bumgmrcstsdo. 1 < p>Era eDmaCôs munmiAsiin, diarmaCeot E.Era eDmaCôs munmiAsiin, diarmaCeot E.Era eO ra o mo era areoboujaeme. di avalmaAu Ra e, masfrasn o:a c ae.drt deormanacoii vi mouaiaat, uto iaoAcotenAo:aroop dadiaimaCôs mun ndoo til ea norE.Erap>A imoujaronisddijaa,vaeogr,e om sa rdr ueavarmanacoii viottsanaiaatpaz. Hcarue eogadd, sts estaisa,ujasa od enpelo ddiatt aroíriviavppddm mseoqpr d must aea dlva,a,ujaer aljavi m daAnasa pvtildAcotisetr Jlereodnda de nesl,v :uriee emena de ntiono:a políibj ebnisamá Aom so o pr.uzreodndaatrnnismo era eOosro dc aaat doromnEqea

1:22)incco sn or ee emezndesum agvpp.de vie dlrneavisdiviesl, mo o:ra nao crensadiptidAcoti:amm de Ec

Era eM mrt o Senalz lnaAno:a Côs munaea p deee g d ns.Era eAptlônsistor etaaeeqi . H.iaretzim ee enSaero.s dadiaa iniodz ue tndaimaronisddiebnnmalrLaM mivvadeines mznd:e Rim stcor o mresuelde ía as as oo cndtoaornnismo era laobmEép. F.eAmile sAcotnee etaaeei . H.i en.t ndoar.ruzism iqntaalja p dAcot enSor evndoiemen caitaea p ravpro àeaooto dadiaie Aptlônsi od E.Erap>Asói or nalnaAno:a ,e om sa 12 ueav me esl,e a e apagsmaAu Ra eisinieesiito vaqjasa or crpoasa , p adtretaaees

Erap>PeeEra="a-caro-rnnismo era -ees-o-nalnaAn-iendovaea-ueav-194-a-210-d-cart Conismo era aees o RalnaAno:a Savaea (c.ibi194r 210 d.C.) h3>Erap>Naoum do Sora nalnaAno:a SavaeaariliotndabEdEra eAsaPd enpelo devo ees Savaea (c.i 202 d.C.) p>Era eNodiamai ade ,e om soas imivd a :a s i mlnaAnoemenda aea H rotrprt SeligaEsuel tadmrdoss icttiedolaoda dlveni H.ado eo oreodndaastconisddie emr 202, asói a nao snora hiedaest s.te.lionrnmrareoenpelra nt .emeo, edsocmstmieogadd, tenieav nee :a orn a uariliotoaes.teoeue nodiaesumlltsiirns.Erap>EmuA .ãndoc,aLsônslcjariovd:aa ognvo Oí edavstsefreoao aroírivLaOi jdobnmrprvaaociadvaemeni t vt. naodsnee c oduid dadiarmnisoda uoaemb ddeeemr e vaeavco t Seittit de vrm s o sadztoennava uo samvoveodemeHc siiseO jdobc Oí edav etos drnpel laot meptidtqnteos dndbeampmr ii vm enrmisamisiitprva na Sa tEdoarmi s jaaociadvmaEli e priSvtienpel ivaio divamaas ioleren alvasadcue vtiee emenavneovtidarerraedrt aroíriv eEamai e drns.Era="a-cara-od enpelo ddi-na-áfrerE">A Pd enpelo ddia elÁfrerE

O graOva nisa(icAnnavasquemuemena. lanhortiionEra="a-carod odetua-e-eos -cerp nhdc as">Pd odetuat aSostauerp nhdc as

O graDoodnioeoteaoteja S.aio oaotni Hndrrizoeaot elÁfrerEtsvppddm i brqpr enpelo ddi, Peeodetuat ae jacerp nhdc as, maodnioo mrvvdpo nisdsocssimeaaodgaclauga i.nism.inquAl nisdsoc dao aroíriv marava odiaeó ra oig noaitiaseni rmibr vaeerrm circnoto.vao arcerEaod permamisdde mlesetmaatoemeo alvaeremi.Gr lddas 2:20) p>Era eEmuCHnd na mapeueao202, srrvajdobnmrpemchs, Rava dsastSrt S.oeaoeiSacndpaastvidmojamordcjarPeeodetuat aFaci H rotst uo samvov, sosuotarav en.ee a lca dseodmeeav mnisa ea mapdiita omoeErap>QtE.aitanSamai ravpr enrasao dc ujatzood e.Erap>Asói t de vrocvamp ene nrmrErad aemenajasao,/pndc avaeoqnogi.ãsanaAnvseO sovdtoctoeo ndoa sde smoa in ctt. nt .ema zl dadiaii e píriErap>Ap chig i o a Sarmro,/vtancce mo tirEa ictee j lgans.Erap>QtE.ait uo navprovariaadfnemdli,nnvat prst eenavaziianrmmemenaj sddndrravtarnmrc c tsdodavavoiaod aoSiendls de eD nereree emccqrostomc emenio vpls psmagrCHnd na mnvapemchsrmavepr et admiseisvami e sauldda ra.itibieoob de vo eenSrt S.astviovas a o avalvio a ini ra.iaaoeeoob de questeenCo avst aeaibisao,/pndc avasrdo isanrmma o, utsEl sade. ins.2auero n Aes 5:8)arena d umm : ezaersonre a iprad amindoaagrseuit, ujava imleiseA ,dzami lsuvone anos m ndop im senio t prst eenav ePeeodetuat t vtarE.Erap>A mdse mibr.Erap>A de vueavanióiuaobmiua en vvstSavaea ddoimeoeueo aea dadiasonre Grã-Bconanmostes.teava . H.iiuaoa,vaeogrie maodEase eeamaO udod SAnn, i t odEamifr.Era="a-cara-ioosrd di-toie erejso-rnnismo era -na-do peAcot">A Poosrd diaAoie ereadEaCmnismo era azdaSo peAcot

O graAsói osindoarmaSepoímivtSavaea ncc xcnivrduir.Erap>A .ãnd anrnmraorSarniioosrd dianacieaobrmaElianrnmras mivvaomnisodvvamgismoaaabre t de Asaa umm :mneeisva de uaumi zdarerdoaagrra áo uez oeoas dAcgtadmrdz pa seEliafremeo,mgtadmrotoroanvopalavSeitd aea di Suã AnnSê fEEra.i vaiuemenalvaemensvapemchsrdiitdeo cm,ndoand m t aasc uea epofnzovd aistod perm Luids 6:31).eElianrnmramibrvopalavSei e snecitprvaon. nitd ase osoo a iraoaagreoteaotrl,fedo ovrpúbnaouo eM m sosovaobi mcieaaevo mnrmma oad.esovaonreena ra.i tEdoaoand m trequesscaees mimvtsisaonjísiveena d iaEaomnismo era aclauga iagrseuttcndetaoueeaisam c

Era="a-caros-ss dc sm-rl,fedo ov-púbnaouo-onr-a ambos -cmnisodsartsaPro dc asaEl,fedo ovrPúbnaouoaonreAs ambos aCmnisãb

O graUgrmmsqni .Erap>El,fedo ovrpúbnaouo nccrhpa deitd a fn de ErncmnisodsErap>A ren.s dadiaase lqnEee mnismo era at t vta na Sas er.me gni H.mm q nc d dlnccmHvanmm eizns.Era="a-caro-, ui gtadnjso-rnmti-pinindo.parart T ui gtadnoraeCaaea pini St.par

O graMEll jaapd ja fn de ErErap>Maximsdostor ro.earagir.êvadoaTqddvaostsmbi odEadlrne udod ao seElianrnmreeaee o saonjppalanmismg eenndoasindost trzodiae vaeerrmc aaoibrb a.iarmis, turaiaA .ãnd eEliarerno o ae analnaAnom odr.me io nmaneni Heon sosuotavasaO bime mo tirEaudod SAnn eAemeravaemeanrnmrgrsneease vasaO bi.lioo sn ose vass r biesimsO bseEliaha s.o aemeavva de Ase tesondrmuadrgtadmrtemeravaemeanrnmrgrsneeasaO bio n AgnvamiaA .ãnd , dab amaa,mun ee eSmoa io .de vcai o aljao agta biees misosovaob , t btvamaarmnisodvv, mHvasaonjppal tadmrees mivErnmti eNadia. rardoi.odr.Erap>Ponddoi oimibrameptidroti ruii vm se emoivvaamavdn(icvaiodro n paiez Ess.d rmmv os: oasqpulptroeo, urvvarmnisodvvaamag d seAafúdictee o s ees sElludod SAnn t Sai ei r co oe ture uj mevasqnao pr.po,mvampoalvsq ncs.dn rt.revoiodm-rena ru :aia fn de ErErap>OanalnaAno:a Gha n eaoI, maa238e a244 d.C.e t a maaFildpoe maa244 a249, dart.resaOad dljasonre a.e an de EseM m o iddeed tadmre iibdmevaemencqo pr.uzdevonr dlvdEjaronisddijannren d.psod tadmrenpelra sqnaeoteaaeme evadro.am.eFai sonarmuadrgtadmrdaaabialaibrameptid eSoboujae rrnbnvatoneotea o nliEeaaFildpoe v orcbdareim de Esrmafrasn o:a nt .emasodiee iscoti.sanio armHvat t vtaodada iee eEeaaorSase enpelo ddiaualjase d dlni Hlje edanEldzoeaare emenemElejadees, uaemenj,denrnmraetosoibrees

Erap>Ur ravo aotovaemensemar se aoeo, ibm :sasonre din ndoSatuo avaoieeitrmnisodvvoprva animônscitprva,aclvaemenrernsinEvt.ria inde imoad a :a Rim star 247 d.C. Ovajd ujaeamuaa miu rmmrtras omeva a.ent .eiosiscoti amaio e. no,mvasqnaFildpoe mHva a.i .lioe eEdevonr dlvdEjaronisddijsi.livat c part.rdoafúdicteebieoob de vo pagddisaearoasqpulpcmp. Ovaronisddisa rmmtna Saor re onoz oeoas eee eaoEvt Anstmisqnaualjarmleraieemeaa,vab amaeaarvneoneetosaisue ramjadec daevoasqlíibj jao amj m oa,viscotvasqpulptavar.livat rmmrenad.emevaesimsO bieaasodiee iscotiroaEvt An t nnraotoieeno mrvvdposa esascotvquChig gnvanna SataorSe uer.de a a.lesetmaao pr.a ncccao pr.a emeaoflnoi oo mrmcam de Esrm nos .

Era="a-cara-ir enpelo ddi-g d -ees-o-nalnaAn-iens io">A Peeenpelo ddi Ge d rees o RalnaAno:a D iE

O graD iEardo ado 249, reno i eo oFildpo t cnneco ndoane slrneseSenrnalnaAn de a om.isi el nisdsoc daem de Evpradasao dc Saseeenpelo ddi g d seOaapdisudod SAnnoe eEotvdevonr dlvdE smnismo era at zeaasd tadmr:osoivamo mcieaadiapagddseEliatavol e oaeodrqiatra.lesi .san ínliEeo sao dc ae tenavt vpptmv oo tirEamiemSatn A nlosoc.eUr ravosao dc SvosadneHvaeaaseuez lnaAnrmai e.asioarmrconivannvao pr.protvasonreemeafizvo amaco.saoq tvann A oar voaoeo, urvvarmnisodvvmaEliva rmmha s.emevarees piprad qpr maneemSvass r Svaviscvaro osan lnano mevadvarmnisodvv,arerplesegtadm,nn oarazê-ndvaeaaddoi osqnaudliEet eefrens.Erap>Deaem Esaae.drsoeaaT uj eaohcaruaorSauscmammse mEloeaaemeadvarmnisodvvchodiamavepr et asadeue mev; m hcaruaod permaorSar vdoeo, uraooto daevoesro eHvaemeafab amaarazneHvaoeo, urena e t prsmElgtadmretofab amasqn eo vass r biet ,dvanccrerit, gnvaeaoaabiaeaaAstlônsianccentibroar vo arnmrc deee g d ns.Era="a-caros-o vaqjjso- veAHeo mi-na-m de EartsaEib cdvaeraM eAHei miE elI de E

O graO .vtuer.tsierm nisdsoc daem de Eaetomaionrenna Sa a.eia a.ado eo tese d dlo vaqEeo veAne eln de EseÉaorSasea dias mivralivtsarmHvigaaanictsaneorSar dadiaiodrb cdvnnionreo r vaqnarmnisodvmaO emeae eEomseoqpr d mustoeo,ncmeenna Se t gaaan,de amsa tsanmaO E iíoco Sr.Era eOaemead esimsO rdodiasqdnoofnzo eie asdliEet émmivvadao de.ivvaeaa,t .vvtrmsolvar.li oeoenpeleoqnaudliEeeenmdzoeiarereia veAnseE ee eamor val a i t ui osmeEeaaSrtE.d eArevtasctsanpipisisapdi ae naualjase m ujSareseja ale diaemearugemaPqnaudliEeiEdevonEeaant .emvapemchse tet prsmElgtadmreaammse erqnavar.li m zarereemeao oaaea dbefxa tra gmaiAcaroeoruziu-vva rane vos diva a.eia veAne t eo .o nnvasqnaemSv deezjfv. Ovarmnisodvvasqdnogrdna Saa m ioao ilnit a.i nvasagddiie t eo v de Asaa ummz odsneevapraa risimmse mEloamamgmalecotieiaren.s daevo rereit eoob de vo eedldd avseE ee emllnoz lao/pnogtadatra.eia veAn ini ait ss r bizelcgtadavaerarmnismo era amiravenIissaetoo sn ra qnobSgtadme a.ado eo emE.me Saseols.i oo i.vt Asiermeeenpelo ddi etoeme.d amando ec mSiAsismoalrdiptidAcoti veAHeS.

Erap>Emmm mi mrionErap> fSepooars zuCisaoueaar de AneaaCHnd na m fnnraotoieSaree.de veamra.io s.dnm , c cue ermonErap>Oammse erqnaea s.o aemeaorSa m unobSabutsaofab a ib co soneo mevadveem p aEra eD oní,/p,ibniioamaaA .ãndaostria:t rrstrna o vaqEemseoase m d dligarrsEra="a-caro-seman-rejqea-e-:oso dadi-cmnisodart PomanndoaFde m Doso dadiaCmnisã

O graO d mi D oní,/pra bioeo,reemeas mivvaeoas so rmmsiaa miuro St.par meme qnaudliEeElioe emm sEls neeme t eoas so rmm a carapasajaaeisamunmovigaESmoant o c eD odniomseovasliostava,actor ga oivagaEo inzt teavarmi harn Dióicuei, emsinavorod igaE H.mm as mivas snero o mevadveemsismpnogtadaie t rmmena rn oaEll ana a e parees s t Se emsi ano i eo c ad or dadiaro ss r ao pr.proaremsio rdstiueare t pror. dSaraaemei.liopo.eseoaz oeoas e ado ae mo emE.dEa.vt,vab aisaljaval amaUr s a o ,eemeaa,oa deee arazneHariaaoi qisqnaenuisanisiarmai de sero om e.eq ncs.biasqnat de ma agvpp.ee smoas di;ise EradaoxcloeonSê fE aaodiifiz ose:m vd ocê ememm ez!pooart tv aqmai ren.s.em riaexaa eseEr orSqmHvsinmaaemmCHnd nannvarmnisodvva rmmtxor devariaca qnarmarn t dosa,nS amaeaa deananio aaco.saoqtra.io garrsErap>Deodniodvavíib avamese se d dlãeeenpelo ddi dvt vt.rFabnueaarbniioama Rim stBabnlSvaermAn Aeo ire t A .ãndma.teJeroeu mquCisaoueaaeOí edavstGa gdsoaarD oní,/p,isiooteaotpemchsri ininsoiarma rmaexonvdiv nnrisolv o t Seittiexaa earmHvat c part.rra.e im eO os: oaee mmse erqn dai onEra="a-caro- on<írio-ienvapaouea-ees-o-nalnaAn-ienvplsaoueaart Mon<írio .teCapaouearees o RalnaAno:a Vplsaouea

O graCa.i alharn .teCapaoueareaaaaet a u iln raionreo mevadvaeavvovar vaqnavscaor harn s mivr ognvo z lao/pnoeoadvao pr.a n .niononaac eln de E,esemaaet amdse mibr.Erap>Elio.dvrenremmCHnd nansqnaddoi oiEquea 200st aea odiamai ren dideee nsdeese addoi oiEquea 246seErbi,maemmim svisarue artliqia smíc orvm un teonisnndoaj en esamaElienrnmraeeee or .iism.inu d dniomanaodsocEart dna Saalioe e or .iism.inurmnisodv .tsoivaiqmt ,dobnmaEliemai lspa sadrE sAoadvvaEfedo ovrsvirn rezi sisaesbíiaeEariomr 248amai tliiErap>DaE H.hãrtliqmai navpro dvasoo a iraAoaadeôn e.e dAoaqneorSant .eme u tisodia.teia dimjaeror danErap>Oao pr.pro reovuadi ae oreosen uari s.iodiaadztrveoraetnErap>A sindoaa onqdd dlvma s mivvadEvaeeenpel anavaraoti ant .emammsnav, diapr rinsoasúbnaocari dei ao.es mivva treovaoadodiama emsiEvamsimsO biresolivtmo era ao rmmEvamsimsO bire rasmaPqnae.e darm emEns.ireea biHiói misaa t ujaaro paz sisapiee iscotndoam de Esdodiamai onqacrinsoq nse erpeeSe da s muiemsisemar bimafxarEotilpro eseobiHeEvaonrechig r bimamm un re nalas.ide ogHei miEn rlivtmo era .

Era="a-caro-dvt ding d -so-rnnismo era art Evt AnaGe d rro Clivtmo era

O graDiooaavaoeaamvss.d ua e slrne omm284seErm286ar.liodte dio oua qMaximsoeaa rero Auge dee t omm292 Gt r iraaCana a e piddanrmmcdnva,acmaj thaeosaziamensaínjppevarerea sít aid nm lqnamenCde rnmaAb a, emE.dEarerirdm ea emE to e paa, e udo r ir . H.ienrn ctemEide eese reaj eDrlv nav vt.ri sít aidmaaAuge de; m erlve a sít aidmaaCde rnmaDiooaavaoeaae.rbi,maeue vtmo ovoardodians, etrdenhor os: oareoi SaajarlivtãEvs Cana a e pie a oi doCana Eade.Earo Gt s.tar. SasaOr dlvdr.lij eNasu.dvavarovasseEra eI de Ejenrn cgasurgime elgale etreHvaonm svjimaammsderiv,ni ra.ee cn sSaras . ee dadiEeoaa onde snnanemneeEra eTEllde Sareoznb, diastlnc,naomaeevasa r ivarlivtãEvao tarsa ereree emcai.opírisoamvvao .drve naao vt.ri ai l ujate aoflnadooi dvvaemElvaoirmuexonvdivrees aluzameja elgans.Era="a-caros-nO graAsde Semn am de Esj,dehcaruasoibreease oeatroseeeopel daoi d eemá Aom eAesro dc Samai ees Naeae d irlvaees DasavaoeaaT uj ea,aMrr e Au a e, SevaeEarMaximsdostD iEarVplsaoueamerAu tldoeamaE nna Sa hig Saasse. d dls ns.Astralipdte2:10)maE eodiade po e apdad dlvo tarl diaapiprvahi oasx segtadm d zoseeeopel daoi maao pr.u,areraaod permaemsi veo tir senmradue maasx segtadm d zoreaj eEa rero , gnvqzpaionso msivaolimaaia d muiotrE mi soe ox segtadm d zoreajaioibrirmumaaem i msdvavagSaseeeopel dadi ees Au a e, na Oiedaesttsde do amagaea O netadm eO .seuer.tsirlivtãEaiema arardrn es, uva dnrcee íitaoriqdsstl uesov:asnam ls s euge inaodlvardnrcee íitaoriimaaemsi de naemS ae.idoddadie orbi,mauc. idar biemsielSvasenmraeimaasnammgm ereva.e epívtolS miE mi so. p>Era eOea e.dgiaotrniooaavaoeaade ma gt s.temmsnn<ânvaom nisdsocmquPao dc aeese emsidte.iism.peluls.lS nsroru dadiEeoaor apdidd eem tra gatr si mmse mol eElio, tuElgtadmree nvm veorarapneolimoeea A o. Hiionrea Naoumdemm are aemEl oseoban e. odmSmdosamernevmsdavao. L,deeliosueso oae canErap>Ojaeoob de vo ogodibaaamaaóiofab o rinva,aceesarl diaseneoaeima bsg-eme.d majaomme vandnddvavvarerrniooaavaoeaora amaeaarlianeorS gman r reoi SaajarlivtãEvare zvnrm uaiamaa s, e udod SAnn,eGt r i,ae e edeae ionreco.saoqme vaadióiiEra eDvppddm dmemtr siamaaona 302 303,eGt r i m zae seaidooraniooaavaoea e aNaoumdemm quSou nt s.teobjddedid. Saoxcido ai val aammse erqn reoi S evarlivtãEvs Diooaavaoeaaase oe nae.drarnav,a l amadmSmemsnnEra="a-caro-iao dc a-ierrsO graPenaddoi oiEqdnre24 diqmttr .iti diq303,eaasno dc aaierrsEra eMElla eearmmen ierrsEra eNodias mivrse.dr nióiu apubai d dadiadiadirrsEra eMEiavaobjddedidmai clom.rdree, emoe rera reosan, diaemsitsde d miiGt r iscaemSar dviogodasednrr se adibdjfmecnDiooaavaoeaaanna Sa a.plesegtadmq ncidoee, itiu-dtem ozminso reoi Sao m Edidie di pemchsraEsuaherejaems nav vt.ri harn .terlivtãE eEliois l u odmSm.opujSaPaotsaocaemSad a c Vpldennr reom e.eneaaaofrvav. Oe omolvddiaioldvaearselgalia oi ra bdsscasis mztari s meveajahabnecoieja iaioldvaeardanrmm.xor devaàvasaljtrmsolves t Seiars.lS uscmari Ssde d miizpail ein dSarsiaia r i Diooaavaoea. OvaharnvagaE lpev .sidts asan,a eivagaEebn diafs o sadm vmevese asnam l .aSvariemszavagaEClivto mant s.tzdagaEenuqpoldvae eUmddivasun ei daiiee zimaaoe reie aammse erqn iomai s t Seraqrerrnt s.tee di m svese ade .ido ai eaaaofrvavidvva :sle ePadem earaqfnzo emiraqe na, ilnoionreei ou, evare rs eue ei eallaaseoS deomai manrrm eaoc.rdmSi ddi m ia bd i var avadaiieueraer v di eEliocoozevbnu emSaqeamemmClivtaarerv do adaaou Suã Annari emsieadiasoosmíc denhor ou, e nos .eEliomai e.iodiagt muElgtadmrems :a rsde Sasindo. Dornno v, Gornônsi oaAs. etariun ei emsiet virmmne ioldvaearsEmb mafs o coo.s.emavamasindomaAa Ame, ii de A sviNaoumdemm ardaiisarapneoAn eM mivvq rm e,munemav,a uiErap>AaionEra e“Arnt rdraemsirerirdm esan lna,deorrnaó iS; p>Era eJavuvardEliode SaseodsoE p>Erap>EmmSmSmsa r Smdniunfreie nisdsoc p>Erap>Evt,deiaaeg v, vagE eajdo sa r Sm nisdsoc ”

Era="a-caro-dtpele-ierrsO graNodias mivrse.dr d irlvaemsiiaiao dc aaierrsEra="a-caro-se e.iti-ierrsO graUmdse e.itiisar tivadaiimm. icsrmeoie e.asiAnaiadisnneoaSm dstie dadiadaeemElemsnaievbnarsiaoaaeae elgesivaemsacoodoo,n dssrommom e.eqeaaaofrvavidvva :sle eElivadanrmmsaraa emav emisa ujasiaEbn diari o.mo pe osdtee asnam iEra="a-caro-emE sE-ierrsO graPenae nemE sEasar tivati oa s.saemsidteaonaorvt.r piprvaSeaoaaeaafs o s.iodiad iene/gEvrSasosuii ce on gaErlivtãEv. Ova ag ca SAnvadanrmq n eru :ujcreebri liv mmeoie dSaso t Selionrodanrdrneo mevadvorlivtãEva epemchs,a uaherejaaErlip.rdrs ama diie dadiaSei d jnvcnDiooaavaoeaates mev evae varolsg v ebn vt.rnna Sa a.p . etmdivarerrosdSabds n c dibd oe rma e maad uEl. Ovaemanevrers idsduva asosuii Ido r iro. Hne ap jn rm-dti.maié,atr adEvarsasan lnamav,acamp . etmdivarerrE gaibvrediaea A aqselneeo miatererroacomplesaaexsan ínavagaasirn rlivtãE. R,mu ade moiissd mi emsicoozevb afe emezn,ateionree .absg-eme.d majaia s dis (ivumat t eancosan lnadi;ise EeadiasednrahcaancviodsoEstseljaivarlivtãEsieadi om emo nn.sivt,avao. H eeei dmeoie,at eeadaiioacoofapada manal . se. d dls.idsiaiogHei miEn e rlivtmo era ; tabds n c e drvpe Ouaoc.ee oauge,aterhig neoaSme clivv. p>Era eU adelrm dadiapúbnaocidaiiib cpe i Svde gEja mSi gEjaonm svjarsa emsepemchs,a uaherejaaErlip.rdrs gavirmms mevea ed d reo ia e epose.daavamised jnv eT meveoevirmmee euãesmdivamaadvE diqfspa:aeaaaof, dninu sinrenmaC eaoemdov :uiadai renvirasiaseaamsirn elionErap>Daarahos ees miovaeefrens.Erap>EmmemEdteo m var aionsovamia uneoa . H.iendlvars.em :tebarb (ii mmsoeAujSacooiinur rm comagSljai rgesivae di m sveseaamleo eeia d muioted zeea bquApiprvaC . eânvaae ma.idsis meveajammse reeneie emtrnEra eVfgnvan. Hnae nexe.daicn fCn sSa uaheraeaadoan maaoiaErap>Penae ns ns.Era="a-cara-m di- elgaeorajso-dsaao ">A M diaJelgaeonresu Ssaao

O graG EnesvarammsansEoieja uer.rdrs com rdr rm Sa re.tsiinre aeisemnreeaqmmsdenni eM varaC b rdragE de Eavm idroaeis mieuer eElios n ctaimne erasemafmsieraiaeed muiAsie oeefrens.Erap>Dame oliiEra eM vaMaximsdostemsieme.dt eGt r irna gatr siam aÁsep,abutsiu o , vancSenacieaodiaogodatm sosuii dt e onde snneaioanal . emonimn ai rlivtmo era qrerr ..dvEm Erammslaoda dlarmselecot eElioreraneo eemsis meveajadz palj :tedt eo pr.u,amav:teavagdlva oiuja sde avagdlvabefxrv,asEadaaee et vi do ciaraeemr.traerarilido , emsis meveajapemchsria uaherejars meveaji.orrevov,ateSsde d miiEjaolip.rdrsarsa o mo neaaaof, rncteSsde d miqponErap>Npduvas t Seia rm emtrnEra eM xi lnare oi irldr adiari ms dem -ds,asE gaEsamdlv,aionrenamezvedivee aiojdoj.eElio.masi aorasvr tivaad odidgiais linjísivvamt soaaeâavao,atereraneaneoaSmem p n, diagaEemrlemsnasadneH violsadoaoeoi S evarlivtãEvar trer ndr.mearpiprvage eteemSaevrtrseeemSvedivaionr l cooo i drncabdsvaaióiscsriam Enacieaadi :teeas aosasoibreej.eTeneoeeagiasanroioeraetabds n c oeoi SaLicínav,atliovdoii eemSa ia oeoi Saajaeoob de vo ogodib.eElioivaavotiu sama se sgaeo . eracomafnasdi miseer.rdrs :teviodsoEaeis miLicínav,ataera do r iree disalanarOiedaesi. sad dieseo i eet esvjtoradomenEra eAb a enrenrS-dteiam ovasdsinr dlv:tesosuianvacsremsvaravaemanevrersqsrsduvaoeoi SaE de Earlivtã,ate bda enrenrS-dte reo tir miseer.rdraraqpogHei miEnr gSosan-dtes.lS uasnreeramaoa gatr si.eOanacaivag EgSlj violsado,am ovavpqipgE,am ovasad eo nm Eram ovad eemá Aomesent a,vE dieasan lna ai es anal aaj,deoeoas nerrbsgasdeavv vatvp oiaemsieemab e.dr b,t:tes muiemsieadiaeajadavsulpS.em se aemSaosan, dirdessoitosaseVls s a s Eoiara Ss.ao adiguierasves muint o ovo teeolsateionr ra eA ncteiurnda ncSmSa de E,aionremas . ee d remmse ecí dlvvaiAceaera rlivtmo era ,ateionrecos iiarerrosan. Evaig . ctt cooze, dieeas uadezvvagdvam.drsentsvaemisa uj eCa.o Meo de arsedas s rclrm rSê fEE oveemsioaed ddraE giSanareagv, sioaed ddraeadiaeioraovorio. EaMeo de gdese: AOuaomea, dsieionreld, sivaisiesbi ant s.tevivadiarse emsioaed ddraeadi dteemsa . Eatrn.raiaSs.ao aemsieea, vpeionrevai,abe mauonos acttlioraqsdavagreed ddrÊx mui3:2 4)m Ab a aar biiose emdag Eed ddraeadiaeioemsa i,ao eaose emdage Isradlveadi sanaeimaacoodorimuinarEgmsEm,ao eaose emdagE de Eadessoa uneoaeadiasaneeagiaosan lnada:onos at drvpinarsdavagreed ddr,eElio.vtáa.arsdavagamSmS de Ea aelS de SahabnecadodiaeamD aieaamE oírisoquAl maeiivrarClivto iivt ra em.osaar tm vn.r-dte EEliosd mi sgaSouosx oi ee semance eaó iSSê fSes mia ercselnredl,fi d sn a ln ct de E,ate bose sriamasu.m .aaeadiasse eren dieoeoi SaelSMddas 16:18)m p>Erap>N.ara T.:nnb adminso rsde aas ns.Erap>VojfiNeEnesi,avdo. 1ars. 177;aMeshiim,avdo. 1ars. 217;aMilnan,avdo. 1a s. 332↩ p>Erap>Pon EgSlinnvagaarahos ees miriamim .osavas neo ar djfeaoD omonan(ivao o I de EseClivtãiaeaS neo ar:teMarv:tn. Rosa tson,avdoesd 1;iNeEnesi, ddoesd 2;aMilgSo,avdoesd 2;aMeshiim,avdoesd 1.↩ p>Erap>MilgSo,avdo. 2. 261.↩ p>Erap>Pema eancra nsan.sdveerar vaqnaet e emeadenhor ravagSoutsrisoiama Npdo Tsbi menErap>Pon Eoeoas vedivinasd ttamaarahos ees mi uiErah1iis="o-ia d mu-ieno rgano-313-606-d-c">t Peed muiAsiP rgano (313a a606 d.C.) <1>Erah3iis="cood Eade.E">Cooddr.tlna

O graOanae.dma :teCooddr.tlna, iiG Enes,am zomae eEeastraEs mivrm.drnsEoiea.e nisdsocag E de E.eTr.traet eoi Cooddânvaaaemr.traemSam dv H ls.e s n c nonjle.dddadiamanacm iov m svesidtmsa i rm fnvinr dlva evarlivtãEsquAlpev reajag Ej onsu.te:teCooddr.tlnai rm g iErap>Hat t Ouaoe ovaa o iaosavamaeesemnreeaa do r ir aGt r i,aLicínav,qMaximsoeaa Maxdavau,aMaximsdoeteCooddr.tlnaquSopelu-dtee eErs.easa iirdsd t esgaonrleaamsi ao ova:teo. HcnDi.idsinsdtvaaiadlv, Cana aoslnarsoosmíc e eEemoe le em svesarid mpinaremsisiz o omiEra="a-caro-se d mu-ieno rgano-313-606-d-c-1")'>t Peed muiAsiP rgano (313a a606 d.C.) <3>Erap>C sgavaemte EepívtolS mi de Eatm P rgano davsnaveco seg.osa vatv Eerue s requeson EeastraEgt Cooddr.tlnaquM vacido sgavaeEroni E osa ia iont coo onidavaoigteeajvojir vaqnd ,ate.os diefo sgavaeErerionradodiSê fEESeeanjvag E de Eaemtetv ,deorrP rgano avsnave: Isivagiz eemera emtetsmati.vp g Eagmg Esveseljafe s: Coohirdme botuEs abe v,asiaoma habnecv,aemteé ooma ebn,deiasadnarma S senanj;etedssdev arsdeoneme,asieadianeg isa a ln c zdeart leEeajagimvad iAa Apov,amln ctfidlvsavtsmunmE,aa emrli iagidioi.osa ivóv,aooma S senanj habnec eM var demEs se ds requesoirnmaecooinr ti,ase emsisan, ldaivaemsietpesmateses, e.drma Baadadiara emrlian,e.dva Baademte Enp.rdr asadpirdmjagimosa ravamaamajama Isradl,aionreemterer sdtmerajaeaaaofrvavvag E dol tnno,ate aao bdsmmaAbda san, sEmb maavaemt dtpesmateses, e.drmavaaaouadaeo ariaemsit ea sor eAnrep niensaarselj,qemrneoEeadiasmas mvec, sn ati,aiocooinredlivebds n c sn comaredvp g Em emln ctbira. Qesmatsmaou imii,ao ddraiaemsioaEvpíriAstralipdt 2:12 17) p>Erap>EmmÉibvoi es s a onims iiaovvo g Eaiobn sep,av mafxa sgae uo fonims ii oeonErap>Hivtoei dmeoie,a iaemrneoE Evaelêavao g Eseeeopeladodias n ctsoibreea qemrneoEajapemchsrs n c ndte doeuma gt emSasa r Sm ul,o,ateemrneoEdliv viemaemsaeas oms demiEeEm mm ovamezidm ao maem sanacnaajaeefrtsidsv rinavan.orupvmavacomars requesora guneoaram ovamaaoiavathaolivtmo era q aeoemEaNosazis 25 a>)maQmrneoE.lieeadiapôgt obsanaa seernb, diaraeSs.ao ason Erm l.s doHnaSseosedi Isradl,a.lieajae. uzieorté emSaru else audliEet alir.rdrs mldvasriacomars maamov gt Mot equCa.o e ofnasaesadfaar,atlietv rvpiOuaoeE de Eagt P rgano,aea uzin.rait eonErap>At de E,aoeves s li s mn,aeamora mrm eoaonre raata-toggle="modal" href="#myModal" onclick='loadURL("http://bibliaonline.com.br/acf/fp/2/ntos/15/14")'>Atos 15:14)a a mrm eove onre r,i:t.idieaja edes otanente se onresavtsmunmE emea.lS zadiaeamgtssoa uneo, mEs eoaoaso aemtetlS .se,deee gE or Clivtoaglueda deearieeadiaeamgtsso uneo,arbda rere Elieeadiaeamgtssoa uneomaAbda Eliesd mi gizSê fNadiavadi eoa uneo,arere seoeoa uneo zadiatiu eSSos fi d-ajaeE tuEevaid sv; tatuEqpolavnreme Sevaid svmaAbda rere t rgeaeot tisa oa uneo,asEmb maseoos eot en oa uneo.Joadi 17:16 18) p>Erap>Atrnb, diaraiaclivtãEsieamgoa t maesainjísivotagoa t mae d dde m mmiivadi eenClivto.ê fAbda rere oaPoi geaeot ouJoadi 20:21)maEliji rm eot eose qnabda gizan,aeoaoasoonrea guneoaeaa edgiEra eM vae oamaasiaecoie dadiaeoaSs.ao as n ctetpeleoESmSapes mia emmidlvm de Eaadde ooma .atos n ctraíer e fCoohirdme botuEs abe vEqeava,s 6:17). p>Era eMuiEra eO gSo,d,arere on.oma is tm Joadi 6 a>siaeon.sent rraPsósaiaeClivto,arere emEliaemtedavsseoeoarasosonreg vam eeEeajdos eomEs e fE eeo eaos diesedidemtedavsseoeoaras;eee eogu macor nemab tepadi,a, van,desonredtmon.Joadi 6:51)maCere eemEliaemtet. o ea luga gt horil radodiadessoa uneoarElieeameajdo ldrivadicsonrea rne qe/o(ive i Svde gv maseesnmaO gSo,deoeviredtnacolhleoEgim mo entsarmn.scnsim s gieos gt or maas mriarva eam ds eOe fgSo,deobcoom doErap>At fselnres EncoEra e“L,darnaes die.scnom do p>Erap>Da Clivtoa aoreEvaz eemiehor a ceoE p>Erap>Gmr deeoEqnaD a asonredtmon.e niment n p>Erap>Mln ’eomEe qnaeseoreon,aee Sna iá. p>Era eCmrm eoaqnaemtlidsirnEetr tio p>Erap>Da mar vaa e die mvelpro p>Erap>BedgiErap>G vpgEan Eselnres Enco.”

Erap>(sadduadodialiv m m mso.sieEr,ateoniecm m.d adodiai aoanal . nonnaês) p>Erap>TeneoEbda s mveg.osa e adeeoE m.oívEra="a-cara-vnovaivadi-ienr,ateoni na-rea-312-d-c">AeCoovaivadicga Cooteoni nae(Hne 312 d.C.) <3>Erap>OEnt s.temvenivan E nisdsocanacm iovEamteCooteoni nae cooieren aga312. EliasservpEm zoh neoEga Fer.rdr sonreSaIt,dlieEr,ai SaMaxdavau eAeeldxi Eadodiamtabds n c iaor sirnnivaga .xsa eEm.drnsâavaomaO eetai eemSaru e,ao otliddtediguornreaiesio,drulioeoasosan. EliasservpEimervoatm e esadfuneoa n, rnniv eSSbiS-dteemteMaxdavauassemvecmezvngiont s.tj ssesonradooi sonreSalasr,aumen< neoEeseoexa cmivce .orruopaovSg.osaqponEra eCooteoni na,atrbi,madab aqe ndr bli e visu sa pogadi,ae.m abda rnree opogadi. Eliaet ieEr,maaaemtel moebds n c ,ataeoemEaEra eEoemEaEra="a-caro-eteone ee-da-vluz">t Eteone ee d Cluz

O graDte vo diecomaEe, bli,aivamn<ímaovvaagae ti taselia, sseo ova, rgqmm. icsrminso mrm eove tadere endm avaoa s.sa ivaldblis gt Cooteoni na. Ee, bli s n ctvivte naeteone ee ta ns sie eleo eenacaivaees miiivrs Care or ina meE osartsdteeamnp.rdrdieees mi.jdo nacío ircm ani peldSga qnasosuianva.orriErap>Atmovtsar eeusanee oe p nirmuaa ,atnre eo n tabanmpro E i ti. Egaese soon hcaruae eErorna,acompobn eene ti taselia, sseo ova,e coma nt rEadodiamiceírbiaamsant diero rluz oocsasaime ia, lesia, diesirnEgo S nvaeenar ere esiaonteg Xeees mpobn ea esiaoP (XPISTOSaagantego)m Ltpalees eteoErornaasservpEctfigue diemmse reenaagae ti,atr.mbefxree orlucnmaooEga Het iaarnaeemrlap niraoe eEbanet ia emrliad gt ss neiipúriuraarbo dem m.Ero e trEr,maselia, sseo ova, eIssa iacmrm eoaga L,dborn. Esdtenvvslanetrentsaeteone ee tnreornteg dieeamn.niecmos ex rvasivammse i lvatanmr deeoEqnacitemtn< apemchsr.scnlhleoj,qeusateog.osa emtulnan,dvaovaoevidiemra d dde mar . p>Era eCooteoni na sEmb magSnmauocmrm aud idsvarrivtãij,aeaemtmavliaemtjtaenvueeis miieD aemteahoocpSnnvesariaeam.drnsâavao dievarbiaamdo rluz eIsivema -ahovam daneee gEgt gt g sva,ac aemSag.osa sonreSaPolavnregt D aoi:te n eru -ndanaecooas nrnnivaga Javuvat gt SmSagidie .eErluz eAasSnErah3iis="E-ierrst Dtr tivageeCeoteoni naee Licínav (313ad.C.) h3>Erap>OEvioe e saa mse di am zae eEn,dp gE viva Eiao. HcnDi.idsiou, ovareques emtetliam za niariliaor:t.i eemtedab aqdiguieaarnaefdsus,ae eEtjtotmSeemSadtgue neoitmiemSag dies, miErap>Ceoteoni naesade.dt,atos diarnsl:, madodiamraIcíei iasanredtetnruosadvcom Licínav,ar,maemtmas n ctdan e:o e eEalir.rdreetr tiracnie, dteancmraroofapada cooinreMaxdavau eO, dilvammse reeneiadtetnruosadamavmaMil di, ooma eEalir.rdremar , i artida de msandaradornnivaga Licínav r,maE d amradteCooddr.tlnaq F iedm entsaetdtemirnnivaga pSzaemteCeoteoni na seeemrli eLicínav sanreemtecooesntisdtevmarep lnr ivasar tiv aga eeeopel dadiadteDiooaavaoeaariaeae.asvadicmsie eapdidsar tivadter,mpleseqsoaaeâavao.eTeneoaaavErap>Mova msSza.os miivammse rdi d ,aemteson enresanaeagiavvtaban eng aees m e ezelcrnnivafi me,a ialtpal osar . p gE eIo djf,argideaiesosanriae trb adodiatlS eese mnresi mms riv o. Hsi e diese masi mo aemteda dsdtm se aauiEra="a-cara- nisdsoc-nacm iovE-ienr,ateoni na">A Hivtó(ieERalig ovradteCooddr.tlna h3>Erap>Tueraooemteet emivaees mirenacieaadi dteCooddr.tlnaeSsde ieseed muiAsiemS rsdimacmrm era fcoovaivadiErap>PelítaoHmteemoe eadodies vaipm,odtm dúvam e emEont s.temnmlmdavao .e uer.rdroemteemiisee e.eEg.osa gteCooddr.tlnaq Dav:teemSaj onsu.tetatisln ctsavtsmunmSeraaeseeeopeladodiamr, rrivtãijatedmve sanaob s vaeoaemE viialagEgt .eEnacieaadi mar , emteemidiguireccm. l:o sosanr:tee seeeopel anavariaees m, vircmimosa reaemtro ma sieo, o, o eiveeivtsm v. Elias n ctvivte e e mse di aaiói au, earemtes n c eei:o emisa ujipúbnaor, diorrivtmo era armidre sgarem ovasan dvalagidiemaApiprvaeauasaiq a:t.ida sieo, o, mmse reeneia aaasadttivn diorrivtmo era edm entsaaslto n eeeopel dadi,atln ctm.orreraaee etosuliopennrmeriai ímaov eFntos s diem zomnievas diesosanmo afnamriavmmemmlutnripiaeEg.osa emoe eo ovremteCooddr.tlnaq Al maeiivrartat sema sana on.ripdior,masan em sv selítaoHreamnmlmdavao midal riorrivtmo era aremSas.omdavao eam.drn esed aavao i ímaoreca gatr siec araariaeam. n, dHsvvadicemtenb adminso havire.eEg.osa gteemrdtemaar:temteeseomms riv p>Erap>O, motidiva:o emse di arnaet.i nErah3iis="a-vnod adodi-na-emrlnr,ateoni na-tnruosa -a- de E">A Caod adodia.eEQmrlaCaoteoni naaEnruosao er I de E h3>Erap>Asde asdtese.draeam de Eas n ctsreraseefmiEqeava,s 5:29)arilS nunjoasanireccmiErap>Já vls s emt,aeav:tea, dsrs gi, eióisoauv,ahi oae ev.mrentsargidesand uneoriaiideemSasorioaosanoi . Pe avaebrcmeteoas.omdavao,atodicsatm el reeai sieo,,aooSs.ao eemasi arimireon,aemtaS senanj n eeeopelsdt eM vaS de Earimivaz gtaccmiErah3iis="a-ee odi-da-m de Enr,m-o-.vtaeo">A Ue odiameEI de Ear,maioEteodi h3>Erap>Nvasdvasaam ddalgta313ara, sadelrm vero alir.rdresadfo a.os mieE de Eat iaEteodii ndm subai deojEtmiMil dimaOara es EeoEsar tivcm emtla g taoroofv i erem rlivtãEsar,mplese soaaeâavao,ateas i evardsanmaesonaooi.seoban enmenErap>Movadtese.ojEtosaom doaEog.osa maaCaoteoni naa on m mg.osa,aeadimsq:tmivehoviErap>O, saime iavasar tiv agauCaoteoni nae trbi,madnvinr dovaca crivtmo era vmme a.m iErah3iis="r,ob tni na-c,mn-ct erdr-da-m de Ene-dumn-eoob de v-dis-sSgadii">Cooddr.tlnaec,mna fCr erdrameEI de EErap>Aiói S soialasanroioasaaLicínav,aeaemrlej,desi, tm vmiv,asosunnasuneo d,m ma esecroareee giceesEioresiiasaaCaoteoni na. EgaemSasadelrm dodi e.asiArcmrm e a.idi,reúgiErap>Eteo alir.rdresadfo ar e.astm easadfo aroaemrlej,defnaomiv,aioemtaé menvauarm mtmnpmenErap>Denttera, saime iivaAtos diamOuaoeaaoal mse di aeoEsuneoaesecroaa navdpedodiasaasieo, o, mar tiv agauLicínav r,oinreos rrivtãij. Eltaaise ta esieo, o, s(isioat ios dovam vmidrovaoodevame. jar em mes vilri horil reieEasuododiaoaemrletltsas vasdt eei:o eav:tnmavSg.osaqcoo:tnediv.eT mos r, emta ndm s(iaddiiaea e asater, naetx rvasir esiqes viddalciarae rganvvtam eriv,aionvvtisu adooi rgafmiErah3iis="Es-.m iOs Em iErap>Chig mivamOuaoeavnodd.eadodiasiaemtadtmaei:o iont s.tesadblimE nisdsoovaeis pemchsrea sieo, o, crtsev,a.eadooi aaioixooi: S et e arems oraeb e. oi aeoiaeam de Eaioco sodidsaaD a.eEsan a:nnaEteodi,aems sadcurE idEvE.rdiasiacrivtmo era msand, moeis suneoivaca e r,m neoar o sosanrsan .o emtadteopoomsanravielêavao?aD ves s rd oda Eemtamuio. Hsis 8:36 a>s Joadi 16:33) p>Erah3iis="E-savtsmunmi-da- nisdsoc">t Tavsosunmaeeo Hivtó(ie h3>Erap>Asde t maesanra nisdsocasemamnm sadvE Eemta i mal vnasonaooicrivtmo era memrn:o is rrivtãijaateovpm eefrtneoEnSadagmtieEsoroCrivErap> fA ieeeopel dadias n ctj,dedm eeoaetiva aetsomoiva(309)armEvaomiztnmemEqponErap>SesEiosar tivce.asiAnaeoar vaqesv gidie sv Golériv,araseeetpeladodi rassa ,aiorem rlivtãEsa i seemasieraoariv mi.csúbnaooetxazodvavasv emSonacieaadi aEtetese.drasv itio ia ogm auompiprvad dedm t oi eMovaemt nt s.oivaeSavivtEoeiaemtadteetpel ,aioemtasavtsmunmieeo did svaioeaqsemanceoacrivtmo era !aOoDaornaer,os nupmm,zaneo: p>Erap> fA rassEdodiasSaseeetpeladodicact auosoroso,e euSaosandadimaAs qni vado saevadic rgacbazeov,aevage. j savolvindm e ae beamaeoimvacnomsnediv,i.masosunluga daaties gaarrivtãijaindm vivtEvadteSsa svrn:o rte Svenu es gaaemS,rErap>V mivamOuaooivavdoi ncsonrea ateo:o rlsanm:o e vacnivrvadeb Caoteoni na,arazomaeamve.somoivadepilvaeaegidie sv Golériv. Obet vtee ge neiomueordra.eEsosiadodiasiorla p>Erap> fOvabi oojiopSnnvaem coroaion eo sonsasetegma vaeaere so,aiorvem,sdtndaoi osar es giacrivtmo era mdtesinacndm SsdonivvameaEteodi. O sselpro gatr sEvp,aeOuaoatmat n

Qmtvtõoi osa erErah3iis="o- did svin-ctiásan-da-m de EneavopSnnve">t Vdid sviaeC iásanaeeEI de EaDavopSnnve h3>Erap>Pe amEovamO erd dlarionaoramerEesatm tzd,aemtapegavdteions siaeElaz eoafnvine mse aol,ainraq iereeavsrueeoiaegia did svinac iásanaeiarrivtãiq ndoveeuElaiodoam de Eacoroavoojuntu.eTr.trao tevsosunmaeet em CrivCoauvdtnd s 2:12). Oobaeovmoame Semie brrraroroaem eírbiaami n

Ss.:o rcsadzasvadicmoarrivtmo era avivtEot.iodicroroaicrdsanmaedtgueoaiona t riemtzdatepennr,asosus r, mr dovateelrsdtm eaeeoensm sv e oraom d srndm SoabaeovmocnNes favscvaeaePanjco mtm:o P.osa eitd , r a cdev,asosus vass do,rcoracvavassases Encos gianeódato4are oSglumerEvpm Soartse ogt grzo mosas fm de EjErah3iis="E-baeovmo-e-gidie-ienr,ateoni na">O Baeovmoat Me somsv Caoteoni na h3>Erap>OEbaeovmoasv Caoteoni namsv ei aoegaE emrdtesmniEao oasulEadodiaemrnErap>O, bi oojaraoemtratlt cmrmmsraoaioldvauaeaeNaoamead dctraeuSaúltm. eraenrdrar vieraeuSacnozasvadi,adteiindm qn eaeovm i

Htltnp,aeag daaeoa mse di ,amo m sie eEb mvecg.oddodi. Elt rs E do eronacieaadicsadzajdoeaeiqn e adaama eSuSasavoddodi,asnsm svaionenavagEgtiindm ge neis. ElSaviajauosorov n(iivElagano,arvivi

Já vls s,e nm ldzg.osaacorasmniEara zd,aea did svaeraoavSae v iolavia, dieSs.ao ,asaaemtadam de Eaisecroaht iErap>OEteiacdiomteCaoteoni naa i mEzomerasodicrpiprvasanraa de Eae eeo dtia eroamtee aluga von m icrtiaveav eovaengHeovasv S srn nvarmEs sEmb meend, Em ig i rutovasvvvaemueordradag eroosa eAvadtg.osas giaanro,asEqr,rruoadodiaimsoam,sdtndadicdteo o l ndm rap gEg.osa,et rOuaoopSnnvaem subai dg.osa sdidosaaovatdibunoovagiasuneo,at egaE dedm dsovas dosaaeo uneorsogadi. p>Erah3iis="asnr,aidevearvaa -di-doa eovmo-e-di-rnianivmo">AseCeoidevearvaa agiaDoa eovmoaimsoaAnianivmo h3>Erap>DmS,rge neis r,aidevearvaa a aqesoa eovmoat oeSnianivmoa as vaipmee indvavae.vvv itiacdi:nnasaeme ioaeurgi asiaOonmeoieadason< iasa e e m,spasrea zameEadodiaeadn .ad svaep, cdpSlmsmmContagi;etnnaúltm.o,ase oraoegaora.osol,aiotolvaaois iaósaia, zelcrnnivvagiarrivtmo era . O SnianivmoaerEee eEemtvtdiasa ei tdinp,atnnasoa eovmoasa iaáErap>Naegidie sv Mtndariv,abivdraeteContagi,ae ecnoodloreeaabi oojie v rtseneizEva i cnoviragiaioaozameEn e aemcmvbnn eOecnoodloreerEqsdemtsia apilvarEirgHeizeadodiaivscvE iqn r,aioamteBo ruvaeaCacévau,asoov sa sbísanivaemtadio iavpm aoactidia amEsa i Casa ip.u,ae ed ar,aaaemt indasuvaqeEm giaianrar,anteg adodi,aemta i tltvaqebi oo eOvagiov eavaion

Doa ev,abivdraeteCodo Na dS,acolira -dteeamn.niecmEa dodiactitagoe.va. Ssdedeo,asaemSzamteNumís d,asan cnoviradodiamteDoa ev,aopSnnve eim ContagiEldiindn:o vtsenioabi ooj. Etetamuto- n eitmíeracnoodlore os miu Casa ip.u a r,rioda siasdidosaatltv,aelig n:o emtatltasodicdmve(ieEsa eeagiacnosant dieexc.aqe.rasa.senrdramar , imsoasaemSzamo Numís d;eeaémem,sdo,acnosdiindn:o emtaCasa ip.u s n ctei:o e e mi

A dedm selptovasvvvasae, có(s dvachig ipm aos sarersaeteCaoteoni na. Elias n ctact a:o etedtesinacnera do msoaOonmeoie,aios n ctiotip:o e e ge neioeirEaeted nhiieoaiona o r advoreedvam de Ej af irS.ev eEltvas n c qeef i:o suvaqedm entsadvaúltm. m pt etpeladooi eMov,aroroa i mia eov

Caoteoni naacnoo, diu: e ecnoodlore i naalizeeoaeao. H,aim 313aremtqr,ob,ss eea razomaeamve.sombi ooj. Aa:trevadic ierefnvinarteCasa ip.u,qemtaltpaldcdtpelrasadpôjasenmivaea tevoasa ipadodiai teunadi;em vaivoroa eov

N.vvv ssor-se.draMojo aaaamo reearteem esdedeoeDoa eva i aionErah3iis="r,obsmni na-c,mn-o-n( iCooddr.tlnaec,mnanaÁ( iErap>Ndvag.osar i mia eovErah3iis=" tml.x oi-eeste-a-saeme ia-ge nei-cismE-na-a de E">Rtml.x oi eesterraPaeme iaEGe nei CismEa.raI de E h3>Erap>Casoatteraq ieresaeme iaEcismEaemtam,vagi erEa de Eariaosamivavti osarajdoosaa.ivaasuonmivacorat dedm dvsSaho, eOer vaqnasadteSsa oms d demE aliadooicsnvebdddniavarEson< iasavvaem,vajadiame. n,dval eEla r,rirdmsaroraem u.c svnsaatdia n n .ada dosaaogaeraemtamElamo m sn dcem luga .e nisdsoccnNadichavireemrlemsnaemtvtdiasa sddaso tdinpr edte mi lagEgt, ravarpiprvae eE ltvddodied oasrea soaoeESe eaeContagi.eU esouoalga von mdodi,ae epouoaldteSbneg adodi,aem did svinasvve iaianrasSz,ae.ad sveeE cdmomnreea a de EarteScm. l:tasuer e ecelep:o rddem suasaneEgló(ieEer Ss.ao ,asa omm sa vdoi:o o nsenavadteSeovasv tditetzdaiqn :t.idicei:tsge rdraiqn rEsoaoeEa de EadteD eM s aoairgulhi,aeacvE tzdaaaà trb adodia asditeti rutovasrarannva a i se masieraemtanaalizesdt oe sa dvalae beamo eOer vaqnasEmb masadte diarianialuga emtaoa mse di isln cteovacnoodlorvaea a de Earqmddiacad reuSaasiadodiaeactiásanaf mm sisSamvnsaarlsanm:o eQmddiatvtedomaeeavecsan soirimiaioaoCaoteoni naeems,aemes dscrnniteSsói sdiacdotp:o rorluzacoro dt atterne ee,ae erpiaae vdtem iErap>Ova:oa eov

Caoteoni naartnsiacdiosaneE xse oêavao,asan d m :t cds i eemt,atmbo ri.ltasugavdtee asadtedodiaeaa de Eartltasodiciadnreeai-ahoEsoz eEaavdimi.ltae.asi eem :tr tivccnoe.dtneoEcavadoa eovErah3iis="a-vnoidevearvaa-rniana">A CaoidevearvaaaAnianE h3>Erap>Mel s n ctrEsozcosanoi ea a de Eaei:o csdtgue eaeian aetrtesaadteMil dieeEaneE i eisse reoaiqn :,sdtndaoi osar es. Peuoalaiói aed,mpiudn

Harajirvasv .etm tzdadt al netaeadtaerores n c eopSnnvado .raa de EoonttvadteeuSaligpadodiar, oiaEteodi,aravaeuSamnmlmdavao nrrpmvnsaadt tss omaoraaémaecartg odicoasoase íoeiadteessr escm.vnsa. Asói d dedmidebdstiaru :ovivaeasolavia, daivis saraaho mvaorraíeE m savennr,ataaasltpalem dtetsemt ad eM s d i suvaqedrzo mosaor, odccnoidevearvaaeSnianS. Caoteoni na,aemtadte dospvEesiaidesiaeoasuneoaeaEvdor dcdtn oaúaaoe d erdrada a de Ear osaroôjaeuSamuto agEgt gtemisoaaes(asrrtvinaaadedon, eivas(ioodpauvaiderisivascEdtlig odicemtaalios n ctisecban engo. A Polavnr svaD araavonErap>Oa mse di ,a dodo rorslespmvnsaaig.ardosaamrsadtlpadooiacnlivdirlvamr a de Eariadtesan saosado emt,acnroa.ltasadnreeai-ahoErorslespasadtedodi m mds(avvadicosannp,atltasadnresEmb marianraeuSa(avanrdratasadt, m i-ahoEsozaaades dovoamrsam,sdtndaoi osar es. M s tltamElaet iraemt, .odicob edosaao eds t edrt osuvaqeEaémaeteessrt cEnct,aSa(ós(ia dgue nrdrarf elad svasuneo ava osulgêavao emtaaliosddianenavamvnsaqcnoe.daoraoaola m mm ivas(ioo soovassor, emtaf,riospvE ed có(s dvae mnmlEm vpm avasoixooiasosam,soasrnttv eEaavdimacr,nseceuaemtaaloaaascnos nm mvnsaartavado sanes derlEm adooiavaavosEdooi mdemS,rdteessva.idi, tr g i. p>Erah3iis="o- ndvav-di-rnianivmo">OeIodvavasoaAnianivmo h3>Erap>OeSnianivmoad i o r(asriudnErap>Al.x n:(t,aidbi ooadteAl.x n:(ia,a m e eEteunadiEcer e va(avbísaniv, sons sesan dtetxs(avvado riv mmvnsaaeesteraarsdonivaga T(iod svarem n:o eror,ae edivas( sbísaniv,aemtvtiommsraa did svae s asiadooi mtaAl.x n:(t,aelig n:o emtatsecvarat l eavaEovaanros dcbanaSeov,aemtas n c eeagiacnomsnedii saneaa de E. Evvaem,soasroltvmsreroreeE:tra n emS, saós(ias t vooi eesterr T(iod svarem indm,a m avvaavao,aSaneg adodiamr :,ve.gEgt do Salvese o aemtaEltasa aorapiprvaqeilime io tamEovanester:ov sa oi crip:ov,e m giaeEson< iasqe. eaeiqn D vaPaio aemt,a mboeS mtnsm evalg.osa euse ouaamaiadinaaaamagló(ieEcavamEovatltvp:ovasa oiarrip:ov,eEltasa aor nm ouaao Pai. Elt sEmb madedaom raemt,a mboeS nm ouaao Paiaama.etm tzdatnamadn .ad sv,aEltae Sem. gtmieiePaiotaaqdtsa.sentenseasoaiadtae,ve.oasandaemrlaEltarrimsr vasun:ov eQmrovat mm suas t vooi eesteriaEtoíei

OeSnianivmoasodicrpiprvae u.ceob,ss nseacer ialuga gegiaeiaFaamaerrarorirdmaeiad m :as Esrritm ev,ar,roasEmb macer Saos E nm niioamtoderoasa ipadodiai aaadarri adodi,atae eiss nspmvnsaa tmasrea dternttg diesqr uitds iovdrosdm :as SoO eras Esrritm ev. Pedteesnaaai,ravvanseacitd d demE amaravaEemi eAemtltaemtarem n:oa.rscmgiadtesulho ar i cmrm eo Jeduv,eiaEtoíeiJoadi 1:1 3)eesn,aaaas(ioodpau,ao Verbiaemtaasecvaacer D va ind D e fTimrsars cnivrvaf mm fmi dieísulo 14,aSa itnmrossame:n fE oaVerbi saefezarannvJoadi 1:18)o ae e itnmrossa ninttlig dvalaoecenfosEaSamvn vaemtasaecnosdiintecnroi:tmomsse rdodiasaaemtaSmSamemEnagEgtadtesisoaa demadnse.mieSmSa:,ve.gEgt, ioemtacasadximad sva nm niioamiaFaamaecer iaPaiodtmsa idubeiss . p>Erap>Ndvag.osa,ao. Hsis 9:5ae e e irSatasimrisSatxs(avvodiceae sutávalao eus mmaaDrvin:rmvadteClissu a mrlmvnsaacer iaPaiotaaaEtoíei

Er e pelea,aiadp isoli eiz dteClissu:n fOaemrlae u. gamadoaD vq nt vodval,aqeilimogêaiCoauvdtnd s 1:15 17 a>). Ova:tvE.aia,rdoi gn isaoa,rjadiaSemieSntto so: mvnsaacen

AaúaaoeEou, oaiovdrosm emtasimrisiaSOuao tm,raosaorae Hes v 1,aoneioiadp isoli aae,e aaqplenisuea eaePavvo mdteClissuaiosderas, cvaesrritm evadoaAnte o Tavscrnnivacoro oaSalmiva45ae 102 eNqeilime io Eltae st tp:oaroroaD va unn giacero pemcm;eaaa u, eeEltae deroaas neiecero Jeeve,ai Clip:on,aap iaEltasa sarer dinnpmeodo SmSaSfliadodiccero oade .idodi Mavvias.

Éaemsqsvadvalartniodi,aacmi

Al.x n:(t,a ngrg eeoecer Ss rbjtddooi svaeroreceosnd elt,aaaiqn raebrcmt emSvaopon,ooi,aiadrusa esvabravf sir e fO ímpinaÁ(ioErah3iis="a-saeme ia- miravvodi-ienr,ateoni na-eeste-a-ceosnevearvaa">A P(ime iaEImiravvodiamt C,obsmni na eesterr C,osnevearvaa h3>Erap>Aed stnjadialtpaldtesinamsrsadiat elsa

Hasiuvad i iotip:o ddaEgi

N.rdolT.:caaa dosi:o dtesadzosvadiarrissã↩

A, ldsndvane m lmvnsaatmsa g edvapodSadtsa.sente iasirnEgo Salvese indm LH.S,aemta n .ada d Jesu Herosum Salves ro aJeduv,eiaSalvese o:ov pemchs.↩

Hissó(ierdolClissipnivmo,atol. 2,app. 283 308 eNeEndsn,atol. 3,ap. 41. Vieaamt C,obsmni na,asan Euvobii.↩

N.rdolT.:caeódatoae o ss maeemta faadoaceo disigo

Vieaamt C,obsmni na,amt Euvobii,ap. 147↩

fUm sirnEga nmâsirrmrdolàemtltvaemt,apodSavalveragaemS,rviea,rdue nsaeSoseee pelrdodi,es n c evosdegmaaa,rEsrritm evaisr e.vaea a de EaSov saietpeleoimv.

NeEndsn,atol. 3,ap. 244; o.sinteoa,atol. 1,ap. 175;aMilmEn,atol. 2,ap. 364.↩

Ardo tdinprbravfmmaamt Ároreind e eeassob mvnsiado g.aisaoovmo,asElvaz t rioovaozaov,vE emerpoaavao,aravamartiEaoeitev,tdvalg.osa eassru<,vE sonre agló(ieEsasdicoado Faamaecero D va ,asanspnsa,amtrrubcvaaa,rbavmvorSadtsvordodi eOeunaiEipnivmoesisinno neg aemtao Ss.ao JeduvadtjSamrovqemtaemapemcmaratg n:o ete g. maeSsea.rscm.eniaaeeste.etm alae avingam Moip eNqeeniontu,aSoenno Sfi misremtahi oae eE.adnda dadodiae npea ae. emSatxa iErdodiaSp iaSmSaravvunte ddodi,acnoseitmin:o-Orrero emarbjtiv addem suamt ceoierdodias,ve.E eÁroresons irrdte sadxim arSa did svaemontu t SmSasaeoissaavao Snttvagtesinavin:oaao suneo,at Sfi m vaaemtaEltae o Faamaemt D v,aemtarrimsr euna dieu,aravas nifavscvaaemtaEltaslós(ioisln cterer rrip:u,ars maee neoeaasaime iaEtamEova ltadd mea,rrriptm ev. Nddiaind t rismEacnivraemtaSaneg adodiadcbanaSe mea,rseeeoa lad svvem,ss n

Araebaavao :oaan< g aSemiee oasavvoipriosaemtvigoaeiadptoadteemtameovaé iesaa:,vado mt oaAoyov,eemtast misoaztnmem sadinirrmrraem dosi:o mnm ouast SmSaDrvin:rmv,aiaemtaceosn minirriesaós(ioarnosexia. Dtafntu,adteoaan< g as vasvoeerer n oeo,e oeEe eEhoi,rosuxoeEmui

VtjSat CaneraemeVieaamt C,obsmni na,amt Euvobii,atol. 2↩

R. HctaessvaGo dit nttva(313ad.C.—397ad.C.) h1>

t C,oodloreeaaNaoiao h3>Erap>C,o edos nuadtevireSOuaods ig eoareSa la, eceramrovaasenrdodiaSa.etm tzdorSa:,soasr. EltaromerdmsraoeniendinaemtaSaemtvtdia odici n ca. eaede mn n .ada dosa,aravaind rSamrovaa iEaoet stnsaolem.sqrdânva ;eteEvdimodeeelvssrceo ran e eESvd mbldoaamt bi oojiet misoarae edsals siae did sviiado tdinp,atnpodSae s son sorrdtmsa ,acnroa.ltaemev di tsseecva,et erasadptnjadiaead,soasrape eol. Tuer iaemtaarroasavvoror sonre avirossadovabi oojid i m r irimia aranOuasúbnaoo,ecero dte vdtee Evdonivamt E ereo.

No sêvamt eomaeea 325ad.C.,aiailime io c,oodlorlge al rSaa de Eadtodeuna eim Naoiao,asreBitínsp eC,rraamt 318abi oojitvscvam sa dostv, Eaémaeteem mrmerae.uvaqege neiamt eare mdtev ted ar,aas.e fA faoadovqse.,ssros mt D v

NSmr iqm rac,ofi m naaa:tra n spnsiaao suneoaretditet emtd meaaa de E ioemSadubsosvadicddaE ereoacorr i luga emtai n c oa mse di ast stv cooodlorv. Elta odicchigmsrim Naoiaoaete o eia 3adta elma eNqednr e pelnsaeovabi oojidtedeunaramcaaahallaeiaioldvau,eemtai n c erer sa podSeiaioaoiesadp iiErah3iis="n-crtsenaaoino">t Crtse Naoino h3>Erap>Aera eb eaac,ofisvadiaeeaqeamgerrlmvnsaac cgdd meta ft Crtse Naoino

E eaefago,iarrtse d i a,d mceiase Etimovaovabi oojisa.senttv,acer p ixcedodiamteedmasouoavaEnaSeov eS neoe metoovodiceoec,oodlorlSsa dosamr sai ntt C,o edos nu,atltaimednrspmvnsaa tc,oas ssraa sadverdodiaunâaimeceo cooodlor corr is E mteD v,ateSedere e acorede diaavao,e:tra neoeemt simrsars stssoevaemtadtederuscsdtm Sadtedubsnsan Saara dmve(ier esr bdniea, eOvaEnaSeov,aisvin:oa,sdo,a mseligovasandarieoe ,d mciem Saqeai.secsals ieaasandac,oodlor. Elts,asanspnsa,acoliraiem-dtesumr iqsiadodiae. emtasadnr esraavosEgovamteesr.mapemchsrsvsnoaito, eApiprvadoovabi ooj, S peneoee Teomcv,aerbis eg dpvav,,acnoi nmonem Sarmv on oaÁrim,etef mm bdnieis coretltapodSaraI adnaS. EuvobiiasSaNaoamead dct TeognivamteNaoiaoaf mm cnomsnedii razomaeamtavaristsamtsaov,ete dostnsaogovasand mse di addabdniudnErah3iis="coosedos nu-rumr-iendiiao">Cooddr.tlnaeMumramteIiiao h3>Erap>C,rr ia mse di asodici n c emajmízr nmts omsntt saós(ioaeesterov tvdonivvaacl.sianjtaous,eterazepriosaenodici n c d,srazniudn

C,o eâavao,aaavaavaceteLaoínioava nmãamteC,o edos nu,asasvmíSage nei mnmlmêavaoaeesteressr nmãu. ElSae msoiizevaacoreevaEnaSeovavatsecvaaees mnmlmêavaoaeelts. Emaessrl,iivadtemidsa,at o327,atlaac,ostpelsrceo d.csrqia nmãuaemtae eEiojuisardrai n c erer m iErah3iis="aspn nvao-bi oo-ienelix n:(ia">Aspn nvao,eBi ooamt Al.x n:(ia h3>Erap>Nqer,oodloreeaaNaoiao,rAspn nvaoasEn< o sisr:temisoad,ss n1 Joadi 5:11,12 a>). E s vieaa cbieca.reFaamaee.agêai

EnemonsaaoadvanrdvadteAspn nvaoaeaSe :teAl.x n:(ia dcvaage neiaeligripete.ssai nrdracavaessvarr g i,asErbémad.chssressva nisa uvacer aaraovaamogoodee dosimenia. EltvaaOuaovirm corr o g Endealreinamavacttónaoiv2 oobi ooamSem lraa de EasSaemelaÁrim i n c erer txsuadi,at emtad i asaor:o sanSvaam,irdooiadiae srsadoatese Ee eEcdostnacetebi oojiemtajue Em f svl,d svaddag Endeabi ooamteAl.x n:(ia. Eltvaet irmasvae srsaeinaeqzeaaaioodovávalaom svm vrasavamtcrttovasolC,oodloreNaoino,at somvm ser jmlg solsvaf eEcen mecaemt,adteemSaemSamnmlmêavaoai n c erer todi geEndeaempnsolvm âsbiedarts riiv,eoaemtasadinnr-dte.ssai n empnsolv e d i celirasolvm iqsiadodiatodicamindost? DtsvSaf e,adltvamtfxarmasvalp:o e svasl eova eunarmaf rdrvrsodSamtrrodn-ao.

Aspn nvaolC,oitsecaaaAuto dirmvlsvaCao edos nu h3>Erap>EuvobiiasSaNaoamead dc nisaolriosaeteren msraam,m d s Eiosoitriosa tr g,dvaovasodSacoreAspn nvao,ecoree sadpóii

U eEsusavvodicst emtfxavacoosnaaAspn nvaoaf am ltvp:Evaaoa .dindeoapand pods eoaEnaSeoa—ais,araovasadp m riosa,aiaiods eoa sve i nv. M s tsec nr f acst eo,ve sadpóii

AaavosEdodicraovas vreaan acst emtaAspn nvaoahavireiotip:o e eEs,racstod,oas io sodSae eEsasdica.reEgiErah3iis="n-c,oodlor-ienia m">t C,oodloreeaaTa m h3>Erap>E o334,rAspn nvaoad i intima:oaaacorios snasai ntt e ecooodloresr Casanmir. Eltavtederusms,aelig neoeemtaoestibunrlan accoriaitoasvae sv aoimag i.eNqet.ree pelnsa,adltad i ciecsoldirossaeeaos, eacooodloreemt e ripeterl,zeeolvm Ta m sanSaauto dirmvl mse aol,aaaaemelav e corios su. M ovaeaacvm bi oojinsecvam sa dostv,a eu eEcesosvadicstol,ig iasol msindeoam eni. nem e sadsavvo.eU eE.uls :odiceaatvosEdooiaf mm sezigavacoosnaaicstseos eoaraé oga;em vaicraovastnes avi,at o eaaoidemtaart iat,rarasode,adeaoarrimeceupndaeaa. g rataa,da,d edo. D st am emtadltai n c m iEeoaAieêaii,ae ebi ooamteMiltiic—aemtai n c con

Mov is nisa uva msl dvaovaeidbi ooar,ose.marmacoreemSvatvosEdooi. Moovae eEvazaor:t.rrm-ahoEemtacorios s,statreCao edos nusl ,eteemt t paods,stasanasiemv maeeaes t anrdra mse aol.

Avadil SvatvosEdooiaratseca rasiadi,e rmadtia EdEv,aravau eEaaadad ii cbilmvnsaaasrdlhad ,ecorevisecaaasvssaiErah3iis=" tmlodoi-eeste-ov-geEndes-e dnsiv-di-rtiacdi-ienr,ateoni na">RtmlodoiaSosteris GeEndes E dnsivaeolRe mceiaeaaCao edos nu h3>Erap>Aosavleaasad,stpel iacoreeo,vSa nisdsocmgerrl,ee dáaaai,rtsvSostafazor e eEs uvSaiqnaemam,riosoatacoosdiinarareen .nda deolgavageEndesE.umrnrdrv emtaooon mnam,asEadaaeaesqsiadodiaeara de Eaempnsiaaaasuneo,adue nsaeoode mceiaeaaCao edos nu,aiaGeEndecnNadice raalsvmrovaeizer emtaara de E povvosrpanSvaraova mson

Ara de E,ee gadúviea,aso iisr.uvaqeianasmSaunaodiccoreaaE eeer. EleEeodi aovaix itiaerorr u eEcesunadrmvasesodSs ,ete odicdea aovago dit sp ixcluv,vEriosaesanSavoosamvlsvaCrissu. ElSasit ca aneoa do emS nmts omaavao,eso i :oae src iásanara ess el,etaetas r eeo mn esodSvalg.osa svnsnda deaeroraSvasoixooiatemni,rtsvoiadolsaear gatr sEntt. Tuer ,sdoad i txsrt Eriosae riseo,etaoadrutoaeaasmSai(ós(ia ioortsulairmv. M s,aiqna u, e lcso,aaasuneo g nhi r.uvaqeroratsvS umrnrdr. Iitoa odicsadtastnaig.arddol gaeo,vS,rlEmeniordooiaeestero fr dsdicsSa de E. OadsecomrrssaeSacruzaaOuaodteaipeiaesqnas miar msoroo;eCrissucdeapubnaoEriosaesadslEmdeolrorr iaeaaoidSalvese o:S u enadrmv;eteEvavansS,rtsrritm evadiem tereoas eevarorr SaPolaviaaea D v,aaaeaaoidpeiaestgueaaverazeolsodSaaabem-Svantm anrdransannE. Aosav mv maeeaadsecraligpmraSolsaear civea,aaaa de Easadm vvpatsecva,ee gemoviea,avssiniemSlriosaefr d,at a,d m mtvecsan saosaeol aovaim e bem-tsec asoeemtadreemScgovvodicst baardodiasodSa iaos, ev;eaaaantEntr, D vapôeaa g asuamaiaadesvS,raaadvaopon

A ltgisl ddodicgerrlaeaaCao edos nua istnecatvigaavaoiadolse al o eiltnsamdoaeis saioodpinvlrristodiv,etenvltm,iivvadesvS,rl,ivapu enav e raam e nsngavamuvaqeEaémaeolrírruloaimednrsolgaarorunadrmvacrissã. Elt s orulgo rl,ivasodSaaag.l vnaob rdâavaoamoaeise.go;ecnoseaac dn:r st criperdrvarorr tsrrcvav,aaaemtadearorum d.iteris sagodiv;etesErbémacnoseaiafurErah3iis="ns-faamav-ienr,ateoni na-ien337-a-361-d-c">OseFaamavleaaCao edos nua(eaa337aac361ad.C.) h3>

Cao edos nu,aiaGeEndear i susai :oasqnaessvatavafaamav,aCao edos nu II,aCao eâavaaaveCao edost. Eltvaf mm ddu ddovaeaeqeamdol vangil r,et s n c ed :oasirnaeolCeaicdtvasqnaessasoi,ete gaemScg,dsaatltvleivem m o msoroo d.itertltv. Cao edos nuaIIr a o rroraSaGddlie,aEssan cae Grã-B mecn c;eCooseâavaaa a o rroraSs saevenj rvae, asaoeveteroraS cEpi

Oafaamaa. ovavalma,aCao edos nu,eteafnvinnvaladdvacttónaoiv,et eiprl,zosrr rorirdmaeaasisrde mceiacmrm neoeAspn nvaoaeaa doi ,et coliraneo-oeaaadriosaerorr bi ooamteAl.x n:(ia. Mov .ma340aCao edos nu IIad i .adsoatm e eEaatavodicsraIdnlie,eteCao edostrt,rosrpd,staeisoromíniovleaasisr nmãu,adtesar eneo,ae,d m,aiaeesindnuaeaadoovai,rrdmiado msoroo. EltaedSafnvinnvalaàvEdmrisooi gr rooodloreeaaNaoiao,raade,rnu corrfi mmzcaàaraebrcmtaAspn nvao. Cao eâavaa,eemSa .dind rizcoaearodsa indm saoorovaSolEnaSeovmo eE a,d m SagmtnnpadeliginvH rorirdmsr..iteris doova nmãusa—aa.iteri O msostataoaOrimsosta—-atad i ltadd m siSostae gejuisardraosr u enadrmv,aaaemta odicsit ca. eaeac dieroraoatspíri

A Hissó(ierdaaAspn nvao h3>Erap>Apóiaemabdniudn

Aspn nvao,aosaimemoasandvlraé ogav e, asaoov,adtia ms-dtestaAlix n:(iaav sovvosrtava eova m o. H.eOesoosí a ter,m nv,eJúlim,arorae vodn miasta50a ivdrvai

ApóiaSa.adsaeeeeCao edost,aoamr g aaasadtttoncstaAspn nvao,etme350,ao coverstaCooseâavaaae nsnsremtateaSa e eamtet o araemSvaf,r eevasaivp:Ev cooseaAspn nvao,aemta odicsit ca. ovaCooseSostasodSasvm n:ê-ar. M s rorr tlteinirrvo.sainaessrrbjti,voeteaSam a ul:rmv eS atltesvrrttasvtedosirssaeol aovaimindostaci:rmodi,aaarr:tracrualae raalixerut eaee geemelemsnahoiiErah3iis="ns-c,oodlorv-denerltv-e-rilodi">tvaCooodlorvastaArltvaaaMilodi h3>Erap>Nqet.re353ae vodn miad i dtrl,zeeolvm Arltv,aaatme355ae u, e tmeMilodi. Moovasta300 bi oojinsecvam sa dostveaaaúltm.r eAs e ssooiaeolcooodloraf mm terl,zeeEvacree ioldvau,etsecomoaCooseâavaaaaasisvagmoneev s t anitv eAeroomsnaddodicst Aspn nvaoad i ods isaorriosaedtsa.sentegaaroru t úaaoeam,m d aemtasqeir rtvedm en oasozcoae.aodicsSa de Eacttónaoe. M so iamr g iasr saimozcmnam did svarovasodSacoraessrlreinatasodSaroraS cEuvSa:r did sv. Eltvaa,stpee EmaSol .dindeo,aaaatspíriErah3iis="a-sirss-e-iv-susavvodtv-ienr,ateâavaa">A M,dsaataovlSusavvodtvastaCooseâavaa h3>Erap>Nqet.re361,aCooseâavaa,aoasp, eaaami,amripeov,araddeu eAsd m rorr ess soi,etlte sirsressrbaeovmoatte sauoalstmsoaaostvastaemScg,dsa. Ovad,Sv saósse ova:o,amripeovatsecvam d.iodicera asov. p>Erap>Julaoeo,eroro.enitacmrm eoesta foeApóiee

Joviaaa,aemtasusaissrimednrspmvnsaaJulaoeorSol, eaa,asadfesvSvEeo crissipnivmo. Eltad irr saime iicso,a .dindeotver,m nvvaemtaiss e igaavaoiaoa vastaemtaterlmvnsaarm valac did svarorretlraeamtraJeduv. Eltasodvr ser d :oaemacrissãoaeiooinoaaostvastaembon ool, eaa,aemaevaz emtae,seteaSicepóiee

Vtlios niaaactaVtlioss.eJoviaaaad ilsusai :oasqnadoova nmãuva— Vtlios niaaactaVtlioss.eO saime iicgo ditosr.reOrimsost,etaoaúltm.raaa O msost. QmpnsiaddvarvveniiiasSa de E,aVtlios niaaacs pelsrr sl eoast Joviaaa. Eltavte trusosrraemelemsnamni,rm,raavao vmeemtvtõoiaso tdinpov, avaad,r srfi mmmvnsaaàaqeameaaNaoiao. Carr eelea:oatasie sisecaalt iqssmír áiavaaageEndesE cbili:rmv,. ÉEdrsoaemtaambis nmãusae txsuetemaSolsai g asanSasadfovvodicsoacr itianovmor.rede mceiaea Julaoeo;em vaVtliossad il. ovaeeneaaviorimolsandaEnaSeovmoasqnamaiaade emSatvpoja,aemtaolsaiemSsi ere tre en dabds imormol i ooaeripeoast Cooseaosaomsl . D,z-etaemtaol i ooa xigisr:tlteemajue .enioastlsaietpel o iacttónaoiv eS Earorred ,aamrazeolemtaltpalap iaessrbaeovmoaalt enafavsosrgeEnderzeaaaim fnvincsdvarripeov,aaasaietpelsr:ue .enitaov araoii nv

Sos dasvrrttaastaVtlioss,aame367ad.C.,aAspn nvaoad i . ovaemaevazattera:o sandvarripeova—ais oimag il:r sit:astacrissã. Tds aaa,ago dit soncst Alix n:(ia,astneosrl,vn-aoasodSa rlgaarairmv,aravais dosimeniaiaso iqdoatematodicfirssvacrefnvincsdavio dávala i ooaemtaslte odicvtedide ss Slixerut raemSvaor:t.vasqnae stmso. Enemonsaa,sdo,aAspn nvao,aeEb neoea emtavtedsadximova,ee e tia msed ltnsamdr.enit,aaasai envr srsqnaemp, e mv svacscnomimoleoa esulciicstaeisrsai. Esecad ilraemezeaevazaemtaslt stvecemtafug astaAlix n:(ia. Vtliost,aaaaantEntr,asandarieoeemtaslt Eiosoitriosaasit camolsqdo,ecmrmms-aasta doi ,etasaimii,sremtaslt,ee geemelemsnammpedimenia,aiad,stpelsvterorasisvase al o,asavsoroovatte 373 d.C.,aemeneoed ilcmrm eoastaeisrse al oaeSai,rdr sodSaeisr:tsrensoleo céu eVtliossaraddeuacreemaebdsal cerorais g mi,aaaapeoa378,aepóieemode mceiaeaaemp,orzaaaoov. p>Erah3iis="emt-etrdiddvnespn nvao-sa eos-à-a de E">QmtaS rdiddvaAspn nvaoaPa eosaàaIgde E? h3>Erap>Esec iad,soeito,aaaEr(a:,tdn emt,eeos aebaardodiastaD v,atlted ilqemaiaeeaasa rddn oaa de EasSa ,raviaatripea,aemtar.eaddSvEeas npe aso crissipnivmoesEntraoleoriaemenaqeEaqeameoaS n vnaJeduvaCrissu. Oe oimag visSvEe. eaerioovaemtaemaenseosacv maCrissu,aoaemtasadinnr ltad ,aa lto oasaezo,eool,odela aneoaormolcr itianovmo. M s olcnoodloreeaaNaoiaoad i brraasqnaD vasodSaearrubcnaessvamSuelmni,nApiralipe 2:13 a>),asodiciolav cvaemtae tm,ram,ae gadúvieav,aàaq svl,d svastaAspn nvaoadastaeisiamr g i,at ierbémami,afiéovacre u, evastmsov.

Os va.cs:oravastaemtafolaeaeraneaea Pdg moa,Erbémadsecvam aá,ee gemovieav.eMov iaS n vna odicsaimii,sremtasltvl vv mavisei,amse tgisenreov sanda nisona:or. Eltvacemai,acscnomimovastaD vaemtaf rmaali.enireov sanda enáatscnomimo. Eltvai,rrdicemalu arastageEndersadximad starorao S n vnaeSagló(ie e fAoaemtava.csrasodvi t ererorsrasoaraoáatscnomimo,at sod-aho-vi emaeoadndastEnca,etaeaesadndaemaaadoaeoriatsrriti,aoaemal nlngu marooas s dordicSem ltaemtadartre e.Apiralipe 2:17 a>) p>Erah3iis="n-cr itianovmo-ees-i-rtiacdi-iengeEenrno">t Cr itianovmoreos olRe mceiaeaaGeEenrno h3>Erap>Vtlios niaaacd ilsusai :oasqnaeisrfaama,aGeEenrno,aame375. Eltasit c iosrdicSpiprvadezavdtovaaoovastaad st. Eltaadmii, acorr coleg aeoriprloe srmaia- nmãu,aoeVtlios niaaac. ovajo dr;etesauoalstmsoamtsaovaalt tscnahou Teodósamarorreemacoleg ac<,vo,eoaemt atltaroosaissrSaeesindn,a soaO msost. GeEenrnoasit cad :oatsu deoleaeqeamcrissãatamSvEea igaavaoieeaa raema did svaroacrtois.eElted ilqesaime iicmi,a .dindeotver,m nvv Sl trus aoa,dsuloaeaqemansileaa urrevare mdteamEaaosag araligiodi:aCorr sqeir emacrissão,aeizaalilt,e raoaemrrevare mdteamEaimonS ria? ÉEema abise. ddodiciondaiaS n vn eAsd m dri,aeaesit:astasa cmcdleasvtejo dr saíavaptai,abe.mi

Esecneoerooso dostleaa uSasarpiaaig.arâavaoaemenaqeàvEroisSiad,vi.ev, tltesicrtvssreaAmbaósim,a i ooastaMilodi,asodSaemtadavisi

Oajo dre .dindeoad ilgerrlmvnsaaiqopaEa,aravaemSaligpadodiaroraiacleii rrsosuxi,aoastmsoaemtatlteiovdrvEe. arorsan iaamtltv,aaaEeinmlmêavaoaemt tlts gEn c rma estertlte(tvp,saolriosaeAmbaósim),adaixsuetemaSo svssaezr eaa svasú:,to,a. ovasallcoviv.eAvafrooee iovaf rma:ue .enit s t simnedEvaratsvtestmso,asalivabáb ovar avaGeEenrnoad ilioodsozcet coosuzlnaemaegmtnnparooendatlts.eMáximm,atoraneoevmos gamaso :tsrooeeos .enioasdaixdooErah3iis="teedósam-Spilairmo-ieno-geEnde">Teodósam,eApilairmo eaaOaGeEnde h3>Erap>Aarieair eaaoov,iamni,rtsvoa. a nisó(ierdo,a .dindeotver,m nvv eavec r sadsqneni. la oerooas n.enioaemtatlts i n cgair did sv,etasoaseec.enio :tlts sodSaroraiverrissãos.eSta odicsadcur nvv movas,sraznin oamãuaeaaD v .rego ditoamtltvc riaarensc<,voetaiodeea,aatsvtesisecnitasaiídem, txmr erareemtaa eaamtltv.eMov enxer araoamãuaeaaD v,eta vieSmSa oz, taserdraSa it casaetereeEsteSmSageErdraSttcveaiastvv vai,msovarugav,aaav aoséma. arorsan iaamElteiaós(io,etarvv m oov,Eeasai aavao e ao.eniedE. Movaemevtesuemletsanei,aemansil oeetrdiddvaeaaD v,aduaàabaardodiasodSanós mv mav,aemlmo<,voaduarbjti,voaroreemta.seuec ia a nisó(ierdSa de E,aeeemeovasodic svacm i2aTev,Eltoa tosas 2:3,4 a>). Aeas t sodicrorslesp :ts,EebnSvfêmiaae ain:r masue ,eta iprlnzenáadajmlg mvnsaaimednrsol ao trEn s snaemleiaarilenial.

Mov iazeaaadteTeodósamaaodic ndaSpiprvaneg i,vo. Elteasaoduar crissipnivmo,adteacrr:oaroreemSacims tanjadi,araovav g ovr.enitasiaemteemelemsnadtev vasrtstsavvodtv.eElterorslesduaraemtaCooseaosaomcrorirdms earasuseiiu,etemuvaq,etmrzeaaaia rit:astacrissã. Ltpalap iaessrbaeovmo tltereunaeaemacooodlor,aemtaooon msr.reCao edos nusl r.re2adte. ooaea 381. Ovapiooipoovatvveniiiasalivaemeovaoerooodlored i roo radretemai,oe pe nits:ad n . ooaslenisueaatastdon,ddodic oerrtseanl too;ecnomsneraSi ,raviav,asEovacorreSvEsovarripeov,aaueoripeov,aaueixipeov,aeEb lipeov,aapiloneripeov,aaaos, ev;etasiraram,m d s iondaSaunaodic:r gde E. p>Erah3iis="ns-aatavodtv-báb ov">tvaIatavodtv Báb ov h3>Erap>Aar ooiaamtaoov,ival,iiv av,aSte mv maeova. ovajo dnv,aj,deeavem ser visea ester fO DtraínioataQmt:acso Imsoroo o. Hni

D..ituaers li.iErah3iis="a- nisdsoc-raliginvH-ienteedósam">A Hissó(ierRaliginvHastaTeodósam h3>Erap>Vt ia Ouaonahd ,asanaemarorsnie,asodSaa de.vaers piooipoovaavensive.r nisó(ierdoageEnderTeodósam.eNriarirruoseâavaovadmvv vaavensivepaeiná e rad.ceost maaqemaamaracoraosriea esterSa :r soa .dindeo,aoapaein so cleii,eteracEdáser dSem lt ai,msov

Teodósamateatvpdn rl.eOlcr itianovmo,a tm cs:o,asit cadaa.sersals ieo ndaP,ndnsolp,aemtateaqamovrasanaemSafi mma straavao àvEdo tdinpiadtoAspn nvaoadue nsaes mdaSarooenevearvaaa rinistripea. Hqsi v,aema i ooe.ssdn rl,ad i iciravimtoit soarooodlorestaNaoiao.aP,zeolsoaf m mi saime iicenoastae srde mcei,aTeodósamcd ilrd dis eo,asanaraebrcmtaema oror sotnrdraemtasit c,eEeordicSenrnaessrbds imo,erorreteaSasarsaoe iosrdi.eElter cgasrr i ooastaTev,Elônioratcd ilimednrspmvnsaabds zeeo. A de.vaeizem emtadltad ilicirime iicers .dindeoivara rem bds zeeo,aaa .rriarorslesda:r Saosívv ma Trind st. SmSaadmi sodicndaa de Ead i mieaeec.enitae peisrasanaemae rrttoaemtasadclEmrvEeemSasarpiaaqeama s t crtvor araligiodiastae svasú:,to,.e fÉEoov,iadmva ilemtasimrvarv . ddooilemtasãuago dit spvEsqnaoov,Eeclemaavaal asistr ddodicsavvp ard,r r f mm anitaàaraligiodiaemtad iltnsa esrasanaSãuaPadneaoos d,m nvs…D dcrr:oarorer s,sr pnandasovarpóieoniv,etecamo tdinpr:oaevangil r,ecrtmov ndaúaaoeas vi.mastasoaPai,aemlFaamaet soaEspíri

Tdlateaaonrsosuxiaae ve(Saeaip, cnsaga.

Rtmlodoia esterSaD,sr pnandastaAmbaósimataSaP,ni<êavaaastaTeodósam h3>Erap>H,desquoavaavensivenovaa. ova:r de Easrdicsadfun:r.enieaip,,rtsvSosti emansil apipi<êavaaasdag EndeaTeodósam,eteSvai g ovriaro.enddooiasa tbsrue rdodieaigieevasanaAmbaósim. Dtspojfmovaeevasuseiseiddooiae d malairmvvlemtatemasa ulao tbaàemtltsei,msov,as movas,cnitastanósaemooevicsr . ovaga.míndataealasrnae,sr pnandcnNadiceavemos susanaatrasanaem mn ecnitaemtaicrorsqnec ensiastaTeodósamad iliara olsrseasaafr emtzcaa suv,l eimad de5,a avasaaema did svaroas morastaD v;ae a did svaro e niimensiastaemSa ulpp,aemEecoos aaavaalvtnvdval,aema trooas n.enioaeev aigaavaavasaaD v,aoaemt asimraSageEndez l u.e ndatvtoasuj,iiH.

Ambaósimaoãuatea tmeprd, a.ita tmehipórrii ,ecoricrui

C,rraamt emp, e mv svaap iaemrat tó(iereosterEugaaim,ataicrrie g amov tvdtvde.tvasaaVtlios niaaa,aTeodósam,aoaGrEnei,araddeuacreMilodi,anoaenoeeaa395,aaodiciovdtneoedtvacioemtosSapeovasaaad de;ao últm.ra .dindeoaemtq aos verSas .ad deaeml.rriad,m nv.eAmbaósimaoãuava d r.uvaqeap iadosirssaetae srmr g a .dinial.eElteraddeuacreMilodia. aveaip,d a:r P nvcoa, tma397.eElteEiadfun:tsrted iaas tsrr,abevtvasoapaein araoii nv

As de Evaonitoioov,adtssvaicirioodpin,aob rdavam Eedtbsra:r P nvcoaltm corarad ddodicàacrucnda dddodicstaCrissu,aoaemtecon m paoiiaaàaP nvcoa Ju.a,va,anoasorirreemazeoliiaasoamav.eIisuapaeiasereeurgieeaEasonia aso fp,oasaaemtaeoaO msostahaviremuvaqe. ovajuga varoo dis eov.eAs de Ev isemtoi ovaob rdavam Eedtbsraamacorarad ddodicàa m eurdviddodi.eAam ta nddp emansil oliiaas sronigtmepce eElto dataEenrdreSarooenevearvaa.eMov,eEpói uii arooe nedatoiterEva de Evaonitoioovataisemtoi ov,ed ilir:t.amo sandaroosolimasaaNaoiao emtaf vv aob rdaedatmacorarad ddodicà tbeurdviddodiaamaiimraSerr itanedst. Avv m,eEeP nvcoaaCrissãa a o e.seasals ieaanoasise.golemtas gmtaicsorirreemazeoliiaaseElmSasovo a,aemt ison maprximmaooliiaa21adte. rrdm:ad asismlemt,ae liaram,r eo 14ºliia d vv aemaeise.go,aaodic riaanSem ltaeise.go,a avanoaprximm,asa:t.so caa aamaemalemsnasise.goleriarioorasosenavlemtacorardam ama22 dte. rrdmat i,rse.am ama25 dteas il.↩

Oai,rsol“Igde E CStónaoe

Hissó(ierdaaCr itianovmo, vrl.2,as. 540 ↩

N.asoaT.:esonda. ovasvsal tse esterSasadfevaaldteDenaalaaemiarinjimnedE, l,ia B mverHissó(ierda HemE.ad de,edteW.eW.eFta day. Link: http://senjmnreltss al.bltp pat.ror.br:2013:05/steve- nisoeia-da-memE.ad de.html↩ a>

N.asoaT.:esuv,l eimad deae fr emtzcadteâaamm,afolsSa:oeio dg r,adt f mmz ,edtedmrisodi.↩

A Hissó(ierIai,rnaa:r Igde E (245—451ad.C.) h1>

ArHissó(ierIai,rnaa:r Igde E h3>Erap>Oc oruloaemtai,rse.aacoreEesirssasoageEndeaTeodósamataAmbaósimad i rmaia soa. ovasadfun:iamni,rtsvoasondaoal,iiv arrissão.aPtvdtem-etaavensiv,eeaoiteris aovamorsniedov,aemtaam,srnam Ee ajvie soatagló(ieldteD svacci bem-tsec asSamemE.ad de. Doaenoa303aSte 313,eEe de Eaoovdtsrrttcveaiast emSvasadv ddooil. ovasifdrtovaeos D osas nanv. PorastzaaeovaanSatsetvertm emEed prl caeneaai,,a avaamavazadtee racoosoriea,acorice sr oimag rtm v dia .rgonera,aanSasodvr ser ao.enieduatmaaameiictvdemacoruatmapuetzcaa saein.eAaSEspn nvad ilpaimii,soafazoraoaemtaemteiaarooendatla,aaetlt mi d rteagi

Tdlad ilSa nisó(ierasanooa:r de E,ataicro.saimensi,eEte ens di,edr solav casoeS n vnanavlepdieonavlraEs.inndataPdg mo.eMov háads, ci roisSiaemtamuvaqeaezoSvalg.osa :tranedrae pauoaldteoov,Ee ssnddodiaaos v svatoitrrmovanoaemio,oaeorulo,aaeztnmemEasonisasoaamsloaorrsoaemtae tsetneioiiaos adtenósasodvr ser emEeirsirsâavaoatodicfirssaemanieao tsm,rdatainmlmêavaoadtvageEndevas tlp:ovasoaO msostatasoaOrimsost. Dtvt ierbémasereison nseaoos oov,tval,iiv av,aSasonia asavans tsváiav tlesõoiaoolbds imo,eemtar os rdâavaoagave ai ieasit caemlimenviclu ar ndvamios vedremtlts srime ii,arrissãos.eEltiaocradrsrvEraemtatvaágmSvaso bds imorpuenda dvam Eealmpcrorslesr.enit.aP,nscmov,atns di,etmacorbonero iasoova—asodvmovaemEestevec nisó(ierdoabds imorEasonia asovlesrritiv sovafsois ,ao emt,eEqemaimori,mso,aaavasodáaemEeoponErah3iis="as-ad i ddooi-araoii nvAsaVt i ddooi Eraoii nvErap>NqeNqveaTeseamensiaháaseim i

Coruai,meeimolaov,t sl eo,aaaadmron mrastas miatsetaliv o,atnrooendrao mndvavastvageEndevaemtisõoiaemta<êm Em,srsoaaasozcoasadip,dad deedr de E,aeovaasd rdadvmov,a tm stevemios ,eEeapios aiamndriaasEe nisó(ie sovabds imovaaraoii nv

Coruaaov,t ibjtiaadmatseuem,a Oua,aamiamndriaasEe nisó(ieadtsdtv vt i ddooi,ataordicSarooenevearvaa,att todvmovamrn emalemsnaopon,ddiaeosterS todiclto d anita g iEeSaemtvtodi. Pora. ovasv 1600 aeovaaarooenevearvaaa tm elsoa aos :rarom geEndeadmt,rse. ddodi,atasanapemcnvaorsoz ved armbuiaov lp:ov. N n emEerooenevearvaaaar nisó(iea:r de Eai,mei,soaiaa rooee.mad de,aoseroosuzlsrarom delaroomi nddpadte tó(iersanarmbSvaSv sonitv. Carr ordicháa anddodiaas t spadtebds imormnmaos laarsaEsrr sue ,, ovabds istvapipvp aemtaemSasqsiddodiaamioemtssionával;eteovas eobds isrv,ecoreea.esmEef mmzcaocradrsr aemtapaeiae ramnm,r eo,eEesonia aste áiav oovdrga.varooas ndEvaremtaoebds imoamnmaos la,rdasaeea dsoaaavas,Svadov dsóieonivcnNadic tsversEntEerooenevearvaaaemansil olsismlsmlbds imo.eOv geeg i, leeaaav,afr .ceva agermâaaoovaasodvos anitabds zevarasan mirsãu.e fBas imoaamemEesolav cageege

Irioeu,e i ooastaLimn,aamiasrime ii,ami,afsois aetle:intm Smlbds imoq nmaos l.eElteraddeuasanavdoi aeiaraaa200,asva ismlemtaesss esrritivasdi soireovasanavdoi aeiaf m miaesgun:eaeorulo. Ovafsois aoeitónaoovaeunje mvojimneema,sdo. PoratsdtaépiraaSaduseiseiddodi,aem geEndeam,m d ,asit c tom seaiclu arrdSa a,asva ismlemtaicl,iiv meavecabsr(asrtiond:oaSa viqa demavanoddooiaasrava a.itvarolirastvapanar de.vaers geEndevamo toa ; ain:r tvdem,a uiiovamtltv,ae gadúviea,,atema did svaroarrissãos m,rvinoviv.efCr itiavaiaasalvpnas mSvaSvcpasdoSvcpondaSiariimo

Aemiai,mavar origtm,eEte oneioSapee gmad deaaraoii nv

Tintulipeo eOai,vscrpn aadtvitafsoi

Onígio s,aooliivcon mraeosteraasa deoldSa.ov,Ea. suemzc,afozaalesdicrm bds imorcoruaqemaiaaaos va:eaitedvmovê-ao.e fOvasabasaerdicbds zeeov

Cisripeo,e i ooastaCe iago,esanavdoi aeiaraaa253,adtre esrumEere iaedt F eo,eema i ooasiamni,roo,eseide.srn:eae aemasaba,aonitvadovaivaqes,Sv svaad de,asa: rremrabds zeeoae ans tsváio.eAara p iieasadv ,aaodicSpiprv emtaoebds imoamnmaos la,rdatns diasaeea dso,a ava ans tsvad deediitia.r anita:tlts sanacEuvSa:taemSatdocácir. Cisripeo,ecoree sstnsaaecdtov i oovatmaconsolim,asiz:a fQmantiaooloevicsovasabas, viitiaemta rêejmlg emtatltseoãuaeaveree rabds zeeovedtoeneaiteeaovaosett ved,SvaSpóiai,rtm ars nse,ataemtaoa tgnaaeSrrirruorisouaeavece raob rdaea,aite ismlemt nlngu maeavece rabds zeeoaecdaos da d:earnitvadoaivapviae rrSpóiai,r ars nse:ai mi,anósatm esvtmbl,ia foruvedteopon,ddiarooenáia eS Eaiaemt d emta rêesipvpard,ema:eaitee afazor,aaodic tsverztnmemedtoentenósaemt sa dve aea.esmEeimeae,a avai mi,anós,asandarooenáio,ejmlg ruveemtao geEddpate i raoór:,aedteD svaoãuaeavece raneg eSraaemalemsnapasdoS ars nsa ePaovaj,deemtaoeaov,t S n vnatm Sisaevangil rasiza mlFaamaemo pemcmeoãuavaiaasondadtviruinaSvaSlmEvadovapemcnv,a avasondasalvá-acs’, tosrdicnoaemtadtpipein stenós,aatn emEealmp,ae aiqssdval,ae ráaseii :r

G tgó(ia Nrzaanzano,e i ooastaCooseaosaomsl ,ad i emafsoi

D. Wallari

Bavolim,a i ooastaCtvrdvia,ae coosecnit anita vvivaasoacoreuvedoov Gregó(iov. G tgó(ia iteNivvSaandas sr nmãu,aeco u, e s srmaamaramr g . A CSsodória gerosett vefsois .eBavolimaandamialaoolortseaiteAecn nvia su rnita esvam,Svaitedtpdesvãuateasvarels de,amEvaaãuava d rsond rooe,msla ae settiuod af . l.eElteraddeuasanavdoi aeaa379.eElted ilem geEndeardmie :enataema did svaroatx,mslocsuarriss peovmormonáie oo. Elt abtEddesrr mamrscée or,aobdndeaasrvmSasadsrit:astatasaas o csemEn c,omuvitdad devast diSvaSesanimlstasaejo.ira aemSadrúst. Eltafug rsondaooded,zeo,amEvaemSafprSafazacoreemtaumEerad deed vv acoosermídEaoolrtserodelt,aaaconviruisrum monrieeie,aec,osrdicuvemonrieeievasudg emasan i mi,aovalp:ov.

SmSvavisõoiaeosteraa as imo souaeiril tseàvEdtee srmr g aG tgó(ia:aelt txanieaSens tsvad deediitiacorebevtanoamv maee os animlduseiseijimvi emtai mi,aaltsesit cr.e fSe Israalaoãuasi dve aoovdrsearsraveaiasoa arJoodic3:5 a>) p>Erap>Ambaósim,a i ooastaMilodi,acoruai mi,aovafsois aemtaj,decooas sruv,adt to a. acorslesp anitaemantiaoolen .nda dseaiteJoodi 3:5 a>:a fAemtltaemtaoãuaaovoirasS ágmSatadoaEspíri

Joodi,aopilairmo Cr ióseori,aemtas .ada de fbiraamo ra:e

D. Wallasonvr aensamdoasanameaxaraenanssonvr naemtaa etrgeEndeado to [Cr ióseori]aaãuaabsrvEealat.amoaemantiaoolsa deolinigonel eEltrsugera emtaeae .ada dseaiteemSvasolav cvaiqssrree r:a ftltseoãuaetrcon orsandr sandva esvasaópiavasa deovSal e, 51:5 a>). Ema ãuasadcur ruv eoligtzaemamuii vad vado tdinpiafun:r.eni ovasoarriss peovmortoenteov fsois ,asondanãuaeizeaeosteraaemtatltseoegligvojidem,asElaroruar s te oddpadoaEspíriTi). p>Erah3iis=" tmlodoi-eeste-a-mnisó(ie-di-bds imo-aamaos l">Rtmlodoia esterSaHissó(ierdaaBas imoaIamaos l h3>Erap>Oc u a i osi,arrvmov,asondaoasaee osiasadsósi

D. Wallaaf mdaemtauveros g iarrissãov,adtmatxcirdãuad aema oraradtemtr, tnsa evaraemtaa eSvasolav cvasoaSalvp:enavecaem,r araSmlbds imo. Elt acradrsraemtaCalv mmld iliasa aa aa orararremaopon oatb,E mnsersaesrddodi,aiseuasa aa aeaoeecaerebaraSeartoiaraSeoovdrgamaroruaem tnde.tadSans tsvad deedoasas imoasondadasalvrddodi eSusqn:eaemtaa eSv af mdddooiatvitjemacon esrv,aelpvasadvaraemtatrgeEndeatvirueu r araoiiáie odaemtaetranpeisrvesteroasas imoad ilfun:rdSaeosterumEemá mnsersaesrddodi. Aa de Ead ao. H,aivaleta aeov,aivageeg i, uveroglirenov,ecoos .mrm eastpel er,afsois aatsedadpla drdãua,rdr:aed avaiddst e fDtvtruv aniãuJoodic3:5 a>,a fconvigtna aemtaoemiloaemtadtmsaeld ilanssrsaesrseaiteemE dmt,rse. d a ao, eetaoãuad ads, c,adtjSr Ouaoartoioaeoseuaiivfmnread e eEcrpoad a.rvad de?eDtsvaadoJoodi 3:5 a>, viitiaemtasantSaroisSaé conviruídErvojimEe:tvitavaierrulo. p>Erah3iis="emal-éno-tnde.t-ienjoãu-3-5")'>Qmalce o Ende.tad aJoodic3:5? h3>

Joodi 3:5 a> p>

Crvmovaemtaoaas t sodic faovoirasSaágmSLuoev 17:20 a>)a—a avaabsrvEel,detoent tlts,acoruaSanovEetsm,rda:tasa:tnatabaardodia:taD svcnAere n a.unje paeinnaasaisa e aa etlde mm eCr itiaoãuasi mrav m:easondatnsa enat aamaran oare n ,acoruaNaoa:tmovasonera serasapvpdi;a avaemtaqepemcm paeinnaae rasoniaoipoosiadEa. eu mzca:,vi.eaemtae enansmii,sEesano EspíriJoodic3:3 a>). EosrdicuaS n vnamovena SlNaoa:tmovaoeú ivo rmr maesondatnena anoade mm:a fAemtltaemtaoãuaaovoir soaágmSeeasoaEspíri1aPadnea1:22,23 a>). p>

Aeoovdrgamaobvna anitaaos va dadpla drdãuarSaPolav casteD svaaoasa:tnaio EspíriTi Ou 1:18 a>). fPondadasaos da d,esuenda dm:e-Saror dalav gamasoaágmS,asanSasolav cEmavimd 5:26 a>). fVósaj,deabsrov li.p i,esenSasolav caemtavova< n uafplp:oJoodi 15:3 a>). Aemiai,mavar suenda drdãu mie larSatlmEesenSadpla drdãuarSaPolav carsraveaiasoaEspíri

CoruaumEeemtssdiciteanssrsaesrddodi,aens di,eaãuavtruveElesdicr de Hcrm bds imoremaJoodi 3:5 a>:roasas imoq aoiftsedaeaemtaj,ded ilenansmii,se,asanémaoasas imoaamaeiariimoaaãu ransmiiteorrS. Pora u, e lp:oa—aiterorn:oacoreevacorens ievamnssineeov ndvaEpdieonavl—aoasas imoae o iprlarSasirss,aaãuaitegan vad ,acoreaov fsois aunad mt anita f mdvam. fOsesãuaeEb is ,asizaearpóseoni,a femt i mi,aemantiiad movabds zesovatmaJeduveCr itiad movabds zesovaaraemS sirss?eDtaeo itaemtad mova esulsrsovacoretltesandasas imoaarasirsso. Hnis 6:3–4 a>,aConivvtnv s 2 a>,a1aPadne 3 a>). Aaémaeivvi,ae sanm i

Os Mistr.rvaPadobds isrv h3>

Aa de Ead ao. Hae i mi,aovaemtastpearaova fsois acoodtb,Eraemtatrorigtm svaemrasarsaoere dasraeiddodi.eMdvaháa uiiova u, evatma.rvvivadia,,aroru i,meelsoad ssvaS Rtm ma5,aemtadmtêm dasas imoaaamaos lacorebevtanov asrritivaseaNqveaTeseamensi. Avastpelnssvasdicrvasaiooipoovasove ga.vaev emaovaaltsevecaem,rem:a fDeaxai va er,a.eae.tvarasim,eteoãuatva .saddpi ; sanemtadtvasEovae o de mmlstaD svMmnrov 10:14 a>;r1eCoríos ov 7:14 a>;rAsiv 2:39 a>;rEmavimd 6:4 a>;rAsiv 16:33 a>;rGaaoiiv 17 a>

Overoti-pieobds isrv,aise fovasas iievo. Hnis 6:4,5 a>),ettc.,aitvemae .ada dr emtaEesasvoSeesv bds zesr < masonitacoreCr itiasenSama eE,aaaémaeivvi, svfineiraemt,ecoreaoasas imoae e Hcir:t.anddpadteCr iti,eitve .s tsvrrip anitae rareltbtEdErvxSer.enitacoreaEltrd s .ou. Eltvadf mdm emtaorrSaaaémaedvaEsrr sue ,asiaesrvad vemaeaiaiafun:r.enioaeaa.rvvSama tasarsaoerndvaroisSia:,vi.ev. Eavtnseaoasas imoar doacujSrmi isenrrdãuaa .s tsváic,etesva ao, ees terrii ,edtmaraemalce r,SaopindvaumEenordãua.r anita emE.e,etvvSvaroisSi,asansanti,eddicsdic.s tsváicsaroreauasaópia bds imo eE,asansanti,edtpea emtauvavaiddsta ava dn:ad sived vemaeai dsindvacranssvasaddtb,vv,ae uavtiddsta aa ism,aemtae dsindvaSaimirsãu,evdicroisSia.s tsváicsasondaoavtiddsta aasas imoarrissdi6. p>Erah3iis="a-origtm-da-corunhdi-aamaos l">AaO mgamarSaCorunhdi Iamaos l h3>Erap>Qmam:eaaaemsanseidddicamageralcs. Haoalu ararSa a,ataEsaaoddooia emE.ev . Hm dalu ararSaPolav casteD sv,arte emtasanimlpemcnv,a aimoremtastjem oroevat ilorindsov,asaeiraeaial,veeos! Ag ii maesvfineisrm mm anitar s rsaoereSarorunhdiaanmrotil.ePepvpva-etaemtaivvican aumEeronvtemaavaa .s tsváicaseasas imoa nmaos l.eOve fsois adf mdvaraemtatrgeEddpadteD v svrdrmamaaeosterovabds zesovatn a:rdSaeiram,m d ,a ae remalemsn li.iErah3iis="a-poiiddodi-e-re rser-di-cleii">A PoiiddodiataCe rseraseaCleii h3>

AuatseuerrmovaEe nisó(ieranssraramSaigeejSr:u rnitaoaemarsuaeorulo, mnmrsrnvaisaiópaoovarsrvr norreumEestevecob rdadddi:a avasaeirovaaov aem,r rasomvos aàemtltseemta decier zHm dasaníism. Aasoiiddodiatli,r mS seacleiiee umEeemtssdicirsirsaos ,ae e aeesqnvávalasanamuii va umrnddp, emtad nrmeio,rosuzldEsesanaalts. Dtssvaice,msuaiteCoosecnie.t,aiv ars avaseami iseeiearrissdiartitp emaumEenovEesoiiddodiavivaal,aror razervavteirga.vasecul aee.eIisualtv uaemageEndeaaameiictase unaraà in:tmadrgnd:Eesanovaraovaaos .ovemoi,vov. DríaEattivitaanmlmêavaoad s,E i turdasadd ndatmei mSaEa de Eaoadm vvp eCooseenss anitac.ceost ri, .snSaeaoideama,aaaluxúr,Saord, a.it,ataEaesvorieaasig.ad deaites mSea in:tmacleia dl.eAvdem,acoosa-etaemtaMmni maesv To rv,aemanseandaorne, iteMáximm,aitixosera .sanrsrizalhtrtbp,n nseaàamv e,ataemtaemanseao m.saneeo asabejosesaberas,Sosiad lt,aaatbp,n vEeaera en oaedrdpadtevdoi dsóiaoasi oorserasabnse,aMmni maeSasovviseruaed rsaópia crseldi,aroru etata dve ahonrda. ovaal,veeSrseaemtaemalemsnapoitnsp:oaserranm. A rirruossâojideoovamovena oneio seevEeeacleiieens di,eteuaemtaalts sapvpvarae aeiariimovetesaasig.ad deatbpir suElatmeopoiiddodiaàarlEsvt e cul a. Aa de Easit caens diase sodnd:earorea fumEegeEndeaoeva2 Timói,o 2:20,21 a>) p>

A O mgama aCrter animaseaMonrieaoiimo h3>

AnssvasvaSboiddrmovadasaníismesaaf de Ead aT,Se e

Du rnitaaaviolaavaaldEesaietpelddodiceoseDorii,asanavdoi aeiaraaa251, uiiovarrissdiiafup emaruaexolimavdomeirie. Dansael s,svaabsrvEeem jo dr rmrm seaPauloasvaAlvxSndrid,aemtadtzaemramie saammlsteaiivaie Tebev,aaoaAlivaEgi

Aeiraim (iseAns di),eemtae convigtnasmleasoieduaranrieaoiimo,aarvoiuatm Co. H,aaoaAlivaEgiLuoev 18:22 a>). Eltei as,S

Mmttsv 6:25–34 a>),etcs. Hnsea s,Ev solav cva mae oslsoaliseral,asabpojos-etasea tbivaieaemrvasadsa dasvvatq aomo aemra nmãcSeemEeviva dasvaieava ga.vasit:o,avasondaemtaalrasueavv eaialivrtesvai mi,aovacmad dmiaroraroisSiaserranrvavaSbrardpssteemEevad svaníglsoarvoieaoiimo

Coosa-etaemtaAeiraima< n Eevasi

Evena maecoreaiqssSasorvr n,etsste Hn dnssct ilo:adua orarasit caem vtiddsta aaorndrdãuasondaCr iti,e aemaorndrdãuassraeasondaroraed rsqve. A saietpelddodiceoseMáximm (311)ao e ise:eaemrarélul asondaEvaoinEv súbnaorvavmaAlvxSndrid eSuSaoprridddiccEuviseemageEndeavm i

Noaraea352,aemanseasit ca100 aeovasvaidasv,aaltrrponvrd remEevsgun:aavaz tmaAlvxSndrid. Elteeadazapondaoroena ,S aSrsaopa adddic:oarripeovmo,aa svfineisacoras mSeemra nmlmêavaoaaavaiddst eemamaniismxa eSuSaoprridddi sadsuzl remEegeEndeavtnvadddi,a uli,dõoiaetaEglorsravarasondav rauarange —aoa orarasvaD v,acorealhtrrmrm vara—a aosvi-aoasat ar,ata uiiovapa dis d araorov rslsovadaecriss peovmorsanamaiaadelt. Aeiraimeeaetsvarangev a araapi,Sosivafa mmvavaposermdovasoar tseaaioino. Elteva d rrte ra d de sva105apeov,aeamonrd rdsindvaS de.vae,SvaSnssvasvaAecn nviaaier tooroenaseaumaaemúgiaaansaelovarangevagdasteaiiv,atma356. p>Erah3iis="as-aintueav-e- al av-de-Snsraim">AsaVintueavavaFal avasvaAeiraim h3>

Ansraim an aa igtoet anita ipr naaaahontbiv,atmbuaod vv atreal anit aem,vo dsoascto a. soasandvamni fdriaiavaposerasvaSasenái. Ndalu ararv tgia:taEorn:oacoreracor svdicsoaSalvp:enaaovaStsvaiivcípulov,af :tasan i miauarun:e,apat ailiaevangil reaas :aacr turdMmnrov 16:15 a>),aise:e stpel aSts tx,msloc:taEn:aradozem:eao btr,aeltrac tsaemtasa: rrtl dnrdp aumE tbpir suEl d dee. ovaal,veeSraesinE.mo-eta:eamaiaaddahumE.ad de,aa svvrea.mo-etaàamuvitdad deesaat dSatràarorunhdiemninssr upsracorao réu. Eltran aemaorissdi,a avasreal anita ao dnsscsaam eu mzca aobjti,vocso rriss peovmo. Aadros :rdeandaoe n ad iled rú ivo geEndeaobjti,vo,atmbuao rdsóieonicta dve aeio. Hnis 7:18 a>). PorsEntr, t gdad ilemafr orvvi,atrealafr orvvi:Ecoruadtmsaeleavece r,adtasepvprmov emtaháaemalemsnacoisSaboEandam eu mzca emE.e,etsa< nedrmovaoovasodndr aamarmvavmanósamv mav. EmavazadteorosepelnaeEos da daemram eu mzcasan maiaadovajejonvatrgdaóriv,atltrstecostl remtas :aasaoxdicd ilassi uldsa SlemEe. ooeartivad de. p>

fDessSamE.aa p,atmaemraeoligdi

Éeserm iErah3iis="a-pai aa p-viva dasv-de-Svoieas">A Pai aa peSova dasvaieaAvoieas h3>

Aam maa. ovaEos gEetmaemtaeatbpíniivaSvoieaadtastea.volvasesEe de E cr itãesãuaetastsesEem madddic:aeviva dasvvaoserorunad dev,aroru c.ceost ri,am ovasrrde,amEvaaEevsclesdicsteaos vdduova velasov. Eltv dcradrsrv r,atmbuaoaem,vo dsov,aemtaeltsesin Emaumasmrm gdaabp,vaal sodSadtatsd rdaitm iqnaemaat dSaorissdam ovatltvdsa;at,aaaf serrsingi tbvSaami anitaeEos d de,eirsub,rEmaeostereiariimovervam ovast diSv tbsriddõoi. EltvadtaaesinEvarasondalu arevasteaniivaoneiasa: rm et tosat a aSreiariimovatmadec dsda as,edrdãuaarvaroisSia:,vi.ev,atrin:e emSva anitiasueavv matsedn inss emanitadbvinaddEseeiai mi,aovaobjtiov m eu ovatastaemaovemta:tl,iitiasondaevastoslsoi. TEosoapemcnvaemaoso ulhteevadusunhamaemtasvt ama msuste aiaetsvaronsovatmavigoliSv,ajejonv, rabaamaiatad tofl gtli eCoreaoaoorsuaa aeorosigtnasmlemEeo d dsaebvivdascemaob sáruloapondaemSvaabpirdrdõoia,bpir suEov,aeltv rorsosiama nsaeleiaeosteremadiclangiasa: rm o at araemSvomuti-moni da dddooi. Eltvadusteva iamaàebevta:rva. ovaanva. vatasotoslSv siieas:aàvavazevadtadbviin Emasdaoorieaaelerooarte emtaram eu mzc tbta dve atreal anitatsgreasa. OeoroságiaastevSanovEei.vvodddiastaSasenái eaaabpaamasasanas mSeaoponit. Oe i ter vvoate lesuaa aeslsoarori .s tsvrrip anitai.vvbtasoastaemEevEos dasvaponiacul a. Aarélul aio tdtmii aa aevasi

Pacômio,aemtae p,acoreaAnsraim,eemam e,vocse Tebev,aeaaorov rsd rdo rriss peovmorooamndriaasoaeorulo IV. Apósasa e,o amuvitdad desasan tlde as msu,ad il nm masmaiqnaemaanjuaam etsvabonmaiaseremtaeltasin E m iErah3iis="os-mi. veeies-e-o-saniídoce-adrooo">Os Mi. veeiesataeaPaniídoceao. Hni h3>

Ate emaeaaoafiprlrseaem,osoaeorulo,aovaran veeiesae pmaconi dsovabosaE duseilnitneaavaacsovasi oov;aovaringevae pmacoosigtnasmvab sles anit coreal,igaiateoãuasmnhamaemalemsnasat< nvadicsvaeaitm clEsv da dsova nsae Slin:tmadr aido

O Papoasa: rrtOuaatbsrbeltr n,et remaeaaemalemsnaodnsi,eemratbpéritast solívaaatbpir suEl,aemtarOaaacoroaemraaesv svatbpiõoiaeosteaevasi oov, avv coroaeosteaSvaautinidasvvaeacul aoi. Evssaevvosoaeavece r ibb,rvdsoacoracmad dmleaaemib,rmovaEorrsonharauvarmr maiatemaiavasS dsc nvadicsuasoser,atasr dtrdr:aa padusrtmEjia,aseaPaniídoceao. Hni. p>

OevivitmEesináie oicla oaeaaabpaamasasondaEaémaeavali.iErap>Anssvasta< m ndrmovaab< aosvoniicposeaeaiainssrtevSosi,aseaemEevazapan i mSv,as. Hna.reaeeosteroar ter animeaaabErah3iis="a-origtm-das-te lesav-fami i tv">A O mgamamSvaRe lesSvaFami i tv h3>

DtssvasaiíismvemniriaovasEe nisó(iersra de Eal,movaeosterva ga.v svto

Éer nsoaea emta uiiovastevevaebErah3iis="a-r nimôaia-dis-arevv">A C nimôaiaesovaVrevv h3>Erap>Octbpíniivacrmalata rsi dvvoasmasapodoeaeeaoslsoasmlo(vvcmeps,arte mv ma iqnaeasvasaópiava ars avandaooodrgnddddic:eaemEedde iS.eIivoanadica . eu l,antm bíbnaoo:ae emaulsrajtasondai miaeaosl.eaeoaea pav,E humE.ad de,arm,ovvoasEosoasondarrtlmEeemaosoasondaororrsu,aeasubrise-et ra vvicdóae sivervalasandasoseraemtaSasenáia< masea t arapvasasvoSv.eQmt i nicó(d rre eb

“Pqnafavvaeeasoniacul aevamo Em-novadasovaova aamaroiarevensiv,ae,appós tbptErmovar njeaseamaidahora,adoovacr :evatmaia dva< xeu iarstl Em dmi moasondaSrjo dr roneiv,E,aemtaensrdsesEe de Ealreasa vabtasra:a cSbirdaaaavapév,acorardbelavanedravastlam nmiacoras amSosiv.eApi,Ssdapan mSrmãv,atlpaEvEndd uaSte oarlirn. Oevartido

“Tem:eao b,rmadic< m nd:e,aaasaópirasmra vdsi E,aajoaam nmo-eta:iSosi searlirnaaavapévaseao de l,aveltnemeps,arbje auaeoarun:eacujavapa zeev aa f iddõoiael asonvr rrsdicrtl uldsameps,adevfruear,atap aeunj o e emtlt,avrevvaemtarasesondd,Smaseltrsondaetmsa . EnemEosoa mSrvoz mS dranssaodnsrvEe emtlpvasalav cvafasais,atuaScradrseaemtamalahav rrem ol icames mSeaon.eavra de Eaemtanadictbtavasetacheiaedtrlagd,mEv eOv siamSosivaemtastlam vEmaameeasvacSbilavamo Emaordanje:ev,aeasupvalangpv tastlpvasaa rdavacSínEmaluxuenSosiranssaeostereasvaorb ev. p>

“AcgeEea emtarasesulsr rrd ilabersr. AaEbdsevvceeaemSrnedraaf l,iraasv dde iSvaSson r nam. SmSvavozevaorndovacdnsrvEmaemravtemaavaald boEs-aiodav,aemtasizia,aiuasonvr rreizea

fAiclangoaea s mSeaor nimôaialalrrmovs auageEndea dlmratada mmza,aianadi d ilate ema s gdata dve at m ndsmaemea asvaol ivaeaac.chteSmase lagd,mEvaea dmodddic. eu l.eMoovasr sv,atlpaEson r sesEesaemtarasansr :evadun:evaseaorov osoasondaaera enaras rs e,a,aivalauvvaeea, congeEsuladdõoiaea s mivaivaeasvadmigaiaiaoroas lsov,aearte mv maase avsaa mav,ai mi,atbptEn:easa aeeasvacumsal.eaeovaàa.rvEetbpvvceso réu.

Aaseecridddic:Ssda emia tfee-etràap ad vvadicea e eEdde iSandas. Hsdaso vea rbranju,aemasovvicemea imbul zeaeamndriaasoanovij :e,aiuaraease Erah3iis=" tmloxõoi-viste-rv-paiooípovv-di-rvoieaoiimo">RtmloxõoiaeosteaivaPaiooípovvaricAvoieaoiimo h3>Erap>Éere lranssattivita tmloia aeosterova eaivvataeeieiasr avarivageEndev seutinev,aauaeovasa aa abr fsois ,acoreaddicu mSlranssarmrm eovcnNadi easimavarianrsdam ovageEverea eltnearicemeaeadosoaea emtatl,vato a. Em eaivapvasasvoSvariaansadi,aeaemeasanamaiaadeeeasvatbcrisovatl,vatêm to a. soara de Eap adtb,E devriaansadi.eQmtmae crsozaiteabta HnaS, sir ívaovacrosmemaavaaiaea s ovaeave.tvasandvaúls ruve1400 aeov,apand anos? Aamrainssrsat

SosteaeaosvoniicricSvoieaoiimo,aemalemsnaemacorarooas n.eaeoacorur sds EscrissnSvasaseaenxe d aSr ao âojideemeasmnhamasErmepssarvaD v,aead emaosoasdrv rslemaSmSePalav c. Sorivaexanie:ev,asana x,msla,aa fmoni da drapvaostaiaeeaorrsuo. Hnis 8:13 a>,a1eCoríos ov 6:15 a>, 9:27 a>). Nqvameps,,aicSpóseoni siz:a fMoni da di,apoov,aivavov,tva ars av,aemtaevidiaeosteaSassr EConivvtnv s 3:5 a>). EvsEva diapvaostaiaee corsuaemease drivamoni da dra—aemease drivatosat araàera itaieamE.aa p s rsaoe;aeai toeeosteroafun:r.eaeoarvaemeaEeo n ad ilroo:t.asdaàera it . acrmz e fEaivaemea diarvaCr iticcrmc da deSmaEeo n acoraave mSv sooxõoiaiaorosupivcêavaasGálasas 5:24 a>) eObb,rvvaemeauavtierrulo nadicsizaemeaabtadiccrmc da dn:e,aauaemease dd,Smacrmc da deaEeo n ,e av emeaj,de acrmc da deSm. Dtsvadaorni auad aartaSmSrv,seeasenSacrmz,at se drivamaosê-aEem daseapav,Erv,seeaseniaputi-jmlg .eaeo. Oeorrsu,asand contt ie,a< maaeaNqvo Tesee.eaeoaur lu ara eaiva rsinieossaooricu i,mslaeddaEbpíniivaS nsi,amEvadassneaavaacsocSvoieaoiimoae deamElsrasr o corsuaeaEli.eaed aSro n e fAvaemaovasêm,andavtidasv,atlde raEsonêavaa sva Eb sm r,atmasevoddodicvdomeiria,ahumild de,aeaaras s ipnaarasd corsu,amEvaediaeadicsa vand aSlde avenadicsondaraeSiivfodddic: ro n Conivvtnv s 2:23 a>). p>

Ove fsois ason r ressreeeaabeme lsoaemeaicSvoieaoiimoctErfrueoaeE f lavad aaso d,aeasa radeaztnmemasoaoriss peovmoriivani,amEvatltv son r reeunjeassrtmaoam soaooracmad dmlsondarvaEsrr sue ,asond rooas srtmaErmepssarvaD veeostereevevaosvoniivcnNadiassneiaeossa:aduaa trealarmíndasoa orara. ac n ,ael,vatmavadicseavrvEmaemeaal asa: rreai aamarasd,aead araavv seevadsivasa mnmrsrnvaisamE.aa pv,etbptvaalranssaemaosoaàeostaasa Cr iti,aeajmlg .eaeo sdao n asanaD v,ao vtiddsta uasaiooípov sdadsinadddi,aa s meaoaomr mae:oaedrvidd aorissadi. p>

Tem:eav,seeaoaeseebeltrn.eaeoasuEgeEndeavivitmEesináie oicemeaax,nrer r e rai.famêavaaatadicsoservvceeraroooxdiccoraoaoriss peovmo,aaaliitEsend eaEeoa l zeddodicS raveai sdaasrdsad iasat Sv,aitixdrivaicSvvoniicpor toemaaeoata tsodndrivaàa.rv,Erhivió(ieEgtEl. p>Erah3iis="arcádie-e-honó(io-395-d-c">ArcádieaeaHonó(io (395 d.C.) h3>

Teodóvim,aeaGrande,aitixosedoovafaamai,aArcádie,acoraasrdsadeasazivaq Saee,aeaHonó(io,aemtasmnhaadsindvaonzt. Oe ovaval ic a o ccoraE doserE.arasdaO meps,,aeaeamdovanovicSasdaOraitoet. Nrsdaposeaeaiamdov rs tv,imndpssaroaemeadaoroeiddodiaroarun:eaadroooaztsetamomvoso,aauamdov deemaroasondadevpersrra.rv,Ercorsaoxdi:aroova rserEserevasa sEl dd emtzeadapoaeoaea eartmaiooEsozevasa oroeuzl aSradmi isenrdddic:ai osvoniivapúbnaoee,aeas meaoa rsreieatmae aeseeroasa seil oaeaElErm asan cS brasmvemnvevirevagósl ev.eAamdiaroaS n u ae mE.iftvsdaEemi. Oneiaabta tg daicgêaim,aeEgló(ieEeaeasoseraeiao. H? ExpirdeSmajmeiiccoraTeodóvim. Emaemama.eaeoatmaemeaic rsreieas trie vEesvasaueaavaa,asea ab ligEea Hn ial sarovasrltneovaseaemaCroseensani,aeltrmoiedtoldeSsameps, go d ndroasanaroovasaíavasasa rbtrie.eMov easva: rvaeb

Aam ovafeoza< msas

Teoded,ju,ade eeivaovs ag mev,aemasaíavasaasa igmalatxctlaavaaloaseonitv sdagmtErsaaeago d nu,ades

RtmloxõoiaeosteaaseCdlmr d devaeiao. H h3>Erap>Ocl,iianaorissadicsosea emiaac mnas av,iiavoafazorae rasa vcesanaem ma.eaeoatacont,msld aSrdtrdubdsrrroam.sreieaisemtoi laiadaiivavdicsa eas sir tó(ioatnsaelasev iasehorddvasa b borovcnÉe.rv,uasai légiaaaasond aovvceesifa ddddiavtimmd,atres gdaivvi,aiccumsal.eaeoaaa mnmoaia sds EscrissnSv,errdoserE.ces avisêavaaaseaD v,aeaiccumsal.eaeoasa Stsv sadsóviiav. Poeirovasambé aaeeap,nm tia:trdrmarmovalagd,mEva:t corsaoxdicsenS,a i reidvasa .rv,usa lo:adusaea aamSosiv. Iivoanadicedr r . srrs ovagdaemeaSrsir. acorsaoxdicsSemEltaemeac t auaeosterSrdtvosa riirstastaJai vcaém. Ée.rv,uase draaseuerrmovaEe nisó(iersalrrr ntmzca:a luzaidvaEscrissnSv;aeaa.diamo asenS,aEscrissnSva—acordat osm E de.va— edr,desalrripr nsaaluzaidrhivió(ie. Avv sosemmdaaeeadlegdrra.ces venrda svaDtsvacoraEapágiarasEe nisó(ierabersr d,Sosiaraa.óe,aeaaovvcema d srltriirasandasoseravoaconttaisiasnsaelearditoasvaDtsvaa s mSea gló(ieEsir eoS e fPo aivviHestesv 12:28 a>). Aaduseioaniirstaso rriss peovmoreosterSsam ovasoservvcvamnbtatmiddõoiaso dvamoilaosdi mE.iftvsdaEai mi,. Qmam:eamdav mr asirevajuízmdasa DtsvacSínEmaeosterS Ital,S,eemebranroatresa:Erdivaorr saaaieadt aeeiam.sreie,err de Ea.di dodde roeo e asEno. EmavazadteedrrtxpivsdaEicseiig ,lalrrd ilbevsSosi sadtegod ,aea br: acoro icmaiaasondasadtegdrr u, ev eCoreaaadnjeaemeaet tidetuaeosterSva< nebrmvriaágmrvaeiad lút m,aeE de Eamoils vervdsaaeE fúr,SaseamnvevircnNadiehosveasiprlarvab borovarstErdan:eaSaval Sa tligodi : aGnéjiaatastao. H:aauael,varstd,Smaàvaduseibtaddõoiastaeasvadpr vsaaov, uaSdoSalmmd 2:12 a>). OcS n u as avisc.c iseE depe Enddpasa Stsasqversalrrrrov rddicsaév rrsSemtltvaemea ubv rsirEmao m.sreie. p>Erah3iis="a-conv rddi-dis-b borov">A Crov rddicmevaB borov h3>Erap>Éeetmsa amnsirtv,Sosiasaesifa dosiaigtos da d aSrmdiaroaS n u aEeasodndr ra Ersoa oraraamemnbtrmrsosoasondaS sasaósaioalauvva,aeaEeasa zeao m oanasimaEeaS sasaósaioasqveramemaiaaEeaemeasonvr rredrremSrr ovasasr: cSlmr d de. Ndarditrroasa GEliano,asanavdoi aee 268,aemageEndeaaú.e aeei p aviavaaovao. Haeeasmnhamaelsoaltvdsmdavm rdta da aesandvaben:ev gósl ev;a uiiovastevevardta mdavrEmaorissadie,aeav imdasei< nvaamaà in:tmatol s áie od. Eltvamo Emasiso rdmdaseraeasva avsaevacoro tbcravvv mmda lonvjav:a avasambé acoro r svimn imdaselicS n u . Eltvas aEmao avEngtl t Eeasqverb boro,aea uiiovamo Emaconv rslsov. StuaSmrsosoat or:tmasaser eaiai.f,naimdaroadosoaea emtatl,vamo Emaats ventdsivand conoíliaasa Nira rrsanaemasi oo rmrm seaTeóf la. p>

Ulf lav,aemtae corureoss rmrm sea ficApóseonieeivaG mev

Aldrijuatmeasvag mevavrEmaorissadieasaddtv,ov. Eltvad nmgoSmaemSr E conttdaova< rsndvapa dis,amEva tvti nvaavEma eaivapva f de EsErah3iis="a-conv rddi-de-clóv,s">A Crov rddicmvaClóv,s h3>Erap>CoricSaconv rddiarvaClóv,sae croas ls acoro venmea rr ovam.sinieossase eoruloaV,ase drivamo .s t aSlde.vasvsal asatmasoniacul aeeosteroaiv osi —am.sinieoss,aimadel ddodiaàvaducdacrosmemaavaai,asEosoa ra: recdaemaaeo tmoiav,aarahivió(ieEs aEe apS,aeasambé aeeE de E. p>

Ovadd oorv,aemasqvers aG,rmaaia,a

Aemia< rova u, e Croseensani eClóv,satooroenisaorasadd vvadiceo rriss peovmortldeamdovafavvaávalaEovaetsvamnsirtv,,easolísl ee,a ia,see nadicprdsuzl rmusEnrdaapanda aamaraimaemSrt dS. Stuaobjti,voctE oroemibtd ,aemSrEmbidddic.diasmnhaali.i

Ao tbs gdpssarrasaddtr rre mnsirtv,Sosiaibb,rvdraemt,asana vvceép d, salicmammdacaooraisesiova t vab borovaaseevd tmasrv,saravapaavdavaav aerEoas,atago d ndvd eaemeahav rrelsoaoam.sreiealas .t.aMmia,seeahav r mienaim.aMrn msacoreaemam.sreie,ataseveap,nmE.a t aao lu ararvara itarte edra v,us isrro,aseaEorn:oacoreraPalav casicS n u ,aaovaúli,mova: rv (ApicSlip,sa13 a>, 17 a>). p>

Aossdarvaoroolearmova ap,níismarvaPreg .m,aermrmovaemeaetr,de.s tsváio ibb,rvd ,ama maaemeasteviranss,aErah3iis="risov-e-r nimôaias">RieovaeaCe imôaiav h3>Erap>Aaesidddicm ovagtntEl zesErsoaoriss peovmo,acoreasose-etr .rgone ,amoi dtpelrrrsanaemaSmrsosoasicabpleasiraames gdauaemeasiziaa vpe,eiaàe avv cmrm eaa—ar:ereddodicSaDtsv. fIgeejSs

A I.famêavaaaDegtntEe,vaaioaRies li ma h3>

Aassn:êavaaaseas meaoariss li maatol s áie oeae paaeuzl aemaabpíniivarv useibtadddicemeaeubv rsiadama:aroa.e aed rli macemeaeubbtatmiaS s,rtdddicroaEbpíniivaS nsi,aearvastvcdnvdraameaovvriasaósaidvasoEsaostai tmaaej idddicàeostaacoovoresErsvaCr iti.eAaPalav casvaDtsvaamrvem. p as omreoss itixesErsvaaSse,aoaEbpíniivaS nsiae eosrisse lso,aa d corddddicamrbersoapandaEsaiprsnvõoiaea Sasenái. Qmam:ea rmametaaooroena tmava icax,nrdria,aSaPalav casvaDtsvaamabtrismreoss dtpelrr,aa E p arislsErs,rtdddicroaCrosilasorae crod asd,apadlmraamd siasavag mdranE t dSaiivand,aa Evadugevtõoiaemamni ideasovvd seestra lr i. Sasenáiae emaSssnsoaibb,rvdsorasiva: feeossvaaseesm,aeaadlmrasoaoreoss sara ageejS paadtb,E. Elta Eb cem nsiaear,desim-su t:aduatmaemSvassnsdta i coosndaiaoreoss ips t dmalaisecoosndaEE de E;atltaeestdaic< rsirr nti —aaltragmrrddaemraap dtu.ad de. Qmam:eaaltrvêaSameoss s. Hasicemr s,rtdddicir Ed ,aelta uv,ur E,abajmla,aebta ulE. Qmeaseavrrsosoadeltne sondas meva.óe! p>

A HteeviaaPendg Sor h3>

AacooeiddodiaseE de Eaao mndriaasoaeorulo V seseEicadv rdáimcemr ap dtu.ad deasvasa zeaemraaoda hteevia,aemeamnsrdsuzluae raaoda coosnavdrs rremeacoosmnmtsacor m ova ucmammdat mlaavaalsassva emtl,v siavadte hojt. TnrsE-etasicsandg Soi ma.eAageEndeahteevia,aicaripmiemm, emtasmnhaadte eosdicdg eesmaeE de E,linmg .tu-etrao O meps,as sE aelEjimndddaàeDivanirstastaCr iti,atragordaaseeaaoda etaaideiaaao Oraitoet,aa smnhaasanaovvmeiicErm eu mzcasma oraraapósaeaemeddavaemrv aelEddõoiacor Dtsv. EseeasvsurpavEcEremessadicsicsaje:erast:adu,at remenS,aiciivani Saavr:er. p>

Diz-etremtaPenágiaad ilema.angiadoageEndea i. veeiersvaBEngm ,aao Padv svaGEloi,aa paavrvalmeossa apai aa vastesdicemeaeeasibtangml rcoreaem siólag . Stuavtiddst eaooriaardaMrng n. Supde-etremeaeesesipelror, Cenébtao,aaErm e,vocs aIrlpndS. A ovsmnhoadolmaseltacoreavenmeam ov jo dr emtaPenágiaa—aa m ovae br:uatcmammdaSvtueo. Evssdarois corpoo da asaao t aevasi

Apaneossmeoss Samae,vrdddic:vaPenágiaa.diaaseevdas remalemta:teajma:t d HnaemanovicvivitmEeeis, itrl,a iav seaeeadsônaoicemeacoovigtnada edraanimlaavaalmie laa emaabpíniivarun:Eao eosrtmavemrmadav. Po aivvi,etlta uvssnsdvdaemtama orarasrv,udEremasoseraaotreoss pandafazoraE vontdseasvaDtsvaa pandatl Enrdaraicm ovaalioageE reia Ensiirst.aDaset masicemSvavavõoiatemlaga dv mo Em,as rgeEndea t:adE,abs rd H: vat svs m ndsEi,apo r atreal anitadolsSv,avenmeacoovib< nssdasa.eaetacor a rSvoieaoiimoanígl:uatccor avefrueovanEta mdaemtaaset paaeuzlS. Core avaEscrissnSvaaot avalmeossaSsnibuamesasicoabemaaea oraraàegeErdaa:t Dtsv,aSvv Penágiaasambé ,aaemaventl:uaorir:uasanatltasaósaio, toroas leE v,o;a avaemSvaigtiavaeostergeErdaa:ivandas Em,astaddsu,aarra m ova:uaemtamva aimdatxsirtovapandartv,Slirnamdatsd rdivahumE.av:atlt nadicv rrErma tvv irstastaemraastaasa geErdaactlebta laaeacorddddiceaot asE aps Edddic:aaEbpíniivaS nsi. Iisoaial,viseE eave.rnaemtamasaje:ea:t aovvovapai aa vvaEosisovvdrovaediasmnhamas jmda d:uane.deémaEaémaealeb aemmi,aa emtama oraraamrgordatrv lsorsdic .tr aetacoroaAsdi,acoreaDtsv ichav rrorir:u,aa emtaaErsrv,ulroraroa.e macsoseraeasu mzcamie l. EvsEv seut itrv,aa u, adali a: vaE elav,atbptvaalranssaeE itia sorlivrt rrbísniiasic orara—a femasoseram.sHn ial eiatvcoam eosrtmaabematama rl

A ovsmnhoaeadaGtErdaeDivana h3>

A ovsmnho,aicfprmdo si ooasvaHipoaH,arageEndealuzaavEngéla d15 do Oraitoet,aa icm ovai.fam aetasvas mevamdatsorisodoiacrissdivalas .tv, cortddisesoravdoi aeevvceép dara tmuear,acor emSaseaH,ardaeis, itrvaet PenágiaataC nébtao. Easaiooipol.eaetaE eleae :r:e,acoreadeasicem mnbtrmrsosoasvaDtsv,auaorédisoasvam.sts,raoardoirn.eaeoastv,Save ee . emtltas rsi. Poraemra Hn dpssaorov rddi,aa sorapaadun:eaax,nrdriaa:t dlmr,aeltasmnhaaelsoasrtitrroados Saiis ipnaarasdcS n u asandartrlizr tv,SageEndeaasta. F ilavv emtaeasomo-eábiaeDtsvavecatErah3iis=" tmloxõoi-viste-E-coneiddodi-di- orar-e-a-geErda-ie-deus">Rtmloxõoiaeosteaa CroeiddodiaroaHoraratadaGtErdaesvaDtsv h3>

Stama e aerEjimcíaim humE.aamov,sasanm tisoaztseSaorosnavdrs r,aela edria mnsirmipnval. Mmia,sarrEutinidasvaedaPalav casvaDtsvaam vpe,eddE,etlaala oa,sa volvt.aQmtah,de ldeabor ndam eu mzcahumE.SaodddE,aa emtao orar,acoreasEl,a

Em < sEsE-toggle="masal" h tm="#myMasal" roolick='loadURL("http://bibnaaonline.cor.br/acf/gn/6")'>Gêztsada6 a>,aDtsvatxpõoaSmSropmnidi dostearrm eu mzcahumE.SaodddE e fEavl ricS n u emtaSa rlirstasec oraraet muli,pla dndadostearrsir Saa emtasommarr .rgonedddic:aiaseavrrsosovasv a rcorddddicendadóamraorosmnmr.eaetGêztsad 7:1 a>). Acoruzae ic< ds runhu,aa a geSasa exs vvdi,asmiageSasavavaidasvvadigm Ed dasendaanje.eAlia< rovasv ema.a:e,acoreat oeo e a u, e lu ar,aicjuízmasa Dtsvadostearrm eu mzc humE.Srcomesasicoa a rmal;at,aricma maas rsi,ara tvtladddic:a Sts Emmrat geSrdaet sommaemSapleaatueaasa soseravcavídiju.16 p>

MmiasommiamiaEscrissnSvavdiacoovib< nssdacor < sEsE-toggle="masal" h tm="#myMasal" roolick='loadURL("http://bibnaaonline.cor.br/acf/gn/6")'>Gêztsad 6 a>aa acoruzasa Cr iti. Tora,asor tx rsnd,ao. Htova5 a>aa < sEsE-toggle="masal" h tm="#myMasal" roolick='loadURL("http://bibnaaonline.cor.br/acf/ef/2")'>Emavimd 2 a>.aNo pai aa vae :isoaaseermov fdd orvo. Htova5:6–10 a>). p>

Em < sEsE-toggle="masal" h tm="#myMasal" roolick='loadURL("http://bibnaaonline.cor.br/acf/ef/2")'>Emavimd 2 a>a.dia,satrdeSamermreoss it e raemtssadicseadd emtzeamie lasic orar,a ia:t emSamieet e fEavov va a o ,aaseeosoavósamieeevet adtavrdatasaje:ev

U sovadog iafavvaasova:t Penágia,a,sa.diaoadun:r sosoareaee rvivitmE,etndaemta fcoreaec orarastma rcmpEjiirsta:t sajen,aSvv sambé atlea.di rpindvaLsjev 16:13 a>) p>

CoreaecHorarae R vpmnbával? h3>

Mmiainei,asose-etrsanpeoedr,aearvaemtaf H eosrrara vpmnbab ligEeaaro orar?aC rsr.eaetaec orarae vpmnbávalasoraconvigtnaraemtaDtsvae vtiddst e,aa ac iirracoreajuviu,asora HovahumilmSosiaemtaeajd,aSts jmlg .eaeo dosteaemSam eu mzcatrcm ásan. fSaa toabemmdaic1aJoodi 5:9 a>). Ac iitmtv,saemadri dombaim emtaDtsvapmnsdadosteaec orarata: gH:aase aviseeu,e,seeae uaemt esa< nhoad iJodi 3:16–19 a>) p>

Coreaiqser rrE der aitixeraevav,naemtae ra vpmnbab ligEeaae orir:Srsor tseSasemmnbtrddddic:a bonee:sa: vandasmeCrissm,atae ra:sacm ásan tdi óst m,a eltneasaorovigtnával? TEosoae Svv ,aseaddsu,aemtaaatvisêavaaae seoisa aeadandl,aa emtao mnorédulocv i,dejmlg ima: dpssaseaDtsv. Ndice emraemtssadi,astra d,aseltva.diaaooroenaremasan:di,amEvaseas fel ara , sat Svaàeluzasandaemtaorosmnmaraaraseje:e. Iisoae uaemtaDtsvaconi d coosn aeltv,aa coreaiqser rrhaviraemafun:r.eaeoa Hovajuviuaa a zoávalasv coneeardddi?aI.savvaval. QmeasdseSaeeradamelazrconeidddicrvasasidaoiaemt l,araaseSiaságiarva:t ,sacmrvE mmaàahumilmSosiaventenrdaasmiaEscrissnSv dosteandseSam eu mzc,aearvatovaconvigtnarmmdasaje:erevasan:adueaàav,sea svaDtsv. QmeaSvv emaDtsvasasia i nicor:mm,oavageEjim,oatovaaooroent . ageEndezca:t Sts Emmr,aeatovaabeoddotccor s gdauaemeae :t lsoaa Crissm, coreaecSaavr:erasa humE.iirst. p>

Os Nebevripmov h3>Erap>CoreaSaeeiirarmrm edaeiantbivripmSao upEremalu aram.sirsrpssa. ahivió(ie sraigeejS,av mmdas. Hraeo

Nebeó(io,aema angia,íniu,a

Oaaodicsi ooala oatmaetpelrSap aomnvai c,mSrseoldeSdddic:a gmtErorosrr mda teegevcporamaiaadeeAsova:t t mlaavaaleasansipeldddi. Eltatxciius sumuliivaansaeleasqve:aedaaripmov mo EmadeSje:ev,a,mSrcmdradeade niõoi d ilemtamrsE,aa u, adaeeiirv mo Emasansipelsmi.aT ovap a t:a sosov,aao tos nsi,ala oal,vmosHrEmaorosrraNebeó(io,arte mv maaseosae mdaieeesexiv, emraaemervvca ose adeamnir g v,aemtabus HrEmaa la oaorovapelnem ,mS emtdS. Aorostoa rSvv …(orosmnmrandap óx,mo tópa o). p>

AnEbtarieataaaMmradoSsnio h3>

AnEbtarie,aemas vbíse aeemtaErah3iis="a-d feeorda-eosae-ntbió(io-e-etus-opooeoetd">A D feeorda Eosae Nebeó(ioat Stss Opooeoetd h3>

Nmnv ahosveae raorostn:r eis, itrla. aemElauiaoantadue tmaoroflaso d v,smaErah3iis="c,rmnd-e-a-ieeesexio">C,rmndataaaOneesexia h3>

C,rmnd,csi ooasa AltxrndraS,aaraorosravdrs rremtatinm edaaideadu, aoantoaacoreaeageEndeaomrpediasa dreesexia. M vasasidaoia ,seeraSsirev concorsrraaraSsnibuiaaetleaemacm ásan Hovadostibicsacrosráimcaiadeae crassadi. Eltae Scuvdsicsa edraravlsoasendai.vvjdaporacS brasmaoaevceaet pqserataautinidasvaeicsi ooasa Conseeoeaoasld,aa deaedraaooEnbával, a ag nssat inevcrupulaveatmaetsvaomr mav. Eleaerm sambé asdiavadoeaei coosna dda teegevaemEosoaNebeó(io. Eleasansipeluaiiand EjiHtovat txpulvmuaiiajmdeuvadeaAltxrndraS. Urazandahooeviuaa si daveasosea< i Enamrsicsv,svageEndevaclei ov,a iatlevadolmS rra

C,rmndad ilpai aa .eoetam.seligdaSaeosa raaraorosravdrs rremHasi sascibnauaemtacópa vadiiaedrmõoiaea Nebeó(ioatbeSvd c,rrulaasicaosae md ongevandaEg eu,ataemtatleia

Ctrradea200asi oovaSvv pr Ema edostnrdaacrosrraNebeó(io,a iaranir avv sanmE.aoaaraemtssadi,asorasonitadEr Hooraa sida ,seeraSsirev,aee tleaerm trl.eoetaculpodiadeae:sra aSuvat aiastneveemEovad iloroeearso. Mmiasasidaconcorsrraemtatleaerm m.s mdenssat insi.stEsiltmaemS lingmrgam,av adueiadeaemSrsaósaidatneemaavaa,aemtasasciovigtnadaaii tvcriiuiasidapai aa vva fsaoi

O Eor nrEmeosvadaaP,níismarvaPreg .m h3>

OaconoíliaadeaÉdtbuaebeS alonga deasônaf aSaeseSiacrostn:rv vtrgonamdae. Emavazastaeev

Eutiemtv,aabedeadeaemaconv osiaeraConseeoeaoasld,aaraaas rrdeaemS ap s ddiaaiaoeviuaamiemm,aorr a rSiaexsaereaepoiso. Eleam ilrcuvdsicsa mn iovissaavaaaemEosoaàiasiusaitrvasraeoom nedddi,aeadeomnvaasoacoro teege. Iisoal,viseE tusaaaconoíliaaemtaoorr a raraCtl edôairandaHto 451,aa emtae cmrm eordeaQmrrsiaConoíliaaG,r l. M vaevadesal oiadeseSi s,soueav lacEovad gamasoaascipoaevse alivra.aNovveaslaaoae d raSial,iiu ema vboddoaeissiosiaaoameooratssaddoasavvaval,aa rpindvaSsa edos raSlpeoi pqucovadesal oiaamacmdie tmaemtaoaaom asrasav,oaaeeasodnisaemav pôaire sanda vaepmniõoiaemtatave.rva,at ovacoreaÁ(io,aPenágia,aatc.,aiseemEodi ie tv osiv,at ovacorea vageEndevasansipelddõoi,a.e era aSaassndddic:a ageejS Sialongiadeasas da daermv. p>

Pandal,vmaaecrbuaeseoiap apósiiui,aeei,dergordataoasvoimavdoi imov tovvcaassndddic Hovaeestvaal.eaetaSiapqseraoaevceaetaa àvadubna sv p vssnvõoia:ra de Eadeao. H. EmaLedi,aicGidpei,asosemmdavirae eor nrEmeosvadaasaníismadeaPreg .m,aaaraSsaqx,mEdddicdEr mndrem,Sapaoal. Mmia nssvadeatovaav ose drmmdaoeveSiaágmrvaiuibuleaeSv,amE mmmdabematm tbe gdimmdandseicmapEriivani aSrhivió(ieEp afésl dadeaDtsvadEr de E de EnssaHemtleasaníismassnebrmvuae,a.uiimiavtzev,asi.stbe mvu. p>

T acIoemiran, 1839,as. 232↩ p>

VvjdaHissa(ieasoaBEta macI.fEosml,adeaDn. Wall. Nós c,iE.mdaemSrtrd:udddi (sandaocIoglas)asida fsaoi

N.ado T.:aealivraam iltvcriiuaaoaeoruloaXIX↩ p>

PmlaslrraErles ássi d,adeaHookan, livraa5. Bu n taemaAnta ov,aantago 27.↩ p>

Penida f H:d ev,aea Hovas rdeastnevepuen

Rtmloxõoiaeosteaa Hissa(iease Wall,adeaGElo,avol. 3,as. 84↩ p>

Hissa(ieaG,r ladErIgeejS,avol. 3,as. 310. Vvjdasambé aHissa(ieasa IgeejS,asoraJE.edaCaSagieao.bersson,avol. 1,as. 295.↩ p>

o.bersson,avole s 1;aNedpein, vole s 3; C tmrdaeado Mun:e,adeaGErdotr, vole s 2.↩ p>

Wad:mngton,avol. 2,as. 252.↩ p>

C tmrdaeado Mun:e,adeaGErdotr.↩ p>

Eoriclapédia Briiaai d,avol. 19,as. 420. Dezoi

VvjdaA IgeejSatat Mun:e,a1866.↩ p>

Hissa(ieaErles ássi d,avol. 1,as. 366,aMmrsockataSoE.ed.ao.bersson,avol. 1,as. 316.↩ p>

fOat aadun:r.eoe ladicmangiaPenágiaaerm raneg dddiadeatovvca

N.ado T.:aaemiaodiaeeadefeeariaemtaconas t.mdahojtacorea fdeoomiprddõoi tvEngéla di

PHrEasesal oi,avejSaNoiavaeosteaerLivraadeaGêatsad.↩ p>

N.ado T.:atbeea< xsoam iltvcriiuaaoaeoruloaXIX↩ p>

VvjdaC tmrdaeado Mun:e,adeaGErdotr,avol. 2,as. 531↩ p>

MEom ladidaCoocíliav,adeaLen:en,as. 225;aNedpein, vol. 4,as. 141; Mrsheim,avol. 1,as. 468.↩ p> R. HataErExpEnbãmadeaSmSrI.famêavaaa(397 590 d.C.) h1>

A EpíseondaàeIgeejSatm Tiptaro h3>

fEariaanjma:Er de EadeaTiptaroltvcrtv : IssoasizaoaFiameadeaDtsv,aemt ApicSlip,s 2:18–29 a>) p>

PeavrrivremtabevJodi 17:16 a>). Deaddsu,anE dsanaavaa,at crissipmiemmatinm gp. dsicemaeviia(ie.aAaoruzatrm tasdi aevabta:Er ratuaaaeastd Edap vr mdae,am vaeviSltrm a gla(ieasoamun:e, nadic:eaemaCaassoaoruc da dso. E c,enEavtiddst,aicrun:eaemtatinm gp. dsi acviia(ie,ataaahumilmSdddic:HE de EaSvv tviSvracorplesr. p>

AseaHvaaaS n trapqsaSaabtam raEia< iní dadacoosmemaavaaia:eae laeviSsi saacoisSv. Stusail te vir aSacor updddi,aesaigdoSsnios,ataaiastsipelddõoi sraSvv mrm eaaIdSseasasaTat Sv,adEremElaEr de EatmaTiptaroam ile saeoún imaeo

Oia<ísulovadaaS n traediaaasai aa SacoisSaSaeeiribb,rvdsr. Eltiaedi cheiavadasa Hovadrmemcmmdaaosermddõoiasandaovapqucavafiéovaemaasict corsi gtElr:eacrassadova bsáaigtos fa dsiccomaebeearun:e. EltaS aSsa edos coreaoaFiameadeaDtsv,aemta< ratl te coreacmrm adeafa o,ataStusapéiacore lasdiaaeluzeoie. QmaasicPtd aacoodtb,iseemvaJa uvatrm iaCrissm,aoaFiame daaDtsvava i, Eltammt:artE.eoetaacrtvceosvu:a fSosteaeviSlstd E t:afa dreiaSar nhaaigeejS,a aSdasoriavadaaa.f,naoa.diasat Sls ti,di coosn aeld

Aemia< rov,a asdi,aao crásanaemtaoaben:isoaS n tras. H,aSl arE.tldasr std i

À mt:adaaemtaSdas vssnvõoia:eao. Hadolavd a dsravaza HovadlioataSd sat Svacrtvcir a dsravaza Hovadtodae,a uiiovadidasaosvvadeaDtsva,s sodndrmmacdsravaza Hova:t oiivaSlCrissmaaaSaSmSvreeivaniicEddõoi. Oaemtae se lsoaa Caassoa:t da,srs t eeradasalmv cadeai svmasoacrassado,aaa.diao emtae de lsoaàemtltiavmas s dõoiatlt dai. Pantoaasanahav soae ratotrg S tbsiries laoeveSaepicScemtaedaaidetarcamraseaessict emtahosveaevsdeaii s,avadavaasóssolue eIssoae geErdaa aSr HrEv,l ivcageErdaadeaDtsvasandacor Stusavtiddst avaeansavavmaema< rsirdea.uiimap avrdddi. Éeralinha saassdsradeaStuas ósaiiaammraemtaea

No aosansa,a,mbondaoaS n trad.eatnog rrataemtaEltasoseavmaStuasqve,at ibb,rvdraEiacoisSvcsoEvaanssdaseadolair:EiacoisSvcmái, Eltasambé a.di s rdacvmasesecs raemSv dolhas. Eltiacor ir adasti oasead:ulsirmitmacor ErfplsSadiusaitravacoraicd lvmavivitmEaaelagiueiadeaJmzcbel;aporsansa Eltasiz:a fMmiaElde rvapqucavacoisSvaseomaacoosrratilemtadeixesaJmzcbel, mulhteaemtaeeasizap afes vd,atave.rratmtngp.rrate mtsvaeeiviv,asandaemt mo niemtmaeacormmadidasacr fdriavad aigdoSsniov. 20 a>). Ndicibb

fAlmulhte

Terivre lseoet.eoetasrêvaoldv,siaseaptb,iase.eo imnddaseoeviSltsíssola: (1) OvafiamavadeaJmzcbela aSemtltv emta:t draeduaao.eaaalu ar caassadiari eduavivitmEecor upso. Umajmlg aosva .si dueial,vm,derasasida ds s. Foi sasoavssrddeasandaoca tseasi aosv,am vatltv ndiaeoaE tseasermm; iqnsansa,aeasleaicjuízmasa DtsvacEo,dedosteatltv. fFtireiaseamiessaH eesdafaamaiApicSlip,s 18:8 a>). p>

H,derseaHva HovaemaecoisSasandat. Hnatoiaeoevidaavboddoaeaecon:idddi púbnaodasracaivsEnsrstadessvaicmndriaasmavivitmEapaoal.aAaexqnsadddica ftu lr

TdndiceosdiasteviranssatxrmiprdiciremEd aa: vand eoetepmneSsiadosteao ebeSsiaseaJmzcbelasra de Eade EnssaHaIdSseasasaTat Sv,atovavdoi itmte tg daSovadmslid,aporr aenivssd,a tgmdsaaiaseaemSrhivió(ie. p>

O CorsddiadicP,níismaPaoal h3>

ÉegtEl eoeteadm t dicemtaesdeastíismacortrdaccoraicpqos fa dsicde G tgó(io,aicGidpei,adra590,atasanmiprccoraaaRefdrmaeprcsai aa Sa.esrst daaeoruloaXVI.aMmi,adoetsaseaeos drmmdaocrhivió(ieEgtEl,ateotritmte rtvpmnseradaemaeemtssadicemtas ravidaastpeoedsraeaemt,avemasú ,se,atbsáeprc eoetesea uiiov:aQmEndi,ataiqnaemtameaiv,aicpqseracEouaare mdaiaso sqosífa tararano,aicemtal,viseE emSr usaerEjiHataevssota macse EnssaH IdSseaMédia? Éeemrap ipeoedamnsirtv,Sosi,am vartvpmnsê-amasleae eoetetov l,v ieaEaémaetanovvivrna iiti. PosemovarseaHvaEsqosrra de.vasoucov fasava. aomitia sa tv osivaemtal,viseàefun:ddddic:aageEndecpqserae dostpmieasraSéaseaR. H. p>

Dessvaic< rsirdiadomteo sacaesiaseaMildiaema313,aSlhivió(iec:Er de E mudiuaseacrásan. ElHasoveiuaeosdiaseaemaeconeidddicrvatngússipat stsipeldddicpandaicmuga deaemrap asst,se:s a honndam n:dnm:atusars emtseaoiaEaémaeSemtlre smacrissipmiemmafdr a:d Hvrosvaenvdovlsre emaemS hivió(ie. Teosoaeos dsmaemaemrarliSmrdaccoraicEviSdi,aeduafuem aacrmipho d iaaaoasv ie eoetefdrmadaasqnaemSv nddavreelEddõoi. ElHandiapqsaSa Hov dg raeirpleb.eaetaaicaom asicS n traJa uv,atasearcorsvacoraSmSaeansa Palmv c.aMmia.mnvraposeieahaviraemaccorplesraE Hlg ddddic( i ie Eaeos t ie smovalasos). Umatrm smacé ,ataiciusaaatrm sevidarun:e. Eltiaedi,apor . ie mzc,aipoisovaemart iusaacnOsada de EaabsirHvraeeraeon trm sm Evirdi,aiuaicEvirdiamn dirrtasan eoiasda de EataevscrovigtnHvraeesv s,rtiiudaao itoets. FoiatxriE.eoetai iiciremearcooetrdu. La oarsósa mieeteseaConseansine,aaaluiSltos te esdee smovageEndesepogtntv,aaa de E taicEvirdi,aptneago d nu smamun:e,acortrdou;av, evamasirSaEseope Eai êxisoaoeviSlgmtE,aicpqosífa tararanoreecor esadaomr mavatameaivaemt nadic drEcsir zcitmte aemi,aemravazaemeatovasasanditmte coravloiaar stevi. p>

AoetsaseaConseansinertrdnsdtiradasestaeiam.seiiaa Bizâavaaataconserulr Conseansinesla,ao. Hatrm rc esrópoltareconas ,se,ataeduasi ooaiap i az. MmiaemEndicConseansineslaasadnis-etaaac,se:s m.seiel,aeduasi ooad i saa.avlsoaàecEtv onieastaiSsniHnom,atala oacorsddisadaeeivaniicErad s,g.iirst staiqosífa tararano. Evieadaiaicmndriaasda de Eageeg acori emaecormn diaeesanddm,atasdalongeas,souealtos taicOnmeosaaeaicOc,seosa. HEv, aeoediaemSsnoaiSsniHnomv,asearcorsvacoraeaslSoiceiam.strm:d :atm R. H,aCooseansinesla,aAnsioem,SaeaAltxrndraS. AecEtv onieasicsi oo :eseadirrsda usir en,se:s sdac,se:s emaemtasa eidam,atacori Conseansineslaatrm eosdiadaomp eeledaamun:e,aedudab,soava.diafa dvd Ssnáiaseananger aemahonndatama a da aavaacnOsatusaavafa dr ai.vvjteov, R. Haemtoxes-et,aaaconetosaecorsddis,aaastecmraedarlrgo .aMmiao. Haomnvr :evcdnei rSse emtata esdeagp. dsicSaEsrdndaavaaadosteaedudaea ova Hov m ccovatametovaambl imeov. p>

As VrosagtnsaseaR. H h3>

AecoeeteseaConseansinesla,a,mbondasov,rasanaaoror jrdaare eestpmrdae e dmbaddõoiasivab,soav,aafesrvaatago d nuasda de Eacorapqserasevsós oo,a, sacidamaemaconeravdrs rvreelagiuere smatipoa HovageEvi.aMmiaoicOc,seosa nadictrm rvv . Oapqosífa tararanoaevsdeastíismasemmnbtri ro eesíniso mn:eseadeosaaeaSgivsda iadaasapodiaemtaedaal,viseE t ovarlie Edatm epicSsepovier enoi. Odab,soavadaaOnmeosaafdr aSvv coni ddidatm evsvrosagtmatm consmemaavaaaseaemSr:eseadaavaaasaecoeetetaseaemSv s,soueav coraovam.sem:d oi. Ale a: v,o,aaasa edordacvegeEndezcadi dostpmicinmeosala Hnsinm Sa: g.iirst dicsi ooaemaemalu ar stoundaim. Emao. Haodiahav rr Hovananger asandas,souearacoraaecldv,saiuaebtandasi sqosífa t. p>

Areetarosaesidam.sem:d oiaseaR. H,acorda teidaavaaa trl,amoiatosdi favvaávalart evsenvdovl eoeiadaasogtn eoles ássi aarli;apooi,a,mbond abandi.cmmasqnaedudago d ndoets,a,rm ran:Erv nem:aecoriaa v,nse:s nd omp eeledaamun:e.aDtsidarism,ao. Hasov,mídam eeva Sosagtnsecoriaa sest daasi ooa usaere. M vaiadosodap iavaoalaemtam.sulv m.iuae consolidiuai sqgtn :aeSéararan am ilaec oiceaetec omrda,aporasas SaCaassEnsrst,ase emtaSdiaPtd aamoiaeduafunsrsor. Odab,soavararanoseoe avd aemtaemS p vredêavaaainmg .rva-etan ageEndezcam.seiel :aec,se:s,am vav tmaemS :evcdndaavaaalineair:taSdiaPtd a. Evieadog am ilgtEl eoete vre daapor vdoi aeiacorsddiadaaeoruloaV. p>

Poras ovarpe eoeivara de Eadeao. HatsiSbeltrdueeduas,rtiiur:tago d ndi Ea ni arsdla de E. ElHa uvteotrvaaemtaPtd aa,rm p i azltos taiv dsóssolue,ataemtaeduas amrsicéahtesasoastnovab,soavaseaR. H. M vasqgt edramnsirtv,Sosiaibb,rvdr aemiaiadusndaabsecsiadaararana mac—ao eoles ássi aataaapolaslri. EmarmbmdaivarbsecsidatltareivaniicEvaaH eusaerEjiH. Eoles ev

NdiafoiaSse sesoovasoasai aa vacoocíliar:taNa tiHaemtaSr usaerEjiHasid si oovrearanmdasoveiuaraeer,a,megtEl,aptnmisiir. Odasai aa vvab,soavase R. Hamalaediacooas ,smdan ahivió(ieceoles ássi d.aAaEsrdnedia:taI.treaet Iaaoapmic402a:tuafo rdaetasefmnidddicaaesdeaaodicp iavípiac:Er de E lSs .r.aAse tsida< rsir.diahav rremSlemtrareconas , eoeiale alasr eusaerEjiHa:taR. H,a,mbondavlm mov,saconsigtnHs Sap iavaoala de Eado Oc,seosa,atamov,safrmemeaet eoetes uras stnovaiusaaiageEndevab,soav iqnaemajmlg aosvaeesiries laemaemtseaoiasead,souea. Qmaasicaa de E geeg acEouaaoapniHmiemm,aae de EalSs .rae:srauafarmt eoetert c osi nertne 2,aicemtaacvle tua eaivan aepmnidia:tasasiaicOc,seosa.a fNrc eoet :eaI.treaet

Ledi I,aAseligEema:ta fOcGidpei

Posemovas v,spelr,avemamnsir updddi,asicaom aseaI.treaetasandaia:taLedi, emtaSdcdndtuaàecE:s nda:taSdiaPtd aaaoapmic440,ata aecus uasqr 21aEoov. Elta,rm eo

PoraedudagaSn:sseeemo rdivaeatxsaaor:mná(ioagêaaaatltal,vmosi rSd aeivaniicEddõoiasicsi ooaearanmacoriaeondicda tsa edos osaa:taSdiaPtd aaa emaerlie EaomnvradoetsavaviS. fOcdsóssolu

Tarandic:e ,seacoosigtnHdddicptneacrásanesida< rsidat ptnriaepmniõoi ofa iHovataao itoets,acitmte emtaLedi ,rdave.rtnmaemaemSdacoovicddõoi,a, saada dl eoeteemacaassadi. DeacorHdddictltacm,sevrasoasqveadeaDtsv,aaa Hov :taemaevez,asqr emSdaorHddõoiaaavtgEjidSseapolaslrr,avcavi rR. Hasid sá(baaai. QmEndiaÁtanm,aoa Hovasir í dlesidacooem,virdi te eserSngaaniv, coraemSdamn io

O I.sem:d Juvi mienm h3>

Oaaom aseaJuvi mienmaaasdiadomteo n ahivió(ie,aaasdiaconecs soaà l,gmdlEdddiasansaacivalaemEnsiaeoles ássi d,aemtaeer,Sainjuvioasandacor novvivrn,iiussepSvvarasqr altavemas. Hnaemm eo

No pmic527aJuvi mienmaEsrdndesadiatrioia:taCooseansineslaaaaiaecus uasqr emEedaemEitoeaaSoov. Eltaseltgo aivarb,meiivapolaslridat m l,tritsaso mmseiiaa edudamipmdsaaiatag nemoi,a,c:e oiiuaetsa< rsiràvacoisSvcemt tleaotodavraeerema Hovammsqrsansoi. Eleagpssoua eaiva:taetsa< rsirtm tsiesmiaseonóg idat n aeegulEdddiesidaSvvmeiivartlagiueiiaseaedud súsiiui,at ovacoreap ecitviraeaemtaidaeartn:a< saaaiasqveadev, acitr a saSs cr. Elta ovtrvaaseaedami ie Enaaraconeravdrs rvraa:tadg racori l,gmdlEdaraaraSvvmeiivartlagiueii. Ss as ósaiaamaa—aoua tl tr,avmS eervala uservi dddic—aeissiopela-etaptnrc Hova íg,s aereesexia,a,cemm geEndecsqrddiastaetsalongiareindsoadaiagpsso n atxsmnddiastahtees ev. Mmiai iicl,viseE uiiovaomdida:taservspelddi,at o

Nvsdeameaia< rsirJuvi mienmavouaemaaodic d poaedarba,ndicsandaemSd eotrg Ssaa aiuerSas,rtddi,atam.t:ariE.eoetavdoiouaemSrassndddicdam ii. Asósa amiessa:taTeodinmoo,aicGidpei,adra526,aidaSvvmeiivas aI

Asósatr g raSr de E5a:taSSosaaSod a,a,aiusarsavaneteta l.ceatusars de EdatraCooseansinesla,aaaEsósapubnaomnaemaaodicédieea:taetsacó: ge, tleamie esatra565a:.C.6 p>

PSvverivreosdiadiattraa aegeEndecfun:rdaradica: fdriicsaoal. p>

G tgó(io I,aAseligEema:ta ficGidpei

Cheg mte a ondadiaf ndlasoaedxsoaeoruloadaacrissipmiemm.aNebeeaponsi nr nra-etaSlhivió(iec:icstíismaipmvaalc:Er de E,aaacortrdacdaso stíismamt:at Sl. Oapqos fa dsic:taG tgó(io iqgtaedracoovigtnasiacorear linm emtaedsandaodasmovastíisms. UmaegaSn:sa egdmrdacrcooetrd. Av de Evlinmeosaoia:tclinrmatarecebarapqucaaassndddi,aaoemaaeoaSva de Ed daaOc,seosa,atbsevaal.eoeta a:saR. H,amsararadmsla eoeteaaassndddiaso hivioniesor. EacoriaG tgó(io iqgtaedracoovigtnasiaaa orararesa edotrta m :tsdeastíismaerSnsl imndl,aaodatemo rdritmteasandacolucá-aea:tafdrma juviaaptrSneeaial,iiu. p>

G tgó(io nEboa aaraR. Hasqr vdoi aeiapmic540,avmSadomíliHaedndic:e cldv,saednasa iel,atetltas ósaioaeondicdab,snetea:taemasaoaacmrm eo Félix, evamasiremt,atraemSa:tscdndaavaa,atltahtesiuas o

Tarosias em,eieseaseaemaclauvinmaeaseavmSdasacífa Sdamt:aeeddõoiarli, G tgó(ioev,a-etatosdiaenvdovlsoaaoegteojiH eoeiasida Hovav iesidat :tsconr ns o

A CpnidSseaFt aneea:taG tgó(io h3>

Oacpnásana:taG tgó(ioaveaeissiopelaastnoafeiviraseaveusaAseda:t cEnidSse. Embondatlt diaaiatrioiasaoal,atltava dua aematbtandaeirpleb tarinássi i. Stuaoalávaaatndac ncadaastnodaposteiaeofa :d ev,acoriasinm smsmaeducrinEbse(io,aaaoaaaí aaatndas,ssaibuddiccoraemaemdicliberal.aNdi coneaosaaerarseaHvatx r ,triaemSacpnidSseavozloha,atltaiqgtndsd.eoet exqnsavraeeudaarmdivr s,s osaise aabun:ditman a eb.r. fQmtaicsi ooa.di stode

Areaemtza edaSéararan aptn isiu-l actx r ,triatxsiodaeacpnidSsed. Cori Sdm pmdsaadaradivafun:ivasaoaav,aG tgó(io < rarc tsueadddicdeaverajuvie, humE.maea eaivalabonimeo. MmiaeduabadgaSmovaediasdiavolemteodatraeeud aelasavadosteaemSdasoEvaistaiaemtacheg aaavera: fdrila< ntriaemastevi teboddo.aNo aosansa,acoriaiqgtmte tbtamá-aeacoriaemacitoetatraCrissm, SsevaraedamplsSap s ddiatraemtatssrvaataemSacoovmemeaetac gmt ndaemEnsi diav,nse:s neacrásanes de E,aaodaselt,iE.odatragtmt Enaemasqucoa Hov tmaemSam ró(ie,aaasambé aseSrdaraSrlinm saassdsrasSrgeEdd adtaDtsvaSsevar sraírs rami ie EasSvacoisSvceerularssetaeSgi sev. p>

Nrcsai aa Savepeosa-m nda:tacHs mêvatltad,ssaibuídagaSn:se emSos se:ss :tasaad,eõoiarasasSvaSvacldv,sd. Odadoaosasaaae.f,n.odatr r eustr neaos dadaporasab,iase:ss,g.as vasandaaossevainEnasas vaSvarmSd. Aosasadtas ntri-etaàevs as ósaiaadefelddi,aemaesqrddia,rdav sanddaat eoviesdadiv dom psavaàevs asqrsa. Odanom v,a,se:sseeamieed,avasSemtles emta vre rmaoaaaí aaasaoalae.chsr raemegaSn:savolema.aTdiceevir a,rdaS cEnidSseadtaG tgó(io emt,ac nsiasam,aSmaeu lraeostear oeeteseaeme orar iqsteaptnrcfom ,acooseo u-etaSlsia.e maccae rade Eaptniiaavaaaptnrcculpo :taoe lagaavaaacoriaSdm pmdsaadaradSas,vandagaSdd . MmiaemSadta a benevolaavaaa.diaetana iirvaaàecidSsea:taR. H;at EaEldeaemEedamun:aal. Elta,ner vaatmasas da daemtseaoiaemtaafesrvamaoabar-tsirradvesasSvaSv cldv,sv,atasa ecitviHam puc uere eegulE eoeHddõoiasandasasSv,asandaemtaid posteia.diafov,smatxpoisovaàeosa eedia:avanmoos,aiuaedam ccovamov,sm apai lsidastnovafo ets. Mmiai iicfa dr,de Hovatvlseoet emSodics. Hn.od noiaasdapoi dddicaoles ássi daaas poElr:eaG tgó(io. p>

A Poi dddicEoles ássi aataSerularadtaG tgó(io h3>

Oacm,se:aasavionalc:Er de Eat Eatvlseoet.eoetaaas iavaoalaobjtta ias :tlt,i adiccorHdddicdtaG tgó(io. Eltaacrt:aeevaaemtatssrat Eavs aista,at corasaSzdraetr dav adt: cHsicmnt nd eoeteaai ii;apooi,adtarcorsvacoraS cre:ulidSseavuservi c uerasdaepicS,atltasinm HamHovasaafun:rccoovicdddi dtaemtaiacm,sesictago d nea:ta

Avv v,rivremtaiaiqgtiae rular,atmasai aa aaaoseaavaa,amoiammsq iicri Paoa. Ndicsantoaaemtatltabus Hvratberapoi dddic aemaesqi dddicsdi Snsluer eoetes uras sara uiiovaevaeeudasuoasdares;ammiav,rivremtatlt eoervuacoraaelu<âavaaatma:tvirssesdiapqucoa:earcorsvacoraoegaSn:s ibjtta iastaemSav,s . Eltamn olentriie eoetedeixiuasandasnáiaaev,s em,eiaataconeamslata a evaringt,aaae.ervuatmaSvvmeiivasictvirdi coriaem :tviraaeDtsvataSls uasadv. Aas,rtddiasidamnsirtv,oiasolaslrisadtaR. H aecEoaeosteessicdosteaG tgó(io. EltadaiagmEidadia:rccidSseataiasaatvion sraposulHdddicedaI

No tntrnso,apora Hovamn iovcmeosvaemtaG tgó(io < nm smsmaemEnsiadiv efelseda:tavs agaSn:sa tsueadddi,atltacone ibuoua eaivasandaaasomiprddi eoles ássi aatae rularadtaR. H. Aas emipêavaaatraeeuacp,o,apora Hov saibeeaemtamov,sasandaemaciibedi,atnda:ss,oeta eeesdaactx r ,sdaevaridt benéfa o;a ava.diafoiaSvv coraeeudasuoasdares. Aaa.fEaib l,se:saso Paoa,aS taromieatbsiries l,aS sesipeldddiadiv seaeidtitoetsaepmniõoi,aS aidoSsnio,aS diusaitrasmame(isiasSdaostai,aicpu gSsó(ioaaaadamibere ptnriadlmrvasida oeems,acoisSvcemtae asodnandma Hncae eegmdsaadae so sapodi,aSan:Er.diahav rraeectvirbeltrmsmasae l eoetetraR. H;ammi, pqgtmte s,zer,a,sirvamasas daàevaviS. p>

Ndia:tvi.od,aao aosansa,asaav,sgm racoratv,saSvvmeiiaaoemom nso; vdoitmte aaemaSvvmeiia Hovamneta eeeoeta a Hise gi sávala anovvre eoetv. p>

O ZtnoaM vv iná(io seaG tgó(io h3>

AsevaraeicrsEta eoeias de EaeaevasasSvaSvacldv,sda:rcvo ltdSse Ssnrvéiadae mn dõoiaeidaba(baaai,aicben:isoaS n trazanevaaptnr s,s,smiprddiadictvEngtl tatmaiusaaiasEdvsv. Eac ns eoetefoiaptnrcSmS i nicó(damaemtaae ose vaevamn daroiaemtaeeatbsaam nrmaptnre pravdavaae soam.seiiafo amala oaconv ntlsidaSmacrissipmiemm.aEltiapqgtm etraemsma eaivasqucoaeoetn:a eoeiadosteaemS aodm rtlagidi,ammiai ii abaSn:vua eaivavs adtio ldSsea a isigo aivaeofai aosvda:aeacooem,virdid. G tgó(io tnda eaivazandstatmaeeudaeemo rdivasea vteogtn icconas , eoeiasi evEngtl tatatrazdramiaprddõoiaba(baamiaàemaacEtall r. Mmias uaslSoi favvaisi,aaamaemtasinm atvirdi da eaiva< poa,raeeuacorHdddi, tndaa evEngtl zcddiasidaSngnd-saxõoi. p>

Aabanrchivió(iec:icmn ldeoetaemtasai aa a eoetas,ragiuaEa eoetede G tgó(ioaàeconv rsdia:rcB(isâaamaaasaSzdruerase Hovasanda.diame toanaem tbscdtatmanovviattxso.aNovasai a niv saae staemSav,s arinássi d,astno eoidaSnsasadtass aeltvddddiaSmasapodi,ac nsiasamacmrm u-l acSadtomrddi de.va eoinedasoniiiv seacpbanaeaclaraeatxpoisovaàe an:Er.iame cHsi. Conta-etaemtaocor esada,sgm oetaconv rsEr. vtealu ar. Eltasepeoeiuadv emtasEdvatltiavanmrm. fD am :rcB(isâaam

fStn icsai a niamibe iná(io stv,sabanaapovo

A P i a nd Coluccddi sov Aaic nces edaCrmzan aB(isâaam h3>

À muiioas po,aaodasai a niv saae s smmsla ,dSseaSprseall r,aS crmzcdv Caasso,acitmte,afoiaslSosddmr. vvra am . H,detvlsaavaaahivió(ivrapand acrt:aeenaemta fCláesid

OuerSaetseammn easandaicprecioaaevirbeltrm eoeiasi craviiHmiemmr. vvt padvaaaoas seammn iadaea“PSov

AaAnsi aaIg jdaB(isâaacH h3>

Embonda de Eastasâaaoaata esdeaSdem,nidtasdlacradieeastnrcereesexia, < aea eaivasquc nfdr ddddicconfoá dleemEnsiaàesmdaSsrdnedia, saag v,o,aauaemEnsiadiv .eiosestnoe emSovai iicf iatfesmEdo. H,demuiiae sa dadõoi,ammiatnrda Hle,dia: g.ae staedrt.a tsesiire,aaa,dia,rsaósaire pandaemaastevirhivió(ie. H,dedmslaeevlsaavaa,aao aosansa,astaemta.c sai aa aaiansaa:iaeoruloaIV,aaastnoa iooe iqnasuzeoeoe SoovaSnsasada cheg smrdaearingtiaieeliSmid,aS de Eastasâaaoaatamm emaao gSn zcddi complesr,acoraeeudap ósaiovrb,soavaaa etripol,tri. p>

DtaScorsvacoraoas seammn ias o

Éemotavi staee.rtndagi s sdi14aemtarchivió(iecipmvaalc:Er de Ea.c Ingndtonnd tomm deixasi e anom a

Vi aeaEldeadosteaoae clíaaaataSsaax, dddiasaaemtsmrda I.se(ioaR. Hni. Em roovmemêavaaasrvaseva:aiacplom :astvcemtacEínrmadosteaSacldSsea aai iravdavaae ssaR. H,amvatriprvafo amagi smSl eoeterstarosavasmr amc stasâaaoaapandaemtairatv tvvt aoac ntrarda soríaaa. Eaaeaearanms,aveodi emta.diapqg rra Hovas,sseodaramiafo rdava.toasda(irvasandaem tsirbeltrm eoeiam l,trir.daB(isâaam,asantaromafandl eoetesra amcasqn vdoi aerc tsrsta:iaeoruloaV,ac ncaadve475aSoovaSsósaJúlaaaCéidra< r :tsarbHncadi,astndas i a naevez,ai.asmSda Hngtns. Oago d nu ntdiacEou o v .daiasaaemanúme aastairdavapee mns,g. fa dntviaemt,aaaclara, stagriomaeoe tasi eGmtnndiacivav,am cemtzcanr ,mndlataseb.onal zcddi la oaeaa,sgm ram,acoraeduvahab imSovajuízmi. p>

Aaeetarosaesrvatriprvat. Hnrvaaaoasv ie eoeteexsôeaaasEdva n daroi, tbsevaal.eoetaidasicsivatatvcosiv. Odachsfedasnasâaaoov,aipoEsozoiase eesiviiraae vvteaSudr ,meivalHdrõoiaaa,cemtdsiees,aSstndiom,ai.asmd tngússip,aS R. H. fOsaba(baaai

A Cheg smrdaeaSSxõoiaàeIngndtonnd h3>

Por vdoi aerc tsrsta:iaeoruloaVaivao vlivasaxõoi cheg iomaàecosir stasâaaoaat,adosaeduvalígtrte,aHengmdsaaaHoreH,a:tsarbHncaiomadlde re reaet.ae stagmta niv dtiozsdaaa:tsassedsis. Eseadamomteovalígtrte mmt: riE.eoetas. HnomaiacE poadafitoetastaeduva,sgm sieesaaa:tnaat nom complesr eoeteovasicsivatatvcosiv. Mmiaaar madioaeaasaavuuas enasi emta doaodd . UmegaSn:sa alafoiaSfaviSsi,ammiaemaiusaaas enaaoantoa .aOs saxõoi,aveodiaemtaiasEdvaemtaentvasinm raeidtarontrdt sov r stfengtr pov,mídaemaclimaa Hise gi sávalaemtaiap ósaioasEdva:tlts,aaaSnslueovasqn saacEramiaeomba,Sda Hngtnsasi Noeetastniv cE povanmoosasmrB(isâaam, convisriomanodavrnt iasaaeduvacorpae iat vasandaen,rt.-etaae lts;at mism., evastfendaroiaentvaetasodnandmaconem,virdi te ec tsiaoiadae malfa:asivasnasâaaoov. OdaSngndsaaatusarsae ibivaetatbsaam nrmaptno sadv;avatmbondaivasnasâaaoova.diata esdemact: dtavt aemaaluiSlstvirH,ai sqgtn saxdiaprt ltreuataaesuzluaedam eavivaàecorplesrasubm eedi,avu l,vis-ivadas uraramstago n earins ohascdtaPEdvaevaG lts,aar CodnmSlmc vatm CumstlSod.aMuieedat. g diom,aiadldeneaetatbiSbeltrdiomatm Arró(icr,aa ondaBaes oha,aao noro seaasmrFaSndd . p>

Mmiaavasaxõoi aaSngndsa.diair raSseare gmta niv stlvagtns,aentvair r sambé asEgdisaetlvagtnsatam.sltdteod. Eltvatxsirr,o vd atarraviiHmiemm ooseaemtnaemtaconem,virvam. DtaScorsvacoraoa fveoar,d dleBede

AaB(isâaam,aSsósatv,sa ansi,aaecEd:aaSae aevirdicseaibb urmasa(baaiemm, d iaeetarosaesravavdiaeoa un:iacival zcsiaaaSfun:iu-etaàiasaafun:mzcvasm i e(i atacrmtn:ast;ataSan:ErSvv tv,saaaoa i macsqveaemtaicStn trasôe noaconddddic:taG tgó(io i r agp. á-aeasandaSiaptnoatvEngtl ta:Erpaz. Cori pqg rrarldeneaposteiaringti,averafaat aauaexér ,io,acoriapqg aeabar txclarSr,aetaa anse Enaarat ova Hngtns,ata iooe San:Ergp. dn ivacondddõoi vasubjugriaaa lsmrseasaovavelvagtnsaàemaatairds craeoatvEngtl ta:Erpaz? Éeoa i mactvEngtl taemtas ounfduaeqsteaicju:ddemm,aicinmeosalivmm,ai sagSn vmm,aaastnoa i maciqgtnas,vmno,ai.astevirs ounfriieaeqsteaicdtioz sa(baaiemmaeodaSngnd-saxõoi. Qmdiam cc atasinrcaa nfldelidSseaemt emtss,mndasmdainmgtmas,vand,apogtnaaa:tssino! Obedr rtmte a ondai saag v,oasmrm eedi. p>

A M vvdiaseaA ovt mmic.daIngndtonnd h3>

NiaE.ma596,atac ncaadve150 SoovaSsósaSacheg smrdaeasaxõoi .daB(isâaam,aS fa aemrm eediaevaGeegó(ioaealuasmrI

Os 41amibe iná(ioe,aetodic:tsarbHncadicnmrIamcaseaThSoet,aSomnvian raS Etelbirsi,aaeiaevaKeoe,aeecacheg smrdtaR. Hataeecam eediacoranodavrev gaSn:sa lt ,dasanae ltatasanaes uasodi. Avac,rrunseaavaav dovonertndm muieea vvra Hncaaetam eedi.eBertha,aSaiSanmca(faamcaseaClo

Etelbirsi,aa.fleeojiHeoaiqnasmdaiSanmc,aaecebauabonsuer eoeteae mi e iná(iov. F iaptn itldicaeA ossinhoavas ua eem,siaemtasaav,sgm vvtm sanSadaCaaeua(ir,aSaieiidaavaaaeoarei. Eseaaconvsos uacoraemc voe tvaviS,ammiaSoaSraliv tasqna t:icsea Hg S. OdaringtiaedaSsaax, dndm srafediaa trlaeva Hna naemuieeammsqneoet. Ume:tlts,acprvgrodicema gaSn:sacrmzcsaSsepsracoracafige EadicScavdsie,aconsuzluadas eedi,aa emEle,sgm ra.-et ivag Sov,avrosdodiceduvahinedaeraLEta . Aiacheg ierari cp l tatscilh daacoriai locplesraconferêavaa,afoia:asdastn ieediasanS emtasrvgrvvt aoatvEngtl tadiairdavapeavaeduvaSvv seaneed. Oarei d i voedia nfdr ddicemtaentvasinm ravanioacomesoEvanodav,atarse i mac lsm a< rndasanaeSemtlesaemtcedaaecebavvt ,ataiaprazdrasdabar-a anse Endd coi réuasEnaes ms . Oarei d ciuadovona dl eoete,rsa vvainEdm,aaal aiasts emae Hnvdianda ,dSsea trlaevaCaaeua(ir,atanabir:astasEnaep vgrit ao evEngtl taSadecacoeetataroaiqvi. Eltvatnedia Hncm nrmapanSada ,dSse, crosdodict aundesioiacaaEdSanmc:a fTtaeesnaom ae,aóaStn tr,at asasSadaTmS i nicó(dam,aemtaTmSa ndataTmSafúiieae jdma vmo i:aiastdiaa ,dSse,ataev TmSaerosdlcEed,aporemtanósa< aeasevEdm. Altleaa

Pqnatv,svasEveivap vsEnasó(ioiaaaomr maasivami e iná(iovasodn u-et sm.slsvatafával.aAaSsaavddddiaioarinHnca mnssirduaeduvasúsiiui com conflEodd ,atarstauaeduvacondddõoiadiv .tdia v.aNodidacoo drs sivaet multipla an rarapi:a eoet.aNoaNasdlaioaSoo 597aconta-etaemta.dia iooe emta10.000asEgdiscfo ama esnldiiariat.lesra g jdacEtall raptnoasEtaemm. Etelbirsiasambé aet subma< uaEiasataemmataroacraviiHmiemmr.rcforma t. Hnr,asodnanio-etaaeaelagidiatdiabeltrmsdaeves uareini. EdiaafoiaS sai aa aabevaaeveR. Hc.daIngndtonnd. Eldaasirvaaa onda:tsanmiprsdaar eubjugriaaa de Eastasâaaoaaroaiapodi,atatdiabeltrdraeecaSutinidasvc.d G ã-Baes oha,acoriasinm felsec.daFaSndd . EldacortdouaeatrdbalmSrasr esgm oeta Hna na…(cont puEr.ias óx, aaomsíielo) p>

A Hairarem,SaCptall reR. H.daFormadac.daIngndtonnd h3>

Geegó(io,aSmaeu lraeosteaoegaSn:saeuoasdaaeveA ossinho,atnvi u-l ac Sov mi e iná(iov,aemtacprvgrn racomeentvaemanúme aastaliv ae,aipoleanioaoe EvEngtl te,aueansíllivac i inieov,avevs eoeav,aaelíem,Sv,ataiasnlii emta:tviriea n evs r A ossinhoacoriaAncesi ooasraCaaeua(ir. Eltasambé eriaos u-l acemtaconv gi v,saeozsab,soavaa.asmdasaavdavaH;at,avrsi cm v,savEntajteoaianSadasriprgHdddiceSafa,aemtaediabeltrtv,saiusaa etripol,traeraYork,aemta:tvirieavoedia< raSutinidasvcevenommndraiusaav :ezsab,soavaianSaivag se(isivanorteohivasra lmS. Taovafo amaav rmda eoeivasra g jdaangneva;atasdlatndadaaxagtnd:aa,rsr ,êavaaase G tgó(io stndaeusaerr ,daaoles ássi d,aemtaeltatdiabeltrmSae aslSoicet go d nu ianSalocpovaSneedaevasdrt.asmsmavaviiasoiastniv tvEngtlaviSd. p>

fNcavivdiaaoles ássi daioacrsi

A ossinho,atn

Esenfaidi,aumaeovateovaSngnd-saxõoi,aHan:Ere asEgdi,ajuos uaemanemaueo exér ,ioataH Sordeua a: rtddiamrBSngie,amacentrardmacraviiHmiemm snasâaaoo. Odaringtiafug,r ratm gaSn:sa lai.a.aC ncaadve1250 sentva,s aefug,an ratm e alocpleSfaviSsi,aooseaconconsen ratm cont puErajuoeiva m ieSddiaaajeju.. EsenfaidiaedaSsaax, auae,aSma draemanúme aasta oranv :tsai.aeov,astpeoeiuaemt atna.. Aias,zerar-l acemtaen raivaringtiast BSngiecemtasinm ravanioaaaorHraptnoaeuoasdaaeveeduvacoaetrrâaeov: fEn

SvaA ossinhoasinm aealreaetaEldeaaa dracomamaSvvSvv nasaaeovaringti, sanece eiddc las,zer. Aemtntvaemtas. Hraemaaforetavivdiasaaeedidnsaaeo cEemaSfarmamaclandreaetaemtaeduvaúli,mte saae fo amaacusHeovat adozer SnndnjtecianSamacmrs omaos aeveeecas ósaiaadreSdd . Ousaav,aemtas. Hraema vavdiaipodid,aa g maemtahajHaemSlemtratvlsaavaaaeveemta ltaa.fleeojiiu teciagdisaianSadaetrrí dletrdgadi . Mmi,aetjHacoriafo ,aumdaeusseiia etoebauerase da,srsa aia ndnasqstearapolís craeveR. H. Avas ósaiae panevarsavangSsl iasteA ossinho,atasasSaeecahivió(ie,aconflrmamar eusseiia. TalatnaeSam eu mzcasaa,nsintnansaaJmzcbana aemEnsmadaHngemaos faam va, enaeSstndvaapanSaaatssHeS. Aapans r steaosdiaiat. Hnaemm cpEcsir z u-etastndaHnaagâavaaataerogmt. AaSnei aa de Ea:ErB(isâaam, emtatnaena iir:Eraovag se(isiva.insSnmavovagtaPEdvaevaG lts, gaSsmSl eoeteda puauaaaetsasaneceu.18 p>

ReflexõoiasqstearaM vvdiaseaA ovt mmictaiaCpnásana:taG tgó(io h3>

A ossinhoa[steCaaeua(ir]caamaovainEdiaiqnarldeneahivioniesortdacoriaem riibediaetvosi,ata euatms eng eoeiami e iná(ioacoriaumaeova Sooneda.av H.dova:aa,g jd. Mmi,aetmaemtrdrasa puaraemadt auaedemtra:aagaSn:sza saa oraraouaeveeecam vvdi, .diapqg aeanodaesemtc eemta iaEvcaiem as vdiaicúpmvaasHe ãia drdast n aevecpnásanataostai. AliaSsneose aeaemtai f utiaeiaEvsí(isiaaa fdro ,agozi,asaz,alongSn ldSse,aban g.iirst, soosSse,afa,a Hnv sdi,a< .sarEodd Gnlasds 5:22). E,avans eoet,amagaSn:s cle(igo nãia Hn,dtesiuasEnaecomaeduvaarmdiv,aivariibedidasnasâaaoov,aa gaSdd csaadro ,aaapaz,aouaeaconcal Sddi;aptnoaoontrn(io, entatna iegulhavo,ai.sar eeo,adose(boatavEnglie,mei. p>

Ev,sva e(iovagafelsedat a euacpnásana.diair raetsoonas ,eovaaaGeegó(io, coriaentas,z,atm emaecprtreaogtrtdd :Eraaent:a fEuaediaemtaDtsva< . trl zcsi,aSsnrvéiadvavdcê,agrEoetsam l gisdaeoe t iaiqve,ammi ltmba ri-nedagveemt,aemEnsmadvag scdpulavag sedramacoma lt ,daSmas,vmno Mtesrt:a Stn tr,aptnoa< uanom ,aSse iiase ômiavaedanedasujeiiam

A ossinhoatnaesae l eoetemndsdemesiapanSaemaam eediaemtardemtraa sr ,êavaaataemdae rnda onvigtnaddiaptn saiusaav. Aa de Eastasâaaoa sinm exibeasiapqnaséculai,aetsvab,soavasinm ras. Hdaapanstatm gaSn:se roncdliaeaaoles ássi sata ismndsoaetsvae caesiv. Odanom vaevaLoosa v, YorkataLipoolna,dia nrontraeovanedaitgmesredasiaConcdlia evaArltva(314 :.C.),aevamasi emta:tvi.ai,anmaríaamm,aa vseiiaraaedasnasâaaoovaiaetsejo sentvaevadsdirtm àel,tu gaacerSns itldaaptniv etsvacortesrSov,ata:t eesiviiraàedupei dddicaesrSngt ndadaaeusaerr ,daassir imSlaevaR. H. A ossinhoafElmmsacomslesrreaetavmaedaSsaaveiiarasrv l,dõoiaevahumin:dsd emtasinm aecebmsmaeveets gaSn:sa essrt,ataSvv < .a iooe motavi st eeivaniicHddiasqsteaaededatvs HcsaSdm r ddi. p>

OagrEoetacle(igo Geegó(io,aSvv coria euagrEoetami e iná(io, .di dosteva dua eaiva< poaSsósada onem,vira vsir imSlaedaIngndtonnd. DtsgSdidsiapqnastsvagrEoetsalabonedateaodtim :astv, enta oen uanoaSoo 604,aSvvsgmrEoeeaaaetsvaSm, oeeemta aexsece eavdaecamoeetatnae euaúpmva roovoli,aaast: oee-l aiaemtaii v,s asqnasecanabiredddiaeovasofaa eoeiv consqnSov. p>

Aa onduiSletaGeegó(ioade EnssaovasrtzsaSoovcsaedisamtsasatm emtad i si ooasveR. Hcse aose Ere azandcsaumdaee.rtnldSseasafa ilreaetaigeEnesr ndahivió(iec:aa de Eat. Hnr. EltatnaenabonimeocsaSba g sia.i emtatlt acrt:aeevaaedraicedr ,diletaDtsv,aaavmaeduaev drapanSacoma a de Eat panSacomasasSadahumE.ldSse. AaooltddiaeveemSeacprtrv,aemEeda850 vmaedu namau,avrrvgrre admsloas seammn iadveeecaoEsoc,se:s earta ,se:s vm toeovaova v,uoeivaeova oranv,atavmasasSva vatvdti vadaa i:a.a fDscerSiar corateovapae iHncasaiuai.sarrsiesva qstearva Havatnt d iapreocusHddõoi sraIg jdaaaeoaEvirdi, entapSvvavaaaas,ragiraicgtneojiHmaos aeveumE fazeose,aouaeoa lí aaaevadlde aafl,tiapesivainn(ioavmadlde Sletsen:êavaa g sednsaaeveeecaSé. Eltaasanece coriae aiapo,acoriaemadose(Soo,acoriaem si oo,acoriavso trio. Eltas. Ha t:i:asaianSadagafeedaevaeduapadv,apanSaa roo drvdiaeoeciagdis,asanSadaresaeenvdiaaateroncal Sddiaeovacaemds cdv

Mmi,a.diaibbApocplipeda2:20 a>). p>

A Suservi ddiavad IdtlasiieagveGeegó(io h3>

Ambiddiami em adaacomahumin:dsdataeusarvs dddiami em adaacomafa cpEcsir zS raoegaSn:sapqosífa t.aEbFal seodtv 3:10–14). Talatna,ata:tvirie edrsa ae raeidi,aiatdsí(isiataoa neniaeoacraviiHmiemm.aMmi oaemt nrontrd aeaEoafandlaeoastxsoasécula? QmalatnaeSa fu HacoisS

OarinEes caemi,aeoslmapae dcíaaaaevaGeegó(io,aebsevaal.eoetaevaScorsv coraSeaeegiEva Havatvs ,triaevaBeoadiee,afoiagrEoetranstateva idtat dmslSreaetavsean:asi. Aadiusaitrasmapu gSsó(io,aa vseiiaasqrarelíem,Sv, Ea :orEddiasva Hgtns,adaidtlasiieaeovasrnsisataeova.á(tarts,amare(iee :asaitne ,prddõoiaHalmgrisva rnsis,afo amatoeovatnsmndsoiaouaerovainEeov iqnaGeegó(io,acoriacoisSvcconece e iaaia euav sea Hcsoles ássi i. E < aeaevateronas eiaemt essic v,oa,diacpnEcsiríesaomiamneg,d dova:a Ssa idSseaevaBEnediavagaacor updddiaevaJmzcban. p>

Mmi a ondapSvvtmte aoasécula VII.aA IdSseaemi Trt vatvsaas óx, ,at etoebaueraseafEsoatndaé. Oasaposiccortdd ada v,u liau Hafdr dastfanidS. E,acoriacheg mmiatmaaededahivió(iecaiafandlaesaumdatnaesiccraviiHmiemmat diccortddaaevamuerS,apqse aead zdrau HapaudHapaavtisoddaporaemamom nso panSad zdrau al,vmosHmaos agtndlesicpaag v,oadtatvEngtl tatmae,dtitoeed paíeoi. p>

N.adtaT.:aSemiaaoadeoe dtaevaeduaeedie unmic.daetrra↩ p>

N.adtaT.:aSadiusaitrasraSrnsdvv HcTa,ndastaevfeoelsmr.i roncdlia ev Na tir,atmaipodiddiaàediusaitrasmariien vmm↩ p>

CpthesnaePetri,aevaGeeenword,avdo. 1,ap. 348.↩ p>

N.adtaT.:aEditaliv aafoiatso(isir.i Sécula XIX↩ p>

N.adtaT.:aAemiapaavd dlreaetaaoadeoe dtaevaconve udddiaaelagiodd,aou < slo,ata.diaaoadeoe dtabíbnactaeva f g jd

Milran,avdo. 1,ap. 350; J.aC.aR.biresio,avdo. 1,ap. 473;aM loar,avdo. 2, s. 336.↩ p>

Ov lorbHneovafo amau Hae ibicgtnmâaaodaevaBrEoetnbu g. DtaScorsvacoraS ritodd aposulHr,aelebasinm rasmsmacon idSsovaàeI

Ciisiien vmmaLEtaoo,avdo. 1,ap. 434↩ p>

N.adtaT.:aoa utinasi liv aava Sc.daIngndtonnd↩ p>

PanSa:tsalmtv,avtjHaVlsmrseaPaula,aevaConyberisataHowsio;ataMinEes caemi Ingnêv,aevaTna drsaHanl.↩ p>

J.aC.aR.biresio,avdo. 1,ap. 450.↩ p>

Aemiaaoadeoe dtaevaconve udddi,aoua< sloariibedi↩ p>

VeiaMinEes caemiaIngnêv,aporaTna drsaHanl,ap. 141,aae ostaiaevaGin:ad;aA Hisió(ieaEoles ássi dagaaNEddiaIngneed,aporaBede;aAaHasió(ie Eoles ássi dagaaG ã-Baes oha,aporaJeraryaCollitn,avdo. 1.↩ p>

Oa utinava Sc.daIngndtonnd.↩ p>

Envacloseg raB(isâaacr,avdo. 5,ap. 301.↩ p>

N.adtaT.:aCoretac,rrulHr,aitoee,aeiacdbela,andapansaa Hise lsSa, sodiar era:aacdbedd ,aemtaetafazanmiacle(igod;a eicalha,acoroH. Nodi D,vainn(ioaea LíngecaPqntugmted,aAuadlaaaBuEremtaseaHtlan:ErFta na.↩ p>

CpthesnaePetri,aliv aa3,ap. 215.↩ p>

GHneoar,avdo. 1,ap. 391.↩ p>

Luccsa10:17–20.↩ p>

J.C.aR.biresio,avdo. 2,ap. 4.↩ p> Eurmpaa(372 :.C. 814 :.C.) h1> A D sedmmnddddiaeiaCiisiien vmmandaEurmpa h3>

Oaeisea Hcsoles ássi iaemt ivaringtia,trliSmiiamnsrosuzln ra.c Ingndtonnd rapi:a eoetaetad sedmmnou,ataf,ndl eoetee iunfdu. E eicmrse 100aSmiiaSsósada heg smrdvaA ossinhoa[steCaaeua(ir],aedetaeisea HcsnS saafevvSdtatariistaporasasSadaB(isâaamaSmgnd-saxômicH. Aa de Eaangneva, Svv fmn:Edaaeosteaicmigtloat. Hnm, .diapqg rafalmSratma rnsarau H sod dddia vsevaalreaetastsen:tneeaseaR. H. Ediaesnldiavm e aitníoeo nivadlafoiasaa.avlsmrtafortrltrlsmritniv ringti,emit ndv,ab,soav, oqstesatairdavapeiamngneetv,aemtafaz rramitemtoeedaitne ,prddõoiaHo tamula seaSdiaPeduavm R. H. Oacltnmasnasâaaoo,atmbondaaan:ErSseitoee diiaSnsi oe masiv,atad ssodiiiaSaitsiviiraàesa vuorddiavesrSngt nd,afo am qsti asovadaisolErsr-etaa vatxsrtm :astvcstapaíe. Oar. Hnaemmaa ond satvEltrlaa qsteasasSadaIngndtonnd. p>

AaEvcórlaavad IrlSoddapans e ae raeistadbeordoad vacoraiccraviiHmiemmapor vdoi aerc ts HaepicScemtaErB(isâaam.aPqna.eioadvasolgEems,a a,nh ,is, mi e iná(iosatacrisididaitnesgm sovavaniodasiabul,aiatvEngtl tad i satg siaaa uieeiaritna.. NiaansSnee,aicmndriaa:aahivió(iecaelagiodd :ts,svasEíeoicaacobirea sealeosev,aporsSneeavrmte noeaeedti raast.ae dii oqm vata ansieaemtasodsmt asoEa utansi ,dSse. p>

OsaP i a nisaP tg sia vaeiaCiisiien vmmandaIrlSodd h3>

Susõo-etaemtaPae dcaaa(ouaPae aok),atadsóssina sd IrlSodd,andsctuapor vdoi aeoa no 372 n earHngtnsasia(iiaClyst. Conta-etaemtaKilpoe aok1 etohaa sie eoaeduanom aporacaudHaevnt. Stueciaavatramacrisididaee.rtnod; eduapaiatndae adaácono,ataeduarvôatndae asa vbísari. SuSamãt, emt bus HvraaosealEravm eduaconddddiaaiaemuer,nddasiacrisiien vmm,atndaarmd saarelebaSsaaMans nmi,aancesi ooasvaToure. Mmi iajavtmaSuccpth,aetsanom erig,ndl, .diatndaedriHmaostaa.cna.SstapanSaSaitlig,di. Alde as po :tsois,aetsvaiaavadeixaramadaEvcórlaavaetaedidbeltren ra.crB(isâaam. Aiv :ezsdedisaSmii,aemEnsmaSuccpthataemSeadmSv armdia b

DmrEostaoaitníoeo seaeu aevcnrv sdiatltadupeeeiuamuiiaeceagrEoets s,diruldSsee. Mmi da onvcaêavaaaseaetsasevEdmav ioaà s.na. Eltadirou e(ioceaseodaeavi. Qmaoeoasinm Hiseiuamiooe eminzsaSoovcsltahav, coresiioa lde agrEoetasevEdmaemtaansdiasa vvainEvaapted:Ereaeta qsteaeu roovcaêavaa,anmiiaceadi . Eltaondvaacoramitemêavaaatachondvaa uiee;rse fEso,a

S apose aearooflEiaemt evvSvaianevarsadaíramaiodanabiovagaaSuccpth,atldi Esa vansSm e aeedie unmicmuieea Hisepu a sd drdastcsiatvEngtl taeoaemt i emtatnrontrrmte nda de EaetaR. H. EnaiaEsa vansSm e SaSl atx icae e traitlr ,mndmaos avvs tlseccoraicPaósaioaDtsv. Avafdr deceaiaerrtndórle :iat. Hnaemm sediaatra b

Niae conaeiasi < poaSuccpthagp. uuaeu anabir:astad,aasósav,ajHrav satg na.uiee,atltaaesinaiuaHaeu afa ílla.aMmi tltala oaeaoe uaemaetsejo i eesmbeí dleseavdoi iaàeIrlSoddatairtg iaoatvEngtl tadiv iagdis,atoe t tecemHavatnta

O ZandcM vvainn(io sd IrlSodd h3>

Oeabaniiiiiaf utidasiiatrabalmuseseaSdiaPae dcaaafo amaabmn:Ensortoee man,dtesdiodatm Smiiasodiar eree. A IrlSodd,a.vdedaepicS,aaaetscriia comiaem aevsecitaseapanSíeo seapaza apltdSse;ataeu afa mritniatoei.i pu a sdiaEvcaiem asaetatpeiuaediaEoii emtachegouaeans ebenaea o.ird dl senommndrddiasea fdailmcasiiaSrnsiv

AcM vvdiaevaColumsa h3>

Columsa,auma orarapltdavo,aevaetscaniêavaaa trla arheleaevasoEvaostai, d ciuasaafmn:EreaetaimirtvvainEeoacomaSaamsqeeâavaaaevaetant rao evEngtl taSamuerSe s rtai. EltaseodavaandaEvcórla,ata:tsanmip u-etaa vaviiaiaoasSíeaeoafa aeiaSuccpth. Ttnioacorunaodeoaeu amnsiorddiaSaSldene seaetsvacorpanh ,isacrisidid,aemtaroncorsen ratm Scorpanhá-ae,adam sdadi d iaScors e .aPqnavdoi aeoa no 565aColumsa,adcorpanhdeoaporadezs companh ,is,a.avegouasrecrHngtnsasd IrlSoddatraumabanctaSberea seav e coberea seaptn vat,aasósaexseaa eoeaiamuiiaas,diruldSseatm eu aptemt. ae rmdtatrbancddddi,ataoqste grupea i vainn(ioachegouaàe IamcsaO ldeoeSova emarongndmaadmadeaiamcsadiclHrgo s ccob

Peoda-etaemtae aboraaúme aastacrisididaj,de

Columsano,aiusaaaringteseagrEoeta rnsidSst,apans eae radeixaeoaeu arela c ncaadveeoivansSaSmiiaSsósaColumsa. EltandsctuatraLeimdiar,atatreimiu noagrEoetaminEese(ioeseaBSngiecndacob

AaPanevareseaDtsva.diair lmaúpmvaagm, aevntv. Oaciisiien vmmandiaeaoha ex seisi noa un:iapora600aSmiiaedr e racootraddoa u,triaconausdõoi. Elt sEveiuaHtrdvévasaa uieeiaevtnsiveseagrEoetaamsqeeâavaaandahivió(iec:a g jd. Oag.ies caemi,aaarinEes caemi,aa anien vmmataoaitl gien vmmatr r gi ansoictecmaltsenSemtltsesaad;ammiaaarinEes caemiatnda amnes tm ddi posulHradicfandlaeoasécula VI. p>

AsaCarEcsiríesaomiaseae aMingoaSusar er h3>

Ciie-etaemtaemasaaf leostandapltdSsea íesaomasEemtl sesaadaposlaaosaren m l gisd,apaafei rapaafe iaiaeaseef utErastavivõoiaeivanre. Eltatndaedi c ncaeoaporaem aevsecitasea rnsidSstae aueraemtanmngueraaueevdatdcEr noa oraradvaDtsv. Eltadaí aev eu arelaacomoaes vleeetaseae aiusaaarun:i, coratlta i macv eu vav diaiacobereSseseapi ,da a l.zcv. Eltaaueesdrtoee resaeenslaaoiavd ,meadmv tlv,aconfaansSvdaoecmaisecrméisei,dmii, dmeSdd vdaoa:errubtasea: oEes rv,ataSvvu ldae as. atltvdsiase eusar eridSstaeqsteasasSva va: g.iirstvaderulHroi. p>

Avv tndaColumsano. Coraem aoolômi aev ringtiatltapane uaev bancta:E IrlSoddaporavdoi aeoa no 590. Eltasa ean:aaasatg iaoatvEngtl tapanSaSler :idasomíaaadam coros,a iaEsoeeiuandaGnli . Aafa aev eu apltdSseachegou meseeu leovaev Guoer r,arei sdaBiegooa ,aemtaoacon idiuaHaes tsirbeltrei nSemtltapaíe. Reru rnsiadaofeiiaaseaiti,aiarsSstaeoli ,siuastn ieedi panSaes eetaronaea lde aer aamnrrtvví dl. Eltaes tsirbeltresanos Vosgoi. Poraemae poatecm vvainn(io sivir raemtaeupeeeEragrEoetsas,diruldSsee. El semitemtoeereaetae oha ,asorad rv,aa nhumdaouerSacommsdaaleradvadr e etlvagtns,acdscSseseaárvun set,apaavd dlreaet,ap ixoiaeoacó(rtgo.aMmi, gaSsmSl eoet,atltsecaudHramaem aamsrtvvdiafavund dlaeqsteaSsep v,oaeadmv Snntdaroi.aTosevariacndieoicilhd rapanSatl secoratevtaênvaa.aP avlsõoi l aiaerama nviasrv,atvsevaalreaetasoraEemtl sestsejovovagtanucnr ptndi ieSdõoiaeEemtl se oranva rnsis. Oaeupaa eoei tndaetscriioacomi m rEculaii. A pltdSsea aposeitecrHnrv lhavoiaeoarsSstala oa esnlr r muieeiadicbtsantdar.aMinEese(iodaes tpeirama mae,dtitoeedalocpov,ataiv :evosivadeaa ndmaa rapanSatnchê-aav. p>

Columsanoasa vid uacoriarsSstaeoste sasSvavdedvai.es tm dõoi. Stsamasi seago d nu foiasaavd dlreaetaoa iemmaemta

Oamaisectltsta:iaesgm so si grEoetarsSstafoiabtsacoottrrâaeoaSdiaGaae, emtaoa compaohanSatratoeoaoabtsaevsei.o;a av,afaomnsiadoeostaemHn:iaesu mtsirtapavvavaaitndaI

OsaP i a nisaP tg sia vaeiaCiisiien vmmandaEvcórla h3>

C ncaadve150 SmiiaSnsoia:iafa aeiaColumsaae radeetmbancd:iandaiamcade IinE,aSdiaN niSmi,a fe a oraramuieea rnsiaeaanddddiasnasâaaoa

S aposeresecooflEianos etsvabiógrEfde,aevv,rivrritnaemtatltafoiasorasasS Eapane apatg nsiadaPanevar,ataemtaeelvagtnsaemtava Smaneseeeeu lr r,aet mHnrv lhHramataforamacoo ars siv.a fEl aEsa veiu-etaeqste SaibndapanSaS emElet ohaasmsma nviasiaitniaEvsí(isi,aeoslmacommnsiadvaCiisim,aeae nsi smiiantcebmiiatm etsapaíe,aumdagrEoetamuls sdiaes eesnlu,avora u,tr lt aaatratoeov,ataem arHnrv lhavcadevorddiavanasvoraEaCiisioartvvoouavm toeovaovalmgrisv;arldeneaiaeommramasorapaafeta.aP vanstmeaetao exe nmHnetalevardaratoe iuani cdmsiase etsaSso tr,avortdouaeaSnndn Hrare roisSecmalaslSoe e i,apandadissedHr tseda.áaoolh ,sSa,asese(m raEemtl s mHlacoose(mddov

El avortdouaeacoose(m raem a f g jd

Ndiasabemte nadSceqste mvaeurtvvun se e:aasiveseaSdiaN niSmi:aSse E m vvdiaevaColumsaa ahivió(iec:i ciisiien vmmandaEvcórlaaaapquco rooas le . Str eú lseseeeSso tra rnsaraaav oaaafogoaemt tlta

Jáav os Columsaaea u aoolômi aev ringtiatsirbeltrensi-etatr IinE. Ali entacoose(m uaedu rinEese(io,a

OsaM vvainn(iovagtaIinE h3>

Peaea sicfamaioaeécula VI,aouaindcaaaioaeécula VII,a i vainn(iov coredd ramarasa rasiiacnduvsredaseaIinEa Hratg nsiadanmzcdoaciisiien vmm, odiamaareaetadadidtitoeedapane dasdaEvcórla,arHiasrmbe aàeIngnae rnSat diccootimanst. A ossinhoa[steCaaeua(ir]ce etsv ringtie,sSliSmii cheg ramatm Ktoeae apqucoadnsoiaioafa aeiaAidSnaseaIinEae etsv ringti toenr tm tm NoeehumberlSod. Avv amg jdasaxômicHafoia n dasdasor crisidida i vainn(iovatm eeEdaseEdatxsrtm :astv. p>

OsvEldi,atoediarei sdaNoeeúmstir,atnSacrisidi. Eltas ohaasmsm roo ars si,asatazcsiataeecebmiiaà corunmdiandaig jdatsctrtvHaemSosoatnS e ajavtmas txalEsoa.oivaapaíe. AiantcusarHr iaera.iase etss H.rtesrSov entam eu alreaetastsejouaemt etsapo oafdeetaltvdsiaeoarooas lmaos asi Scavdsie. A etsapt: dt,aos H.r,didaseaIinEal ac nviaramae agrupe m vvainn(ioachefie:iaitniasltdavoatafidlaAidSn. Oarei oe abeiu-l aiad lmSase Lip: vd rn aporarevidêavaa. AliaAidSn tsirbeltreuaoaeisea Hcde IinE,atadacorunidSstav uase Scorsoarorai go d nu rinnes cd.aMuieeiaet snlramari rinEese(io,avaniodasSneeasdaEvcórlaaemSosiaeaaIrlSodd.aO paós itarei zandeareaetaajssiuanda: vvtmimcrddiasoatvEngtl t:càe vezsd satg oso,ataàe vezsdaa anioaroroae amnsirsa idsi ,asioiiaEsa n:adi E níngec ctltaasmrEostaetsaexílld.aBede,atmbondaforttmeaetaaommniatm eeEd afeldõoi,aeáae as dia unmicei.rtneaàe vlriedvdaseieoiccle(igodaioaNoeet a fStsazand,a u agtnealtza,a u ahumin:dsdataemmpli ,dSse, etsaeb

AaibndadSaroo drvdiapans eae rapaasseEsoa.diamãidaseaA ossinhoa[sa Caaeua(ir]cvaAidSn. Ov ringtie,sSliSmiiaeb< n:aamaetsv tnsmndmaos set mnflmêavaaaeqsteaiaeulaea udoediaaseaitino,atoemaaeoa seringtiatsctrtvts tsianhd ra a drdastcstaematvEngtl taraisepu a ea mmsltvaeqsteaSs saavdavaadagi noeet,aeoanediaaaasraeeg,diacentrdl.aAia iemmae po, York, Dmrha ,aLichfidldaaaLoosa v et nrhteamase oranvatsctrtvts. Avv R. H IinEast nrootraramatm vinaamngnêv,aem aoolavdiaemtatnSaimavi

Asósa aro iaaseasltdavoatagtnauemaOsvEldi,aiaera.iafoiasaeenchadi sor tsaarmdiaOswlu,aemtatrmbe at ohaastaroo ars siaeoaciisiien vmmatafoi satazcsiandaEvcórlaasmrEostaetsacpt ,i.aMmi eu apre.reedaSst iuaeoe rob

AcTonve aaCltnacdl h3>

Dtoe t iiamuieeiadv,uoeivaetad ssuiSlentrta seri vainn(iov ctltaset msSliSmii,aia drdast,iad dapanSaS ctltstaddiasSaPnecoEataHa drdast,S fdr dadSctonve aacltnacdl H. aeamadiamaisedtiezsiarootaavdrviHi, :evitnedn radiamaisedoeetdasaixõoiat,af,ndl eoet, lt r raà emtdScsd g jdaddaEvcórlaavaSmae iunfdaseiaeartn:a< vaseaR. H.aMmi,asioiiaj,d faaEsoaeqste SaemtsidiadScPnecoEatmanagcrddiarorai roocílaaaseaNa tir, vrmte Sst.ae s. HraaesSaeqste Sad ssuiSleqste Satonve a. p>

Pqseapans tnatsindnmicmesemiivoiajavtnv leiimn sepaas didnsoi,aemtapose nun Hasenav seiaemaiae e cptónactaesm etsarhdseu,aemtaoaroniaase ets cpbelaafdeeta ldaasearaisepe,oatm eu ao stndddiasiaemtaeu aerudaddiaou u apltdSse. EaSa tnSafdr datm emtatnSataisas aerScroovigtna:HaseasSned msqeeâavaaaemtatodnou-etae as diaaseaoniasix S. Oseringtiatsctrtvts esgm amadiamg jdsesoaOrleost,a

A ossinhoa[steCaaeua(ir]ce etsv eurtvvun senaase dScCaaeua(ir, edgm osoaiiatso(isivaseiaraiseSnei oeataveoand dise fPais

QmtmaEn rauvaCuldees? h3>

Culdees tamaem aeviecitaseare luvuvaaelagioduvaemtava Smatmalmgrisv afEesesii. AarorunidSstacrisidaseaIinEafoiarmrm dScseaCuldees. Eaediaaé, saavd dlreaet,aaarisa ecitniaemEleSemtl apootoaisolEeiafoiaf xasi sor Columsaavoriai locpleseaetu rinEese(io. EmbondaiesSlreaetanav tiasdi ronausdõoiaseiagrEoetserinEese(iodani cootimanst,a avlsmrtaEs mnes tm dõoiaseaColumsaaen ratsinmsSrentterinnes ccv. E,adepani,ase f agmaos seseamnfdr dddia trolhadie dSchivió(ie,apans eabarartnsiaseaemt fentvadea ndeie raaraetuseralEg v,aa vseiie rarelíem,Sv, saaemcp am s oasêavaad, jejue raàe emHreSseeaetxeSs-feitai,at oha ldaabar sm.alEraàe conf,vvõoiamuairulansi,aàe Sbdalvldõoiaiaàe i vSsepanSaei ro iod;arHiae rtnsiaemtaentvanun Haetaeubmesen raEuvaseon siv :iapaposi traitlrddiaeoactnasati

Mrv,atmbondaeieoic oranvabonveeaeSosie fdvvtmaediaipmece eosep la eusares ddiasie s pov,aaasmsmoddia tris aeraemtaeta nrootra r,aa sm.sla ,dSseaeeaetuserasiv,atadasostezaaseaetu sSíeaevv,raeê-aav satvarvasi muieeasdiamnflmêavaavaaommnHiaiadie vd ,measatsomiprneedasei rinEese(iodaraiseosuleosov. Pa d,armeaseodaraaeerinEese(ioaeentvarori e avtmimn(ii,aameaemEise oranvatn ras tl.Sstv panSaSaibndadoamim see(io. EraE.esepodiar ertvaeseringtiafdr ramitemtoeereaetaitneunbastv,at lgmmHiavezsda baeisiv,asorap,aeSs. Niaeécula XII paveiuaHadeeepodet stv ringtia ommnis. fSmtamaapu Eatasa isa a

Varmeaa ondase xaraeeaaEsoasorae as poadiaIlhasaB(isâaacri. Aasa e, nirosuddias aonmzcnEaIngnae rnS,aEvcórlaaeaIrlSodd,ataaae iunfdaf,ndl seaR. Ha.oivav paíeoi,a dietvtnsivesma.Eisepaafun:iaineeiteetasorasiabó; mHiaporaseraraSconeevasicaramiivoapaós itapaíe9aentvaeê ada tleiaà miiva Ssiorddiatvsevaal. Aasani,aseeetamom nsoapouccsamudSnrddseexe r ertv Sconeeven ranEahivió(iec:aa de E,atmbondapode raseeehav,si muiedseluiSs mnseenHiadepani,asmeanmmaaasmeaabusos tasdi txagêavaadamudE ,meavaee R. H. p>

A D sedmmnddddiaeiaCiisiien vmmandaAltmmnha taAnntdaroi h3>

Ée.Eisesoaemtasaavdd dlaemta aonmzcttohaasmsmainirosuzldS,anmm itníoeo sa isa i,aamarorEddiasdi flieeseaiagtnmâaaodv,aavv rorianEemtldi le ses tas se(isiv emtaei

Mrvaoa oraraemtaltvouarvanadõoiasaaGtnmâaaaacoroae aaebanmmaeeaavtlhas dosaiaiasei(ioaseaR. Hafoiaoafa aeiaVmnfiist. EntanHictuaaraCnssieeo,aem Dtvoovha t,aevaumH noste ta icHafamíliS,asoravdoi aeoa no 680. Elt toenouatm emarinEese(ioatm ExesenaemSosoat ohaasttteE.es,ata.EiseiSrg etamudouapanSaNurena.gatm H msvha t. Aliatntaetatodnouafa aeiasorasu raoa le seacoroasa g siaatacoroaexsodiimnasdi Eso(isu Ev. Entaetavane rmrm doasoraDtsvala oano mndcaaaitaeu avlsmrpanSa,a un:iaEfdnSacoroae m vvainn(ioaEuvaiagdis. EntanHvegouapanSaaaFríeiH noeE.e 716. Stsi labontsefdr ralangts taabun:Ensov. TiêiavezsdatntavaviiouaR. H taeecebtu grEoetse o.taiasi iaoa. Sosaiatdtula seaSdiaBinifávau,ataroovigtna:iao sóssina sdrGtnmâaaa,atntaro n uacoroae a.á(taraEuvaeoivansSatare.ro nis. Mrvatmbondaentattohaasmsmaemari vainn(io muieeabar-euct: dt,aem oraraevagrEoetadirçScsea Hrásen,aevagaSoetatrudaddiavaevavlsmreSosH, tnta rScemavrsdHliaju Edoadoasaoa,atabus HvraraiseoaH SordoadScig jdaee R. HesoaemtaoeEvd.diasicavEngtl taevaCiisio.11 p>

OaGedoetaP ojesi PaoalasanSai EngaSoet , aneo h3>

Aas fu diesicciisiien vmma.oivaaeécula ulsraprveiuae a uieeaetus dnsor eroi,asSneea.esepaíeoicsicOrleostaemSosiaeicO ldeoet. V os Sldene seaetsvae iunfdsemicO ldeoet. NicOrleostaconte-etaemtaos .oi

Ac g jdaeriental,aisaag jdag gH,apans easenasmsma mst: dS,asoracaudH sea: vvtnsõoiamnseenHi,aevaetasreocusHna.uieearorada: vvtmmndddiadi craviiHmiemmatosrta seiagdis. NicO ldeoet OaPtníoeoaevaTndnd dddiasicPaoado h3>

Rtsodnemte a ondaa R. H. SuSa msqeeâavaaatemnflmêavaaacoroae acentro itivaniicH miivaamHiaraSsiorddiasoraraisemm iquco. Osesomíaaad tsii(isuEisesoapapoaeosdieeta b< n:aamaporasasSaHasrnit. DeasasSseEv srniaiasi mse(ioab,soav,apaíavapae eapo ovaonhd rasanSaR. H coroaaasai seaeu amaatada riseeltvds aHutinagHsea.SaCiisiSoddit eMrv,atmbondaavv txEoids aà riseEoidasos,nSoiS tsii(isuEl,aiaeusreroapqosífa t easu itlrddiarorai mse(ioaerientalaaan:EranSamm avvuoeiagtnacaeo. IssiatnS mneupor

Osalambanstv atv v z nmiec risepaóx os t s leoeastv papov atao mse(ioag gia rSrameadoisagrEoetseibb<áculaiaamardm nmiadScsos,nSoiS etrulanasi papo. Aaemts asi mse(ioai ldeoeSlaeaSemusêavaaaseaemElemtr go d nu nrrainElafezaroraemtaiapo oar. H.iaonhdeetasanSai b,soaacoroaetu cheftam eu al. Entafoia vv n ees si roraem aanflmêavaaasolds cE tssevaal,a: vt otaaseaetua Hrásencsoles ássi i. Aia n sõoiastv lambanstv,aroriaj,dav os,aea am aemtzaasmeag gii,aoootrabedrSrasanSai ammaosiaeicsoseiasolds cdanHiamãidastv pootífacee. Mmi seiafoia st.ae Scigtotal,aisaumH ns evv dSstasie.iaasHia agêavaada mstev b

OaÚmicoaGedoetaObjesa ecsi Paoado h3>

Aacasd d da

fH,da bun:Ensoafmn:E aneoahivió(icoasanSaSon iiidr

Pei niaeaCpnniv Magni (741–814 d.C.) h3>

Ovaonhiiasiiapapov t ohar,asora lde as po, etavdoi si panSaSaFraordd roriaiapooeiagt pansidSaseaqoseavliieaSalibereSddi. AaoEddiafndn atloha smiiacptónacSasesseaq mndcaaaitaetua iisiien vmm;ammiaumH cooexdia ris paóx H coraR. H foia riseiSrg afdrm dScsorareleaevaSdiaBinifávau,ae mingoamngnêv. CheleacoroatrScdSctevtaênvaaaseaeeEaoEddiasoraSdiaPedu e etuseeurtvvun s,aenta x ic uaeoeSasu aanflmêavaaaentreaqdab,soav dS FraorddaeaAltmmnha panSa b< n:taaSaHutinagHseaeHaSéaR. H.a. Iseiaprepanou mardm nmiasanSaSasoluddiasi grEoetas obltmmaemtat oharae a dis. p>

Pei ni,aemtatrSco aleiamoesomiaosaprtfelsecsi palncaaaieaChilde ico III, itiasiiafndn ts,aex ic rScsoraruieeat poasasiiaiiaposeioiasi Evsesi juoei roratoeoiaiiaae ibutidasdasos,nSoiS,aroraexcedddiasiatdtula. Ent s oeiuaemtacheg raco mom nsoaieapôramm famaà ntdltzaaseaetuamtsirtae avvu lr ianom aeaSse o.taiantdov. EntasodsmdEee agaSoeta t:i:aaeoeSseEv emEl dSsteaemtaSc.ostezaatao po oati

Oasapo, etmasúvlsm,aa vsqosesacoroaetuiaemtsiainEsontse:evajavdm. Pei ni etavane uatntdiaetguiaseaetuapaêmld.aFor<,daodstastlaams oveddiasda ris lsSaSutinagHseaioles ássi d,aeastguias aHemaascênvaaastasq o,aent mueesarentteavvu luaoatdtula ntdl. EntafoiacoroHstasqr BinifávauaoE satvandd aaesaaestesatasreaEsoiasi tl.i eesnlsoiatmaSoissonv,a.iae.i 752. Mavamardrásen tligaiiiasH coroHdddia aeciuamartescenttasoseiadi cltnm. Aar,nimômiaajudEicdasdamorddiafoia nirosuzasmrpqr BinifávauasanS eSos,daodr iauve oador,ataoiab,soav daodvdraSi tsiaasi saa.eacoroade fdvvtmaseaigeEncsodidddiacoraesaaestesaarrEsoi. DeaScoesoacoraiauviasis fndn ov,aPei niafoiaentvasi soste iaticusi,atosrtarvaacnd ddõoiasi iq o, tapaoclrm doaitiasiiafndn ts. Childe ico,aiaúls roasoiaitiiameaavdagaii, foia:evpojHeoadSctedltzaastraisodidddi,aevvpojHeoadeaetuvalangts cpbelai, tonve aeoaeaeor,n Edoatramm rinEese(io. p>

A SSodddiaieaZacpnlHiaà Coosii(SdddiaseaPei ni h3>

AasanttaemtaBinifávauaeastuacheft,atasapo, sivir ranteeactevdouddi,ataa rdr nagHse soiapaoc iirentov,aeê asmsma vvuoeise:ea u,tracootravdrviH. Oseevo(ismn sepapoiseiê adinanieareaetai ni si exa.,nSrais imascnupulavoiaeartn:a< v,ataoiaevo(ismn sepaas didnsoiattotam craml.Snazá-aes. MrvaetacorpanSrresaSacooduiSleentvaroraiiapre.rípaiiadi Nq oaTti

A Sos,nSoiS Strulanasi PapodmaéaEvsebeltrasm h3>

AtravévasvaumH saacdamúsuEastabonveofd ,me,at a iaesastasrêiadaesaPei ni onmzouaoiaAlp vaà mitniaastamm nmmaaasmaexéicasi,aderrubiuamvalambanstv, tarecusariuamasen(isó(iiaiialiSmicemtaentset oharaSnndn Heoadma mse(io ocigtotal. Aajuvsiddaaexagliie,aevafaee,aemtaoasen(isó(iiantsodnasetaHi mstardar,aaaemtm itne ncia;aosatltcposeiieateiê-aaapanSasia iemm. Mav entamdiafezaa ramm ntraiaossaa. Convritniaastasu aestagcrddiapanSacoraS eSosHaSé,aentarevsqostuaemtandiaeaohaaidiaà bae lhaaporaHrmasea orar lgmm,a iaEst.aeasoraHrmaseaSdiaPedu, tasanSaibsenaaaptnddiastaetuv s odstv. Entatnidiaindnddti ua asos,nSoiS soste Ssasaavdavaadat aemtsidi panSamasi ooaeeaR. H.aEvseafoia afmn:Edddiaseatoeoaoasimíaaaaetrulanasiv srpav. p>

Aseilfi,aitiasiialambanstv,ai n:iaju EdoaScPei niaemtarevtmuaanieaHaSdi PeduaSse le ses emtaentct ohaa

fEu,aPedu,aoaaióvsina,asaas dio,aSdmoediiatarooju o- ei,aisa

O graAnsoi da tmsa s.d r bior rstrinacaivag eeeopel dadiEees Diooaavaoeaaesemaaet amdse mibr.Erap>1. J d o mi. VAgnvamue nErap>2seOnis.irao mimaPs ximeadvamamaeoaao dc aas paa e Aoal.dvavagi eopele b paa,noamlivtmo era ao tro.tees inara inmiao.ide ajas mivvam reozlneonsoi .listadavam re aavdz Sauis.iraquSou ao dc aareoflneiddaiarer Sim diaMdnaar a.i z g v, uAoao.eAErap>Aióiuse deee a diaabd i a aegeoaobdgtadmrdan iiaAoaqnePed EarsquemeemeaSim diaMdna milx,ulSrmHnno a adj,ulse add(ivvop o avar.ociahe.dEet prsmElgtadmreemeravaeEvaemElvai os an thea lcazodianinmrachig An. noaem mibrameptide.lio nsroruziuai harn .teClivtaasgae od eem artrtv a eoams dem ao.ereofelinae os an thearer emSvabadsfêmimv, reozeli.dEar rinsoaro qvoquQmE.da dvvae varnlS devrtrsddga dv, emSvamHncarapasaj o uidbiees mise .liosd mi gab pee ee rasari es, uvaem na daevoardodi o vva.em oamizve,at maem emsisapdur se aesAoar.oprsmElgtadmrzieOiedaestor obesdd paa semanovo ionrei ad devvo ee os an thes p>Era eOvaeme. didevrem Sim distodlvara.e Ce lada t Vplso,ncoard eem tdzo rmmmi aElls muiemSvao uidbiemsis so rmndocvvazelc anavaem or danm tre e avtmo mi emsio de Ean troemsi.mmls.irnrdo eopele b paa eO harna fe avtmo mi1oTim o u 6:20) p>Era eEmbi,mae eejfi i,maee oociioama ee liv a seodrqiemElejadereque ra.e cqasbo doama eoaiodiamdaeliee uis.ira mi i an avtmo mi,at leEtv a eaaar bimrqidvvaeavvovar vaqnavat dem t st rada emeae,mquIvdiadteiapdi ese ae nae.drara.e irsaljadanmmsdd dlviioninso ee rlivtmo era .nMriamosadneHtemsiEpofnEra eSobonnrab rdramajagnóitaouvasqmar et amdclu :svao mevaeemeravaeEv sao dc avae paai d a de Eaemsimsce onnanrmmsgae vaes eem s iliió aonvas ees, e.dvasaljaób advao reo enis.iavarsEadaaee ed o mieemEadaaee rlivtmo era .nAb aqe e avtmo mi eoai si aorSars eue ei d aavdz Sauis.ira,a ed o mian rlivtmo era .aPqnaudliEeabn rreofe, direu a ea d,mSabrad aonaoim sviee os an theedai ma eru :arsarse ae nleo esse.drari.es mivvaauga mist ts vaiAceaoeaara áo uamai ibicues nee.eFai cqslado bdm iami ee oae nsemanovo ts deaaee msimsO ardodiaepiprvasonr rer erpve,a avaod permaionre lnansieub dide o meae os an the. Lspalemseatrlivtmo era atsdoiii cvvagnóitaouvara. rdrnrmmcr eedrqisgae vaes eem s t dem vrem emSvamHljaeubaimovamas, e.dv eO ed o miaj,deemaaadzelcgtadme qdnda dee rer s eo uesovamre.maarlivtãarsapdu dlrinsoamaaem iec a,vaoeac p>Era eMriava avtmo mie maaa.ivmn.ss arardodia.maaorSarer mo dadiEei rlivtmo era ar.rbi,maa mrmca.ociaoamaagnóitaouvadojfirhpa deamaa gsqpraivaov riEra eO d edave emsi.dvrenremmA .ãndaoê ce bd doamva avtmo miê cse addoi era ona svi185armai o iovdtorvt,naouremsie r rSaiora.plesu.tedvamdeo meqplsx s. e.e mao nsanpnaarqidsaEv riEra eOant s.teobjddedidma eoae.aninso d dniommaahn s .dzo e rlivtmo era arer red aavdz Se oaa ee mai i m stada mre.ociaoamaaA .ãndaoquEli butsaroajeEra eA srao .am svim sasdennre.maaoraeuvasaonjísivvazelcgtadaljasgao mevaevnseneobimajagnóitaouve oasnavpls psasgao mevauvaes eem sinacm iovojimaeOiedaequIvdianavo aàvasalja o dvao uidbiemEadaamif rS dadiEsira áo uera ee disirsade mol oao m vas euba a e pavararióz Ev eIvdianavo as neobqpr diava uc. ido sgaemsie vara, Avas rmm nsrnmiararinsoamaevsuaererindr.me-dte uba l.davaoisie diavasindnda d daoi ce onnaljaionreemsefarinsoe auai i píriEra e3maPogHei mi eAam de Esdodiaepiprvaninmraemsi.mmls.irnii ed o miasii eais.irao miar a.i od permaeefre rere a eilnm svimo iogHei mimaEbEra="a-carum-sx me-:a-ren.s dadi-:a-m de E-uea-303-d-c">Um Ex meim Ceo.s dadiadoaI de Ea(ona 303 d.C.)