O que Respondi Volume 05 (Parte 1)


Mario Persona

Iniciar >

O que respondi Volume 05

O que respondi…

aos que me perguntaram sobre a Bíblia

— Volume 5 —

por

Mario Persona

Smashwords Edition ISBN:


Publicado por:

Mario Persona no Smashwords e em outros meios.

Copyright © 2014 by Mario Persona

mariopersona.com.br

contato@mariopersona.com.br

"Santificai a Cristo, como Senhor, em vosso coração, estando sempre preparados para responder a todo aquele que vos pedir razão da esperança que há em vós”. (1 Pe 3:15)

Ilustração de capa: Billy Frank Alexander

dreamstime.com/Billyruth03_portfolio_pg1

As citações são da Bíblia nas das versões ACF — Almeida Corrigida Fiel, ARC — Almeida Revista e Corrigida, ARA — Almeida Revista e Atualizada, JND — John Nelson Darby ou eventualmente uma tradução livre baseada nestas versões.

Trechos deste livro podem ser reproduzidos, copiados e distribuídos desde que o texto não seja alterado e seja feita a devida referência ao autor. Apreciamos seu apoio e respeito a esta propriedade intelectual.


Apresentação

Primeiramente agradeço a Deus por permitir que este material fosse produzido e disponibilizado para milhares de leitores no Brasil e no mundo. As ideias que você encontra aqui não são originalmente minhas, e sim fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim. Foram eles J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros.

Para que você compreenda como este livro veio a existir, creio ser necessário voltar um pouco no tempo. Depois de um período trabalhando em São Paulo, em 1988 mudei-me com minha família de volta para Limeira, minha cidade natal, a fim de colaborar com a Editora Verdades Vivas, uma organização sem fins lucrativos que produz e distribui literatura cristã. A grande quantidade de folhetos evangelísticos, livros e calendários distribuídos no Brasil e em outros países de língua portuguesa gerava um volume considerável de correspondência, não só com pedidos de publicações, mas também com perguntas sobre a Bíblia. Todas as cartas eram devidamente respondidas.

Nessa época adquiri o hábito de manter uma cópia das respostas em formato digital. Assim ficava fácil responder perguntas semelhantes ou até mesmo mesclar trechos de diferentes respostas, além de preservar aquele conhecimento. A partir de 1996 passei a usar a Internet e aí as respostas já não precisavam ser impressas, envelopadas e enviadas por carta como era feito até então. O uso do e-mail agilizou o processo e permitiu atender mais correspondentes com maior agilidade.

Em 1998 deixei a editora para atuar como executivo de uma empresa de tecnologia da informação, porém mantendo nas horas vagas minha ocupação com o evangelismo e ministério da Palavra via Internet por meio de diferentes sites e blogs. Em 2001 passei a trabalhar por conta própria como consultor e palestrante empresarial, tendo mais tempo livre e uma agenda mais flexível para dedicar-me ao evangelho.

Em 2005 decidi lançar o blog "O que respondi” no endereço respondi.com.br para disponibilizar as respostas que tinha armazenado em formato digital desde 1988 e acrescentar as que fossem sendo criadas. Algo que muitos perguntam é a razão de o blog não permitir comentários, mas o volume de spam, debates e opiniões deixadas na área de comentários me obrigou a eliminar esta opção de contato para me concentrar no atendimento apenas por e-mail. É sempre bom lembrar que não existe uma "equipe” para responder a correspondência que chega, pois este é um exercício pessoal.

Em 2008 iniciei um trabalho chamado "O Evangelho em 3 minutos — Uma mensagem urgente para quem tem pressa”, com vídeos no Youtube e também em versões de texto e áudio no endereço 3minutos.net. Com a popularização do smartphone e da Internet móvel este formato mostrou-se excelente para alcançar pessoas a qualquer hora e em qualquer lugar com a mensagem da salvação e a sã doutrina. O site "O que respondi” passou a servir de complemento aos vídeos. Enquanto no "Evangelho em 3 minutos” a Palavra de Deus é pregada de forma rápida, no "O que respondi” ela é explicada em detalhes e com referências.

Estas e outras frentes de trabalho via Internet continuam gerando um número cada vez maior de contatos e perguntas. Em 2013 foram mais de três mil perguntas atendidas, porém graças ao blog "O que respondi” nem todas precisaram ser respondidas. Na maioria das vezes é suficiente enviar links para as mais de mil respostas existentes no blog, que já conta com cerca de quatro milhões de acessos desde sua criação.

Assim chegamos à razão deste livro que está sendo lançado nos formatos digital (e-book) e impresso (on demand). Ele atende aqueles que desejam ter acesso ao material do blog sem depender de uma conexão com a Internet. Este é um dos mais de dez volumes projetados para compor esta coleção, se considerarmos todo o conteúdo do blog "O que respondi”.

Ao ler este livro não se esqueça de que está lendo as opiniões do autor, e não a Palavra de Deus. Considere também que os textos são cartas e e-mails de minha correspondência pessoal, e não uma obra literária. A linguagem é informal e despretensiosa como acontece com uma correspondência entre duas pessoas, e é provável também que você às vezes venha a achar a linguagem meio irreverente, mas isso é apenas fruto de meu estilo literário, e não de tratar levianamente as coisas de Deus ou a pessoa a quem respondi. Lembre-se também de que, para a resposta fazer sentido, às vezes incluo o que escreveram meus interlocutores e alguns são incrédulos ou ateus com opiniões depreciativas a respeito de Deus e de sua Palavra.

Não espere encontrar aqui todas as respostas e nem sequer as trate como definitivas. Elas são fruto do meu exercício com o Senhor e do que continuo aprendendo todos os dias. Por isso leia, medite, busque referências na Bíblia e ore para que o Espírito Santo lhe dê o entendimento. Sem isto até a pessoa mais inteligente e versada nas Escrituras será incapaz de entender as coisas de Deus, pois elas se discernem espiritualmente.

É provável que você encontre erros em minhas opiniões. Pode ter certeza de que eu mesmo eventualmente sou obrigado a acessar o blog "O que respondi” para fazer correções após ter sido instruído ou alertado de alguma falha por algum irmão ou por algo que li na Palavra de Deus. Se, ao comparar uma resposta mais antiga com uma mais nova, você encontrar alguma discrepância, saiba que optei por não revisar todas as respostas, mas decidi mantê-las do modo como entendia as coisas quando as escrevi, e lembre-se de que você está lendo textos escritos ao longo de um período de cerca de trinta anos. Se encontrar algum erro de digitação ou de gramática, entre em contato para eu fazer as devidas correções, pois o desejo de disponibilizar este livro o mais rápido possível nas mãos dos leitores foi maior que o tempo que tive para revisá-lo.

Este livro está sendo distribuído gratuitamente, porém alguns sites de terceiros ou editoras irão cobrar algum valor para a versão e-book ou impressa sem que isto signifique algum ganho da parte do autor que optou por abrir mão dos ganhos com direitos autorais. Você poderá distribuir o conteúdo deste livro, desde que o faça gratuitamente, não altere o texto e mantenha a referência ao autor.

Peço que se lembre de incluir este trabalho em suas orações e de endereçar ao Senhor, e não a mim, qualquer sentimento de gratidão que porventura possa ter por esta leitura.

"Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda é certa” (Os 6:3).

Mario Persona

respondi.com.br

3minutos.net

Março, 2014


Como pode Deus se arrepender?

Você pergunta como pode um Deus onisciente se arrepender de algo, considerando que ele já sabia tudo de antemão.

Balaão diz em Números 23:19 que "Deus não é homem, para que minta; nem filho do homem, para que se arrependa". Poderíamos dizer que aqui é a opinião de Balaão, não sei ao certo. Mas seja o que for, em outras passagens diz que Deus se arrependeu de fazer algo.

(1 Cr 21:15) "E Deus mandou um anjo a Jerusalém para a destruir; e, estando ele prestes a destruí-la, o Senhor olhou e se arrependeu daquele mal, e disse ao anjo destruidor: Basta; agora retira a tua mão”.

(Am 7:6) "Também disso se arrependeu o Senhor. Nem isso acontecerá, disse o Senhor Deus”.

(Jn 3:10) "Viu Deus o que fizeram, como se converteram do seu mau caminho, e Deus se arrependeu do mal que tinha dito lhes faria, e não o fez”.

Eu entendo que esse "arrepender-se” não é no sentido de alguém ter praticado algum mal (como acontece conosco), mas de alguém voltar atrás ou seguir um “Plano B” que já podia estar previsto como alternativa. É como se você decidisse ir para uma cidade por um caminho e, ao chegar numa bifurcação, “se arrepende” da decisão anterior porque as condições do tempo mudaram e a outra estrada passou a ser a melhor opção.

Como é impossível a Deus pecar, é impossível também que ele precise se arrepender. Quando entendemos isso, enxergamos o valor da Pessoa de Jesus, Deus e Homem, que quis se assemelhar em tudo conosco, porém sem pecado. Além de assumir a forma humana, ao ser batizado por João Batista Jesus estava se identificando o máximo que podia com a raça humana, já que o batismo de João era um batismo de arrependimento. Aquele que não tinha nada de que se arrepender quis ser batizado assim mesmo para demonstrar o quanto ele estava do nosso lado.

Quanto ao arrependimento humano, não conheço melhor passagem do que esta de Jeremias 31:19: "Na verdade depois que me desviei, arrependi-me; e depois que fui instruído, bati na minha coxa; fiquei confundido e envergonhado, porque suportei o opróbrio da minha mocidade”.

Há também outro tipo de arrependimento humano, que é o de Caim e de Judas. Eles não se arrependeram do mal que fizeram por isso ser contrário a Deus, mas porque seus Atos trouxeram consequências que não eram boas para si mesmos. Esse é o arrependimento egoísta, do ladrão que se arrepende porque foi preso. Se não fosse preso, não se arrependeria.


O diabo está no céu?

Sim, o diabo está no céu, segundo o que diz a Bíblia. Definitivamente Satanás não está no inferno, como aprece nos gibis. Em Jó caps. 1 e 2 nós o vemos no céu, na presença de Deus, dizendo que costumava passear pela Terra.

(Jó 1:6-7) "E vindo um dia em que os filhos de Deus vieram apresentar-se perante o Senhor, veio também Satanás entre eles. Então, o Senhor disse a Satanás: De onde vens? E Satanás respondeu ao Senhor e disse: De rodear a terra e passear por ela”.

Os anjos são chamados de potestades ou poderes das regiões celestiais, não do inferno ou da Terra.

(Ef 3:10) "para que, agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus".

(Ef 2:2) "em que, noutro tempo, andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que, agora, opera nos filhos da desobediência”.

Encontramos em Apocalipse uma batalha travada nos céus, e nela há tanto anjos de Deus como anjos caídos:

(Ap 12:7) “E houve batalha no céu: Miguel e os seus anjos batalhavam contra o dragão; e batalhavam o dragão e os seus anjos”.

Paulo nos fala da localização das potestades ou anjos contra o qual é a luta do cristão, e eles estão nos lugares celestiais:

(Ef 6:12) “porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas, sim, contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais”.

Um dia Satanás será lançado no lago de fogo, mas isso ainda é futuro, e ele será lançado lá como réu condenado, e não como alguém que irá reinar no inferno como costumamos ver em filmes e gibis:

(Ap 20:10) “E o diabo, que os enganava, foi lançado no lago de fogo e enxofre, onde está a besta e o falso profeta; e de dia e de noite serão atormentados para todo o sempre”.

Para entender isso é preciso entender que aquilo que chamamos genericamente de “inferno” costuma incluir diferentes lugares e situações.

Também o que chamamos de céu inclui diferentes lugares, um deles eternamente inacessível a homens e anjos.


Anjos têm asas?

Quando você lê a palavra “anjo” na Bíblia, seu sentido original é “mensageiro” o “enviado”, e não aquele anjo de asas que vemos nos filmes e nos gibis.

Na maioria das vezes os anjos aparecem na Bíblia na forma humana e podiam ser confundidos com homens comuns. Geralmente, dependendo da tradução que você utilizar, “o anjo do Senhor” significa o próprio Senhor Jesus vindo em forma humana (antes de nascer neste mundo nos evangelhos), como quando ele apareceu a Abraão e teve uma refeição com ele sob uma árvore.

Quando você encontra “um anjo do Senhor” provavelmente esteja se referindo a um anjo. Mas a palavra anjo é usada também para seres humanos em posição de responsabilidade ou quando são enviados para alguma missão, pois este é o significado da palavra.

Apenas quando são mencionados os querubins e serafins é que são descritas asas. É o caso das imagens que Deus ordenou que fossem colocadas sobre a tampa da arca da aliança:

(Ex 25:20) "Os querubins estenderão as suas asas por cima, cobrindo com as suas asas o propiciatório; as faces deles, uma defronte da outra; as faces dos querubins estarão voltadas para o propiciatório”.

Ezequiel tem uma visão de querubins com asas, porém por se tratar de uma visão não é simples entender o que é real ou material, e o que é apenas uma figura com um significado atrelado a ela:

(Ez 10:5) "E o estrondo das asas dos querubins se ouviu até ao átrio exterior, como a voz do Deus Todo-poderoso, quando fala”.

(Ez 10:8) "E apareceu nos querubins uma semelhança de mão de homem debaixo das suas asas”.

(Ez 10:16) "E, andando os querubins, andavam as rodas juntamente com eles; e, levantando os querubins as suas asas, para se elevarem de sobre a terra, também as rodas não se separavam deles”.

(Ez 10:19) "E os querubins alçaram as suas asas e se elevaram da terra aos meus olhos, quando saíram; e as rodas os acompanhavam e pararam à entrada da porta oriental da Casa do Senhor; e a glória do Deus de Israel estava no alto, sobre eles”.

(Ez 10:21) "Cada um tinha quatro rostos e quatro asas e a semelhança de mãos de homem debaixo das suas asas”.

Veja que mesmo neste caso se Ezequiel fosse desenhar um retrato do que viu teríamos seres de quatro asas e quatro rostos, e não os anjos comumente vistos nos filmes ou os anjinhos barrocos encontrados na decoração dos templos católicos. Já Isaías teria desenhado os serafins de sua visão com seis asas:

(Is 6:2) "Os serafins estavam acima dele; cada um tinha seis asas: com duas cobriam o rosto, e com duas cobriam os pés, e com duas voavam”.

É claro que não podemos descartar o fato de essas asas serem apenas simbólicas, pois na Bíblia encontramos passagens nas quais até o próprio Deus é mencionado como tendo asas de penas:

(Sl 91:4) "Ele te cobrirá com as suas penas, e debaixo das suas asas estarás seguro; a sua verdade é escudo e broquel”.

Zacarias também tem uma visão de mulheres com asas:

(Zc 5:9) "E levantei os meus olhos e olhei, e eis que duas mulheres saíram, agitando o ar com as suas asas, pois tinham asas como as da cegonha; e levantaram o efa entre a terra e o céu”.


Devemos aceitar a Palavra de Deus sem questionar?

Você discorda do que eu escrevi sobre a autoridade divina em “Por que Deus mandou matar nações inteiras no A.T.?”. Segundo você, meus argumentos são muito fracos, e qualquer um com um mínimo de inteligência é capaz de rebatê-los.

Se eu visitar sua casa será impossível entender boa parte da conversa que você tem com sua família, pois existem alguns códigos de linguagem, gírias e toda uma história e contexto que serão estranhos para mim. Eu só compreenderia vocês se fizesse parte da família. É como o filho que compreende o que seu pai lhe diz só com o olhar.

Você não será capaz de entender as coisas de Deus se não tiver o Espírito de Deus, portanto será inútil tentar explicar a você o modo de Deus proceder.

Todo incrédulo tem seu próprio deus, isto é, uma divindade que não discorda dele em coisa alguma, um deus feito sob a medida de seus próprios pensamentos. Porém alguém assim você não consegue nem em um casamento, quando precisa acatar o que o outro pensa, ainda que não concorde. Se opiniões discordantes ocorrem sempre nos relacionamentos humanos, o que esperar de um relacionamento entre o homem e seu Criador. Que o homem concorde com tudo? Que o Criador se amolde àquilo que o humano concorda? Nem uma coisa nem outra.

Se você se converter a Jesus, terei prazer em explicar isso e outras coisas de acordo com o que encontro na Bíblia, a Palavra de Deus.

(1 Co 2:6-14) "Todavia, falamos sabedoria entre os perfeitos; não, porém, a sabedoria deste mundo, nem dos príncipes deste mundo, que se aniquilam; mas falamos a sabedoria de Deus, oculta em mistério, a qual Deus ordenou antes dos séculos para nossa glória; a qual nenhum dos príncipes deste mundo conheceu; porque, se a conhecessem, nunca crucificariam ao Senhor da glória. Mas, como está escrito: as coisas que o olho não viu, e o ouvido não ouviu, e não subiram ao coração do homem são as que Deus preparou para os que o amam. Mas Deus no-las revelou pelo seu Espírito; porque o Espírito penetra todas as coisas, ainda as profundezas de Deus. Porque qual dos homens sabe as coisas do homem, senão o espírito do homem, que nele está? Assim também ninguém sabe as coisas de Deus, senão o Espírito de Deus. Mas nós não recebemos o espírito do mundo, mas o Espírito que provém de Deus, para que pudéssemos conhecer o que nos é dado gratuitamente por Deus. As quais também falamos, não com palavras de sabedoria humana, mas com as que o Espírito Santo ensina, comparando as coisas espirituais com as espirituais. Ora, o homem natural não compreende as coisas do Espírito de Deus, porque lhe parecem loucura; e não pode entendê-las, porque elas se discernem espiritualmente”.


O arrebatamento não seria depois da tribulação?

Você discorda do que eu disse em um de meus vídeos, de que o arrebatamento poderá ocorrer a qualquer momento, para só depois surgir a apostasia, o anticristo e a grande tribulação, findando com a vinda de Cristo ao mundo para reinar. Na verdade essa é a opinião de muitos cristãos, mas ela cria certas dificuldades para fazer os eventos bíblicos se encaixarem, em especial as promessas que foram feitas a Israel.

Vou comentar os pensamentos e versículos que enviou para justificar o seu modo de pensar. Quando lhe perguntei quais seriam os fundamentos nos quais você baseia sua teoria, você respondeu: "O primeiro é que o arrebatamento da igreja só ocorrerá ao final da Grande Tribulação, ante a última trombeta do Apocalipse! — 1 Co 15:51-52Ap 11:15-19”.

Sua suposição ocorre por você considerar que a "última trombeta” de 1 Coríntios 15:52 seja a mesma sétima trombeta tocada pelo anjo em Apocalipse 11:15, mas não é. Compare as passagens:

​a. (1Ts 4:16) "Porque o mesmo Senhor descerá do céu com alarido, e com voz de arcanjo, e com a trombeta de Deus; e os que morreram em Cristo ressuscitarão primeiro;”.

​b. (1 Co 15:52) "Num momento, num abrir e fechar de olhos, ante a última trombeta; porque a trombeta soará, e os mortos ressuscitarão incorruptíveis, e nós seremos transformados”.

​c. (Ap 11:15) "E tocou o sétimo anjo a trombeta, e houve no céu grandes vozes, que diziam: Os reinos do mundo vieram a ser de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre”.

Em 1Ts 4:16 temos a "trombeta de Deus”, não do anjo. Parece ser a mesma de 1 Coríntios 15:52 porque ambas mencionam a ressurreição dos que dormiram em Cristo e a transformação dos vivos que creem.

Em 1Co 15:52 a "última trombeta” e está claro aqui que ela tem a ver com bênção para a Igreja, não com juízo para o mundo ou para os perdidos como vemos com as trombetas de Apocalipse.

Em Ap 11:15 temos uma trombeta, porém não é chamada de "última”, apesar de ser a sétima de uma série que tem por objetivo, não arrebatar os salvos, mas trazer juízo ao mundo.

Você escreveu: "O segundo é que após a vinda de Cristo p/ derramar seu sangue pelos pecados, o véu do templo para sempre se rasgou, o Espírito Santo nos veio para sempre, e jamais se ausentará. O que vai ser tirado da terra na época do anticristo é a Palavra de Deus! Ela vai ser retirada da terra. Amós 8:11-13: — ‘Eis que vêm dias, diz o Senhor Deus, em que enviarei fome sobre a terra; não fome de pão, nem sede de água, mas de ouvir as palavras do Senhor. E irão errantes de um mar até outro mar, e do norte até ao oriente; correrão por toda a parte, buscando a palavra do Senhor, mas não a acharão. Naquele dia as virgens formosas e os jovens desmaiarão de sede’”.

O versículo não diz que Deus tirará a sua Palavra da terra, mas que as pessoas a procurarão e não acharão. Esse é o resultado da apostasia e do abandono da verdade, que incapacita o homem de ouvir e entender a Palavra de Deus. É o efeito causado em Saul, quando procura a Palavra de Deus e não a encontra por terem acabado suas chances de ouvi-la em virtude de sua contínua rejeição.

(1 Sm 28:6) "E perguntou Saul ao Senhor, porém o Senhor lhe não respondeu, nem por sonhos, nem por Urim, nem por profetas”.

Saul vai então procurar uma médium em total desobediência a Deus. Este será também o processo com o mundo incrédulo que rejeitou a Palavra de Deus em seu tempo e quando mais precisar dela não a encontrará (talvez por Deus enviar a "operação do erro” — 2 Tessalonicenses 2 —para que creiam na mentira). Porém a Palavra de Deus estará sim sendo pregada em todo o mundo até o fim.

(Mt 24:14) "E este evangelho do Reino será pregado em todo o mundo, em testemunho a todas as gentes, e então virá o fim”.

Você escreveu: "Então, nessa época a palavra de Deus e o nome de Jesus serão retirados da terra e não mais se achará!”.

Isso é um equívoco, pois as "duas testemunhas” profetizarão por "mil duzentos e sessenta dias” que é exatamente o período de 3 anos e meio da perseguição promovida pelo anticristo.

(Ap 11:3) "E darei poder às minhas duas testemunhas, e profetizarão por mil duzentos e sessenta dias, vestidas de pano de saco”.

Portanto não há como considerar que a Palavra de Deus será tirada da terra justamente quando ela estará sendo pregada até os confins da terra antes de vir o fim pelo remanescente de Israel que será salvo durante a grande tribulação, e também será profetizada pelas 2 testemunhas por 3 anos e meio. Se não é a Palavra de Deus que esses dois “profetas” estão levando, então como poderiam estar testemunhando e serem mortos por isso?

(Ap 11:10) "E os que habitam na terra se regozijarão sobre eles, e se alegrarão, e mandarão presentes uns aos outros; porquanto estes dois profetas tinham atormentado os que habitam sobre a terra".

Você escreveu: “‘E deu-se-lhe poder para agir por 42 meses’ (meses literais — ou seja, três anos e meio). Nesse período de Grande Tribulação, os cristãos fugirão p/ os desertos — onde serão sustentados por Deus por 42 meses (similar ao que o Senhor fez aos filhos de Israel no deserto). — Ap 12:6 e Ap 12:14”.

A interpretação da mulher de Apocalipse12 como sendo a Igreja não é correta. A mulher aí tem um filho que é Jesus, ou seja, essa mulher é usada por Deus para trazer ao mundo o Cristo.

(Ap 12:2) "E estava grávida e com dores de parto e gritava com ânsias de dar à luz”.

Esse filho é o Rei de Reis, e ele é tirado da terra.

(Ap 12:5) "E deu à luz um filho, um varão que há de reger todas as nações com vara de ferro; e o seu filho foi arrebatado para Deus e para o seu trono".

(Dn 9:26) "E, depois das sessenta e duas semanas, será tirado o Messias e não será mais; e o povo do príncipe, que há de vir, destruirá a cidade e o santuário, e o seu fim será com uma inundação; e até ao fim haverá guerra; estão determinadas assolações”.

A mulher de Apocalipse 12 não pode ser a Igreja, pois esta nunca foi o meio usado por Deus para trazer ao mundo o Cristo. A Igreja passou a existir em Atos 2 e era ainda algo futuro mesmo nos dias dos evangelhos, quando Jesus usa o verbo no futuro para se referir a ela: "Edificarei a minha igreja”(Mt 16:18).

Se a mulher não é a Igreja, restam duas opções: Maria e Israel. Maria não pode ser, pois não há qualquer relato de perseguição a ela e o Apocalipse é um livro de símbolos. Qual outra mulher simbólica, além da Igreja, é encontrada nas Escrituras e mencionada como esposa de Deus? Israel, "porque a salvação vem dos judeus”(Jo 4:22).

(Jr 31:31-32) "Eis que dias vêm, diz o Senhor, em que farei um concerto novo com a casa de Israel e com a casa de Judá. Não conforme o concerto que fiz com seus pais, no dia em que os tomei pela mão, para os tirar da terra do Egito, porquanto eles invalidaram o meu concerto, apesar de eu os haver desposado, diz o Senhor".

(Ct 4:8) "Vem comigo do Líbano, minha esposa, vem comigo do Líbano;”.

Você escreveu: "E muitos cristãos por esses dias selarão o seu testemunho com a morte: ‘Aqui está a paciência dos santos; aqui estão os que guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus’ – (Ap 14:12)”.

Esses que “guardam os mandamentos de Deus e a fé em Jesus” são os convertidos após o arrebatamento da Igreja. Nesse período, judeus e gentios se converterão, mas apenas aqueles que nunca tinham escutado o evangelho. Muitos serão mortos por sua fé em Jesus. Tenha em mente que, a partir do capítulo 4, o tema de Apocalipse é o mundo apóstata e os judeus. A igreja só volta a aparecer no final, na cena das bodas (que não está necessariamente em ordem cronológica com os outros eventos por acontecer fora da terra).

Você escreveu: “‘Ao ressoar a sétima trombeta, no término da Grande Tribulação, Cristo regressa sobre as nuvens c/ poder e grande glória p/ buscar os seus escolhidos: os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro, depois nós os que ficarmos vivos seremos arrebatados juntamente c/ eles nas nuvens ao encontro do Senhor nos ares, amém! ’ (1 Co 15:51-52; Mateus 24:29-31; Ap 11:15-19)”.

Esse retorno de Cristo sobre as nuvens é bem diferente do que você encontra no arrebatamento em 1 Tessalonicenses, quando ele não chega a pisar na terra e vem até as nuvens, onde acontece o encontro com sua igreja que é arrebatada até ali.

A grande dificuldade está em confundir Israel com a Igreja, dois povos distintos, com origens distintas, promessas distintas e destinos distintos. Israel foi escolhido “desde a fundação do mundo” para um reino terrenal.

(Mt 25:34) "Então, dirá o Rei aos que estiverem à sua direita: vinde, benditos de meu Pai, possuí por herança o Reino que vos está preparado desde a fundação do mundo;”.

A Igreja foi escolhida “antes da fundação do mundo” para habitar no céu e, depois, no novo céu.

(Ef 1:4) "como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo,”.

A Israel foram prometidas bênçãos terrenas neste mundo (terras, filhos, gado, leite e mel), nenhuma celestial.

(Lv 20:24) "E a vós vos tenho dito: Em herança possuireis a sua terra, e eu a darei a vós para possuí-la em herança, terra que mana leite e mel. Eu sou o Senhor, vosso Deus, que vos separei dos povos”.

À Igreja foi prometido tribulação no mundo e bênçãos espirituais no céu.

(Jo 16:33) "Tenho-vos dito estas coisas, para que em mim tenhais paz. No mundo tereis tribulações; mas tende bom ânimo, eu venci o mundo”.

(1Tm 6:8) "tendo, porém, alimento e vestuário, estaremos com isso contentes”.

A interpretação bíblica que enxerga a Igreja em Apocalipse (quando ela aparece na verdade só até o capítulo 3 e no final descendo do céu) desconsidera tudo o que Deus prometeu a Israel e deixa um vácuo no cumprimento dessas promessas terrenas. Veja que interessante o que pode ser uma figura do arrebatamento na abertura do capítulo 4 de Apocalipse, quando João é arrebatado e passa a assistir do céu os eventos que ocorrem na terra.

Você escreveu: "Em Daniel 11:32-35, vemos um povo de Deus sendo purificado e embranquecido — e fazendo grandes proezas — durante o reinado do Anticristo. (argumento de outro leitor sobre o mesmo assunto)”.

Mais uma vez o erro está em considerar esse povo citado pelo profeta Daniel como se fosse a Igreja. Não é. O povo de Deus citado em Daniel e em TODAS as profecias do Antigo Testamento NUNCA é a Igreja, pois esta foi um mistério revelado muitos séculos depois a Paulo.

(Cl 1:25-26) "… A igreja, da qual eu estou feito ministro segundo a dispensação de Deus, que me foi concedida para convosco, para cumprir a palavra de Deus; o mistério que esteve oculto desde todos os séculos, e em todas as gerações, e que agora foi manifesto aos seus santos".

(Ef 3:4-11) "Por isso, quando ledes, podeis perceber a minha compreensão do mistério de Cristo, o qual noutros séculos não foi manifestado aos filhos dos homens, como agora tem sido revelado pelo Espírito aos seus santos apóstolos e profetas [profetas da igreja]; A saber, que os gentios são coerdeiros, e de um mesmo corpo, e participantes da promessa em Cristo pelo evangelho; Do qual fui feito ministro, pelo dom da graça de Deus, que me foi dado segundo a operação do seu poder. A mim, o mínimo de todos os santos, me foi dada esta graça de anunciar entre os gentios, por meio do evangelho, as riquezas incompreensíveis de Cristo, e demonstrar a todos qual seja a dispensação do mistério, que desde os séculos esteve oculto em Deus, que tudo criou por meio de Jesus Cristo; para que agora, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus seja conhecida dos principados e potestades nos céus, segundo o eterno propósito que fez em Cristo Jesus nosso Senhor”.


Jesus mentiu para o ladrão na cruz?

Você não conseguiu responder à pergunta de um cético que alega existirem erros na Bíblia. Basicamente o que ele questiona é: “Como Jesus disse ao ladrão na cruz ‘HOJE estarás comigo no Paraíso’ se três dias depois ele disse às mulheres que visitaram seu túmulo que ainda não tinha subido ao Pai?”.

(Lc 23:43) "E disse-lhe Jesus: Em verdade te digo que hoje estarás comigo no Paraíso”.

(Jo 20:17) "Disse-lhe Jesus: Não me detenhas, porque ainda não subi para meu Pai, mas vai para meus irmãos e dize-lhes que eu subo para meu Pai e vosso Pai, meu Deus e vosso Deus”.

Não vejo tanta dificuldade em compreender isso, pois Jesus fala de duas situações diferentes. Na cruz ele, que está prestes a morrer, conversa com o ladrão que também está prestes a morrer. E o que acontece quando a pessoa morre?

(Ec 12:7) "e o pó volte à terra, como o era, e o espírito volte a Deus, que o deu”.

Jesus e o ladrão subiram ao Paraíso em espírito naquele mesmo dia, conforme o Senhor havia prometido a ele. Três dias depois Jesus iria subir numa forma como homem algum jamais subira: ressuscitado e em um corpo de carne e ossos.

Obviamente é disso que ele está falando às mulheres à entrada do sepulcro. Seu espírito, que esteve, durante três dias no Paraíso, porém sem o corpo, voltava agora ao corpo para subir assim, ressuscitado, ao Pai.

Portanto no segundo caso Jesus fala de uma subida visível, e não da passagem do espírito para fora do corpo. É dessa subida visível que ele também fala aqui: (Jo 6:62) "Que seria, pois, se vísseis subir o Filho do Homem para onde primeiro estava?”.

(Atos 1:9) "E, quando dizia isto, vendo-o eles, foi elevado às alturas, e uma nuvem o recebeu, ocultando-o a seus olhos”.

(Atos 7:56) "e disse [Estêvão]: Eis que vejo os céus abertos e o Filho do Homem [Jesus em um corpo humano], que está em pé à mão direita de Deus".

O verbo “subir” está relacionado ao verbo “descer” que é mostrado em outras passagens. Embora Jesus tenha vindo ao mundo em forma visível em outras ocasiões no Antigo Testamento (geralmente quando é dito “o anjo do Senhor” está falando dele, e não de “um anjo do Senhor”), o verbo “descer” costuma ser aplicado à sua vinda em carne.

(Jo 6:42) "E diziam: Não é este Jesus, o filho de José, cujo pai e mãe nós conhecemos? Como, pois, diz ele: Desci do céu?”.

Agora, se quiser mesmo viajar um pouco mais no assunto, basta ler o que Jesus diz a Nicodemos:

(Jo 3:13) "Ora, ninguém subiu ao céu, senão o que desceu do céu, o Filho do Homem, que está no céu".

Aí ele fala em subir, descer e estar no céu no mesmo momento em que falava com Nicodemos. Como podia ele ter descido à terra e continuar no céu? Podia, porque ele é Deus eterno, que habita a eternidade e não está sujeito ao tempo, que depende da existência da matéria.

Deus não está sujeito ao tempo e ao espaço, mas agora temos Jesus em um corpo material no céu, porém diferente da matéria que conhecemos, já que com esse corpo ele podia entrar num cômodo com as portas fechadas, comer na presença dos discípulos e ainda subir ao céu.

Talvez depois de explicar isso ao cético que questionou você sobre a passagem você possa terminar dizendo a ele: "Elementar, meu caro Watson”.

Quer um conselho? Não perca tempo com os céticos, porque é isso que são: céticos. Esse que você menciona é capaz de dizer absurdos como “a ciência nunca provou que Abraão existiu”, como se algo só existisse se fosse provado. Que eu saiba a ciência nunca fez um estudo aprofundado para provar que eu existo, portanto até que isso aconteça em alguma universidade americana eu não existo.

Seguindo o mesmo raciocínio, todos os dias a ciência prova a existência de novas estrelas que simplesmente não existiam ontem.

Céticos são como a vovó cética cuja história li em algum lugar. Seus netos ficaram animados quando desceu um helicóptero da Força Aérea no pequeno vilarejo do nordeste e correram levar a avó para o terreno onde estava a máquina voadora. Explicaram para ela que as pessoas estavam entrando no helicóptero que em alguns minutos subiria nos ares.

— E isso lá sobe? —perguntou a vovó cheia de ceticismo.

Os rotores começaram a girar e o helicóptero alçou voo. Os netos olharam para a avó com aquele olhar de “E agora, acredita?”. Ela não se fez de rogada. Com o mesmo ceticismo de antes simplesmente questionou:

— E isso lá desce?


Um cristão pode pertencer à maçonaria?

Considerando que o cristão não vive sob uma lei, mas é uma pessoa nascida de novo pela fé no Salvador e Senhor Jesus, você não encontrará na Bíblia coisas como “Não serás maçom” ou “Não comerás carboidratos”. Mas o cristão realmente salvo por Cristo tem o Espírito Santo para guiá-lo e dar a ele discernimento do que é ou não agradável ao seu Salvador.

No caso da maçonaria a questão é muito simples para mim. Eu não preciso mergulhar no conhecimento da maçonaria e analisar cada ritual, símbolo ou escrito daquela organização para saber que meu lugar como cristão não é no seu meio. Aliás, não é preciso conhecer em detalhes todas as formas de mal para evitá-los. Basta conhecer o bem. Quando você viaja, você não estuda os desvios no mapa. Você estuda o caminho.

Antes de minha conversão eu estive envolvido com filosofias orientais, espíritas e esotéricas e acreditava piamente numa salada de teorias que sempre tinham um ponto em comum: a evolução do ser humano por seus próprios esforços. Então Deus me mostrou pelo evangelho que eu era um pecador perdido, incapaz de mover uma palha em prol de minha evolução. Em 1978 me converti.

Embora tenha me envolvido com muitas coisas espiritualistas antes de minha conversão, não fazia ideia do que era a maçonaria, apesar de ter nascido na esquina do templo maçom de minha cidade. Tudo o que sabia eram as histórias que os meninos contavam uns para os outros sobre aquele templo, e eram sempre coisas do tipo rituais macabros de sacrifícios de bodes, gente que se deitava dentro de caixões e homens vestidos com um aventalzinho e lutando com espadinhas. Obviamente muito daquilo não passava de lenda.

Uns dois anos depois de minha conversão ganhei de um homem que era diácono da igreja presbiteriana e maçom um pacote de Novos Testamentos dos Gideões que ele havia guardado durante muitos anos no forro de sua loja. Fiquei feliz com o presente que pretendia distribuir. Era um enorme embrulho de jornal amarrado com barbante, extremamente empoeirado, que depois descobri tinha sido a festa dos cupins. Por ter ficado durante anos esquecido num forro, os livros estavam completamente furados por cupins e só consegui aproveitar alguns.

Acontece que, embrulhado com os Novos Testamentos, descobri uma série de livretos numerados e assinados que eram basicamente os procedimentos internos da maçonaria. Por ter vindo de um passado de espiritualismo e esoterismo, logo vi que o conteúdo dos livretos não era diferente daquela ladainha de auto evolução na qual acreditei durante anos. Nem me lembro mais do conteúdo dos livretos, exceto de um que dava instruções de como celebrar uma ceia com pão e vinho.

É claro que ali o significado girava em torno da ideia de fraternidade, irmandade, comunhão uns com os outros, etc., mas logo pensei: Como poderia um cristão verdadeiro, que participa da ceia do Senhor para lembrar sua morte na cruz representada no pão e no vinho, participar daquela caricatura de ceia?

Destruí aquele e os outros livretos com a convicção de que estava diante de algo que nada tinha a ver com um cristão genuíno. Como disse, não preciso conhecer as profundezas de um erro para saber que é um erro, assim como não preciso beber um litro de vinagre para saber que é vinagre. Basta ler o rótulo.

O que diz a Bíblia sobre “irmandades”, “fraternidades” e coisas semelhantes? (Jo 1:12) "Mas a todos quantos o receberam deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus: aos que creem no seu nome, os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do varão, mas de Deus”.

Este é o único fundamento de filiação e irmandade disponível para o ser humano: receber a Jesus como Salvador e Senhor para ser transformado em filho de Deus. Portanto, os homens não são irmãos, como prega a maçonaria, mas apenas seres criados por um mesmo Deus. O computador no qual escrevo não é irmão de outro da mesma marca. Eles apenas saíram da mesma fábrica. É apenas depois de nascer de novo que nos tornamos filhos de Deus, passamos a fazer parte da família de Deus, e temos o privilégio de chamar a deus de PAI. Antes disso não.

Aliás, para um judeu nos tempos de Jesus era inconcebível alguém chamar a Deus de Pai (Jesus foi acusado de heresia por isso), e experimente hoje chamar a Deus de Pai dentro de uma mesquita muçulmana para ver a reação das pessoas ali.

Agora, como pode um cristão verdadeiro se filiar a uma “irmandade” composta por incrédulos, alguns declaradamente seguidores de religiões e doutrinas anticristãs, e chamá-los de “irmãos”? Como pode ter comunhão em uma caricatura da ceia que Jesus instituiu? Com quem ele pensa que está brincando por tratar de maneira tão leviana aquele que o salvou?

Mais uma vez, basta saber muito pouco para ter a certeza de que a maçonaria não é lugar para um cristão verdadeiramente salvo por Jesus. Basta saber, por exemplo, isto:

(2 Co 6:14-18) "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas? E que concórdia há entre Cristo e Belial? Ou que parte tem o fiel com o infiel? E que consenso tem o templo de Deus com os ídolos? Porque vós sois o templo do Deus vivente, como Deus disse: Neles habitarei e entre eles andarei; e eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo. Pelo que saí do meio deles, e apartai-vos, diz o Senhor; e não toqueis nada imundo, e eu vos receberei; e eu serei para vós Pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-poderoso".

O “jugo” é aquilo que em algumas regiões rurais no Brasil é chamado de “canga”, aquela peça de madeira que é colocada sobre o pescoço de dois animais de carga quando atrelados a um arado ou carroça. No Antigo Testamento Deus proibiu que os judeus atrelassem animais diferentes sob um mesmo jugo, e aqui o apóstolo mostra a aplicação prática daquela ordenança. Um boi e um cavalo, por exemplo, têm passos diferentes e trabalharem juntos pode ser um desastre. Colocar também animais de diferentes alturas, como um cavalo e um jumento, também não traria bons resultados.

Como então podem um cristão e um incrédulo andarem “irmanados” e dizendo-se filhos de um mesmo Pai? Só consigo conceber isso para cristãos com duas bocas: uma para chamar de “irmãos” os outros salvos por Cristo, e outra para chamar de “irmãos” os incrédulos com os quais se reúne no templo maçom onde, obviamente, seus “irmãos em Cristo” não terão acesso a menos que assumam um lugar nessa irmandade paralela.

Conheço alguns irmãos em Cristo que se converteram e abandonaram a maçonaria justamente por entenderem que nada tinham a fazer ali. Um deles conta o testemunho de sua conversão. No texto abaixo ele conta em um e-mail por que saiu da maçonaria:

Hoje já não pertenço ao quadro da Maçonaria. Depois de fazer parte daquela fraternidade por mais de 20 (vinte) anos, solicitei o meu afastamento definitivo.

A razão deste afastamento é que ela não comunga com a minha crença religiosa. Há muitas divergências entre os ensinos da Maçonaria e os da Palavra de Deus (a Bíblia). Dentre muitos, encontramos a crença na imortalidade da alma e na reencarnação, pois nos ensina a Maçonaria que o homem evolui por seus méritos e seus esforços, sem a necessidade do sacrifício de Jesus Cristo que morreu para nos salvar. Com isto, o nosso Salvador e a importância de seu sacrifício são totalmente descartados.

Outra coisa que você facilmente verificará, é que as obras da Maçonaria são feitas com muito alarde, ou seja, quando se faz algo em prol de alguém necessitado, ou mesmo uma ajuda qualquer, eles fazem uma grande propaganda para que todos vejam o que está sendo feito. Isto é contrário às palavras de Cristo: ‘Mas quando tu deres esmola, não saiba a tua mão esquerda o que faz a tua direita’ (Mt 6:3). Se você se der ao trabalho de ler algumas obras Maçônicas, verificará que existem muitas coisas erradas, vistas pela ótica do autêntico Cristianismo.

Portanto, se o amigo é Cristão, aconselho, com base em minha experiência, que nunca entre na Maçonaria, pois, como eu, um dia irá se arrepender. Digo isto, porque hoje sou um homem arrependido por ter feito parte daquela organização, não pelas pessoas que fazem parte dela, mas pelos seus ensinos.

Devo também acrescentar que muitos dos Maçons são pessoas de boa vontade, muitos são sinceros, muitos são bem intencionados, muitos são religiosos, porém estão enganados. Diz-nos a Bíblia que “há caminhos que ao homem parece direito, mas o fim dele são os caminhos da morte”. (Pv 14:12). Também digo que tenho muitos amigos que fazem parte da Maçonaria, mas isto não quer dizer que corrobore com eles de suas crenças.


Por que Elias precisou responder duas vezes?

Sua dúvida é se existe mais alguém além do Senhor fazendo perguntas a Elias em 1 Reis 19:9-18, uma vez que a mesma pergunta é repetida duas vezes e ele precisa repetir também sua resposta.

(1 Rs 19:9-10) "E ali entrou numa caverna e passou ali a noite; e eis que a palavra do Senhor veio a ele, e lhe disse: Que fazes aqui Elias? E ele disse: Tenho sido muito zeloso pelo Senhor Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei, e buscam a minha vida para ma tirarem”.

Entendo que é o Senhor quem pergunta duas vezes a Elias porque ele estava se vangloriando de ser o único que permaneceu fiel a Deus. Era como se Deus lhe desse outra chance e dissesse “Ok, Elias, vou tentar de novo. Vamos ver como você responde desta vez”:

(1 Rs 19:13) "E sucedeu que, ouvindo-a Elias, envolveu o seu rosto na sua capa, e saiu para fora, e pôs-se à entrada da caverna; e eis que veio a ele uma voz, que dizia: Que fazes aqui, Elias?".

Mas Elias repete sua afirmação de autoconfiança e ainda se considera único.

(1 Rs 19:14) "E ele disse: Eu tenho sido em extremo zeloso pelo Senhor Deus dos Exércitos, porque os filhos de Israel deixaram a tua aliança, derrubaram os teus altares, e mataram os teus profetas à espada, e só eu fiquei; e buscam a minha vida para ma tirarem”.

A pretensão de Elias, em se achar único e insubstituível, pode ter lhe custado o privilégio de continuar executando a obra de Deus. Veja que é aqui que Deus diz que ele terá um substituto, Eliseu, além de ordenar a ele que escolha um rei gentio e um rei de Israel para continuarem cumprindo os desígnios de Deus.

Sempre que nos achamos alguma coisa na obra do Senhor, Deus mostra que não somos insubstituíveis chamando outros para fazer o trabalho.

(1 Rs 19:15-16) "E o Senhor lhe disse: Vai, volta pelo teu caminho para o deserto de Damasco; e, chegando lá, unge a Hazael rei sobre a Síria. Também a Jeú, filho de Ninsi, ungirás rei de Israel; e também a Eliseu, filho de Safate de Abel-Meolá, ungirás profeta em teu lugar".

Além disso, Deus diz a ele claramente que Elias não é o único fiel que restou:

(1 Rs 19:18) "Também deixei ficar em Israel sete mil: todos os joelhos que não se dobraram a Baal, e toda a boca que não o beijou".

Apesar de o Senhor ter designado Elias para ungir Hazael rei da Síria, aparentemente ele não fez isso, pois é Eliseu quem acaba anunciando isso a Hazael:

(2 Rs 8:13) "E disse Hazael: Pois, que é teu servo, que não é mais do que um cão, para fazer tão grande coisa? E disse Eliseu: O Senhor me tem mostrado que tu hás de ser rei da Síria".


Quais profissões são lícitas para um cristão?

Você pergunta se é lícito um cristão ter um estabelecimento comercial (bar, restaurante, banca de revista, etc.) onde haja venda de cigarros, bebidas alcoólicas, prática de jogos de azar ou venda de livros e revistas pornográficas.

A mesma dúvida têm cristãos envolvidos em muitas profissões, como a de policial, por exemplo, que é uma profissão lícita, mas que pode envolver tirar a vida de alguém. A Bíblia não fala nada sobre cigarros, mas será que uma fábrica de cigarros é o lugar para o cristão trabalhar? E uma fábrica de papel que acabará fornecendo matéria prima para cigarros? As respostas não são simples.

O cristão deve sempre buscar a direção do Senhor pensando em sua própria consciência e na consciência dos outros. Outro dia vi uma matéria sobre uma mulher cristã que trabalha de camareira em um motel. Na seção de comentários tinha cristãos contra e cristãos a favor. Será que ela deveria procurar outro emprego? Esta é uma questão que ela deve colocar diante do Senhor, pois ainda que não tenha qualquer problema de consciência com isso, ela pode estar escandalizando os que têm.

Há coisas que são definitivamente contrárias à vontade de Deus, como vender material pornográfico ou jogos de azar. Mas há muitas áreas cinzentas que não são tão simples de se lidar. Por exemplo, um cristão dono de supermercado não poderia deixar de vender bebidas alcoólicas porque qualquer cliente irá esperar encontrá-las ali. A decisão deve ser tomada por ele.

Eu, por exemplo, não faço palestras para indústrias de cigarro, armas, munições, partidos políticos, igrejas e empresas pertencentes a organizações religiosas. Estes foram os limites que coloquei em minha profissão de palestrante e creio que cada cristão deve fazer o mesmo em sua profissão.

Talvez você pergunte por que não incluí fabricantes de bebidas em minha lista. Eu teria dificuldade em trabalhar para um fabricante de bebidas destiladas, já que eu mesmo não bebo destilados, mas como costumo beber vinho como acompanhamento de uma refeição, e por encontrar o vinho como parte dos alimentos bíblicos, não incluí o genérico “bebidas” em minha lista. Mas pode ter certeza de que muitas vezes sou obrigado a tratar caso a caso para não violar minha consciência para com Deus.

Veja outra experiência que tive a respeito disso. Há uns 30 anos eu tive uma livraria cristã numa sala anexa ao escritório que tinha como arquiteto. O objetivo não era comercial, mas apenas de criar um ponto de evangelização. Foi a maior dificuldade levá-la adiante, porque eu precisava ler cada livro antes de colocar à venda. Como a grande maioria da literatura evangélica hoje é puro lixo, você já deve imaginar que a livraria só me dava prejuízo.

Talvez a passagem abaixo seja de ajuda:

(1 Co 7:17-24) "E assim cada um ande como Deus lhe repartiu, cada um como o Senhor o chamou. É o que ordeno em todas as igrejas. É alguém chamado, estando circuncidado? fique circuncidado. É alguém chamado estando incircuncidado? não se circuncide. A circuncisão é nada e a incircuncisão nada é, mas, sim, a observância dos mandamentos de Deus. Cada um fique na vocação em que foi chamado. Foste chamado sendo servo? não te dê cuidado; e, se ainda podes ser livre, aproveita a ocasião. Porque o que é chamado pelo Senhor, sendo servo, é liberto do Senhor; e da mesma maneira também o que é chamado sendo livre, servo é de Cristo. Fostes comprados por bom preço; não vos façais servos dos homens. Irmãos, cada um fique diante de Deus no estado em que foi chamado”.


A Bíblia só fala de inferno?

Enquanto saboreava meu café vi seu e-mail e tive minha curiosidade aguçada. Nele você dizia coisas como "sua mente ainda não está inteiramente aberta à espiritualidade…”, "a Bíblia refere-se muito mais ao inferno do que ao Reino…” e que eu deveria me aprofundar nos evangelhos apócrifos "que falam mais sobre o Reino prometido”.

Considerando que em 32 anos de convertido e lendo a Bíblia praticamente todos os dias eu nunca tinha percebido o que você percebeu, achei melhor verificar quantas vezes a Bíblia se refere ao céu e ao inferno. Como deixei passar isso todos esses anos?!

Então fiz uma busca no Novo Testamento versão Almeida Revista e Atualizada e encontrei:

Céu = 185 ocorrências

Céus = 81 ocorrências

Paraíso = 3 ocorrências

Total = 269 ocorrências

Inferno = 13 ocorrências

Lago de fogo = 5 ocorrências

Hades = 10 (lugar dos mortos) ocorrências

Total = 28 ocorrências

Você está enganado. O Novo Testamento fala quase dez vezes mais de um lugar de bênção e salvação do que de maldição e condenação. Uma busca no Antigo Testamento não fará muito sentido, já que ali a maioria das bênçãos e maldições era terrena. Aliás, no Antigo Testamento não há uma bênção celestial sequer, pois a nenhum judeu do A.T. foi prometido o céu. Curiosamente, quem mais fala de inferno e condenação é Jesus nos evangelhos.

Ainda que minha busca tivesse dado um resultado oposto, com dez vezes mais condenação do que bênção, eu teria me agarrado às bênçãos, e acho que isso não é por eu ser otimista, mas porque Deus as preparou de bandeja para quem quiser crer. Como esta, por exemplo:

(Jo 3:16-18) "Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus enviou o seu Filho ao mundo, não para que julgasse o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele. Quem crê nele não é julgado; mas quem não crê, já está julgado; porquanto não crê no nome do unigênito Filho de Deus”.

Considerando que o homem já está julgado (condenado) por natureza, existe só uma opção para ele: ser salvo. E Deus tornou essa opção o caminho mais fácil, já que Cristo fez tudo o que precisava ser feito. Havia um preço e ele pagou na cruz. Agora vale o que está aqui:

(Jo 5:24) "Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas já passou da morte para a vida".

Quem ouve e crê, tem a vida eterna, não entra em juízo, mas passou da morte para a vida. Que caminho melhor você tem do que este para me mostrar?

Quanto a uma suposta “ligação amorosa entre Jesus e Madalena” que você mencionou em seu e-mail, talvez você não tenha entendido bem quem é Jesus.

(1Tm 3:16) "E, sem dúvida alguma, grande é o mistério da piedade: Deus se manifestou em carne, foi justificado no Espírito, visto dos anjos, pregado aos gentios, crido no mundo, recebido acima na glória”.


A igreja deve celebrar o casamento de gays?

Sua pergunta tem a ver com a celeuma causada por uma lei que, se aprovada, daria à união de duas pessoas do mesmo sexo o mesmo status do casamento de um homem com uma mulher. Primeiro é preciso definir o que é o matrimônio, e para isso precisamos recorrer à Bíblia.

(Mt 19:4-6) "Ele, porém, respondendo, disse-lhes: Não tendes lido que aquele que os fez no princípio macho e fêmea os fez, E disse: Portanto, deixará o homem pai e mãe, e se unirá a sua mulher, e serão dois numa só carne? assim não são mais dois, mas uma só carne. portanto, o que deus ajuntou não o separe o homem”.

O ensino do Senhor Jesus é muito claro: no plano original de Deus ele fez macho e fêmea para se unirem formando uma só carne. Trata-se de duas pessoas de diferentes sexos unidas em algo que "Deus ajuntou”. Aquilo que é chamado de “casamento gay” não tem nenhuma dessas características: não são pessoas de sexos diferentes e obviamente não é algo que Deus ajuntou, pois não faz parte de seu plano original.

Existe também o lado simbólico da união homem-mulher, e aprendemos que quando Deus une um homem e uma mulher ele tem em vista algo muito mais elevado: o matrimônio é uma figura ou símbolo da união entre Cristo e sua noiva, a Igreja.

(Ef 5:25-32) "Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela… Por isso deixará o homem seu pai e sua mãe, e se unirá a sua mulher; e serão dois numa carne. grande é este mistério; digo-o, porém, a respeito de cristo e da igreja". (Igreja é o conjunto de TODOS os salvos por Cristo).

Não é preciso ser muito inteligente para perceber que o matrimôniodo qual Deus fala em sua Palavra nada tem a ver com a união entre pessoas do mesmo sexo que querem chamar de "matrimônio”. Podem chamar do mesmo nome, mas nunca será o que Deus instituiu como tal.

Mas sua dúvida vai mais longe e você pergunta se o Estado poderá obrigar as “igrejas” a celebrarem casamentos entre pessoas do mesmo sexo. Bem, César pode fazer o que bem entender com as coisas que são suas. Se César quiser criar leis que garantam igualdade de direitos a pessoas do mesmo sexo que vivem juntas, isso é com ele.

Mas o que diz a Palavra de Deus a respeito de sua pergunta, isto é, se igrejas poderão ser obrigadas a celebrar essas uniões? Bem, o fato é que em nenhum lugar da Palavra de Deus você encontra alguma igreja celebrando um casamento. Deus nunca deu a homem algum a autoridade de unir um casal em nome de Deus. Isso foi inventado pelos homens, portanto se existem hoje organizações cristãs chamadas “igrejas” fazendo isso, estão cometendo um erro, pois não há fundamento bíblico para o que se costuma chamar de “casamento religioso”.

A função do juiz de paz é outra história. No Brasil ele tem autoridade para declarar duas pessoas marido e mulher, porque lhe foi delegada tal autoridade e deve ser respeitada. Por isso todo casal cristão que se sujeita à Palavra de Deus e pretende ser unido por Deus em matrimônio deve procurar “casar-se no civil” para estar em conformidade com a lei.

Vamos voltar no tempo e visitar uma assembleia de irmãos reunidos ao nome do Senhor Jesus no primeiro século. Eles não tinham denominações, não tinham templos de pedras e não tinham um clero, mas cada um era um sacerdote, era uma pedra viva, e era conhecido apenas pelo nome de Jesus ou “cristão”. Digamos que a autoridade da época criasse uma lei que obrigasse as igrejas a celebrarem casamentos entre pessoas do mesmo sexo. O que esses cristãos responderiam?

— “Desculpe-nos, dona Autoridade, mas nós não celebramos casamentos nem de pessoas de diferentes sexos, por que teríamos de celebrar casamentos de pessoas do mesmo sexo?!”.

Isso não mudou. Hoje Deus continua unindo homens e mulheres em todo o mundo, independente do que algumas organizações chamadas “igrejas” ou governos pensem do assunto. Nos países como o Brasil existe o casamento civil ao qual os cristãos devem se submeter. Em alguns países africanos existem matrimônios polígamos, aos quais os cristãos obviamente não irão imitar. Ainda que você encontre a poligamia na Bíblia, isso foi invenção de Lameque, sexta geração dos descendentes de Caim. Todos os polígamos da Bíblia (Davi, Salomão, etc.) estavam desobedecendo a Deus e tiveram problemas resultantes de sua poligamia.

Agora falando especificamente de todo o alarde que está sendo criado em torno da tal lei, que supostamente obrigaria as “igrejas” a celebrarem casamentos de pessoas do mesmo sexo, essa lei teria um efeito nulo sobre os cristãos se essas “igrejas” simplesmente percebessem que não devem celebrar casamento de espécie alguma. É Deus quem une. "O que Deus ajuntou…”.

Quanto ao casamento civil, no qual o Juiz de Paz faz a união, que deixem isso para o Juiz de Paz resolver. Afinal, o cristão não deve se intrometer naquilo que é de César, mas apenas dar a César o que lhe for devido, ou seja, respeito e impostos. Nos países em que a lei inclui a poligamia, que inclua. Os cristãos nesses países não terão mais de um cônjuge. Nos países onde a lei aceita o casamento entre pessoas do mesmo sexo, seus dirigentes que respondam diante de Deus por essa prática contrária à natureza (Rm 1:26-27). Aos cristãos desses países cabe tão somente evitarem tal prática contrária à Palavra de Deus, como os cristãos nos países polígamos devem evitar a poligamia para si mesmos.

Eu aprendi que, quando o mágico faz seu número de mágica, não devemos ficar olhando para a mão que ele insiste em mostrar. É na outra que o truque está sendo realizado. No caso dessa gritaria geral de evangélicos e católicos a respeito da legalização ou não do casamento entre pessoas do mesmo sexo, o truque está na outra mão.

Que truque é esse? Satanás está habilmente conseguindo unir cristãos genuínos com alguns que se dizem cristãos, porém são idólatras, hereges, avarentos, etc. Deus é contra o homossexualismo ou qualquer tipo de imoralidade contrária aos padrões que ele estabeleceu para o homem e a mulher, mas pode ter certeza de que na lista das prioridades de Deus a idolatria vem antes da imoralidade.

(Ex 20:3-5) "Não terás outros deuses diante de mim. Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra. Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam”.

Esta comoção geral de católicos e evangélicos contra a tal lei que permitiria legalizar a união entre pessoas do mesmo sexo, criou uma situação que me fez lembrar o livro "The Screwtape Letters” de C. S. Lewis (publicado em português como "Cartas de um diabo a seu aprendiz”). O livro é uma ficção que descreve como seria a correspondência entre um “diabo maior” com um “diabo aprendiz” sobre o que fazer para enganar os homens. Vou plagiar o livro e criar aqui uma carta extra:

Diabo-mor: Meu querido aprendiz, inventei um truque eficaz para os cristãos desonrarem seu Deus. Vamos criar uma lei que gere celeuma em torno do que vamos chamar de casamento entre pessoas do mesmo sexo. Os cristãos não vão perceber que não existe na Bíblia uma união matrimonial além daquela na qual Deus une um homem e uma mulher. Como os próprios cristãos inventaram “casamentos religiosos” feitos por igrejas, pastores, sacerdotes, etc. vão achar que estamos falando desse tipo de coisa. Se na Palavra de Deus diz que Deus só une um homem com uma mulher, então Deus não vai unir algo que não cumpra tais requisitos, não é mesmo?

Diabo-aprendiz: Realmente, mestre, mas ainda não entendi o que pretende fazer.

Diabo-mor: Os cristãos ficarão tão cegos e ocupados com essa tal lei, que permite aquilo que não é o matrimônio que Deus criou, que começarão a tentar interferir nas coisas de César como se eles próprios fossem do mundo. Vão se esquecer do que Jesus disse, “não sois do mundo” (Jo 15:19), e de que o próprio Jesus jamais interferiu nas questões de César e de sua política, nem mesmo para salvar a própria vida! Eles perderão de vista qual é a verdadeira cidadania deles, que o apóstolo Paulo mencionou com estas palavras: “A nossa cidadania, porém, está nos céus, de onde esperamos ansiosamente um Salvador, o Senhor Jesus Cristo” (Fp 3:20 — NVI).

Diabo-aprendiz: Brilhante, mestre! E depois?

Diabo-mor: Depois eles vão perceber que uma andorinha sozinha não faz verão, e precisarão se unir, fechando os olhos para suas diferenças, algumas banais, mas outras muito sérias. Sabe aquele ecumenismo que eu tenho tentado fazer para criar uma grande colcha de retalhos? Pois é, eles nunca perceberam que Deus não quer unir os cristãos divididos, mas quer apenas que abandonem suas divisões e voltem ao que era no princípio. Como não veem isso, cristãos das mais diferentes confissões se unirão, fechando os olhos para o fato de alguns não crerem na divindade de Jesus, outros adorarem ídolos, e mais outros usarem o nome de Deus só para arrancar dinheiro do povo. Tudo isso que Deus odeia — heresias, idolatrias e avareza — deixará de ser importante para eles, pois só pensarão no tal casamento que nem mesmo é casamento na Bíblia, porque não foi previsto no plano original de Deus. E o que Deus não une, não está unido para Deus. Simples assim.

Diabo-aprendiz: Mestre, excelente ideia! Eles vão ficar olhando para o lado errado e nem perceberão que Deus abomina todos esses idólatras, hereges e mercadores da fé, que marcharão lado a lado com cristãos genuínos!

Diabo-mor: Você se lembra do que nós tentamos fazer quando os judeus voltaram do exílio para reconstruir os muros de Jerusalém e seu templo? Quero dizer, já tentamos unir os verdadeiros com os falsos?

Diabo-aprendiz: Xi, mestre, minha memória está ruim. O que foi mesmo?

Diabo-mor: Vou refrescar sua memória lendo do próprio livro que os cristãos usam, a Bíblia. Pelo jeito nem você e nem eles têm o costume de ler este livro… Deixe-me ver… Aqui está:

"Ouvindo, pois, os adversários de Judá e Benjamim que os que voltaram do cativeiro edificavam o templo ao Senhor Deus de Israel, chegaram-se a Zorobabel e aos chefes dos pais, e disseram-lhes: Deixai-nos edificar convosco, porque, como vós, buscaremos a vosso Deus; como também já lhe sacrificamos desde os dias de Esar-Hadom, rei da Assíria, que nos fez subir aqui. Porém Zorobabel, e Jesuá, e os outros chefes dos pais de Israel lhes disseram: Não convém que nós e vós edifiquemos casa a nosso Deus; mas nós sozinhos a edificaremos ao Senhor Deus de Israel, como nos ordenou o rei Ciro, rei da Pérsia.” (Ed 4:1-3).

Diabo-aprendiz: É mesmo, mestre, os inimigos se ofereceram para ajudar, porque assim poderiam desviá-los da verdade e fazê-los cair em idolatria, mas eles não aceitaram a ajuda deles. Era mais importante permanecerem fiéis ao seu Deus do que se colocarem em jugo desigual com idólatras. Eu odiei essa atitude deles! Agora estou adorando esse seu plano para os cristãos! Eles vão cair que nem patinhos.

Diabo-mor: Depois que o muro estava pronto, eu ainda tentei outra vez acabar com eles. Como não dava para entrar na cidade, convidei os judeus para saírem para conversarem com meus emissários em campo aberto, no meu território. Veja aqui o que aconteceu:

"Sucedeu que, ouvindo Sambalate, Tobias, Gesem, o árabe, e o resto dos nossos inimigos, que eu tinha edificado o muro, e que nele já não havia brecha alguma, ainda que até este tempo não tinha posto as portas nos portais, Sambalate e Gesem mandaram dizer-me: Vem, e congreguemo-nos juntamente nas aldeias, no vale de Ono. Porém intentavam fazer-me mal. E enviei-lhes mensageiros a dizer: Faço uma grande obra, de modo que não poderei descer; por que cessaria esta obra, enquanto eu a deixasse, e fosse ter convosco? E do mesmo modo enviaram a mim quatro vezes; e da mesma forma lhes respondi.” (Ne 6:1-4).

Diabo-aprendiz: É, aquela também não pegou, né mestre?

Diabo-mor: Minha última tentativa foi usar mulheres de outros povos para seduzirem os judeus e alguns acabaram se casando com elas e com isso eu quase consegui destruí-los, mas Neemias descobriu meu plano no último capítulo do livro que ele escreveu e eu fiquei no prejuízo.

Diabo-aprendiz: Mas agora já vi que vamos ter sucesso, não acha mestre?

Diabo-mor: Tenho certeza disso. Deus será extremamente desonrado com essas associações que os cristãos estão fazendo, reunindo o que existe de pior em termos de idolatria, heresias e avareza para lutarem em prol de uma causa comum. Vamos continuar dando corda que isso vai abrir caminho para abandonarem de vez a verdade. Sempre que pessoas de diferentes crenças se unem elas precisam passar a régua pelo menor denominador comum. Aí a apostasia vai correr solta, quando estiverem dando menor valor e importância às coisas que Deus considera as mais importantes.


A única Bíblia correta é a King James?

Quando surgem tantas traduções duvidosas e espúrias da Bíblia não é de se espantar que alguns saiam em defesa de uma tradução mais próxima dos manuscritos originais. O problema é quando essa defesa transforma uma tradução na única confiável (como tal) e acaba criando em si mesma uma heresia.

Muitos erros começaram com boas intenções de preservar a verdade, e é o caso do “Maria mãe de Deus” do catolicismo, que foi uma afirmação para tentar conter o erro de alguns que consideravam que Jesus não poderia ser Deus por ter nascido de uma mulher.

O autor do “Livro das Respostas”, Dr. Samuel Gipp, o qual leva o título de “Doutor em Teologia” faz parte do movimento que advoga a crença da “King James only”, ou seja, que consideram que Deus preservou sua Palavra única e tão somente na tradução em inglês King James, que consideram a única tradução inspirada por Deus.

Isso é típico de pessoas centralizadas na própria cultura, que enxergam o resto do mundo como… O resto do mundo. Foi uma miopia assim que Hudson Taylor combateu quando foi expulso da missão britânica que o enviou à China ao decidir vestir-se como os chineses, e não de terno e cartola como os ingleses.

Veja alguns absurdos que o autor coloca no livro:

"Ninguém pode desprezar o fato de que Deus não teve o menor resquício de interesse em preservar o “original”, visto como ele havia sido copiado e sua mensagem entregue. Então, por que deveríamos colocar mais ênfase nos originais do que o próprio Deus? Essa ênfase é claramente anti-escrituristica. Desse modo, se temos os textos dos originais preservados na Bíblia King James, não temos necessidade alguma dos “originais”, mesmo que estivessem disponíveis”.

Percebe a bobagem? "se temos os textos dos originais preservados na Bíblia King James, não temos necessidade alguma dos originais”. Imagine um cartório dizer que sua cópia é tão fiel ao original que se alguém apresentar um original diferente é ele que está errado, não a cópia.

Segundo o autor, o que autentica os manuscritos é a tradução King James, e não o contrário, como se o cartório decidisse autenticar qual é o original de um documento comparando-o com sua cópia perfeita. Qualquer original diferente da cópia seria assim descartado como falso!

"Os manuscritos representados pela Bíblia King James possuem textos da mais alta qualidade. Então, podemos ver que os melhores manuscritos são aqueles usados pelos tradutores Versão King James”.

Quer mais? Aqui vai:

"A Bíblia King James (1611) deve ser realmente a exata Palavra de Deus pois é a única impressa no mundo, atualmente com a palavra correta.”

"Ele não era um crente da Bíblia King James e, portanto o seu material não vai ao encontro da Versão Autorizada”.

"O fato é que a Bíblia King James foi bastante boa para Paulo. Mas, por enquanto, eu gostaria de mostrar que ela é a única Bíblia que Lucas iria usar”.

"Então vemos que se Lucas, o escritor do evangelho de Lucas e do Livro de Atos dos Apóstolos pudesse examinar uma Bíblia King James e uma New American Standard Version iria declarar que a NASV não passa de uma fraude e prontamente iria proclamar a Bíblia King James como autêntica. Bem, com toda franqueza, o que é bom para Lucas também é bom para mim”.

"Enquanto você pondera sobre essas importantes perguntas, notaremos que Jesus também citou do que parece ter sido uma Bíblia King James”.

"Um verdadeiro crente bíblico pode dizer com razão: “bem se a Bíblia King James foi bastante boa para os apóstolos Pedro e Paulo e também para o Senhor Jesus Cristo, então é bastante boa para mim”.”

"Então vemos, pelo exemplo de nossa Bíblia, que um homem pode ter Deus trabalhando através dele sem o saber. Do mesmo modo, Deus poderia facilmente ter inspirado os tradutores da Bíblia King James sem que eles tivessem conhecimento disso”.

"Assim podemos ver que a Bíblia King James, sem dúvida, é a infalível e perfeita Palavra de Deus, independente do que alguém tenha usado para levar você a Cristo. De fato ela ainda seria a perfeita e infalível Palavra e palavras de Deus, mesmo que não tivéssemos sido salvos”.

"Assim vemos que é a King James, a Bíblia perfeita e preservada de Deus a qual tem exatamente preservado a leitura dos originais”.

"A maioria das pessoas que afirmam ser capazes de encontrar fundamentos em outras versões esquecem que os próprios fundamentos que imaginam poder encontrar foram originalmente a eles ensinados numa uma Bíblia King James”.

"Muitos cristãos, por conta própria, chegaram à conclusão de que a Bíblia King James é a absoluta e perfeita Palavra de Deus”.

"Pergunta – Quantos erros são encontrados na Bíblia King James? Resposta – Nenhum”.

"… se você foi convencido por alguém de que a Bíblia King James contém erros, apesar dos fatos, então é porque aceitou aquela tese por uma só razão: seu amor e lealdade aos antagonistas da Bíblia. O crítico pode ser seu pai, irmão, pastor, diretor da mocidade, professor de seminário, ou quem quer que você ame muitíssimo para confrontar ou permanecer firme ao lado Bíblia”.

Em minha opinião, esse estilo de oratória é típico de gurus e líderes de seitas. Perceba que ele considera alguém que diga existir erro na tradução King James é alguém que não acredita na Bíblia de forma alguma.

Eu considero a King James uma tradução excelente (apesar de não ser especialista em traduções), e é equivalente à Almeida Revista e Corrigida que uso para minhas leituras. Também uso a New Translation de J. N. Darby e outras traduções como a NVI para comparar e esclarecer certas passagens. Mas em todas elas podemos encontrar problemas, geralmente na hora de entender a linguagem utilizada. Veja um exemplo:

Almeida (Jr 2:2) "Vai, e clama aos ouvidos de Jerusalém, dizendo: Assim diz o Senhor: Lembro-me, a favor de ti, da devoção da tua mocidade, do amor dos teus desposórios, de como me seguiste no deserto, numa terra não semeada”.

NVI (Jr 2:2) "Vá proclamar aos ouvidos de Jerusalém: Eu me lembro de sua fidelidade quando você era jovem: como noiva, você me amava e me seguia pelo deserto, por uma terra não semeada”.

Considerando que não usamos mais a palavra “desposórios”, fica mais fácil entender de que se trata esta passagem pela versão NVI.

Veja esta passagem de Esdras 10:15, que não deixa clara na versão Corrigida se eles foram contra ou a favor:

Almeida Revista e Corrigida "Porém somente Jônatas, filho de Asael, e Jazeías, filho de Ticva, se puseram sobre este negócio; e Mesulão e Sabetai, levita, os ajudaram”.

Católica “Só Jonatã, filho de Azael, e Jaasiaz, filho de Técua, se apresentaram para contradizer essa ordem, apoiados por Mosolão e Sebetai, o levita”.

NVI “Somente Jônatas, filho de Asael, e Jaseías, filho de Ticvá, apoiados por Mesulão e o levita Sabetai, discordaram”.

Darby “Only Jonathan the son of Asahel and Jahzeiah the son of Tikvah stood up against this; and Meshullam and Shabbethai the Levite helped them”.


Posso usar música para evangelizar?

Você está certíssimo quando diz que qualquer coisa pode se transformar em idolatria, seja ela música, blog, etc. Eu mesmo tenho vigiado para evitar que meus vídeos e blogs se transformem em um ídolo. Às vezes alguns olhares reprobatórios de alguns irmãos me ajudam a manter essas coisas domesticadas.

Quando meus filhos eram pequenos e morávamos em São Paulo com um orçamento bem pequenininho, senti saudades de meus tempos de aeromodelista, hobby que pratiquei até mais ou menos os 18 anos. Mas com o orçamento apertado, como justificar para minha esposa a compra de um aeromodelo, motor e tudo mais? Como justificar que iria deixá-la nos finais de semana tomando conta dos filhos pequenos enquanto eu estaria na pista de aeromodelismo do Ibirapuera me divertindo?

Simples! Decidi que o aeromodelismo poderia ser um excelente meio de evangelização se eu pintasse sob a asa do avião um “Cristo Salva”. Aí todos que olhassem para cima veriam. É claro que a bronca de minha esposa fez cair a ficha e eu percebi que aquilo nada mais era do que egoísmo de minha parte. Eu estava pensando em mim, não no evangelho, e estava usando a ideia de evangelizar como pretexto para voltar ao hobby.

A música e qualquer outra coisa pode ter o mesmo efeito sobre nós se nos deixarmos levar por ela ou tentarmos “santificar” nossa própria vontade, ou seja, tentar pintar de evangelismo algo que é, na verdade, nosso próprio desejo.

Não quero dizer com isso que Deus não possa usar alguma habilidade nossa ou coisa que gostamos de fazer para a sua glória. Claro que pode. No Antigo Testamento nós vemos Deus escolhendo os artistas que deveriam cuidar da decoração do tabernáculo (Ex 38:22-23). Vemos Davi escolhendo homens hábeis em conhecer os tempos e as estações para estarem ao seu lado no governo do Reino (1 Cr 12:32). E vemos todos os dias Deus usando a voz de uns para pregar, os pés de outros para levá-los até onde há necessitados da Palavra e a escrita de muitos para preservar o que Deus lhes ensina pelo Espírito.

Mas não devemos nos enganar, porque nosso coração é terrivelmente mesquinho e egoísta, e é dele que procedem todos os males que o Senhor descreveu, inclusive a vontade própria pintada com cores de santidade.

Quanto ao que você mencionou do carro de boi, isto é, levar o testemunho de Deus de uma maneira que o mundo costuma fazer, é preciso um pouco de cuidado na hora de aplicar este princípio a todas as situações. Na passagem em 2 Samuel 6 os israelitas decidiram trazer de volta a Arca da Aliança, resgatada das mãos dos filisteus, transportando-a à maneira dos filisteus.

Evidentemente aquilo estava completamente errado, pois havia instruções bem específicas de como transportar a Arca, e isso era para ser feito por meio de varais colocados nos ombros dos levitas. Na passagem eles a transportam em um carro de bois, contrariando a vontade de Deus. Por estar sendo carregada de maneira imprópria, a Arca pendeu e Uzá tentou ampará-la com as mãos, sendo morto no ato.

Digo que é preciso cuidado na hora de tentar aplicar a passagem a tudo, pois se o fizermos acabaremos concluindo que levar o evangelho, ou seja, o testemunho de Cristo neste mundo está limitado à pregação oral ou manuscrita. Não poderíamos usar impressos, já que é um meio inventado muitos séculos depois e amplamente utilizado no mundo, inclusive para pornografia. Não poderíamos usar calendários com fotos coloridas, pois é um meio também muito utilizado em propaganda. Não poderíamos usar rádio, TV, Internet, telefone, etc. porque tudo isso é a maneira que o mundo utiliza para comunicar suas ideias.

Creio que a lição da passagem pode ser aprendida e aplicada a muitas situações, mas é preciso sabedoria. Digo isto porque ali eles estavam usando uma maneira totalmente contrária às instruções precisas de Deus sobre o assunto. E se tivessem seguindo tim-tim por tim-tim as instruções de Deus poderiam errar em alguma outra parte. Por quê? Veja o exemplo da serpente de bronze. O próprio Deus ordenou que os israelitas a fizessem em Números 21, portanto ninguém poderia supor que existisse alguma coisa de errado em considerar aquele objeto santificado, isto é, separado para Deus. Porém os israelitas acabaram transformando aquilo em objeto de culto e ela precisou ser destruída em 2 Reis 18:4 porque levou o povo à idolatria.

Creio que se Deus tivesse permitido que a Arca estivesse por aí ela acabaria se transformando em um ídolo. Na Etiópia existe um templo onde seus sacerdotes dizem estar a Arca (embora nunca mostrem). Regularmente eles fazem uma procissão com uma réplica que é adorada pelo povo e aquilo, em termos de idolatria, nada fica devendo às procissões de Nossa Senhora Aparecida. Portanto o mal não está na coisa em si, mas naquilo que fazemos com ela. O ídolo, em si mesmo, nada é.

Quanto à música, existem muitos músicos profissionais que são cristãos, como também existem muitos operários e comerciantes cristãos. Cada um deverá exercer sua profissão na medida da sua consciência. Se o profissional perceber que seu olho ou mão o faz desviar, deve arrancá-lo, como no exemplo que o Senhor deu nos evangelhos.

Às vezes é possível adequar a profissão de modo a não desagradar o Senhor ou mesmo evitar um mau testemunho. Por exemplo, existe um campo amplo para músicos em propaganda (praticamente todo comercial de rádio ou TV tem música). Filmes, desenhos animados, cursos multimídia e até telejornais têm música de fundo. Há também ambientes com música ao vivo, como restaurantes e hotéis onde geralmente são tocadas músicas românticas (não há nada de errado com uma música romântica ou com o romantismo entre um homem e uma mulher, que é o tema de Cantares).

Cabe ao músico profissional cristão orar e pedir a direção do Senhor até onde deve ir em sua profissão. Isso vale para todas as profissões, pois as mesmas indagações terão um cristão que trabalha numa fábrica de cigarros ou armas, um comerciante que venda produtos prejudiciais ou que o faça de forma ilegal (às vezes chamamos de “comércio informal”), e um advogado ao defender um cliente ou promotor ao acusar um réu. Eu mesmo tenho que lidar com esses problemas de consciência, por isso hoje não atendo determinados segmentos (tabaco, armas, partidos políticos e organizações religiosas, incluindo suas rádios, TVs e editoras).

Sua dúvida é mais abrangente, pois inclui a ideia de evangelizar usando a música. Ore e, se perceber que é da vontade do Senhor, siga em frente. Mas fique atento para ver se esse desejo não é apenas pintar um “Cristo Salva” sob a asa do avião, como era no meu caso. Não queira santificar sua vontade própria, porque aí a coisa não vai funcionar.

Há muitos cristãos que visitam escolas, orfanatos, asilos e prisões e levam sua música como meio de atrair o interesse das pessoas para o evangelho que costumam pregar nessas ocasiões. Neste caso a música funciona mais como a foto colorida do calendário que tem versículos, ou como a abertura da conversa que o Senhor teve com a mulher na beira do poço, quando pediu a ela um copo de água, assunto que a interessava no momento (Jo 4), ou como o altar ao "Deus desconhecido” que Paulo usou para puxar conversa e pregar o evangelho aos gregos (Atos 17:23).

Nos dois casos foram utilizados elementos comuns ao dia-a-dia das pessoas apenas para chamar sua atenção para a mensagem que vinha depois. Isso, em comunicação e publicidade, é chamado de AIDA — Atenção, Interesse, Desejo, Ação. Chamamos a atenção da pessoa, que pode ser com uma música, uma foto bonita, um tema do interesse dela, etc. Depois despertamos seu interesse e desejo por nossa mensagem até levá-la a uma ação. Percebe que acabei de utilizar uma técnica utilizada na publicidade para explicar uma apresentação do evangelho?

Embora alguém possa chamar isso que acabo de fazer de “carro de boi”, não há como fugir do fato de que a comunicação humana se dá nestes estágios. A diferença é que, nas coisas de Deus, nós somos meros instrumentos. O verdadeiro “músico” que persuade deve ser o Espírito Santo a convencer as pessoas do pecado e do juízo e as levam a crer no Salvador.

Portanto, minha sugestão é que busque saber a vontade do Senhor para sua vida e profissão, e ele certamente lhe dará a direção a seguir dentro de algo que não seja meramente pintar um “Cristo Salva” em seu avião. Mas acabo de me lembrar de um corredor de automóveis que pintava um “Cristo Salva” em seu carro e isso tinha um grande efeito nos outros corredores e no público que assistia às corridas. Não posso julgá-lo, pois não sei o exercício que ele tinha com seu Senhor. Mas meu coração está perto o suficiente de mim para eu saber quando estou querendo enganar a Deus.

Aproveite conversar com outros irmãos sobre a questão da música. Conheço um que às vezes toca com amigos músicos ou, profissionalmente em restaurantes. Talvez ele possa ajudá-lo a entender melhor como é que lida com isso. Mas sempre que você encontrar um irmão fazendo algo de alguma forma, entenda que aquilo é um exercício que ele tem com Deus e não uma regra de ação que possa servir para você também. Neste sentido me ocorrem duas passagens:

(Jo 21:21-22) "Vendo Pedro a este, disse a Jesus: Senhor, e deste que será? Disse-lhe Jesus: Se eu quero que ele fique até que eu venha, que te importa a ti? Segue-me tu”.

(Rm 14:22-23) "Tens tu fé? Tem-na em ti mesmo diante de Deus. Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova. Mas aquele que tem dúvidas, se come está condenado, porque não come por fé; e tudo o que não é de fé é pecado”.

O problema é maior quando o músico profissional cristão decide usar música para evangelização de forma profissional, porque daí estará mais sujeito a cair no erro. Tudo o que fazemos profissionalmente é ditado pelo mercado, por suas necessidades, desejos e expectativas. Alguém que pregue o evangelho profissionalmente está sujeito a pregar somente aquilo que as pessoas gostariam de ouvir. Quem publica livros e Bíblias profissionalmente precisará vigiar, ou acabará publicando má doutrina e Bíblias de versões ruins porque será o desejo do mercado. E quem vende sua música no mercado gospel acabará vendendo aquilo que o povo quer comprar, o que nem sempre é aquilo que Deus deseja. Resumindo, quando o dinheiro toma as rédeas da obra de Deus a coisa sempre tem um final trágico.

Além disso, o músico cristão que atua profissionalmente é obrigado a “engolir sapos” quando é contratado para tocar em lugares onde jamais frequentaria de vontade própria, como “igrejas” de pregadores que fizeram da fé um mercado lucrativo ou que professam má doutrina.


A Igreja foi construída sobre Pedro?

Sua dúvida está em Mateus 16:15-20 e na confusão que existe principalmente no catolicismo quanto à afirmação de Pedro e à promessa de Jesus. Afinal, seria Pedro a pedra sobre a qual a Igreja seria construída? Estaria o Senhor dando a ele as chaves do céu para abrir ou fechar o acesso das pessoas à salvação eterna? Vamos analisar a passagem.

(Mt 16:16-19) "E Simão Pedro, respondendo, disse: Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo. E Jesus, respondendo, disse-lhe: Bem-aventurado és tu, Simão Barjonas, porque to não revelou a carne e o sangue, mas meu Pai, que está nos céus. Pois também eu te digo que tu és Pedro [PETROS], e sobre esta pedra [PETRA] edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não prevalecerão contra ela; E eu te darei as chaves do reino dos céus; e tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

O Senhor está falando várias coisas na passagem.

​1. Que Pedro de si mesmo não poderia saber que Jesus era o Filho do Deus vivo, mas que aquilo era uma revelação do Pai.

​2. Jesus revela que iria construir sua Igreja usando o verbo no futuro, porque a Igreja ainda não existia. Ela passaria a existir no capítulo 2 de Atos.

​3. Jesus dá um novo nome a Simão, “Pedro” (em grego PETROS).

​4. Jesus avisa que irá construir sua Igreja sobre uma Rocha (em grego PETRA).

​5. Jesus dará a Pedro as chaves do “Reino dos Céus”, que não é a mesma coisa que “Igreja”. Reino dos céus é a expressão da confissão que reconhece neste mundo a Jesus como Rei de um Reino que é dos céus, não da terra. Da Igreja, que é o corpo de Cristo, fazem parte apenas os que são realmente salvos. No Reino dos Céus, porém, há joio e trigo (Mt 13). Pedro iria usar estas chaves mais tarde para abrir o acesso ao Reino dos Céus aos judeus (Atos 2), samaritanos (Atos 8) e aos gentios (Atos 10).

Sobre a afirmação de Jesus (número 4 acima) ele não diz que iria construir sua Igreja sobre PETROS, mas sobre PETRA, pois “pedra” e “rocha” são coisas diferentes. É sobre a rocha identificada por Pedro em sua afirmação — Jesus, o Filho do Deus vivo — que a Igreja seria construída. Resumindo, a Igreja seria construída sobre o próprio Jesus, que é identificado como a Rocha em várias outras passagens:

Lembre-se de que a identificação de Jesus como a Rocha já existia, só que os judeus não sabiam disso. Foi Jesus a Rocha que acompanhou os israelitas na peregrinação no deserto:

(1 Co 10:4) "E beberam todos de uma mesma bebida espiritual, porque bebiam da pedra espiritual que os seguia; e a pedra (PETRA) era Cristo”.

A dificuldade surge porque algumas traduções em português usam “pedra” tanto para PETROS como para PETRA. Veja esta outra:

(NVI) "e beberam da mesma bebida espiritual; pois bebiam da rocha espiritual que os acompanhava, e essa rocha era Cristo”.

Se perguntarmos a Pedro de que PETRA (Rocha) Jesus estava falando, o próprio Pedro poderá nos responder:

(Atos 4:11) "Ele é a pedra (LITHOS) que foi rejeitada por vós, os edificadores, a qual foi posta por cabeça de esquina”.

Aqui a palavra grega é LITHOS, mais usada para pedras de construção.

Mais uma vez Pedro explica:

(1 Pe 2:4-8) "E, chegando-vos para ele, pedra (LITHOS) viva, reprovada, na verdade, pelos homens, mas para com Deus eleita e preciosa, Vós também, como pedras (LITHOS) vivas, sois edificados casa espiritual e sacerdócio santo, para oferecer sacrifícios espirituais agradáveis a Deus por Jesus Cristo. Por isso também na Escritura se contém: Eis que ponho em Sião a pedra (LITHOS) principal da esquina, eleita e preciosa; E quem nela crer não será confundido. E assim para vós, os que credes, é preciosa, mas, para os rebeldes, A pedra (LITHOS) que os edificadores reprovaram, Essa foi a principal da esquina, E uma pedra (LITHOS) de tropeço e rocha (PETRA) de escândalo”.

Em Efésios Paulo fala mais sobre o alicerce da Igreja, que foi colocado pelos apóstolos tendo a Jesus como a pedra principal:

(Ef 2:20) "Edificados sobre o fundamento dos apóstolos e dos profetas, de que Jesus Cristo é a principal pedra da esquina (AKROGONIAIOS);”.


Satanás pode influenciar um crente?

Satanás não tem onisciência, mas ele tem milhares de anos de psicologia humana e é capaz de entender muita coisa a nosso respeito. Além disso, ele possui uma gigantesca rede de informantes formada por seus anjos, que estão o tempo todo nos observando. E pode ter certeza de que todos eles têm acesso ao seu perfil no Orkut, Facebook e Twitter, etc.

É bem provável que algum desses emissários de Satanás esteja me observando enquanto escrevo isto e irá observar você quando estiver lendo, interpretando suas feições e reações. Com a experiência de milhares de anos que esses anjos têm observando os humanos, imagine quanta informação eles podem obter só de observar o mais sutil movimento de nossa expressão corporal.

Acredito que Satanás possa nos influenciar de diversas maneiras, colocando coisas e pessoas em nosso caminho para sermos tentados de alguma forma. Afinal, ele nos conhece muito bem e sabe quais são nossos pontos fracos. Ele não precisa conhecer nossos pensamentos para saber como pensamos e nem precisa interferir diretamente em nossa mente para criar sugestões. Tudo isso é possível fazer apenas com técnicas de psicologia e indução.

Satanás pode influenciar o pensamento do crente, como fez com Pedro, que foi advertido pelo Senhor. Está muito claro ali que quem estava por detrás da ideia de Pedro era o próprio diabo:

(Mt 16:23) "Ele, porém, voltando-se, disse a Pedro: Para trás de mim, Satanás, que me serves de escândalo; porque não compreendes as coisas que são de Deus, mas só as que são dos homens”.

Mesmo assim creio que no convertido ele não tenha tanta liberdade de agir como tem no incrédulo. Para tocar em Jó ele precisou fazê-lo com a permissão de Deus e acredito que isto vale para cada filho de Deus. Além disso, hoje todo aquele que crê em Jesus tem o Espírito de Cristo "se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele”(Rm 8:9), o que equivale dizer que a casa do nosso corpo já está ocupada. Por isso não creio ser possível que um crente possa ter seu corpo invadido por um demônio como ocorre com o incrédulo.

O incrédulo já vive comandado pelo diabo como se fosse uma marionete, e Paulo diz isso em Efésios 2 quando mostra como os crentes viviam antes de se converterem:

(Ef 2:1-3) "Ele vos vivificou, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, nos quais outrora andastes, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe das potestades do ar, do espírito que agora opera nos filhos de desobediência, entre os quais todos nós também antes andávamos nos desejos da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos por natureza filhos da ira, como também os demais”.

Veja que Paulo está falando da condição antes e depois. Antes andávamos segundo o príncipe das potestades do ar, que é Satanás, e sendo operado ou manuseado por ele. Portanto a é bem diferente o modo como Satanás age no incrédulo e no crente.

Mas será que o crente deve viver em constante pavor por estar assim cercado de espíritos malignos? De maneira nenhuma. Devemos estar cientes de que esses anjos caídos existem e devemos até mesmo respeitá-los. Apesar de serem anjos caídos, eles ainda são seres que fazem parte da hierarquia que Deus determinou, portanto não devemos zombar deles ou menosprezá-los. Por isso são chamados de “potestades” ou poderes. "O arcanjo Miguel, quando contendia com o diabo, e disputava a respeito do corpo de Moisés, não ousou pronunciar juízo de maldição contra ele; mas disse: O Senhor te repreenda”(Jd 1:9).

Porém podemos descansar no fato de que o crente tem o Espírito Santo habitando em si e que o diabo não pode lhe fazer mal, além daquilo que Deus permitir com um propósito de bênção no final, como fez com Jó. A promessa de proteção que Deus nos dá é muito clara:

(1 João 5:18-19) "Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca. Sabemos que somos de Deus, e que todo o mundo está no maligno”.

Nossa segurança está em Deus, que nos comprou graças à obra de Cristo na cruz, portanto o crente tem uma posição e um futuro assegurados que não podem ser de modo algum perdidos.

(Rm 8:38-39) "Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, Nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.

(1 João 4:3-4) "E todo o espírito que não confessa que Jesus Cristo veio em carne não é de Deus; mas este é o espírito do anticristo, do qual já ouvistes que há de vir, e eis que já está no mundo. Filhinhos, sois de Deus, e já os tendes vencido; porque maior é o que está em vós do que o que está no mundo".


Não serei salvo se não pronunciar o nome original de Jesus?

Fico contente que esteja gostando do material que tenho publicado. Quanto à sua preocupação com essa onda de mensagens sobre o verdadeiro nome de Jesus, parafraseando Paulo, eu diria que "há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo”(Gl 1:7).

Tenho recebido e-mails de pessoas preocupadas com isso, como se tivessem descoberto que a fé que colocaram no crucificado que levou nossos pecados teria sido colocada na pessoa errada ou em pessoa nenhuma, só por não ter pronunciado direito o nome de Jesus. É insano o que o inimigo faz para plantar dúvidas no coração das pessoas e esse movimento todo só pode ter a assinatura do inimigo de nossas almas. Nada tem a ver com o Deus de amor que acolhe o pecador que vai a Cristo, pronunciando ou não o nome do Salvador.

Enquanto perdemos tempo olhando para as teorias conspiratórias sobre alterações na grafia ou pronúncia do nome de Jesus não estaremos nos ocupando com a Pessoa de Cristo, que é o que importa. Esses vídeos e sites nada mais fazem do que tirar dos cristãos a certeza de sua salvação, colocando degraus complicados para conhecerem a Deus.

Só existe um Jesus que salva, e se você depositou sua fé no Jesus que foi crucificado levando os seus pecados e ressuscitando ao terceiro dia, é nessa Pessoa que colocou sua fé. Ou será que é possível crer em outra pessoa que é o Filho de Deus que morreu por nossos pecados e ressuscitou ao terceiro dia? Obviamente não. Então não há como errar na pontaria de sua fé.

Portanto, dedique seu tempo a conhecer a Pessoa, sem se preocupar com as letrinhas que compõem seu nome. Quando você se apaixona por uma garota chamada Maria, é pelas letrinhas que se apaixona ou pelo ser humano que aquelas letrinhas representam? Há muitas Marias com o mesmo nome, mas aquela é única.

Apaixone-se pelo Jesus da Bíblia, independente do jeito que você pronuncia seu nome. Ou você acha que o Criador do Universo vai ficar controlando se você pronunciou certo ou errado, se falou com sotaque ou não? Se for assim, esse não é o Salvador no qual eu cri, que se dispôs a morrer por mim. Quem crê em um “Jesus” que não liga para perder uma alma sincera só porque ela não soube pronunciar seu nome, aí sim estará crendo na pessoa errada.

O verdadeiro Jesus, o Salvador, é aquele que disse aos seus discípulos para não colocarem obstáculos nem às crianças, que sequer saberiam pronunciar seu nome. Portanto, não se preocupe: Deus é totalmente acessível.

(Is 35:8) "E ali haverá uma estrada, um caminho, que se chamará o caminho santo; o imundo não passará por ele, mas será para aqueles; os caminhantes, até mesmo os loucos, não errarão”.


Existe base bíblica para o dispensacionalismo?

Sim, existe base bíblica, embora eu não me sinta confortável em chamar de “dispensacionalismo”. Temos tantos “ismos” — como Calvinismo, Arminianismo, Pentecostalismo, Pré-Milenismo, Pós-Milenismo, Fundamentalismo, Protestantismo, etc. — que sucumbimos à tentação de classificar os cristãos como se fosse uma coleção de insetos em um museu de história natural.

Uma vez um leitor deu um nó em minha cabeça ao tentar definir minha profissão de fé, que ele disse poder tanto ser antropocêntrica como sinergística, ou ainda teocêntrica e monergística. Porém tinha dúvidas se eu seria teocêntrico, pois eu lhe havia indicado um texto semi-pelagianista (nem me pergunte!) que combatia o hiper-calvinismo. Para tratar dessa minha deficiência ele receitou que eu me inteirasse da história da Igreja, teologia e hermenêutica.

Então, antes que você pense que estou falando “teologês”, permita-me aplicar também a essa mania de “ismos” o que Paulo diz aos Colossenses ao tratar dos rudimentos do mundo e das doutrinas de homens… "as quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria… mas não são de valor algum senão para a satisfação da carne”.(Cl 2:23).

Entendo apenas que quando falamos em “dispensacionalismo” ou “dispensação” não se trata de algo técnico, como dois mais dois. Embora você encontre na Web coisas como mapas ou diagramas das dispensações, com a história da humanidade às vezes dividida em sete dispensações, você pode também distinguir diferentes dispensações sob diferentes aspectos.

A abordagem dispensacional mais simples seria dividir tudo em duas dispensações como AT e NT, ou o modo como Deus tratou com os homens no Antigo Testamento e no Novo Testamento. Qualquer um de nós está bem familiarizado com essa visão dispensacional, pois nossas Bíblias são divididas assim.

O princípio para entender o processo dispensacional está em identificar que há um que dispensa ou delega algo, e outro que recebe a responsabilidade de cumprir aquilo. Ao falhar em sua responsabilidade ele é punido e outro toma o seu lugar.

Um modo de enxergar as dispensações pode ser dividindo a história das tratativas de Deus para com o homem em períodos como “Inocência” (da Criação à queda, seguida da expulsão), “Consciência” (da queda ao dilúvio), “Governo” (de Noé a Abraão), “Promessa” (de Abraão a Moisés), “Lei” (de Moisés a Cristo), “Graça” (da morte e ascensão de Jesus ao arrebatamento da Igreja) e “Reino” (o reinado de mil anos de Cristo). Mas mesmo esta divisão pode ser flexível ou denominada de outras maneiras.

O que chama a atenção em uma divisão assim é que sempre há um começo de bênção e um fim de juízo. Mas a dúvida é se existe alguma base bíblica para dividir a Palavra. Existe: (2Tm 2:15) "Procura apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem a palavra da verdade”.

Onde você “maneja bem” nesta versão no original está ORTHOTOMEO que tem o sentido de “dissecar” ou “dividir”. A versão inglesa de J. N. Darby ficaria mais ou menos assim em português: “Empenha-te apresentar-te a Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, cortando a palavra da verdade com precisão”.


Paulo usava amuletos para curar?

Sua dúvida está no texto de Atos 19:11-12: "E Deus pelas mãos de Paulo fazia maravilhas extraordinárias. De sorte que até os lenços e aventais se levavam do seu corpo aos enfermos, e as enfermidades fugiam deles, e os espíritos malignos saíam”.

O texto não diz que Paulo usava lenços e aventais para curar; diz que as pessoas faziam aquilo, o que não significa que estivessem agindo corretamente. É preciso entender que aquele era o princípio da Igreja, portanto Deus manifestava o seu poder abundantemente, como sempre fez ao longo da história ao inaugurar uma nova dispensação ou maneira de tratar com o homem.

Você encontra a grandiosidade da Criação inaugurando o estado de inocência do homem. Aquela dispensação, que começou com bênção, terminou com desobediência e juízo — a queda e expulsão do Éden — e todas as outras começariam e terminariam assim: bênção demonstrando poder, graça e misericórdia divina, e então desobediência e juízo, para mostrar a incapacidade do homem em atender as santas demandas de Deus.

O fato de Lucas, autor do livro de Atos mencionar o que as pessoas faziam com os lenços e aventais tirados de Paulo, não significa que aquilo fosse uma ordenança ou doutrina que os cristãos deviam seguir. Um caso parecido é mencionado em 1 Coríntios 15:29: "Se não há ressurreição, que farão aqueles que se batizam pelos mortos? Se absolutamente os mortos não ressuscitam, por que se batizam por eles?”.

Como não existe qualquer doutrina ou ensino no sentido de batizar “pelos mortos”, tudo indica que o apóstolo Paulo esteja apenas mencionando algo que algumas pessoas estariam fazendo. Não devia trata-se de se batizar “por procuração”, como acreditam alguns, ou seja, no lugar daqueles que morreram sem serem batizados.

Parece que está mais no sentido de ocupar a posição daqueles que tombaram pela perseguição, que é o assunto deste trecho da epístola. Considerando que o batismo coloca a pessoa numa nova posição diante do mundo como um cristão professo, poderíamos pensar que o batizado estaria “vestindo a camisa” de cristão no lugar dos que sucumbiram à perseguição, como um soldado que é recrutado para ocupar a posição de outro tombado em ação.

Mas voltando à sua dúvida específica, que é o episódio narrado em Atos entenda que o livro de Atos é um livro de acontecimentos, não de doutrina para a Igreja. Em Atos você encontra cristãos (como Ananias e Safira) e até mesmo os apóstolos agindo de forma errada. Por outro lado, as epístolas ou cartas são a doutrina dos apóstolos dada à Igreja. É nelas que vamos encontrar como devemos proceder como Igreja.

Talvez você indague: “Mas não é tudo a mesma Palavra de Deus?”. Sim, mas devemos ter discernimento quando lemos a Bíblia. Em Jó por exemplo, você encontra muitas palavras bonitas que não são o pensamento de Deus, mas dos 3 amigos de Jó O fato de algo estar na Bíblia não significa que seja a vontade de Deus. Pode ser a opinião do homem que Deus quis inserir no contexto para mostrar algum contraste.

Por exemplo, Em Atos 21:4 o Espírito Santo ordena que Paulo não vá a Jerusalém, mas ele vai mesmo assim: "E, achando discípulos, ficamos ali sete dias; e eles pelo Espírito diziam a Paulo que não subisse a Jerusalém”.

Embora também possamos interpretar que, por ter vindo a admoestação por meio dos irmãos, Paulo não tenha entendido que aquilo vinha do Espírito Santo de Deus. Mesmo assim sua atitude não deve ser um exemplo a ser seguido, mesmo que no fim Deus tenha usado dessa desobediência para cumprir os seus propósitos. Isso não diminuiu a responsabilidade do apóstolo por não ter dado ouvidos ao Espírito Santo.


Adulterei e estou grávida. O que fazer?

Você professa crer no Senhor Jesus como seu Salvador e está aterrorizada pela ideia de perder a salvação por ter caído em adultério. Ao que parece tudo ficou mais complicado por você ter engravidado de um homem que não é o seu marido, como se o pecado ficasse mais grave por este motivo.

Primeiro quero tranquilizá-la dizendo que nem a denominação que frequenta, nem homem algum tem o poder de destinar alguém à perdição eterna. Isso era muito comum ver no catolicismo medieval, como se o Papa tivesse o poder de tirar de alguém a salvação que era obra de Deus.

A vida que o Senhor dá é eterna, isto é, não tem começo e nem fim, e ninguém pode arrebatar uma ovelha da mão do Pai. As religiões que acham que um crente perde a salvação ao cometer algum pecado não fazem ideia de quão horrível é o pecado, qualquer pecado, aos olhos de Deus. Tampouco entendem a graça, que é o favor imerecido de Deus concedido a criaturas tão perdidas e pecadoras que não haveria outro modo de salvá-las além de prover tudo que fosse necessário à sua salvação sem depender de qualquer iniciativa da parte delas.

Portanto, seu problema não é perder a salvação, pois até Pedro cometeu um pecado horrível ao negar o Senhor, e mesmo assim foi perdoado. Seu problema está em sofrer as consequências de seu adultério. Seu filho não tem nada a ver com isso e deve ser amado. Trata-se de uma vida preciosa, e o fato de ter nascido de um adultério não o torna menor aos olhos de Deus. É curioso como sempre que alguém engravida em razão de um ato sexual ilícito, parece transformar a gravidez — que é uma bênção de Deus — em maldição, como se o ato sexual ilícito sem gravidez fosse menos pecaminoso.

Para você entender como Deus vê em graça o seu filho, ou qualquer criança nascida de um erro dos pais, leia a genealogia de Jesus no evangelho de Mateus. Alguma vez você parou para pensar que o próprio Senhor Jesus em sua humanidade descende de pelo menos quatro casos de sexo ilícito? Veja abaixo:

Tamar gerou gêmeos depois de se disfarçar de prostituta para poder dormir com o próprio sogro. Seu filho Peres está na genealogia de Jesus. (Gn 38; Mateus 1:3).

Raabe era uma prostituta de Jericó e foi mãe de Boaz, também na genealogia. (Js 2; Mateus 1:5).

Rute era uma moabita, um povo amaldiçoado por Deus, com quem nenhum israelita devia se casar. Foi mãe de Obede, na genealogia do Senhor. (Rt 4; Mateus 1:5).

Bate-Seba, casada com Urias, foi a mulher com quem Davi caiu em pecado. Gerou Salomão. (2 Sm 11; Mateus 1:6).

Digo isto não para justificar seu pecado, mas para mostrar que o Senhor entende bem a natureza humana e ele próprio, em sua humanidade, veio de pessoas que foram fruto de erros graves cometidos por seus pais.

Nos evangelhos o Senhor Jesus perdoou mulheres adúlteras, como aquela que foi pega em flagrante adultério e foi a única que permaneceu na presença dele na sua condição de pecadora, enquanto todos os outros que queriam apedrejá-la fugiram quando suas consciências foram tocadas. Ela, que permaneceu diante do único que poderia apedrejá-la por ser Jesus sem pecado, recebeu dele não pedras, mas o perdão e a admoestação de que não voltasse a pecar.

Então, como alguém poderia dizer que não há perdão para o seu pecado? O perdão está sim disponível, basta você querer. O que encontro na Palavra é:

(1 João 1:8-9) "Se dissermos que não temos pecado, enganamo-nos a nós mesmos, e não há verdade em nós. Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados, e nos purificar de toda a injustiça".

Veja que não diz “se pedirmos perdão de nossos pecados, ele é fiel e justo para nos perdoar os pecados”, pois você não encontra nenhum convertido no Novo Testamento pedindo perdão. O perdão já foi assegurado pela obra de Cristo na cruz, e agora está amplamente disponível para todo convertido. O que Deus exige é confissão.

Portanto o primeiro passo é confessar seu pecado a Deus. O segundo passo é confessar à pessoa que foi lesada por seu pecado, no caso o seu marido. Como você está congregada com irmãos que inocentemente continuam tendo comunhão com você sem saber que cometeu adultério, deve confessar a eles também ou aos que forem considerados responsáveis por aquela congregação. A Bíblia é clara ao dizer que eles não devem ter comunhão com quem está em pecado:

(1 Co 5:11) "Mas agora vos escrevi que não vos associeis com aquele que, dizendo-se irmão, for devasso, ou avarento, ou idólatra, ou maldizente, ou beberrão, ou roubador; com o tal nem ainda comais”.

Seu pecado só fica mais grave ao escondê-lo de pessoas que confiam que estão em comunhão com alguém que não caiu em adultério. A confissão a Deus, ao seu marido e aos irmãos é uma necessidade segundo a Palavra de Deus. (Tg 5:16) "Confessai as vossas culpas uns aos outros”.

Você não terá paz e tranquilidade enquanto não abrir seu coração com as pessoas corretas, no caso DEUS, seu marido e os irmãos com quem tem comunhão.

(Sl 32:3-5) "Enquanto eu me calei, envelheceram os meus ossos pelo meu bramido em todo o dia. Porque de dia e de noite a tua mão pesava sobre mim; o meu humor se tornou em sequidão de estio. Confessei-te o meu pecado e a minha maldade não encobri; dizia eu: Confessarei ao Senhor as minhas transgressões; e tu perdoaste a maldade do meu pecado".

Como acontece com qualquer erro ou transgressão, a recuperação é dolorosa, mas sempre é o melhor caminho e o caminho da restauração e bênção. Não será algo fácil e tudo pode acontecer: ser execrada pelos irmãos, rechaçada pela família e abandonada pelo marido. Mas de uma coisa pode ter certeza: Deus jamais a deixará. O próprio fato de você estar inquieta com essa situação é sinal de que o Espírito Santo de Deus está agindo em você para levá-la ao arrependimento, confissão e restauração.


Estou errando ao pedir a Deus a morte?

Você não é a única a pedir a morte. Há na Bíblia personagens que também desejaram morrer. A questão é que Deus os queria vivos, e vivos eles ficaram para deixarem o testemunho que temos hoje.

Seu desgosto pela vida é causado por sua enfermidade e pelos medicamentos psiquiátricos que é obrigada a tomar, coisas que a fazem sofrer. Acredito que não exista alguém que tenha sofrido tanto quanto Jó um nome que virou sinônimo de sofrimento. Ele próprio também desejou a morte, porém sabia que o único que podia tirá-la era o mesmo que lhe havia dado: DEUS.

(Jó 7:14) "Então, me espantas com sonhos e com visões me assombras; pelo que a minha alma escolheria, antes, a estrangulação; e, antes, a morte do que estes meus ossos. A minha vida abomino, pois não viverei para sempre; retira-te de mim, pois vaidade são os meus dias”.

O profeta Jeremias também foi um que não via qualquer graça na vida:

(Jr 20:14-18) "Maldito o dia em que nasci; o dia em que minha mãe me deu à luz não seja bendito. Maldito o homem que deu as novas a meu pai, dizendo: Nasceu-te um filho; alegrando-o com isso grandemente. E seja esse homem como as cidades que o Senhor destruiu sem que se arrependesse; e ouça ele clamor pela manhã e, ao tempo do meio-dia, um alarido. Por que não me matou desde a madre? Ou minha mãe não foi minha sepultura? Ou não ficou grávida perpetuamente? Por que saí da madre para ver trabalho e tristeza e para que se consumam os meus dias na confusão?”.

Mesmo assim, apesar de todo o sofrimento, decepção e angústia desses homens, eles não tentaram tirar a própria vida, pois sabiam que suas vidas não pertenciam a eles, mas a Deus. Veja o que acontece quando a própria mulher de Jó sugere que a melhor saída para ele seria suicidar-se:

(Jó 2:8) "E Jó tomando um pedaço de telha para raspar com ele as feridas, assentou-se no meio da cinza. Então, sua mulher lhe disse: Ainda reténs a tua sinceridade? Amaldiçoa a Deus e morre. Mas ele lhe disse: Como fala qualquer doida, assim falas tu; receberemos o bem de Deus e não receberíamos o mal? Em tudo isto não pecou Jó com os seus lábios”.

A mulher de Jó insistia para que ele amaldiçoasse a Deus e morresse (obviamente pelas próprias mãos), mas ele deixou claro que aceitava de Deus o mal que lhe afligia, tanto quanto o bem dos tempos de bonança.

Nosso Senhor Jesus não viveu para si mesmo, e não morreu para si mesmo. Por isso temos as bênçãos que temos e a salvação. Este é o legado que ele nos deixa como exemplo, de dar a sua vida por amor de outros. Deus tem um propósito na vida e na morte dos seus, portanto não cabe a nós decidir.

Nossa vista é muito míope para enxergar o que ele está fazendo através de nós e de nossos sofrimentos. Nem Jó ou Jeremias em seus dias devem ter enxergado o quanto suas vidas e sofrimentos iriam ajudar milhões de pessoas.


Como perdoar quem não aceita meu perdão?

Em Lucas vemos o perdão condicionado ao arrependimento: (Lc 17:3-4) "Olhai por vós mesmos. E, se teu irmão pecar contra ti, repreende-o e, se ele se arrepender, perdoa-lhe. E, se pecar contra ti sete vezes no dia, e sete vezes no dia vier ter contigo, dizendo: Arrependo-me; perdoa-lhe”.

Creio que aqui esteja falando do perdão governamental, isto é, daquele que segue uma confissão pública e é também dado de forma pública, formal ou audível. Porém, aprendemos de outras partes que não devemos guardar raiz de amargura em nosso coração.

(Hb 12:15) "Tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem”.

Então talvez o melhor caminho seja perdoar a todos os que nos ofendem como Cristo nos perdoou. Evidentemente Cristo nos perdoou quando nos convertemos e fomos a ele arrependidos pedindo por perdão, o que mostra que o perdão completo está condicionado ao reconhecimento de pecado da parte daquele que nos ofende.

Mesmo assim nosso perdão deve ser incondicional como foi o de Jesus para conosco (lembre-se de que não teríamos ido a ele se não fosse pela ação do Espírito Santo que nos convenceu do pecado):

(Ef 4:32) "Antes sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”.

(Cl 3:13) "Suportando-vos uns aos outros, e perdoando-vos uns aos outros, se alguém tiver queixa contra outro; assim como Cristo vos perdoou, assim fazei vós também”.

Colocando meus pensamentos em ordem, primeiro, quando sou ofendido, devo perdoar imediatamente em meu coração para me livrar da raiva e da amargura que aquela ofensa irá criar se eu guardá-la. Por que eu deveria alimentar a raiva em meu coração? Enquanto ficar corroendo aquilo, corro o risco de aumentar o potencial do pecado do outro e eu mesmo pecar por isso.

Mas a partir do momento em que meu coração está disposto a perdoar, a responsabilidade toda recai sobre o ofensor. Já não é mais problema meu, porque já não me sinto mais ofendido. É ele quem deve tomar a iniciativa de pedir perdão para ser perdoado de fato. Talvez eu devesse chamar esse perdão no coração de disposição para perdoar, uma espécie de embrião do perdão.

Segundo, uma vez tendo perdoado em meu coração, já não estarei mais algemado àquele irmão por sua ofensa; não precisarei mais trocar de calçada quando o vir ou desviar o olhar dele. Com um coração apto a perdoar eu me torno acessível para o caso de ele se arrepender e me procurar. Ele deve perceber minha boa disposição em perdoar assim como percebemos essa disposição no coração de Deus que fez tudo neste sentido.

Mas não é o caso de eu ir a ele dizendo que está perdoado, como costumam ensinar os psicanalistas visando apenas o bem estar de seu paciente, e não a correção do erro da parte do ofensor. Porque se ele não reconheceu seu erro de nada irá valer o meu perdão. Este será tão inútil quanto um presente que compro para dar a alguém e a pessoa nunca passa em casa para receber. Por isso pode ser o caso de admoestá-lo pelo seu erro, como ensina Lucas 17:3, visando sua correção.

Deus nos disciplina quando erramos, portanto o perdão não deve ser encarado como um paliativo para deixar para lá o pecado como se fosse algo inofensivo. Nunca é. Do ponto de vista governamental (quero dizer administrativo, exterior ou público), o pecado deve ser reconhecido, confessado e julgado, antes de ser perdoado.

Terceiro, se ele reconhecer o erro e confessá-lo em arrependimento, devo revelar a ele o meu perdão. Quero dizer com tudo isso que, quando nós fomos a Deus para pedir perdão, ele não nos deixou esperando na fila enquanto ia pensar se devia nos perdoar ou não. O perdão estava bem ali, disponível, como um presente já comprado e pago, só aguardando nosso arrependimento e contrição para recebê-lo.

Assim deve ser conosco. Creio que o perdão fica sendo uma espécie de estado constante no coração do cristão, mas que só é manifestado publicamente quando requerido por uma confissão do ofensor arrependido. Portanto, se o ofensor não está disposto a aceitar nosso perdão, ele não está arrependido e, por isso, não terá a garantia de perdão.


Servir a Deus restabelece minha comunhão?

Em minhas palestras de vendas, costumo dizer a lojistas que jamais devem deixar um vendedor trabalhar antes de ser devidamente treinado. A ideia de que um vendedor inexperiente vai aprender vendendo só se torna verdade depois de algum tempo de tentativas e erros. Mas aí ele terá causado um prejuízo incalculável pelo número de clientes que perdeu e talvez nunca mais retornem à loja.

Isso é parecido com o cristão que tenta restabelecer sua comunhão com Deus, perdida por pecado ou simplesmente por desânimo, envolvendo-se na obra do evangelho. Antes de trazer algum bem à obra, ele está propenso a causar danos irreparáveis.

É comum conhecermos irmãos que um dia deram um grande testemunho de conversão e vida, mas acabaram se acomodando em sua comunhão com Deus. Isso pode acontecer comigo e com você. Passamos a admitir coisas em nossas vidas que vão minando a comunhão com o Senhor e tornando nosso andar inconstante e inconsequente. Tornamo-nos mundanos e desesperados para manter uma casquinha de aparência religiosa.

Aí inventamos algumas explicações para nossos pecados ou simplesmente para nossa vida mundana, só para cauterizarmos ainda mais nossa consciência, e não percebemos o quanto essas coisas enfraquecem nosso testemunho. Então, fracos e desanimados em nossa vida cristã e tentando achar ainda algum resquício de fé em nosso coração, tentamos restabelecer o gozo do “primeiro amor” fazendo algo para o Senhor para curar nossas próprias feridas, mas isso é trocar as prioridades. Tentamos encher de atividades e obras um coração vazio de comunhão com Deus.

O correto seria primeiro resolver nossa comunhão com o Senhor, para só depois colocar mãos limpas e pés desempoeirados à disposição dele em sua obra. Em Hebreus, quando fala da disciplina e correção que Deus nos dá, existe uma ordem dos passos tomados. Se primeiro eu não levantar minhas mãos cansadas e joelhos desconjuntados e endireitar as veredas de meus pés, ser efetivamente sarado, e seguir a paz com todos e a santificação, corro o risco de contaminar a muitos com alguma raiz de amargura existente em meu coração, seja ela contra Deus ou contra meus irmãos:

(Hb 12:12-15) "Portanto, tornai a levantar as mãos cansadas e os joelhos desconjuntados, e fazei veredas direitas para os vossos pés, para que o que manqueja se não desvie inteiramente; antes, seja sarado. Segui a paz com todos e a santificação, sem a qual ninguém verá o Senhor, tendo cuidado de que ninguém se prive da graça de Deus, e de que nenhuma raiz de amargura, brotando, vos perturbe, e por ela muitos se contaminem".

Primeiro vem a confissão, depois a restauração; primeiro a ferida precisa ser espremida, para depois cicatrizar; primeiro devemos alimentar bem nosso coração com a Palavra, para depois nossa boca falar. (Mt 12:34) “Pois do que há em abundância no coração, disso fala a boca”.

A ideia de que a ocupação com a obra do Senhor nos dará mais comunhão com Deus pode até ajudar um pouquinho, mas enquanto essa comunhão não vem só fazemos estrago na obra. É o vendedor inexperiente tentando atender clientes horrorizados com suas notas fora, truculência e falta de tato. É um rinoceronte solto numa loja de cristais. Com o cristão o desastre tem consequências mais sérias, para ele e para os que são atingidos por seu testemunho inconsequente.

A obra do evangelho não é terapia; a obra do Senhor é coisa séria. Eu não devo executá-la para a cura de meu próprio coração e meu próprio proveito, mas para a cura e o proveito dos outros e a glória do Senhor. A falta de comunhão não pode ser substituída por atividade das mãos, porque essa atividade trará em si a marca da falta de comunhão e contaminará a muitos com meu andar inconsequente. Sei bem dessa tendência, porque acontece comigo com uma frequência maior do que gostaria.

Um bom exercício é sempre perguntar a mim mesmo: Esse fervor para com a obra de Deus vem de uma comunhão real ou estou tentando encobrir algum pecado? Será que estou tentando compensar a falta de fé com obras? Trocando obediência por sacrifícios? Isso me transforma num sepulcro caiado e evidentemente será notado por qualquer irmão mais espiritual, mas não por mim mesmo, que continuarei cegamente pisando em cristais. Veja que interessante esta passagem (1 Sm 15:1-23):

"Então, disse Samuel a Saul: Enviou-me o Senhor a ungir-te rei sobre o seu povo, sobre Israel; ouve, pois, agora a voz das palavras do Senhor”. Assim diz o Senhor dos Exércitos: Eu me recordei do que fez Amaleque a Israel; como se lhe opôs no caminho, quando subia do Egito. Vai, pois, agora, e fere a Amaleque, e destrói totalmente tudo o que tiver, e não lhe perdoes; porém matarás desde o homem até à mulher, desde os meninos até aos de peito, desde os bois até às ovelhas e desde os camelos até aos jumentos… Então, feriu Saul os amalequitas, desde Havilá até chegar a Sur, que está defronte do Egito. E tomou vivo a Agague, rei dos amalequitas; porém a todo o povo destruiu a fio de espada. E Saul e o povo perdoaram a Agague, e ao melhor das ovelhas e das vacas, e às da segunda sorte, e aos cordeiros, e ao melhor que havia e não os quiseram destruir totalmente; porém a toda coisa vil e desprezível destruíram totalmente… Veio, pois, Samuel a Saul; e Saul lhe disse: Bendito sejas tu do Senhor; executei a palavra do Senhor. Então, disse Samuel: Que balido, pois, de ovelhas é este nos meus ouvidos, e o mugido de vacas que ouço? E disse Saul: De Amaleque as trouxeram; porque o povo perdoou ao melhor das ovelhas e das vacas, para as oferecer ao Senhor, teu Deus; o resto, porém, temos destruído totalmente… Por que, pois, não deste ouvidos à voz do Senhor? Antes, voaste ao despojo e fizeste o que era mal aos olhos do Senhor. Então, disse Saul a Samuel: Antes, dei ouvidos à voz do Senhor e caminhei no caminho pelo qual o Senhor me enviou; e trouxe a Agague, rei de Amaleque, e os amalequitas destruí totalmente; mas o povo tomou do despojo ovelhas e vacas, o melhor do interdito, para oferecer ao Senhor, teu Deus, em Gilgal. Porém Samuel disse: Tem, porventura, o Senhor tanto prazer em holocaustos e sacrifícios como em que se obedeça à palavra do Senhor? Eis que o obedecer é melhor do que o sacrificar; e o atender melhor é do que a gordura de carneiros. Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria, e o porfiar é como iniquidade e idolatria. Porquanto tu rejeitaste a palavra do Senhor, ele também te rejeitou a ti, para que não sejas rei.”.

O resumo de tudo é que Deus havia dado a Saul uma ordem através de Samuel: destrua os amalequitas, seu rei Agague, e TUDO o que possuem. De olho em suas próprias concupiscências e indo na onda do povo, Saul perdoou a Agague e ainda preservou todos os animais que deviam ter sido destruídos. Para Samuel ele teve a audácia de dizer que executou a Palavra do Senhor.

Então, para se defender diante de Samuel, ele faz o que Adão fez no Éden: culpa outro. Para Adão, a culpa era da mulher e de Deus, que deu a ele uma companheira. Para Saul, a culpa é do povo que o influenciou. Nos dois casos a própria palavra do pecador é sua sentença. Deus disse a Adão: "Porque deste ouvidos à mulher…”, ou seja, a culpa era mesmo de Adão por ter escutado Eva. E aqui Saul acaba de selar seu destino de perder o reino, ao dizer que fez tudo influenciado pelo povo. Que rei era esse que agia ao bel prazer do povo? (isso é o que hoje chamamos de “democracia”, algo que nunca foi de Deus).

Ao fazer o que faz todo religioso para se redimir, Saul tenta comprar o favor de Deus com sacrifícios, com a desculpa de que preservou o despojo para Deus. Isso é parecido com os cristãos que dizem que jogam na loteria para poderem ajudar mais na obra do Senhor.

Para cumprir a ordem de Deus desprezada por Saul, Samuel mata Agague, mas aparentemente Saul deu dado tempo aos descendentes de Agague para fugirem e continuarem a linhagem dos agagitas (que significa descendentes de Agague). Os resultados dessa desobediência vão aparecer cerca de 500 anos depois no livro de Estar, na pessoa de Amã, um agagita (Et 3:1). A história de Ester termina com o Rei enviando cartas para todo o reino dando aos judeus licença para matarem a todos os que os perseguiam e tomarem posse do despojo.

(Et 8:11) "Nelas, o rei concedia aos judeus que havia em cada cidade que se reunissem, e se dispusessem para defenderem as suas vidas, e para destruírem, e matarem, e assolarem a todas as forças do povo e província que com eles apertassem, crianças e mulheres, e que se saqueassem os seus despojos".

Porém, ao contrário do que fez Saul, os judeus destruíram seus inimigos, mas não tomaram o despojo. Era como se estivessem cumprindo tardiamente uma ordem dada por Deus quinhentos anos antes.

(Et 9:16) "Também os demais judeus que se achavam nas províncias do rei se reuniram para se porem em defesa da sua vida e tiveram repouso dos seus inimigos; e mataram dos seus aborrecedores setenta e cinco mil; porém ao despojo não estenderam a sua mão”.


Podemos orar ao Espírito Santo ou adorá-lo?

No Novo Testamento e em especial nas epístolas temos a completa revelação de Deus sobre aquele que era previsto no Antigo Testamento pelos profetas: Jesus. Temos também a revelação da Pessoa do Espírito Santo, que é Deus, assim como o Filho e o Pai. Mas você não encontra em nenhuma situação alguém orando ao Espírito ou adorando o Espírito Santo.

Sendo assim, o que não encontramos os discípulos fazendo ou os apóstolos dizendo para fazermos, nós devemos humildemente entender que deve existir uma razão para não fazermos. Além disso, não faz sentido orar para o próprio Espírito Santo que nos ensina como devemos orar, por intermédio de quem oramos, e que intercede pelos santos. Somos exortados a orar NO Espírito, não PARA o Espírito.

(Rm 8:26) "E da mesma maneira também o Espírito ajuda as nossas fraquezas; porque não sabemos o que havemos de pedir como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós com gemidos inexprimíveis”.

(Rm 8:27) "E aquele que examina os corações sabe qual é a intenção do Espírito; e é ele que segundo Deus intercede pelos santos”.

É importante lembrar também que, ao contrário do Pai e do Filho, que hoje estão no céu, o Espírito Santo está no mundo e também habita no crente. Ele é o penhor, ou a garantia da nossa redenção, e é por intermédio dele que elevamos nossa adoração ao Pai e ao Filho. Não há um versículo sequer na Bíblia que inclua o Espírito Santo como o destino de nossa adoração ou súplicas. Todavia, esse erro você encontra em muitos livros cristãos e até mesmo em letras de hinos que trazem frases exaltando o Espírito Santo ou o adorando.

Jesus é Deus, mas enquanto estava no mundo ele deixou claro que estava em submissão ao Pai. Mas quando foi adorado ele não recusou adoração. Porém prometeu enviar o Consolador e este desceu em um caráter diferente daquele em que Jesus veio. Embora também seja Deus, no caráter em que o Espírito Santo está hoje no mundo não há qualquer base bíblica para adorá-lo ou fazer orações dirigidas a ele. Ele atua nos bastidores levando nosso olhar e atenção para Cristo, não para si mesmo.

Alguns alegam que quando adoramos a Deus estamos adorando o Espírito Santo, ou quando oramos a Deus estamos orando ao Espírito Santo. É evidente que o Espírito Santo é Deus e uma Pessoa da Trindade, porém devemos respeitar a ordem que Deus estabelece na sua Palavra. Por exemplo, apesar de ser Deus, Jesus andou neste mundo na condição de Filho obediente ao Pai, não fazendo a sua própria vontade (embora perfeita), mas sujeitando-se inteiramente à vontade do Pai. Os céticos e incrédulos indagam como Jesus poderia ser Deus se agia assim, mas era tudo uma questão de ordem.

Alguns cristãos costumam fazer coisas, como orar para o Espírito e adorá-lo, por ignorarem as Escrituras. Outro erro é chamarmos a Jesus de Rei, algo que não encontramos os apóstolos fazendo, embora ele seja o Rei dos Judeus. Mas para a Igreja ele é Senhor.

Outra coisa é que encontramos o Senhor Jesus nos chamando de irmãos, mas NUNCA encontramos os apóstolos o chamando de Irmão, o que pode significar que ele tem a liberdade de nos chamar assim, mas não foi dada a nós a mesma liberdade de chamá-lo de irmão.

Complementando, encontramos, obviamente, instruções para orarmos ao Pai, mas vemos também os discípulos se dirigindo ao Senhor Jesus:

Paulo:(2 Co 12:8) "Acerca do qual três vezes orei ao Senhor para que se desviasse de mim”.

Estêvão: (Atos 7:59) "E apedrejaram a Estêvão que em invocação dizia: Senhor Jesus, recebe o meu espírito".

João:(Ap 22:20) "Ora vem, Senhor Jesus".

Também ações de graças dirigidas a Jesus:

(1Tm 1:12) "E dou graças ao que me tem confortado, a Cristo Jesus Senhor nosso, porque me teve por fiel, pondo-me no ministério;”.

Louvor e adoração dirigidos a Jesus:

(Ef 5:19) "Falando entre vós em salmos, e hinos, e cânticos espirituais; cantando e salmodiando ao Senhor no vosso coração;”.

Jesus sendo invocado pelas assembleias:

(1 Co 1:2) "À igreja de Deus que está em Corinto, aos santificados em Cristo Jesus, chamados santos, com todos os que em todo o lugar invocam o nome de nosso Senhor Jesus Cristo, Senhor deles e nosso”.


1 Coríntios 14 incentiva as línguas para a edificação própria?

Você leu os primeiros versículos de 1 Coríntios 14 como se o apóstolo estivesse falando dos benefícios para a pessoa que fala em línguas, pois assim estaria falando com Deus e edificando a si mesmo. Se ler o capítulo inteiro verá que ele está criticando o falar em línguas, e não incentivando sua prática.

O assunto do capítulo é o corpo de Cristo e sua edificação, não a edificação própria. O tom que o apóstolo está dando a todo o discurso é para mostrar quão egoísta é fazer algo só para si sem pensar nos outros. Até mesmo ao referir-se à oração no versículo 14 ele deixa claro que é pior orar algo inteligível porque a própria pessoa que ora acaba não entendendo o que diz.

Portanto, quando ele diz que “o que fala em língua edifica-se a si mesmo” não é no sentido de incentivar a prática ser algo bom. Paulo está mostrando que o crente, ao fazer isso não estava compartilhando com os outros ou auxiliando na edificação de seus irmãos.

Veja que é sempre uma coisa em contraste com a outra, o egoísmo de fazer algo só para si, e a liberalidade de fazer algo que possa edificar a igreja. Entenda aqui que “profetizar” é no sentido de proferir ou falar da Palavra de Deus, não exatamente de trazer alguma revelação nova ou dizer o que vai acontecer no futuro:

"… o que fala em língua não fala aos homens, mas a Deus; pois ninguém entende… Mas o que profetiza fala aos homens para edificação, exortação e consolação”.

"O que fala em língua edifica-se a si mesmo, mas o que profetiza edifica a igreja”.

"Ora, quero que todos vós faleis em línguas, mas muito mais que profetizeis, pois quem profetiza é maior do que aquele que fala em línguas".

"… se eu for ter convosco falando em línguas, de que vos aproveitarei (ou de que proveito serei para vocês), se vos não falar ou por meio de revelação, ou de ciência, ou de profecia, ou de doutrina?”.

"Ora, até as coisas inanimadas, que emitem som, seja flauta, seja cítara, se não formarem sons distintos, como se conhecerá o que se toca na flauta ou na cítara?”.

"Porque, se a trombeta der sonido incerto, quem se preparará para a batalha?”.

"…se com a língua não pronunciardes palavras bem inteligíveis, como se entenderá o que diz? porque estareis como que falando ao ar”.

"Se, pois, eu não souber o sentido da voz, serei estrangeiro para o que fala, e o que fala será estrangeiro para mim”.

"Assim também vós, já que estais desejosos de dons espirituais, procurai abundar neles para a edificação da igreja".

"Porque se eu orar em língua, o meu espírito ora, sim, mas o meu entendimento fica infrutífero".

"…se tu bendisseres com o espírito, como dirá o amém sobre a tua ação de graças aquele que ocupa o lugar de indouto, visto que não sabe o que dizes?”.

"…Porque realmente tu dás bem as graças, mas o outro não é edificado".

"Todavia na igreja eu antes quero falar cinco palavras com o meu entendimento, para que possa instruir os outros, do que dez mil palavras em língua”.

"Irmãos, não sejais meninos no entendimento".

"Se, pois, toda a igreja se reunir num mesmo lugar, e todos falarem em línguas, e entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão porventura que estais loucos?”.

"Mas, se todos profetizarem, e algum incrédulo ou indouto entrar, por todos é convencido, por todos é julgado; os segredos do seu coração se tornam manifestos; e assim, prostrando-se sobre o seu rosto, adorará a Deus, declarando que Deus está verdadeiramente no meio de vós".


João Batista perdeu a salvação?

João Batista não perdeu a salvação. Quem pensa assim é porque acha que a salvação é por obras, e não por fé na única obra que salva: a morte de Jesus na cruz. Mas há pessoas que pensam que se alguma coisa ruim acontecer para um cristão nesta vida é porque Deus o castigou. Basta vermos a vida dos apóstolos para entendermos que não é assim que funciona.

João Batista não era um cristão no sentido que hoje falamos, ou seja, não fez parte da Igreja, que é o corpo de Cristo e que foi criada no dia de Pentecostes (Atos 2). De João Batista é dito que ele era o maior de todos os profetas, mas qualquer um no reino dos céus seria maior do que ele. Isso significa apenas que existem diferentes categorias de pessoas em diferentes épocas. Pessoas como João foram grandemente abençoadas, mas não tiveram os privilégios que têm hoje os salvos por Cristo.

A igreja é o conjunto dos salvos por Cristo que teve início no dia de Pentecostes descrito em Atos 2. João Batista foi salvo, mas nunca fez parte da igreja, como não fizeram parte até mesmo alguns dos que andavam com Jesus e os apóstolos e tenham morrido antes da criação da Igreja no dia de Pentecostes.

A trajetória da Igreja neste mundo tem começo, meio e fim. Ela começa em Pentecostes, é edificada sobre o fundamento dos apóstolos e profetas (do Novo Testamento), portanto não é algo do Antigo Testamento, e termina quando chegar a plenitude dos gentios. Aí Deus encerra seu tratamento com a Igreja, que é tirada da terra, e volta a tratar com os judeus que, no seu aspecto de povo de Deus, que no momento encontra-se, por assim dizer, “no gelo”:

(Rm 11:25-26) "Porque não quero, irmãos, que ignoreis este segredo (para que não presumais de vós mesmos): que o endurecimento veio em parte sobre Israel, até que a plenitude dos gentios haja entrado. E, assim, todo o Israel será salvo, como está escrito: De Sião virá o Libertador, e desviará de Jacó as impiedades”.

Voltando à sua dúvida original se João Batista perdeu a salvação, apesar do que dizem muitos cristãos, principalmente os ligados a seitas pentecostais, ninguém pode perder a salvação. Uma vez nas mãos do Pai, nada e ninguém pode tirar o crente dali. Ele pode perder a comunhão com o Senhor por causa de pecado, mas será salvo mesmo assim, só que experimentará a disciplina de um Pai que ama seus filhos e zela pela santidade.


Quem faz parte do pequeno rebanho?

Reunir-se “em casa” não é o princípio sobre o qual nos reunimos, mas sim estar congregado para o nome do Senhor. Isso pode ser em uma casa, numa sala, escritório, barraca ou até debaixo de uma árvore. Quando há muitos irmãos congregados e não cabem numa casa, o jeito é alugar ou construir um local maior para as reuniões. Não coloque a lente no modo como nos reunimos, mas na Pessoa para a qual estamos congregados.

Sua segunda pergunta tem a ver com o governo da casa de Deus que envolve disciplina no caso de algum irmão cair em pecado. Você encontra em Mateus 18 que o Senhor deu aos “dois ou três”, ou seja, à assembleia dos irmãos congregados para o seu nome em uma localidade, autoridade para lidar com questões que envolvem o “ligar” ou “desligar” da comunhão aquele que está em pecado. Esse “ligar” ou “desligar” é apenas no sentido governamental das coisas desta vida e não tem nada a ver com salvação.

Você encontra uma ação assim descrita em 1 Coríntios 5 e ali o assunto é pecado moral, mas o mesmo vale para pecado doutrinal, eclesiástico, etc. É claro que toda disciplina deve ser feita com amor visando a restauração, não a humilhação e o desprezo daquele que caiu em pecado.

Não sei o que pregam na “igreja local” à qual você se referiu e também não me interessa. Depois que você sai do arraial, que são os sistemas humanos, é melhor dedicar o tempo à verdade e deixar para lá o que ensinam esses líderes de seitas. Ainda que possam ser irmãos verdadeiramente convertidos ao Senhor, que certamente encontrarei no céu, o modo como devo agir em relação àqueles que se encontram no arraial religioso, formado pelos milhares de seitas cristãs e seus líderes, é o que você encontra em 2 Timóteo 2:15-22. Ali você encontra instruções claras de como proceder em relação ao erro e o primeiro passo é sempre apartar-se para o Senhor.

Você diz que o líder dessa seita à qual se referiu (chamo de seita no sentido de qualquer divisão do testemunho cristão) costuma dizer que seus seguidores foram separados especialmente, por Deus para pregar o Evangelho do Reino. O correto é que os cristãos não preguem o evangelho do Reino, mas o evangelho da graça de Deus. Quem pregou o evangelho do Reino foi João Batista e os apóstolos de Jesus no período dos evangelhos. Eles anunciavam a chegada do Rei, o Messias esperado.

Embora Jesus seja efetivamente o Rei esperado, na sua relação com a Igreja, que é o seu corpo, ele é Senhor, não Rei. Ele é rei para os judeus. O evangelho do reino é o que voltará a ser pregado depois do arrebatamento, quando um remanescente de judeus convertidos voltará a anunciar às pessoas que devem se arrepender porque o Reino de Deus está à porta.

Você ouviu de alguém da seita à qual se referiu que seus membros seriam o “pequeno rebanho” que o Senhor viria buscar em sua vinda, referindo-se a Lucas 12:32: "Não temais, ó pequeno rebanho, porque a vosso Pai agradou dar-vos o reino”. Independente se é isso que essas pessoas realmente creem ou não, no evangelho o Senhor chama os seus discípulos de pequeno rebanho em relação ao mundo hostil em redor, e não para diferenciá-los de outros convertidos.

Ali estava um pequeno grupo de homens, pobres e fracos, que um dia iriam reinar com Cristo. O termo pode ser aplicado aos discípulos nos tempos de Jesus, à Igreja hoje, ao remanescente de judeus que se levantará após o arrebatamento, mas não pode ser aplicado a uma determinada classe de convertidos em detrimento de outra classe de convertidos. Não se trata de um título dado a algum grupo religioso ou denominação, como pensam as pessoas que mencionou.

Aliás, para entender bem o caráter de uma seita, geralmente nela se prega que aqueles pertencentes àquele grupo são melhores do que os que não estão ali. Em algumas seitas costuma-se pregar que aquele grupo tem o privilégio de ser o das “virgens prudentes”, enquanto os convertidos a Cristo que não estão ali são de uma categoria pior, ou as “virgens loucas” da parábola. Sempre que alguém tenta qualificar um salvo por Cristo por estar ou não em um determinado grupo, acaba fazendo do grupo o elemento que dá qualidade àquela pessoa, o que é errado.

Para Deus há salvos e perdidos. Não existem meio salvos ou meio perdidos. Todos os que creem em Jesus estão igualmente salvos, não importa onde se congreguem. Todos os que verdadeiramente creram em Jesus têm o Espírito Santo habitando em si (que é o penhor ou garantia de sua salvação) e desfrutam de todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais.

A diferença é que alguns são privados de paz e segurança, por estarem presos a sistemas criados por homens que pregam a obediência e perseverança como meio de se garantir a salvação (o que acaba sendo uma salvação por obras, não baseada no sangue e na obra de Cristo). Outros são privados da liberdade do Espírito em suas reuniões, por estarem sujeitos a algum líder carismático que os doutrina e exerce domínio sobre eles. Infelizmente a maioria dos salvos hoje não tem o privilégio de estar congregada onde o Senhor está na forma da promessa que fez, que estivéssemos congregados para ele, e não para algum grupo, doutrina, líder, sistema, etc.


Maria foi sem pecado e corredentora?

A Bíblia diz, em Romanos 3:23-25, que "todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus, sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus, ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus”.

Considerando que todos pecaram, isso inclui Maria, mas exclui Jesus porque a Bíblia diz dele que era sem pecado:

(Hb 4:15) "Porque não temos um sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas; porém um que, como nós, em tudo foi tentado, mas sem pecado".

Assim como acontecia nos sacrifícios do Antigo Testamento, nos quais a ovelha ou animal sacrificado tinha que ser perfeito e sem mancha, Deus precisou enviar o seu Filho por não encontrar um homem ou mulher sem mancha. Jesus é o Cordeiro de Deus que veio ao mundo para morrer no lugar do pecador. Se Jesus tivesse pecado precisaria que outro morresse por ele.

Jesus veio ao mundo sem pecado por ter nascido da concepção do Espírito Santo, e não de um homem comum. Maria foi o receptáculo desse Ser divino. Por não nascer da descendência do varão, Jesus não herdou o pecado de Adão. Para que Maria fosse sem pecado ela precisaria ter nascido da mesma maneira que Jesus, ou seja, de uma concepção virginal de sua mãe por obra do Espírito Santo, o que não é o caso.

Considerando que Maria era humana como todos nós, e não divina, ela tinha em si também a natureza pecaminosa como qualquer ser humano tem desde a sua concepção. Bebês não ficam pecadores depois que pecam, eles nascem pecadores porque trazem em si a natureza pecaminosa que mais tarde os levará a pecar. Alguns revelam mais ou menos esse pecado ou natureza através dos pecados.

Como todo ser humano, Maria precisava de salvação e foi salva pela fé na misericórdia divina e na certeza de que Deus proveria o Cordeiro perfeito para expiação dos pecados. Ela foi salva por Jesus e seu sangue derramado na cruz, como acontece com qualquer pessoa que crê no Salvador. Ela mesma diz isso:

(Lc 1:46-47) "Disse, então, Maria: A minha alma engrandece ao Senhor, e o meu espírito se alegra em Deus, meu Salvador.”.

Não há qualquer problema em Maria ter tido outros filhos depois de Jesus. Isso em nada a diminui, mas o catolicismo espalhou essa história por interesse, talvez de manter seus representantes amarrados ao celibato. Lembre-se de que filhos são uma bênção de Deus e o sexo que os gera foi dado por Deus no Jardim do Éden, antes da queda do homem, quando Deus disse que se multiplicassem. Certamente quando Deus disse isso no Éden não estava pensando em algo como polinização, mas em uma relação sexual entre marido e mulher.

Respondendo sua outra pergunta, se Maria fosse corredentora com Jesus, ela precisaria ter sido divina, perfeita, sem pecado e fruto da concepção do Espírito Santo. Além disso, ela precisaria ter morrido e derramado seu sangue para expiar os nossos pecados. Quem redime precisa pagar um preço, e no caso de nossa redenção o preço que devia ser pago era sangue de um cordeiro sem defeito. Não encontramos nada a respeito de Maria morrendo para pagar o preço de nosso resgate.

A Bíblia deixa claro quem é o Redentor, sempre falando de Jesus:

(1Tm 2:6) "… o qual se deu a si mesmo em preço de redenção por todos, para servir de testemunho a seu tempo”.

(Cl 1:14) "… em quem temos a redenção pelo seu sangue, a saber, a remissão dos pecados;”.

(Rm 3:24) "… sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus,”.

(Hb 9:12) "… nem por sangue de bodes e bezerros, mas por seu próprio sangue, entrou uma vez no santuário, havendo efetuado uma eterna redenção”.

Agora para sua meditação: Você já chegou a pensar na gravidade do pecado que as pessoas cometem ao considerarem Maria como corredentora? Elas estão insinuando que Jesus é meio-Salvador e, portanto, insuficiente para fazer uma obra completa de redenção do pecador. Será que alguém, na glória, diante daquele que enche os céus, terá coragem de chamá-lo de co-Redentor, co-Salvador ou co-Autor da nossa salvação?

(Jo 14:6) "Disse-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida. Ninguém vem ao Pai senão por mim".

(Atos 4:12) "E em nenhum outro há salvação, porque também debaixo do céu nenhum outro nome há, dado entre os homens, pelo qual devamos ser salvos”.


Devo sair da igreja?

Considerando que ninguém é capaz de sair da Igreja que é o corpo de Cristo, sua pergunta tem a ver com sair da denominação da qual é membro. Segundo você relatou, o pastor da igreja onde você se congrega caiu em adultério, foi morar com outra mulher, se arrependeu, voltou para a esposa, e foi colocado em disciplina de três anos pela convenção da igreja.

Não aceitando tal disciplina, por conta própria o pastor transformou sua disciplina em três meses, causando indignação entre muitos membros da igreja que saíram dela. Sua dúvida é se deve permanecer lá com os poucos que ficaram.

Imagine que você viesse me perguntar sobre a cor que deve pintar sua nova casa, os móveis que deve comprar, os quadros, etc. Então você recebe uma notificação da prefeitura informando que construiu sua casa no terreno errado. Faria sentido continuarem perguntando sobre a decoração?

Não sou da prefeitura, mas posso afirmar a você que essa “casa” ou igreja da qual está falando foi construída no terreno errado.

Não existe qualquer fundamento bíblico para uma congregação ter um pastor à frente, como se fosse um líder ou dono do pedaço. Na Palavra você encontra os presbíteros ou anciãos que zelavam pela assembleia em uma cidade ou localidade, mas eram anciãos de TODOS os cristãos daquela localidade, não de um grupo ou “denominação”.

Esses que ocupavam o ofício de ancião não necessariamente ensinavam, apascentavam ou pregavam, pois isso devia ser feito pelos dons. Aqueles que tinham o dom eram usados para isso.

Não existe qualquer fundamento bíblico para uma congregação local estar sujeita a uma “convenção da igreja” como se fosse a filial de uma grande matriz. Na Bíblia existe uma só igreja, o único corpo de Cristo que é representado localmente por uma assembleia congregada ao nome do Senhor.

Esta reconhece a ele como o centro da reunião e como Senhor, e suas ações são fundamentadas pela autoridade que ele concedeu à assembleia de tomar decisões (ligar ou desligar) nas coisas relativas a esta vida e a este mundo, decisões essas honradas pelo Senhor no céu.

Uma assembleia assim revestida da autoridade do Senhor toma as decisões sem precisar de uma “convenção”, e as decisões tomadas são respeitadas pelas demais assembleias nas diferentes localidades. É isso o que você encontra na doutrina dos apóstolos.

Quando alguém cai em pecado, a assembleia local tem poder e autoridade para decidir o que fazer, sempre buscando o arrependimento e restauração do que caiu em um pecado moral, de conduta, doutrinário, etc. Essa pessoa é excomungada, ou seja, colocada fora da comunhão com os irmãos e da mesa do Senhor, mas não da Igreja ou do corpo de Cristo, lugar que pertence a todo salvo e que é irreversível.

Não existe uma “tabela” do tipo “adultério: três anos; roubo: quatro anos; mentira: seis meses”, etc. A suspensão da disciplina depende do arrependimento do infrator e da direção do Espírito Santo, não de uma regra ou estatuto.

Como pode ver, não há nem o que dizer, pois a casa toda foi construída em terreno errado e a única coisa que posso dizer a você é que saia desse “arraial” para Cristo. Ninguém deveria se filiar a denominação alguma, pois não há qualquer base bíblica para isso. Siga o conselho de 2 Timóteo:

(2Tm 2:19-22) "Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade. Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor”.

Não se preocupe com os que deixará para trás, porque o Senhor conhece os que são seus. Sua responsabilidade é apartar-se da iniquidade (que é patente no caso que citou) e das pessoas associadas a ela. Mas não apartar-se para ficar só, mas para estar congregado para Cristo, ao nome dele somente.

(Hb 13:13) "Saiamos, pois, a ele [Jesus] fora do arraial, levando o seu vitupério”.


A Bíblia fala de dirigentes de uma igreja?

O que você encontra em Timóteo 3 não tem o mesmo caráter do pastor que dirige uma congregação, que é prática comum nas denominações. Trata-se de bispos no plural, com a finalidade, não necessariamente de pregar, mas de zelar pelo rebanho. Pastor é um dom, como evangelista e mestre. Bispo ou ancião é um ofício.

No princípio os bispos eram escolhidos por ordem dos apóstolos (que já não existem), como você vê em Tito:

(Tt 1:5) "Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem o que ainda não o está, e que em cada cidade estabelecesses anciãos, como já te mandei”.

Também os bispos eram assim estabelecidos por cidade (não por grupo de cristãos ou denominação). No atual estado de coisas, quando não temos mais apóstolos para darem a ordem que Paulo deu a Tito, e quando os cristãos estão divididos, é impraticável estabelecer bispos de cidade em cidade. Quem faz isso (como fazem os católicos) está considerando que igreja é só o seu grupo, e não todos os outros crentes em uma cidade.

Resta nos contentarmos com a outra forma esses bispos são estabelecidos, ou seja, pelo Espírito Santo, como o apóstolo disse que ocorrera com os anciãos (bispos) de Éfeso:

(Atos 20:28) "Cuidai pois de vós mesmos e de todo o rebanho sobre o qual o Espírito Santo vos constituiu bispos, para apascentardes a igreja de Deus, que ele adquiriu com seu próprio sangue”.

Assim, hoje podemos reconheceraqueles que têm o cuidado do rebanho, mas seria inviável apontá-los ou denominá-los como tais, sob o risco de estarmos sendo pretensiosos, como se os bispos ou anciãos, que deviam ser para todos os cristãos em uma cidade, tivessem seu trabalho limitado a um grupo apenas. Ou como se apenas aquele grupo fosse realmente formado por todos os cristãos naquela localidade.


O que fazer agora que me apartei?

Agora que você entendeu o erro que é estar congregado sob uma bandeira denominacional, o Senhor lhe dará a direção a partir desse primeiro passo que é o de se apartar completamente do erro. O segundo será pedir por seu lugar à comunhão à mesa do Senhor na assembleia mais próxima, pois Deus não quer que fiquemos sem congregar.

O fundamento para apartar-se do erro, não para ficar sozinho, mas para estar congregado, você encontra em 2 Timóteo e em outras passagens:

(2Tm 2:19-22) "Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade. Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra. De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra. Foge também das paixões da mocidade; e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor”.

Depois de pedir seu lugar à comunhão à mesa do Senhor, os irmãos irão orar a respeito e provavelmente um ou dois irmãos irão visitá-lo para conversar e se conhecerem melhor, ou você mesmo poderá visitar alguma assembleia de irmãos congregados ao nome do Senhor. A mesa do Senhor é do Senhor, mas são homens que têm a responsabilidade de zelar para que ela não seja contaminada por algum pecado.

Portanto, o primeiro passo é começar por onde as coisas começam: na presença do Senhor. Orar para que ele dê a direção, pois esta deve vir dele para que seja a melhor.

Uma ocasião o Senhor disse aos discípulos para irem preparar a páscoa e a melhor coisa que eles fizeram foi perguntar: “Onde queres que a preparemos?”. A partir disso o Senhor dá a eles instruções detalhadas para que seguissem um homem carregando um cântaro (coisa inusitada, já que eram mulheres que carregavam cântaros) até um andar elevado (acima do nível do mundo). O detalhe era que a sala já estaria mobilada, isto é, pronta para receber todos eles sem faltar lugar. Veja o texto:

(Lc 22:8-14) "E mandou a Pedro e a João, dizendo: Ide, preparai-nos a Páscoa, para que a comamos. E eles lhe perguntaram: Onde queres que a preparemos? E ele lhes disse: Eis que, quando entrardes na cidade, encontrareis um homem levando um cântaro de água; segui-o até à casa em que ele entrar. E direis ao pai de família da casa: O mestre te diz: Onde está o aposento em que hei de comer a Páscoa com os meus discípulos? Então, ele vos mostrará um grande cenáculo mobilado; aí fazei os preparativos. E, indo eles, acharam como lhes havia sido dito; e prepararam a Páscoa. E, chegada a hora, pôs-se à mesa, e, com ele, os doze apóstolos”.

Esta é a ordem das coisas: (1) Perguntar ao Senhor, (2) Ouvir as instruções de sua Palavra, (3) Seguir o “homem com o cântaro”, uma figura do Espírito Santo; (4) Subir ao lugar que fica acima do nível do mundo (cenáculo); (5) Desfrutar da presença do próprio Senhor.

É claro que antes disso vem a decisão de abandonar definitivamente os sistemas criados pelos homens que acabam dividindo os cristãos por diferentes nomes, dogmas e doutrinas, para estar livre de amarras e compromissos. Muitas vezes isso trará a você uma perseguição maior até do que a que enfrentamos dos incrédulos no mundo, pois muitos líderes religiosos não querem perder seguidores.

Há em todo o mundo muitos que compartilham dessa ideia e que já estão congregados ao nome do Senhor, mas isso deve ser sempre um exercício individual. Você não pode decidir por seus amigos e nem mesmo por sua esposa, pois se trata de uma responsabilidade (e um privilégio) pessoal que cada um tem de ter perante o Senhor.


As virgens de Mateus 25 representam a igreja?

Mateus 25

Neste ponto eu não concordo com o autor do livro que mencionou isto e que seja especificamente da Igreja que fala a parábola. Creio que a parábola de Mateus 25 fala do testemunho de um modo geral (porque fala de luz) e a relação ali parece ser muito mais com Israel do que com a Igreja.

A parábola começa falando do reino dos céus, que é o caráter da profissão neste mundo, que mescla verdadeiros e falsos em sua profissão individual de fé. No reino dos céus há joio e trigo, virgens tolas e prudentes. Não devemos nos esquecer de que as virgens não são noivas do noivo, mas fazem o papel que hoje chamaríamos de damas de companhia.

Em certo sentido o Senhor tem duas noivas ou esposas: Israel e a Igreja. Cantares é uma ode de amor do Noivo para a noiva, e ali é de Israel que está falando.

O livro de Ester tem um profundo significado em forma de figuras, no qual Assuero está no papel da autoridade máxima (que é Deus, mas Deus não é citado no livro), e a esposa gentia desse rei o despreza (uma figura da igreja antes do arrebatamento, orgulhosa, no espírito de Laodiceia, que não quer testemunhar de sua glória para o mundo). Então ela sai de cena (é reprovada como testemunho) e uma esposa judia toma o seu lugar em um período de grande tribulação.

Continuando com os tipos, Mardoqueu seria um tipo de Cristo, o homem obediente que salva a vida e a honra do rei em troca de nada e também, por isso, acaba sendo instrumento na salvação do povo judeu. Assim como Jesus na tentação do deserto, Mardoqueu nega-se a prestar adoração a Hamã, uma figura de Satanás.

J. N. Darby faz o seguinte comentário da parábola das virgens:

"Os professos, durante a ausência do Senhor, são aqui representados como virgens, que saem para encontrar o Noivo, e iluminarem seu caminho até a casa. Nesta passagem ele não é o Noivo da igreja. Ninguém irá encontrar-se com ele para suas núpcias com a igreja no céu. A noiva não aparece nesta parábola. Se ela tivesse sido apresentada aqui, então teria sido Jerusalém na terra. Neste sentido a assembleia não é vista nestes capítulos. Aqui se trata da responsabilidade individual durante a ausência de Cristo”.


O que é apostasia?

Apostasia é o abandono da verdade. Sempre que alguém se desvia da verdade pode ser considerado um apóstata. No sentido bíblico, acho melhor traduzir aqui algo que encontrei no Concise Bible Dictionary:

Embora a palavra ‘apostasia’ não ocorra na Versão Autorizada, a palavra grega ocorre e é dela que a palavra inglesa provém. Em Atos 21:21 Paulo foi informado de que era acusado de ensinar os judeus que viviam entre os gentios a apostatarem de Moisés. Paulo ensinava a libertação da lei pela morte de Cristo e isso podia parecer a um judeu zeloso como apostasia. A mesma palavra é usada em 2 Tessalonicenses 2:3, onde é ensinado que o dia do Senhor não poderia vir até que viesse ‘a apostasia’, ou o abandono do cristianismo em conexão com a manifestação do iníquo (anticristo).

Embora a apostasia generalizada de que fala ali só possa ocorrer depois que os santos forem levados para o céu (arrebatamento), mesmo assim pode ocorrer, como tem ocorrido, um abandono individual da verdade. Veja, por exemplo, Hebreus 3:12; 10:26-28, e a epístola de Judas. Há avisos solenes também que mostram que esse tipo de apostasia ocorrerá cada vez mais e de modo generalizado à medida que a atual dispensação se aproxima de seu fim. 1 Timóteo 4:1-3. O abandono da verdade necessariamente implica uma posição que possa ser abandonada, uma profissão (de fé) que tenha sido feita e da qual se tenha deliberadamente desistido. Isto é, como dizem as escrituras, como o cão voltando ao seu vômito, e a porca que volta a revolver-se no lamaçal. Não se trata do cristão caindo em algum tipo de pecado, pois disso a graça pode recuperá-lo; mas trata-se de um definitivo abandono do cristianismo. As escrituras mostram que não existe esperança no caso da apostasia deliberada, mas mesmo assim nada é difícil de mais para o Senhor.


Filhos de crentes estão salvos?

Não há qualquer base para dizer que filhos de crentes estejam salvos, mas podemos dizer que “estão a salvo”, isto é, são beneficiados com a atmosfera cristã em que vivem seus pais. Em certo sentido eles são privilegiados por serem mantidos à parte da corrupção que há no mundo.

Os filhos de um crente são santos, mas isto não significa que sejam salvos (a menos que morram na infância, antes de terem a capacidade de decidir). Não só os filhos são santos, mas o cônjuge incrédulo também:

(1 Co 7:14) "Porque o marido descrente é santificado pela mulher; e a mulher descrente é santificada pelo marido; de outra sorte os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos”.

“Santo” significa “separado”. Alguém que viva numa atmosfera cristã está sendo abençoado com a santidade ou separação do mundo, mas precisará crer em Cristo se quiser ser salvo. Os utensílios do Antigo Testamento eram santificados (separados) para o uso do Senhor, mas isso não significa que iremos encontrá-los no céu.


Quem são os pastores de Hebreus 13:17?

Hebreus 13:17

Na versão que você utiliza aparece a palavra “pastores”, mas na maioria das versões a palavra utilizada é “guias” ou “líderes”, pois está falando de um ofício (como presbíteros ou anciãos) e não de um dom (como o de pastor).

(Almeida Corrigida) “Obedecei a vossos pastores e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossa alma, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”.

(Ave Maria) “Sede submissos e obedecei aos que vos guiam (pois eles velam por vossas almas e delas devem dar conta). Assim, eles o farão com alegria, e não a gemer, que isto vos seria funesto”.

(Darby) “Obedecei a vossos líderes, e sejais submissos; pois eles velam por vossas almas como quem deve prestar contas; para que possam fazer isso com alegria, e não gemendo, pois isto não vos traria proveito algum”.

(NV Internacional) “Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles. Eles cuidam de vocês como quem deve prestar contas. Obedeçam-lhes, para que o trabalho deles seja uma alegria e não um peso, pois isso não seria proveitoso para vocês”.

(Almeida Atualizada) “Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos; porque velam por vossas almas como quem há de prestar contas delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”.

Os “guias” ou “líderes” ali são aqueles que têm o cuidado e a preocupação com o rebanho, e não os pastores profissionais formados em uma faculdade teológica ou os homens que ficam à frente de uma congregação. E é sempre no plural, “vossos guias”, nunca “vosso guia”.

No versículo 7 fala dos guias que pregaram a palavra, e no versículo 17 dos que agora têm a responsabilidade da congregação. A aplicação correta do versículo é com relação aos anciãos de uma congregação, que podem ou não ter o dom de pastor, e podem ou não ministrar a Palavra.

Não existe na Palavra qualquer indicação de que uma assembleia fosse dirigida por um homem como vemos nas denominações evangélicas que copiaram seu modo de agir do modelo católico clero-leigos. O pastor é um dom e seu papel é o cuidado com o bem estar das ovelhas, o que é feito mais no contato pessoal e visitas do que na ministração pública da Palavra. Outros dons são evangelista, voltado aos incrédulos, e mestre, este sim mais ocupado com o ensino público da Palavra.


Quem nasce de novo já está batizado?

Você escutou uma pregação que fiz sobre Nicodemos e ficou com dúvidas quanto ao batismo. Talvez minha mensagem não tenha sido clara e isso fez você pensar que uma pessoa nascida de novo estaria automaticamente batizada, dispensando assim o batismo nas águas.

Na verdade o que eu quis dizer é que em sua conversa com Nicodemos o Senhor não está falando de batismo. Batismo não é o assunto ali, e sim o novo nascimento. A grande maioria dos cristãos interpreta a passagem como se Jesus estivesse dizendo a Nicodemos que, para nascer de novo, ele precisaria ser batizado nas águas.

Minha explicação fez você pensar em outra possibilidade (que não era minha intenção), isto é, a de que ao receber a Palavra a pessoa estaria sendo “batizada” pela Palavra, assumindo esta o lugar das águas. Sinceramente, nem eu achei que alguém poderia ter interpretado minha mensagem assim, o que mostra a responsabilidade de quem prega. Como dizia um especialista em publicidade, "comunicação não é o que você diz, mas o que as pessoas entendem” (Olgivy).

Mas o assunto na pregação que escutou em mp3 não é batismo e a água no texto de João 3 não é água literal, mas a Palavra de Deus. O assunto ali com Nicodemos (e que foi o tema de minha pregação) é que o novo nascimento só vem pela Palavra de Deus que é derramada na alma e se transforma em vida, uma obra divina e não humana.

Batismo é outra coisa, é uma ordenança que devemos cumprir, mas que não tem o poder de salvar ou transformar uma pessoa. O batismo apenas a coloca numa nova posição de quem agora tem responsabilidades para com o nome de Cristo, que agora leva sobre si o nome de Cristo. Usando uma expressão popular, o batismo é vestir a camisa do time, mesmo que isso não faça de você um jogador. Uma pessoa batizada não significa uma pessoa salva, mas uma pessoa nascida de novo sim. A obra completa é:

​1. Você escuta a Palavra (a “água” em João 3)

​2. Deus transforma essa Palavra em vida (como Jesus transformou água em vinho em João 2) fazendo você nascer de novo (ou do alto)

​3. Você crê no Evangelho (alguém espiritualmente morto seria incapaz de crer)

​4. Você é selado com o Espírito Santo (o batismo do Espírito é outra coisa que só aconteceu uma vez há dois mil anos para formar a Igreja) e é feito (por Deus) membro do corpo de Cristo, que é a Igreja.

O batismo nas águas poderá ter acontecido antes (se foi batizado antes de crer) ou acontecer depois disso, mas o batismo não tem o poder de salvar, a não ser no que diz respeito a dar a você uma nova consciência de responsabilidade. É uma situação parecida com a santificação da qual o apóstolo Paulo fala, ao dizer que o marido incrédulo é santificado pela esposa crente, ou que os filhos são santos:

(1 Co 7:14) "Porque o marido incrédulo é santificado pela mulher, e a mulher incrédula é santificada pelo marido crente; de outro modo, os vossos filhos seriam imundos; mas agora são santos”.

Você perguntou: "É lendo a palavra (as escrituras) que Jesus me faz crer nele e a partir do momento que eu creio, ele me batiza com o Espírito Santo sem precisar de águas?”.

Sim e não. Sim, é pela Palavra de Deus que nos é revelada a Verdade, e só nascemos de novo quando esta penetra em nossa alma por uma obra de Deus. Não, isto não é um batismo com o Espírito Santo e não tem nada a ver com o batismo nas águas. O batismo com o Espírito é outra coisa que só aconteceu uma vez no dia de Pentecostes (Atos 2). O selo do Espírito é ainda outra coisa, e acontece depois que uma pessoa ouve a Palavra e crê em Jesus. Quem não tem o Espírito nem sequer é salvo.

(Ef 1:13) "em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa;”.

(Rm 8:9) "Vós, porém, não estais na carne, mas no Espírito, se é que o Espírito de Deus habita em vós. Mas, se alguém não tem o Espírito de Cristo, esse tal não é dele".

Você perguntou: "Precisamos de alguém (humano) para nós batizar?”.

Sim, pois o batismo é uma ordenança dada por Jesus, mas não ao que é batizado, e sim ao que batiza. Em nenhum lugar diz “ide e sede batizados”, mas “ide e batizai”.


Por que mudaram o nome de Jesus?

Sim o nome é importante, porém existe uma necessidade de traduzi-lo sempre que isso for necessário. Caso contrário, precisaríamos escrever nomes árabes em caracteres arábicos e nomes chineses em ideogramas, o que tornaria os nomes ininteligíveis para ocidentais. Há casos na Bíblia em que nomes são alterados, como Saulo (que na verdade é Saul) que passa a ser identificado como Paulo a partir de certo ponto de Atos dos Apóstolos.

Existem algumas seitas hoje que fazem um grande alarde da questão do nome de Jesus, mas se você examina mais atentamente suas doutrinas descobre que a questão do nome é apenas uma cortina de fumaça para esconder graves problemas doutrinários. Além disso, todas elas acabam criando algum nome ou denominação sob a qual seus membros se reúnem, aí sim negando a importância que é ter apenas o nome de Jesus para o qual os cristãos devem se reunir.

Traduzi alguns trechos do site “Ask Dr. Brown”, cujo autor é especialista em línguas semíticas. Veja o que ele diz:

"O nome hebraico-aramaico original de Jesus é yeshu’a, que é uma forma abreviada de yehosu’a (js), assim como Mike é a forma reduzida de Michael. O nome yeshu’a ocorre 27 vezes nas Escrituras Hebraicas (Antigo Testamento), principalmente em referência ao sumo sacerdote após o exílio na Babilônia, o qual é chamado tanto de yehoshu’a (veja, por exemplo, Zacarias 3:3), como mais frequentemente de yeshu’a (veja, por exemplo, Esdras 3:2). Portanto, o nome Yeshua’s não era usual; na verdade, apenas uns 5 homens tinham este nome no Antigo Testamento. Foi assim que o nome se transformou em ‘Jesus” em inglês: o yeshu’a hebraico-aramaico se tornou o grego Iesous, e depois o latino Iesus, passando para o alemão e finalmente para o inglês Jesus.

Por que então alguns se referem a Jesus como Yahshua? Não existe absolutamente qualquer base para essa pronúncia — nenhuma mesmo — e digo isto como alguém que tem um Ph.D. em línguas semíticas. Minha opinião é que algumas pessoas zelosas, porém ignorantes em linguística, acharam que o nome de Yahweh devia aparecer em alguma parte do nome de nosso Salvador, por isso escolheram YAHshua ao invés de Yeshua — mas volto a dizer que não existe qualquer base para esta teoria.

Quanto à conexão que se costuma fazer do nome Jesus (do grego Iesous) com Zeus, esta é uma das alegações mais ridículas que já foram feitas, mas ela ganhou mais projeção nos últimos anos (a Internet é uma ferramenta maravilhosa para desinformar), e alguns crentes acham que não é apenas preferível usar o nome hebraico-aramaico Yeshua, mas que é realmente errado usar o nome Jesus.

Na afirmação [de que o nome grego Iesous teria sido fabricado a partir do nome do deus pagão Zeus] há dois mitos: Primeiro, não existe o nome Yahshua (como já demonstrei) e, segundo, não existe qualquer conexão entre o nome grego Iesous (ou Jesus) e no nome Zeus. Nenhuma conexão! Tentar conectar o nome Jesus ao deus pagão Zeus seria como argumentar que Tiger Woods é o nome de uma floresta infestada de tigres na Índia (‘tiger woods’ em inglês significa literalmente ‘floresta do tigre’). É um absurdo e baseia-se numa séria ignorância linguística”.

O autor do texto continua argumentando que essas ideias têm tanto fundamento quanto o boato de que Elvis está vivo. Segundo ele, o simples fato de o nome grego Iesous ter vindo da versão Septuaginta do Antigo Testamento já comprova de que não se trata de uma corrupção pagã no nome do Salvador, mas simplesmente a forma grega de traduzir o nome hebraico-aramaico Yeshua. Afinal, esse modo de traduzir Yeshua encontrado em hebraico no Antigo Testamento para Iesous em grego foi feito na Septuaginta dois séculos antes do nascimento do Salvador. Esta forma Iesous é também encontrada em mais de cinco mil manuscritos gregos do Novo Testamento e é encontrado também em textos gregos fora do Novo Testamento escritos no mesmo período.

O autor conclui dizendo: "Não se envergonhe de pronunciar o nome JESUS! Esta é a maneira correta de dizer seu nome em inglês, do mesmo modo como Michael é a maneira correta de se dizer, em inglês, o nome hebraico Mikhael, e Moisés é a forma inglesa correta de se pronunciar o nome hebraico Mosheh. Ore em nome de Jesus, louve em nome de Jesus, e testemunhe em nome de Jesus. E aqueles que querem fazer referência ao fato do Messias ser judeu, que usem seu nome original Yeshua — e não Yahshua ou Yahushua — lembrando que o poder do nome não está na sua pronúncia, mas na PESSOA que o nome representa”.


Antes da queda os animais falavam?

Sua dúvida está no fato de Eva não ter se surpreendido ao encontrar uma serpente falante no jardim do Éden. Fica difícil saber a reação de Eva, já que aparentemente não se passou muito tempo entre sua criação e a conversa que ela teve com a serpente, portanto tudo ainda era muito novo para ela.

É importante lembrar que não foi com um animal que Eva conversou, mas com Satanás, portanto não podemos atribuir a uma cobra a capacidade de oratória. Em Apocalipse deixa claro com quem Eva conversava ali no Éden:

(Ap 20:2) "Ele prendeu o dragão, a antiga serpente, que é o diabo e Satanás, e amarrou-o por mil anos”.

Portanto não podemos nos basear na passagem do Éden para dizer que animais tenham tido a capacidade de se comunicarem com humanos no passado. A única outra passagem na Bíblia que mostra alguém aparentemente conversando com um animal está em Números 22:27 em diante:

"E, vendo a jumenta o Anjo do Senhor, deitou-se debaixo de Balaão; e a ira de Balaão acendeu-se, e espancou a jumenta com o bordão. Então, o Senhor abriu a boca da jumenta, a qual disse a Balaão: Que te fiz eu, que me espancaste estas três vezes? E Balaão disse à jumenta: Porque zombaste de mim; tomara que tivera eu uma espada na mão, porque agora te mataria. E a jumenta disse a Balaão: Porventura, não sou a tua jumenta, em que cavalgaste desde o tempo que eu fui tua até hoje? Costumei eu alguma vez fazer assim contigo? E ele respondeu: Não. Então, o Senhor abriu os olhos a Balaão, e ele viu o Anjo do Senhor, que estava no caminho, e a sua espada desembainhada na mão; pelo que inclinou a cabeça e prostrou-se sobre a sua face”.

À semelhança de Eva, Balaão não parece surpreso ao ouvir sua jumenta falar, mas até conversa com o animal. Talvez por ser alguém habituado a invocar demônios (lembre-se de que o midianita Balaão era um adivinhador), Balaão imaginou que houvesse uma entidade espiritual por detrás daquele animal falante. Mas a passagem fala claramente que não era uma habilidade natural da jumenta, mas era Deus usando o animal para se comunicar com Balaão.

Não me recordo de qualquer outra passagem que mostre animais com capacidade de linguagem como têm os seres humanos. Apesar de animais poderem se comunicar entre si de formas até complexas, como as baleias com suas conversas ultrassônicas ou as formigas com suas mensagens químicas, não creio que sejam capazes de articular pensamentos na forma de palavras como fazem os seres humanos, pois para tanto precisariam de capacidade de pensamento conceitual e abstrato, algo que parece nos distinguir. Para todos os efeitos, a Bíblia chama de “mudos” os animais:

(2 Pe 2:16) "Mas teve a repreensão da sua transgressão; o mudo jumento, falando com voz humana, impediu a loucura do profeta”.

A Palavra de Deus também fala que os animais não têm a mesma inteligência dos seres humanos (entenda que é o instinto, e não a inteligência, que leva o pássaro a fazer seu ninho ou encontrar seu caminho migratório):

(Sl 32:9) "Não sejais como o cavalo, nem como a mula, que não têm entendimento, cuja boca precisa de cabresto e freio, para que se não atirem a ti”.

A capacidade de falar também distingue homens de animais na passagem de Tiago:

(Tg 3:7-10) "Porque toda a natureza, tanto de bestas-feras como de aves, tanto de répteis como de animais do mar, se amansa e foi domada pela natureza humana; mas nenhum homem pode domar a língua. É um mal que não se pode refrear; está cheia de peçonha mortal. Com ela bendizemos a Deus e Pai, e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus: de uma mesma boca procede bênção e maldição. Meus irmãos, não convém que isto se faça assim”.

Que me perdoem aqueles que se acham capazes de levar um papo com o papagaio ou conversar mentalmente com um gato de estimação, como fazia o jornalista britânico Cyril Hoskins que achava que era o monge tibetano Lobsang Rampa e escreveu um livro ditado por seu gato, mas continuo acreditando que o homem é a coroa da criação, um ser inigualável, criado à imagem e semelhança de Deus. Como se isto não bastasse, o Filho de Deus quis assumir a forma humana e agora há um HOMEM no céu, ressuscitado em carne e ossos, o primeiro de muitos que viverão para sempre lá na mesma condição em que agora já está o Salvador.


A profecia de Joel 2 se cumpriu em Atos 2?

Joel 2; Atos 2

Atos 2 faz referência à profecia de Joel 2, mas não creio que Pedro esteja afirmando ali que a profecia estivesse se cumprindo em sua totalidade. Tudo indica que aquilo foi apenas uma prévia do que será o pleno cumprimento da profecia nos “últimos dias”.

É comum encontrarmos profecias na Bíblia que começam a se cumprir em um momento e só terminam anos ou séculos depois. Um caso assim é o da profecia de Ezequiel 26 sobre Tiro. A primeira parte, que fala da destruição da cidade no versículo 4, aconteceu entre 587 AC e 574 AC e foi protagonizada por Nabucodonosor quando destruiu a porção continental da cidade, derrubando suas muralhas.

O versículo 5, porém, só veio a ocorrer 250 anos depois, quando Alexandre, o Grande, usou as ruínas da cidade destruída por Nabucodonosor para alcançar a ilha fortificada de Tiro, para onde fugiram os habitantes após a destruição da porção original e continental da cidade. Alexandre usou o entulho das muralhas para construir um caminho no mar e atacar a ilha fortificada, que era conhecida então como Tiro.

A profecia de Joel 2:28 segue nos versículos posteriores, e inclui algumas pistas importantes. Por exemplo, Joel fala dos “últimos dias” e um estudo das epístolas mostra que existe uma diferença entre “últimos tempos” e “últimos dias”, os “últimos tempos” são de maior amplitude e os “últimos dias” referem-se a um tempo do fim do atual estado de coisas. Ainda que Atos 2 fosse considerado como “últimos tempos”, hoje, dois mil anos depois, sabemos que não eram os “últimos dias”.

Outra pista importante da profecia está na expressão “do meu Espírito derramarei sobre toda a carne”, o que obviamente não foi o caso em Atos 2, pois um número limitado de pessoas foi ali beneficiada com o derramar do Espírito.

A promessa de “prodígios em cima no céu e sinais em baixo na terra: sangue fogo e vapor de fumaça” também mostra que Atos 2 não é o total cumprimento da profecia de Joel. Tudo isso tem muito mais a ver com a vinda de Cristo para Israel no final do que com a formação da Igreja, que é o que encontramos em Atos 2.


Por que Deus quis matar Moisés?

Talvez a resposta esteja em observarmos o que impediu Deus de matar Moisés: o fato de sua esposa Zípora ter circuncidado seus dois filhos naquele momento crítico:

(Ex 4:24-26) "E aconteceu no caminho, numa estalagem, que o Senhor o encontrou e o quis matar. Então, Zípora tomou uma pedra aguda, e circuncidou o prepúcio de seu filho, e o lançou a seus pés, e disse: Certamente me és um esposo sanguinário. E desviou-se dele. Então, ela disse: Esposo sanguinário, por causa da circuncisão”.

Sendo assim, podemos deduzir que Moisés teria falhado em obedecer a Deus neste sentido, conforme já havia sido ordenado a Abraão muito tempo antes:

(Gn 17:9-14) "Disse mais Deus a Abraão: Tu, porém, guardarás o meu concerto, tu e a tua semente depois de ti, nas suas gerações. Este é o meu concerto, que guardareis entre mim e vós e a tua semente depois de ti: Que todo macho será circuncidado. E circuncidareis a carne do vosso prepúcio; e isto será por sinal do concerto entre mim e vós. O filho de oito dias, pois, será circuncidado; todo macho nas vossas gerações, o nascido na casa e o comprado por dinheiro a qualquer estrangeiro, que não for da tua semente. Com efeito, será circuncidado o nascido em tua casa e o comprado por teu dinheiro; e estará o meu concerto na vossa carne por concerto perpétuo. E o macho com prepúcio, cuja carne do prepúcio não estiver circuncidada, aquela alma será extirpada dos seus povos; quebrantou o meu concerto".

Zípora, esposa de Moisés, não fazia parte do povo de Israel, mas era uma midianita. Em Num. 22:4, 7e Num. 25:6-18 vemos os midianitas se colocando contra o povo de Israel e até mesmo desviando o povo dos caminhos de Deus.

Minha suposição é que talvez Moisés tenha desejado circuncidar seu filho conforme o mandamento de Deus, mas sua esposa, midianita e estranha à fé e prática do povo de Deus, se opôs. Diante da iminente morte do marido ela teria voltado atrás e circuncidado o próprio filho, mas não sem protestar e chamar seu marido de sanguinário (talvez se referindo à da circuncisão que ele era obrigado a cumprir em obediência a Deus).

Lição para nós: se você tomar um cônjuge que não seja do povo de Deus certamente terá dificuldades em convencer seu cônjuge a permitir que você crie seus filhos nos caminhos do Senhor. Disso irá gerar conflitos e alguém acabará sendo obrigado a ceder (geralmente o cônjuge crente) e abrir mão de suas convicções para manter o casamento. Talvez seja por isso que vemos Moisés tomando sua mulher e filhos e entregando-os ao sogro em Êxodo numa aparente e temporária separação:

(Ex 18:2-4) "E Jetro, sogro de Moisés, tomou a Zípora, a mulher de Moisés, depois que ele lha enviara, com seus dois filhos, dos quais um se chamava Gérson, porque disse: Eu fui peregrino em terra estranha; e o outro se chamava Eliézer, porque disse: O Deus de meu pai foi minha ajuda e me livrou da espada de Faraó”.

Aos olhos de um incrédulo, a obediência a Deus é algo tão absurdo quanto era para Zípora o desejo de seu marido Moisés cortar um pedaço da carne de seu próprio filho. Mas toda obediência sempre começa cortando a carne, e Deus não poderia usar Moisés como usou se ele não começasse por algo tão básico para o crente, quanto cortar a própria carne.


Quando foi que Jesus morreu?

Se os exatos dia e mês da morte de Jesus fossem importantes, Deus os teria revelado na Bíblia. O que sabemos, e está revelado, é que Jesus morreu numa sexta-feira e ressuscitou num domingo. O autor do texto faz uma afirmação equivocada por entender a passagem também de forma equivocada:

Diz ele:

“Ora, verificamos pela Bíblia que Jesus ressuscitou as últimas horas do dia de Sábado, segundo o horário hebraico. O texto de Mateus 28:1, relatando a primeira visita das mulheres ao sepulcro, diz: ‘No findar do Sábado, ao entrar o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro. Mas o anjo lhes disse: Ele não está aqui; ressuscitou, como havia dito’.(Verso 6) Assim, ao findar o Sábado semanal, quando se aproximava o pôr-do-sol, Cristo já havia ressuscitado!”.

A questão é que você precisa pensar como um judeu da época para entender o que o texto diz. Primeiro, o dia judeu começava e terminava ao entardecer, e não à meia-noite como consideramos hoje. Segundo, o Sábado não era apenas mencionado como um dia da semana, mas pela qualidade do dia, como é o caso aqui. Parafraseando a Bíblia, poderíamos ler assim: “No findar do tempo determinado por Deus para o descanso, ao entrar o primeiro dia da semana…”. Ou seja, entendo que o autor está mencionando o Sábado apenas como indicação de que elas não estariam transgredindo a Lei. Ele está dizendo que o Sábado ou período de descanso já tinha terminado.

Veja outras traduções:

(Ave Maria) "Depois do sábado, quando amanhecia o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o túmulo”

(NVI) "Depois do sábado, tendo começado o primeiro dia da semana, Maria Madalena e a outra Maria foram ver o sepulcro”.

Ao adotar uma referência equivocada, obviamente o autor do artigo acabará chegando a outra conclusão igualmente equivocada:

“Concluindo, podemos afirmar, baseados nas Escrituras, que Cristo morreu cerca das 15 horas e foi sepultado, quase ao pôr-do-sol de quarta-feira, e ressuscitou quase ao pôr-do-sol de Sábado”.

Se tivéssemos apenas o versículo que ele citou em Mateus 28 a interpretação poderia parecer dúbia, mas Marcos 16:9 esclarece com todas as letras que Jesus ressuscitou na manhã do Domingo e não ao pôr-do-sol do Sábado:

(Mc 16:9) "E Jesus, tendo ressuscitado na manhã do primeiro dia da semana, apareceu primeiramente a Maria Madalena, da qual tinha expulsado sete demônios”.

O Senhor Jesus usou a frase “coar mosquito e engolir camelo” em relação aos fariseus, que ficavam preocupados com minúcias e não davam atenção às reais intenções de Deus na sua Palavra. É o caso do primeiro dia da semana, que a Palavra de Deus mostra ser o dia quando os discípulos se reuniam ao nome do Senhor, para celebrar a ceia do Senhor e assim lembrar sua morte na cruz.

Com o passar dos séculos os cristãos substituíram o nome do Senhor pelo nome de suas “igrejas”, substituíram o dia do Senhor (que temos uma vez por semana) por um dia quinzenal, mensal ou anual, ou acabaram dando mais importância a outros dias chamados “santos”, e fizeram da ceia do Senhor um ritual quase mágico, como se fosse um meio de se receber a Cristo ou ganhar alguma bênção, alguns achando até se tratar de uma repetição da morte de Cristo. Como pode ver, quando ficamos preocupados com o mosquito de detalhes que Deus não quis revelar, acabamos engolindo uma cáfila de erros.


Quer ser membro da minha igreja?

Sei que foi com a melhor das intenções que você me convidou a filiar-me à sua denominação. Porém, será que você conseguiria indicar na Palavra de Deus que devo pertencer a uma denominação ou me congregar sob uma bandeira denominacional? Será que existe qualquer indicação de que eu deva me unir a uma “igreja” que não inclua em seu “rol de membros” todos os que foram salvos por Cristo, mas apenas alguns?

Não, você não pode encontrar na Palavra de Deus fundamento para o convite que me faz, pois não há denominações na Palavra de Deus. Como posso pertencer a uma “igreja” que foi fundada por um homem no começo do século 20 se a igreja à qual pertenço foi fundada por Deus no primeiro século? Deveria eu pertencer à igreja que Deus fundou há dois mil anos e também a uma igreja fundada por homens há cem anos? Certamente não.

Portanto agradeço seu convite, mas continuarei congregado somente ao nome do Senhor Jesus com outros irmãos que igualmente não pertencem a nenhum sistema ou denominação criada por homens, pois isto sim eu encontro nas Escrituras. Continuarei pertencendo "a igreja de Deus, que ele resgatou com seu próprio sangue”, e não a alguma organização criada pela vontade humana.

Continuarei crendo que todos aqueles que verdadeiramente se converteram pela fé em Jesus e na eficácia de sua obra na cruz, não importa onde estejam congregados, fazem parte do mesmo corpo do qual faço parte, o corpo de Cristo. Continuarei convicto de que a salvação está em Cristo, e não em uma denominação ou organização que os homens chamam de “igreja” ou “congregação”.

E continuarei aguardando para qualquer momento a vinda de meu Salvador para encontrar-me com ele “entre nuvens”, junto com TODOS os que em todas as eras creram no Cordeiro que Deus proveu para, com seu sangue, nos purificar de todos os nossos pecados. E tampouco irei querer levar sobre mim um nome ou denominação que não possa ser compartilhado por TODOS os salvos.

Você poderá sempre me chamar de “cristão”, “crente”, “santo”, “irmão” ou qualquer nome que possa ser aplicado a todos os salvos por Cristo. Mas não me verá levando um rótulo como “congregacional”, “batista”, “presbiteriano”, “católico”, “assembleiano” ou qualquer outro nome que divida os salvos por compartimentos.

No céu não existirá nada disso, e ficaria estranho eu orar "seja feita a vossa vontade assim na terra como no céu” se me identificasse aqui na terra por um nome que Deus não usaria jamais no céu para identificar os seus.

Como poderia eu, que pertenço ao corpo de Cristo, que inclui todos os salvos, me fazer membro de outro “corpo” ou “igreja” à qual pertencem apenas alguns salvos? E como poderia eu próprio fazer-me membro de alguma coisa, quando foi Cristo quem me fez membro do seu corpo que é a igreja? "E todos os dias acrescentava o Senhor à igreja aqueles que se haviam de salvar”. “Agora, porém, há muitos membros, mas um só corpo”.

Quando Cristo vier buscar a sua igreja, é a igreja que pertence a ele que virá buscar, e dela fazem parte você, eu e todos os salvos. Eu irei, você irá, mas sua denominação com seus templos e tudo mais ficará aqui.


De quem é a voz que diz “Eis o Noivo”?

Primeiro é importante entender que a parábola das dez virgens está sendo dada no evangelho ao remanescente judeu que crê em Jesus. Sua primeira aplicação, portanto, é para os amigos do noivo (no caso as virgens), que são as damas de companhia. Não se trata de uma cena que antecede uma espécie de casamento coletivo ou poligâmico, mas trata-se da condição individual de cada um que espera por seu Senhor.

Porém, considerando que estamos falando do testemunho individual do cristão e da expectativa que ele deve ter de se encontrar com Cristo a qualquer momento, então a parábola também nos serve neste sentido como exortação e consolo. Entenda, portanto, que não estou falando da parábola como uma alusão direta ao arrebatamento da Igreja, mas ao estado em que devemos nos encontrar, isto é, de expectativa e como um testemunho eficaz (lâmpadas) que só pode existir quando seu combustível (azeite) vem do Espírito Santo de Deus.

Durante séculos a volta de Cristo como o Noivo de sua noiva, a Igreja, ficou praticamente esquecida. Os cristãos eventualmente falavam da vinda de Cristo como Juiz e Rei, para julgar o mundo e reinar sobre ele, mas não há muita coisa sobre sua vinda como Noivo, não para julgar ou reinar sobre a Igreja, mas para levá-la para as núpcias, a festa de casamento.

No início do século 19 na Inglaterra houve um forte movimento neste sentido, principalmente por cristãos que voltaram à leitura da Bíblia ao invés de continuarem aprendendo o que era ensinado pelas religiões de sua época. Para você ter uma ideia, o livro de orações oficial da igreja anglicana, usado nos cultos daquela denominação que era a igreja oficial da Inglaterra, não trazia qualquer menção sobre a vinda de Cristo como o noivo.

Embora existam algumas referências anteriores à vinda de Cristo para sua Igreja, para nos encontrarmos entre nuvens com o Senhor, nada se igualou ao movimento ocorrido no século 19 e que teve como consequência um fervor inigualável da parte dos cristãos de levarem o evangelho por todo o mundo. É dessa época que temos as histórias dos muitos missionários para países distantes levando as boas novas de salvação.

A parábola das virgens nos mostra um tempo quando cristãos verdadeiros (portadores de uma luz que só é possível ter por obra do azeite do Espírito Santo) e meros professos (pessoas que apenas se uniram a alguma religião cristã) estariam vivendo juntos, mas acabariam sendo distinguidos por terem ou não o azeite do Espírito que mantêm suas luzes de testemunho acesas. Todos ouviriam o brado “Aí vem o noivo” ou “Eis o noivo”, mas nem todos estariam com o azeite que possibilita uma luz real de testemunho.

Se você estudar a história da igreja verá que o anúncio da vinda de Jesus para os seus é algo relativamente novo (embora já estivesse na Bíblia). Portanto esse brado, de que Jesus está aí para consumar as núpcias, é a voz da qual você perguntou. A Bíblia não diz quem deu o brado, mas ele certamente foi dado, pois eu e você já ouvimos. Curiosamente, existe um manuscrito da versão Vulgata Siríaca que diz: “Ai vem o Noivo com sua noiva”, o que faz sentido, pois as virgens ou damas de companhia seriam as acompanhantes, e não a noiva.

O modo como alguém dá atenção a esse brado feliz é o que distingue um salvo de um perdido. O salvo se alegra por saber que a qualquer momento estará com o Noivo. Não há nada que deva acontecer antes da vinda de Jesus para arrebatar os seus, por isso o apóstolo Paulo já se incluía entre os que aguardavam esse momento, quando escreveu "nós, os vivos, os que ficarmos…”.

O incrédulo se apavora ao ouvir esse brado e passa a se preocupar com catástrofes, profecias, fim do mundo e coisas do tipo, pois sua esperança está no mundo, não no encontro com o Noivo no céu. Ele está mais preocupado com o que poderá perder com as destruições que ocorrerão por isso, toda essa preocupação com Nostradamus, 2012 e outras ideias diversas de fim do mundo como sempre ocorreram na história da humanidade (a vinda do Cometa Halley foi assim no passado). O crente, porém, vive na expectativa do que já ganhou e que está para se manifestar a qualquer momento.

Quer a pessoa esteja entre os salvos da atual dispensação da Igreja e que aguardam o Senhor Jesus para qualquer momento no arrebatamento, quer seja alguém que viverá em dias futuros, quando vier a tribulação sobre o mundo (depois que a Igreja foi tirada daqui) e um remanescente de judeus e gentios se converter, uma coisa é certa: o brado “Eis o noivo” já foi dado e não será dado novamente.


Se o justo não iria mendigar, por que Lázaro era mendigo?

Sua dúvida surge do contraste entre duas passagens: o Salmo 37:25, onde Davi diz que "Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão”, e também do evangelho de Lucas 16:20, que fala do "mendigo, chamado Lázaro”, que vai para o seio de Abraão depois que morre.

Existem afirmações genéricas na Bíblia que são verdadeiras por serem genéricas. Por exemplo, dizer que os justos são abençoados é uma afirmação genérica. Embora existam muitos justos que morreram sem terem acesso às bênçãos em seu período de vida, cedo ou tarde a afirmação se cumprirá.

Moisés, por exemplo, foi impedido de entrar na terra prometida, algo que sempre desejou fazer. Séculos depois, na cena da transfiguração, vemos Moisés exatamente na terra aonde almejava entrar, ao lado de Jesus e Elias. Deus enxerga as coisas em termos de eternidade. Vamos ver parte do contexto da passagem do Salmo (o contexto é muito mais amplo, porque é um Salmo profético que se refere ao remanescente judeu que será salvo na tribulação):

(Sl 37:21-29) "O ímpio toma emprestado, e não paga; mas o justo se compadece e dá. Porque aqueles que ele abençoa herdarão a terra, e aqueles que forem por ele amaldiçoados serão desarraigados. Os passos de um homem bom são confirmados pelo Senhor, e deleita-se no seu caminho. Ainda que caia, não ficará prostrado, pois o Senhor o sustém com a sua mão. Fui moço, e agora sou velho; mas nunca vi desamparado o justo, nem a sua semente a mendigar o pão. Compadece-se sempre, e empresta, e a sua semente é abençoada. Aparta-te do mal e faze o bem; e terás morada para sempre. Porque o Senhor ama o juízo e não desampara os seus santos; eles são preservados para sempre; mas a semente dos ímpios será desarraigada. Os justos herdarão a terra e habitarão nela para sempre”.

Davi está falando de um modo geral, que durante sua existência nunca viu o justo desamparado e a descendência do justo a mendigar o pão (veja que ele não diz que nunca viu o justo mendigar o pão, mas a sua descendência). Não se pode dizer, do ponto de vista da eternidade, que Lázaro tenha sido desamparado, porque no final ele foi amparado sim, e é essa a história do evangelho e o contraste no qual ele aparece em relação ao rico ímpio.

Mas veja que todo o capítulo deste Salmo Davi não está fazendo uma afirmação categórica e isolada, mas mostrando o contraste entre o ímpio e o justo e o que cada um ganha por ser assim. O assunto aqui é o contraste. Veja também que não é possível entender o versículo isolado, pois ele está falando da descendência do justo, e pelos versículos seguintes sabemos que ele está falando de alguém que "compadece-se sempre, e empresta, e a sua semente é abençoada”.

Parafraseando este Salmo, seria como se Davi estivesse dizendo que, das pessoas observadas em seu tempo de vida (de quando era moço até o momento em que escreve, quando é velho), ele deduziu que os justos, compassivos, liberais em emprestar e ajudar, etc. tiveram descendentes que (tendo aprendido tal exemplo) nunca precisaram mendigar o pão. A lição é tão clara e simples que até hoje observamos isso na sociedade, quando vemos alguém bem sucedido e damos o crédito de seu sucesso aos pais que o educaram corretamente e deixaram um bom exemplo.

Quem tentar fazer uma comparação desta passagem com os evangelhos, e escolher justamente Lázaro, o mendigo, para isso, estará perdendo de vista o foco da Bíblia que é Jesus. A sublimidade da passagem que diz “nunca vi desamparado o justo” está justamente em perceber a força que ela tem quando comparamos com o que aconteceu com o único realmente justo que já pisou este mundo: Jesus.

Ele foi sim desamparado, e aí sim poderíamos dizer que Davi errou. Jesus gritou "Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” e isso contradiz cabalmente as palavras ditas por Davi, a menos que a gente entenda que Deus precisou desamparar o Justo "para fazer a sua obra, a sua estranha obra, e para executar o seu ato, o seu estranho ato”. (Is 28:21).


Não devemos utilizar fábulas para ensinar a Bíblia?

Sua indagação é muito interessante, por isso fui investigar um pouco o que você comentou. Realmente o livro “As crônicas de Nárnia” de C. S. Lewis pode ser considerado uma fábula ou alegoria, mas acredito que não seja desse tipo de fábula que o apóstolo Paulo fala em 1 Timóteo.

(1Tm 1:3-4) "Como te roguei, quando parti para a Macedônia, que ficasses em Éfeso, para advertires a alguns que não ensinem outra doutrina, nem se deem a fábulas ou a genealogias intermináveis, que mais produzem questões do que edificação de Deus, que consiste na fé; assim o faço agora”.

Se prestar atenção ao contexto, o apóstolo não está escrevendo que fábula seja uma ferramenta ruim, mas de pessoas que estariam se apegando a fábulas como elas fossem um fim ou a verdade em si mesmas. Em outras traduções, ao invés de “fábulas” você encontra “mitos” e “lendas”, o que parece fazer mais sentido. Como ele fala de doutrina no versículo 3, eu leria a passagem assim: “nem se deem a doutrinas fantasiosas, mitos, lendas ou a genealogias”.

Aliás, estas coisas — lendas, mitos ou doutrinas fantasiosas e genealogias — são o fundamento e a ocupação da religião Mórmon. Seus seguidores têm entre seus escritos sagrados o Livro de Mórmon, que conta uma mirabolante história de uma civilização israelita que deixou Jerusalém antes de sua queda e viajou para a América, onde habitou e floresceu. Obviamente jamais se encontrou sequer um caco de cerâmica ou ponta de flecha dessa civilização. Puro mito ou lenda.

Outra ocupação principal dos Mórmons é com genealogia. Numa interpretação equivocada de 1 Coríntios 15:29 "Doutra maneira, que farão os que se batizam pelos mortos, se absolutamente os mortos não ressuscitam? Por que se batizam eles, então, pelos mortos?” .

Mas voltando à sua questão, C. S. Lewis foi um ateu que se converteu a Cristo e deixou uma importante obra de meditação sobre a Palavra de Deus e a vida do cristão. Ele não apenas utiliza fábulas em suas obras, como também filosofia, mas na maioria das vezes não vejo que o faça de maneira contrária à vontade de Deus. Além disso, essa é uma prática comum entre escritores cristãos. Um dos livros mais lidos do mundo, “O Peregrino”, é uma alegoria ou fábula, se preferir chamá-lo assim, em cuja história coisas como Pecado, Cobiça, Avareza, etc. são personificadas. Outro livro semelhante é “Pés como os da corça nos lugares altos”, de Hannah Hurnard.

O que esses autores fazem é usar um artifício literário para ensinar de forma didática uma verdade. As fábulas geralmente são aquelas em que animais ou seres inanimados assumem papéis humanos, e as mais antigas conhecidas são de um grego chamado Esopo. “A cigarra e a formiga” é uma de suas fábulas mais conhecidas, depois contada em livro por La Fontaine.

Outro artifício é a parábola, bastante usada pelo Senhor nos evangelhos, na qual objetos, plantas ou animais são usados como um paralelo que permita transmitir um ensino moral. Os sonhos do Faraó e de Nabucodonosor parecem ter sido colocados em suas mentes com as características de parábolas.

Os profetas de Israel também costumavam utilizar uma linguagem figurada para revelar algo. Por exemplo, (2 Cr 25:18) "Mas Jeoás, rei de Israel, mandou responder a Amazias, rei de Judá: O cardo que estava no Líbano mandou dizer ao cedro que estava no Líbano: Dá tua filha por mulher a meu filho. Mas uma fera que estava no Líbano passou e pisou o cardo”.

Em 2 Samuel 12 o profeta Natã conta uma historinha de um homem rico e um homem pobre, a da ovelha do pobre roubada pelo rico, para tocar a consciência de Davi. Obviamente o profeta usa de uma alegoria. Em Isaías 5 Deus usa a figura de uma vinha para tocar a consciência de seu povo.

O livro de Cantares é todo ele, uma belíssima história romântica que tem por objetivo mostrar o amor e a relação de Deus (o noivo) para com seu povo terreno, Israel (a noiva). Jesus usa mais de 40 parábolas nos evangelhos, ou seja, histórias contadas usando situações, objetos e pessoas do cotidiano, como forma de revelar verdades espirituais.

O próprio livro do Apocalipse é em grande parte escrito em linguagem alegórica, em um estilo muito parecido ao dos profetas do Antigo Testamento. A mensagem que ele passa é real, mas a forma usada para descrevê-la é alegórica, como quando fala de escorpiões, estrelas, etc., coisas que representam algo além da própria designação usada.

Voltando ao livro de C. S. Lewis, ou até mesmo à trilogia “O Senhor dos Anéis”, de J. R. R. Tolkien, que evangelizou C. S. Lewis e também usou de alegorias em seus livros para passar mensagens cristãs, não sou um profundo conhecedor das obras de ambos. Eles (principalmente Tolkien) eram especialistas em lendas e mitos da Antiguidade e seus livros são abundantes neste sentido.

Embora não veja problema em usar coisas, animais e pessoas em histórias fictícias para demonstrar verdades eternas, particularmente eu não me sentiria à vontade para usar magia e mitos de religiões pagãs para ilustrar verdades cristãs. Se nós, brasileiros, tentássemos algo assim por aqui, acabaríamos usando personagens como o ‘Saci e a Mula Sem Cabeça’ ou, invadindo a seara mitológica dos deuses pagãos do lado de baixo do Equador, criaríamos parábolas com personagens da mitologia indígena, como ‘Tupã’, ou das religiões importadas da África, como umbanda, candomblé, macumba, etc.


O “anjo” em Apocalipse 1 e 2 é o pastor?

Apocalipse 1; Ap 2

Esta é uma dúvida de muitas pessoas que pertencem ao sistema denominacional, pois há muitos líderes eclesiásticos como “pastores”, “profetas”, “reverendos”, “apóstolos”, ou seja lá qual título adotam, que arvoram para si o título de “anjo da igreja”.

Mas a expressão "ao anjo da igreja que está em…”, repetida no início de cada mensagem às igrejas em Apocalipse 2 e 3, não está se referindo a essas figuras que compõem o clero das religiões modernas.

Aliás, a própria ideia de um clero é combatida nas mensagens às igrejas de Éfeso e Pérgamo. A palavra ‘Nicolaítas’ vem de "Nico", que significa "conquistar" em grego, e "laíta", que significa "pessoas" (ou "povo"). A palavra pode significar “conquistador de pessoas” ou “conquistador das pessoas”.

Para responder sua dúvida vou traduzir um trecho de "Notes on the Revelation”, escrito por Hugh Henry Snell (1815-1891), um médico britânico que deixou sua profissão para dedicar-se ao evangelho em tempo integral. Os trechos entre colchetes foram acrescentados por mim para esclarecimento.

"Quando se pergunta ‘Qual o significado do ‘anjo’ da igreja, ao qual cada carta é endereçada’, nossa resposta é: Não existe qualquer fundamento nas escrituras para identificar esse anjo com ‘o pastor’. Apesar de pastores serem dons benditos concedidos por Jesus ressuscitado, a ideia do ‘pastor’ [no sentido denominacional] não é encontrada no Novo Testamento, mesmo porque deviam existir muitos ‘pastores’ em cada assembleia. Em Éfeso havia muitos supervisores [pessoas que tinham o cuidado da assembleia], como também ‘bispos’ e ‘diáconos’ na igreja em Filipo. É mais fácil dizer o que não é o ‘anjo’ do que definir o que é. Portanto é humildemente que falamos de um assunto envolto em tanta controvérsia.

Mas ao encontrarmos a expressão, ‘O mistério das sete estrelas, que viste na minha destra… São os anjos das sete igrejas, e os sete castiçais, que viste, são as sete igrejas’ (Ap 1:20), e notarmos que eles são segurados pela ‘destra’ do Jesus ressuscitado que subiu ao céu, somos inclinados a acreditar que o anjo é uma figura das pessoas portadoras dos dons mencionados em Efésios 4, aqueles que têm a obra do Senhor no coração, através dos quais o Senhor poderia comunicar seus pensamentos, e os quais ele tem, em certo sentido, como responsáveis, tanto pela fidelidade quanto pelo fracasso da assembleia”.

Outro autor, F. W. Grant, comentando o mesmo livro de Apocalipse, acrescenta: "A responsabilidade de cada coisa errada é atribuída ao anjo; é ele que tem aqueles que professam a doutrina dos Nicolaítas; é ele que permite a mulher Jezabel; é ele que é ameaçado com a remoção de seu castiçal. Fica bem claro que ele de algum modo representa a igreja, e deve-se notar que a palavra ‘anjo’ possui esta força de ser um representante”.

Volto a lembrar de que esse papel de “representante”, apesar do singular “anjo”, sempre é visto na doutrina dos apóstolos como uma função coletiva. Não havia “o pastor” nas congregações que encontramos em Atos e nas Epístolas, mas “pastores”, que eram dons como também eram “evangelistas” e “mestres” ou “doutores”. Não havia qualquer ideia de um “reverendo” ou, resumindo, de um homem à frente de uma congregação. A representação sempre era plural, mais por um papel de responsabilidade assumida do que de cargo delegado.


Qual a diferença entre benção e milagre?

Entendo que abençoar pode ser oferecer um benefício a alguém ou simplesmente falar bem de alguém. Milagre, por sua vez, é algo sobrenatural. Mas vamos deixar que o "New and Concise Bible Dictionary” — Morrish Edition — explique melhor.

Bênção — Existem duas aplicações distintas da palavra “bênção”. Deus abençoa ao seu povo, e seu povo abençoa a Deus, sendo a mesma palavra constantemente utilizada em ambos os casos. É óbvio, portanto, que deve existir mais de um sentido para o termo. Além disso, lemos que “o menor é abençoado pelo maior” (Hb 7:7), e apesar de estar se referindo a Melquisedeque abençoando a Abraão, o mesmo vale para Deus e suas criaturas: ao conceder favores, Deus é o único que pode abençoar. O cristão pode dizer que Deus “nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo” (Ef 1:3), mas a mesma passagem diz “Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”, significando “Graças sejam dadas ao Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo”. Este significado é mais bem explicado pelos registros da instituição da ceia do Senhor. Em Mateus e Marcos o Senhor tomou o pão e o “abençoou”. Em Lucas e 1 Coríntios 11:24 “ele tomou o pão e deu graças”. “Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes” (Tg 1:17). Trata-se de Deus nos abençoando, e pelo que nós abençoamos a Deus por meio de ações de graças, louvor e adoração.

Milagres — Nenhum crente sincero na inspiração das escrituras pode ter dúvidas quanto aos verdadeiros milagres que foram efetuados pelo poder de Deus, tanto nos tempos do Antigo, quanto do Novo Testamento. É a chamada filosofia, ou o ceticismo, que mistifica o assunto. Muito se fala a respeito das “leis da natureza”, e se afirma com convicção que tais leis sejam irrevogáveis e não podem ser quebradas. A isso se deve acrescentar que leis da natureza que eram desconhecidas são frequentemente descobertas, e se nossos antepassados pudessem testemunhar a aplicação de algumas das mais recentes descobertas, como computadores, telefones celulares, etc., considerariam essas coisas como milagrosas. Com isso costuma-se argumentar que os acontecimentos registrados nas escrituras como sendo milagres eram apenas a aplicação de algumas leis da natureza que as pessoas daquela época desconheciam.

Tudo isso é fundamentado numa falácia. Não existem leis da natureza, como se a natureza fosse capaz de criar suas próprias leis: existem leis na natureza, as quais Deus, em sua sabedoria como Criador, decidiu criar. Mas aquele que fez essas leis certamente possui o mesmo poder para suspendê-las ao seu bel prazer. Apesar de estarem sendo descobertas novas leis na natureza de tempos em tempos, elas de modo algum têm algo a ver com coisas como um morto que volta a reviver, um cego que passa a ver, um surdo a ouvir, um paralítico a andar, e demônios a serem expulsos daqueles que eram possuídos por eles. Tampouco tem a filosofia natural descoberto qualquer lei que irá explicar coisas como um machado flutuando na água. A pura e simples verdade é que Deus, em sua sabedoria, permitiu que algumas das leis naturais fossem suspensas, e em certas ocasiões ele exerce seu indescritível poder, como quando supriu os israelitas com maná vindo do céu, e quando alimentou milhares a partir de poucos pães e peixes, ou quando devolveu a vida que havia deixado um corpo. [Traduzido de “New and Concise Bible Dictionary” — Morrish Edition].


Jesus foi inferior aos anjos?

A versão da Bíblia que você utilizou deixa dúvidas por causa da redação em Hebreus 2:9: "Jesus, a quem Deus fez pouco inferior aos anjos”. Essa versão não explica direito o que seja esse “um pouco”, portanto sugiro que compare a passagem com outras versões.

Algumas traduções trazem “por um pouco menor que os anjos”, o que significa por um período de tempo, enquanto outras estão como esta que você indicou.

(ACF) "Vemos, porém, coroado de glória e de honra aquele Jesus que fora feito um pouco menor do que os anjos, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos”.

(ARA) "Vemos, todavia, aquele que, por um pouco, tendo sido feito menor que os anjos, Jesus, por causa do sofrimento da morte, foi coroado de glória e de honra, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todo homem”.

(Ave Maria) "Mas aquele que fora colocado por pouco tempo abaixo dos anjos, Jesus, nós o vemos, por sua Paixão e morte, coroado de glória e de honra. Assim, pela graça de Deus, a sua morte aproveita a todos os homens”.

(NTLH) "Mas nós vemos Jesus fazendo isso. Por um pouco de tempo ele foi colocado em posição inferior à dos anjos, para que, pela graça de Deus, ele morresse por todas as pessoas. Agora nós o vemos coroado de glória e de honra por causa da morte que ele sofreu”.

(NVI) "Vemos, todavia, aquele que por um pouco foi feito menor do que os anjos, Jesus, coroado de honra e glória por ter sofrido a morte, para que, pela graça de Deus, em favor de todos, experimentasse a morte”.

(PJFA) "Vemos, porém, aquele que foi feito um pouco menor que os anjos, Jesus, coroado de glória e honra, por causa da paixão da morte, para que, pela graça de Deus, provasse a morte por todos”.

(VIVA) "Mas vemos, sim, a Jesus — que por um momento esteve mais baixo do que os anjos — coroado agora por Deus, com glória e honra, porque ele sofreu a morte por nós. Ora, devido á grande bondade de Deus, Jesus provou a morte por todos no mundo inteiro”.

(Darby) "Mas vemos, coroado com glória e honra Jesus, que foi feito um pouco inferior aos anjos em razão do sofrimento da morte; para que, pela graça de Deus, pudesse experimentar a morte por todas as coisas”.

Seja qual for a versão mais correta, podemos tanto entender que por um pouco de tempo (33 anos) Jesus foi feito menor que os anjos, como também que esse “um pouco” significa sua condição em relação aos anjos, que são mais poderosos, mais rápidos, mais inteligentes, etc. do que os seres humanos (que é o assunto dos versículos anteriores).

Qualquer que seja a versão, podemos entender que Jesus, ao assumir a forma humana, ficou em uma condição temporária de inferioridade se comparado aos anjos. Obviamente isso diz respeito apenas à sua condição material e corpórea, considerando-se os limites impostos pela matéria e também pelo tempo e espaço, já que em nenhum momento ele deixou de ser Deus, onipotente, onisciente, onipresente, etc.

Isso nós podemos ver muito bem nos lampejos de sua divindade que “escapam” ao longo de sua breve vida neste mundo. Basta ver as situações como no controle sobre os elementos da natureza (os ventos e as ondas), na manipulação da matéria ao curar doenças e multiplicar pães e peixes, na superação das condições de espaço-tempo, como quando desapareceu diante dos fariseus ou se transfigurou ao lado de Moisés e Elias, etc.

Ele precisou ser, por assim dizer, “diminuído” à condição humana por um breve período de tempo para também ficar sujeito à morte, ou melhor dizendo, para que pudesse morrer. Mesmo assim é bom lembrar que, embora ele pudesse morrer de livre e espontânea vontade, a morte não tinha poder sobre ele, por ser sem pecado (e foi pelo pecado que o ser humano ficou sujeito à morte).

Mesmo quando consideramos sua morte, é importante lembrar que Jesus não foi morto por homem algum ou por qualquer espécie de exaustão ou sofrimento que tenha sofrido na cruz. Ele usou de uma capacidade que homem algum possui, que é a de entregar a vida, isto é, aplicar o verbo morrer a si próprio quando assim desejou. Embora os homens que o crucificaram sejam responsáveis e culpados por desejarem sua morte, nada o matou; foi Jesus que morreu espontaneamente quando desejou fazê-lo.

Aconselho você a sempre comparar diferentes versões e traduções da Bíblia sempre que encontrar uma passagem um pouco obscura. Às vezes a mera deterioração de um termo em nosso idioma pode levar a um entendimento equivocado da passagem, como ocorre com a palavra “igreja”, um termo que no original significava uma reunião de pessoas, mas deteriorou-se ao ponto de hoje ser usado para edifícios de tijolos.


Pode me indicar uma igreja para eu congregar?

Eu não poderia, de sã consciência, lhe indicar alguma “igreja” (se estiver falando no sentido denominacional) porque eu mesmo não pertenço a nenhuma denominação.

Há uns 30 anos Deus começou a me mostrar o erro que é congregar em uma denominação e então me separei dos sistemas religiosos para estar congregado somente ao nome do Senhor em comunhão com irmãos em todo o mundo que também estão congregados assim. Nas reuniões aprendemos da Palavra de Deus, apresentamos nossas necessidades em oração e lembramos a morte do Senhor em sua ceia a cada dia do Senhor. Considerando que hoje existem muitos grupos se reunindo assim, é importante verificar a origem de cada um, pois muitos surgiram de divisões causadas por homens. Isto pode ser feito investigando-se sua história.

No Brasil há reuniões assim há quase quarenta anos, mas em outras partes do mundo isso é muito mais antigo. Conheço irmãos e irmãs já idosos cujos avós já se congregavam somente ao nome do Senhor. Existe sim um intercâmbio entre as assembleias, irmãos que se visitam, etc., mas não existe nenhum “organismo” central ou organização por detrás disso, e muito menos qualquer tipo de clero ou ordenação humana de “pastores”. Afinal, se o Espírito Santo é suficiente, por que acharmos que ele não pode designar e preparar quem ele deseja para a obra de Deus?

Se tiver facilidade com o inglês, poderá ler muita coisa escrita por irmãos congregados somente ao nome do Senhor no século 19 em stempublishing.com

No passado havia muita gente congregada assim, mas como sempre aconteceu na história da igreja, ocorreram muitas divisões e hoje há poucas assembleias de irmãos reunidos assim no mundo todo, e não são muitas no Brasil. A maioria quase que literalmente “dois ou três”, reunindo-se em casas ou pequenos salões.

Não são muitos os que se dispõem a sair do sistema religioso para se reunirem somente ao nome de Jesus, pois não há muitos atrativos para a carne. Sem grandes oradores, corais, bandas, festas e tantas outras coisas que o mundo religioso oferece, ficamos somente com Jesus, o que obviamente é tudo, mas não para os desejos humanos.


O clero tem fundamento bíblico?

Considerando que você já tem planos de buscar um aprendizado formal no meio eclesiástico, certamente tudo o que eu disser será inócuo. O apelo eclesiástico é muito forte e há muitos cristãos que almejam essa posição, muito embora não encontrem qualquer indício de uma ordenação humana nas escrituras.

Sobre a questão de um clero, em seu e-mail você já indicou a força que isso tem nas denominações. Veja suas afirmações: "Dou graças a Deus que meu pastor dá oportunidade para todos os irmãos, (…) meu pastor que concede tão boas oportunidades para aprendermos. (…) E o pastor, em determinado momento, foi um a um, perguntando se queria oportunidade.”.

Percebe que é o pastor, e não o Espírito Santo, quem está dirigindo tudo? Nas epístolas não existe qualquer sinal desse tipo de coisa numa reunião da igreja. Isso é o que o clericalismo faz: substitui a direção do Espírito pela direção de um homem, e ainda faz as pessoas pensarem que estão congregando com liberdade porque esse homem dá liberdade (Quem é ele que tem o poder de dar essa liberdade? Quem o capacitou para tanto?).

Se você perguntar a Deus o que fazer quando estiver congregado, terá uma resposta clara em 1 Coríntios 14. Tente encontrar nessa descrição de uma reunião da igreja a figura do dirigente, pastor ou quem quer que seja que se arvore no direito de dirigir a reunião ou conceder licença para que os santos (que ele geralmente chama de membros de “sua igreja”) tenham oportunidade de falar.

(1 Co 14:26) "Que fareis, pois, irmãos? Quando vos ajuntais, cada um de vós tem salmo, tem doutrina, tem revelação, tem língua, tem interpretação. Faça-se tudo para edificação. E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus. E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz, como em todas as igrejas dos santos. As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja. Porventura saiu dentre vós a palavra de Deus? Ou veio ela somente para vós? Se alguém cuida ser profeta, ou espiritual, reconheça que as coisas que vos escrevo são mandamentos do Senhor. Mas, se alguém ignora isto, que ignore. Portanto, irmãos, procurai, com zelo, profetizar, e não proibais falar línguas. Mas faça-se tudo decentemente e com ordem”.

Hoje, textos em outros idiomas já não representam dificuldade para ninguém, e você, como jovem, estudante e aspirante a uma profissão, deve se manter atualizado com essas ferramentas se quiser ter sucesso em sua carreira profissional. O sistema da Google traduz bem o suficiente para se entender o texto, apesar de não substituir uma tradução humana. Fora isso, aconselho que estude inglês para o bem de sua carreira profissional, pois quando sair da faculdade verá que as portas se abrem com maior facilidade para quem fala inglês.

Escrevi sobre o cargo ou profissão de “pastor” que você encontra nas denominações, não por existirem muitos “pastores” que fazem barbaridades por aí, mas simplesmente por não encontrar na Palavra de Deus essa função de um homem liderando uma congregação local. O que não existe na Palavra de Deus nós não devemos inventar.

Eu tenho certeza de que existem muitos irmãos sinceros ocupando essa posição nas denominações e Deus os tem usado também. Porém o sistema que os homens criaram mais atrapalha do que ajuda. Conheço um pastor presbiteriano que tem um dom muito especial de evangelista e gosta mesmo de sair pregar o evangelho. Ele próprio me confessou que prefere estar em campo pregando a dirigir a congregação que lhe foi designada.

Agora veja você que situação: por fazer parte do sistema ele seguiu o caminho que a tradição ditou: estudou teologia, foi ordenado pastor e assumiu a liderança de uma congregação ou “igreja” em uma pequena cidade. Como seu dom é de um evangelista, aquela congregação não escuta mais que o evangelho todas as semanas e fica assim privada de aprender aquilo que Deus tem preparado para ensinar por intermédio dos que tem o dom de pastor ou mestre (lembre-se de que ele reconhece não ter o dom de pastor, mas de evangelista).

Naquela congregação podem existir outros irmãos que tenham recebido do Senhor o dom de pastor ou de mestre (ou doutor), porém o sistema determina que é o “pastor ordenado” quem deve ficar à frente da congregação, pregar, ensinar, pastorear, etc. Então todos perdem: esse “pastor”, por reconhecer que não tem o dom e acaba fazendo menos do que poderia; os outros dons, que não têm tantas oportunidades de se manifestarem como teriam se estivessem se congregando segundo 1 Coríntios 14; e a congregação como um todo, que não será alimentada com mais do que a mensagem básica do evangelho, que é o que o “pastor” sabe pregar bem.

Resumindo o que escrevi, a profissão ou cargo de “pastor” que você encontra nas denominações na figura de um homem dirigindo o culto e responsável por uma congregação não existe na Bíblia.

Na Bíblia o pastor é um dom, como é o evangelista e o mestre. O evangelista sai a pregar o evangelho, as pessoas se convertem e o pastor as incentiva a permanecerem no Senhor, enquanto o mestre ensina doutrina a elas. Você encontra os diferentes dons em ação em Atos 11:

Evangelistas: "Aqueles, pois, que foram dispersos pela tribulação suscitada por causa de Estêvão, passaram até a Fenícia, Chipre e Antioquia, não anunciando a ninguém a palavra, senão somente aos judeus. Havia, porém, entre eles alguns cíprios e cirenenses, os quais, entrando em Antioquia, falaram também aos gregos, anunciando o Senhor Jesus. E a mão do Senhor era com eles, e grande número creu e se converteu ao Senhor." (Atos 11:19-21).

Pastor: "Chegou a notícia destas coisas aos ouvidos da igreja em Jerusalém; e enviaram Barnabé a Antioquia; o qual, quando chegou e viu a graça de Deus, se alegrou, e exortava a todos a perseverarem no Senhor com firmeza de coração; porque era homem de bem, e cheio do Espírito Santo e de fé. E muita gente se uniu ao Senhor." (Atos 11:22-24).

Mestre: "Partiu, pois, Barnabé para Tarso, em busca de Saulo; e tendo-o achado, o levou para Antioquia. E durante um ano inteiro reuniram-se naquela igreja e instruíram muita gente; e em Antioquia os discípulos pela primeira vez foram chamados cristãos.” (Atos 11:25-26). (Aparentemente Barnabé reunia os dons de pastor e mestre, pois diz que ele ensinava juntamente com Paulo).

A responsabilidade de uma assembleia local não está sobre um só homem (como costuma ser o “pastor” das denominações), mas sobre vários irmãos que a Bíblia chama de anciãos, bispos ou presbíteros (ou guias). Estes não são dirigentes das reuniões, mas funcionam como zeladores do rebanho.

Quanto ao que disse de Davi, escolhido por Deus para ser o líder de Israel, ele é uma figura de Cristo Rei para Israel (nas epístolas dadas à igreja Cristo nunca aparece como rei da Igreja, mas sempre como Senhor). Mas no início Deus não queria dar um rei para Israel, mas queria que o seu povo dependesse somente de Deus como seu Líder. O povo pediu um rei porque queria ser como as outras nações e Deus lhes deu Saul.

No que diz respeito à Igreja de Deus, o próprio Senhor é o Sumo Pastor, o Espírito Santo o dirigente das reuniões e os próprios crentes são o templo ou casa espiritual de Deus e exercem um sacerdócio santo. Percebe o quão diferente tudo isso é do modelo que o protestantismo copiou do catolicismo que, por sua vez, emprestou de Israel? Inventaram um clero formado por homens em uma posição intermediária entre a congregação e Deus, arranjaram para esses homens vestes distintas, deram a eles títulos honoríficos como “padre”, “pastor”, “bispo”, “sacerdote”, “reverendo”, etc. e chegaram ao ponto, no catolicismo, de chamar um homem de Sumo Pontífice ou Sumo Sacerdote.

Espero que desta vez tenha ficado mais claro para você. Repito: minha intenção não é denegrir as pessoas que ocupam a posição de “pastores” nas denominações, pois a grande maioria desses irmãos simplesmente ignora o que a Palavra de Deus diz a respeito, tendo “engolido” aquilo que a tradição religiosa lhes passou sem nem mesmo irem conferir nas epístolas. O melhor mesmo é sermos como os irmãos de Bereia quando os apóstolos vieram lhes trazer as novas do Evangelho. Conhecedores das escrituras do Antigo Testamento, eles foram conferir se as coisas eram de fato do jeito que aqueles homens estavam lhes falando.

(Atos 17:11) "Ora, estes eram mais nobres do que os de Tessalônica, porque receberam a palavra com toda avidez, examinando diariamente as Escrituras para ver se estas coisas eram assim".


O dia do Senhor é o arrebatamento?

Sua dúvida está por confundir a expressão “o dia do Senhor” ou “o dia de Cristo” com o arrebatamento da Igreja. São coisas distintas. Quando ler as epístolas aos Tessalonicenses, entenda que, de uma maneira geral, a primeira fala do arrebatamento e a segunda fala das coisas posteriores.

Eu entendo a passagem que gerou sua dúvida da seguinte maneira:

(2Ts 2:1) "Ora, irmãos, rogamo-vos, pela vinda de nosso Senhor Jesus Cristo, e pela nossa reunião com ele”.

Entendo a “vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e nossa reunião com ele” como sendo o arrebatamento.

(2Ts 2:2) "Que não vos movais facilmente do vosso entendimento, nem vos perturbeis, quer por espírito, quer por palavra, quer por epístola, como de nós, como se o dia de Cristo (ou dia do Senhor) estivesse já perto”.

O “Dia de Cristo” ou “dia do Senhor” é a vinda de Cristo quando todo olho o verá, depois do arrebatamento e no final da grande tribulação, embora possa também ser considerado aí o período de tribulação, pois esta faz parte dos juízos que cairão sobre a terra. É um “dia” de juízo para este mundo.

A preocupação dos Tessalonicenses não estava em achar que Cristo já tinha vindo, porque eles obviamente sabiam que não tinha vindo. Eles estavam preocupados que o “dia de Cristo” estivesse se aproximando e que eles seriam pegos por ele.

(2Ts 2:3) "Ninguém de maneira alguma vos engane; porque não será assim sem que antes venha a apostasia, e se manifeste o homem do pecado, o filho da perdição”.

Eles não poderiam estar vivendo o “dia de Cristo” e nem deviam pensar que este “dia” já tivesse chegado porque o apóstolo explica que algo devia acontecer antes:

​1. A apostasia, que é o abandono generalizado da verdade do cristianismo e a rejeição à fé cristã.

​2. O surgimento do “homem do pecado”, o anticristo.

Portanto, antes que venha o “dia de Cristo” ou “dia do Senhor”, que é um dia de juízo para o mundo, deve vir a apostasia e ser manifestado o homem do pecado. Fazendo uma paráfrase do que o apóstolo está dizendo, eu entenderia assim:

"Ora, irmãos, peço a vocês, tendo em vista a vinda de nosso Senhor Jesus Cristo e nossa reunião com ele, que não se deixem abalar facilmente daquilo que vocês já tinham entendido, seja por palavra ou por carta supostamente vinda de nós, como se o dia de Cristo já estivesse em andamento. Não se deixem enganar, pois o dia de Cristo não virá sem que antes venha o abandono da verdade e se manifeste o homem do pecado”.

Perceba que em 1 Tessalonicenses o apóstolo faz uma distinção clara entre o dia do Senhor e a vinda do Senhor para os seus:

1 Tessalonicenses 4:13-18 é a descrição do arrebatamento da Igreja, que é uma bênção acompanhada de um prêmio para os crentes.

1 Tessalonicenses 5:1-4 é o contraste, ou seja, o dia do Senhor que pegará de surpresa como o ladrão para aqueles para os quais a vinda do Senhor terá tal caráter, já que perderão tudo com isso. A exortação aqui é para não vivermos nesse estado de torpor como aqueles que serão pegos de surpresa como em um assalto.

Você há de concordar que a descrição do “dia do Senhor” para o mundo nada tem da bendita esperança que é o arrebatamento da igreja para o crente. Veja por exemplo:

(Jl 2:1-3) "… porque o dia do Senhor vem, já está perto; Dia de trevas e de escuridão; dia de nuvens e densas trevas, como a alva espalhada sobre os montes; povo grande e poderoso, qual nunca houve desde o tempo antigo, nem depois dele haverá pelos anos adiante, de geração em geração. Diante dele um fogo consome, e atrás dele uma chama abrasa; a terra diante dele é como o jardim do Éden, mas atrás dele um desolado deserto; sim, nada lhe escapará… E o Senhor levantará a sua voz diante do seu exército; porque muitíssimo grande é o seu arraial; porque poderoso é, executando a sua palavra; porque o dia do Senhor é grande e mui terrível, e quem o poderá suportar? … O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o grande e terrível dia do Senhor".

Certamente não é um dia assim que o crente espera.

(1Ts 1:9-10) “…Vos convertestes dos ídolos a Deus, para servirdes ao Deus vivo e verdadeiro, e esperardes dos céus a seu Filho, a quem ele ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira vindoura".


Como lidar com as dificuldades da vida?

Desculpe pelo tempo que levei para responder (além do seu, há mais de 50 e-mails aguardando resposta). Do jeito que você descreve seus sentimentos e sensações parece que está falando de mim. Também me sinto inseguro quando preciso enfrentar uma situação nova, tenho medo de desafios, fujo de falar ao telefone (uma porque detesto telefone e outra porque se for em outro idioma sei que vai ser um desastre). Enfim, você é normal (se eu for normal, pelo menos).

Acontece que ao longo da vida somos obrigados a engolir alguns sapos, e depois da conversão (eu me converti aos 23 anos de idade, isso há mais de 30 anos) a saparia parece aumentar. Já tive empregos em que detestava fazer o que fazia, mas quando hoje olho para trás vejo que Deus me queria ali naquele momento e situação, não apenas por causa de mim e de meu aprendizado, mas talvez principalmente por causa das outras pessoas.

Lembre-se de que ao crer em Jesus você ficou numa situação parecida com a dos israelitas depois que cruzaram o Mar Vermelho: caíram em um deserto onde o único alimento com que podiam contar vinha do céu (maná) e a única água era a que saía da Rocha (figura de Cristo).

A insegurança nas coisas deste mundo (profissão, família, estudos, etc.) pode até aumentar, mas é importante lembrar sempre que o crente tem um destino eterno assegurado, e o mundo não. Quando cremos, fomos perdoados de todos os nossos pecados e feitos aptos a estar na glória com Cristo. Não há posição mais privilegiada do que essa.

A maioria das pessoas com quem interagimos em nosso dia a dia ainda está em trevas, lutando para sobreviver neste mundo porque é tudo o que elas têm. Não há qualquer lampejo de esperança ou livramento para elas e a vida é como uma contagem regressiva para o desconhecido. O medo da morte e do além as assola o tempo todo e procuram encobrir isso com ações de coragem, autoestima, inflando o ego, apegando-se às coisas materiais ou então partindo para religiões baseadas em sacrifícios e boas obras, que possam lhes dar qualquer sensação de que suas vidas não estão sendo em vão.

Olhe ao seu redor. Quantas pessoas você acha que compartilham da mesma certeza de vida eterna que você? Quantas podem dizer com certeza que se partirem deste mundo estarão imediatamente com Cristo na eternidade? Isto nos dá uma intrepidez que vai muito além da intrepidez que nos falta para lidarmos com as dificuldades de nossa vida aqui. O incrédulo precisa se agarrar com unhas e dentes ao trabalho e às suas metas passageiras como: carreira, dinheiro, sucesso, etc. Ele precisa de autoafirmação para se agarrar em algo, já que não tem a Cristo. Nós já temos a promessa de vitória em Cristo e um lar reservado no céu.

Enquanto isso, Deus nos deixa aqui tanto para aprendermos mais do quanto precisamos dele e do seu cuidado, como também para servirmos de testemunho para as pessoas que nos cercam (nem sempre pessoas agradáveis).

Quando sentir-se insegura, vacilante e com medo, olhe para Cristo, não para si mesma. Se olhar para si mesma irá desanimar. Se olhar para Cristo estará olhando para a ROCHA inabalável. É nele que encontramos segurança, não em nós mesmos.

Apesar de suas dificuldades, incertezas, fraquezas, etc. certamente você não passou pelo que passou Jó Seria interessante ler o livro de Jó tendo em mente que ele passou por tudo aquilo sem ter lido os capítulos 1 e 2 de sua história, aqueles que se passam no céu e mostram a origem de seus sofrimentos. Jó só descobriu o que se passou no céu quando chegou lá, não antes. Há algum tempo li um livro muito bom comentando Jó o nome é “Decepcionado com Deus”, de Philip Yancey. Talvez encontre em alguma livraria ou na Internet.

Lembre-se de que, assim como Jó vemos apenas parte de um processo. Além de não saber da conversa entre Deus e Satanás, que precedeu seu período de tribulação, Jó não era capaz de enxergar o que Deus tinha preparado para ele no final. Por isso desanimamos também, por não sabermos dos planos eternos de Deus, das razões das coisas, etc. e por ficarmos concentrados em um ou dois ingredientes de nosso sofrimento.

Farinha de trigo, óleo, sal e fermento são intragáveis ao paladar, mas quando colocados juntos, batidos, amassados e colocados no fogo, dão um delicioso pão. Assim é com os “ingredientes” de nossa vida aqui. São intragáveis quando engolidos separados, mas no final encontraremos o verdadeiro sabor que Deus tinha reservado para nós.

(Rm 8:31-39) "Que diremos, pois, a estas coisas? Se Deus é por nós, quem será contra nós? Aquele que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes o entregou por todos nós, como nos não dará também com ele todas as coisas? Quem intentará acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem é que condena? Pois é Cristo quem morreu, ou antes quem ressuscitou dentre os mortos, o qual está à direita de Deus, e também intercede por nós. Quem nos separará do amor de Cristo? A tribulação, ou a angústia, ou a perseguição, ou a fome, ou a nudez, ou o perigo, ou a espada? Como está escrito: Por amor de ti somos entregues à morte todo o dia; Somos reputados como ovelhas para o matadouro. Mas em todas estas coisas somos mais do que vencedores, por aquele que nos amou. Porque estou certo de que, nem a morte, nem a vida, nem os anjos, nem os principados, nem as potestades, nem o presente, nem o porvir, nem a altura, nem a profundidade, nem alguma outra criatura nos poderá separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus nosso Senhor”.

(Hb 12:1-3) "Portanto nós também, pois que estamos rodeados de uma tão grande nuvem de testemunhas, deixemos todo o embaraço, e o pecado que tão de perto nos rodeia, e corramos com paciência a carreira que nos está proposta, olhando para Jesus, autor e consumador da fé, o qual, pelo gozo que lhe estava proposto, suportou a cruz, desprezando a afronta, e assentou-se à destra do trono de Deus. Considerai, pois, aquele que suportou tais contradições dos pecadores contra si mesmo, para que não enfraqueçais, desfalecendo em vossos ânimos”.

(1 Pe 1:6-9) "… ainda que agora importa, sendo necessário, que estejais por um pouco contristados com várias tentações, para que a prova da vossa fé, muito mais preciosa do que o ouro que perece e é provado pelo fogo, se ache em louvor, e honra, e glória, na revelação de Jesus Cristo; ao qual, não o havendo visto, amais; no qual, não o vendo agora, mas crendo, vos alegrais com gozo inefável e glorioso; alcançando o fim da vossa fé, a salvação das vossas almas”.


Devo ser fiel para receber bênçãos?

Sua dúvida está na ênfase que muitos pregadores dão em ser fiel a fim de receber bênçãos terrenas, e por você achar que isso fica parecendo uma barganha com Deus. Sim, você está correto por estranhar isso. Mas você também quer saber o que deve fazer para receber bênçãos terrenas.

Tenho uma péssima notícia para você: as bênçãos terrenas foram prometidas a Israel, nunca à Igreja (que são os que hoje creem em Cristo). No Antigo i. Testamento não há bênçãos celestiais prometidas para aquele povo, e no Novo Testamento não há bênçãos terrenas prometidas para os crentes.

(Ef 1:3) "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo;”.

(1Tm 6:8) "Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes”.

Por outro lado tenho uma ótima notícia para você: Deus já abençoou cada um que crê em Jesus com bênçãos infinitamente maiores e melhores do que as prometidas a Israel. Estas são as bênçãos reservadas para o crente: são espirituais, estão em lugares celestiais, e estão em Cristo Jesus. Se tivéssemos um lampejo do que isso realmente significa, não viveríamos mais descontentes com nossa condição passageira aqui.

O israelita era fiel a fim de receber bênçãos. Era uma barganha. O crente em Cristo é fiel porque foi abençoado eternamente. É um ato de gratidão.


A que pastor devo obedecer?

Sua dúvida está relacionada ao versículo em (Hb 13:17) "Obedecei a vossos pastores, e sujeitai-vos a eles; porque velam por vossas almas, como aqueles que hão de dar conta delas; para que o façam com alegria e não gemendo, porque isso não vos seria útil”.

O versículo fala daqueles que são guias(que é o sentido dessa passagem para algumas traduções que usam “pastores”) de acordo com a Bíblia. O fato de algumas versões usarem a palavra “pastor” causa alguma confusão. O “pastor” (singular) de uma denominação não é o pastor mencionado aqui. O pastor que você encontra na Palavra de Deus é alguém que recebeu seu dom do próprio Senhor para pastorear ovelhas, não para dirigir as reuniões dos cristãos. É uma pessoa que zela pelas ovelhas, visita, cuida, etc. Não é um líder e nem precisa ser necessariamente um pregador.

Veja também que o versículo fala de “pastores” no plural, porque neste caso está se referindo aos que zelam pelo rebanho. Portanto o texto está se referindo aos anciãos ou presbíteros locais que têm responsabilidade por uma assembleia.

Algumas outras diferentes versões da mesma passagem trazem guias ou condutores, sempre no plural:

(ARA) "Obedecei aos vossos guias e sede submissos para com eles;”.

(ARCA) "Obedecei a vossos condutores (pastores, ou guias) e sujeitai-vos a eles;”.

(Ave Maria) "Sede submissos e obedecei aos que vos guiam".

(BRASIL) "Obedecei aos que vos governam e sede-lhes sujeitos”.

(CNBB) "Obedecei aos vossos dirigentes e segui suas orientações,”.

(NTLH) "Obedeçam aos seus líderes e sigam as suas ordens”.

(NVI) "Obedeçam aos seus líderes e submetam-se à autoridade deles”.

(PAST) "Respeitem os dirigentes e sejam dóceis a eles”.

(PJFA) "Obedecei a vossos guias, sendo-lhes submissos;”.

(VIVA) "Obedeçam aos seus líderes espirituais e estejam prontos a fazer o que eles disserem”.

O pastor, segundo a Palavra de Deus, é um dom espiritual individual dado pelo próprio Jesus ressuscitado, e não por ordenação humana ou resultado de um curso de teologia. Assim como o evangelista e o mestre, o pastor é um dom universal, isto é, sua atuação não está restrita a uma congregação local. Ele é pastor onde quer que vá, porque sua função é alimentar e cuidar das ovelhas, não dirigir uma congregação.

Já os dirigentes, bispos, presbíteros ou anciãos (diferentes nomes para uma mesma função) nos falam de uma função local da assembleia e sempre no plural. Um ancião ou presbítero pode ou não ter o dom de pastor, evangelista ou mestre; pode ou não ser um ministro da Palavra. A função dos presbíteros ou anciãos é supervisionar o rebanho local. Portanto, os presbíteros não têm atuação ou autoridade em assembleias em outras localidades, embora possam ser reconhecidos e respeitados.

Outro detalhe é que os anciãos segundo a Bíblia, como também acontecia com as igrejas, eram aqueles reconhecidos por localidade, e não por “denominação”. Do mesmo modo como existia a igreja em Éfeso, havia os anciãos de Éfeso aos quais Paulo se dirige em Atos 20:17 em diante.

Perceba que, os anciãos ou bispos que até então eram constituídos pelo Espírito Santo (Atos 20:28) e estabelecidos por ordem direta dos apóstolos (Tt 1:5), passariam a ter outro status depois da ausência dos apóstolos (o que ocorreu após a morte do último deles). Hoje bispos ou anciãos continuam sendo levantados pelo Espírito Santo. Embora não tragam o título, os irmãos os reconhecem como aqueles que têm cuidado pelas ovelhas. Em nenhum lugar nós os vemos sendo ordenados por alguma comissão ou eleitos pelos irmãos de uma assembleia local.

O pastor, que é um dom, você encontra aqui:

(Ef 4:11-12) "E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;”.

O presbítero, guia, dirigente, ancião, etc., que é um ofício, você encontra aqui:

(1 Pe 5:1-3) "Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: Apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto; Nem como tendo domínio sobre a herança de Deus, mas servindo de exemplo ao rebanho”.

Ao contrário do pastor, que é um dom que vem do alto, de Cristo, o presbítero (ancião, guia, etc.) é uma função que exige, não um dom, mas uma qualificação moral como de um chefe de família (veja 1 Timóteo 3).

Concluindo, ao dizer que devemos obedecer aos pastores, a Palavra de Deus está nos exortando a obedecer aqueles (sempre no plural) que têm o cuidado pelo rebanho local, não a um homem colocado por outros homens na posição de líder máximo de uma congregação, como é o caso do padre católico, função de liderança local copiada pelo protestantismo e batizada de “pastor”.

Fica assim fácil de entender que a figura do “pastor”, como encontramos nas denominações, não existe na Bíblia. Ao contrário do plural bíblico “pastores” ou “guias” ou “anciãos” de Hebreus 13, o “pastor” denominacional é singular. Ao contrário de ser um dom, como é o caso do “pastor”, “evangelista” ou “mestre” de Efésios 4, o “pastor” denominacional é um cargo. Ao contrário de ser escolhido pelo Espírito Santo, ele é ordenado por uma junta de homens. Veja você que não existe uma semelhança do pastor denominacional com os presbíteros ou o dom de pastor que você encontra na Bíblia.

Eu poderia continuar fazendo as comparações mas acho que já deu para você perceber que não existe tal figura na Bíblia. Qualquer um que se coloca à frente de uma congregação com o intuito de dirigir a reunião dos santos está usurpando um lugar que só o Espírito Santo pode ter.


Devo mentir se o chefe mandar?

Sua dúvida está em mentir ou não no ambiente de trabalho, pois é o que seu chefe pede para você fazer. Eu sempre encontrei esse problema nos lugares onde trabalhei e sempre deixei claro que não iria mentir. Aliás, sempre que chegava para trabalhar em um lugar novo, no primeiro dia eu descarregava minhas coisas na mesa, entre elas uma Bíblia.

Não a deixava sobre a mesa, mas na gaveta para eventualmente ler no horário de almoço. Mas fazia isso de modo que todos pudessem ver que ali tinha chegado “um crente”. É interessante como isso já mudava algumas coisas, como os colegas baixarem a voz quando estavam contando uma piada suja e percebiam que eu passava perto.

Em uma empresa onde trabalhei, meu chefe tinha o costume de pedir para dizer que ele não estava quando alguém tocava em minha mesa pedindo para falar com ele (que ficava numa mesa na mesma sala). Eu expliquei que não faria assim pois isso iria contra minha consciência e ele entendeu.

A partir daquele dia, quando o telefone tocava, eu atendia e meu chefe logo percebia que era com ele, pois eu dizia "Sr. Gustavo, o senhor quer falar com o Reinaldo?”. Então ele se levantava e saía da sala, e eu dizia que ele não estava na sala, mas que eu anotaria o recado. Ele ficava no corredor esperando eu desligar. Felizmente ele era legal a esse ponto.

Tente conversar com seu chefe ou então procure adaptar sua comunicação para uma que não comprometa. Por exemplo, é possível trocar "fulano não está no momento” por "fulano não pode atender no momento”ou "fulano não está disponível no momento”. Alguém pode estar na empresa ou na sala, porém falando ao telefone, recebendo uma visita de um superior, atendendo um cliente, etc., portanto, não disponível para atender outra pessoa.

Se corremos risco de perder o emprego adotando uma posição assim? Certamente. Mas como cristão corremos muitos riscos, não só de perder o emprego, mas de perder oportunidades de lucro em negócios escusos ou até de relacionamentos com incrédulos ou fora do casamento. Todas elas oportunidades que Deus não aprovaria e que não nos trariam qualquer proveito por esta mesma razão.

Felizmente hoje nas grandes empresas existem códigos de ética e conduta que estimulam a prática da transparência, mesmo porque um empregado que seja obrigado a mentir poderá processar a empresa por dano moral. Uma empresa que exige que seu empregado minta para quem é de fora não tem moral para exigir que ele fale a verdade para quem é de dentro, inclusive com o chefe. De qualquer modo, evite o enfrentamento, tente explicar a ele a razão de sua fé. "A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira”(Pv 15:1).

É bom lembrar que Deus odeia a mentira e que Satanás é o pai da mentira. Jesus disse aos fariseus que se opunham a ele: "Vós sois do diabo, que é vosso pai, e quereis satisfazer-lhe os desejos. Ele foi homicida desde o princípio e jamais se firmou na verdade, porque nele não há verdade. Quando ele profere mentira, fala do que lhe é próprio, porque é mentiroso e pai da mentira”(Jo 8:44).

Lembro-me de quando trabalhava num banco e fazia o levantamento de lugares para comprar para abrir agências. Quando entrei deixei claro que seria capaz de fazer o trabalho sem precisar mentir, o que meu chefe não acreditou muito. Evidentemente dava mais trabalho do que simplesmente mentir, mas acho que fazendo assim eu também treinava um pouco de criatividade.

Um dia estava numa oficina mecânica para saber se o dono se interessaria em vender o imóvel. Obviamente, apesar de estar de terno e gravata, só disse que estava ali representando um interessado e não revelei que era um banco, ou o preço iria disparar. Ele olhou para mim e perguntou: “O senhor é do banco tal?” Respondi com outra pergunta: “Por que, o pessoal do banco tal esteve aqui?”.

Enquanto ele tentava explicar a razão de ter desconfiado que eu fosse do banco, chamei sua atenção para uma grande mancha de infiltração na parede e quis saber qual era a origem daquilo, se podia comprometer a estrutura, etc. Ele imediatamente se esqueceu do assunto e passou a falar bem do imóvel tentando vender seu peixe.


A perda de meu filho foi maldição?

Sinto muito por sua perda momentânea. Digo momentânea porque nossos filhos sempre serão nossos filhos. Veja que interessante, no livro de Jó, que ele tinha 10 filhos no início do livro, além de todas as suas posses.

(Jó 1:2-3) "E nasceram-lhe sete filhos e três filhas. E o seu gado era de sete mil ovelhas, três mil camelos, quinhentas juntas de bois e quinhentas jumentas; eram também muitíssimos os servos a seu serviço, de maneira que este homem era maior do que todos os do oriente”.

Quando vamos ao final do livro, Deus dá em dobro tudo o que Jó perdeu, menos os filhos. Deus lhe dá o mesmo número de filhos que tinha no início.

(Jó 42:12-13) "E assim abençoou o Senhor o último estado de Jó mais do que o primeiro; pois teve catorze mil ovelhas, e seis mil camelos, e mil juntas de bois, e mil jumentas. Também teve sete filhos e três filhas".

A razão disso é que filhos não são como ovelhas e camelos. Os dez que tinham sido levados continuavam filhos de Jó e os dez que teve no final vieram a se somar a eles. No fim Jó terminou mesmo com 20 filhos e neste momento deve estar na companhia de todos eles.

Perceba também que Jó não estava pagando por pecado algum, seu ou de sua família, quando perdeu seus filhos e bens. Tudo aquilo aconteceu porque Deus permitiu que acontecesse e no final Jó percebe que só saiu ganhando da situação, ainda que não entendesse tanto sofrimento (jó não leu os dois primeiros capítulos de seu livro, portanto não sabia das conversas entre Satanás e Deus ocorridas no céu).

Você mostrou-se preocupado por achar que perdeu seu filho prematuramente por estar sendo alvo de alguma maldição familiar. Vamos ver as passagens que você citou:

(Dt 5:9) "Não te encurvarás a elas, nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até à terceira e quarta geração daqueles que me odeiam".

(Ex 20:5) "Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou Deus zeloso, que visito a iniquidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam".

Se prestar atenção, verá que Deus está ameaçando aqueles que têm ódio de Deus, o que obviamente não é o seu caso. Além disso é preciso entender que o Antigo Testamento traz uma determinada maneira de Deus tratar com o homem, em especial o povo de Israel, e não é exatamente a mesma maneira como ele trata o seu povo de hoje, a Igreja. Basta ver que o último versículo do Antigo Testamento ameaça com “maldição” e o último versículo do Novo Testamento oferece “graça”. Você acha que isso foi coincidência?

(Ml 4:6) "E ele converterá o coração dos pais aos filhos, e o coração dos filhos a seus pais; para que eu não venha, e fira a terra com maldição".

(Ap 22:21) "A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém”.

Isso só foi possível porque Jesus tomou nosso lugar como o amaldiçoado de Deus naquela cruz:

(Gl 3:13) "Cristo nos resgatou da maldição da lei, fazendo-se maldição por nós; porque está escrito: Maldito todo aquele que for pendurado no madeiro;”.

Este texto de autor desconhecido que traduzi do inglês há alguns anos foi de grande consolo para um irmão que perdeu o filho e acredito que também será de consolo para você:

Até Eu Vir Buscá-lo Outra Vez

"Emprestarei a vocês este filho querido

Por um tempo” — ouvimos Deus dizer —

"Para que o amem enquanto tiver vivido,

E o chorem se vier a morrer.”

"Talvez por dois anos, quatro, ou cinco até,

Ou quem sabe, chegue a vinte e três,

Seja o que for, meu pedido agora é:

Podem cuidar dele até eu vir buscá-lo outra vez?”

"O seu jeito de ser lhes trará horas gostosas,

E se sua estadia acaso mui breve for,

Vocês ficarão com lembranças preciosas,

Como um consolo para a vossa intensa dor.”

"Que ele ficará com vocês, não posso prometer,

Já que tudo, da Terra, precisa voltar,

Porém há lições para ele aí aprender,

Que de outro modo nunca iria assimilar.”

"Eu procurei por todo o mundo, a buscar,

Pessoas aptas que pudessem ensiná-lo,

E das multidões que estão na vida a caminhar,

Achei que só vocês poderiam ajudá-lo.”

"Será que poderiam dar a ele todo o amor,

Sem pensarem ser trabalho em vão,

E nem se ressentirem contra mim quando eu for

Aí buscá-lo, para tê-lo comigo então?”

"Creio haver ouvido de vocês a oração:

Amado Senhor, seja feito o teu querer;

Pelo gozo que este filho possa trazer então,

Correremos o risco de tal dor sofrer.”

"O cobriremos de amor, terno e permanente;

A ele vestiremos de carinho e bondade;

E a ti ficaremos gratos agora e eternamente,

Pois nos fizeste conhecer felicidade.”

"E se chegar a hora que o quiseres chamar,

Antes até do que havíamos planejado,

A dor que virá, procuraremos enfrentar,

E compreender que isto foi o teu cuidado.”

(Autor desconhecido)


O que se exige de um pastor?

Existe o pastor que é um dom (como evangelista e mestre) e que exerce seu dom entre as ovelhas onde quer que ele esteja. Não se trata de uma atuação em uma localidade, mas universal. E existe o presbítero ou ancião, que em algumas traduções às vezes aparece traduzido também como “pastor”. Este não é um dom, mas um ofício, e não aparece no singular, mas sempre no plural. Então em uma assembleia em uma cidade deveriam existir alguns presbíteros para cuidar (no sentido de responsabilidade) do rebanho.

O dom de pastor você encontra em Efésios e não há algo que alguém possa ter ou fazer para recebê-lo de Cristo. É um dom, uma dádiva, algo que vem de graça sem esforço do homem, como acontece com a salvação. Sua atuação e objetivo não são locais, mas universais como foram os apóstolos e profetas (estes nós só encontramos no início da Igreja, quando ainda não havia a Palavra escrita) e também os evangelistas e doutores ou mestres. Todos estes dons são dados visando a edificação do corpo de Cristo como um todo, não de uma assembleia local.

(Ef 4:11-12) "E ele mesmo deu uns para apóstolos, e outros para profetas, e outros para evangelistas, e outros para pastores e doutores, Querendo o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo;”.

Por outro lado, se alguém deseja desempenhar a função de um presbítero (ou bispo em algumas traduções), que não é um dom, mas um ofício, essa pessoa precisa ter algumas características, além de ser levantada pelo Espírito Santo para essa função. Veja algumas passagens que falam das características dos presbíteros:

Os presbíteros eram designados por ordem direta dos apóstolos, e isso de cidade em cidade (cada cidade tinha os presbíteros daquela cidade, não de um grupo específico):

(Tt 1:5) "Por esta causa te deixei em Creta, para que pusesses em boa ordem as coisas que ainda restam, e de cidade em cidade estabelecesses presbíteros, como já te mandei".

Os presbíteros que, além da responsabilidade sobre o rebanho, também trabalhassem na obra do Senhor, podiam receber a ajuda dos irmãos:

(1Tm 5:17-18) "Os presbíteros que governam bem sejam estimados por dignos de duplicada honra (também pode ser traduzido por duplicados salários), principalmente os que trabalham na palavra e na doutrina; porque diz a Escritura: não ligarás a boca ao boi que debulha. E: Digno é o obreiro do seu salário”.

Não deveria se acusar levianamente um presbítero, senão com testemunhas. Se tivesse pecado, ele devia ser repreendido na presença de todos.

(1Tm 5:19-20) "Não aceites acusação contra o presbítero, senão com duas ou três testemunhas. Aos que pecarem, repreende-os na presença de todos, para que também os outros tenham temor”.

Não deviam desempenhar sua função a contragosto, mas de forma voluntária, e não podiam ser gananciosos, isto é, fazer isso visando dinheiro.

(1 Pe 5:1-2) "Aos presbíteros, que estão entre vós, admoesto eu, que sou também presbítero com eles, e testemunha das aflições de Cristo, e participante da glória que se há de revelar: apascentai o rebanho de Deus, que está entre vós, tendo cuidado dele, não por força, mas voluntariamente; nem por torpe ganância, mas de ânimo pronto;”.

Os bispos (o mesmo que presbíteros) deviam ser irrepreensíveis, monogâmicos, sóbrios, honestos, hospitaleiros, capazes de ensinar, não beberrões, não contenciosos, não avarentos (amor ao dinheiro), deviam saber cuidar da família, não deviam ser novos convertidos e deviam ter um bom testemunho diante dos incrédulos.

(1Tm 3:1-7) "Esta é uma palavra fiel: se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja. Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de uma mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar; não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento; que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?); não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo. Convém também que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta, e no laço do diabo”.


Meu filho deve pedir a bênção a mim?

Realmente não sei se existe uma base bíblica para fazer isso como se fosse uma ordenança. Todavia, se é o que os pais gostariam de ver seus filhos fazendo, então creio que se aplique o versículo de Efésios 6:1-3 "Vós, filhos, sede obedientes a vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; Para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra”.

Afinal, a Palavra de Deus nos diz para abençoarmos nossos inimigos, portanto não vejo nada de mal em abençoarmos nossos filhos:

(Rm 12:14) "Abençoai aos que vos perseguem, abençoai, e não amaldiçoeis”.

Meus filhos não me pedem a bênção, como é o costume em muitas famílias, um costume geralmente herdado do catolicismo (acho que eu mesmo pedia a bênção a meus pais quando pequeno), mas quando eu me despeço de meus filhos costumo dizer “Deus abençoe vocês” como uma forma de mostrar que desejo o melhor para eles, ou como forma de aprovação.

“Tecnicamente” falando, nenhum cristão precisa de mais bênçãos do que já possui. Ao contrário das bênçãos dos israelitas, que eram sempre materiais e terrenas, as bênçãos dos cristãos são sempre espirituais e celestiais. E nós as temos TODAS quando cremos em Cristo.

(Ef 1:3) "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com TODAS as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo”.

Eu entendo assim a questão dos filhos pedirem a bênção aos pais, mas pode ser que existam versículos que eu desconheça que digam o contrário.


Devemos buscar membros para uma reunião?

A Palavra de Deus não nos exorta a fazer prosélitos ou conquistar “membros” para algum tipo de congregação. Em Atos os discípulos pregavam o evangelho e, quando se reuniam, "perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações… E cada dia acrescentava-lhes o Senhor os que iam sendo salvos”.(Atos 2).

Repare que é o Senhor quem acrescenta à igreja os salvos, e a igreja é o seu corpo formado por TODOS os que creem em Jesus. Quando dois ou três estão congregados para o Senhor e em seu nome, estão dando testemunho dessa única igreja em sua expressão local. Não estão “dando testemunho de um testemunho”, como seria o caso se a “reunião” fosse alguma coisa em si mesma. Se fosse, não seria diferente de uma seita ou divisão, uma espécie de “denominação sem nome”.

Por isso, não se preocupe em angariar “membros” para algum grupo. Queira apenas aquilo que Deus quer: "que todos os homens sejam salvos e cheguem ao pleno conhecimento da verdade”(1Tm 2:4). Neste caso devemos buscar sim outros, mas para serem salvos pela fé em Jesus. A salvação vem por escutar o evangelho e crer em Jesus, por isso somos convidados a pregar o evangelho e não uma congregação.

Mas não para aí. O pleno conhecimento da verdade vem pelo aprender a Palavra. Uma vez de posse da salvação e do Espírito Santo que lhe dá entendimento, o cristão está totalmente capacitado para fazer ao Senhor a pergunta que os discípulos fizeram por ocasião da ceia: "Onde queres que a preparemos?”(Lc 22:9).

Quando compreendemos isso, então, do mesmo modo como não temos razão para nos gloriar por termos nos convertido, por descobrirmos que foi uma ação do Espírito Santo em nós que nos levou a Cristo, também não teremos de que nos gloriar por estarmos congregados para o Senhor, porque saberemos que foi "um homem levando um cântaro de água”(Lc 22:10) que nos levou até ali.

Como naquele tempo homens não levavam cântaros, e sim mulheres, e considerando ser a água uma figura da Palavra de Deus (Ef 5:26), descansamos no fato de ter sido o Espírito Santo, através da Palavra, que nos levou ao "cenáculo mobilado”, isto é, a um lugar mais alto do que o nível e o sistema religioso deste mundo, o qual estava já mobilado, ou seja, preparado com tudo o que precisávamos para desfrutar da própria presença do Senhor em nosso meio.


Estas passagens falam de salvação por obras?

Sua dúvida é sobre as passagens que aparentemente seriam uma contradição à salvação pela fé por ensinarem que a salvação seria por mérito nosso e por aquilo que fazemos. Uma é Tiago 5:19-20 que diz: "Irmãos, se algum dentre vós se tem desviado da verdade, e alguém o converter, Saiba que aquele que fizer converter do erro do seu caminho um pecador, salvará da morte uma alma, e cobrirá uma multidão de pecados”.

Repare que o contexto todo está falando de irmãos, pessoas convertidas e salvas por Cristo, portanto seguras em sua salvação. Aqui está falando de um salvo que se desviou e aquele que o faz voltar atrás de seu erro (é o sentido da palavra converter aqui) está salvando sua alma (aqui o sentido é vida) da morte.

Não se trata da condenação, mas da morte mesmo, morte física. Um verdadeiro salvo que ande desordenadamente pode ser tirado do mundo por não servir mais como um testemunho para Deus. Ele estará salvo, mas “como que pelo fogo”.

Outra tradução da mesma passagem:

(CNBB) "que este então saiba: quem faz voltar um pecador do seu caminho errado, o salvará da morte e cobrirá uma multidão de pecados”.

Sua outra dúvida está nesta passagem: (1Tm 5:12) "Tendo já a sua condenação por haverem aniquilado a primeira fé”.

Aqui o caso é semelhante, pessoas que um dia creram em Cristo e foram salvas, porém deixam de andar naquele primeiro amor da fé inicial que dava tanto fruto para Deus e passam a agir desordenadamente. Entenda essa "condenação” aqui como reprovação e ficar sujeito à disciplina que Deus traz sobre seus filhos desobedientes. Não se trata da condenação eterna.

Algumas outras traduções da mesma passagem:

(Bíblia) "e incorrerão na censura de ter violado o primeiro compromisso”.

(BRASIL) "e são culpadas, porque violaram a primeira promessa:”.

(CNBB) "e então merecem censura por faltarem com o compromisso antes assumido”.

(Darby) "sendo culpadas, por terem desprezado sua primeira fé”.

(NVI) "Assim, elas trazem condenação sobre si, por haverem rompido seu primeiro compromisso”.

(PAST) "tornando-se censuráveis por terem rompido o seu primeiro compromisso”.

Sua próxima dúvida é quanto a esta passagem: (1Tm 6:17-19) "Manda aos ricos deste mundo que não sejam altivos, nem ponham a esperança na incerteza das riquezas, mas em Deus, que abundantemente nos dá todas as coisas para delas gozarmos; Que façam bem, enriqueçam em boas obras, repartam de boa mente, e sejam comunicáveis; Que entesourem para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam alcançar a vida eterna".

Vejo aqui também um problema de tradução e isso pode ser visto nas diferentes versões da Bíblia. Darby traduz assim: "assentando para si mesmos um bom fundamento para o futuro, para que possam usufruir daquilo que realmente é vida".

Outras traduções:

(Bíblia) "ajuntem um tesouro sólido e excelente para seu futuro, a fim de conquistarem a verdadeira vida".

(BRASIL) "entesourando para si um fundamento sólido para o futuro, a fim de que se apoderem da vida que é realmente vida".

(CNBB) "Assim acumularão para si mesmos um valioso tesouro para o futuro, a fim de obterem a vida verdadeira".

O sentido da passagem não é da salvação por obras, mas de acumular tesouros no céu, onde está a verdadeira vida do crente e onde ele poderá realmente desfrutar desses tesouros.

Vou dar um exemplo: as pessoas fazem planos de previdência pensando em uma garantia, segurança e conforto para quando se aposentarem. Mas, por melhor que sejam esses planos, nenhum permite à pessoa desfrutar eternamente do que depositam neles.

Então o plano que traz dividendos eternos e nos permite desfrutar deles é aquele em que depositamos tudo aquilo que você viu sugerido aos ricos deste mundo nos versículos anteriores, ou seja, fazer o bem, fazer boas obas, repartir, comungar de seus bens com quem necessita, etc.

Uma vez um irmão contou uma historinha de um cristão que teve um sonho em que chegava no céu e ficava maravilhado com todas as ricas mansões que via por todo lado. O Senhor o acompanhou até sua nova morada e qual não foi sua surpresa ao ver um casebre pequenino. Ao indagar por que sua casa era tão diferente das mansões que tinha visto, a resposta foi: “Isto foi o melhor que pudemos fazer com o material que você mandou”.

É importante entender que se estas passagens estivessem falando de salvação eterna por meio de obras nossas, então Cristo teria morrido em vão e toda a doutrina fundamental cristã, que é a de uma vítima inocente morrendo para pagar o pecado do culpado, cairia por terra.

Quando estamos firmados na certeza de nossa salvação da única maneira que exalta e glorifica a Deus somente e ao Cordeiro, e não a nós, podemos descansar no fato de que todas as passagens que parecerem dizer o contrário precisam ser melhor compreendidas ou talvez possam estar traduzidas ou redigidas de modo a causar uma impressão equivocada.

Os idiomas são dinâmicos, isto é, estão evoluindo o tempo todo. Algo que você dizia há cem anos tem outro significado hoje. É o caso da palavra “caridade” que originalmente tinha o sentido de amor, mas acabou adquirindo o sentido de esmola. Por isso algumas traduções da Bíblia hoje a substituem pelo termo genérico “amor”.

A palavra igreja no original jamais significava um edifício, mas hoje é assim que é usada pela maioria das pessoas. Daí às vezes ser preciso substitui-la por “assembleia” para voltar ao seu significado original, que era o de uma reunião de pessoas, não de um lugar físico de tijolos e cimento.


De que mal devemos nos apartar?

Basicamente somos exortados a nos apartarmos do mal moral, doutrinário e eclesiástico. Em toda a Palavra de Deus somos exortados, não a nos acomodarmos ou nos conformarmos (tomarmos a forma) com o erro, mas a nos separarmos dele. Nem sempre a coisa é preto no branco, ou seja, você não vai encontrar uma passagem que diga “Apartai-vos do erro moral, doutrinário e eclesiástico”, mas temos o Espírito e a Palavra para discernirmos o que é errado aos olhos de Deus.

Na maioria dos casos esses erros se misturam de tal modo que fica difícil compartimentá-los como “moral”, “doutrinário” e “eclesiástico”. Para nós, o fato de ser erro devia bastar. Por exemplo, a epístola de Judas denuncia três tipos de erros, dos quais nem precisa dizer que precisamos manter distância:

(Jd 1:11) "Ai deles! porque entraram pelo caminho de Caim, e foram levados pelo engano do prêmio de Balaão, e pereceram na contradição de Coré".

Caminho de Caim: Justiça própria. Pode ser considerado um erro moral, pois visa satisfação da natureza carnal. Caim se deixou levar pelo pensamento carnal ao achar que tinha algo em si mesmo ou em seus esforços que fosse aprazível a Deus.

Engano do prêmio de Balaão: Ganância. Este é um erro eclesiástico. Balaão quis fazer das coisas de Deus um meio de lucro, o que não é muito diferente de muitas religiões atuais.

Contradição de Coré: Insubordinação à autoridade de Deus e àqueles que Deus havia levantado (Aarão e seus filhos). Você pode encontrar um pouco de tudo isso nas religiões criadas pelos homens.

Sobre esta passagem C. H. Mackintosh escreve:

"Judas resume os três tipos de caráter do mal (conforme é evidenciado nestes homens), e da independência de Deus. Primeiro, o mal natural, a oposição da carne ao testemunho de Deus e ao seu povo genuíno, e o ímpeto que essa inimizade dá ao desejo da carne. Em segundo lugar, o mal eclesiástico, ao ensinar o erro em troca de recompensa, sabendo o tempo todo que isso é contrário à verdade e prejudicial ao povo de Deus. Terceiro, a deliberada oposição e rebelião à autoridade de Deus que é encontrada em seu verdadeiro Rei e Sacerdote. Conforme somos lembrados aqui, estas três formas de mal foram representadas por Caim, Balaão e Coré, e agora aprendemos que, por meio da energia do inimigo, elas são reproduzidas em cada época da Igreja, por não passarem de expressões típicas do corrupto coração humano em oposição à obra do Espírito de Deus. Tendo sido assim alertados e instruídos, não é difícil detectarmos todas essas formas de corrupção na Igreja de Deus nos dias atuais”.

Uma forma de identificarmos os erros principalmente eclesiásticos é lendo as cartas às 7 igrejas que encontramos em Apocalipse. Com exceção de Esmirna e Filadélfia, todas as outras são denunciadas como tendo erros. Quando olhamos os erros delas podemos identificar o que são erros eclesiásticos:

​1. Éfeso mergulhou em um estado de apatia por ter deixado seu primeiro amor (Jesus).

​2. Esmirna não recebeu reprovação, mas consolo por ser perseguida pelo que era.

​3. Pérgamo fez uma aliança com o mundo e suas instituições, colocando-se à sombra do poder secular. Passou a habitar no mundo, onde está o trono de seu príncipe, Satanás. Também tem em seu meio pessoas com o espírito de Balaão, que visavam lucrar com as coisas de Deus fazendo tropeçar o povo de Deus. Também tem um embrião de clericalismo (doutrina dos nicolaítas).

​4. Tiatira tem muito amor, serviço, fé, paciência e muitas obras, porém permite o ensino errado (uma mulher ensinando), além de estimular a idolatria. Também se prostitui, ou seja, se corrompe e contamina em troca de favores.

​5. Sardes tem nome de que vive, mas está morta. Parece ter feito coisas boas, mas também se deteriorou por ter se afastado do que tinha recebido e ouvido. Não anseia pela volta do Senhor, tanto é que será surpreendida por ele como se fosse um ladrão inesperado.

​6. Filadélfia também não recebe reprovação, mas consolo e a certeza de que tem diante de si uma porta aberta, apesar da pouca força, do apego à Palavra e ao nome de Jesus (o inverso dessas três características — muita força e sem compromisso com a Palavra e com o nome de Jesus — pode denotar também erro eclesiástico).

​7. Laodiceia é tudo de ruim: mornidão, justiça própria, interesse em lucro, contaminação (por isso é exortada a comprar vestes brancas). O Senhor está do lado de fora buscando a comunhão individual, já que coletivamente Laodiceia é um desastre.

O que fazer quando nos deparamos com o mal onde estamos congregados? Quando Moisés viu a corrupção no arraial de Israel, armou a tenda fora:

(Ex 33:7) "E tomou Moisés a tenda, e a estendeu para si fora do arraial, desviada longe do arraial, e chamou-lhe a tenda da congregação. E aconteceu que todo aquele que buscava o Senhor saía à tenda da congregação, que estava fora do arraial".

Paulo manda Timóteo se apartar dos que têm má doutrina:

(2Tm 2:19) "Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade”.

Judas nos alerta para os que causam divisões:

(Jd 1:19) "Estes são os que causam divisões, sensuais, que não têm o Espírito”.

Há ainda o mal moral e sua necessidade de julgamento pela assembleia, como encontramos em 1 Coríntios 5.

Em um artigo de F. G. Patterson, "The Walk of Saints according to the Spirit” há um trecho que diz: "Aqui estão a razão e a garantia bíblicas para abandonarmos os sistemas religiosos criados pelos homens. Fazemos assim, não simplesmente por existir uma grande parcela de mal nesses sistemas, mas porque Cristo está fora desses sistemas, e desejamos ir a ele e dar a ele o seu lugar de direito. Nós saímos …a ele".

(Hb 13:13) "Saiamos pois a ele fora do arraial, levando o seu opróbrio”.


Como proceder para me congregar somente em nome de Jesus?

Fico contente pela decisão sua e de sua esposa de deixarem o sistema religioso para servirem ao Senhor sem vínculos com uma denominação. Estar congregado em nome do Senhor, e não em nome do Senhor e de mais algum nome, é um privilégio.

O primeiro passo é o que vocês aparentemente já deram: entender que as denominações não estavam nos planos de Deus e que devemos nos afastar delas se quisermos estar onde o Senhor prometeu estar, isto é, no meio daqueles reunidos ao seu nome.

Outro passo importante é reconhecer que há um só corpo, do qual fazem parte TODOS os que foram salvos pela fé em Jesus, inclusive aqueles que são convertidos, mas permanecem nas denominações. Este entendimento é muito importante para não se criar um pensamento sectário.

Na passagem em 2 Timóteo 2:17-25 você encontra passos importantes que deve dar se quiser sair do arraial religioso para estar no lugar de rejeição que Jesus tomou para si. Quando falo do arraial, estou me referindo ao sistema criado pelos homens que hoje chamamos de cristandade, o qual é uma cópia carbono do sistema religioso do judaísmo, exceto pelo fato de que aquele tinha sido instituído por Deus e este não.

Em Hebreus 13, depois de falar do sistema religioso judaico, que trazia tantas cerimônias, porém era incapaz de reconhecer o próprio Cristo, o Espírito Santo mostra aos hebreus convertidos que eles tinham agora um altar que nada tinha a ver com o altar do judaísmo. Era um lugar que tinha sido estabelecido fora do sistema, pois o próprio Senhor foi levado para fora do arraial para ser morto, como faziam com os transgressores no passado para serem apedrejados.

O convite então é para que saiamos também para nos encontrarmos com Jesus fora do arraial, em seu lugar de expulsão e levando nós também a sua vergonha ou ignomínia. Sempre me lembro de que o cego de nascença que fora curado só teve um conhecimento mais perfeito de quem era aquele que o curou depois que foi expulso pelos religiosos e encontrou-se com Jesus “fora do arraial”, por assim dizer.

Voltando a 2 Timóteo, vemos ali um caso de mal doutrinal (introduzido entre os cristãos da época por Himeneu e Fileto, que possivelmente estariam conquistando seguidores).

(2Tm 2:17-18) "E a palavra desses roerá como gangrena; entre os quais são Himeneu e Fileto; Os quais se desviaram da verdade, dizendo que a ressurreição era já feita, e perverteram a fé de alguns”.

Independentemente do tipo de erro que estavam cometendo, o importante é a frase: "… os quais se desviaram da verdade”. Isto é motivo mais que suficiente para saber o que devemos fazer quando as pessoas com as quais temos comunhão "se desviaram da verdade” que é a Palavra de Deus. Em seguida vêm as instruções quanto ao modo de proceder.

Primeiro vem o entendimento daquilo que aqui chama de fundamento de Deus: não cabe a nós decidirmos quem é salvo ou não, quem é do Senhor e quem não é, porque é o Senhor quem conhece os que são seus. Portanto a passagem não estará falando de nos separarmos de pessoas por elas serem incrédulas, mas de nos separarmos do erro doutrinário e das pessoas que o praticam. Se aqui o assunto é o mal doutrinário, chamado aqui de "iniquidade", em 1 Coríntios 5 você encontra o mesmo princípio de separação aplicado ao mal moral.

(2Tm 2:19) "Todavia o fundamento de Deus fica firme, tendo este selo: O Senhor conhece os que são seus, e qualquer que profere o nome de Cristo aparte-se da iniquidade".

Veja que não se trata de tentar reparar a má doutrina ou criar contendas com os que a professam. É pura e simples uma ordem clara de “sair do arraial”, apartar-se do mal, separar-se, fugir do pecado doutrinário com a mesma presteza com que José fugiu da mulher de Potifar quando ela quis seduzi-lo.

O mal, seja ele moral, doutrinário ou eclesiástico (este aparece na epístola de Judas em três aspectos representados por Caim, Balaão e Coré), é sedutor e não devemos achar que podemos contra ele. Temos ligações naturais e sentimentais com aqueles que estão envolvidos com o mal, e estas ligações podem nos fazer tropeçar como fizeram tropeçar a Adão, ao querer ficar ao lado de sua esposa sabendo que o que fazia era errado (“Adão não foi enganado”). “Apartai-vos” é a ordem dada aqui em alto e bom som.

Em seguida vem uma explicação sobre a casa de Deus, que é a esfera dos que professam ser cristãos e que podemos também chamar de cristandade no estado atual. A casa de Deus é o lado terreno da expressão da igreja de Deus. Enquanto a igreja de Deus, que é a parte que cabe a Deus, continua perfeita e sem mácula, a casa de Deus, que é o seu aspecto governamental deixado sob a responsabilidade do homem, passou de "casa de Deus” que deveria representar a "coluna e firmeza da verdade” de 1 Timóteo 3:15, à "grande casa” de 2 Timóteo, onde há de tudo um pouco: má doutrina, vasos para desonra, etc.

(2Tm 2:20) "Ora, numa grande casa não somente há vasos de ouro e de prata, mas também de pau e de barro; uns para honra, outros, porém, para desonra".

Se no versículo 19 de 2 Timóteo 2 nos era dito para nos separarmos da iniquidade, ou do mal doutrinário propriamente dito, agora o Espírito Santo nos diz para nos purificarmos dos vasos para desonra que ele mencionou no versículo 20. Vasos são pessoas, e esta costuma ser a parte difícil para qualquer um que deseja servir ao Senhor fora do sistema religioso criado pelos homens. Temos laços de amizade ou familiares, como tinha Jônatas com seu pai Saul, que podem nos levar a deixar de seguir nosso verdadeiro Davi em seu lugar de exclusão e desterro fora do arraial, para permanecemos sob a falsa segurança que dá um sistema estabelecido.

(2Tm 2:21) "De sorte que, se alguém se purificar destas coisas, será vaso para honra, santificado e idôneo para uso do Senhor, e preparado para toda a boa obra”.

Entendo que não se trate aqui de perder a amizade com irmãos sinceros que permanecem nos sistemas religiosos, mas simplesmente de nos purificarmos desses vasos, isto é, deixarmos de caminhar com eles nas questões que envolvem suas associações com os sistemas dos homens. Nenhuma amizade é tão bela quanto a de Davi e Jônatas, porém viviam em mundos diferentes. É emblemático vermos que “Jônatas se despojou da capa que trazia sobre si, e a deu a Davi, como também as suas vestes, até a sua espada, e o seu arco, e o seu cinto”, porém não suas sandálias. Jônatas amava a Davi, mas não queria andar com ele.

Embora às vezes possamos ser grandemente auxiliados pela fé desses irmãos, é preciso entender que em toda associação podem existir também dificuldades que venham a desonrar o nome de Cristo ou subverter a pureza da Palavra de Deus. Quer um exemplo? Uma vez decidi pregar o evangelho em um pequeno povoado no interior de Goiás e, ao invés de simplesmente fazer aquilo que o Senhor tinha colocado em meu coração, confiando que ele abriria as portas, fui à casa de um homem que eu sabia ser crente em Jesus e morava ali. Achei que assim as coisas ficariam mais fáceis, pois ele conhecia todo mundo no lugar e podia me acompanhar às casas das pessoas e me apresentar a elas.

Na primeira casa que visitamos, quando terminei de falar do evangelho puro e cristalino da salvação pela fé em Cristo e da graça de Deus em salvar o pecador independente de obras de justiça que ele possa praticar, senti-me satisfeito por ter passado a mensagem. Mas aí meu amigo cristão fez um aparte que simplesmente destruiu toda a mensagem que eu tinha acabado de pregar. Ele disse às pessoas da casa: “Mas não basta só crer. É preciso também guardar o sábado”.

O versículo seguinte mostra que não é para simplesmente nos apartarmos da má doutrina e dos vasos ou pessoas que a professam. O versículo 22 fala de fugirmos (mais uma vez, como José fugiu da mulher de Potifar) das paixões da mocidade. O que um jovem deseja da vida: sexo, dinheiro, poder, fama, prazeres… a lista é grande. Hoje costumamos chamar a isso de ambição.

(2Tm 2:22) "Foge também das paixões da mocidade;”.

Se por um lado a ordem é clara para nos separarmos, nos purificarmos, e fugirmos, existe agora o lado positivo. Não devemos nos separar para nós mesmos ou para ficarmos sozinhos. Separar-se do mal não significa deixar de congregar, porque Deus deseja que os cristãos estejam congregados, porém apenas em nome do Senhor Jesus, para desfrutar da promessa de tê-lo bem ali, no meio dos que estão assim congregados pelo Espírito Santo.

(2Tm 2:22) "e segue a justiça, a fé, o amor, e a paz com os que, com um coração puro, invocam o Senhor”.

Nós devemos nos separar de umas coisas para nos unirmos a outras: "a justiça, a fé, o amor e a paz”, porém não sozinhos. "Com os que, com um coração puro, invocam o Senhor”. Para entender o que "coração puro” significa aqui, entenda que não se trata de pessoas melhores, mais espirituais ou perfeitas. São irmãos em Cristo tanto quanto os que você deixará na denominação onde estava, com todos os defeitos que todos temos. A palavra “puro” aqui tem o sentido de expurgado ou livre do pus, isto é, daquilo que contaminava. Lembre-se do que foi dito no versículo 21: "se alguém se purificar destas coisas”. O texto está falando de purificados, de nos unirmos em comunhão com pessoas que passaram pelo mesmo processo de se apartar dessas coisas.

Finalmente, a Palavra de Deus nos fala em que estado de espírito devemos fazer isso: rejeitando questões loucas e fugindo de contendas, mas ensinando com mansidão as pessoas. Uma pessoa que entende que deve apartar-se do mal, não deve fazer disso um cavalo de batalha e causar divisões entre aqueles com quem ela se congregava. A decisão de separar-se é uma decisão individual. Se for para outros fazerem o mesmo, eles o farão pelo exemplo que enxergarem naquele que se separou, não por alguma articulação política feita dentro de uma denominação para se criar um partido e angariar seguidores. Assim como aconteceu com você, é Deus quem irá tocar o coração de outros.

(2Tm 2:23-25) "E rejeita as questões loucas, e sem instrução, sabendo que produzem contendas. E ao servo do Senhor não convém contender, mas sim, ser manso para com todos, apto para ensinar, sofredor; Instruindo com mansidão os que resistem, a ver se porventura Deus lhes dará arrependimento para conhecerem a verdade".

Muitos neste processo acabam caindo no erro de tentar criar contendas entre os irmãos ou de corrigir os erros que encontram na denominação. Não se trata de corrigir erros, mas de sair de algo cujo próprio fundamento está errado. Quando a defesa civil descobre um problema no alicerce de uma casa construída em uma área de risco, as autoridades não tentam convencer o dono da casa a pintá-la de outra cor, mas ordenam que ele deixe imediatamente o local. Tudo o que estiver sobre o alicerce comprometido irá ruir, não importa se a casa é feita ou bonita.

Deixo aqui mais um alerta: hoje há muitos grupos de irmãos reunidos sem denominação, mas reunir-se sem denominação não é a questão envolvida aqui. A questão é de fundamento. Podemos estar congregados sobre um fundamento errado, mesmo não tendo uma placa com um nome na porta da sala. Muitos grupos que hoje estão congregados sem denominação são descendentes de pecados, divisões e erros ocorridos no passado entre irmãos que estavam congregados somente em nome do Senhor Jesus. Portanto é bom dar uma olhada na história daquele grupo para ver quais foram suas origens, antes de tomar uma decisão que pode levá-lo a associar-se ao erro.

Uma vez que o Espírito Santo tenha mostrado a você que os irmãos que estão congregados ao nome do Senhor tenham se “purificado” desses erros descritos em 1 Timóteo, seu próximo passo será fazer contato com a assembleia de irmãos mais próxima de você e pedir o seu lugar à comunhão à mesa do Senhor. Os irmãos procurarão conhecê-lo melhor para saber se você não está em algum tipo de pecado moral, doutrinário ou eclesiástico e quando sentirem paz neste sentido você será convidado a tomar o seu lugar à mesa do Senhor.

Se não existir uma assembleia em sua cidade, provavelmente continuará participando da ceia do Senhor quando visitar uma assembleia em outra localidade ou for visitado por irmãos. Quando em sua cidade existirem dois ou três irmãos que se converteram a Cristo ou saíram do sistema religioso para estarem onde o Senhor prometeu estar, chegará a hora desses dois ou três formarem uma assembleia local, com suas responsabilidades e privilégios.


Como congregar estando sozinho?

Se não existir nenhuma assembleia de irmãos congregados ao nome do Senhor perto de você, o jeito será ficar só ou continuar lendo a Palavra regularmente com sua esposa até o Senhor acrescentar outros para que se forme uma assembleia em sua localidade. Enquanto isso você partirá o pão e o vinho quando for visitado ou visitar uma assembleia próxima.

Para estar em comunhão à mesa do Senhor você deve pedir seu lugar à comunhão a uma assembleia mais próxima de você. O que acontece em casos assim é que irmãos de lá visitarão você ou você os visitará, ou ainda manterão correspondência para se conhecerem melhor. A assembleia que recebe alguém à comunhão à mesa do Senhor tem a responsabilidade de manter a santidade (separação) da mesa, porque ela é do Senhor.

Por isso os irmãos procuram saber mais da pessoa que pede seu lugar para ver se não está em pecado moral (adultério, prostituição, roubo, etc.), doutrinário (negar a divindade de Cristo, etc.) e eclesiástico (querer congregar ao nome do Senhor mas continuar congregando em uma religião).

Depois de recebido à comunhão à mesa do Senhor você poderá participar da ceia quando visitar uma assembleia em qualquer lugar do mundo (levando uma carta de recomendação da assembleia onde foi recebido) ou até mesmo partir o pão com sua esposa (se ela também for recebida) na localidade onde mora se a assembleia na qual foi recebido à comunhão achar que seria o melhor a fazer em sua situação.

Infelizmente nem todos estão dispostos a “pagar o preço” de separar-se do sistema. Muitos até entendem que devem se congregar só para o Senhor, mas sentem falta de toda a atividade e entretenimento que existe dentro dos sistemas religiosos e suas denominações, e consideram monótono ocupar-se somente com Cristo.

É preciso lembrar que uma das características de Filadélfia, a igreja mais bem avaliada pelo Senhor em Apocalipse, é que "tens pouca força, entretanto guardaste a minha palavra e não negaste o meu nome”. Ter pouca força, manter-se fiel à Palavra, e dar a devida honra ao Nome do Senhor são três características de um testemunho para este final de tempos.

Quando vocês participarem de uma reunião com irmãos reunidos ao nome do Senhor talvez tenham a mesma impressão que tive da primeira vez que fui a uma reunião há mais de 30 anos. Achei um tédio. Horrível. Não acontecia nada, os hinos eram desafinados, sem coral, sem banda, quem falava não tinha boa oratória, não havia nada para se desejar ali.

Naquela noite eu perguntava a mim mesmo a razão daquelas pessoas ficarem ali naquela monotonia. Por que iam até lá com tantos lugares mais interessantes? E a resposta que o Senhor colocou bem clara em meu coração foi que era só por causa dele. Nada mais.

O curioso é que se eu tivesse visitado aqueles mesmos irmãos uns 4 anos antes, teria encontrado uma banda, gente chorando, rindo, gritando, línguas estranhas, demônios se manifestando e tudo mais. À medida que foram conhecendo melhor a Palavra, foram também aprendendo que muito daquilo que praticavam não passava de carne. Pouco a pouco o Senhor os ajudou a se ocuparem exclusivamente com ele, não com manifestações visíveis ou com as emoções dos sentidos.


Como congregar ao nome do Senhor?

É uma alegria saber como o Senhor têm aberto os olhos de vocês para a ruína que há hoje na cristandade, e especialmente para buscarem honrá-lo na simplicidade de estarem congregados em nome dele, para ele.

O próximo passo será vocês pedirem a comunhão à mesa do Senhor na assembleia mais próxima de vocês. Provavelmente vocês visitarão os irmãos lá ou eles visitarão vocês aí para conversarem mais e se conhecerem melhor. Não se espante se parecer que existe um zelo excessivo, mas isso não significa que vocês não sejam bem vindos ou amados. Significa apenas que, no atual estado da cristandade, é importante que aqueles que são responsáveis por manter a santidade da casa de Deus sejam criteriosos quanto ao recebimento à comunhão.

Cabe à assembleia local receber alguém à mesa do Senhor, e isso é feito com base na análise dessa pessoa para saber se está contaminada moral ou doutrinariamente. Da mesma forma, alguém que já está em comunhão pode ser excluído da comunhão caso caia em pecado ou contaminação (as instruções para isso você encontra em 1 Coríntios 5). Mesmo uma exclusão tem o caráter de disciplina e restauração, não de rejeição ou ódio. Um pai não ama menos um filho que põe de castigo, apesar de deixar de conversar com ele e impor certas restrições quanto ao convívio com os outros membros da família.

Normalmente as denominações enxergam na Bíblia apenas a "ceia do Senhor” (1 Co 11:20), sem darem atenção à "mesa do Senhor” (1 Co 10:21), e utilizam o batismo como forma de ingresso à comunhão daquela denominação em particular. Isso não tem base nas escrituras.

No princípio a coisa era mais simples, pois não havia heresias ou divisões. Então quando alguém se convertia era logo recebido à comunhão desde que desse provas de estar limpo das práticas que tinha em sua incredulidade (idolatria, por exemplo). Hoje, com a confusão que há na cristandade, é preciso ser mais criterioso pois não sabemos quem é a pessoa que está vindo participar da ceia. Hoje você encontra por aí pessoas que se dizem cristãs e negam a divindade de Cristo. Outras afirmam que Jesus poderia ter pecado. Há ainda quem acredite que a salvação seja pelas obras. É preciso ter essas questões claramente resolvidas antes de alguém entrar em comunhão, pois a mesa é o lugar de comunhão, e ao comer com alguém estou me associando a essa pessoa.

Além desses erros doutrinários, o fato de uma pessoa partir o pão em uma denominação e ao mesmo tempo querer partir o pão com irmãos reunidos ao nome do Senhor cria uma incoerência. Ela não pode, ao mesmo tempo, dar um testemunho prático de que os cristãos fazem parte de um só corpo, enquanto comunga com as ideias e princípios de uma denominação, que divide os crentes por um nome, que não é o de Jesus e não é inclusivo o suficiente para ser levado por todos os salvos.

Quando falamos do lugar de reunião que Deus institui na sua Palavra, algumas coisas são essenciais que você reconheça: a base ou fundamento é reconhecer o corpo de Cristo como um só e que todos os salvos são membros desse mesmo corpo, e reconhecer a autoridade do Senhor delegada à assembleia quando reunida ao seu nome. Outra coisa essencial é o julgamento de pecado (com a autoridade do Senhor conforme vemos em 1 Coríntios 5). Um grupo de cristãos que não reconheça o princípio da unidade do corpo (reconhecendo todos os salvos como membros da única Igreja) e que deixe o pecado passar sem julgamento não pode ter a mesa do Senhor.

Outro ponto importante a ser reconhecido é que não pode existir independência num corpo que é todo interligado. Eu entendo que o recebimento de alguém à mesa do Senhor é feito através da autoridade do Senhor dada à assembleia local. Uma vez tomada uma decisão de receber (ligar) alguém, essa decisão deve ser respeitada por todas as assembleias em comunhão, o mesmo acontecendo com a decisão de “desligar”, que é excluir (ou “excomungar” = excluir da comunhão, como se dizia no passado) alguém por algum pecado. Não pode existir independência quando a decisão é tomada com a autoridade do Senhor. Um criminoso em uma cidade é criminoso na outra, segundo a lei de nosso país. Não fica a cargo de cada prefeito em cada cidade decidir.

Assim, uma pessoa recebida à comunhão à mesa do Senhor estará em comunhão à mesa do Senhor, onde quer que essa mesa esteja estabelecida. Se ela viajar a uma localidade onde os irmãos ali não a conhecem, deve levar consigo uma carta de recomendação da assembleia onde está congregada. Cartas de recomendação podem ser encontradas nas epístolas. Uma pessoa excluída da comunhão à mesa do Senhor estará excluída em qualquer lugar onde a mesa do Senhor estiver estabelecida, e as assembleias que aquela pessoa eventualmente frequentasse são avisadas também.

E antes que me pergunte, assim como acontece com toda autoridade delegada, as decisões tomadas em nome do Senhor têm o respaldo do Senhor (“será ligado no céu”), porém não são infalíveis como não é infalível a decisão de qualquer juiz humano. Pode ocorrer de uma assembleia se equivocar e precisar depois voltar atrás. Quando isso acontece, a “vítima” do equívoco deve simplesmente aguardar que o Senhor esclareça as coisas. Neste caso é importante que ela enxergue o próprio Senhor como a “instância superior” à qual podemos apelar.


Como devemos nos congregar?

Fico contente por saber que vocês pediram seu lugar à comunhão à mesa do Senhor e agora aguardam serem recebidos. Também é bom saber que vocês estão promovendo reuniões regulares em casa aí em sua cidade até começarem a congregar como assembleia de irmãos reunidos ao nome do Senhor.

Devo ter explicado que essas reuniões têm um caráter informal, apesar de vocês já serem "dois ou três” (Mt 18:20), pois ainda não existe a prática governamental dada pelo Senhor aos dois ou três congregados em seu nome. Falo da responsabilidade de ligar e desligar, isto é, tomar decisões em nome do Senhor e também do caráter solene que tem uma reunião de assembleia.

Se decidissem fazer isso agora, isto é, congregar-se como assembleia sem aguardar a destra à comunhão dos irmãos da assembleia mais próxima (que estão assim exercitando o “ligar e desligar”), vocês estariam agindo em independência, um princípio contrário ao reconhecimento de que há um só corpo no qual os membros não podem ser independentes uns dos outros e da cabeça no céu.

Estas são questões pouco compreendidas entre os cristãos. Muitos acreditam que o simples fato de dois ou três cristãos estarem conversando das coisas de Deus é suficiente para se considerarem na condição de Mateus 18:20 e poderem contar com a promessa do Senhor, que disse, "aí estou eu no meio deles”. Não é bem assim.

Dois ou três cristãos que se encontram num ônibus, restaurante, parque, escola, em casa ou mesmo em uma sala ou salão reservado às reuniões cristãs não estão por isso reunidos em nome de Jesus. Eles podem ter uma ótima comunhão juntos, conversar das coisas de Deus, ensinar uns aos outros e até cantar hinos de louvor, mas o caráter é de uma reunião informal.

Para entender isso, pense em uma grande empresa cujos funcionários se encontram regularmente para conversar nos corredores, no refeitório ou no local de trabalho. Qualquer um pode participar dessas reuniões informais e eles até podem discutir e decidir coisas para a empresa, mas essas reuniões não são a “reunião de assembleia” que a empresa promove regularmente entre diretores e acionistas.

A “reunião de assembleia” de uma empresa tem um caráter solene e bastante distinto dos encontros no corredor. Há um presidente para presidir a reunião, assim como temos o Espírito presidindo uma “reunião da assembleia” nos moldes de Mateus 18:20. Ninguém pode simplesmente trazer seus palpites; é preciso que o presidente da empresa conceda a palavra a quem ele achar que deve falar. Existe um secretário que anota tudo, existe uma ata para oficializar o que é dito ali, costuma-se publicar os resultados da reunião, etc. Existe um caráter solene que não existe nos encontros informais, onde qualquer um pode falar, fazer gracejos ou até comer um lanche enquanto conversam.

Portanto, pensem nisso quando vocês começarem a congregar como uma assembleia de irmãos em nome do Senhor. As reuniões da assembleia (ou igreja) em uma localidade seguem a mesma ordem ou atividades das reuniões dos primeiros cristãos em Atos"perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações”. Entendo, portanto, que há três tipos básicos de reuniões que podem ou não acontecerem num mesmo dia: doutrina e comunhão dos apóstolos (ministério da Palavra), partir do pão (ceia do Senhor, aos domingos) e orações.

Veja que interessante: não encontramos o mesmo caráter de uma reunião da assembleia em uma reunião para se pregar o evangelho, porque as reuniões de assembleia são um momento exclusivo entre os santos e o Senhor (embora visitantes possam assistir, evidentemente). Doutrina, ministrada por aqueles que têm dons e ministério, é algo para os já convertidos; a ceia do Senhor, que não é uma reunião de ministério ou oração, mas de louvor e adoração, também tem o caráter de uma reunião da assembleia, e neste caso particularmente para os que foram recebidos à comunhão à mesa do Senhor.

O mesmo acontece com a oração, que não tem o mesmo caráter das orações em casa com a família, mas têm um sentido mais amplo e condizente com as necessidades que afetam os santos. Os irmãos trazem e explicam os motivos de oração antes de todos orarem por esses motivos. Em todos esses casos o sentido do que é feito é na vertical, seja de Deus para os homens (ministério da Palavra) ou dos homens para Deus (oração, louvor, adoração).

Já uma pregação do evangelho tem um sentido horizontal, de homens para homens, no caso, do pregador para os incrédulos. Neste caso podemos dizer que é uma reunião de quem prega o evangelho, não da assembleia. Quem prega tem a responsabilidade pelo que acontece no local o evangelho está sendo pregado (que pode coincidir com a sala onde são feitas as reuniões formais de assembleia). Outras reuniões, como a escola dominical para crianças e jovens, são reuniões no mesmo caráter da pregação do evangelho, só mudando o público.

É sempre bom lembrar que já não estamos nos dias de Atos, portanto não espere grandes coisas, como o chão tremer quando se reunirem para orar. E nem acredite ser hoje possível dividir suas posses com os irmãos como faziam os primeiros cristãos, pois hoje você precisaria dividi-las com todos os irmãos da igreja que está em sua cidade, e a igreja que está em sua cidade é, biblicamente falando, composta por todos os crentes que vivem aí.

Quando você lê os livros de Esdras e Neemias percebe que as coisas são muito pequenas em relação ao que tinham sido no passado. Até mesmo o templo reconstruído era uma triste maquete, se comparado ao original. Por isso, enquanto os jovens se alegravam, os velhos choravam (tinham conhecido o anterior). Não espere grandes coisas neste tempo igualmente de ruína.

Às vezes você percebe longos períodos de silêncio dos irmãos durante uma reunião, mas creio que existe no silêncio uma expressão de dependência, de esperar que o Senhor indique quem deve falar e o que falar, ou quem deve orar ou sugerir um hino. Mas não espere alguém afirmar que escutou Deus trovejando do céu ou o Espírito Santo sussurrando em seu ouvido para escolher o hino tal ou ler a passagem tal. Quando falamos de direção do Espírito na reunião da assembleia não estamos falando de alguma espécie de experiência mística.

Quando buscamos na Palavra encontramos que os discípulos do Senhor também cantavam hinos (os próprios Salmos eram hinos) e na época deviam ler do Antigo Testamento ou falar passagens de memória, além de lerem as cartas dos apóstolos (como vemos o próprio Paulo estimular tal prática em Colossenses 4:16). Havia também profetas no início, pois não tinham ainda o Novo Testamento, e estes falavam da parte de Deus. Hoje não temos esse mesmo tipo de revelação espontânea, por isso dependemos da Palavra escrita de Deus, e mesmo quando a lemos ou comentamos é bom que isso seja feito em reverência. Se minha forma de expressar reverência for esperar alguns minutos antes de abrir a boca, não creio que seja algo ruim.

O fato de se usar um hinário específico é uma decisão da assembleia local. Nos países de língua inglesa os irmãos com os quais estamos em comunhão usam um hinário chamado Little Flock; nos de língua espanhola “Mensajes del amor de Dios” e em outros países outros hinários ou compilações próprias de hinos selecionados como apropriados. Não existe uma “sede central”, “ministério” ou “casa publicadora oficial” que publique o hinário que todos devem usar. Se os irmãos de uma assembleia em uma localidade decidirem cantar outros hinos, é uma decisão deles, embora isso possa dificultar para visitantes de outras assembleias.

No Brasil, depois de procurar por um hinário apropriado, os irmãos decidiram criar um com uma seleção de hinos traduzidos do inglês e do espanhol, além de outros que já existiam em antigos hinários em português. A razão disso é que muitos hinários em português usados nas denominações têm erros doutrinários nas letras dos hinos. Além disso, boa parte deles mistura indistintamente hinos evangelísticos com hinos de adoração, e alguns ainda trazem o Hino Nacional, Hino à Bandeira, e coisas do tipo. Como não há um “pastor” à frente das reuniões e os irmãos é que sugerem os hinos, sempre poderia acontecer de um irmão menos informado sugerir para a assembleia cantar um hino de evangelismo (tipo “pecador vem a Cristo Jesus”) quando estivessem reunidos para adorar o Senhor na ceia, ou quem sabe até, numa situação extrema, alguém sugerir que cantassem o Hino Nacional!

No que diz respeito ao ministério da Palavra, mais uma vez lembre-se de que estamos em tempos de ruína. Há muitos dons em cada cidade onde há cristãos, mas o problema é que estão espalhados nas diferentes denominações. Por isso em qualquer assembleia reunida somente ao nome do Senhor você encontrará essa carência, porque Deus não distribui os dons de acordo com cada grupo de cristãos, mas a todos sem distinção. Às vezes somos obrigados a fazer o trabalho de um dom que nem é o nosso, em razão dessa deficiência, como parece ser o caso quando Paulo diz a Timóteo para fazer o trabalho de um evangelista. Mesmo assim é prudente ter a direção do Espírito em tudo.

Na última carta de Paulo, que é a que escreve a Timóteo e é também aquela em que diz que todos o abandonaram (e onde fala também da grande casa onde há vasos de honra e desonra), ele diz a Timóteo: (2Tm 4:5) "Mas tu sê sóbrio em tudo, sofre as aflições, faze a obra de um evangelista, cumpre o teu ministério”. Provavelmente Timóteo não tivesse o dom de evangelista, daí Paulo precisar admoestá-lo a fazer a obra de um evangelista.

Veja que o reconhecimento dessa fraqueza na cristandade como um todo é também característico daqueles congregados ao nome do Senhor. O contrário seria acreditar que estamos falando de um grupo que é suficiente em si mesmo, com todos os dons necessários, etc. Acaso não é esse o espírito das denominações com seus próprios pastores, evangelistas e mestres? Todavia o Senhor distribuiu esses dons à igreja como um todo, e não a uma organização ou reunião local.

Por mais que nos alegremos de poder estar congregados somente ao nome do Senhor, dando testemunho do “um só corpo” na prática, mesmo assim devemos nos humilhar sabendo que estamos na mesma condição de Laodiceia (Ap 3): nós nos achamos ricos e abastados e sem necessidade de coisa alguma.

Vou tratar em detalhes do assunto “evangelismo” em sua relação com a assembleia. Como já disse em outra mensagem, e não custa lembrar, o evangelismo é um dom e atividade individual. Você não encontra o evangelismo entre os tipos de reuniões que mencionei: comunhão e doutrina dos apóstolos, ceia do Senhor e orações. Do mesmo modo como a Igreja não ensina doutrina (são os dons individualmente que o fazem quando a assembleia está reunida), a Igreja não prega o evangelho.

Esse é um erro comum na cristandade que os protestantes adotaram dos católicos, que até hoje falam coisas do tipo “a Santa Igreja ensina tal e tal”. A Igreja dá testemunho a homens e anjos por ser o corpo de Cristo, mas ensinar e evangelizar são atividades dos diferentes dons. A falta de entendimento de que o evangelismo não é uma reunião da igreja, mas sim uma exposição para incrédulos, e a falta de liberdade para o Espírito Santo escolher quem lhe apraz para ministrar doutrina para os crentes em uma reunião, faz com que em muitas denominações os irmãos só escutem o evangelho dia após dia.

Não que isto seja ruim, pois afinal o evangelho “é o poder de Deus para todo aquele que crê”. O problema é que, se o dom do pastor for o de evangelista, essa congregação não receberá alimento mais sólido e não crescerá no conhecimento das glórias de Cristo, que é o verdadeiro tema da ministração para crentes. Quando, há mais de 30 anos, eu me congregava numa congregação batista na qual não havia um “pastor” oficial, eu e outro irmão nos revezávamos para pregar, e obviamente o tema era sempre o evangelho e todas as reuniões terminavam com um convite para as pessoas se converterem, levantarem a mão, virem à frente, etc. Uma noite não apareceu nenhum incrédulo convidado e ficamos completamente perdidos, sem saber o que fazer.

Por isso, lembre-se sempre de que quando a igreja ou assembleia está reunida, ela está reunida para o Senhor, não para os incrédulos, que é o motivo principal de uma pregação do evangelho. Numa assembleia numa localidade podem existir iniciativas dos que evangelizam e estas serem endossadas por todos os irmãos de uma assembleia, como é o caso da pregação do evangelho que temos aos domingos à noite no salão de reuniões aqui em Limeira. A cada domingo um irmão (de um grupo de 5 ou 6 que têm esse exercício no coração) se reveza para pregar o evangelho às pessoas que são convidadas para este fim. Mas não é uma reunião da assembleia, e sim uma pregação das boas novas de salvação feita por um irmão à frente de uma audiência convidada para este fim.

Há também iniciativas individuais de irmãos voltadas para o evangelho, como é o caso do trabalho que tenho feito na Internet, ou de uma editora que existe no Brasil chamada Verdades Vivas, de responsabilidade de 3 irmãos, que publica folhetos evangelísticos, livretos e calendários. E há também a iniciativa individual de cada um que fala a seus amigos, vizinhos e parentes.

Existe também a possibilidade de algum irmão sentir um chamado do Senhor para dedicar parte ou todo o seu tempo na obra do evangelho ou da visita a irmãos, e isso é uma questão entre ele e o Senhor. O irmão não irá pedir a permissão de ninguém para isso, mas obviamente também não irá querer fazer algo à revelia da assembleia onde congrega. Esta pode reconhecer que aquele trabalho vem do Senhor e decidir ter comunhão com esse irmão também em suas necessidades materiais, se for o caso. Mas entenda que não existe nem uma solicitação neste sentido pelo irmão que sai para trabalhar na obra do Senhor, e nem um compromisso da assembleia de sustentá-lo. O exercício é entre o irmão e o Senhor, portanto é do Senhor que ele deve esperar o auxílio, que pode vir através de assembleia ou de iniciativas individuais.

Mais uma vez é bom frisar isto, pois dentro das denominações é comum não existir uma definição clara do que seja uma reunião dos santos para adorar a Deus ou para a edificação, exortação e consolação dos santos, e uma pregação do evangelho para incrédulos. É comum nesses lugares todas as reuniões indistintamente terminarem com algum tipo de apelo para as pessoas se converterem.

Embora eu esteja passando rapidamente por estes assuntos sem dar muitas referências bíblicas, certamente você irá identificar as passagens que falam desses assuntos e poderá conferir se são de fato assim na Palavra de Deus, e espero que você o faça.

Deve existir também uma distinção clara entre uma reunião da assembleia, que tem um caráter solene, e uma reunião mais informal, quando uma família ou um grupo de irmãos se reúne para ler a Palavra, orar, cantar hinos, conversar, etc., que é basicamente o que vocês vêm fazendo enquanto aguardam serem recebidos à comunhão à mesa do Senhor.

Uma reunião da igreja é o momento solene onde dois ou três são reunidos pelo Espírito para o Nome do Senhor Jesus. Não se trata de um encontro casual entre irmãos, como um bate papo ou uma festa de aniversário. Nem é uma reunião de negócios, mas uma reunião que tem por objetivo partir o pão, aprender a doutrina e a comunhão dos apóstolos e orar, reconhecendo a presença real do Senhor no meio.

É neste caráter de reunião que se aplicam algumas ordens, como por exemplo a de que "falem os profetas, dois ou três, e os outros julguem. Mas se a outro, que estiver sentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, cada um por sua vez; para que todos aprendam e todos sejam consolados; pois os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas; porque Deus não é Deus de confusão, mas sim de paz. Como em todas as igrejas dos santos, as mulheres estejam caladas nas igrejas; porque lhes não é permitido falar”(1 Co 14).

No atual estado de ruína e degradação em que está a cristandade, é provável que a maioria das assembleias reunidas ao nome do Senhor que você encontrar estejam reunidas literalmente com 2 ou 3 apenas. E há casos em que uma assembleia se congregue com apenas um irmão varão (por morte ou abandono de outros). Aí as reuniões de assembleia não incluirão o ministério da Palavra e tampouco aquela assembleia terá poder de deliberar ou julgar. Quando o assunto é o julgamento, o “dois ou três” de Mateus 18:20 nos fala de dois ou três varões, uma vez que a passagem está falando da tomada de decisões, de ligar e desligar, o que deve ser feito por varões (que são cabeças).

Assim, uma assembleia “normal”, isto é, funcional em todos os seus aspectos, deve ter 2 ou 3 irmãos (homens) reunidos, pois caberá a eles julgarem as questões de doutrina durante o ministério nas reuniões, e o recebimento (ligar) e exclusão (desligar) pessoas da comunhão à mesa do Senhor. (Lembrando que esse ligar e desligar é da comunhão à mesa do Senhor, mas jamais do corpo de Cristo, como pretendiam fazer os Inquisidores no passado com aqueles que caíam em pecado. Ninguém tem o poder de desligar um membro da Igreja, que é o corpo de Cristo).

Digamos que os irmãos de uma assembleia morram ou se afastem, ficando apenas irmãs. Elas poderão continuar se reunindo para partir o pão quando visitadas por outros irmãos, se o Senhor as dirigir a isso (o correto é que busquem o auxílio dos irmãos de uma assembleia próxima), mas não poderão se reunir como assembleia naquilo que envolver julgamento e ministério. Ou seja, não poderão receber pessoas à comunhão à mesa do Senhor ou colocar em disciplina alguma irmã em pecado, pois não encontramos nenhuma instância disso nas Escrituras. Para isso devem buscar o auxílio de varões de outra assembleia. Sempre que forem agir, vocês devem perguntar: “Alguém já fez assim na Palavra de Deus?” ou, por assim dizer, devem verificar se existe uma “jurisprudência bíblica” para aquela situação.

O mesmo se aplica ao ministério da Palavra. Em 1 Coríntios 14 diz "falem dois ou três e os outros julguem”quando se refere a irmãos que ministram. Uma assembleia formada apenas por irmãs não poderá exercer esse tipo de ministério, pois estariam desobedecendo a ordem das mulheres ficarem caladas nas assembleias ou reuniões da igreja. Além disso, não haveria um irmão para julgar o que falassem. Então elas podem se reunir sim, mas não no caráter de uma assembleia, e sim no caráter de uma reunião informal de irmãs que têm o desejo de orar e estudar a Palavra.

Uma assembleia onde tenha restado apenas um irmão varão também não poderá adotar ações que envolvam julgamento (pois é preciso de dois ou três para julgarem as coisas), portanto não poderá receber ou excluir pessoas da comunhão. Para isso o único irmão do local deverá buscar auxílio de irmãos de outra assembleia próxima. Não me lembro se existe alguma coisa no Novo Testamento (é a tal “jurisprudência” que mencionei) sobre essa questão da proximidade, mas em Números 35 existe um princípio que pode ser aplicado, que é o das seis cidades de refúgio. Alguém que pudesse ser alcançado pelo vingador do sangue (por ter matado alguém por acidente) podia correr para a cidade de refúgio mais próximo e não ser morto. A divisão das cidades era de tal modo que qualquer pessoa em qualquer lugar de Israel poderia alcançar uma cidade de refúgio no mesmo dia.

Pela mesma razão, as reuniões de leitura, estudo ou ministério de uma assembleia assim não podem ser consideradas reuniões no caráter formal de uma assembleia, uma vez que não há quem julgue o que aquele irmão falar. Ele e as irmãs que participarem estarão reunidos em um caráter informal, como acontece, por exemplo, quando uma família se reúne para ler a Bíblia, ou em uma reunião da escola dominical, quando um irmão ensina aos jovens a Palavra de Deus, podendo ele inclusive responder perguntas de irmãs nessa ocasião. Por não estarem reunidos em assembleia, as irmãs não estarão impedidas de falar.

Portanto, quando você perguntou como seriam as reuniões que fazem em sua casa antes de vocês serem recebidos à mesa do Senhor e começarem a partir o pão como uma assembleia local, é este o caráter, isto é, o mesmo de uma reunião informal de uma família para ler a Palavra, cantar hinos e orar. Neste caso não existe a necessidade de se aguardar pela direção do Espírito para trazer uma palavra, sugerir um hino ou uma oração, como se costuma fazer em uma reunião de assembleia, e algum irmão até pode querer agir como dirigente da reunião. Numa reunião assim também não há nenhum problema se os irmãos desejarem fazer leituras de livros e comentários ou até acessar a Internet para pesquisar alguma coisa, coisas que não caberiam quando a assembleia estivesse reunida ao nome do Senhor tendo apenas a Palavra de Deus e a direção do Espírito como recursos.

Vejo que às vezes erramos quando queremos dar a uma reunião informal entre irmãos um caráter de solenidade que a torna “parecida” com uma reunião de assembleia, causando confusão na cabeça de alguns. Existe sempre o perigo de se adotar um ritual. É bom que qualquer reunião de cristãos em torno da Palavra seja feita com reverência, mas pode causar confusão tentar “imitar” uma reunião de assembleia, pois esta tem um caráter diferente e solene.

Além disso é comum em reuniões informais termos amigos e parentes incrédulos que às vezes querem até fazer perguntas, comentar ou dar palpites. Embora isso seja perfeitamente normal numa reunião informal, não deve ser o caso quando a assembleia está reunida. Às vezes o fato de uma assembleia se reunir em uma casa pode dar a um incrédulo ou irmão visitante desavisado a ideia de que se trata de um bate-papo (por causa do ambiente onde a reunião é realizada). Em casos assim é importante avisar de antemão e com muito amor e cuidado as pessoas que não estão em comunhão à mesa do Senhor para que deixem qualquer comentário ou pergunta para depois que terminar a reunião.

Quando eu morava em São Paulo, a assembleia naquela cidade começou em meu apartamento e este era um problema que costumava ocorrer. Às vezes nos esquecíamos de explicar a um visitante a dinâmica da reunião e éramos surpreendidos no meio da reunião por um visitante dando uma opinião do tipo “Eu não acho que seja assim, porque blá, blá, blá…” Aí era preciso manter a calma e pedir educadamente ao visitante que assim que terminássemos aquela reunião teríamos o prazer de responder a todas as perguntas e a considerar todos os seus comentários e opiniões.

O número de reuniões semanais varia muito de assembleia para assembleia. Aqui em Limeira temos às quartas feiras à noite uma reunião que começa com uma leitura de um capítulo do Antigo Testamento que é depois comentado pelos irmãos que ministram. Poderíamos classificá-la como uma reunião de ministério da Palavra. Em seguida fazemos uma reunião de oração, que começa com os irmãos trazendo motivos de oração (algum irmão doente, alguma necessidade de alguém, alguma viagem na obra, etc.). Não se trata de trazermos orações muito pessoais, mas aqueles motivos que envolvam a assembleia e a obra do Senhor. Eu não preciso, por exemplo, pedir orações para meu filho ir bem na prova da escola, ou para decidir que carro comprar, porque este tipo de oração fica melhor eu fazer em casa com minha família, pois não afetam a assembleia.

Aos sábados à noite temos uma reunião de ministério da Palavra, que pode ser aberta a qualquer irmão que tenha um tema específico para ministrar, ou pode ser um estudo como o que fazemos na quarta feira, neste caso do Novo Testamento. Mesmo o “modelo” de reunião aberta de ministério pode variar de um lugar para outro. Em Limeira, quando é o caso, um irmão que traz um tema poderá ministrar sobre o tema boa parte do tempo da reunião, mas é conveniente sempre que ele deixe espaço para que "falem dois ou três” como vemos em 1 Coríntios, e não monopolize o tempo (Aqui uma reunião costuma durar de uma hora a uma hora e meia, embora em outros lugares esse tempo também varie bastante. Ouvi que em alguns países, como Bolívia, as reuniões são muito mais longas).

Geralmente aqui quando um irmão termina de falar sobre o tema que trouxe, outro poderá dar continuidade falando do mesmo tema ou capítulo, mas já estive em uma assembleia nos EUA onde vi três irmãos falarem uns quinze minutos cada um de temas e passagens completamente diferentes, cada um dando o começo, meio e fim de sua mensagem. Já estive em assembleias onde as reuniões de ministério parecem mais um pingue-pongue, com um irmão fazendo um comentário rápido de uma passagem, outro continuando logo a seguir, outro concatenando o seu comentário, etc. E também já vi lugares onde há um longo período de silêncio entre um e outro. Isso deve variar também em outros lugares, como na Índia, Japão, Nigéria, Malavi, etc. Basta pensar na diversidade de costumes e de povos que temos no mundo para entendermos que poderão existir diferenças também em alguns detalhes das reuniões.

Geralmente começamos com irmãos sugerindo um ou mais hinos, algum irmão abrindo a reunião dando graças e pedindo a direção do Senhor e, no final também terminando com hinos e oração. Como devemos nos colocar sob a direção do Espírito, não podemos estabelecer regras, embora tudo deva ser feito com decência e ordem, como ensina 1 Coríntios 14:40.

Aos domingos na parte da manhã temos uma escola dominical para crianças (em uma sala) e jovens e adultos (em outra). Não se trata de uma reunião da assembleia e nem tem tal caráter. Elas apenas utilizam o mesmo espaço onde em outros horários são realizadas as reuniões da igreja ou assembleia. São cantados hinos infantis, as crianças repetem o versículo que decoraram durante a semana e enquanto um irmão traz algum assunto para os jovens e adultos, um irmão ou irmã cuida das crianças pequenas em outra sala ensinando a elas o evangelho e dando alguma atividade lúdica. São iniciativas dos irmãos e irmãs que fazem tal trabalho, portanto é bem no estilo de um que ensina e os outros aprendem, podendo ocorrer perguntas, comentários, etc.

Em seguida, ainda no domingo ou "primeiro dia da semana” ou "dia do Senhor”, como encontramos na Palavra, temos uma reunião em caráter de assembleia, que é a Ceia do Senhor. Essa não é uma reunião para orarmos por necessidades, ou para o ministério da Palavra. É uma reunião de louvor e adoração, portanto as orações ao longo da reunião tem esse caráter de gratidão e louvor. Também cantamos muitos hinos, geralmente aqueles que falam da morte do Senhor. É importante também ter sabedoria na escolha de hinos, pois há hinos que se adequam mais ao louvor e adoração, enquanto outros falam de nossas dificuldades no mundo e são mais apropriados à reunião de oração, e há também hinos evangelísticos. Não caberia ver uma assembleia, numa reunião onde supostamente estão reunidos para adorar o Senhor, cantando “Pecador vem a Cristo Jesus…”

Na ceia do Senhor, depois de um tempo de louvor um irmão vai até a mesa onde estão os símbolos (o pão e o vinho), dá graças pelo pão, o parte e passa para os irmãos. Aqui em Limeira a travessa ou cesta com o pão passa de mão em mão com cada um pegando um pedaço e comendo. O mesmo é feito com o cálice. Embora possam ter visitantes numa reunião da ceia do Senhor é importante lembrar que só participam do pão e do vinho aqueles que foram regularmente recebidos à mesa do Senhor. Os demais (e também as crianças) podem assistir, porém não participam do pão e do vinho. Em seguida é passada uma sacola também apenas aos que estão em comunhão para que coloquem nela suas ofertas que serão posteriormente utilizadas em despesas (salão, energia elétrica, etc.), necessidades de irmãos enfermos ou desempregados, viagens de irmãos na obra do Senhor, etc.

Nos domingos à noite alguns irmãos (5 ou 6 aqui) costumam promover uma pregação do evangelho. É a oportunidade para convidarmos amigos e parentes para escutarem as boas novas. Como expliquei, não é uma reunião no caráter de reunião de assembleia, portanto neste caso é um irmão que vai à frente pregar para uma audiência e isso inclui exortar as pessoas para que aceitem a Jesus como Salvador.

Como expliquei, esse formato e periodicidade de reuniões que temos em Limeira foi uma decisão tomada pela assembleia local para as necessidades locais e conveniência dos irmãos. Porém em diferentes lugares há diferentes necessidades. Embora a ceia do Senhor seja biblicamente celebrada sempre no dia do Senhor (domingo), não existe a mesma indicação para as outras reuniões. Em alguns lugares, como numa cidade grande com dificuldade de locomoção, os irmãos podem decidir fazer tudo no domingo, em outros podem ter reuniões ao longo da semana. Uma curiosidade: quando os irmãos em Limeira começaram a se reunir há quase 40 anos havia reuniões todos os dias. Obviamente na época a maioria era bem jovem, poucos tinham um trabalho regular e quase nenhum era casado ou com filhos.

O melhor de tudo é deixar que o Espírito Santo nos guie também nessas coisas, e a assembleia da cidade “A” não poderá dizer como a assembleia na cidade “B” deve proceder. Tampouco existe uma sede ou colegiado para ditar as ordens a todas as assembleias e nem mesmo alguma publicação que seja usada como uma “homilia” em todas as assembleias, para que todos leiam a mesma passagem no mesmo dia, por exemplo.

Considerando que vocês estão se reunindo em um caráter informal (como é a leitura bíblica de uma família) aí você é o dono da casa e você é o dirigente das coisas que acontecem em sua casa. Se fosse uma reunião de assembleia e o local da reunião fosse a sua casa, durante a reunião desapareceria o “dono da casa” já que sua casa estaria sendo usada apenas como local físico “emprestado” para a assembleia. Mas no caso que você mencionou, você é o dono da casa e você é quem deve decidir como serão essas reuniões. Se comparecem incrédulos, como citou, talvez seja melhor aproveitar a oportunidade e pregar o evangelho. Se estiverem somente os irmãos e irmãs, é uma boa oportunidade para lerem a palavra juntos, tirarem dúvidas em algum escrito de irmãos, orarem, etc. O mais prudente é não tentar “imitar” uma reunião de assembleia para não causar confusão, e também para que fique muito clara a diferença quando passarem a se reunir como assembleia congregada ao nome do Senhor.

O batismo é uma responsabilidade individual de quem batiza (não da assembleia). A ordem “batizai” é dada individualmente. Se você encontrar um eunuco na estrada de Jerusalém a Gaza, e este quiser ser batizado, você poderá fazê-lo sem consultar ninguém. Filipe não precisou voltar a Jerusalém, apresentar a questão aos irmãos, pedir que enviassem um “pastor” para efetuar o batismo, etc. Porém, se alguém expressa o desejo de ser recebido à mesa do Senhor para participar da ceia do Senhor, esta é uma decisão que envolve a assembleia que irá ligar a pessoa à comunhão.

Em 1 Coríntios vemos a ordem dada à assembleia para “desligar” uma pessoa em pecado. Em 2 Coríntios 2:5 mostra que isso é algo que afeta toda a assembleia e não é (como no caso do batismo) uma questão individual. Uma pessoa, ao ser batizada, não necessariamente estará em comunhão à mesa do Senhor. Seu batismo simplesmente a colocou em uma nova posição sob novas responsabilidades para com Cristo, de quem agora leva o nome, mas ela poderá ainda estar em uma condição de vida que não permitiria que estivesse em comunhão à mesa do Senhor. Existe muita confusão entre as denominações, que consideram o batismo como a porta de entrada à comunhão. Nem sabemos se Filipe voltou a se encontrar com o eunuco que foi batizado e voltou para a África.


Você diz que a salvação está garantida sem perseverar?

Quando você pensar no ladrão na cruz verá que ele foi salvo exclusivamente pela fé em Cristo, já que suas mãos e pés estavam presos e incapazes de fazer qualquer coisa para Deus. Se Deus exigisse qualquer outra coisa do homem além de crer, aquele ladrão estaria perdido.

Crer que precisamos fazer alguma coisa para sermos salvos é duvidar da eficácia da obra que Cristo consumou lá na cruz. É distorcer o significado da palavra “graça”, incluindo nela algum tipo de barganha com Deus. Apesar de todas as tentativas dos homens em fazer isso, “graça” continuará significando algo que recebemos sem merecer ou pagar por isso. Veja a passagem:

(Ef 2:8-10) "Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas”.

Para mim isso explica todas as outras passagens que falam de obediência, obras, etc. Você é salvo por pura graça e, depois de salvo, Deus preparou algumas tarefas para você executar, não para receber a salvação, mas porque você foi salvo. Pense num filho: ele não se torna filho quando obedece seu pai, mas ele tem a obrigação de obedecer por ser filho. E se não obedecer? Seu pai irá discipliná-lo, tirar dele algumas regalias, suspender a mesada ou deixar de falar com ele até deixar de ser rebelde. Mas ele nunca perde sua condição de filho.

(Jo 1:12-13) "Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus”.

Este raciocínio cabe muito bem para explicar o versículo que você apontou como supostamente contrário a uma salvação por graça, como se estivesse dizendo que a salvação é pela obediência:

(Hb 5:8-9) "Ainda que era Filho, aprendeu a obediência, por aquilo que padeceu. E, sendo ele consumado, veio a ser a causa da eterna salvação para todos os que lhe obedecem;”.

Percebe que o contexto está falando da relação de Jesus com o Pai e de como ele obedeceu ao Pai, não para se tornar Filho, mas porque sempre foi Filho? Então nada mais cabível aqui do que fazer um paralelo com a filiação que Deus dá aos que creem em Cristo. Você identifica um filho por sua obediência ao pai. Se você tiver filhos, eles não têm qualquer obrigação de me obedecerem, porque não são meus filhos, mas meus filhos são reconhecidos como tais pelo fato de me obedecerem.

Uma vez salvos por graça e pela fé somente, devemos obedecer porque este é o comportamento que se exige de alguém que se tornou filho de Deus. A outra passagem que citou é a de Tiago 2:26, que diz que a fé sem obras é morta.

Você começou bem a interpretar o versículo, mas foi por um caminho que não tem nada a ver com o assunto. Você disse sobre Tiago:

"…é claro que não podem ser obras de mérito, porque evidentemente ninguém pode merecer a salvação, mas são obras frutos da obediência, pois se cremos que Jesus é o Senhor, mas não obedecemos à sua palavra, cremos em vão”.

Você cita 1 Coríntios 15:2, mas se prestar atenção verá que a passagem só confirma que obras não são incluídas na salvação. “Crer em vão” ali é não crer no evangelho tal qual Paulo havia lhes pregado, e que evangelho foi esse? Veja você mesmo, porém todo o contexto:

(1 Co 15:1-4) "Também vos notifico, irmãos, o evangelho que já vos tenho anunciado; o qual também recebestes, e no qual também permaneceis. Pelo qual também sois salvos se o retiverdes tal como vo-lo tenho anunciado; se não é que crestes em vão. Porque primeiramente vos entreguei o que também recebi: que Cristo morreu por nossos pecados, segundo as Escrituras, E que foi sepultado, e que ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras”.

Veja que este é o puro evangelho, tudo o que alguém precisa saber para ser salvo: Cristo morreu por nossos pecados, foi sepultado e ressuscitou ao terceiro dia. Você continua alegando que se pregarmos a salvação pela fé em Cristo e sua obra muitos deixarão de obedecer. Veja o que escreveu:

"Muitos hoje, por causa da doutrina da salvação garantida, alegam crer em Jesus, mas não procuram obedecer a sua Palavra, não se arrependem de seus pecados e não buscam ficar nos limites da Palavra que Jesus nos revelou e que é a que vai nos julgar no último dia”.

Começando pelo final do que disse, a Bíblia é clara em dizer que o crente não será julgado no último dia. Se ler Apocalipse 20:11-15 verá que ninguém sai salvo dali. É um julgamento para os incrédulos, para dar a sentença aos perdidos, não para colocar na balança as obras e ver quem está salvo.

(Jo 5:24) "Em verdade, em verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não entra em juízo, mas já passou da morte para a vida”.

Em seguida você cita outro versículo tentando provar que é preciso você fazer algo mais além do que Cristo fez por você:

(1 Co 6:9) "Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus”.

Certamente no céu não entrará pecado ou pecadores em seus pecados, mas apenas pecadores lavados no sangue do Cordeiro. Se tivesse lido a passagem inteira veria que Paulo conclui dizendo que tudo isso fazia parte da vida deles quando ainda não tinham sido salvos por Cristo. A palavra “mas” faz toda a diferença:

(1 Co 6:11) "E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus”.

O capítulo 10 de 1 Coríntios que você cita para justificar sua ideia de que um crente poderia perder a salvação está fora do contexto. Ali Paulo está explicando o quanto é sério desviar-se dos caminhos do Senhor na vida prática, pois os que fizeram isso no passado sofreram danos (ele fala dos israelitas no deserto que foram infiéis). E conclui que isso aconteceu como exemplo para nós não tratarmos com leviandade as coisas de Deus. Mas em nenhum momento ele escreve que os salvos que agirem assim perderão sua salvação.

Mais um versículo que você coloca:

(Hb 3:14) "Porque nos tornamos participantes de Cristo, se retivermos firmemente o princípio da nossa confiança até ao fim”.

Obviamente você sugere que quem não retiver firmemente o princípio de sua confiança até o fim perderá a salvação, mas o fato é que quem age assim nunca foi salvo. Tente fazer isso (reter firmemente o princípio de sua confiança até o fim) e você estará confiando na própria carne. Os que foram verdadeiramente salvos certamente reterão sua confiança até o fim, mas não por seus próprios esforços, mas porque Deus faz isso neles. Veja você:

(1 Co 1:7-9) "De maneira que nenhum dom vos falta, esperando a manifestação de nosso Senhor Jesus Cristo, O qual vos confirmará também até ao fim, para serdes irrepreensíveis no dia de nosso Senhor Jesus Cristo. Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados para a comunhão de seu Filho Jesus Cristo nosso Senhor”.

Trocando em miúdos, Jesus Cristo confirmará você até o fim, para que seja irrepreensível diante de Deus. "Fiel é Deus”, não você ou eu, em guardar o que pertence a ele. O tipo de “salvação” ou de relacionamento com Deus que você está insinuando é como se um pai virasse para o filho e dissesse: “Ok, se quiser ser meu filho, vai ter que se virar e andar direito até o fim”. Isto seria um absurdo! Ou ele é filho ou não é, e se for filho o pai é quem fará tudo o que puder para que ele se comporte como tal. Lembre-se de que o Pai do qual estamos falando pode sim fazer tudo.

Você termina sua mensagem mostrando o quanto confia na carne e desconfia de Deus:

"Precisamos perseverar, não adianta somente crer no coração e continuar da mesma forma de quando não conhecia a Cristo, a pessoa precisa se arrepender, se converter de seu mau caminho e permanecer firme até o fim, confiando e anunciando as virtudes daquele quem vos chamou das trevas para sua maravilhosa luz”.

“Não adianta somente crer no coração”?! Então Paulo mentiu?

(Rm 10:8-11) "Mas que diz? A palavra está junto de ti, na tua boca e no teu coração; esta é a palavra da fé, que pregamos, a saber: Se com a tua boca confessares ao Senhor Jesus, e em teu coração creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Visto que com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Porque a Escritura diz: Todo aquele que nele crer não será confundido”.

Você nem imagina o quanto essa sua forma de pensar desonra a Deus. Imagine você perseverando até o fim e encontrando-se com o Senhor no final, olhando para suas mãos e seu lado marcados, e dizendo: “Senhor, eu cheguei até aqui porque perseverei até o fim!” Pode imaginar o Senhor dizer a você algo do tipo, “Ufa! Ainda bem que você se esforçou, porque eu não teria como salvá-lo se você não se esforçasse”?

Entenda de uma vez por todas que a salvação não está numa aceitação intelectual ou adesão a uma igreja evangélica. Sua salvação começa muito antes, na eternidade, antes da fundação do mundo, quando você foi escolhido por Deus para ser salvo.

A visão de uma salvação baseada em comportamento, seja para entrar nessa condição quanto para permanecer nela, é uma visão míope e em nada difere de TODAS as religiões, incluindo aí o espiritismo, islamismo, mormonismo, etc. Todas dizem a mesma coisa, só variando a doutrina em que você deve crer junto com as atitudes que deve adotar. Sugiro que procure conhecer em maior profundidade quem é este Senhor que morreu na cruz e levou sobre seu corpo TODOS os pecados daqueles que creem nele.

(Ef 1:3-7) "Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, Para louvor e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado, Em quem temos a redenção pelo seu sangue, a remissão das ofensas, segundo as riquezas da sua graça,”.


De que espírito está falando em 1 Coríntios 14:32?

1 Coríntios 14:32

Muitos cristãos, principalmente aqueles ligados aos movimentos pentecostais, atropelam 1 Coríntios 14:32 e causam muito dano a si mesmos e aos irmãos. Todo este trecho de 1 Coríntios 14 está falando claramente das instruções dadas à assembleia quando reunida para o ministério da Palavra.

(1 Co 14:29-33) "E falem dois ou três profetas, e os outros julguem. Mas, se a outro, que estiver assentado, for revelada alguma coisa, cale-se o primeiro. Porque todos podereis profetizar, uns depois dos outros; para que todos aprendam, e todos sejam consolados. E os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas. Porque Deus não é Deus de confusão, senão de paz”

A primeira coisa que você percebe é que não existe um só homem ministrando, mas o Espírito Santo pode usar aqueles que ele desejar, mas obviamente isso não significa confusão ou liberar geral para qualquer um falar o que lhe vier à cabeça. Por isso “falem dois ou três profetas, e os outros julguem”.

O que é isso? Aquele que fala tem que estar ciente de que deve falar segundo a Palavra de Deus, porque seus irmãos estarão julgando o que ele fala. Se ele disser alguma coisa sem fundamento bíblico, os irmãos podem muito bem interrompê-lo ou corrigi-lo. Evidentemente isso com espírito de amor e também levando em conta a gravidade do que foi dito. Pequenos deslizes não recebem o mesmo tratamento de grandes heresias.

Naquela época eles ainda não tinham as escrituras do Novo Testamento, portanto ainda dependiam de revelações novas que podiam ser trazidas pelo Espírito a qualquer momento, segundo a necessidade dos santos. Estes casos tinham prioridade.

Porém hoje eu desconfiaria de alguém que quiser interromper uma reunião dizendo que acaba de receber uma revelação do Espírito Santo por termos já todo o pensamento de Deus revelado a nós em sua Palavra. Além disso, quando alguém diz estar trazendo uma revelação vinda diretamente de Deus, está também querendo bloquear o julgamento do que vai dizer, pois quem ousaria julgar o que o próprio Deus está revelando? Este tipo de artifício é muito usado hoje por pretensos profetas para serem ouvidos sem contestação.

“Profetizar” aqui tem o sentido de “proferir”, ou seja, falar da parte de Deus, que é o que fazemos quando trazemos algo presente em sua Palavra. Daí ser importante que aqueles que ministram estudem, conheçam e se apeguem à Palavra, para evitar desvios.

Veja também que existe uma ordem, "uns depois dos outros”. Não é uma gritaria generalizada, e os que profetizam devem ser ouvidos com atenção. Uma vez um irmão me contou de uma pregação que viu numa denominação pentecostal onde o pastor falava dos terríveis acontecimentos ocorridos em Hiroshima e Nagasaki para ilustrar seu sermão. A coisa foi mais ou menos assim:

Pastor: "A bomba atômica explodiu sobre a cidade…”

Público gritando: "Aleluia! Glória a Deus!”.

Pastor: "…e 200 mil pessoas morreram imediatamente!”.

Público gritando: "Louvado seja! Oh Glória! Aleluia! Obrigado Senhor!”.

Chegamos agora ao versículo que foi o motivo de sua pergunta: Que espíritos são esses de "os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas”? Não é o Espírito Santo e nem são espíritos de pessoas que morreram, mas o próprio espírito daquele que fala. Você sabe que somos formados por corpo, alma e espírito. O espírito é o que nos diferencia dos outros seres vivos, que têm corpo e alma. É por meio de nosso espírito que temos comunhão com Deus. Veja aqui que é com nosso espírito que o Espírito Santo se comunica:

(Rm 8:16) "O mesmo Espírito testifica com o nosso espírito que somos filhos de Deus”.

O que o apóstolo está dizendo em 1 Coríntios 14 é que o espírito do profeta que traz uma mensagem da Palavra de Deus está sujeito ao próprio profeta, ou seja, ele tem total domínio sobre seu ato de falar. Ninguém poderá alegar que estava fora de si enquanto ministrava, porque não é este o modo como Deus manda que ministremos.

Alguém que entre em um transe e fique fora de controle enquanto fala não está fazendo aquilo que Deus ordena aqui. O mesmo vale para aqueles movimentos de cair no Espírito (cai-cai), rolar no chão, rodopiar, sacudir-se, gritar com voz gutural, imitar animais, caminhar de joelhos como se fosse um cão ou um leão, rir e dar gargalhadas incontroláveis… Essas coisas podem caber numa religião pagã, mas nada tem a ver com o Espírito Santo de Deus. Lembre-se de que "os espíritos dos profetas estão sujeitos aos profetas”. Quando congregado, um cristão não pode alegar que fez algo “fora de si”, “em transe” ou “tomado” por alguma força exterior ou interior. Nosso culto a Deus é racional, nosso espírito está sujeito a nós mesmos e temos total controle do que estamos fazendo ou falando.

O profetizar, em seu sentido bíblico, não tem nada a ver com o que se vê por aí nos centros espíritas, com pessoas sendo incorporadas por espíritos sobre os quais as próprias pessoas não têm controle, como se estivessem possuídas. O ministério cristão é feito de forma consciente. No mesmo capítulo Paulo diz:

(1 Co 14:15) "Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento".

Não existe lugar nas reuniões dos santos para manifestações histéricas e descontroladas. Até mesmo quando o apóstolo dava instruções sobre o falar em línguas (que ele até desestimulava por não ser tão proveitoso quanto a profecia ou ministério da Palavra), ele deixava claro que devia existir uma ordem:

(1 Co 14:27-28, 33-34) "E, se alguém falar em língua desconhecida, faça-se isso por dois, ou quando muito três, e por sua vez, e haja intérprete. Mas, se não houver intérprete, esteja calado na igreja, e fale consigo mesmo, e com Deus… como em todas as igrejas dos santos, as vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar”.

Veja a ordem: dois ou quando muito três, um de cada vez, necessariamente com a presença de intérprete e as mulheres deveriam ficar caladas. Infelizmente o que se vê principalmente nos grupos pentecostais é, não dois ou três, mas vinte ou trinta gritando uma língua desconhecida e sem intérprete.

E como ter intérprete se todos falam juntos ao invés de “um de cada vez” como manda a Palavra? Além disso, é notório que quem mais fala são aquelas que deveriam permanecer caladas (não sou eu quem diz isto, é a Palavra de Deus). E não raro as pessoas encontram-se em um estado tal de histeria que não têm controle sobre si mesmas ou sobre o próprio espírito. Certamente isso não vem de Deus.


Como saber se vem do Espírito Santo?

No mundo confuso das religiões cristãs hoje é natural que você esteja com essa dúvida: Como saber se uma manifestação é do Espírito Santo, quando estamos congregados? Creio que a resposta esteja aqui: (1 Co 12:7) "Mas a manifestação do Espírito é dada a cada um, para o que for útil".Quando nos deparamos com alguma manifestação aparentemente espiritual a primeira pergunta a ser feita é: Que utilidade tem isso? Será que está sendo útil para a edificação, exortação ou consolação dos irmãos?

Uma pessoa que começa a urrar, pular, rolar ou engatinhar pelo chão, ou girar como um pião, não tem utilidade alguma, apesar de parecer uma manifestação espiritual. Alguém gritando palavras irreconhecíveis pode assustar muita gente, mas não passa de uma grande inutilidade. Tudo isso pode muito bem ser descrito com as palavras ditas pelo apóstolo Paulo: (1 Co 9:26) "Pois eu assim corro, não como a coisa incerta; assim combato, não como batendo no ar (ou dando socos no ar)”.

Além disso, depois de dizer que "a manifestação do Espírito é dada a cada um para o que for útil", o apóstolo continua descrevendo algumas dessas manifestações e suas utilidades. É importante entender que neste capítulo em muitas partes onde aparece a palavra “dom” ou “dons” a tradução mais correta seria “manifestação” ou “manifestações”, que é como aparece no original. Propriamente falando, os “dons” são aqueles descritos em Efésios 4, e são permanentes nas pessoas que os recebem do próprio Senhor. Já as manifestações do Espírito parecem ser transitórias e visam atender a uma necessidade específica em um determinado momento.

Palavra da sabedoria (1 Co 12:8a) — A capacidade de falar com uma sabedoria que está acima da própria capacidade daquele que fala. Foi o caso de Filipe, que causou um efeito tremendo sobre os que o ouviam em Atos 6:10.

(Atos 6:10) "E não podiam resistir à sabedoria, e ao Espírito com que falava”.

(1 Co 12:8b) "e a outro, pelo mesmo Espírito, a palavra da ciência;”.

Palavra da ciência ou conhecimento (1 Co 12:8b) — Trazer à tona coisas desconhecidas ou conhecidas por poucos. Talvez aqui esteja também a capacidade espiritual de revelar o sentido das coisas que foram reveladas, mas não compreendidas, como em associar o Antigo com o Novo Testamento ao mostrar a sombra e a realidade.

(Mt 13:51-52) "E disse-lhes Jesus: Entendestes todas estas coisas? Disseram-lhe eles: Sim, Senhor. E ele disse-lhes: Por isso, todo o escriba instruído acerca do reino dos céus é semelhante a um pai de família, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas”.

Fé (1 Co 12:9a) — Paulo associa a fé em 1 Coríntios 13:2 à capacidade de remover montanhas, ou seja, uma pessoa que recebe a fé (não é fé no sentido da salvação aqui, mas da realização de uma tarefa específica e maravilhosa) tem essa capacidade. Quando lemos biografias de cristãos que oravam e as coisas aconteciam de maneira inacreditável, provavelmente eram pessoas com esse dom. É importante entender isso, porque às vezes ficamos frustrados porque nada obtemos pela fé e esses pareciam ter um poder maior do que o nosso. É aí que entra as manifestações que o Espírito distribui a cada um segundo ele quer e para um objetivo, o qual é determinado por Deus e não por nós. Não se trata de ter fé para comprar carro de luxo.

Dons (manifestações) de curar (1 Co 12:9b) — O interessante aqui é que está no plural, o que parece indicar que fossem manifestações para tarefas específicas. Temos exemplos do apóstolo Paulo. Em uma ocasião ele aparece curando enfermos e em outra precisa deixar um irmão doente para trás ou sugerir a Timóteo que tome água com vinho para sua enfermidade no estômago. Isso parece indicar que as manifestações de curar são dadas com objetivos bem definidos. Não se trata de uma capacidade que dá à pessoa o poder de curar quem bem entender, como se fosse um curandeiro. Não podemos comparar esses dons ou manifestações de curar com o que o Senhor Jesus fez aqui. Ele não tinha dons ou manifestações, como estes distribuídos pelo Espírito Santo; ele era o próprio Deus exercendo seu poder e em Efésios vemos que é ele quem dá dons aos homens.

Operação de maravilhas (1 Co 12:10a) — Coisas inexplicáveis, como levantar mortos, escapar sem ser visto, ser picado por serpente e não morrer, etc. Temos vários exemplos em Atos.

Profecia (1 Co 12:10b) — Aqui eu creio tratar-se de revelação mesmo, da verdade comunicada diretamente por Deus, e não apenas de proferir algo da parte de Deus com base na Palavra escrita, que é como usualmente fazemos hoje. Podia ser algo sobre o futuro (como João, ao escrever o Apocalipse) ou simplesmente o pensamento que Deus queria comunicar. Os profetas formaram o fundamento da igreja (Ef 2:20) e agora somos edificados sobre esse fundamento que eles deixaram. Uma vez que temos a Palavra de Deus completa, não há necessidade de se esperar por uma nova revelação. Correr atrás de supostas novas revelações é demonstrar insatisfação com o que já recebemos de Deus.

Discernir os espíritos (1 Co 12:10c) — precisamos de irmãos que apontem quando alguém fala pelo Espírito ou está sendo influenciado por Satanás. Paulo usou esse dom quando desmascarou a jovem que o seguia dizendo coisas que para um ouvinte comum pareciam estar promovendo o trabalho do evangelho, conforme vemos em Atos 16:17. Mas repare que a jovem ficou muitos dias seguindo Paulo e ele não fez nada, o que pode demonstrar que ainda não lhe tinha sido dada esta manifestação do Espírito para ele agir. Hoje muita gente carece desse discernimento para evitar engolir qualquer bobagem que traga o selo evangélico ou cristão. O fato de algo aparentar ser espiritual não significa que venha de Deus. Lembre-se de que Satanás é um anjo.

(1 Co 12:10d) "e a outro a variedade de línguas; e a outro a interpretação das línguas".

Variedade de línguas e interpretação (1 Co 12:10d) — Parecem ser manifestações que caminham juntas, pois a Palavra em 1 Coríntios 14 proíbe o falar em línguas se não existir quem interprete. Falar em línguas não é ficar balbuciando alguns "uriama lamás” e sim falar um idioma estrangeiro sem nunca ter tido uma aula disso. O mesmo acontece com a interpretação. Esse dom ou manifestação teve o seu papel no início da Igreja, que era o de convencer os judeus que aquela era uma obra de Deus. Não vejo utilidade algo assim hoje e nunca vi numa reunião de cristãos alguém que falasse de forma sobrenatural outros idiomas cumprindo as ordens dadas em 1 Coríntios 14: Falar dois ou três no máximo, um depois do outro, ter quem interprete e as mulheres permanecerem caladas. Fora isso, ainda cabe a pergunta: está sendo útil para convencer judeus?

(1 Co 14:21) "Está escrito na lei: Por gente de outras línguas, e por outros lábios, falarei a este povo [judeus]; e ainda assim me não ouvirão, diz o Senhor”.

Devemos elogiar as pessoas?

O bom senso diz que o elogio é extremamente importante na construção da autoestima e até para ajudar alguém a sair de uma depressão. Elogiamos nossos filhos quando estudam e passam no exame, pois é uma espécie de prêmio: eles se esforçaram e recebem o justo louvor por isso. O problema é quando o elogio ocorre nas coisas de Deus. Aí estamos andando em areia movediça achando que é terreno firme.

Primeiro vamos ver o lado do que é elogiado. Uma das características dos fariseus que a Palavra aponta era que gostavam de ser elogiados pelos homens. Não gosto da Tradução na Linguagem de Hoje, mas vou usá-la aqui porque usa a palavra elogio ao invés de glória, e assim fica mais claro diante de sua dúvida: (Jo 12:43) "Eles gostavam mais de ser elogiados pelas pessoas do que de ser elogiados por Deus”.

Depois de ler este versículo, da próxima vez que você for elogiado por algo que fez na obra de Deus, vai perceber o que é sentir-se como um fariseu. Você vai gostar, porque gostar de elogios é um sentimento natural ao ser humano. Mas devemos nos lembrar de que foi essa mesma natureza nossa que ficou lá atrás, pregada na cruz.

(Gl 2:20) "Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé do Filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim”.

(Gl 6:14) "Mas longe esteja de mim gloriar-me, a não ser na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo”.

O sentimento adequado ao cristão é o que foi expressado pelo apóstolo Paulo em (1Ts 2:6) "Nunca procuramos elogios de ninguém, nem de vocês nem de outros”, e também pelo Senhor Jesus em (Jo 5:41) "Eu não procuro ser elogiado pelas pessoas”. Tal sentimento, obviamente, não é um sentimento da carne, mas da natureza que provém de Deus, do homem em quem Deus se apraz. É bom nos lembrarmos disso na hora de elogiarmos um irmão em Cristo; pode causar mais mal do que bem ao coração dele.

Mas você também encontra situações de elogio na Bíblia, como é o caso de 1 Coríntios 11:2 "Eu os elogio porque vocês sempre lembram de mim e seguem as instruções que eu passei para vocês”, e também de 2 Coríntios 7:14 "Eu havia falado muito bem de vocês a ele, e vocês não me desapontaram. Temos sempre dito a verdade a vocês. Assim também é verdadeiro o elogio que fizemos a Tito a respeito de vocês”.

É o caso também de 2 Coríntios 9:3 "Agora estou enviando estes irmãos para que não fique sem valor o elogio que fiz a respeito de vocês sobre esse assunto. Mas, como eu disse, vocês estarão prontos para ajudar”, mas estas passagens parecem indicar que Paulo apenas revelou às pessoas que as havia elogiado para outras pessoas, ou seja, aqui ele estaria mais informando que em determinado momento fez um elogio a terceiros do que propriamente elogiando.

Eu acho que o mais prudente é andar sobre ovos quando o assunto for elogiar alguém nas coisas de Deus, pois posso estar criando nessa pessoa o sentimento de ela se achar alguém, e bem sabemos que não é assim. Se um irmão ou irmã faz algo no Senhor, é no Senhor que faz… "Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas”(Ef 2:10).

Em Mateus 11:2 joão Batista, que estava preso, envia seus discípulos a Jesus para perguntarem se ele era mesmo o Messias ou se deviam aguardar por outra pessoa. O Senhor responde, porém espera eles irem embora antes de começar a falar bem de João Batista. (Mt 11:7) "Ao partirem eles, começou Jesus a dizer às multidões a respeito de João”.

Antes de me apartar das denominações para congregar somente ao nome do Senhor, cheguei a congregar por alguns meses com os batistas, e uma das coisas que contribuíram para que eu saísse dos sistemas criados pelos homens foi um culto de transferência de pastor que assisti em Brasília. Foi uma ‘rasgação’ de seda tamanha, que criou em mim um sentimento de nojo.

O pastor que deixava o cargo e o que assumia pareciam estar competindo para ver quem elogiava mais o outro em seus discursos. Eu, novo convertido e sedento de ouvir falar de Jesus, senti-me numa churrascaria rodízio: era só carne que passava de um lado para o outro. Saí dali com fome e sede de Jesus, pois naquela noite deu para perceber que ali havia duas pessoas que se consideravam mais importantes que Jesus, e a festa era deles.

No meio religioso a bajulação é uma instituição que está tão arraigada nos costumes que a maioria dos cristãos nem percebe mal nisso. Parece até uma obrigação exaltar um irmão por sua fidelidade, seu empenho nas coisas de Deus, sua pregação, etc. Uma vez ouvi falar de um irmão que tinha acabado de pregar o evangelho e foi abordado por uma irmã que teceu comentários maravilhosos sobre sua pregação, sua maneira de falar, seu talento, etc. Quando ela terminou, o irmão simplesmente lhe disse: “Irmã, Satanás já tinha me dito tudo isso ali atrás, enquanto eu pregava”.

Creio que você poderá aprender algo sobre este assunto lendo a carta de um elogiado, no caso a carta que John Nelson Darby enviou ao seu editor depois que viu o que este publicou a respeito dele.


Basta crer em Jesus para ser salvo?

Em um mundo com tantas religiões e diferentes vozes falando o que pensam a respeito da salvação, você descobrirá que a maioria daqueles que se dizem cristãos acreditam mais em seus próprios esforços do que em Jesus e em sua obra na cruz.

Sua dificuldade está em saber como devemos andar depois de crer em Jesus como Senhor e Salvador. A resposta é clara na Palavra de Deus. Deus salva você com um propósito, e este é bem explicado aqui: servir e esperar.

1Ts 1:9-10 Porque eles mesmos anunciam de nós qual a entrada que tivemos para convosco, e como dos ídolos vos convertestes a Deus, para servir o Deus vivo e verdadeiro, E esperar dos céus a seu Filho, a quem ressuscitou dentre os mortos, a saber, Jesus, que nos livra da ira futura.

Existe um claro contraste entre a vida que alguém levava antes e depois de ser salvo. Apenas Deus conhece os corações. Quanto a nós, só podemos “adivinhar” se alguém é salvo ou não pelo seu andar, que é ou não condizente com o que sua boca professa.

(1 Co 6:9-11) "Não sabeis que os injustos não herdarão o reino de Deus? Não vos enganeis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os efeminados, nem os sodomitas, nem os ladrões, nem os avarentos, nem os bêbedos, nem os maldizentes, nem os roubadores herdarão o reino de Deus. E tais fostes alguns de vós; mas fostes lavados, mas fostes santificados, mas fostes justificados em nome do Senhor Jesus Cristo e no Espírito do nosso Deus”.

Mas veja que não é apenas de pecados escabrosos que o apóstolo está falando na passagem. Ele fala até mesmo das coisas consideradas lícitas, mas que podem servir de tropeço para a vida do cristão.

(1 Co 6:12) "Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm. Todas as coisas me são lícitas; mas eu não me deixarei dominar por nenhuma delas”.

Você escreveu: "Resumindo minha dúvida: é só crer em Jesus Cristo, e estamos salvos?”.

Vou mudar sua pergunta um pouquinho:

"É só crer em Jesus Cristo e no fato de ter deixado a glória para morrer como um criminoso em meu lugar?”.

"É só crer em Jesus Cristo que morreu só e em trevas porque nem Deus podia ter comunhão com ele enquanto sofria sob a carga de meus pecados?”.

"É só crer em Jesus Cristo que teve seu lado rasgado pela lança do soldado, para que saíssem o sangue e a água da minha purificação?”.

"É só crer em Jesus Cristo que pagou por todos e cada um de meus pecados, além de tirar de uma vez para sempre o pecado do mundo resolvendo a mancha que ameaçava a reputação de Deus?”.

"É só crer em Jesus Cristo, a quem a morte não conseguiu reter e que ressuscitou como as primícias da nova criação?”.

"É só crer em Jesus Cristo que disse ‘Está consumado’, revelando assim que nada mais precisava ser feito para resolver a questão do pecado?”.

"É só crer em Jesus Cristo com a fé que vem de Deus e com a percepção de pecado e arrependimento que só podem ser consequência da vida que Deus nos dá através do novo nascimento?”.

Com sua pergunta assim desdobrada, eu posso responder que sim, é “só” crer.

Você escreveu: "Não precisamos mudar nosso andar nesse mundo?”.

Não se trata de precisar ou não mudar seu andar neste mundo: se você tem em si a vida que vem de Deus, você irá QUERER mudar sua vida aqui neste mundo. Mas mesmo assim acabará descobrindo que nem para isso terá PODER de si mesmo e precisará encontrar em Cristo a libertação da lei do pecado e da morte.

(Rm 7:18-25) "Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico. Ora, se eu faço o que não quero, já o não faço eu, mas o pecado que habita em mim. Acho então esta lei em mim, que, mesmo querendo eu fazer o bem, o mal está comigo. Porque, segundo o homem interior, tenho prazer na lei de Deus; mas vejo nos meus membros outra lei guerreando contra a lei do meu entendimento, e me levando cativo à lei do pecado, que está nos meus membros. Miserável homem que eu sou! quem me livrará do corpo desta morte? Graças a Deus, por Jesus Cristo nosso Senhor!".

Você escreveu: "Não precisamos mudar de vida, podemos continuar pecando e errando, seremos salvos de qualquer forma?”.

Se realmente se converteu a Cristo mas continua vivendo no pecado você será salvo, mas "como que pelo fogo”, isto se não for tirado prematuramente deste mundo por não servir como um testemunho de Deus aqui.

(1 João 5:16-18) "Se alguém vir pecar seu irmão, pecado que não é para morte [aqui é morte natural, do corpo], orará, e Deus dará a vida àqueles que não pecarem para morte. Há pecado para morte, e por esse não digo que ore. Toda a iniquidade é pecado, e há pecado que não é para morte. Sabemos que todo aquele que é nascido de Deus não peca; mas o que de Deus é gerado conserva-se a si mesmo, e o maligno não lhe toca”.

(1 Co 3:12-15) "E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha, A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um. Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão. Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo".

Você escreveu: "Se cremos em Jesus Cristo, somos novas criaturas, e passamos a agir diferente, porque somos novas criaturas”?

A diferença entre um salvo e um perdido não está em que o salvo não possa cair em pecado, mas em que ele tem a quem recorrer e pode se levantar. (Pv 24:16) “Porque sete vezes cairá o justo, e se levantará; mas os ímpios tropeçarão no mal”.

A diferença entre uma ovelha e uma porca é que ambas podem cair na lama, mas a primeira sente-se mal e procura sair logo da lama, enquanto a porca gosta e prefere ficar por lá. Veja o que a Palavra fala de homens que obtêm o conhecimento de Jesus Cristo (conhecimento intelectual apenas) e isso os leva até a se afastar dos vícios e pecados, até que um dia é revelado que nunca realmente creram em Jesus:

(2 Pe 2:20-22) "Porquanto se, depois de terem escapado das corrupções do mundo, pelo conhecimento do Senhor e Salvador Jesus Cristo, forem outra vez envolvidos nelas e vencidos, tornou-se-lhes o último estado pior do que o primeiro. Porque melhor lhes fora não conhecerem o caminho da justiça, do que, conhecendo-o, desviarem-se do santo mandamento que lhes fora dado; Deste modo sobreveio-lhes o que por um verdadeiro provérbio se diz: O cão voltou ao seu próprio vômito, e a porca lavada ao espojadouro de lama”.

Você escreveu: "Mas, se eu só crer em Jesus Cristo, porém continuar a fumar pedras de crack, ainda assim serei salvo?”.

Se você for realmente salvo, de sã consciência e ciente do amor que Jesus teve por você, nem irá considerar tal possibilidade, de continuar levando uma vida que desagrade seu Salvador.

(Rm 8:15) "Porque não recebestes o espírito de escravidão, para outra vez estardes em temor, mas recebestes o Espírito de adoção de filhos, pelo qual clamamos: Aba, Pai”.

(Ef 1:5) "E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade,”.

Você ainda não entendeu a diferença entre um filho adotivo e um empregado. Um filho adotivo é aquele que passou a fazer parte da família do pai sem esforço algum de si próprio ou sem merecer isso. Ao ser adotado com direitos plenos, ele passa a ser herdeiro de tudo o que é de seu pai.

Um empregado é aquele que só espera receber algo se trabalhar. Ele precisa fazer para merecer. O filho adotivo nunca enxerga seu pai como seu devedor. Afinal, ele não fez nada para merecer sua adoção e a posição de filho, portanto tudo o que vem é de graça. Já o empregado, deu duro e quer receber o seu. O patrão é seu devedor.

Pessoas que creem na salvação por graça somente, por um favor imerecido, veem a Deus como um Pai amoroso que as tirou da sarjeta do pecado e da morte e as adotou com plenos direitos e regalias de um filho legítimo. Elas vivem gratas por isso, procurando agradá-lo em tudo. Filhos trabalham para o Pai, não para receberem um salário, mas porque são filhos e já desfrutam de tudo o que pertence ao Pai. Não há limites para o que podem fazer para o Pai, mesmo porque não há uma relação de barganha, do tipo toma lá dá cá. Seu sentimento de gratidão

Por outro lado, pessoas que acreditam que são salvas por obras ou por sua fidelidade, ou que só permanecerão salvas se viverem uma vida correta e religiosa, veem a Deus como um Patrão, que só pode exigir delas o que estiver no contrato e mediante o pagamento de uma recompensa. Elas vivem com um olho na recompensa e se desesperam quando veem as coisas darem erradas nesta vida. Aí concluem que, das duas uma: ou não estão se esforçando o suficiente, ou Deus é injusto e não as está recompensando como deveria. Em casos assim, alguns preferem até voltar a trabalhar para o antigo patrão.


Para que serve a imposição de mãos?

Considerando toda a confusão eclesiástica existente hoje, com homens se valendo do ato de impor as mãos como se fosse algum passe de mágica ou transmissão de algum poder, o melhor é analisar o assunto pelo que encontramos nas Escrituras.

Para isso vou traduzir aqui um texto que considero muito bom, publicado em 1893 na "The Christian’s Friend and Instructor”.

No que diz respeito à imposição de mãos, parece ter sido praticada de várias maneiras. Primeiro, o Espírito Santo foi comunicado, em diversas ocasiões, em conexão com imposição de mãos dos apóstolos sobre crentes (veja Atos 8:17; 19:6).

Segundo, pessoas foram designadas desta maneira, ou melhor dizendo, separadas, para algum ofício especial.

Em Atos 6, por exemplo, os sete que foram escolhidos para “servir as mesas” foram colocados diante dos apóstolos que, depois de orarem, impuseram suas mãos sobre eles (v. 6); e Paulo instrui Timóteo a não impor as mãos indiscriminadamente sobre qualquer um; isto é, conforme entendemos, Timóteo não devia escolher ninguém para ser um ancião ou diácono sem antes ter certeza de que a pessoa preenchia todos os requisitos para tal função.

Em seguida vemos que um dom foi concedido a Timóteo através da imposição das mãos do apóstolo (2Tm 1:6). Em todos estes casos pode-se reparar que a imposição de mãos é feita ou pelos apóstolos, ou por Timóteo que era um enviado dos apóstolos, e que, portanto, agia sob a autoridade direta de Paulo.

Em nenhum desses casos, portanto, a imposição de mãos poderia ser praticada hoje, a menos que se acreditasse em uma “sucessão apostólica”, do que não temos nem mesmo uma sombra sequer nas Escrituras que, pelo contrário, desaprovam tal ideia. O debate se dá, portanto, sobre pretensões e presunções eclesiásticas, e não sobre a Palavra de Deus.

Todavia existem dois outros tipos de imposição de mãos que devem ser consideradas. Quando o Espírito Santo diz “Apartai-me a Barnabé e a Saulo para a obra a que os tenho chamado”, aqueles que estavam reunidos com eles jejuaram e oraram, “e pondo sobre eles as mãos, os despediram” (Atos 13:2, 3).

Isto de modo algum poderia ser considerado como a ordenação para um ofício, pois não foi uma função que eles tinham sido chamados a ocupar, mas estavam sendo enviados para um serviço específico. O Espírito Santo tinha designado seus servos para a missão que lhes cabia. A imposição de mãos aqui tinha mais o sentido de identificação ou de se expressar total comunhão com Barnabé e Saulo em seu trabalho.

O significado da imposição de mãos é visto no Antigo Testamento em conexão com os sacrifícios. Ao impor as mãos sobre a cabeça do cordeiro consagrado, Aarão e seus filhos se identificavam, diante de Deus, com todo o doce aroma do sacrifício quando era queimado sobre o altar (Ex 29:15-19).

Um exemplo do mesmo significado pode ser encontrado em 1 Timóteo. Como já vimos, o dom foi concedido a Timóteo “pela” (por intermédio da) imposição das mãos de Paulo. Na primeira epístola, ao referir-se a isso, Paulo faz alusão à imposição de mãos do presbitério (cap. 4:14). Mas as palavras exatas que ele usa demonstram o seu caráter. Aqui a palavra não é “pela” ou por intermédio de, como na segunda epístola onde ele fala da imposição de suas próprias mãos, mas “com”, ensinando claramente que eles nada mais faziam do que estar associados a Paulo em seu ato, de modo que estavam assim se identificando com o que estava sendo feito, e também com Timóteo no serviço para o qual ele estava sendo chamado. Essa forma de imposição de mãos é simplesmente um ato de comunhão.

O outro e único tipo de imposição de mãos é mencionado em conexão com a cura do enfermo. O próprio Senhor impôs suas mãos sobre o enfermo (Lc 4:40), e comissionou seus discípulos, depois de sua ressurreição, a fazerem o mesmo (Mc 16:18). Mas se, por um lado, os “dons de cura” eram encontrados na assembleia em Corinto, não existem indícios de que a comissão dada aos discípulos tivesse sido estendida a outros. Já escrevi o suficiente para ajudar o leitor na investigação do assunto, e este, valendo-se dos casos mencionados dentro de seu contexto, será capaz de compreender a verdade envolvida nisso e a avaliar o assunto “imposição de mãos” quando comparado às presunçosas reivindicações feitas nos meios eclesiásticos. —Traduzido de “The Christian’s Friend and Instructor” – 1893.


Subir Voltar